Página 1 dos resultados de 225 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Estudo de validade do Questionário de Vivências Académicas, versão reduzida (QVA-r): respostas obtidas com base numa amostra de alunos do ensino superior politécnico

Seco, Graça Maria dos Santos Batista; Pereira, Maria Isabel Alves Rodrigues; Dias, Maria Isabel Pinto Simões; Casimiro, Mafalda Cristina Salema Monteiro; Custódio, Susana Margarida Rodrigues
Fonte: Universidade de Évora. Departamento de Psicologia Publicador: Universidade de Évora. Departamento de Psicologia
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2006 POR
Relevância na Pesquisa
66.61%
A entrada no ensino superior é perspectivada, pela maioria dos jovens estudantes, como uma nova vida recheada de múltiplos desafios a diversos níveis, associada à possibilidade de construção de novos projectos, amizades e relacionamentos e a um acréscimo de responsabilidades e de oportunidades de exploração, experimentação e compromisso em várias dimensões. De facto, entrar no ensino superior é confrontar-se com um outro espaço institucional, com as suas normas próprias, com tarefas académicas que exigem novas competências de estudo e níveis mais elevados de organização, autonomia e envolvimento por parte do aluno. Neste processo dinâmico de relação dos estudantes com o contexto do ensino superior intervêm, contudo, vários factores. Se por um lado, a capacidade do aluno para lidar com as tarefas académicas constitui, desde logo, a base fundamental de uma inserção construtiva no novo ambiente, por outro lado, a qualidade das relações parece ser também um factor fundamental, envolvendo não só a capacidade para iniciar novas interacções (com professores, colegas e funcionários da instituição e comunidade envolvente), como também a capacidade para efectuar reestruturações nas relações existentes (família...

Bem-estar subjetivo, personalidade e vivências acadêmicas em estudantes universitários

Rosin, Aline Bertuol
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
46.77%
O objetivo deste estudo foi investigar se vivências acadêmicas positivas estão associadas com o bem-estar subjetivo de estudantes universitários, bem como as relações entre as vivências acadêmicas e a personalidade (no modelo dos cinco Grandes Fatores). Mais especificamente, procurou-se avaliar o quanto as variáveis de vivências acadêmicas predizem a variância do bem estar subjetivo (afetos positivos, afetos negativos e satisfação de vida) controlando o efeito dos fatores de personalidade. Participaram do estudo 227 universitários (59% mulheres e 41% homens) de uma instituição pública do sul do país. Os instrumentos utilizados foram um questionário sobre vivências acadêmicas, adjetivos marcadores reduzidos da personalidade, uma escala de satisfação de vida e escalas de afetos positivos e negativos. Os resultados mostraram que a personalidade é o preditor mais saliente do bem estar subjetivo. Porém, foram verificadas correlações significativas entre vivências acadêmicas e bem estar subjetivo.; The purpose of this study was to investigate possible associations between positive academic experiences and the subjective well-being of university students, as well as the relationships among academic experiences and personality factors (according to the Big Five Factor model). More specifically...

Questionário de Vivências Académicas (QVAr) : novo estudo de validação

Almeida, Leandro S.; Soares, Ana Paula; Salgueira, Ana Paula; Freitas, Ana; Vasconcelos, Rosa
Fonte: Psiquilíbrios Edições Publicador: Psiquilíbrios Edições
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2004 POR
Relevância na Pesquisa
66.57%
O presente trabalho apresenta e discute os resultados relativos a um estudo validação do Questionário de Vivências Académicas na sua versão reduzida (QVAr; Almeida, Soares & Ferreira, 1999). Trata-se de um instrumento de auto-relato, constituído por 60 itens, que procura avaliar a forma como os estudantes se adaptam às principais exigências pessoais, interpessoais, académicas e institucionais do contexto universitário. A sua ampla utilização na investigação nacional e a necessidade de o testarmos em diferentes momentos com amostras distintas, justifica que procedámos, novamente, ao seu estudo psicométrico de validade e fidelidade. Assim, junto de uma amostra de 766 alunos do 1º ano da Universidade do Minho, avançamos com uma nova análise factorial e de consistência interna dos itens, cujos coeficientes praticamente replicaram os da versão original.

