Página 1 dos resultados de 139 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

O tempo das formas em Grande Sertão: Veredas; The time of the forms in Grande Sertão: Veredas

Barbieri, Marcio Jose Pivotto
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 01/07/2011 PT
Relevância na Pesquisa
36.28%
A presente dissertação propõe-se a analisar o tempo na obra Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa. Inicialmente, apresentam-se algumas teorias sobre o tempo baseadas em textos de Lessing, Santo Agostinho, Koselleck, para chegar às teorias do tempo da narrativa, cujos princípios são retirados principalmente dos ensaios de Benedito Nunes e Mendilow. Fundamentada nessas teorias sobre o tempo, a análise é desenvolvida com o intuito de apresentar as formas de temporalidade no romance de Guimarães Rosa. Assim, situa-se a obra no campo literário brasileiro em que o autor a escreveu. Como consequência, abordam-se algumas referências ao tempo histórico que estão explícitas na fala de Riobaldo, como a passagem da Coluna Prestes pelo Norte e Nordeste brasileiros. Por fim, estudando as descrições de cenas, as imagens criadas a partir do ambiente do sertão, as alegorias a partir de elementos naturais (vento, rio, buritis), pretende-se expor como o tempo aparece em diversos momentos do romance. No último capítulo, desenvolve-se a discussão sobre o tempo das formas, demonstrando-se como a constituição da cena da enunciação põe em jogo categorias do tempo. Parte-se inicialmente da organização da estrutura do romance...

A matéria cênica e o tempo de sua percepção: uma proposta de agenciamento teórico; -

Machado, Vinicius Torres
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 01/09/2014 PT
Relevância na Pesquisa
36.23%
Esta tese analisa o teatro que tem por característica o jogo com o tempo real da matéria cênica não fabulada. Procura-se apresentar a materialidade da cena como fator de afecção por si, pensada tanto historicamente quanto na cena contemporânea e contrastada no tempo da percepção. O trabalho dividese em duas partes: na primeira, analiso os elementos da matéria cênica em seu devir e as relações de afecção que eles estabelecem entre si; na segunda, analiso de que maneira os elementos constitutivos da cena podem ser compostos no tempo, privilegiando uma relação intensiva entre as partes de um espetáculo. Por fim, abordo como o jogo com a matéria cênica não fábulada pode conduzir o espectador à sensação de um tempo em suspensão; This thesis analyses a form of theatre which plays with the actualized time of non fictional theatre elements. It seeks to present the materiality of the theatre as an affection factor by itself, designed both historically and in the contemporary theatrical landscape, and contrasted by the time of its perception. The work is divided into two parts: in the first one, I analyse the elements of theatre in its becomings and the relations of affection they establish among themselves; in the second...

Da dança e do devir - o corpo no regime do sutil; On dance and becoming: the body on the dimension of the subtle

Moehlecke, Vilene; Fonseca, Tania Mara Galli
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.4%
Pretendemos discutir o “corpo que dança” e sua relação com o tempo em sua dimensão paradoxal. Trata-se, pois, de um tempo rizomático e complexo, tomado por virtualidades e desprendido do movimento e que se abre ao impessoal e às singularidades. Então, para temporalizar o corpo que dança, é preciso relançá-lo ao acontecimento, ao devir imperceptível e às pequenas percepções. Entendemos que a dança pode ser um modo de subjetivação em constante movimento. Por fim, esperamos romper com a postura neutra na produção de conhecimento, apostando na própria implicação como elemento fundamental para a construção do problema a ser pensado e discutido.; We intend to discuss the “dancing body” and its relation to time in its paradoxical dimension. It is therefore about a rhizomic and complex time, overtaken by virtualities and loosened from movement, and which may open itself to the Impersonal and singularities. Then, in order to temporalize the dancing body, we have to relaunch it to the Event, to the imperceptible becoming and the small perceptions. We understand that the dance can be a mode of subjectivation in constant process. Thus, we hope to break with the neutral position in the knowledge production, regarding one’s own implication as a basic element for the construction of the problem to be thought and discussed.

