Página 1 dos resultados de 66 itens digitais encontrados em 0.002 segundos

Desigualdades sociais na utilização de cuidados de saúde no Brasil e seus determinantes; Social inequalities in the use of healthcare in Brazil and its determinants

Cambota, Jacqueline Nogueira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 02/04/2012 PT
Relevância na Pesquisa
26.64%
A equidade na utilização de cuidados de saúde deve ser considerada como questão central em qualquer política de saúde que pretenda contribuir para uma sociedade mais justa. Desse modo, o objetivo desta tese é analisar o desempenho da entrega de cuidados no Brasil em termos de equidade por meio de violações do princípio de equidade horizontal na utilização dos serviços de cuidados de saúde e da decomposição dos determinantes da desigualdade na utilização do cuidado relacionada à renda. A desigualdade na distribuição de cuidado médico pela renda é capturada por índices de iniquidade para a utilização de serviços de consultas médicas e internações hospitalares. Esses índices mostram se existem diferenças no uso de serviços de cuidados de saúde entre indivíduos com similares necessidades de saúde. Para explicar as causas da desigualdade, Wagstaff, van Doorslaer e Watanabe (2003) propõem que a medida do grau de desigualdade seja decomposta nas contribuições dos fatores explicativos do uso. A análise também considerou a perspectiva da desigualdade, o que permitiu observar não apenas desigualdades sociais mas também variações regionais na entrega de cuidados de saúde. Os resultados mostraram iniquidade horizontal pró-rico no uso de consultas médicas e pouca evidência de iniquidade no uso de internações. O padrão de iniquidade horizontal no uso se repetiu para todas as regiões...

Crescimento pró-pobre no Brasil: impactos regionais

França, João Mário Santos de
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Tese de Doutorado
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.6%
Esta pesquisa científica foi apresentada como trabalho de conclusão do curso de Doutorado em Economia e reúne três artigos na área de crescimento. O primeiro deles utiliza a metodologia desenvolvida por Kakwani, Khabdker e Son (2004) para analisar a existência de crescimento “pró-pobre” nas regiões brasileiras nos anos de 1995 a 2005. Foram utilizados como suporte medidas de pobreza P(0), P(1) e P(2) e o índice de GINI. Os resultados apontam que tais políticas causaram maior impacto nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. O segundo artigo desenvolve três modelos econométricos em Dados de Painel para calcular as elasticidades renda-pobreza e desigualdade-pobreza para as regiões geográficas do Brasil, de forma desagregada. Para as estimativas foram usadas as medidas de proporção de pobres, hiato da pobreza e hiato da pobreza ao quadrado. Como fora observado que a elasticidade desigualdade-pobreza é maior do que a elasticidade crescimento-pobreza, a redução de desigualdade medida pelo índice de GINI, é mais sensível a queda dos níveis de desigualdade do que no crescimento da renda média. Finalmente, o terceiro artigo utiliza a metodologia desenvolvida por Kraay (2004), para analisar a importância de cada componente do crescimento “pró-pobre” para os estados das regiões do Brasil. No caso do nordeste o crescimento da renda tem sido relativamente mais importante do que a queda da desigualdade como fonte de crescimento “pró-pobre”. Já no sudeste...

Crescimento pró-pobre : conceitos, experiências, políticas públicas e uma análise empírica do Rio Grande do Sul na década de 1990

Bakof, Alex Knapp
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
56.64%
O desenvolvimento econômico mostra-se um instrumento fundamental numa das questões cruciais a toda a população e aos formuladores de políticas públicas: a redução da pobreza. As experiências ao redor do mundo e durante os tempos têm mostrado que os países e mesmo as regiões dentro deles crescem de maneira desigual. Do mesmo modo, a distribuição de renda dentro deles e entre eles não é homogênea, podendo beneficiar determinadas parcelas da população. Para tratar desse enfoque, o presente trabalho explora o tema crescimento pró-pobre, que sinteticamente traduz-se como aquele em que a população de mais baixa renda efetivamente se beneficia do crescimento. Apresenta-se o debate conceitual e histórico, as experiências ao redor do mundo e do Brasil, os aspectos significativos e as condições que tenham se mostrado favoráveis ao crescimento pró-pobre. Adicionalmente discutem-se as políticas públicas que podem promover o bom crescimento. De posse desse ferramental, introduziu-se o índice “G” de crescimento para empiricamente avaliar, por meio de dados do IBGE, o crescimento no Estado do Rio Grande do Sul no período compreendido entre 1991 e 2000. Reforçando a tese de que o desenvolvimento não é neutro sob o ponto de vista de distribuição de renda...

