Página 1 dos resultados de 75 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

A intoxicação solanácea na criança

Preto, Leonel
Fonte: Escola Superior de Enfermagem Imaculada Conceição Publicador: Escola Superior de Enfermagem Imaculada Conceição
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
16.65%
A ingestão de sementes de algumas plantas, designadamente as solanáceas, provocam na criança sinais e sintomas similares à intoxicação por atropina. É o caso das daturas, plantas herbáceas anuais que crescem espontaneamente nos canteiros de jardins, em campos não cultivados ou em terrenos abandonados. Dessas plantas destacamos, pela presença abundante no nosso país, a figueira-do-inferno (Datura stramonium). Nas suas raízes, nos seus caules e folhas, mas principalmente nas suas sementes, a planta contem diversos alcalóides anticolinérgicos tóxicos. São geralmente as pequenas e negras sementes das cápsulas que atraem a curiosidade da criança, levando, quando digeridas, a um quadro alucinatório aparatoso que requer tratamento hospitalar. Embora possamos classificar este tipo de envenenamentos como casos raros, a gravidade da intoxicação solanácea é notória. Conhecer os sinais e sintomas clássicos deste tipo de intoxicação poderá ajudar-nos na avaliação da situação e no planeamento dos cuidados.

Diferentes contribuições de óleos essenciais e fenóis para a actividade antioxidante de três plantas aromáticas (cedro, esteva e eucalipto)

Guimarães, Rafaela; Sousa, Maria João; Ferreira, Isabel C.F.R.
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança Publicador: Instituto Politécnico de Bragança
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
ENG
Relevância na Pesquisa
16.65%
Physafis angulata é uma planta 118rbJcea reproduzida por semente s, pertencente a família das Solanáceas. Tem sido utilizada na medicina popular como anticoagulante, anti-leucémico, antimutagênico, anti-inflamatória, anti-séptico, analgésico e diurético. Os frutos são comestíveis e têm alto teor de açúcar, além de serem ricos em Vitamina A, C fósforo e ferro.

Ensaios de embriogénese somática e transformação genética em tamarilho (Cyphomandra betacea [Cav.] Sendt.)

Alves, Ana Cristina da Silva
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
16.65%
O tamarilho (Cyphomandra betacea (Cav.) Sendt sin. Solanum betaceum), pertencente à família das solanáceas, é uma árvore que produz frutos comestíveis com elevado valor nutricional. Alguns estudos têm mostrado o interesse desta espécie para a compreensão de aspectos particulares da morfogénese in vitro, particularmente a embriogénese somática (ES). A ES tem demostrado ser uma importante ferramenta na biotecnologia com um grande potencial para a rápida propagação de clones em larga-escala. Além disso, os procedimentos de transformação genética e criopreservação de muitas espécies vegetais, baseiam-se em protocolos eficazes de ES. Uma das formas de induzir ES no tamarilho consiste um processo em duas fases, no qual células embriogénicas são inicialmente induzidas num meio de cultura suplementado com uma auxina (fase de indução) e depois após a sua transferência para um meio de cultura desprovido de auxinas, desenvolvem-se embriões somáticos (fase de desenvolvimento). Vários tipos de explantes, com origem em material adulto ou previamente estabelecido in vitro, e várias condições de indução, têm sido testados para optimizar a resposta do tamarilho à indução de ES. Para superar o reduzido potencial de ES nos tecidos adultos...

Embriogénese somática em solanáceas: integração de sistemas modelo alternativos baseados no tamarilho

Fernandes, Patrícia Morais
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
27.6%
A disponibilidade de sistemas modelo de embriogénese somática (ES) permitiu criar ferramentas vantajosas para o estudo de processos de diferenciação celular vegetal e para aumentar o nosso entendimento sobre os aspetos funcionais dos genes já implicados na ES. Vários sistemas modelo têm sido amplamente utilizados na caraterização da ES, tais como Daucus carota e Arabidopsis thaliana. No entanto, as descobertas fundamentadas nestas plantas deverão ser testadas noutros organismos ou sistemas para verificar a sua efetividade. Outras espécies têm demonstrado um papel emergente no entendimento de vários processos morfológicos induzidos in vitro, sendo a beringela (Solanum melongena L.) e o tamarilho (Cyphomandra betacea Cav. Sendt. syn. Solanum betaceum) exemplos dessa situação. São dois membros da Solanaceae, uma grande e diversa família de plantas cuja importância económica e interesse biotecnológico são bem conhecidos. A beringela apresenta uma notável resposta a várias técnicas de cultura in vitro devido ao grande potencial morfogénico, sendo particularmente vantajosa na indução de ES. A disponibilidade de vários protocolos de ES eficientes, combinados com o número crescente de loci identificados, disponíveis em bases de dados...

