Página 1 dos resultados de 464 itens digitais encontrados em 0.012 segundos

Valores na educação em saúde e a formação profissional; Values in health education and vocational training

Carvalho, Amâncio; Carvalho, Graça Simões de; Rodrigues, Vitor
Fonte: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Benâncio / Fiocruz Publicador: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Benâncio / Fiocruz
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
75.95%
O presente estudo traçou como objetivo geral, analisar o efeito da formação na aquisição de valores em Educação em Saúde dos estudantes do Curso de Enfermagem de Vila Real, comparando com outros cursos. Trata-se de um estudo descritivo, comparativo e transversal. Participaram na pesquisa 709 estudantes de sete cursos superiores, tendo-se procurado incluir atores que intervêm no processo de Educação em Saúde, aos quais foi aplicado um questionário de auto-preenchimento. A maioria dos participantes (86,5%), considera que a Educação em Saúde tem valores a promover, sendo a “responsabilidade” o valor mais indicado, por 19,2% dos estudantes. O estudo demonstrou que é nos cursos de enfermagem que ocorre a maior evolução nos valores, existindo diferenças altamente significativas (p≤ 0,001), sendo a média do 4º superior à do 1º ano. Estes resultados evidenciam a necessidade de, nestes cursos, se trabalhar os valores subjacentes a este processo, tão necessários no desempenho destas profissões.; The aim of the present study was to analyze the training effects in the acquisition of Health Education values of the students of the Vila Real Nursing College, comparing with others courses. This is a cross, comparative...

Trabalho coletivo: um desafio para a gestão em saúde

Scherer,Magda Duarte dos Anjos; Pires,Denise; Schwartz,Yves
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2009 PT
Relevância na Pesquisa
75.96%
Com base na teorização da ergologia e do processo de trabalho, este ensaio objetiva contribuir para a reflexão acerca do trabalho coletivo em saúde, destacando sua especificidade e as dificuldades de construção e gestão de coletivos de trabalho. Aborda o trabalho como atividade humana que compreende, dialeticamente, a aplicação de um protocolo prescrito e uma perspectiva singular e histórica. O trabalho em saúde envolve uma relação entre sujeitos que agem nas dramáticas do uso de si e que fazem a gestão do seu próprio trabalho; é influenciado pela história das profissões de saúde e pelas determinações macro-políticas. Conclui-se que essa complexidade do trabalho em saúde precisa ser considerada no processo de gestão de equipes/coletivos profissionais de modo a articular ações que possibilitem implementar um novo projeto de atenção à saúde na perspectiva da integralidade.

Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde

Campos,Gastão Wagner de Sousa; Domitti,Ana Carla
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2007 PT
Relevância na Pesquisa
75.95%
Os autores apresentam uma reconstrução teórico-conceitual da metodologia de gestão do trabalho em saúde baseada em equipes de referência e apoio matricial. Equipe de referência é um rearranjo organizacional que procura coincidir o poder de gestão com a equipe interdisciplinar. O apoio matricial sugere modificações entre as relações dos níveis hierárquicos em sistemas de saúde; nesse caso, o especialista integra-se organicamente a várias equipes que necessitam do seu trabalho especializado. Além da retaguarda assistencial, objetiva-se produzir um espaço em que ocorra intercâmbio sistemático de conhecimentos entre as várias especialidades e profissões. São apontados obstáculos estruturais, éticos, políticos, culturais, epistemológicos e subjetivos ao desenvolvimento desse tipo de trabalho integrado em saúde.

Produção científica das ciências sociais e humanas em saúde e alguns significados

Canesqui,Ana Maria
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 PT
Relevância na Pesquisa
75.99%
Este artigo aborda, primeiramente, a produção científica das ciências sociais e humanas em saúde publicada em periódicos de sete revistas da área de Saúde Coletiva/Saúde Pública no Brasil, no período de 1997 a 2007, registrada na base eletrônica de dados SciElo e identificada mediante uma extensa lista de palavras-chave. Dos 1926 artigos e resenhas de livros identificados, 489 foram selecionados por autorreferir à pesquisa qualitativa. Da leitura dos resumos, selecionaram-se os temas pesquisados e suas proporções foram as seguintes: políticas e instituições de saúde (32,5%), saúde e doença (18,5%), gênero e saúde (16,5%), violência e saúde (9,0%), velhice e envelhecimento (7,0%), recursos humanos, profissões e formação (7,5%), estudos sociais das ciências e das técnicas (5,0%) e educação e comunicação em saúde (4,0%). A leitura dos conteúdos dos textos completos permitiu identificar as abordagens teórico-metodológicas utilizadas e alguns significados típicos dessa prática científica. Concluiu-se que a produção acadêmica expandiu-se, concentrando-se 50% nos dois primeiros temas, com baixo grau de interdisciplinaridade; usou de teorias de médio alcance, combinando metodologias e teorias, abordagens disciplinares...