Tendência à aglomeração e pobreza : teoria e aplicação para a região sul do Brasil

Souza, Cristina Botti de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.6%
A pobreza, em seus aspectos sócio-econômicos, deve ser analisada considerando a ordem de ocupação geográfica, que o modo de vida da população impõe. Na primeira etapa deste trabalho a Nova Geografia Econômica (NGE) é apresentada como um modelo de compreensão desta ordem. Neste modelo, escala, proximidade e liberdade econômica são elementos fundamentais para explicar pujança ou estagnação econômica. A partir desta compreensão, na segunda etapa do trabalho discute-se sobre a pobreza, em particular sobre a mudança de concepção sobre esta para as Ciências Humanas em geral. Ainda nesta etapa comenta-se o caso brasileiro e propõe-se a metodologia do crescimento pró-pobre como uma metodologia aplicável de análise. Por fim, na última parte do trabalho são utilizados dados dos municípios da Região Sul do Brasil e se procede a aplicação de um modelo da NGE, baseando em Hanson (1999) e também faz-se análise do crescimento pró-pobre para todos os municípios da mesma região. O objetivo destes testes é verificar se a validade dos pressupostos da NGE para conforme os dados e o modelo utilizado e também verificar qual a qualidade do crescimento na Região no período entre 1991 e 2000. Os resultados dos testes do modelo da NGE não foram muito significativos...

Crescimento pró-pobre : análise dos estados brasileiros entre 1995 e 2007; Pro-poor growth: an analysis of the brazilian states between 1995 and 2007

Pinto, Maurício Silveira; Oliveira, Júlio César de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
56.6%
Este artigo analisa o crescimento pró-pobre nas 27 unidades federativas do Brasil entre 1995 e 2007. Inicialmente, examina-se a literatura recente sobre o tema e apresentam-se três indicadores para mensurar a relação entre crescimento, desigualdade e pobreza. Em seguida, calcula-se, através de dados de painel, a elasticidade renda-pobreza para o Brasil e suas 27 UFs. Finalmente, estimam-se curvas de incidência do crescimento (GIC) e taxas de crescimento pró-pobre (RPPG) para cada estado nos períodos 1995-2007, 1995-2001 e 2001-2007. Os resultados demonstram que a pobreza caiu rapidamente no Brasil desde 2001, mas ainda existe grande discrepância entre estados e regiões. Ademais, demonstra-se a diferença entre extensão e profundidade da pobreza.; This article analyzes the pro-poor growth in the 27 Brazilian states between 1995 and 2007. Initially, it examines the recent literature about the subject and presents three indicators to quantify the relationship among growth, inequality and poverty. Following, it calculates, through panel data analysis, the growth elasticity of poverty in Brazil and across its states. Finally, it estimates growth incidence curves (GIC) and rates of pro-poor growth (RPPG) for three periods: 1995-2007...

Bem-estar social, mercado de trabalho e o desequilíbrio regional brasileiro

Manso,Carlos Alberto; Barreto,Flávio Ataliba F. D.; França,João Mário Santos de
Fonte: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE Publicador: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 PT
Relevância na Pesquisa
46.48%
Este trabalho contribui para a literatura empírica sobre o desequilíbrio regional brasileiro, ao analisar, no período pós-Plano Real, o desempenho econômico de cada região do País em termos do crescimento pró-pobre - crescimento econômico acompanhado de redução na desigualdade - e do bem-estar social. Para tanto, utiliza-se metodologia presente em Kakwani, Neri e Son (2006) para avaliar o comportamento do bem-estar social a partir das distribuições da renda familiar e da renda salarial em cada região do País. Investiga-se também a contribuição de indicadores do mercado de trabalho nas performances das regiões. De uma forma geral, os resultados apontam que os maiores impactos na renda dos trabalhos e no bem-estar social deveram-se à taxa de participação de trabalhadores por família e, principalmente, aos ganhos de produtividade dos trabalhadores a partir de 2003, que, por sua vez, foram motivados principalmente pelos acréscimos nos retornos médios provenientes da educação das pessoas ocupadas. Porém, esses ganhos não foram suficientes para o estabelecimento de um padrão de crescimento mais intensamente pró-pobre no Norte e no Nordeste, o que poderia ter contribuído para uma maior aproximação em termos de renda e bem-estar social destas regiões em relação às outras do País.