Questionário de vivências académicas : precisão das subescalas

Almeida, Leandro S.; Soares, Ana Paula; Araújo, Salvador; Vila-Chã, Maria do Carmo
Fonte: Universidade do Minho. Conselho Académico Publicador: Universidade do Minho. Conselho Académico
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2000 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
No presente trabalho analisa-se o impacto da redução do número de itens aplicados numa situação de avaliação psicológica, nos coeficientes de precisão dos resultados nas subescalas. A ideia subjacente é que, quando os questionários de avaliação utilizados são muito extensos, por razões de cansaço ou outras, os sujeitos podem responder de uma forma mais ou menos aleatória aos itens e, com isso, afectar a qualidade dos índices de precisão obtidos. Neste sentido tomou-se o Questionário de Vivências Académicas (QVA; Almeida & Ferreira, 1997) e constituíram-se três versões mais reduzidas do questionário, repartindo-se de uma forma mais ou menos equitativa, as suas 17 subescalas e os seus 170 itens. As três versões (QVA-1, QVA-2 e QVA-3) foram, então, administradas aleatoriamente a uma amostra de alunos do 1º ano (N=525) de várias instituições do Ensino Superior. Os resultados obtidos sugerem estabilidade nos índices de consistência interna em relação à maioria das subescalas, o que corrobora a utilização das 17 subescalas que compõem a versão integral do QVA, de uma forma mais autónoma de acordo com as necessidades e preocupações do investigador/prático. No entanto, alguma atenção deve ser dada...

Questionário de vivências académicas : construção e validação de uma versão reduzida (QVA-r)

Almeida, Leandro S.; Ferreira, Joaquim Armando G.; Soares, Ana Paula
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //1999 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
No presente trabalho, apresenta-se e descreve-se os procedimentos de construção e validação de uma versão reduzida do Questionário de Vivências Académicas (QVA; Almeida & Ferreira, 1997). A redução substancial do número de itens na versão abreviada da escala (QVA-r; Almeida, Ferreira & Soares, 2001), procurou ultrapassar as dificuldades inerentes à administração da versão integral do questionário (atendendo à sua extensão) e ainda, garantir maior versatilidade à escala tanto ao nível da investigação como da intervenção psicológica. A construção do QVA-r obedeceu à reorganização dos 170 itens e das 17 subescalas da versão original, em cinco grandes áreas da adaptação académica dos estudantes: (i) pessoal; (ii) interpessoal; (iii) carreira; (iv) estudo; e (iv) institucional. As qualidades métricas da versão reduzida revelam-se satisfatórias no que concerne à sua consistência e validade interna, o que corrobora a utilização do QVA-r como um meio mais acessível de diagnóstico das dificuldades de adaptação académica vivenciadas pelos estudantes que frequentam o Ensino Superior em Portugal.

Transição e adaptação à Universidade : apresentação do Questionário de Vivências Académicas (QVA)

Almeida, Leandro S.; Soares, Ana Paula; Ferreira, Joaquim Armando G.
Fonte: Associação Portuguesa de Psicologia Publicador: Associação Portuguesa de Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2000 POR
Relevância na Pesquisa
66.64%
Este artigo analisa o processo de transição e adaptação à Universidade e apresenta o Questionário de Vivências Académicas (QVA – Almeida & Ferreira, 1997). O questionário, com meros objectivos de despiste, assenta no princípio de que, em todos os processos de transição e adaptação, convergem as características anteriores dos indivíduos e as exigências inerentes ao novo estatuto e contexto. A interacção de todas estas variáveis operacionaliza a forma e a qualidade como cada estudante se adapta, realiza e desenvolve na instituição do Ensino Superior em que se insere. Tomando uma amostra de 1273 alunos do 1º ano de 41 licenciaturas da Universidade do Minho, descrevem-se os índices métricos das 17 subescalas que formam o QVA, assim como os valores da análise factorial exploratória da respectiva estrutura. Esta, parcialmente, agrupa as 17 subescalas nas três grandes áreas de variáveis aqui consideradas na análise da transição e adaptação dos estudantes ao Ensino Superior: (i) variáveis associadas à aprendizagem e rendimento académico; (ii) variáveis pessoais e de desenvolvimento psicossocial; e (iii) variáveis mais associadas ao contexto académico.

