Página 1 dos resultados de 6063 itens digitais encontrados em 0.011 segundos

Conflito, reconhecimento e justiça: uma nova forma à teoria crítica

Ravagnani, Herbert Barucci
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 106 f.
POR
Relevância na Pesquisa
66.33%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Pós-graduação em Filosofia - FFC; Axel Honneth tem procurado, nos últimos anos, conceituar o conflito social enquanto luta por reconhecimento, assim como as esferas sociais do reconhecimento como compondo fundamentos da realidade social, a partir dos quais se pode retirar critérios para uma teoria do reconhecimento e uma teoria da justiça na modernidade. O presente trabalho visa oferecer uma leitura da contribuição honnethiana, partindo da crítica a Habermas, principalmente em Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais, de 1992, e em Sofrimento de indeterminação: uma reatualização da Filosofia do Direito de Hegel, de 2001. Esta leitura tem como mote principal a reflexão acerca das noções de reconhecimento, conflito e justiça, tidos como centrais na nova teoria proposta por Honneth, e tem como fio condutor a tentativa de identificar e delinear os pontos comuns possíveis de serem encontrados nessas duas obras decisivas do pensamento honnethiano. Será possível notar que Honneth está sempre tentando ―elucidar categorialmente a realidade social‖, isto é, ele procura suprir uma nova conceituação acerca do ―social‖ a qual represente condições de estabelecimento da Teoria Crítica não mais sobre os fundamentos do consenso e do entendimento...

Teoria crítica em Roberto Lyra Filho

Lopes, Antônio
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.32%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Jurídicas. Programa de Pós-graduação em Direito; Esta dissertação tem por objetivo verificar os pressupostos teórico-práticos de Roberto Lyra Filho para a construção de um paradigma político-epistêmico alternativo ao liberal-metafísico dominante. Tendo a sua temática circunscrita na Teoria Crítica, apresenta como problema a existência ou não de uma interferência do pensamento lyriano na formação da Teoria Crítica Jurídica. Usando o método hipotético-dedutivo, este trabalho discorrerá sobre o complexo processo político e científico de construção do conhecimento desde a Antiguidade, chegando a um grau de construção que, ultrapassando os esquemas fragmentados, ganha um sentido totalizante. Forma-se, assim, o paradigma que na modernidade leva a humanidade a grandes conquistas. Porém, atualmente, apresenta dificuldades em dar soluções a problemas que surgem, frutos da dogmatização de seus postulados e da desconexão com os amplos setores sociais, impedindo o seu retro alimentar. Diante desses fatos, o método metafísico perde espaço e o dialético avança principalmente por sua capacidade em captar os elementos sócio-epistêmicos no processo histórico...

Teoria crítica do esporte

Torri, Danielle
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.3%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação.; Este estudo apresenta os resultados de uma investigação que percorreu o caminho da Teoria Crítica da Sociedade da Escola de Frankfurt especialmente nas obras de Herbert Marcuse para analisar o fenômeno do esporte de alto rendimento em uma de suas interpretações clássicas, a Teoria Crítica do Esporte. Expressão da mais eficiente performance humana, de beleza e disciplina, o esporte poucas vezes foi contestado, sobrevivendo inclusive aos escândalos do dopping. Entretanto, surge na Europa dos anos de 1960, no contexto das Ciências Sociais, uma perspectiva teórica que, influenciada em parte pela contracultura daqueles anos, mas também pelas críticas ao mundo administrado desenvolvidas pela Escola de Frankfurt, ousou colocar em questão o esporte e sua suposta pureza oriunda do ideal olímpico. O trabalho apresenta aspectos do desenvolvimento desta teoria, críticas a ela endereçadas, tanto em registro conservador quanto na concorrência com outras perspectivas da sociologia do Esporte, e sua ressonância no Brasil a partir da década de 1980 na Educação Física. Foi também nosso objeto de atenção a inspiração do filósofo Herbert Marcuse nos trabalhos da Teoria Crítica do Esporte...

