Página 1 dos resultados de 1839 itens digitais encontrados em 0.013 segundos

Representações sociais dos enfermeiros face ao idoso em contexto de prestação de cuidados

Castro, Cristina Maria Vidal de
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2007 POR
Relevância na Pesquisa
36.42%
Dissertação de Mestrado em Comunicação em Saúde apresentada à Universidade Aberta; O envelhecimento é um processo normal que não é bem compreendido, o que tem contribuído para o aparecimento de mitos e estereótipos relativamente aos idosos. O idoso deixou de ser visto, como um ser de sabedoria, um contador de histórias, mas sim como um “velho" que dá trabalho, está à espera da morte, e deixou de ser útil. Os idosos, são cada vez mais vítimas de discriminação e de estereótipos e há poucas políticas de apoio e protecção aos idosos e às suas famílias o que contribui para os isolar, para os afastar e fechar em instituições. Estes aspectos negativos, ilustram apenas certas dimensões do envelhecimento, contribuindo, para manter os estereótipos, mitos, e as ideias pré-concebidas. Neste sentido, propusemo-nos conhecer as Representações Sociais dos enfermeiros ao cuidar do idoso, para determinar a influência que as mesmas possam ter no acto de cuidar. Relativamente aos procedimentos metodológicos, optámos por um estudo de carácter descritivo, exploratório, inserido numa abordagem qualitativa, uma vez que permite, conhecer e compreender as experiências, atitudes, e opiniões dos enfermeiros do estudo no contexto de prestação de cuidados ao idoso. Realizámos entrevistas semi-directivas...

As repercussões do cuidar do idoso em quimioterapia oncológica na vida do familiar cuidador; The repercussions of care delivery to elderly patients undergoing oncologic chemotherapy in the lives of family caregivers

Anjos, Anna Cláudia Yokoyama dos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 26/11/2010 PT
Relevância na Pesquisa
36.34%
A quimioterapia antineoplásica apresenta efeitos adversos intensos, que afetam a qualidade de vida do paciente e trazem repercussões para o contexto familiar. No contexto nacional, um dos familiares acaba assumindo as funções de cuidador do idoso, nem sempre com preparo para essa atividade. Com essa perspectiva, este estudo teve o objetivo de analisar os sentidos atribuídos à experiência de ser cuidador do idoso com câncer submetido à quimioterapia pelo familiar. Empregamos o referencial teórico da antropologia interpretativa e o estudo de caso etnográfico como método. Participaram da pesquisa quatro familiares cuidadores de pacientes atendidos em duas instituições de saúde do interior do Estado de Minas Gerais. As informantes eram do sexo feminino, com idades variadas, sendo duas também idosas; duas eram filhas e as outras eram esposas dos pacientes; três se dedicavam às atividades domésticas e uma era cuidadora de idoso. Os dados foram coletados por meio de entrevistas e de observações, nos domicílios das participantes; foram elaborados genogramas e ecomapas para visualizar suas redes sociais e familiares. Empregamos a análise temática indutiva para a identificação das unidades de sentidos, reunidas em três temas: a opção por ser cuidadora...

Ser idoso hoje

Martins, Rosa
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /11/2008 OTHER
Relevância na Pesquisa
46.12%
O idoso tem sido encarado de formas diferentes ao longo dos tempos e nas diversas culturas. Por exemplo nas sociedades Orientais é-lhe atribuído um papel de dirigente pela experiência e sabedoria. Nas sociedades Ocidentais, apesar de ter sido considerado, até há algum tempo atrás, como um elemento fundamental na sociedade, pelos seus conhecimentos e valores para as populações mais jovens, actualmente tem uma imagem e um papel social quase insignificante, sendo a diminuição das suas capacidades, num contexto de produtividade, um dos factores mais referenciados. Por outro lado, o idoso, por usufruir de reformas e pensões muito baixas, viver muitas vezes em habitações degradadas e ter grandes despesas com a saúde, fica numa posição social muito vulnerável à precariedade económica. O idoso é ainda vulnerável à exclusão social, pela condição de reformado, sem relação com o trabalho e com os colegas, pela dificuldade de comunicação com as gerações mais jovens, pelo isolamento em relação à família, pela perda de autonomia física e funcional e ainda pelas dificuldades da adaptação às novas tecnologias (Sílvia, 2001).