Devir - criança da matemática: experiências educativas infantis imagéticas

Chisté, Bianca Santos
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 106 p. : il. + 1 DVD-rom
POR
Relevância na Pesquisa
26.5%
Pós-graduação em Educação Matemática - IGCE; This is a composition, adeed, an essay thesis that presents it self as a possibility to think with childhood, with children, with images produced by children from a public early childhood institution, in a survey we call search like experience. The imagistic productions of children, trembling, long, fast, blurry, dizzy, invite us to enter at other times, in other spaces, other crossings in the infant universe, causing and shifting our traversed by the dictatorship of the body, the senses look images the when, the how, the discipline, the model and technique. Images that invite us to think about the power of the body. Body that gives food for thought, affecting, touching, sensitizes other bodies, sensitive to other bodies in an intimate encounter, thought provoking bodies. Bodies that coexist in the worl, with their experience, their images, their wishes in movements intensities, speeds and slowness produce becomings. Becoming- child who plays with time, with space, with knowledge said and data, dissolving the forms created. Try the inventive power of childhood is what invites us imagistic productions of children. Could a becoming-child math? Mathematics, as a form, such as identity...

O devir e o lugar da filosofia: alguns aspectos da recepção e da crítica de Nietzsche ao idealismo transcendental via Afrikan Spir

Mattioli,William
Fonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG Publicador: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 PT
Relevância na Pesquisa
36.23%
A recepção de Nietzsche da filosofia transcendental de Kant é intermediada por diversos autores de diferentes tendências filosóficas que se viam em continuidade com o projeto kantiano de uma filosofia crítica. Um desses autores é Afrikan Spir, filósofo que levou a cabo um programa de renovação da filosofia crítica que ia na contramão da tendência hegemônica na segunda metade do século XIX de naturalização do kantismo. A influência de Spir na construção de algumas das teses epistemológicas centrais do pensamento de Nietzsche é variada, assim como sua importância no que tange à recepção e à crítica nietzscheana ao idealismo transcendental. Nietzsche se apropriou e reinterpretou várias teses e temas presentes na reformulação da teoria kantiana do transcendental proposta por Spir. O objetivo do presente trabalho é investigar o alcance e a importância dessa apropriação e suas consequências para a crítica de Nietzsche ao transcendentalismo. Esta crítica é formulada a partir do pensamento do devir, que constitui a base do seu programa de uma filosofia histórica.

Fenomenologia do tempo vivido no transtorno bipolar

Moreira,Virginia; Bloc,Lucas
Fonte: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília Publicador: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
36.21%
Com base na tradição da psicopatologia fenomenológica, este artigo se propõe a contribuir para a compreensão do mundo vivido do paciente bipolar, marcado por uma forte alteração do tempo vivido. Realizamos uma descrição deste tempo vivido significado de forma diferente nas oscilações de humor chamadas de fase maníaca e fase melancólica. Pensado a partir da temporalidade, na fase melancólica, o bipolar parece parar no tempo, não se lança em um devir. Na fase maníaca, o sujeito vive demasiadamente um agora como se tivesse explodido sua biografia. Concluímos que estas fases, ou dois pólos opostos no funcionamento temporal patológico do sofrimento bipolar, constituem fundamentalmente um mesmo mundo vivido.

Imagens da infância, devir-criança e uma formulação à educação do cuidado

Ceccim,Ricardo Burg; Palombini,Analice de Lima
Fonte: Associação Brasileira de Psicologia Social Publicador: Associação Brasileira de Psicologia Social
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 PT
Relevância na Pesquisa
36.37%
O artigo propõe pensar o tema do cuidado a partir da noção de alteridade, afirmando uma ética do cuidado em saúde que requer exposição ao outro. Inicia trazendo elementos da história da infância para revelar suas imagens na passagem do tempo, não uma fixação conceitual. Destaca o momento de uma imagem de desvalor da criança e a exclusão da infância, projetando essa imagem para o desvalor e rejeição do contato com a alteridade. Em substituição às representações da criança, um vir-a-ser do adulto ou promessa de futuro, o artigo recorre ao conceito de Guattari e Deleuze de devir-criança para propor um cuidado que não remete às exigências do futuro, mas às experimentações em que a criança-em-nós exerce suas potências, compondo-se com os diferentes meios com que convive. Dois filmes brasileiros, Central do Brasil e Abril Despedaçado, por meio de suas imagens e personagens criança, dão corpo a essa proposta.