Crescimento pró-pobre no nordeste do Brasil: uma análise dos períodos (1991-2000 e 2000-2010)

Silveira Neto,Raul da Mota
Fonte: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE Publicador: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2014 PT
Relevância na Pesquisa
46.3%
Este trabalho examina o crescimento econômico na região Nordeste do Brasil nos período 1991-2000 e 2000-2010, investigando, especificamente, em que medida a dinâmica da renda desta região tem sido relativamente mais favorável aos indivíduos mais pobres desta região, até o presente, residência de mais da metade das pessoas em situação de extrema pobreza no país. A partir de um indicador que considera tanto a redução da extrema pobreza, como o crescimento relativo da renda das pessoas nesta condição, os resultados são analisados para os estados da região e suas 42 mesorregiões, considerando-se tanto a renda total, como a renda do trabalho. As evidências obtidas indicam que os períodos 1991-2000 e 2000-2010 são bastante diferentes com respeito à natureza do crescimento da renda total. Quando o foco é na dinâmica da renda do trabalho, o trabalho destaca as trajetórias mais favoráveis paras as mesorregiões correspondentes às Regiões Metropolitanas do Nordeste.

O crescimento econômico dos municípios mineiros tem sido pró-pobre? Uma análise para o período 1991-2000

Resende,Guilherme Mendes
Fonte: Nova Economia Publicador: Nova Economia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2008 PT
Relevância na Pesquisa
46.3%
O principal objetivo deste artigo é analisar a relação entre crescimento econômico e pobreza do ponto de vista qualitativo. Em outras palavras, busca-se analisar em que medida o crescimento econômico dos municípios mineiros mostrou-se um mecanismo relativamente eficaz de combate à pobreza do Estado entre 1991 e 2000. Os resultados revelaram a diversidade do território mineiro. Foram encontradas regiões com uma boa qualidade de crescimento onde existe maior elasticidade "pobreza-crescimento", ou seja, uma relativa maior capacidade de reduzir a proporção de pobres para uma determinada taxa de crescimento. Esse resultado é explicado não apenas pela sua menor intensidade de pobreza, mas também pelo relativo maior impacto do crescimento econômico sobre os mais pobres, isto é, pela "qualidade" do crescimento municipal. Por outro lado existem regiões com menor elasticidade "pobreza-crescimento". Por fim, foram analisadas as características socioeconômicas dos municípios pertencentes a cada um dos quatro padrões de crescimento verificados.

Crescimento pró-pobre nos estados brasileiros: análise da contribuição da construção civil usando um modelo de dados em painel dinâmico, 1985-2008

Ghinis,Cristiano Ponzoni; Fochezatto,Adelar
Fonte: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2013 PT
Relevância na Pesquisa
66.48%
Este estudo analisou os efeitos da construção civil sobre a redução da pobreza nos estados brasileiros. Para isso, foram estimados modelos de dados em painel dinâmico para todas as unidades da federação no período 1985-2008. Os resultados indicam que o crescimento da construção civil tem sido pró-pobre na maior parte dessas unidades tanto no curto quanto no longo prazo. Os resultados indicam também que os impactos do setor sobre a redução da pobreza foram maiores que os de outros setores analisados.

Crescimento pró-pobre: análise dos estados brasileiros entre 1995 e 2007

Pinto,Mauricio Silveira; Oliveira,Julio Cesar de
Fonte: Instituto de Economa da Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Instituto de Economa da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2010 PT
Relevância na Pesquisa
66.6%
Este artigo analisa o crescimento pró-pobre nas 27 unidades federativas do Brasil entre 1995 e 2007. Inicialmente, examina-se a literatura recente sobre o tema e apresentam-se três indicadores para mensurar a relação entre crescimento, desigualdade e pobreza. Em seguida, calcula-se, através de dados de painel, a elasticidade renda-pobreza para o Brasil e suas 27 UFs. Finalmente, estimam-se curvas de incidência do crescimento (GIC) e taxas de crescimento pró-pobre (RPPG) para cada estado nos períodos 1995-2007, 1995-2001 e 2001-2007. Os resultados demonstram que a pobreza caiu rapidamente no Brasil desde 2001, mas ainda existe grande discrepância entre estados e regiões. Ademais, demonstra-se a diferença entre extensão e profundidade da pobreza.