O trabalho e a pesquisa em saúde: notas sobre a invisibilidade do trabalho técnico

Teixeira,Márcia de Oliveira
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2004 PT
Relevância na Pesquisa
76%
Nas últimas décadas a investigação das diferentes formas de trabalho em saúde tornou-se uma destacada temática do campo da pesquisa social (em saúde). Este adensamento, em parte, relaciona-se com as propostas de reorganização dos serviços de saúde, com o surgimento de novas profissões e com a identificação de alterações significativas no conteúdo do trabalho em saúde. Muitos apontam correlações entre essas alterações e a aceleração do processo de incorporação de tecnologias nos serviços de saúde, estabelecendo, assim, aproximações com o campo temático da ciência e da tecnologia em saúde. Em detrimento dessas aproximações, poucos estudos exploraram as possíveis interfaces entre a dinâmica do trabalho em saúde e a da pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Nesse sentido, para efeito de análise social, os técnicos e os pesquisadores não figuram, usualmente, entre os trabalhadores da saúde. Partindo da descrição do trabalho realizado por uma técnica, discuto, neste texto, a invisibilidade do trabalho técnico em laboratórios de pesquisa em saúde. O intuito é explorar as relações entre as formas assumidas pela invisibilidade e as alterações no modo de organização do trabalho em um espaço determinado.

Temas e abordagens das ciências sociais e humanas em saúde na produção acadêmica de 1997 a 2007

Canesqui,Ana Maria
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2010 PT
Relevância na Pesquisa
75.97%
Analisa-se a produção intelectual das ciências sociais e humanas em Saúde a partir de 498 artigos e resenhas de livros selecionados em oito periódicos de Saúde Pública/Saúde Coletiva, registrados na base eletrônica de dados SciELO no período 1997 a 2007, através de palavras-chave. Os textos foram selecionados através de critérios de uma listagem de 1.926 artigos identificados. Os temas pesquisados e suas proporções no conjunto da literatura foram: política e instituições de saúde, 32,5%; saúde e doença, 18,5%; gênero e saúde, 16,5%; violência e saúde, 9%; velhice e envelhecimento, 4,0%%; recursos humanos, profissões e formação, 7,5%; produção social das ciências e das técnicas, 7,0% e educação e comunicação em saúde, 4,0%. Os resultados apontam a expansão da produção acadêmica; concentração de 50% dos textos nos dois primeiros assuntos; uso de teorias de médio alcance; das mediações e de teorias e metodologias combinadas; incipiente interdisciplinaridade entre ciências sociais e ciências da vida; abordagens disciplinares. Recomenda-se a discussão de uma agenda de investigação multicêntrica, capaz de diversificar e aprofundar temas sobre condições de saúde e mudanças sociais; a política e serviços de saúde; a formação profissional e conhecimento e tecnologias.

Sociologia das profissões e percepção de acadêmicos de Odontologia sobre o Agente Comunitário de Saúde em Saúde Bucal

Moretti-Pires,Rodrigo Otávio; Lima,Levi Abraão Marinho; Machado,Maria Helena
Fonte: UNESP Publicador: UNESP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.13%
A atuação profissional no Programa de Saúde da Família exige dos odontólogos uma postura que rompa com práticas clínicas tradicionais, a exemplo da articulação com o ACS neste contexto de trabalho em equipe. Estas questões remetem ao campo da sociologia das profissões de saúde. O presente artigo objetiva investigar a percepção de acadêmicos de Odontologia sobre a atuação dos ACS junto ao trabalho de Saúde Bucal. Em termos metodológicos, foram utilizadas quarenta entrevistas com acadêmicos de Odontologia de uma universidade federal, tratadas por um processo hermenêutico-dialético. Os resultados apontam para a falta de formação no trabalho em equipe multiprofissional, a existência de dificuldades para atuação em Saúde Coletiva, assim como para a deficiência no conhecimento das atribuições dos membros da equipe de Saúde da Família, em especial sobre as atribuições dos ACS junto à Saúde Bucal.