A teoria crítica dos sistemas da escola de Frankfurt

Fischer-Lescano,Andreas
Fonte: Centro Brasileiro de Análise e Planejamento Publicador: Centro Brasileiro de Análise e Planejamento
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2010 PT
Relevância na Pesquisa
66.34%
Apesar de seu ceticismo em relação à razão e à moralidade universais, a Teoria Crítica e a Teoria Crítica dos Sistemas compartilham alguns pressupostos básicos: (1) o uso de conceitos sistêmicos e institucionais, que transcendem as meras relações intersubjetivas graças à sua complexidade; (2) a idéia de que a vida social é marcada por paradoxos, antagonismos e antinomias fundamentais; (3) a estratégia de definir a justiça como uma fórmula contingente e transcendental; (4) o recurso à crítica imanente (e não externa, de fundo moral) como uma atitude de transcendência; (5) o objetivo de emancipação social (e não apenas política) em uma "associação de indivíduos livres" (Marx). O artigo enfoca esses paralelos e procura esboçar uma virada crítica da teoria dos sistemas autopoiéticos.

O não reconhecimento sistemático e a prática da crítica: Bourdieu, Boltanski e o papel da teoria crítica

Celikates,Robin
Fonte: Centro Brasileiro de Análise e Planejamento Publicador: Centro Brasileiro de Análise e Planejamento
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2012 PT
Relevância na Pesquisa
66.32%
A "virada pragmática" proposta por Boltanski e outros não deveria levar-nos a abandonar o projeto da Teoria Crítica, como se toda a crítica necessária já estivesse articulada nas práticas cotidianas de crítica. As capacidades reflexivas dos atores "ordinários" e suas práticas de justificação e crítica, que são convincentemente reconstruídas pela sociologia da crítica, constituem a base social e metodológica da teoria crítica. Isso não deveria, contudo, levar-nos a atribuir uma autoridade epistêmica à perspectiva dos participantes que seja imune a ser colocada em questão de um ponto de vista informado em termos teóricos.

Teoria Crítica e pesquisa social: da dialética à reconstrução

Voirol,Olivier
Fonte: Centro Brasileiro de Análise e Planejamento Publicador: Centro Brasileiro de Análise e Planejamento
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2012 PT
Relevância na Pesquisa
66.3%
Os desenvolvimentos teóricos recentes da Teoria Crítica têm passado ao largo da preocupação com a pesquisa social - seja pela pouca importância dada ao "teste" empírico das ideias teóricas, seja pela ausência de estímulo a novos projetos de pesquisa empírica no campo da Teoria Crítica. Essa tendência implica uma importante "mudança" teórica em relação ao antigo programa dialético da Teoria Crítica proposto por Max Horkheimer na década de 1930. O artigo ressalta algumas dificuldades atinentes à articulação produtiva entre teoria e pesquisa - com prejuízo, creio, para ambas, filosofia e ciências sociais.

Teoria crítica em relações internacionais

Silva,Marco Antonio de Meneses
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Instituto de Relações Internacionais Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Instituto de Relações Internacionais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2005 PT
Relevância na Pesquisa
66.45%
Este artigo tem por objetivo apresentar a tradição da teoria crítica em Relações Internacionais. Entende-se que haja uma lacuna nos debates teóricos com a reduzida atenção dedicada a essa tradição no Brasil. O revigoramento dos debates teóricos contribui para o enfraquecimento das tradições teóricas convencionais. O papel da teoria crítica nessa tendência é primordial. A teoria crítica da Escola de Frankfurt é examinada como precursora filosófica e metateórica da teoria crítica em Relações Internacionais. Em seguida, as bases epistemológicas dos desafios da teoria crítica às teorias convencionais são apresentadas, com ênfase especial dedicada ao trabalho de Robert W. Cox. O pensamento neogramsciano é inspecionado à luz da busca pela transformação social nas relações internacionais. A vertente da teoria crítica internacional é vista como fonte de inspiração para muitos autores que trabalham com a emancipação. Examina-se a produção de Andrew Linklater por representar a busca por transformação das comunidades políticas por meio da expansão de suas fronteiras morais. Em seguida, busca-se uma avaliação crítica dos impactos trazidos pela teoria crítica ao campo de estudos das Relações Internacionais. Conclui-se que a teoria crítica tem méritos na guinada das discussões teóricas em direção a questionamentos ontológicos e epistemológicos...