Crescimento pró-pobre nos municípios nordestinos : evidências para o período de 1991 a 2000

Barreto Camboim Gonçalves, Michela; da Mota Silveira Neto, Raul (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.71%
A partir dos dados dos Censos Demográficos de 1991 e 2000, este trabalho busca fornecer evidências a respeito da qualidade do crescimento econômico dos municípios nordestinos, no sentido do seu impacto relativo sobre a renda dos mais pobres, ou seja, procura avaliar o quão pró-pobre tem sido o crescimento econômico da região no período recente. Os principais resultados obtidos mostraram que apenas 1,4% dos municípios nordestinos apresentou crescimento pró-pobre no período, indicando que, para esses municípios, a renda dos mais pobres cresceu relativamente mais rapidamente que a renda média da região. Entretanto, 16,9% dos municípios apresentaram crescimento não pró-pobre. Além disso, 10,9% apresentaram crescimento empobrecedor, em que há redução de renda per capita para pelo menos algum p% mais pobre (p=1,...,99). Tais resultados sugerem, sobretudo, que o crescimento econômico no Nordeste apresenta pouca efetividade como um mecanismo de combate à pobreza na região, uma vez que ele impacta relativamente menos na renda dos mais pobres. As evidências obtidas também indicam que a localização no semi-árido e o acesso à infra-estrutura aumentam a probabilidade de o município reduzir sua desigualdade através do crescimento econômico. Esses resultados são consistentes com o menor progresso na redução da pobreza nos maiores centros urbanos da região e do país...

Crescimento pró-pobre nos coredes e municípios gaúchos: uma análise econométrica (2000-2006)

Gonçalves, Margarete Leniza Lopez
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Dissertação de Mestrado
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
46.53%
A partir dos dados da Relação Anual de Informação Social para os anos de 2000 a 2006 o presente estudo procura encontrar evidências a respeito da qualidade do crescimento econômico nos COREDES do Rio Grande do Sul, buscando avaliar se o quão pobre tem sido o crescimento econômico no Estado. Para tanto, empregou a metodologia desenvolvida por Ravallion (1997), Ravallion e Datt (1999), Ravallion (2001) e Ravallion e Datt (2002) a qual procura avaliar a elasticidade do crescimento econômico para os níveis de pobreza selecionados. De forma complementar utilizou-se ainda a curva de crescimento-pobreza proposto por Son (2004). As evidências encontradas sugerem que apenas nove COREDES apresentaram um crescimento pró-pobre.; Based on data from the Annual Social Information for the years 2000 to 2006 this study seeks to find evidence about the quality of economic growth in the COREDES Rio Grande do Sul, seeking to assess how has been the pro-poor growth in the state. For this was used a methodology developed by Ravallion (1997), Datt and Ravallion (1999), Ravallion (2001) and Ravallion and Datt (2002) which seeks to assess the elasticity of economic growth, poverty levels selected. Also was used the poor growth curve proposed by Son (2004). The evidence suggests that only nine COREDES had a pro-poor growth.

Crescimento pró-pobre ou empobrecedor? Uma análise para os estados brasileiros, no período 1995-2011

Oliveira,Victor Rodrigues de; Jacinto,Paulo de Andrade
Fonte: Nova Economia Publicador: Nova Economia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2015 PT
Relevância na Pesquisa
66.68%
O objetivo deste estudo é avaliar se os estados brasileiros apresentaram crescimento de natureza pró-pobre. Trata-se de um crescimento acompanhado por redução da desigualdade de renda e incremento nos níveis de renda média. Com base no método proposto por Duclos (2009), que permite se obterem resultados robustos para a classe de medidas pró-pobre considerando-se diversas linhas de pobreza e utilizando os microdados da PNAD, foi realizada uma análise para os períodos de 1995-2003 e 2003-2011. Os resultados indicaram que houve melhoria no bem-estar da população pobre no período como um todo, com maior ênfase no subperíodo 2003-2011. As evidências encontradas indicam que, a partir de 2003, há mudança significativa na qualidade do crescimento econômico, beneficiando principalmente a população pobre da área urbana. Contudo, esse movimento é acompanhado por um aumento no número dos estados com crescimento de natureza empobrecedora nas áreas rurais.