Especificidade de Puccinia pampeana a cultivares de Capsicum spp. e outras solanáceas

Passador, Martha Maria; Furtado, Edson Luiz; Figueiredo, Mário Barreto
Fonte: Grupo Paulista de Fitopatologia Publicador: Grupo Paulista de Fitopatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 63-67
POR
Relevância na Pesquisa
27.27%
A ferrugem de espécies de Capsicum spp. (pimenta e pimentão), é causada pelo fungo Puccinia pampeana, pode causar perdas totais em plantios de diversas espécies de Capsicum, onde preodminam temperaturas ao redor de 21ºC. Esta ferrugem, mesmo sendo específica do gênero Capsicum, e mesmo muitas espécies dentro deste gênero sendo suscetíveis, algumas apresentam reação de hipersensibilidade. Foi o caso de Capsicum annuum (pimenta cv. Cayenne) e C. chinense (pimenta cv. Habañero), que após a formação dos espermogônios (11 dias), apresentou manchas necróticas na região periférica aos espermogônios, aos 15 dias após a inoculação, não havendo evolução da infecção. Também foi observada reação de hipersensibilidade, de forma mais moderada em folhas C. annuum (pimenta serrano) e C. baccatum (chapéu-de-frade). Com relação às outras solanáceas inoculadas (jiló e berinjela) não foram observados os sintomas e sinais da infecção.; The Capsicum spp. (pepper and green pepper) rust is caused by the fungus Puccinia pampeana. This is an important disease in these crops which may cause complete losses in crops of several species of Capsicum. Although specific to the genus Capsicum, and despite the fact that many species within this genus are susceptible to rust...

Produção de basidiosporos, inibidores da germinação e patogenicidade de Puccinia pampeana Speg. a Capsicum spp

Passador, Martha Maria
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: vii, 80 f. : il. color., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
17.27%
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Pós-graduação em Agronomia (Proteção de Plantas) - FCA; No presente trabalho, verificou-se a capacidade de produção de basidiosporos produzidos pelos teliossoros telióides de Puccinia pampeana. Avaliou-se a inibição da germinação de esporos de três agentes causais de ferrugem pelas substâncias auto-inibidoras, presentes nas paredes dos teliosporos telióides, e a suscetibilidade de espécies de Capsicum e também outras solanáceas, como jiló e berinjela. Foi constatado, que choques de temperatura (35ºC e 8ºC) por 3 horas, em seguida temperatura continua de 12ºC, não inviabilizam os teliossoros telióides, apenas provocam diferenças no início da produção de basidiosporos. Quando mantidos a 12ºC, e com lavagens diárias dos soros, são capazes de produzir basidiosporos por um período de até 5 meses. Extratos aquosos de esporos (EAE1, EAE2, EAE3, EAE4) preparados com 20 mg de teliosporos telióides, continham quantidades de autoinibidor capazes de inibir teliosporos aecidióides de P. pampeana, e urediniosporos de Coleosporium plumierae e de Hemileia vastatrix, sendo este efeito inibidor na germinação, comprovado mesmo após 6 horas em contato com os extratos. Nos testes de inoculação observou-se...