As profissões em saúde e o Serviço Social: desafios para a formação profissional

Lanza,Líria Maria Bettiol; Campanucci,Fabrício da Silva; Baldow,Letícia Orlandi
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Curso de Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Curso de Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
96.11%
O objetivo deste estudo bibliográfico é compreender como o Serviço Social tem enfrentado o processo de revisão da formação profissional ofertada para o trabalho em saúde. Inicia pela compreensão do que vem a ser uma profissão em saúde, localizando o Serviço Social e sua vinculação com a área destacando o aspecto formativo. Dessa forma, verifica que é legítima a configuração do Serviço Social como profissão em saúde, tanto do ponto de vista conceitual como do ponto de vista prático, evidenciado pela vinculação histórica da profissão e por sua utilidade social nos serviços de saúde. Ainda, aponta para os desafios da atuação profissional no contexto conflituoso da política de saúde brasileira e suas implicações na formação profissional.

Registro eletrônico em saúde: proposta de um modelo de informação para uso na atenção primária com vistas à interoperabilidade; Electronic health record: proposed an information model for use in primary care with a view to interoperability

Braga, Renata Dutra
Fonte: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (FM); Faculdade de Medicina - FM (RG) Publicador: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (FM); Faculdade de Medicina - FM (RG)
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.15%
There are various health information systems in use in the country, which serve different purposes, but are not interoperable. To ensure interoperability in the development of a model that serves different health professions was held this research, which aimed to define a conceptual model for the registration of health information in primary care. Methods: This action research with analytical approach was held in conjunction with a panel of experts to represent the health professions recognized by the National Health Council (CNS), which through discussion meetings identified and systematized essential information needed to evaluate the overall health of individual, in the context of multidisciplinary primary care demands generating a preliminary model. This model was validated by Delphi method and a consensus model was proposed. Results: The conceptual model to health information registration obtained goes beyond the demands of administration, since its focus is the individual - source of all the information that generates health demands. The central structure of the information registry model comprised four groups of information, which were called pillars: Data Gathering, Diagnosis, Care Plan and Evaluation. Each of these pillars presented subgroups important to the different professions...

Valores na educação em saúde e a formação profissional

Carvalho,Amâncio António de Sousa; Carvalho,Graça Simões de; Rodrigues,Vítor Manuel Costa Pereira
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Publicador: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2012 PT
Relevância na Pesquisa
75.95%
O presente estudo traçou, como objetivo geral, analisar o efeito da formação na aquisição de valores em educação em saúde dos estudantes do Curso de Enfermagem de Vila Real, Região Norte, Trásos-Montes e Alto Douro, município de Vila Real, Lordelo, em Portugal, comparando com outros cursos. Trata-se de um estudo descritivo, comparativo e transversal. Participaram na pesquisa 709 estudantes de sete cursos superiores, tendo-se procurado incluir atores que intervêm no processo de educação em saúde, aos quais foi aplicado um questionário de autopreenchimento, no período de outubro a dezembro de 2004. A maioria dos participantes (86,5%) considera que a educação em saúde tem valores a promover, sendo a 'responsabilidade' o valor mais indicado, por 19,2% dos estudantes. O estudo demonstrou que é nos cursos de enfermagem que ocorre a maior evolução nos valores, existindo diferenças altamente significativas (p< 0,001), sendo a média do 4º ano superior à do 1º. Esses resultados evidenciam a necessidade de, em tais cursos, se trabalhar os valores subjacentes ao processo, tão necessários no desempenho dessas profissões.

Narrativas na formação comum de profissionais de saúde

Capozzolo,Angela Aparecida; Casetto,Sidnei José; Imbrizi,Jaquelina Maria; Henz,Alexandre de Oliveira; Kinoshita,Roberto Tykanori; Queiroz,Maria de Fátima Ferreira
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Publicador: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2014 PT
Relevância na Pesquisa
75.94%
Este texto relata a experiência de formação comum que ocorre desde 2007 no campus Baixada Santista da Universidade Federal de São Paulo, no terceiro semestre de graduação, do eixo curricular trabalho em saúde. A experiência articula estudantes e docentes de diferentes áreas profissionais: educação física, fisioterapia, nutrição, psicologia e terapia ocupacional. São apresentadas as diretrizes e estratégias de organização do módulo 'Prática clínica integrada: análise de demandas e necessidades de saúde', que adota a produção de narrativas de histórias de vida e de questões de saúde de pessoas selecionadas por docentes em conjunto com as equipes da rede de serviços do município de Santos, São Paulo. As narrativas foram produzidas em encontros quinzenais dos estudantes com as pessoas acompanhadas em suas residências e de supervisões com os docentes. Realizouse análise de conteúdo de 120 relatórios de conclusão do módulo elaborados pelos estudantes nos anos de 2007 e 2008 visando identificar efeitos dessa proposta de formação. A elaboração de narrativas favoreceu aos estudantes ampliar a capacidade de escuta e a percepção da complexidade do processo saúdedoençacuidado, bem como de outros aspectos do que se tem denominado de 'clínica comum' às diversas profissões em saúde.