Peculiaridades no pós-operatório de cirurgia cardíaca no paciente idoso

Vasconcelos Filho,Paulo de Oliveira; Carmona,Maria José Carvalho; Auler Júnior,José Otávio Costa
Fonte: Sociedade Brasileira de Anestesiologia Publicador: Sociedade Brasileira de Anestesiologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2004 PT
Relevância na Pesquisa
36.38%
JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: O paciente idoso tem características fisiológicas próprias e, muitas vezes, pode apresentar deficiências orgânicas ou afecções graves, que por si, já tornam o pós-operatório complicado. O objetivo deste artigo é apresentar uma revisão das condutas pós-operatórias de cirurgia cardíaca no idoso, apresentando as alterações mais freqüentes nesse tipo de paciente. CONTEÚDO: As condutas no período intra-operatório do paciente idoso devem ser tomadas tendo em vista a diminuição da morbidade pós-operatória. Na chegada do paciente idoso à UTI, devem ser cumpridos os mesmos critérios utilizados na internação de outros pacientes adultos de cirurgia cardíaca, para o serviço ter sempre um padrão, que não leve a uma alteração na rotina e que não provoque equívocos. Estabelecer um plano de cuidados intensivos para o pós-operatório de cirurgia cardíaca irá resultar em uma ótima utilização de recursos da unidade, em efetividade de atenção e em diminuição do tempo nos cuidados em relação ao paciente idoso. Os exames auxiliares solicitados também devem seguir um padrão, estabelecido pelo serviço, a não ser que alterações sejam identificadas. Complicações neurológicas...

Ser humano idoso estomizado e ambientes de cuidado: reflexão sob a ótica da complexidade

Barros,Edaiane Joana Lima; Santos,Silvana Sidney Costa; Lunardi,Valéria Lerch; Lunardi Filho,Wilson Danilo
Fonte: Associação Brasileira de Enfermagem Publicador: Associação Brasileira de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2012 PT
Relevância na Pesquisa
36.35%
Trata-se de discussão acerca da relação ser humano idoso estomizado e seus ambientes de cuidado sob o olhar da Complexidade de Edgar Morin. Um eixo sustenta a reflexão: ambientes de cuidado para o ser humano idoso com estomia. Nesse sentido, apresentam-se três tipos de ambiente que circundam o contexto de estomização do ser humano idoso: ambiente domiciliar, ambiente grupal e ambiente hospitalar. A reflexão traz como contribuição social um novo olhar acerca do redimensionamento do cuidado ao ser humano idoso estomizado em seu ambiente. Considera-se que o ambiente que abriga esse ser humano comporta uma diversidade de sentimentos, emoções, experiências, vincula múltiplos significados da relação do ambiente e o processo de cuidado a partir da Complexidade.

Hemodiálise: seu significado e impacto para a vida do idoso

Pilger,Calíope; Rampari,Edicléia Martins; Waidman,Maria Angélica Pagliarini; Carreira,Lígia
Fonte: Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 PT
Relevância na Pesquisa
46.08%
O processo de envelhecimento que antes era restrito aos países desenvolvidos está ocorrendo nos países em desenvolvimento e de modo mais rápido. O surgimento de doenças não transmissíveis pode induzir alterações funcionais com maior intensidade, como a doença renal crônica. O objetivo deste trabalho é compreender o significado da hemodiálise para o idoso renal-crônico e o impacto dessa modalidade terapêutica em sua vida. Tratou-se de um estudo exploratório, de abordagem qualitativa, com entrevista com 22 idosos em tratamento dialítico. Foi utilizado como instrumento um roteiro, contendo perguntas abertas. A análise dos dados foi por meio da análise temática de Bardin. Como resultado, obtemos duas categorias: o significado de ser idoso em tratamento hemodialítico; e o impacto da hemodiálise na vida dos idosos. A pesquisa revelou que a hemodiálise afeta o cotidiano dos idosos, pois causa limitações sociais, envolvendo seu trabalho, hábitos alimentares, culturais, além do impacto na saúde mental.