Teoria crítica e semiperiferia: reflexões sobre a modernidade global e a geopolítica da teoria sociológica

Jardim,Fernando Perlatto Bom
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Sociologia - UFRGS Publicador: Programa de Pós-Graduação em Sociologia - UFRGS
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2013 PT
Relevância na Pesquisa
66.32%
Nos últimos anos, sobretudo devido ao destaque que a crítica pós-colonial assumiu no âmbito da sociologia, diversos estudos têm apontado para a necessidade de se problematizarem as relações de produção e circulação da teoria sociológica entre centro e periferia. O livro de José Maurício Domingues, Teoria Crítica e (Semi)Periferia, ao trazer para o centro da reflexão teóricos provenientes de diferentes regiões periféricas do globo - como América Latina, Índia, China e Israel -, abre novas possibilidades para a reflexão crítica sobre a geopolítica da teoria sociológica, assim como contribui para a discussão em torno da modernidade global a partir da periferia e da semi-periferia.

Da violência à solidariedade: as lutas por reconhecimento e a formação do Estado Democrático de Direito: a teoria do discurso e a teoria crítica do reconhecimento sobre o status do direito em sociedades modernas

Holmes Chaves, Pablo; Browne Rego, George (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.33%
O trabalho realiza uma incursão em duas da mais relevantes e debatidas teorias da sociedade provenientes do que se chama convencionalmente de Escola de Frankfurt. A teoria do discurso e Jürgen Habermas é apreciada, em suas implicações metodológicas e conceituais, até o ponto em que propõe um olhar normativo sobre a forma de integração das sociedades contemporâneas. Procede-se então a uma revisão de duas das críticas mais severas contra a teoria da ação comunicativa, a de Albrecht Wellmer e a de Charles Taylor. Em conseqüência conclui-se por uma revisão dos seus pressupostos na forma de uma teoria do reconhecimento social. O modelo escolhido para realizar essa transição é o oferecido por Axel Honneth. A partir dele, revisa-se os elementos metodológicos de uma teoria da evolução social. Então, realiza-se uma retradução teórica dos principais elementos da teoria social contemporânea, sobretudo os da teoria do discurso, na forma de uma teoria crítica do reconhecimento baseada no conceito de lutas sociais moralmente motivadas. O direito moderno é visto como o resultado de um processo contingente e culturalmente, próprio das formas de vida modernas de institucionalização de novas formas de reconhecimento por meio de lutas sociais. Acrescenta-se uma nova conceituação para a solidariedade social...

Condições de possibilidade de uma teoria critica de educação

Margarita Sgro
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 27/08/2004 PT
Relevância na Pesquisa
66.33%
O presente trabalho pretende examinar as condições de possibilidade de uma Teoria Critica da Educação situada no contexto da discussão contemporânea sobre a Modernidade. As críticas à racionalidade moderna atingiram o discurso educacional colocando a Teoria da Educação em uma perspectiva tecnocrática que rompe a estreita relação que a educação manteve com um projeto social de caráter emancipatório. Desta maneira a Pedagogia, entendida como Teoria da Educação, encontra-se reduzida em suas colocações teóricas e incapacitada de orientar a prática por ter perdido a sua característica de saber normativo e prepositivo. Este estudo pretende mostrar que a "Teoria da ação comunicativa" de Jürgen Habermas fornece o contexto conceitual não só para mudar o rumo da crítica à Modernidade, mas também para a superação dos decorrentes paradoxos a que chegou com a crítica da razão instrumental. A produtividade da obra habermasiana para a educação está na recuperação do potencial crítico-emancipatório da razão, histórica e ancorada na linguagem. Ampliar o horizonte conceitual da racionalidade permite recuperar a relação razão-emancipação. No âmbito desta relação, é possível retomar a Teoria da educação como saber normativo e prepositivo...

A elaboração da teoria critica da sociedade segundo Lukas e Horkheimer

Luciana Rodrigues Alves
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 09/12/2004 PT
Relevância na Pesquisa
66.29%
O presente trabalho trata privilegiadamente da elaboração da teoria crítica da sociedade por Max Horkheimer na década de 1930. O interesse por este tema se deve à riqueza deste projeto de conhecimento crítico, interdisciplinar e conectado à práxis revolucionária. Devemos esclarecer, contudo, que este conceito de crítica possui dois momentos que optamos por caracterizar como materialismo interdisciplinar, de 1930 a 1937, e teoria crítica, de 1937 a 1940. Não podemos nos esquecer de mencionar, além disso, o quanto este modelo é tributário da crítica elaborada por G. Lukács em História e consciência de classe; The present work treats precisely the elaboration of the critical theory of society by Max Horkheimer in the 1930's. The interest on this theme is due to the richness presented by this critical project of knowledge, also interdisciplinary and connected to revolutionary praxis. We shall clarify, however, that this concept of critique is constituted by two moments that we have decided to characterize as interdisciplinary materialism, ITom 1930 to 1937, and critical theory, ITom 1937 to 1940. We cannot forget to mention that this model is based on the critique G. Lukács created in his History and class consciousness