Avaliação da agressividade e caracterização genética de linhagens de Ralstonia Solanacearum isoladas de diferentes plantas hospedeiras

Rodrigues, Lucas Mateus Rivero
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: vii, 68 f. : il. color., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
17.27%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Agronomia (Proteção de Plantas) - FCA; O presente trabalho teve como objetivo avaliar a agressividade de linhagens de Ralstonia solanacearum provenientes de solanáceas, plantas ornamentais e eucalipto, em plantas de batata, tomate e fumo, bem como caracterizar as linhagens por meio de técnicas moleculares. Vinte e duas linhagens foram utilizadas nos ensaios de avaliação da agressividade, em experimentos conduzidos em casa-de-vegetação evidenciaram alta severidade da doença pelas linhagens de R. solanacearum quando inoculadas em plantas de tomate e batata, sendo a batata mais afetada nas inoculações. Todas as linhagens mostraram-se agressivas, sendo que o fumo mostrou baixa suscetibilidade ao ataque das bactérias. As linhagens mais agressivas em plantas de tomate foram IBSBF 309, IBSBF 1712, IBSBF 1839, IBSBF 1882, IBSBF 1883 e IBSBF 2000, pertencentes às biovares I, II e III. As linhagens mais agressivas às plantas de fumo foram IBSBF 309, IBSBF 2131 e IBSBF 292T, pertencentes à biovar I. Foi efetuado também ensaio de microbiolização in vitro em sementes de eucalipto, a fim de se identificar possíveis linhagens patogênicas a esta espécie vegetal e concluiu-se que todas as linhagens utilizadas infectaram plantas de eucalipto ou afetaram seu crescimento. A caracterização molecular de 41 linhagens de Ralstonia solanacearum...

Polinização e dispersão de sementes em solanaceas neotropicais

Lidiamar Barbosa de Albuquerque
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 30/03/2001 PT
Relevância na Pesquisa
27.93%
Entender os processos ecológicos que determinam o funcionamento de um ecossistema implica em realizar múltiplos estudos sobre seus componentes e suas interações. Nesse sentido, é fundamental conhecer as relações funcionais entre espécies assim como estabelecer comparações (tanto intercomunitárias como pancomunitárias) entre grupos de espécies filogeneticamente relacionadas. Neste trabalho, estudou-se a ecologia de dispersão de sementes de Solanaceae neotropicais segundo quatro aspectos principais: a) as características dos seus frutos e os meios de dispersão; b) a fenologia de Solanum inodorum e sua interação com os visitantes florais e frugívoros; c) a ecologia de dispersão de S. thomasiifolium, destacando-se as estratégias de forrageo dos frugívoros e os locais de deposição das sementes; d) as síndromes de polinização e dispersão de sementes em florestas mesófilas neotropicais equivalentes, no México e no Brasil. As solanáceas são importantes na área médica, farmacológica e como recurso alimentar, além de serem fundamentais como colonizadoras de áreas abertas e perturbadas. Os meios de dispersão de sementes de Solanaceae (capítulo 1) são anemocoria, autocoria, barocoria, quiropterocoria, epizoocoria...

Interações entre o morcego Sturnira lilium (Chiroptera: Phyllostomidae) e plantas da família Solanaceae; Interactions between the bat Sturnira lilium (Chiroptera: Phyllostomidae) and plants of the family Solanaceae

Marco Aurelio Ribeiro de Mello
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 26/07/2006 PT
Relevância na Pesquisa
17.6%
Morcegos têm grande importância ecológica nos Neotrópicos, por serem muito diversos, abundantes e interagirem com várias espécies de plantas e animais. Os morcegos filostomídeos da subfamília Stenodermatinae são frugívoros especializados e importantes dispersores de sementes, sendo que Sturnira lilium tem preferência por frutos de Solanaceae, uma família de grande valor ecológico e econômico. O objetivo do presente estudo foi investigar quatro aspectos principais e testar hipóteses relacionadas à maneira como essa interação ocorre e afeta ambos os grupos. De acordo com o esperado, a dieta de S. lilium foi inteiramente frugívora com uma forte dominância de solanáceas. A abundância de morcegos apresentou dois picos curtos ao longo do ano, ao contrário da produção de frutos que teve um pico único, porém mais longo. Os morcegos deixaram a área durante os meses mais frios e provavelmente migraram para altitudes mais baixas e quentes para escapar do clima severo e procurar por frutos de Solanaceae. A maioria das fêmeas de S. lilium se reproduziu durante os meses mais úmidos e quentes, durante a maior oferta de frutos. As solanáceas mostraram ser uma fonte de alimento confiável para S. lilium e sua fenologia pareceu regular a dinâmica populacional dos morcegos. S. lilium não apresentou fidelidade aos refúgios noturnos e diurnos...