Ser idoso e o processo do envelhecimento: saúde percebida

Dias,Juliana Araújo; Arreguy-Sena,Cristina; Pinto,Paulo Ferreira; Souza,Luciene Carnevale de
Fonte: Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2011 PT
Relevância na Pesquisa
46.02%
Pesquisa qualitativa tipo survey realizada em Rio Novo-Minas Gerais que objetivou analisar a concepção dos idosos sobre envelhecimento e suas percepções de serem/estarem idosos. Amostra por tipicidade composta por 20 voluntários com 60 ou mais anos, cadastrados no Programa de Vacinação do Município. Excluíram-se pessoas com: alteração de consciência; dissociações moderadas do pensamento; dificuldade para verbalização; e moradores rurais. Identificaram-se 385 crenças, segundo Rokeach, que tenderam em 76,3% à centralidade. Duas concepções de envelhecimento foram identificadas (nova oportunidade na vida e deterioração corporal, da autonomia e das relações). A própria idade e o nível de inserção social foram os critérios para conceituar quem não se sente idoso ou envelhecido e quem é ou não envelhecido, respectivamente.

Percepção dos estudantes sobre o idoso e seus direitos: o caso da saúde

Moreira,Rodrigo Silva Paredes; Alves,Maria do Socorro Costa Feitosa; Silva,Antonia Oliveira
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 PT
Relevância na Pesquisa
46.29%
Trata-se de um estudo retrospectivo que tem os objetivos de verificar a percepção dos estudantes universitários sobre o idoso e seus direitos, e averiguar o conhecimento acerca dos direitos do idoso. Participaram deste estudo 63 estudantes de diferentes curso (ambos os sexos), no âmbito acadêmico. Utilizou-se para coleta de informações uma entrevista semi-estruturada centrada em questões pertinentes aos direitos do idoso e ser idoso. Os dados foram analisados com a técnica de análise de conteúdo temática. Os resultados são apresentados em categorias e são interpretados amparados na Constituição Federal, Código Civil Brasileiro e Política Nacional do Idoso, em particular, os direitos à saúde. Os resultados apontaram percepções negativas dos estudantes acerca do idoso e pouco conhecimento sobre os direitos do idoso, em particular os mais amplos, como: receber medicação especial, ser atendido nos hospitais prioritariamente, não sofrer constrangimentos nos serviços públicos de saúde, direito integral a saúde, entre outros.

Constru????o e testagem cl??nica de instrumento de coleta de dados para o idoso internado em um hospital universit??rio

Lopes, Fernanda Lucas
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande Publicador: Universidade Federal do Rio Grande
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
36.38%
Disserta????o(mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande, Programa de P??s-Gradua????o em Enfermagem, Escola de Enfermagem, 2006.; Estudo do tipo metodol??gico que teve como objetivos: construir um instrumento para coleta de dados a ser utilizado no atendimento ao idoso internado no HU/FURG; realizar, com enfermeiras assistenciais e docentes, da gerontologia e ??reas afins, a valida????o do conte??do do instrumento constru??do; testar, junto aos idosos internados na Unidade de Cl??nica M??dia do HU/FURG, o instrumento desenvolvido para verifica????o de sua operacionalidade. Ancorado na Teoria das Necessidades Humanas B??sicas de Horta e desenvolveu-se em tr??s fases: 1) constru????o do instrumento; 2) valida????o do conte??do do instrumento; 3) testagem cl??nica com idosos. Na primeira fase foi realizada a revis??o de literatura, visando ?? defini????o das 36 Necessidades Humanas B??sicas e ?? identifica????o dos sinais e sintomas dessas necessidades quando se encontram afetadas no idoso. A constru????o da vers??o inicial do instrumento foi guiada pela lista das necessidades mais afetadas no idoso, que levaram ?? identifica????o de 525 sinais e sintomas, que foram ordenados em uma escala do tipo Likert. A segunda fase da pesquisa foi realizada em duas etapas: primeira...

Idoso ativo: percepção sobre o seu processo de envelhecimento

Coutinho, Fernanda Helena Penha; Marques, Ana Paula de Oliveira (Orientadora); Vasconcelos, Eliane Maria Ribeiro de(Coorientadora)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Dissertação
BR
Relevância na Pesquisa
46.08%
Introdução: Nos países em desenvolvimento, incluindo o Brasil, o crescimento da população idosa está ocorrendo de forma acelerada, em decorrência do processo de transição demográfica e epidemiológica. Com isto é importante levar em consideração a percepção que cada indivíduo tem do que é ser idoso, como lidam com a autonomia e ainda as representações de saúde, dando visibilidade aos significados sobre o envelhecimento e seus desencadeamentos. Objetivo: Identificar a percepção dos idosos ativos sobre o seu processo de envelhecimento. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo exploratório com abordagem qualitativa, realizado em um Programa de Educação Continuada com 11 sujeitos - idosos participantes dos cursos de línguas estrangeiras (espanhol e italiano), oferecidos no 2º semestre de 2011. Para a coleta de dados foi aplicado um roteiro semi-estruturado, onde os sujeitos responderam a duas partes distintas: a primeira referia-se a dados de identificação e a segunda à questão norteadora: Faleme sobre o seu processo de envelhecimento e como o senhor(a) se sente no seu dia-a-dia?. As entrevistas foram realizadas pela mestranda de forma individual, gravadas utilizando-se um aparelho de MP3...