O devir-criança e a cognição contemporânea

Kastrup,Virgínia
Fonte: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2000 PT
Relevância na Pesquisa
36.37%
O texto compara duas concepções acerca das transformações temporais da cognição - aquela das teorias do desenvolvimento, entendida sob o signo da convergência e do fechamento, e aquela baseada nas idéias de Bergson, Deleuze e Guattari, pautada nas idéias de divergência e de diferenciação. Nas teorias do desenvolvimento cognitivo é destacado o conceito de tempo cronológico, o regime de filiação das estruturas e a idéia do ultrapassamento da forma de conhecimento da criança pela do adulto. A partir da concepção bergsoniana de coexistência dos tempos, é trabalhado o conceito de devir-criança de G. Deleuze e F. Guattari, que afirma a tendência inventiva que resta presente enquanto virtualidade em toda formação cognitiva, adulta ou infantil, e caracteriza a cognição contemporânea.

O tempo do trabalho: o tempo-devir frente ao tempo espacializado

Zarifian,Philippe
Fonte: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2002 PT
Relevância na Pesquisa
66.75%
Este artigo investiga a questão da produtividade do trabalho sob o prisma da interioridade recíproca entre o tempo e o trabalho. Essa interioridade revela, no plano conceitual, o enfrentamento entre duas concepções do tempo: o tempo espacializado, quantitativo e físico, medido pela sucessão de instantes materializados no relógio; e o tempo-devir, qualitativo e psicológico, entendido como duração, na qual há um ímpeto permanente da totalidade do passado em direção ao futuro. Esses tempos apresentam frente ao trabalho modos diferentes de manifestação social: o tempo espacializado se manifesta como disciplina e regulação dos atos de trabalho e o tempo-devir como mobilização da experiência passada e antecipação do porvir. Mostra-se, finalmente, que, embora estejam necessariamente vinculados ao trabalho, sendo ambos produtos sociais efetivos, existe um desequilíbrio claro na manifestação dos dois tipos de tempo.

Da dança e do devir: o corpo no regime do sutil

Moehlecke,Vilene; Fonseca,Tania Maria Galli
Fonte: Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia Publicador: Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
36.4%
Pretendemos discutir o "corpo que dança" e sua relação com o tempo em sua dimensão paradoxal. Trata-se, pois, de um tempo rizomático e complexo, tomado por virtualidades e desprendido do movimento e que se abre ao impessoal e às singularidades. Então, para temporalizar o corpo que dança, é preciso relançá-lo ao acontecimento, ao devir imperceptível e às pequenas percepções. Entendemos que a dança pode ser um modo de subjetivação em constante movimento. Por fim, esperamos romper com a postura neutra na produção de conhecimento, apostando na própria implicação como elemento fundamental para a construção do problema a ser pensado e discutido.

Devir vírus

Azambuja,Marcos Adegas de; Guareschi,Neuza Maria de Fátima
Fonte: Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia Publicador: Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2007 PT
Relevância na Pesquisa
36.37%
Este trabalho parte dos encontros no Programa de Educação a Distância (EAD) da PUCRS Virtual. Objetivamos problematizar como a perspectiva de espaço-tempo, tensionada pelas Tecnologias da Informação e da Comunicação reverbera na produção da subjetividade através da prática educativa em EAD. Traçamos as amarras produzidas por modulação, atualizado na avaliação e formação permanente, constituição de uma subjetividade programada. Perguntamo-nos pelas linhas que afetam as estruturas em formação. É a tecnologia que traz em si as problematizações: vírus nos computadores. Em um devir vírus invadimos os modos de ser, corrompendo as programações. Um vírus não pede licença, afirma sua existência.