Marcuse e a psicanálise : a teoria critica sob a análise da teoria da repressão; Marcuse and psychoanalysis : the critical theory under the analysis of repression theory

Maria Erbia Cassia Carnaúba
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 24/08/2012 PT
Relevância na Pesquisa
66.33%
O objetivo desta dissertação é estudar a apropriação da psicanálise pela Teoria Crítica de Herbert Marcuse, tendo como ponto de partida sua análise dos conceitos de mais-repressão e princípio de desempenho em Eros e Civilização: Uma interpretação Filosófica do Pensamento de Freud. Marcuse teria derivado estes conceitos daqueles freudianos de Repressão e Princípio de Realidade respectivamente, por não corresponderem mais ao atual estágio de desenvolvimento da sociedade capitalista. Com sua reformulação conceitual, ele resgata a teoria freudiana para argumentar que é possível uma sociedade menos repressiva. Tal perspectiva é problemática, posto que Freud, embora aponte algumas formas de superação da sociedade repressiva, tende a um diagnóstico de aumento da repressão, a ponto de afirmar a possibilidade de autodestruição da civilização. Pretendemos discutir essa metamorfose crítico - conceitual de Marcuse e suas consequências. Nossa hipótese é de que tal apropriação é plausível na medida em que está de acordo com a vertente inaugural da Teoria Crítica de Horkheimer em seu artigo de 1937, no qual afirma que a Teoria Tradicional pode ser apropriada pela Teoria Crítica; desde que possamos fazer uma historicização dos conceitos...

Ensayo, teoría crítica y dialéctica en T.W. Adorno: Caracterización, “ejemplo” y problemática didáctica.

Alfonso Rodríguez; Docente adscrito al instituto de estudios en educación de la Universidad del Norte y a la facultad de ciencias humanas de la Universidad del Atlántico
Fonte: Fundación Universidad del Norte Publicador: Fundación Universidad del Norte
Tipo: article; publishedVersion Formato: application/pdf
SPA
Relevância na Pesquisa
76.25%
Con el ensayo que sigue me propongo contribuir a la reflexión acerca del tipo de texto que, se dice, es el más utilizado en el mundo: el ensayo; para ello me concentro en lo expresado por el pensador alemán T. W. Adorno. En primera instancia, expongo los rasgos característicos de ese tipo de texto según el autor de la llamada Escuela de Frankfurt; después, describo dos nociones relacionadas en este autor con este tipo de texto: las de teoría crítica y de dialéctica; y, finalmente, esbozo la problemática que esa noción de ensayo puede implicar para la didáctica de su composición. Me centraré en el texto “El ensayo como forma”, así como en “Idea de una historia natural”, “La crítica de la cultura y la sociedad” y Dialéctica negativa. Adorno caracteriza al ensayo como un “genero” cuyos rasgos son la autonomía, la celebración de lo individual y el espíritu crítico; su configuración sería la utilizada en una composición musical. La utilizada en el ensayo “Idea de una historia natural”, al oponerla a la de “El ensayo como forma”, puede ser considerada como una paradoja para la didáctica de su composición. With this essay, it is my purpose to contribute to the reflection on the type of text said to be the most widely used around the world...