Epidemiologia e controle da antracnose em Capsicum spp. e identificação de Colletotrichum spp. associados às solanáceas cultivadas

Azevedo, Caroline Pedroso de
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
27.6%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Fitopatologia, 2006.; A importância econômica de pimentões e pimentas do gênero Capsicum (Solanaceae), vem crescendo no Brasil e em diversos países, com aumento do consumo in natura ou pelo processamento de molhos, temperos e conservas de pimentas. Apesar dos avanços tecnológicos no sistema de produção, as doenças, como a antracnose, causada por Colletotrichum spp ainda representam um sério entrave à produtividade do pimentão, tanto em campo quanto em casa-de-vegetação. Dado ao crescimento da importância da antracnose em solanáceas e aos poucos relatos sobre medidas alternativas de controle voltadas para esse patossistema, este trabalho objetivou identificar isolados de Colletotrichum de Solanaceae cultivadas (no capítulo 1), avaliar o efeito do estádio fisiológico na resistência genética de frutos de diferentes espécies de Capsicum à doença (capítulo 2) e, por fim, avaliar medidas alternativas de controle através de testes da interação de controle químico e coberturas, além de manejo da adubação nitrogenada (capítulo 3). A antracnose em Capsicum pode ser causada por várias espécies de fungos do gênero Colletotrichum mas...

Caracterização fenotípica e molecular de phytophthora capsici de hortaliças e expressão e prospecção da resistência em cucurbitaceae e solanaceae

Lima, Milton Luiz da Paz
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
17.27%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Fitopatologia, 2006.; Este trabalho descreve: (a) a diversidade de isolados brasileiros de Phytophthora de hortaliças usando-se marcadores fenotípicos e moleculares, e (b) a distribuição e identificação de resistência em Lycopersicon spp., Cucurbita spp. e Cucumis melo. Determinou-se ainda o efeito do estádio fenológico na expressão da resistência e identificaram-se novas hospedeiras. Na primeira parte do trabalho, a partir de uma coleção de 193 isolados de pimentão, tomate, abóbora, berinjela, jiló, cacau, pimenta-do-reino e seringueira, coletados nas cinco regiões geográficas do Brasil, fez-se a caracterização morfológica das estruturas sexuais e assexuais dos isolados, identificação do grupo de compatibilidade, identificação da resistência a metalaxil, avaliação da patogenicidade, agressividade e virulência dos isolados em frutos de pimentão e em plântulas de Capsicum annuum e Lycopersicon spp., bem como o seqüenciamento das regiões ITS e do gene 5.8S. O esporângio de todos os isolados estudados variou de piriforme clavado a limoniforme. O comprimento do pedicelo foi de 38 a 45 μm e as colônias mostraram-se estelares a rosiformes. A caracterização morfológica e fisiológica dos isolados demonstrou padrões consistentes para a espécie P. capsici...

Caracterização do Tomato chlorotic spot virus isolado de jiló no Vale do Paraíba, Estado de São Paulo

EIRAS,MARCELO; CHAVES,ALEXANDRE L. R.; COLARICCIO,ADDOLORATA; HARAKAVA,RICARDO; ARAUJO,JANSEN DE; CHAGAS,CÉSAR M.
Fonte: Sociedade Brasileira de Fitopatologia Publicador: Sociedade Brasileira de Fitopatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2002 PT
Relevância na Pesquisa
27.27%
Os tospovírus são responsáveis por perdas significativas em diversas culturas, principalmente solanáceas. No município de São José dos Campos (SP), plantas de jiló (Solanum gilo) apresentando sintomas de mosaico, bolhosidades, nanismo e queda acentuada da produção foram coletadas para análise. Visando a caracterização do agente causador dos sintomas, testes biológicos, elétrono microscópicos, sorológicos e moleculares foram realizados. Através de inoculação mecânica em plantas indicadoras das famílias Amaranthaceae, Chenopodiaceae e Solanaceae obtiveram-se resultados típicos aos esperados para tospovírus. Ao microscópio eletrônico de transmissão, observaram-se, em contrastação negativa, partículas pleomórficas com diâmetro entre 80 e 110 nm e em cortes ultra-finos partículas presentes em vesículas do retículo endoplasmático. Através de DAS-ELISA, identificou-se o Tomato chlorotic spot virus (TCSV). A partir de RNA total extraído de folhas infetadas, amplificaram-se, via RT-PCR, fragmentos correspondentes ao gene da proteína do capsídeo (cp) os quais foram seqüenciados e comparados com outros depositados no "GenBank". A homologia de nucleotídeos e aminoácidos deduzidos foi respectivamente de 99 e 95% quando comparada com seqüências de isolados de TCSV. A comparação com as outras espécies do gênero Tospovirus apresentou valores de homologia entre 72 e 84%. Estes resultados confirmam a identidade deste vírus como pertencente à espécie TCSV...