"Meninas": vidas em devir nos circuitos de vulnerabilidade social

Cordeiro,Denise; Costa,Eduardo Antônio de Pontes
Fonte: Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia Publicador: Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2008 PT
Relevância na Pesquisa
36.23%
Neste artigo pretendemos discutir, a partir do filme Meninas, de Sandra Werneck, as trajetórias de vida e de trabalho de jovens pobres no Rio de Janeiro, nos circuitos de vulnerabilidade social. As aproximações do olhar cinematográfico vão expressar um "tempo comum", presente no referido documentário, que se materializa em nossas pesquisas: gravidez precoce, violência, desemprego, baixa escolaridade, pouca qualificação e inserção no tráfico de drogas, por exemplo. Nesses circuitos de vulnerabilidade, perguntamos como é possível ampliar a potência de vida dos jovens, que não perdem a possibilidade de escrever sua própria história. É nessa direção que caminha o presente estudo.

Tempo-espaço na vida cotidiana do bóia-fria

XAVIER, Glauber Lopes
Fonte: Universidade Federal de Goiás; BR; UFG; Mestrado em Sociologia; Ciências Humanas Publicador: Universidade Federal de Goiás; BR; UFG; Mestrado em Sociologia; Ciências Humanas
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.21%
L´appréhension du quotidien des travailleurs ―ruraux‖ est le principal objectif de notre recherche. Nous cherchons à l´atteindre en deux perspectives, le temps et l´espace, comprenant que le complot par lequel s´établit les procés d´exploration et de domination de ces travailleurs surgissent à partir d´elles. Autres thémes, évident, conformes à cette appréhension, étant donné que, influencé à une lecture ancrée dans le principe de la théorique et de la philosophique de la totalité, nous ne nous dérobons pas de la critique, quand cela est nécessaire, de ce qui concerne la construction de la propre connaissance. Nous nous sommes aidés méthodiquement par du matérialisme historique et dialectique. En cohérence avec cette méthode, nous cherchons, dans les pensées d´Henri Lefebvre, des elaborations théoriques capables de fournir un programme de recherche en accord avec la réalité de la vie quotidienne dans le monde moderne. De telles constructions ont eté, de cette manière, cruciales dans ce que nous objectivons, de telle sorte qui ont permis la réalisation de cette étude avec une proposition unique de pendée, différente de la connaissance parcelée, à mi-chemin de l´appréhension des phénomènes sociaux. Pour comprendre...

Papelar o pedagogico : escrita, tempo e vida por entre imprensas e ciencias; To paper the pedagogic : the write, the time and the life between press and sciences

Susana Oliveira Dias
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 28/08/2008 PT
Relevância na Pesquisa
26.4%
Seres. Objetos. Conteúdos. Corpos. Palavras. Imagens. Discursos. Proposições. Linguagens. Recusar a parada no ser dos corpos, desviar sucessivamente da observação dos corpos. Recusar a parada no ser das linguagens, desviar das interpretações subjetivas daquele que vê, relata, aproveita, experimenta. Resistir a separar corpos e linguagens e escolher a articulação corpo-linguagem. Essas escolhas movimentam o papelar deste papel-pesquisa por entre ciências, imprensas e educação. Traz à tona a violência do mundo dos signos do papel imprensa: velocidade, atualidade, veracidade, objetividade. Signos que fixam identidades do papel imprensa e mantêm a educação submetida à comunicação-recognição, à política representacional, à incorporação do tempo cronológico. Papel-máquina. No encontro com imagens as mais diversas, e produzidas pelos papéis-mídias, emerge uma violência de outra natureza: a violência afirmativa de que o papel não é nada, não significa nada, não representa nada. Uma força de esvaziamento que abre para um devir-qualquer-coisa do papel. A possibilidade de que o papel imprensa possa, além de repetir a vida, gerar uma vida nova, além do visível, além do vivido. Uma repetição distinta...