Adaptação, rendimento e desenvolvimento dos estudantes no Ensino Superior : construção do questionário de vivências académicas

Almeida, Leandro S.; Soares, Ana Paula; Ferreira, Joaquim Armando
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2001 POR
Relevância na Pesquisa
66.64%
Apresenta-se a construção e validação de um questionário de vivências académicas para estudantes universitários (Questionário de Vivências Académicas-QVA; Almeida & Ferreira, 1997). A amostra foi constituída por 1230 alunos a frequentar 41 cursos de graduação da Universidade do Minho. As 17 subescalas que compõem o QVA avaliam dimensões pessoais, interpessoais e contextuais da adaptação académica dos estudantes, e logicamente, os seus reflexos na satisfação, rendimento e desenvolvimento obtidos. Os índices de consistência interna, mesmo tratando-se de subescalas com poucos itens (instrumento de despiste), situaram-se acima de .75. A análise factorial agrupou as 17 subescalas em 5 factores (72% da variância explicada), reflectindo a própria estrutura organizativa do QVA. As correlações entre as pontuações nas subescalas do QVA e noutras provas psicológicas mostraram-se em sintonia com as próprias dimensões avaliadas. Índices de correlação bastante elevados (superiores a .60), foram observados quando os coeficientes se reportavam a provas avaliando dimensões psicossociais próximas.

Questionário de Vivências Académicas (QVA-r) : avaliação do ajustamento dos estudantes universitários

Almeida, Leandro S.; Soares, Ana Paula; Ferreira, Joaquim Armando G.
Fonte: Casa do Psicologo Publicador: Casa do Psicologo
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /11/2002 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
O insucesso e a evasão no ensino superior atingem níveis preocupantes na maioria dos países. Importa conhecer as suas causas e implementar as medidas, sobretudo preventivas, que possam diminuir o custo individual, familiar e social de tais situações. No presente trabalho, apresenta-se os procedimentos de construção e validação de uma versão reduzida do Questionário de Vivências Académicas (QVA; Almeida & Ferreira, 1997). A redução substancial do número de itens na versão abreviada da escala (QVA-r; Almeida, Ferreira & Soares, 2001), procura ultrapassar as dificuldades inerentes à administração de uma versão integral do questionário constituída por 170 itens distribuídos por 17 subescalas. A presente versão abreviada é constituída por 60 itens distribuídos por cinco grandes áreas da adaptação académica dos estudantes: pessoal; interpessoal; vocacional; estudo-aprendizagem; e institucional. As qualidades métricas da versão reduzida revelam-se satisfatórias em termos da sua consistência e validade interna.

Transição para o ensino superior : apresentação de questionário de vivências académicas (QVA)

Almeida, Leandro S.; Soares, Ana Paula; Ferreira, Joaquim Armando G.
Fonte: Universidade do Minho : Instituto de Educação e Psicologia Publicador: Universidade do Minho : Instituto de Educação e Psicologia
Tipo: Parte de Livro
Publicado em //2000 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
A transição do Ensino Secundário para o Ensino Superior tem assumido uma importância crescente na literatura psicológica quer no plano teórico, quer no plano empírico e da intervenção. O mesmo incremento, mesmo que mais recente, tem também ocorrido na literatura psicológica portuguesa. No entanto, apesar de se assistir actualmente ao desenvolvimento profícuo de estudos sobre os processos de adaptação e desenvolvimento humanos em contexto universitário, estudos que procurem desenvolver instrumentos ajustados às características dos jovens portugueses e que avaliem especificamente a forma como estes vivenciam o processo de transição para o Ensino Superior são escassos. O presente estudo insere-se nesta linha de investigação e procura descrever e discutir a metodologia e os resultados obtidos no estudo de construção e validação do Questionário de Vivências Académicas (QVA) junto de uma amostra de alunos do 1º ano (n=1273) da Universidade do Minho.