Produção de enzimas extracelulares por Crinipellis perniciosa

Bastos,Cleber N.
Fonte: Sociedade Brasileira de Fitopatologia Publicador: Sociedade Brasileira de Fitopatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
27.27%
Isolados de Crinipellis perniciosa, obtidos a partir de cacaueiro (Theobromae cacao), cupuaçuzeiro (T. grandiflorum) e solanáceas silvestres foram testados quanto à capacidade de produzirem enzimas extracelulares que degradam celulose, amido, lipídios e lignina. A produção de todas as enzimas foi determinada em meios sólidos e representada por uma estimativa, baseada na intensidade de cor, ou pela avaliação do diâmetro dos halos formado nos meios. Foi detectada variabilidade entre os isolados na capacidade de produzir enzimas celulolíticas, amilases, lipases, polifenol-oxidases, peroxidases e esterases. Quanto às enzimas proteolíticas, todos os isolados apresentaram alto nível de atividade, não sendo observada diferença no comportamento entre eles. Por outro lado, nenhum dos isolados produziu pectinase, urease e fosfatase-ácida. Os papéis das enzimas líticas produzidas pelos isolados de C. perniciosa na patogênese e na produção de basidiomas são discutidos

Caracterização morfológica e fisiológica de isolados de Colletotrichum sp. causadores de antracnose em solanáceas

Tozze Júnior,Hugo J.; Mello,Margarita B. A.; Massola Júnior,Nelson S.
Fonte: Grupo Paulista de Fitopatologia Publicador: Grupo Paulista de Fitopatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2006 PT
Relevância na Pesquisa
27.6%
A antracnose é uma doença freqüente nas hortaliças solanáceas. O agente causal é reportado como o fungo Colletotrichum gloeosporioides. Neste trabalho caracterizou-se a morfologia e a fisiologia de Colletotrichum sp. obtidos de pimenta, pimentão e jiló. A caracterização morfológica se baseou no tamanho e forma dos conídios e na forma dos apressórios de 30 isolados. A caracterização fisiológica foi baseada no crescimento em diferentes temperaturas, utilização de diferentes fontes de carbono e sensibilidade ao fungicida benomyl. Quinze isolados foram cultivados em meio BDA, nas temperaturas de 10, 15, 20, 25, 28, e 30ºC. Trinta e dois isolados foram cultivados em meio mínimo acrescido de glicose, frutose, lactose, maltose, sacarose ou amido. Além disso, 43 isolados foram cultivados em meio BDA suplementado com 0, 1, 10 e 100 mig/mL de benomyl. Os isolados de jiló apresentaram menor sensibilidade ao benomyl e predominância de conídios fusiformes, com ápices afilados e menores dimensões, características semelhantes às citadas para C. acutatum. Os isolados de pimentão e pimenta apresentaram alta sensibilidade ao benomyl e predominância de conídios cilíndricos com ápices arredondados, características citadas para C. gloeosporioides. Apressórios de formato irregular...