Materia em movimento : a ilusão do tempo e o eterno retorno; Moving matter : the illusion of time and the eternal return

Regina Helena Sarpa Schopke
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 10/08/2007 PT
Relevância na Pesquisa
36.48%
O mundo do eterno retorno é o mundo do devir, o mundo da diferença. Nesse sentido, estamos plenamente de acordo com a perspectiva deleuziana do eterno retorno de Nietzsche como retorno de um ser pensado como diferença pura. No entanto, para nós, devir quer dizer 'matéria em movimento' e não tempo, o que, de certa forma, descentra completamente a questão. Se o tempo é mesmo um enigma, seja no interior do eterno retorno, seja em qualquer outra concepção, é porque sua própria natureza é paradoxal (isto é, num certo sentido ele existe, embora não exista como algo em si). Nosso trabalho, portanto, tem um duplo objetivo: o primeiro, é refletir sobre o próprio tempo (e, para tal, mergulhamos no pensamento de vários filósofos, e também um pouco na física, para saber de que modo ele tem sido pensado); o segundo, diz respeito ao tempo no interior do eterno retorno, pois é aqui que ele atinge o seu ponto máximo de obscuridade. De fato, é inegável que Cronos sempre despertou nos homens um misto de fascínio e horror - e isso porque, independente de como ele seja entendido, é impossível desligá-lo de sua relação profunda com a existência: eis o seu caráter verdadeiramente trágico.; The eternal return world is the world of the becoming...

Performance - imagem : o corpo como processo de arquivamento, sedimentação e devir

Borba, Carla
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: video/x-msvideo; application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.09%
A performance e seus desdobramentos nas linguagens fotográfica e videográfica é o tema deste estudo, elaborado a partir do processo criativo da autora, desenvolvido entre os anos de 2010 e 2012. A relação entre o ato de performar e a imagem do corpo feminino permeiam a discussão presente nesta pesquisa. Através da proposição do conceito corpo sedimento, os aspectos inerentes à linguagem performática são expandidos, e a imagem se constitui como memória de experiências vividas em diferentes lugares e temporalidades. Dessa forma, os trabalhos propostos para a reflexão nesta dissertação de mestrado envolvem corpo feminino, imagem, tempo e espaço em um processo de acumulação e arquivamento, no qual o corpo registra e produz imagem a partir da performance.; Performance and its unfoldings in photographic and videographic languages is the theme of this study, elaborated from the author's creative process, developed between 2010-2012. The relationship between the performing act and the image of the female body permeate the discussion conducted in this research. Through the proposition of the concept of sediment body, the aspects inherent to performatic language are expanded and the image is constituted as memory of experiences lived in different places and temporalities. Thus...

O tempo do trabalho: o tempo-devir frente ao tempo espacializado; The time of work: time-to-come in face of spacialized time

Zarifian, Philippe
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/10/2002 POR
Relevância na Pesquisa
66.75%
Este artigo investiga a questão da produtividade do trabalho sob o prisma da interioridade recíproca entre o tempo e o trabalho. Essa interioridade revela, no plano conceitual, o enfrentamento entre duas concepções do tempo: o tempo espacializado, quantitativo e físico, medido pela sucessão de instantes materializados no relógio; e o tempo-devir, qualitativo e psicológico, entendido como duração, na qual há um ímpeto permanente da totalidade do passado em direção ao futuro. Esses tempos apresentam frente ao trabalho modos diferentes de manifestação social: o tempo espacializado se manifesta como disciplina e regulação dos atos de trabalho e o tempo-devir como mobilização da experiência passada e antecipação do porvir. Mostra-se, finalmente, que, embora estejam necessariamente vinculados ao trabalho, sendo ambos produtos sociais efetivos, existe um desequilíbrio claro na manifestação dos dois tipos de tempo.; This article investigates the subject of work productivity through the optics of the reciprocal interiority between time and work. This interiority reveals, in the conceptual plane, the confrontation of two time concepts: the spacialized time, quantitative and physic, measured by the instants successions materialized on the clock; and the time-to-come...