Crescimento pró-pobre? : uma análise para os meios urbano e rural no Brasil; Pró-poor growth? : An analysis for the means urban and rural in Brazil

Ribeiro, Lilian Lopes; Araujo, Jair Andrade; Feitosa, Débora Gaspar
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Pesquisa e Planejamento Econômico (PPE) - Artigos
PT-BR
Relevância na Pesquisa
66.53%
Este artigo busca analisar se o crescimento econômico no Brasil tem sido pró-pobre em suas áreas urbanas e rurais. Nesse sentido, com base nos dados dos censos demográficos dos anos de 2000 e 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foram construídas as curvas de crescimento-pobreza, propostas por Son (2004). Um dos resultados da pesquisa apontou que apenas o Centro-Sul do país tem tido um padrão de crescimento que beneficia os mais pobres. Em nível estadual, percebeu-se que somente dez Unidades da Federação (UFs) apresentaram crescimento em favor dos menos favorecidos sendo que, para quatro delas, o crescimento é do tipo trickle-down, ou seja, apesar de contribuir para reduzir a pobreza, a renda dos ricos cresceu em uma proporção maior que a renda dos pobres. A desagregação da amostra permitiu observar, também, o quão baixo é o desempenho do crescimento econômico em reduzir a pobreza, com diminuição da desigualdade nas áreas rurais do país.; p. 155-176 : il.

Crescimento Pró-Pobre no Nordeste do Brasil: Uma Análise dos Períodos (1991-2000 e 2000-2010)

Neto, Raul da Mota Silveira
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 17/09/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.3%
Este trabalho examina o crescimento econômico na região Nordeste do Brasil no período 1991-2010 investigando, especificamente, em que medida a dinâmica da renda desta região tem sido relativamente mais favorável aos indivíduos mais pobres desta região, até o presente, residência de mais da metade das pessoas em situação de extrema pobreza no país. A partir de um indicador que considera tanto a redução da extrema pobreza, como o crescimento relativo da renda das pessoas nesta condição, os resultados são analisados para os estados da região e suas mesorregiões, considerando-se tanto a renda total, como a renda do trabalho. As evidências obtidas indicam que os períodos 1991-2000 e 2000-2010 são bastante diferentes com respeito à natureza do crescimento da renda total. Quando o foco é na dinâmica da renda do trabalho, tal distinção entre os períodos é substantivamente menor.

Bem-estar social, mercado de trabalho e o desequilíbrio regional brasileiro

Manso, Carlos Alberto; Barreto, Flávio Ataliba F. D.; França, João Mário Santos de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2010 POR
Relevância na Pesquisa
46.58%
This paper contributes to the empirical literature about the Brazilian regional disequilibrium, once it examines, in the post-Real Plan period, the economic performance of each region of the country in terms of pro-poor growth - growth with reduced inequality - and of the social welfare. To this, it is used the methodology present in Kakwani, Neri and Son (2006) to evaluate the behavior of social welfare from the distributions of familiar income and wage income in each region. Furthermore, it is investigated the contribution of labor market indicators in the performance of regions. In general, the results indicate that the greatest impacts on employment income and on social welfare were due to the labour force participation rate, and mainly, to increased productivity of workers from 2003, which in turn, were mainly motivated by increases in the average returns from the education of employed persons. However, these gains were not sufficient to establish a pattern of growth more strongly pro-poor in the North and Northeast, which could have contributed to a closer in terms of income and welfare of these regions for other Brazilian regions.; Este trabalho contribui para a literatura empírica sobre o desequilíbrio regional brasileiro...

Crescimento pró-pobre nos estados brasileiros: análise da contribuição da construção civil usando um modelo de dados em painel dinâmico, 1985-2008

Ghinis, Cristiano Ponzoni; Fochezatto, Adelar
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de RP Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de RP
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/09/2013 POR
Relevância na Pesquisa
46.37%
Este estudo analisou os efeitos da construção civil sobre a redução da pobreza nos estados brasileiros. Para isso, foram estimados modelos de dados em painel dinâmico para todas as unidades da federação no período 1985-2008. Os resultados indicam que o crescimento da construção civil tem sido pró-pobre na maior parte dessas unidades tanto no curto quanto no longo prazo. Os resultados indicam também que os impactos do setor sobre a redução da pobreza foram maiores que os de outros setores analisados.; This study examined the effects of construction on the reduction of poverty in the Brazilian states. For this, models were estimated in dynamic panel data for all units of the federation in the period 1985-2008. The results indicate that growth in construction has been pro-poor in most of these units in both the short and long term. The results also indicate that the impacts of industry on poverty reduction were higher than those of other industries analyzed.