Ocorrência de Curvularia lunata em Jurubeba no estado de Alagoas

Assunção,Iraildes Pereira; Lima,Gaus Silvestre de Andrade; Amorim,Edna Peixoto da Rocha; Muniz,Maria de Fátima Silva; Endres,Laurício
Fonte: Grupo Paulista de Fitopatologia Publicador: Grupo Paulista de Fitopatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2006 PT
Relevância na Pesquisa
27.27%
A jurubeba (Solanum paniculatum L.) é um membro da família Solanaceae considerada como uma importante planta invasora em vários estados do Brasil. Esse estudo relata a ocorrência do fungo Curvularia lunata (Wakker) Boedijn causando lesões foliares em jurubeba no estado de Alagoas. Com base nos postulados de Koch demonstrou-se que o isolado obtido foi patogênico a plantas de jurubeba, mas não a outras solanáceas cultivadas como tomate, fumo e pimenta.

Especificidade de Puccinia pampeana a cultivares de Capsicum spp. e outras solanáceas

Passador,Martha Maria; Furtado,Edson Luiz; Figueiredo,Mário Barreto
Fonte: Grupo Paulista de Fitopatologia Publicador: Grupo Paulista de Fitopatologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2009 PT
Relevância na Pesquisa
27.27%
A ferrugem de espécies de Capsicum spp. (pimenta e pimentão), é causada pelo fungo Puccinia pampeana, pode causar perdas totais em plantios de diversas espécies de Capsicum, onde preodminam temperaturas ao redor de 21ºC. Esta ferrugem, mesmo sendo específica do gênero Capsicum, e mesmo muitas espécies dentro deste gênero sendo suscetíveis, algumas apresentam reação de hipersensibilidade. Foi o caso de Capsicum annuum (pimenta cv. Cayenne) e C. chinense (pimenta cv. Habañero), que após a formação dos espermogônios (11 dias), apresentou manchas necróticas na região periférica aos espermogônios, aos 15 dias após a inoculação, não havendo evolução da infecção. Também foi observada reação de hipersensibilidade, de forma mais moderada em folhas C. annuum (pimenta serrano) e C. baccatum (chapéu-de-frade). Com relação às outras solanáceas inoculadas (jiló e berinjela) não foram observados os sintomas e sinais da infecção.

Hospedeiros alternativos de Acidovorax avenae subsp. citrulli

Nascimento,Ana Rosa P.; Mariano,Rosa L.R.; Silva,Elias I.
Fonte: Associação Brasileira de Horticultura Publicador: Associação Brasileira de Horticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2004 PT
Relevância na Pesquisa
17.27%
Uma das principais doenças que afeta o meloeiro é a mancha-aquosa, causada pela bactéria Acidovorax avenae subsp. citrulli (Aac). Visando conhecer hospedeiros alternativos de Aac, plantas no estágio de primeiras folhas definitivas, de várias espécies/cultivares, incluindo cucurbitáceas, solanáceas, gramíneas, leguminosas e caricáceas, foram inoculadas pela atomização da parte aérea com suspensão dos isolados Aac 1.49 e Aac 12.13, oriundos de melão e melancia, respectivamente. A suscetibilidade das plantas aos isolados foi avaliada pelo período de incubação (PI) e incidência da doença (INC). Caupi, feijão, fumo e milho não apresentaram sintomas. Os menores PIs foram observados em cucurbitáceas (3,0 d), com exceção da bucha (6,83 d). Incidências da doença acima de 90% foram observadas em cucurbitáceas, excetuando a bucha e em solanáceas, para ambos os isolados de Aac. Em outro experimento, frutos de abóbora, abobrinha, berinjela, mamão, maxixe, melancia, melão, pepino, pimentão e tomate foram analisados quanto à suscetibilidade aos isolados Aac 1.49 e Aac 12.13. Os frutos foram inoculados pelo método de injeção subepidérmica, determinando-se PI, INC e severidade, avaliada pelo diâmetro da lesão externa (DLE) e profundidade da lesão (PL). Menores PIs (2...