“Meninas”: vidas em devir nos circuitos de vulnerabilidade social; “Young girls”: lives becoming in the circuits of social vulnerability

Cordeiro, Denise; Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Costa, Eduardo Antônio de Pontes; Universidade Federal Fluminense
Fonte: Eduff Publicador: Eduff
Tipo: ; ; ; Avaliado por pares Formato: application/pdf; application/pdf; application/pdf; application/pdf
Publicado em 04/10/2008 PT
Relevância na Pesquisa
36.23%
Neste artigo pretendemos discutir, a partir do filme Meninas, de Sandra Werneck, as trajetórias de vida e de trabalho de jovens pobres no Rio de Janeiro, nos circuitos de vulnerabilidade social. As aproximações do olhar cinematográfico vão expressar um “tempo comum”, presente no referido documentário, que se materializa em nossas pesquisas: gravidez precoce, violência, desemprego, baixa escolaridade, pouca qualificação e inserção no tráfico de drogas, por exemplo. Nesses circuitos de vulnerabilidade, perguntamos como é possível ampliar a potência de vida dos jovens, que não perdem a possibilidade de escrever sua própria história. É nessa direção que caminha o presente estudo.; In this article we intend to discuss, based on Sandra Werneck’s film Meninas, the life and work trajectories of poor young girls in Rio de Janeiro, in the circuits of social vulnerability. The film, by enabling an updating of the researcher’s place to think about the youth condition in the present time, provides a “magical” analytical tool. The cinematographic look approaches express a “common time”, present in said documentary, which materializes in our research. In these contexts, we ask how is it possible to expand life potency of youngsters who do not lose the possibility of writing their own history.

A potência do devir-criança na produção de afetos na educação

Machado, Sandra Maria; Pereira, Dulcimar; Rodrigues, Larissa Ferreira
Fonte: PRÓ-DISCENTE Publicador: PRÓ-DISCENTE
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 31/12/2010 POR
Relevância na Pesquisa
26.63%
O presente estudo surge de um “desejo infantil” de pesquisa: “Potência das Redes de Conversações e Ações Complexas na Produção do Currículo Praticado no Cotidiano Escolar e as Políticas Curriculares em Ação: Entre Formas, Forças e Modos de Constituição”, que se realiza numa escola de ensino fundamental na rede municipal de ensino de Vitória/ES. Parte de um desejo coletivo de cartografar alguns processos que emergem nas relações tecidas nas práticas discursivas e não-discursivas nos espaçostempos escolares. Processos esses, capazes de escapar e resistir aos engessamentos que serializam e modelam a produção de subjetividades na educação, levando-nos a questionar as diferentes linhas que segmentam a escola. Apresenta-se como um recorte de uma pesquisa em andamento e lança-se a problematizar como os encontros entre os múltiplos “eus” que atravessam as práticas educativas, podem potencializar a produção de afetos nas diversas linhas da vida: linhas molares, moleculares e linhas de fuga, a partir da experiência de realização de uma oficina de produção de bonecos com crianças entre 9 e 11 anos de idade. Objetiva acompanhar em meio às redes de conversações e ações complexas que se estabelecem no cotidiano escolar...

Manipulações do tempo em música – uma introdução; Manipulations of time in music – an introduction

Moura, Eli-Eri Luis de; , Tradução de Wilson Guerreiro Pinheiro
Fonte: Claves Publicador: Claves
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/11/2007 POR
Relevância na Pesquisa
26.52%
Neste artigo, discutimos como a música pode dar forma à passagem do tempo e o modo como o tempo pode ser manipulado quando é música. O texto está dividido em três partes. Na primeira, como ponto de partida, escolhemos um conceito de tempo cujas proposições coincidem com aquelas da definição de música. Na segunda, apresentamos primeiramente as abordagens de alguns autores que mostram que essas coincidências os levaram a identificar o tempo como música. Então, considerando que o tempo, quando é música, pode ser controlado, propomos alguns determinantes de manipulações temporais, e especulamos sobre o papel da música como uma mediação simbólica para o homem. A parte final é uma tentativa de exemplificar a discussão, examinando o modo como materiais musicais similares podem evocar predominantemente o tempo linear do devir ou o tempo não-linear do ser. Primeiramente, usamos um material tonal para escrever duas passagens distintas; em seguida, comentamos sobre três peças de massas sonoras de Ligeti, Cage e Lutoslawski, respectivamente.Palavras-chave: Tempo e música. Ser e Devir. Composições de massas sonoras. Ligeti. Cage. Lutoslawski.; In this paper we discuss both how music can give shape to the passage of time and the way time can be manipulated when it is music. The text is divided in three parts. In the first part...