Trabalho coletivo: um desafio para a gestão em saúde; Trabajo colectivo: un desafío para la gestión en salud; Collective work: a challenge for health management

Scherer, Magda Duarte dos Anjos; Pires, Denise; Schwartz, Yves
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/08/2009 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
75.96%
Com base na teorização da ergologia e do processo de trabalho, este ensaio objetiva contribuir para a reflexão acerca do trabalho coletivo em saúde, destacando sua especificidade e as dificuldades de construção e gestão de coletivos de trabalho. Aborda o trabalho como atividade humana que compreende, dialeticamente, a aplicação de um protocolo prescrito e uma perspectiva singular e histórica. O trabalho em saúde envolve uma relação entre sujeitos que agem nas dramáticas do uso de si e que fazem a gestão do seu próprio trabalho; é influenciado pela história das profissões de saúde e pelas determinações macro-políticas. Conclui-se que essa complexidade do trabalho em saúde precisa ser considerada no processo de gestão de equipes/coletivos profissionais de modo a articular ações que possibilitem implementar um novo projeto de atenção à saúde na perspectiva da integralidade.; Con base en la teorización de la ergología y del proceso de trabajo, este ensayo objetiva contribuir para la reflexión acerca del trabajo colectivo en salud, destacando su especificidad y las dificultades de construcción y gestión de colectivos de trabajo. Aborda el trabajo como actividad humana que comprende, dialécticamente, la aplicación de un protocolo prescripto y una perspectiva singular e histórica. El trabajo en salud envuelve una relación entre sujetos que actúan en las dramáticas de uso de si y que hacen la gestión de su propio trabajo; es influenciado por la historia de las profesiones de salud y por las determinaciones macro-políticas. Se concluye que esa complejidad del trabajo en salud precisa ser considerada en el proceso de gestión de equipos/colectivos profesionales de modo de articular acciones que posibiliten implementar un nuevo proyecto de atención a la salud en la perspectiva de la integralidad.; Based on ergology and work process theorization...

Autonomia na gestão hospitalar no Chile: desafios para o recurso humano em saúde; Autonomía en la gestión hospitalaria en Chile: los desafíos para el recurso humano en salud; Hospital management autonomy in Chile: the challenges for human resources in health

Méndez, Claudio A; Torres A, M Cristina
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/04/2010 SPA; ENG
Relevância na Pesquisa
75.96%
Destacam-se algumas experiências de reforma sanitária na América Latina que têm dado lugar à implementação de hospitais autônomos. No Chile, o sistema de saúde implementou uma reforma que introduziu os Estabelecimentos de Autogestão em Rede. Estes serão centros de alta complexidade que abarcarão uma maior complexidade técnica, centros de custos e mecanismos de avaliação da satisfação dos usuários. Para o recurso humano em saúde, a implementação destes centros estabelece desafios no planejamento para a provisão de serviços, assim como na transição da gestão clássica das equipes a uma baseada em redes. Estes desafios envolvem a estimativa de vazios de especialidades médicas, assim como de outras profissões do setor. Para o sucesso da autogestão no Chile, conclui-se que se deve avançar em estabelecer políticas globais e locais que abordem temas de formação e organização da provisão de serviços de saúde nestas instituições.; En América Latina destacan experiencias de reforma sanitaria en donde se ha dado paso a la implementación de hospitales autónomos. En Chile, el sistema de salud implementa una reforma que introduce los Establecimientos de Autogestión en Red. Estos serán centros de alta complejidad que involucrarán una mayor diversidad técnica...