Representações Sociais do ser idoso e suas implicações na assistência e nas práticas educativas voltadas à população idosa residente em Natal/RN

Paula, Rouseane da Silva
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Educação; Educação Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Educação; Educação
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
46.11%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; No Brasil, os idosos correspondem a 21 milhões da população, 11,3% total da população. A pesquisa cujo objetivo foi investigar as representações sociais do ser idoso e sua influência sobre as práticas educativas para a velhice, aconteceu nos grupos de convivência e envolveu 103 idosos, os sujeitos da pesquisa tinham acima de 60 anos. Para tanto apoiamo-nos, dentre outros suportes, na teoria das representações sociais de Serge Moscovici e na teoria do Núcleo Central desenvolvida por Jean-Claude Abric (2000), bem como, nos estudos sobre envelhecimento humano (NERI, 2001; ELIAS, 2001; MATTA, 2003, PEIXOTO, 2005, BOSI, 2002). Do ponto de vista metodológico, utilizamos o método de determinação do núcleo central e entrevistas semi-estruturadas com idosos não participantes dos grupos de contraste para fins de contraste. Realizamos também a análise da frequência de evocação e ordem média de evocação, conforme propõe Abric (2000) e a análise categorial de conteúdo para entrevistas e justificativas das evocações. A análise das evocações foi realizada pelo software EVOC 2000, este apresentou o quadro com os possíveis elementos do Núcleo Central da representação social para o grupo investigado: feliz...

Ser idoso na cidade de Goiás: diagnóstico clínico e instituições públicas de atendimento de atividade física

Fernandes, Jacqueline de Jesus Silva
Fonte: Universidade Federal de Goiás; brasil; UFG; Faculdade de Educação Física (RG); Educação Física (RG) Publicador: Universidade Federal de Goiás; brasil; UFG; Faculdade de Educação Física (RG); Educação Física (RG)
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
46.02%
Com o envelhecimento cada vez maior da população, torna-se necessário uma percepção sadia do processo de envelhecimento como uma continuação do desenvolvimento humano, encarando as diversas possibilidades e as irrefutáveis limitações. Este trabalho pretende realizar um diagnósticoclínico dos idosos da Cidade de Goiás e ainda pautar ações que efetivamente estão já ocorrendo e outras que poderão originar a partir da conscientização de como são assistidos os idosos com atividades físicas necessárias a uma melhor qualidade de vida. A pesquisa visa determinar a caracterização clinica dos idosos do Município da Cidade de Goiás da área urbana bem como o atendimento feito com atividades físicas nos órgãos públicos.Os idosos do município de Goiás correspondem a 0,6% do número no Estado de Goiás. No município de Goiás 2.601 idosos (76,74%) residem na área urbana e 788 (23,26%) na área rural. Foram apresentados dados em duas regiões da área urbana do município, num total de 358 idosos, correspondendo a 13,76%. Através do estudo realizado revelou que 87,1 % dos idosos são diagnosticados em mais de uma doença crônica, sendo a Hipertensão detentora de43,8% do número de idosos. A Diabetes aparece com 12...