Estado -Traço de ansiedade e vivências académicas em estudantes do 1º ano do Instituto Politécnico de Portalegre

Cordeiro, Raul Alberto; Freire, Vera
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /05/2009 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
O presente estudo teve como objectivo geral compreender a adaptação dos estudantes do 1º ano do Instituto Politécnico de Portalegre através do conhecimento dos seus Estados e Traços de Ansiedade, bem como das suas Vivências Académicas. Foram estudados N=185 estudantes do Instituto Politécnico de Portalegre (IPP) que, no ano lectivo de 2007/2008, se encontravam matriculados no 1º ano nas Escolas do IPP: Escola Superior de Saúde de Portalegre (ESSP), Escola Superior Agrária de Elvas (ESAE), Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Portalegre (ESTGP), e Escola Superior de Educação de Portalegre (ESEP). Predominando o sexo feminino (68.6%), solteiros (96.8%), e idade entre os 18 e os 55 anos, maioritariamente revelaram adaptação em todas as Dimensões do QVA-r, à excepção da Dimensão Pessoal, facto que ocorre em 75,1% dos estudantes. Verificou-se ainda que é no Grupo Etário “Entre 18 e 22 anos” e no sexo Feminino que existe média mais elevada para as Escalas de Ansiedade-Estado e Ansiedade-Traço.

Vivências académicas dos estudantes do curso de Licenciatura em Enfermagem: contributos para a intervenção comunitária

Costa, Hugo Manuel Ventura
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.91%
Dissertação de Mestrado em Enfermagem Comunitária; Introdução: O número de estudantes no sistema de ensino superior em Portugal tem aumentado consideravelmente nos últimos anos, refletindo uma progressiva tomada de consciência da importância de se investigar as circunstâncias e os acontecimentos que os estudantes vivenciam e que influenciam o seu percurso académico. Neste contexto, o estudo centrou-se na análise das vivências académicas dos estudantes do curso de licenciatura em enfermagem de uma instituição de ensino superior do interior norte de Portugal, no sentido de se poder equacionar como campo de intervenção no âmbito da enfermagem comunitária. Objetivos: i) Caracterizar, em termos sociodemográficos e escolares, os participantes do estudo; ii) Caracterizar as vivências académicas através do Questionário de Vivências Académicas (QVA); iii) Analisar a relação entre as variáveis sociodemográficas e escolares e as dimensões do QVA; iv); Compreender os processos de adaptação e transição ao ensino superior; v) Enquadrar as vivências académicas no percurso desenvolvimental dos estudantes; vi) Identificar a forma de gestão dos recursos pessoais; vii) Explorar o sentido das expectativas profissionais dos estudantes. Métodos: O presente estudo utilizou uma abordagem quantitativa...

Vivências académicas dos alunos do Ensino Superior

Tietzen, Ana Maria dos Santos
Fonte: Universidade do Algarve Publicador: Universidade do Algarve
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
66.94%
Dissertação de mest., Psicologia Clínica e da Saúde, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Univ. do Algarve, 2010; A transição para o ensino superior implica muitas mudanças na vida dos estudantes que constituem, frequentemente, acontecimentos de vida stressantes. Esta transição obriga a um ajuste social, emocional e à adopção de estratégias de coping necessárias para enfrentar as exigências próprias do ambiente académico. A saída de casa, separação da família, amigos e vizinhos, maior autonomia, entre outras, são, para alguns estudantes, fonte de níveis moderados ou mesmo elevados, de stresse que propiciam crises adaptativas que reflectem os diferentes mecanismos adaptativos de cada jovem, próprios da sua maturidade psicológica. Como as vivências académicas são moduladas por inúmeros aspectos, procurou-se englobar, neste estudo, alguns dos que, mais frequentemente, são apontados como tendo impacto superior. Esta dissertação examina as vivências académicas e alguns comportamentos, frequentemente, associados a estas, tais como o consumo de tabaco, álcool ou estupefacientes e a prática da actividade física. Para além destes, outros aspectos, como por exemplo, as expectativas, a opção a que corresponde o curso em que se ingressou...