CONOCIMIENTO E HISTORICIDAD EN LA INVESTIGACIÓN DE LA TEORÍA CRÍTICA DE FRANKFURT

Cabrera Pérez, Pablo
Fonte: Universidad de Chile; Programa Cybertesis Publicador: Universidad de Chile; Programa Cybertesis
Tipo: Tesis
ES
Relevância na Pesquisa
66.34%
Esta tesis trata sobre la investigación realizada por la Teoría Crítica de Frankfurt (1931 –1960) en torno a la relación problemática que establecen entre conocimiento e historicidad, dentro de lo cual hay una reflexión epistemológica sobre la ciencia y la filosofía, teniendo como objeto la relación hombre – naturaleza, por un lado. Por otro, de aquella relación fundamental, comprenden el lugar y la tarea que corresponde, en su diferencia, a la Razón Filosófica y al Conocimiento Científico en cuanto tal. Ahora, es dentro de ese aspecto específico, que esta investigación reconstruye un panorama general de algunas tendencias de la epistemología en tanto campo disciplinar desarrolladas en el siglo XX, considerando la Tradición Heredada (1920-1960) y el Historicismo (1960...), con el fin de valorar y establecer los aportes de la Teoría Crítica de Frankfurt a la epistemología. En la primera parte se delimita el programa de la Escuela de Frankfurt en la década de los años 30. Para ello se hace una breve revisión histórica cuya función es contextualizar algunos de los problemas del marxismo en su traspaso desde el Este a Europa, ya que en ese eje se organiza el Instituto de Investigación de Frankfurt en 1924...

La teoría crítica : de Frankfurt a Habermas. Una traducción de la teoría de la acción comunicativa a la sociología

Noguera, José Antonio
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Article; info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: application/pdf
Publicado em //1996 SPA
Relevância na Pesquisa
66.34%
Este artículo pretende ser una primera introducción para no iniciados a la teoria sociológica de Jürgen Habermas. Se analiza la teoría de la acción comunicativa de Habermas desde el "giro lingüistico" hasta la teoría de la sociedad pasando por la teoría de la acción. Se argumenta que la teoría de Habermas parte de un concepto de racionalidad comunicativa filosóficamente fundamentado y no dogmático, alternativo a la racionalidad instrumental- estratégica; que su teoria de la acción comunicativa provee de un modelo de acción alternativo al de las teorías de la elección racional; que su teoria de la sociedad articulada en dos niveles -sistema y mundo de la vida- supera las antinomias tanto del funcionalismo como de la fenomenología, conectando con la tradición marxista; y, por último, que todo ello conserva una conexión entre teoría y práctica típica de cualquier teoría crítica de la sociedad.; This article seeks to be a first introduction for those not iniciated in the sociological theory of Jürgen Habermas. It analyzes Habermas' theory of communicative action from the "linguistic turn" to the theory of society going through the theory of action. It is argumented that Habermas' theory starts from a concept of communicative rationality which is philosophically grounded and not dogmatic...

Desafios Contemporâneos da Teoria Crítica: As novas (bio)tecnologias e o remodelamento da base material da sociedade

Rotondaro, Tatiana Gomes; Universidade Federal Fluminense-UFF GSO-Dep. de Sociologia e PPGS-Programa de Pós-graduação em Sociologia Professora Adjunta
Fonte: Revista Convergência Crítica Publicador: Revista Convergência Crítica
Formato: application/pdf
Publicado em 31/12/1969 PT
Relevância na Pesquisa
76.25%
Somos diariamente submetidos à informações, veiculadas pela mídia e por periódicos especializados, que reforçam a ideia de que os nossos genes são responsáveis pelas nossas ações e comportamentos. Mas se a compreensão dos condicionantes da ação humana é um dos principais problemas sociológicos, torna-se pertinente indagarmos por que essa tese determinista possui tanto apelo na opinião pública.  U melhor dizendo, por que as ciências sociais, ao menos aparentemente, têm publicamente perdido a sua autoridade acadêmica para explicar os condicionantes da ação humana para biólogos e psicólogos evolucionistas, que se apoiam em explicações genéticas altamente deterministas? Trabalhando nos marcos da Teoria Crítica, e olhando para essa questão a partir das (bio)tecnologias, argumentarei que essas novas tecnologias são atores privilegiados de uma transformação orgânico-material histórica, e que parte da fragilidade sociológica em lidar com esta especificidade se deve ao próprio desdobramento epistemológico apresentado pela disciplina nas últimas décadas.