Flutuação populacional e biologia de Neoleucinodes elegantalis (Guenée) (Lepidoptera : Crambidae) em cultivo de tomate (Solanum lycopersicum L.>)

Moraes, Carla Pedroso de
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
17.27%
Resumo: A broca-pequena-do-tomate, Neoleucinodes elegantalis (Guenée) (Lepidoptera: Crambidae) é uma das pragas mais importantes das solanáceas, no Brasil e em outros países da região Neotropical devido ao dano direto ocasionado ao fruto. O desenvolvimento larval ocorre dentro do fruto, fato este que a protege dificultando ações de controle. Nesse contexto, a adoção de métodos de controle alternativos é importante para a elaboração de um plano de manejo integrado para a espécie. A presente tese teve por objetivo estudar a biologia, sobrevivência e reprodução de N. elegantalis em diferentes cultivares de tomate, hospedeiros cultivados e silvestres, bem como a sua biologia em diferentes temperaturas e a sua flutuação populacional em cultivos de tomate em dois municípios da mesorregião metropolitana de Curitiba. O estudo realizado em cultivo comercial orgânico e convencional demonstrou que apesar da disponibilidade de alimento em plantios iniciados na primavera, a ocorrência da praga tem início na frutificação plena do tomate cultivado no verão estendendo-se até o outono. Este cultivo de verão é afetado pela alta densidade larval atingindo o nível de ação em todas as safras acompanhadas, tanto em plantio orgânico como convencional. O estudo também demonstrou que N. elegantalis é capaz de completar o ciclo biológico em diferentes hospedeiros...

Pimientos y Pimentón.

Sancho Gómez, Juan; Navarro Albaladejo, Francisco
Fonte: Universidade de Múrcia Publicador: Universidade de Múrcia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
SPA
Relevância na Pesquisa
17.27%
El pimiento (Capsicun annum), pertenece a la familia de las Solanáceas, estando íntimamente relacionado con las plantas del tomate, tabaco y patata. Las especies cultivadas son más de cuatrocientas, pudiendo encontrarse en distintas partes del mundo en diferentes formas y tamaño. En Brasil crecen todavía variedades salvajes, no cultivadas. De todas las especies, sólo alrededor de cinco son verdaderamente útiles para moler, aunque en realidad se usan solamente dos como especies comestibles. Uno de estos tipos es el pimiento húngaro que es largo y carnoso y el otro es el pimiento español que es más corto. Hay otro tipo de pimiento que se encuentra en los Estados Unidos y otras partes del mundo, cultivado como vegetal común y que se come asado o sirve para la conserva, pero este pimiento no tiene el aroma o contenido en esencia del tipo que se utiliza para molienda. El pimentón, es el producto obtenido por la molienda de los frutos maduros, secos, sanos y limpios de algunas especies vegetales del género capsicum de la familia de las Solanáceas, desprovistos de pedúnculos y semillas

Resposta à mosca-branca (Bemisia tabaci) e ao Tomato severe rugose virus de acessos de Solanum subgênero Leptostemonum

Michereff-Filho,Miguel; Machini,Wesley DB; Mendonça,José L; Fonseca,Maria Esther de N; Fernandes-Acioli,Niday AN; Boiteux,Leonardo S
Fonte: Associação Brasileira de Horticultura Publicador: Associação Brasileira de Horticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2012 PT
Relevância na Pesquisa
27.6%
A mosca-branca (Bemisia tabaci) e a infecção por espécies de Begomovirus são dois graves problemas fitossanitários que afetam a produção e qualidade do tomateiro (Solanum lycopersicum) e de outras solanáceas de importância econômica. O presente trabalho foi conduzido sob condições controladas, em casa de vegetação, visando avaliar a resposta ao Tomato severe rugose virus (ToSRV) e à mosca-branca (B. tabaci biótipo B) de 36 acessos de espécies relacionadas ao gênero Solanum subgênero Leptostemonum (= grupo das solanáceas providas de espinhos). A inoculação de ToSRV foi realizada em mudas (43 dias após o semeio) utilizando-se um colônia virulífera de B. tabaci biótipo B. Duas cultivares de tomateiro foram incluídas como testemunhas suscetíveis. A avaliação ao ToSRV foi feita de acordo com uma escala de severidade de sintomas e a presença de infecção sistêmica foi verificada via reação em cadeia da polimerase (PCR) com 'primers' universais para espécies de Begomovirus. A maioria dos acessos apresentou uma resposta do tipo resistência ou quase imunidade ao ToSRV, não apresentando sintomas evidentes e nenhum indício de infecção sistêmica ou acumulação viral. Um grupo reduzido de acessos de S. stramonifolium...