Antecipar a experiência de ser idoso: relato dos estudantes de enfermagem

Almeida, Maria de Lurdes Ferreira de; Apóstolo, João Luis Alves; Duarte, Susana Filomena Cardoso; Cordeiro, Maria Paula Assis de Almeida
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 04/07/2013 POR
Relevância na Pesquisa
46.01%
As necessidades crescentes em cuidados de saúde, adequados à especificidade do envelhecimento humano, determinam a concretização de respostas cada vez mais globais, eficazes e humanizadas, que tenham em conta uma melhor organização e eficiência dos recursos existentes. As práticas laboratoriais (PL) em Enfermagem assumem uma importância vital na preparação dos futuros profissionais, pelas oportunidades e treino que proporcionam em situação simulada. As práticas laboratoriais são um tipo de ensino realizado em laboratório, com base na simulação de situações práticas que têm por finalidade a aprendizagem e exploração dos métodos, processos e técnicas de aplicação da compreensão dos factos, considerados no ensino teórico e/ou teórico-prático, que conduzem ao desenvolvimento de competências cognitivas e psicomotoras. Experienciaram práticas com o simulador, todos os estudantes do 3º ano do Curso de Licenciatura em Enfermagem, divididos por 24 grupos. Cada grupo era constituído por 15 estudantes que durante duas horas desenvolveram a sua prática laboratorial com a orientação do professor de enfermagem. Em laboratório procedeu-se à utilização do simulador de idosos composto pelos artefactos: Óculos...

Envelhecer: ser idoso versus ser velho

Almeida, Maria de Lurdes Ferreira de
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 04/07/2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.35%
Este estudo, através da análise das expressões ser velho e ser idoso, procura compreender como são percebidas e representadas pelos próprios idosos. O método de colheita de dados foi a entrevista semiestruturada e os dados analisados com recurso ao programa de software Nvivo8. Participaram 49 idosos de 3 centros dia da cidade de Coimbra. Emerge uma concepção de Ser velho conotada com a sabedoria, a experiência e a proximidade da morte; Ser idoso é sinónimo de libertação, de estar apto e viver muitos anos. No entanto, ser velho e ser idoso também está conotado com a tristeza, a dependência e a proximidade da morte.

Uma visão do fenómeno da velhice: Ser idoso versus ser velho

Almeida, Maria de Lurdes Ferreira de
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 09/06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.36%
Uma visão do fenómeno da velhice: Ser idoso versus ser velho Este estudo, através da análise do termo velhice e das expressões ser velho e ser idoso, procura compreender como são percebidos e representados pelos próprios idosos. A velhice é pois analisada pelos idosos num contexto heterogéneo, em que cada pessoa tem uma história e uma experiência individual, construídas durante toda a vida, o que faz com que cada um envelheça e vivencie experiências diferentes durante esse período. A vantagem de ser idoso é viver muitos anos e ser válido para os que o rodeiam. Já ser velho é associar a muita idade à sabedoria e experiência. No que toca a desvantagens, para os primeiros a idade torna-os menos aptos, mais dependentes e desligados das coisas; para os segundos, não ter préstimo, estarem mais susceptíveis à dependência e mais perto da morte.

Uma visão do fenómeno da velhice: Ser idoso versus ser velho

Almeida, Maria de Lurdes Ferreira de
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Outros
Publicado em 09/06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.42%
Uma visão do fenómeno da velhice: Ser idoso versus ser velho Este estudo, através da análise do termo velhice e das expressões ser velho e ser idoso, procura compreender como são percebidos e representados pelos próprios idosos. Definimos como objectivo Identificar e analisar o significado que os idosos atribuem a velhice, ser velho, ser idoso. A opção metodológica tem por base pressuposta qualitativa. O método de colheita de dados foi a entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados com recurso ao programa de software Nvivo8. Participaram 49 idosos de 3 centros de dia da cidade de Coimbra. Resultados A velhice é pois analisada pelos idosos num contexto heterogéneo, em que cada pessoa tem uma história e uma experiência individual, construídas durante toda a vida, o que faz com que cada um envelheça e vivencie experiências diferentes durante esse período. A vantagem de ser idoso é viver muitos anos e ser válido para os que o rodeiam. Já ser velho é associar a muita idade à sabedoria e experiência. No que toca a desvantagens, para os primeiros a idade torna-os menos aptos, mais dependentes e desligados das coisas; para os segundos, não ter préstimo, estarem mais susceptíveis à dependência e mais perto da morte. Conclusão A velhice está associada às perdas e medos. Ser velho e ser idoso para uns são expressões sinónimas...

Perfil do agressor de idoso com demência de uma unidade especializada de atenção geriátrica e gerontológica do Distrito Federal no período de 2008 a 2012.