Vivências académicas e suporte social na adaptação ao ensino superior dos estudantes do 1º ano da Universidade da Beira Interior

Vaz, Tânia Rebelo
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
46.82%
O presente estudo tem como principais objectivos analisar a percepção do suporte social e as vivências académicas dos alunos do primeiro ano da Universidade da Beira Interior e contribuir para um melhor conhecimento da sua influência neste contexto. Para tal, foram utilizados o Questionário de Suporte Social (versão reduzida) (Social Support Questionnaire - SSQ6) e o Questionário de Vivências Académicas (versão reduzida) (QVA-r) com uma amostra de 182 sujeitos (71 homens e 111 mulheres) que frequentavam o primeiro ano das cinco faculdades. A idade dos participantes variou entre os 18 e os 59 anos (M=20.2; dp=4,89). Realizou-se uma análise estatística no sentido de verificar as diferenças entre o suporte social e as vivências académicas e diversas variáveis demográficas e contextuais (e.g. género, rendimento académico, opção de entrada e estatuto de mobilidade). Em termos gerais, os resultados apontam para diferenças de género tanto para o suporte social como para as vivências académicas, sendo mais favoráveis nas mulheres. Embora não tenham sido encontradas diferenças significativas ao nível do rendimento académico, os estudantes com percepção de melhor desempenho face à turma pontuaram mais nas dimensões carreira...

Competência emocional e dimensões sociais das vivências académicas em estudantes do curso de sociologia

Melo, Ana Rita Gomes Guerra de
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.85%
Nos dias de hoje, o tema da competência emocional tem suscita um elevado interesse na investigação, fundamentalmente nos contextos de educação. Neste trabalho analisa-se a competência emocional e as dimensões sociais das vivências académicas de estudantes do ensino superior. Os objetivos deste estudo consistem em avaliar a competência emocional e averiguar as dimensões sociais vivências académicas de estudantes do curso de sociologia, bem como avaliar a relação existente entre a competência emocional e as dimensões sociais das vivências académicas desses mesmos alunos. Participaram 84 sujeitos, 62 do sexo feminino e 22 do sexo masculino, com uma média de idade de 21 anos, que responderam a um Questionário sócio-demográfico, ao Questionário de Competência Emocional (QCE) que engloba 3 dimensões - Capacidade para lidar com a emoção (CL), expressão emocional (EE) e perceção emocional (PE) (Santos e Faria, 2005), e a quatro sub-escalas do Questionário de Vivências Académicas (QVA) (Relacionamento com os professores, relacionamento com os colegas, relacionamento com a família e envolvimento em atividades extracurriculares) (Almeida e Ferreira, 1997). No que diz respeito à competência emocional, os sujeitos da nossa amostra evidenciam boa capacidade para lidar com a emoção (M=74...

Vivências académicas e rendimento escolar: Estudo com alunos universitários do 1.º ano

Santos, Luísa; Universidade do Minho; Almeida, Leandro S.; Universidade do Minho
Fonte: ISPA - Instituto Universitário Publicador: ISPA - Instituto Universitário
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em 23/11/2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
Partindo de uma amostra de 456 alunos do primeiro ano da Universidade do Minho, analisam-se as dimensões da adaptação académica e o seu possível impacto no rendimento escolar dos estudantes. Os dados referentes à adaptação foram obtidos através da administração do Questionário de Vivências Académicas –QVA (Almeida & Ferreira, 1997), agrupando-se neste estudo as 17 subescalas do QVA nas dimensões pessoal, de realização académica e institucional. Para efeitos de avaliação do rendimento escolar foram recolhidos alguns indicadores referentes às avaliações destes alunos ao longo do ano lectivo de 1998/1999.Os resultados apontam para uma correlação com significado estatístico entre a dimensão de realização da adaptação académica e os indicadores de rendimento tomados. O rendimento académico foi explicado entre 16% a 30% pelas subescalas do QVA. Tendencialmente as variáveis mais decisivas para o rendimento académico foram as respeitantes aos métodos de estudo, às bases de conhecimentos, à percepção de competências cognitivas e à adaptação ao curso.