A CONEXÃO ENTRE REFLEXÃO FILOSÓFICA E PESQUISA SOCIAL EMPÍRICA COMO PRÁXIS NA TEORIA CRÍTICA DA SOCIEDADE

Antunes, Deborah Christina; Universidade de Brasília
Fonte: Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação Publicador: Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 15/07/2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.32%
A Teoria Crítica nasceu da reformulação da relação entre a filosofia e pesquisa social empírica, no Instituto de Pesquisa Social de Frankfurt, em 1931, quando Horkheimer defendeu a reorientação da agenda de pesquisa do Instituto, bem como a substituição de sua abordagem pelo que ficou conhecido como materialismo interdisciplinar. Ele conectou reflexão teórica, baseada no marxismo filosófico, e ciência social empírica, em resposta a outras interpretações do marxismo ortodoxo. Desde as primeiras pesquisas e elaborações teóricas do Instituto nessa época, Horkheimer e Adorno manifestaram sua preocupação com o destino da humanidade – e a junção entre teoria social e pesquisa dizia respeito a tal preocupação. Horkheimer deixou isso claro no prefácio de The Authoritarian Personality, onde defendeu a articação entre a pesquisa e os interesses do Instituto e sua preocupação com a emancipação humana - desenvolvida a partir de uma análise cientificamente honesta do mundo material. Foi Adorno, contudo, no contato com a experiência científica norte-americana que, apesar de sua rejeição inicial da pesquisa empírica, reformulou seu conceito sobre ela, desenvolvendo uma teoria dialética da primazia do objeto...

Kant resucitado: Junto a un renacimiento de Hegel en las últimas generaciones de la Teoría Crítica. Por la necesidad de apostar a la idea de un progreso moral y a la utopía de una sociedad cosmopolita pluralista de derecho

Sauerwald,Gregor
Fonte: Estudios de filosofía práctica e historia de las ideas Publicador: Estudios de filosofía práctica e historia de las ideas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2011 ES
Relevância na Pesquisa
66.3%
En el contexto de la pregunta por el destino de la Teoría Crítica, la discusión entre Axel Honneth y Jürgen Habermas sobre el cambio en el paradigma de la Filosofía Política y Social con la tesis "de la comunicación al reconocimiento" gira aquí en torno a una reconstrucción crítica de la filosofía de Immanuel Kant, un Kant ´moderado´ en un modelo ´explicativo´ o ´hermenéutico´, y así ´irrebasable´ del progreso moral, rompiendo su sistema, y un Kant ´destrascendentalizado´, apto para fundamentar la necesidad de un diálogo entre la razón y la fe. ¿Por qué Kant y no Georg Hegel, central este último para los dos filósofos alemanes en su superación de las aporías de la primera generación de la Teoría Crítica? Pero ¿dónde queda Karl Marx, tan importante para los fundadores de la Escuela de Frankfurt? Y ¿no había exigido Habermas en 2009 con motivo del aniversario de su discípulo, que Honneth, después de su viaje de Marx a Hegel, hiciera el necesario regreso? De tal manera que en esta vuelta, Honneth trajera en su equipaje lo rescatado del Idealismo Alemán. Así la historia de la Teoría Crítica queda inconclusa.

La teoría crítica del desarrollo: resultados y prospectiva

Munck,Ronaldo
Fonte: Red Internacional de Migración y Desarrollo Publicador: Red Internacional de Migración y Desarrollo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2010 ES
Relevância na Pesquisa
66.33%
En la actual coyuntura se ha hablado mucho sobre <

Conhecendo os caminhos da teoria crítica

Antunes, Márcia do Nascimento V.; Ramos, Luís Marcelo Alves
Fonte: ETD - Educação Temática Digital Publicador: ETD - Educação Temática Digital
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; bibliográfica Formato: application/pdf
Publicado em 08/01/2009 POR
Relevância na Pesquisa
66.33%
Buscando produzir subsídios para o debate na área da Educação em Saúde, este documento traz uma síntese histórica sobre a Escola de Frankfurt e apresenta o conteúdo da Teoria Crítica por ela produzida, resgatando elementos das obras de seus mais expressivos membros: Horkheimer, Adorno, Marcuse, Benjamin e Habermas. Palavras-chave Escola de Frankfurt; Teoria Crítica; Educação - Teoria; Sociologia Educacional Abstract Aiming to support a discussion on education in health, this paper brings a concise view on the history of the Frankfurt School and shows an introduction to the "Critical Theory" highlighting some aspects of the significant contribution to this school of thought by Horkheimer, Adorno, Marcuse, Benjamin and Habermas. Keywords Frankfurt School; Critical Theory; Education - Theory; Educational Sociology