Peres, Priscila; Bueno, Elissandra Regina
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.34%
A expectativa de vida da população vem aumentando nos últimos anos, principalmente nos países em desenvolvimento, e com isso um aumento de casos de doenças que comprometem a funcionalidade física e mental do idoso, como a demência. A demência é uma doença degenerativa progressiva, que gera uma necessidade de cuidados específicos, e então se faz necessário o auxilio de um familiar ou um cuidador contratado (formal). A família é tida como a principal fonte de apoio quando ocorre incapacidade ou dependência no idoso, acaba sendo ela a principal cuidadora, mesmo desconhecendo a evolução da patologia. Essa falta de informação e despreparo faz com que o familiar cuidador entenda as alterações comportamentais do idoso como implicância, gerando um conflito no núcleo familiar. O idoso demenciado tende a ser mais fragilizado, somando isso ao conflito familiar, torna-o mais suscetível à violência. A violência contra a pessoa idosa pode se instalar em qualquer forma, podendo ser: violência física, psicológica, sexual, institucional, financeira/patrimonial, negligência/abandono, autonegligência. Para proteger o idoso de possíveis violências ou que elas voltem a ocorrer, existem redes de proteção tanto no nível de saúde (mediação de conflito) como no nível legal/judiciário...

O estatuto do idoso face ao princípio da proteção integral

Silva, Marcia Maria Moreira da
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.26%
O presente trabalho vislumbra contribuir, dentro das devidas proporções e suas limitações, como uma vitrine de conquistas e reflexões sobre a verdadeira realidade dos direitos dos idosos. O que pode ser consagrado além das garantias resguardadas na Constituição Federal, também nos instrumentos que somente vieram a contribuir e ratificar a evolução da conquista do espaço dos idosos representado no Estatuto do Idoso que possui uma extraordinária gama de conscientização do conceito de ser idoso e de se fazer reconhecer os seus direitos. E, somente, pelo do reconhecimento de tais direitos é que efetivamente ganha força de lei para que jamais sejam desrespeitados tais direitos, chegando ao nível da inviolabilidade. Isso reflete na pretensão de fazer valer a força constitucional dos direitos resguardados aos idosos, principalmente, em relação à preservação de sua dignidade. Portanto, o objetivo, maior do presente trabalho monográfico é o de identificar se a legislação que trata sobre o idoso, no Brasil, assegura-lhe proteção integral, de forma eficaz.; Direito

A criança e a perceção de ser idoso/ser velho

Almeida, Maria de Lurdes Ferreira de
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 28/10/2015 POR
Relevância na Pesquisa
66.27%
A aposta nas relações entre gerações, constitui-se como uma base para a valorização da velhice, diminuição dos receios e dos estereótipos inerentes a esta fase do desenvolvimento humano. Destes princípios surgiu o projeto Antecipar a experiência de ser idoso. É possível, com o uso de um equipamento que simula os efeitos do envelhecimento, proporcionar oportunidade às crianças de colocar-se na pele do idoso, experimentar as limitações e entender o que eles sentem.

THE PERSPECTIVE OF AGING FOR BEING SENIOR AND YOUR FAMILY; LA PERSPECTIVA DE LA SENECTUD PARA EL ANCIANO Y SU FAMILIA*; A PERSPECTIVA DO ENVELHECER PARA O SER IDOSO E SUA FAMÍLIA

Duarte, Veridiana Bohns; Santana, Maria da Glória; Soares, Marilú Corrêa; Dias, Denise Gamio; Thofern, Maíra Buss
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 29/05/2007 POR
Relevância na Pesquisa
46.02%
This work is the result of personal experiences, adding the necessity felt of giving voice to elderly people and their families about what old age itself means, motivated by the wish of expanding the elderly people comprehension of this period of life. It is a qualitative, descriptive and exploratory study. As subjects, we had eleven elderly people from a suburb of Pelotas’ city – Brazil, with whom we adopted a semi-structured interview, as a survey instrument. The obtained data results showed that elderly people, in the majority, do not reflect upon or plan their old ages, noticing it only in the moment that routine expressions become visible and apparent. During the survey, the marking comparisons between the term “old” as “useless, loneliness and lack of aim for life”, and the word “elderly” as “respect and maturity”, became evident. We considered the study a positive opportunity of reflection upon life of elderly people and their families.; Este estudio es fruto de experiencias personales aliados a la necesidad de ofrecer a los ancianos y familiares, la oportunidad para que se expresen frente a su propia vejez, incentivados por el deseo de una mayor comprensión. Es una investigación cualitativa...