Vivencias e implicación académica en estudiantes universitarios : adaptación y validación de escalas para su evaluación; College students' academic experiences and involvement : assessment scales adaptation and validation; Vivências e envolvimento acadêmico de estudantes universitários : adaptação e validação de escalas para a sua avaliação

Abello Riquelme, Rubén; Díaz Mujica, Alejandro; Pérez Villalobos, María Victoria; Almeida, Leandro S.; Herrera, Irma; González Puentes, Jaime; Strickland, Brandee
Fonte: Universidad Austral de Chile. Facultad de Filosofía y Humanidades Publicador: Universidad Austral de Chile. Facultad de Filosofía y Humanidades
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /12/2012 SPA
Relevância na Pesquisa
56.75%
Este artículo describe los procesos preliminares de adaptación y validación de dos instrumentos diseñados para describir Vivencias Académicas (centradas en la satisfacción) y la Implicación Académica (centrada en el compromiso) en estudiantes universitarios. De acuerdo con la literatura científica en el área, las vivencias y la implicación académica se encuentran asociadas con las dificultades relacionadas al abandono de los alumnos. Para este estudio se aplicaron dos cuestionarios a 261 estudiantes pertenecientes a la Universidad de Concepción, Campus Los Ángeles, Chile. Ambos instrumentos mostraron niveles adecuados de homogeneidad o consistencia interna en los ítems repartidos para las subescalas de cada cuestionario. Paralelamente, se calcularon las correlaciones entre las dimensiones de ambos cuestionarios, siendo los coeficientes obtenidos adecuados para los constructos evaluados. Estos antecedentes permiten el comienzo de la validación de los cuestionarios en estudio.; This paper presents preliminary findings regarding the adaptation and validation of two instruments designed to measure Academic Experiences (centred on satisfaction) and Academic Involvement in university students. Previous research has shown that academic experience and involvement are strongly correlated with student drop-out rates. For the present study...

Competência emocional e dimensões sociais das vivências académicas em estudantes do curso de sociologia

Melo, Ana Rita Gomes Guerra de
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.85%
Nos dias de hoje, o tema da competência emocional tem suscita um elevado interesse na investigação, fundamentalmente nos contextos de educação. Neste trabalho analisa-se a competência emocional e as dimensões sociais das vivências académicas de estudantes do ensino superior. Os objetivos deste estudo consistem em avaliar a competência emocional e averiguar as dimensões sociais vivências académicas de estudantes do curso de sociologia, bem como avaliar a relação existente entre a competência emocional e as dimensões sociais das vivências académicas desses mesmos alunos. Participaram 84 sujeitos, 62 do sexo feminino e 22 do sexo masculino, com uma média de idade de 21 anos, que responderam a um Questionário sócio-demográfico, ao Questionário de Competência Emocional (QCE) que engloba 3 dimensões - Capacidade para lidar com a emoção (CL), expressão emocional (EE) e perceção emocional (PE) (Santos e Faria, 2005), e a quatro sub-escalas do Questionário de Vivências Académicas (QVA) (Relacionamento com os professores, relacionamento com os colegas, relacionamento com a família e envolvimento em atividades extracurriculares) (Almeida e Ferreira, 1997). No que diz respeito à competência emocional, os sujeitos da nossa amostra evidenciam boa capacidade para lidar com a emoção (M=74...