Produção científica das ciências sociais e humanas em saúde e alguns significados; Scientific production of the social and human sciences in health and some meanings

Canesqui, Ana Maria
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/03/2012 POR
Relevância na Pesquisa
75.99%
Este artigo aborda, primeiramente, a produção científica das ciências sociais e humanas em saúde publicada em periódicos de sete revistas da área de Saúde Coletiva/Saúde Pública no Brasil, no período de 1997 a 2007, registrada na base eletrônica de dados SciElo e identificada mediante uma extensa lista de palavras-chave. Dos 1926 artigos e resenhas de livros identificados, 489 foram selecionados por autorreferir à pesquisa qualitativa. Da leitura dos resumos, selecionaram-se os temas pesquisados e suas proporções foram as seguintes: políticas e instituições de saúde (32,5%), saúde e doença (18,5%), gênero e saúde (16,5%), violência e saúde (9,0%), velhice e envelhecimento (7,0%), recursos humanos, profissões e formação (7,5%), estudos sociais das ciências e das técnicas (5,0%) e educação e comunicação em saúde (4,0%). A leitura dos conteúdos dos textos completos permitiu identificar as abordagens teórico-metodológicas utilizadas e alguns significados típicos dessa prática científica. Concluiu-se que a produção acadêmica expandiu-se, concentrando-se 50% nos dois primeiros temas, com baixo grau de interdisciplinaridade; usou de teorias de médio alcance, combinando metodologias e teorias, abordagens disciplinares...

As profissões em saúde e o Serviço Social: desafios para a formação profissional; Healthcare Professions and Social Work: Challenges for Professional Education

Lanza, Líria Maria Bettiol; UEL - Londrina - PR; Campanucci, Fabrício da Silva; UEL - Londrina - PR; Baldow, Letícia Orlandi; UEL - Londrina - PR
Fonte: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (Edufsc) Publicador: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (Edufsc)
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 07/12/2012 POR
Relevância na Pesquisa
86.1%
http://dx.doi.org/10.1590/S1414-49802012000200007O objetivo deste estudo bibliográfico é compreender como o Serviço Social tem enfrentado o processo de revisão da formação profissional ofertada para o trabalho em saúde. Inicia pela compreensão do que vem a ser uma profissão em saúde, localizando o Serviço Social e sua vinculação com a área destacando o aspecto formativo. Dessa forma, verifica que é legítima a configuração do Serviço Social como profissão em saúde, tanto do ponto de vista conceitual como do ponto de vista prático, evidenciado pela vinculação histórica da profissão e por sua utilidade social nos serviços de saúde. Ainda, aponta para os desafios da atuação profissional no contexto conflituoso da política de saúde brasileira e suas implicações na formação profissional.; The objective of this bibliographic study is to understand how Social Work has faced the process of revising the professional education offered for work in healthcare. It begins with the understanding of what is a healthcare profession, locating Social Work and its ties with the field and highlighting educational aspects. In this way, it verifies that it is legitimate to configure Social Work as a healthcare profession...

O trabalho e a pesquisa em saúde: notas sobre a invisibilidade do trabalho técnico

Teixeira,Márcia de Oliveira
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2004 PT
Relevância na Pesquisa
76%
Nas últimas décadas a investigação das diferentes formas de trabalho em saúde tornou-se uma destacada temática do campo da pesquisa social (em saúde). Este adensamento, em parte, relaciona-se com as propostas de reorganização dos serviços de saúde, com o surgimento de novas profissões e com a identificação de alterações significativas no conteúdo do trabalho em saúde. Muitos apontam correlações entre essas alterações e a aceleração do processo de incorporação de tecnologias nos serviços de saúde, estabelecendo, assim, aproximações com o campo temático da ciência e da tecnologia em saúde. Em detrimento dessas aproximações, poucos estudos exploraram as possíveis interfaces entre a dinâmica do trabalho em saúde e a da pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Nesse sentido, para efeito de análise social, os técnicos e os pesquisadores não figuram, usualmente, entre os trabalhadores da saúde. Partindo da descrição do trabalho realizado por uma técnica, discuto, neste texto, a invisibilidade do trabalho técnico em laboratórios de pesquisa em saúde. O intuito é explorar as relações entre as formas assumidas pela invisibilidade e as alterações no modo de organização do trabalho em um espaço determinado.