O crescimento econômico dos municípios mineiros tem sido pró-pobre? Uma análise para o período 1991-2000; O crescimento econômico dos municípios mineiros tem sido pró-pobre? Uma análise para o período 1991-2000

Resende, Guilherme Mendes
Fonte: Nova Economia; Nova Economia Publicador: Nova Economia; Nova Economia
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 05/06/2009 POR
Relevância na Pesquisa
46.53%
The main goal of this paper is to analyze the  relation between economic growth and poverty from a qualitative point of view. In other words,it seeks to analyze how economic growth in Minas Gerais’ municipalities proved to be an efficient mechanism of poverty reduction between 1991-2000. Results showed diversity in the state of Minas Gerais. There are regions with good quality of economic growth, where “poverty-growth” elasticity is high; that is, there is a greater capacity to reduce poverty for a determined growth rate. This result is explained not only for lower intensity of poverty, but also for greater impact of economic growth on the poor, that is, “quality” of city growth. On the other hand, there are regions with low quality of economic growth where “poverty-growth” elasticity is low. Finally, trends of socioeconomic characteristics of each of the four economic growth classes were analyzed.; O principal objetivo deste artigo é analisar a relação entre crescimento econômico e pobreza do ponto de vista qualitativo. Em outras palavras, busca-se analisar em que medida o crescimento econômico dos municípios mineiros mostrou-se um mecanismo relativamente eficaz de combate à pobreza do Estado entre 1991 e 2000. Os resultados revelaram a diversidade do território mineiro. Foram encontradas regiões com uma boa qualidade de crescimento onde existe maior elasticidade “pobreza-crescimento”...

Crescimento pró-pobre ou empobrecedor? Uma análise para os estados brasileiros, no período 1995-2011

Oliveira, Victor Rodrigues de; Doutorando em Economia pelo Programa de Pós-Graduação em Economia - PPGE/UFRGS; Jacinto, Paulo de Andrade; Professor do PPGE/PUCRS e pesquisador CNPq
Fonte: Nova Economia; Nova Economia Publicador: Nova Economia; Nova Economia
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 13/08/2015 POR
Relevância na Pesquisa
66.68%
O objetivo deste estudo é avaliar se os estados brasileiros apresentaram crescimento de natureza pró-pobre. Trata-se de um crescimento acompanhado por redução da desigualdade de renda e incremento nos níveis de renda média. Com base no método proposto por Duclos (2009), que permite se obterem resultados robustos para a classe de medidas pró-pobre considerando se diversas linhas de pobreza e utilizando os microdados da PNAD, foi realizada uma análise para os períodos de 1995-2003 e 2003-2011. Os resultados indicaram que houve melhoria no bem- estar da população pobre no período como um todo, com maior ênfase no subperíodo 2003-2011. As evidências encontradas indicam que, a partir de 2003, há mudança significativa na qualidade do crescimento econômico, beneficiando principalmente a população pobre da área urbana. Contudo, esse movimento é acompanhado por um aumento no número dos estados com crescimento de natureza empobrecedora nas áreas rurais.

Educar la moral del pobre: fronteras simbólicas y gobierno de los pobres por parte de la elite económica católica de Santiago de Chile

Silva, Sofía Bowen
Fonte: Pro-Posições Publicador: Pro-Posições
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ;
Publicado em 22/12/2015 POR
Relevância na Pesquisa
36.42%
En este artículo sostengo la existencia de una frontera simbólica entre el pobre y parte de la elite económica chilena vinculada a exclusivos colegios católicos de Santiago, basada en la significación del pobre como “carente de cultura” y en necesidad de ser moralmente educado. Por medio del análisis del discurso de ex alumnos y apoderados de estos colegios se muestra que el pobre es entendido como el principal responsable de su situación, mientras que el papel de los factores estructurales de la sociedad es escasamente reconocido. La definición del pobre como en “falta de cultura” lo ubica en un lugar jerárquico moral inferior, lo que justifica acciones moralizadoras y paternalistas por parte de la elite. Para éstos, la mejor manera de superar la pobreza en Chile es educando la moral del pobre. Sin embargo, esta educación es reconocida como un proceso con limitaciones o fronteras: según los entrevistados, hay ciertas actitudes y conocimientos que sólo “buenas familias” con tradición pueden transmitir.Abstract In this article I argue over the existence of a symbolic boundary between the poor and part of the Chilean economic elite -linked to exclusive Catholic schools- based on the definition of the poor as morally deprived and in need of moral education. Discourse analysis of alumni and parents’ interviews shows that the poor are seen as entirely responsible of their situation whereas the determining role of structural factors of society is not entirely recognized. The definition of the poor as “lacking of culture” puts them at the inferior position of moral hierarchy...