Vivências académicas e suporte social na adaptação ao ensino superior dos estudantes do 1º ano da Universidade da Beira Interior

Vaz, Tânia Rebelo
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
46.82%
O presente estudo tem como principais objectivos analisar a percepção do suporte social e as vivências académicas dos alunos do primeiro ano da Universidade da Beira Interior e contribuir para um melhor conhecimento da sua influência neste contexto. Para tal, foram utilizados o Questionário de Suporte Social (versão reduzida) (Social Support Questionnaire - SSQ6) e o Questionário de Vivências Académicas (versão reduzida) (QVA-r) com uma amostra de 182 sujeitos (71 homens e 111 mulheres) que frequentavam o primeiro ano das cinco faculdades. A idade dos participantes variou entre os 18 e os 59 anos (M=20.2; dp=4,89). Realizou-se uma análise estatística no sentido de verificar as diferenças entre o suporte social e as vivências académicas e diversas variáveis demográficas e contextuais (e.g. género, rendimento académico, opção de entrada e estatuto de mobilidade). Em termos gerais, os resultados apontam para diferenças de género tanto para o suporte social como para as vivências académicas, sendo mais favoráveis nas mulheres. Embora não tenham sido encontradas diferenças significativas ao nível do rendimento académico, os estudantes com percepção de melhor desempenho face à turma pontuaram mais nas dimensões carreira...

Subjective Well-being, Personality and Academic Experiences on University Students; Bem-estar Subjetivo, Personalidade e Vivências Acadêmicas em Estudantes Universitários

Zanon, Cristian; Universidade São Francisco; Rosin, Aline Bertuol; Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Teixeira, Marco Antônio Pereira; Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 19/08/2015 POR
Relevância na Pesquisa
66.82%
O objetivo deste estudo foi investigar se vivências acadêmicas positivas estão associadas com o bem-estar subjetivo (BES) de universitários, bem como as relações entre as vivências acadêmicas e a personalidade. Mais especificamente, procurou-se avaliar o quanto as variáveis de vivências acadêmicas predizem a variância do BES controlando o efeito dos fatores de personalidade. Participaram do estudo 227 universitários (59% mulheres e 41% homens). Os instrumentos utilizados foram um questionário sobre vivências acadêmicas, adjetivos marcadores reduzidos da personalidade, uma escala de satisfação de vida e uma escala de afetos positivos e negativos. Os resultados mostraram que a personalidade é o preditor mais saliente do bem-estar subjetivo. Porém, foram verificadas correlações significativas entre vivências acadêmicas e bem-estar subjetivo.; The purpose of this study was to investigate possible associations between positive academic experiences and the subjective well-being of university students, as well as the relationships among academic experiences and personality factors. More specifically, it was assessed the contribution of academic experiences to the prediction of subjective well-being after controlling for the effects of personality. Participants were 227 college students (59% women and 41% men). The instruments used were a questionnaire to evaluate academic experiences...

Vivências académicas e rendimento escolar: estudo com alunos universitários do 1.º ano

Santos,Luisa; Almeida,Leandro S.
Fonte: Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2001 PT
Relevância na Pesquisa
66.52%
Partindo de uma amostra de 456 alunos do primeiro ano da Universidade do Minho, analisam-se as dimensões da adaptação académica e o seu possível impacto no rendimento escolar dos estudantes. Os dados referentes à adaptação foram obtidos através da administração do Questionário de Vivências Académicas – QVA (Almeida & Ferreira, 1997), agrupando-se neste estudo as 17 subescalas do QVA nas dimensões pessoal, de realização académica e institucional. Para efeitos de avaliação do rendimento escolar foram recolhidos alguns indicadores referentes às avaliações destes alunos ao longo do ano lectivo de 1998/1999. Os resultados apontam para uma correlação com significado estatístico entre a dimensão de realização da adaptação académica e os indicadores de rendimento tomados. O rendimento académico foi explicado entre 16% a 30% pelas subescalas do QVA. Tendencialmente as variáveis mais decisivas para o rendimento académico foram as respeitantes aos métodos de estudo, às bases de conhecimentos, à percepção de competências cognitivas e à adaptação ao curso.