A vagina-escola: seminário interdisciplinar sobre violência contra a mulher no ensino das profissões de saúde

Diniz,Carmen Simone Grilo; Niy,Denise Yoshie; Andrezzo,Halana Faria de Aguiar; Carvalho,Priscila Cavalcanti Albuquerque; Salgado,Heloisa de Oliveira
Fonte: UNESP Publicador: UNESP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2016 PT
Relevância na Pesquisa
66.18%
O ensino de obstetrícia no Brasil tradicionalmente requer que o aluno realize um certo número de procedimentos para que seja avaliado, o que levou a uma cultura de ensino do uso não informado, não consentido, das vaginas das parturientes mais pobres, usuárias do SUS, pelos alunos de medicina e outras profissões, para o treinamento de habilidades cirúrgicas. Tais abusos permanecem normalizados por uma cultura institucional que não os reconhece como violações de direitos, promovendo um ensino de habilidades descolado do ensino de valores e dos direitos das usuárias. Para promover um diálogo entre os setores envolvidos, realizamos em março de 2015 o evento “A Vagina-escola: seminário sobre violência contra a mulher no ensino das profissões de saúde”. O seminário foi especialmente oportuno por acompanhar a recente declaração da Oorganização Mundial de Saúde (OMS) “Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde”, reforçando a urgência do tema na Saúde Coletiva.

Trabalho coletivo: um desafio para a gestão em saúde

Scherer,Magda Duarte dos Anjos; Pires,Denise; Schwartz,Yves
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2009 PT
Relevância na Pesquisa
75.96%
Com base na teorização da ergologia e do processo de trabalho, este ensaio objetiva contribuir para a reflexão acerca do trabalho coletivo em saúde, destacando sua especificidade e as dificuldades de construção e gestão de coletivos de trabalho. Aborda o trabalho como atividade humana que compreende, dialeticamente, a aplicação de um protocolo prescrito e uma perspectiva singular e histórica. O trabalho em saúde envolve uma relação entre sujeitos que agem nas dramáticas do uso de si e que fazem a gestão do seu próprio trabalho; é influenciado pela história das profissões de saúde e pelas determinações macro-políticas. Conclui-se que essa complexidade do trabalho em saúde precisa ser considerada no processo de gestão de equipes/coletivos profissionais de modo a articular ações que possibilitem implementar um novo projeto de atenção à saúde na perspectiva da integralidade.

Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde

Campos,Gastão Wagner de Sousa; Domitti,Ana Carla
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2007 PT
Relevância na Pesquisa
75.95%
Os autores apresentam uma reconstrução teórico-conceitual da metodologia de gestão do trabalho em saúde baseada em equipes de referência e apoio matricial. Equipe de referência é um rearranjo organizacional que procura coincidir o poder de gestão com a equipe interdisciplinar. O apoio matricial sugere modificações entre as relações dos níveis hierárquicos em sistemas de saúde; nesse caso, o especialista integra-se organicamente a várias equipes que necessitam do seu trabalho especializado. Além da retaguarda assistencial, objetiva-se produzir um espaço em que ocorra intercâmbio sistemático de conhecimentos entre as várias especialidades e profissões. São apontados obstáculos estruturais, éticos, políticos, culturais, epistemológicos e subjetivos ao desenvolvimento desse tipo de trabalho integrado em saúde.

Temas e abordagens das ciências sociais e humanas em saúde na produção acadêmica de 1997 a 2007

Canesqui,Ana Maria
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2010 PT
Relevância na Pesquisa
75.97%
Analisa-se a produção intelectual das ciências sociais e humanas em Saúde a partir de 498 artigos e resenhas de livros selecionados em oito periódicos de Saúde Pública/Saúde Coletiva, registrados na base eletrônica de dados SciELO no período 1997 a 2007, através de palavras-chave. Os textos foram selecionados através de critérios de uma listagem de 1.926 artigos identificados. Os temas pesquisados e suas proporções no conjunto da literatura foram: política e instituições de saúde, 32,5%; saúde e doença, 18,5%; gênero e saúde, 16,5%; violência e saúde, 9%; velhice e envelhecimento, 4,0%%; recursos humanos, profissões e formação, 7,5%; produção social das ciências e das técnicas, 7,0% e educação e comunicação em saúde, 4,0%. Os resultados apontam a expansão da produção acadêmica; concentração de 50% dos textos nos dois primeiros assuntos; uso de teorias de médio alcance; das mediações e de teorias e metodologias combinadas; incipiente interdisciplinaridade entre ciências sociais e ciências da vida; abordagens disciplinares. Recomenda-se a discussão de uma agenda de investigação multicêntrica, capaz de diversificar e aprofundar temas sobre condições de saúde e mudanças sociais; a política e serviços de saúde; a formação profissional e conhecimento e tecnologias.