Página 1 dos resultados de 700 itens digitais encontrados em 0.006 segundos

Política de língua na democracia portuguesa (1974-2004)

Pinto, Paulo Feytor
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2008 POR
Relevância na Pesquisa
56.33%
Tese de Doutoramento em Estudos Portugueses na especialidade de Política de Língua apresentada à Universidade Aberta; Neste trabalho de investigação diagnosticam-se as principais características da política linguística portuguesa nos primeiros trinta anos do regime democrático. O diagnóstico assenta na constituição e análise de uma base de dados de legislação linguística de acordo com um quadro teórico internacionalmente consagrado. Assim, é analisada a legislação que procurou intervir no estatuto, no corpus, na aquisição e no prestígio de línguas através da regulação de práticas linguísticas dos residentes em Portugal. Para melhor compreender esta actividade reguladora, apresenta-se uma breve retrospectiva histórica da gestão da diversidade linguística em Portugal, entre 1143 e 1973, uma síntese das atitudes contemporâneas dos portugueses perante a sua língua e as línguas dos outros e o conjunto das práticas linguísticas no país, entre 1974 e 2004, que foram objecto da política de língua.

A política lingüística da rede estadual de ensino em Santa Catarina em relação à educação de surdos

Paterno, Uéslei
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 174 f.| il., grafs.
POR
Relevância na Pesquisa
56.42%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão. Programa de Pós-Graduação em Linguística.; O Estado de Santa Catarina implantou uma nova política lingüística em relação à educação das pessoas surdas. Na anterior política os surdos eram ensinados a partir de uma perspectiva monolíngüe do português tanto na forma oral quanto escrita. Essa perspectiva educacional era embasada a partir de uma visão clínica da surdez. A nova política lingüística adota a perspectiva cultural do povo surdo e um ensino bilíngüe com libras e português dentro da rede estadual de educação. Para a implantação desta política lingüística houve um primeiro momento de planificação com o estudo dos problemas e dificuldades que os portadores de necessidade especial apresentavam nesta rede de ensino. A partir dos resultados obtidos dessa pesquisa, dos novos estudos sobre as línguas de sinais e sobre os surdos, que deram o embasamento teórico para essa propostas, e pelo movimento e luta da comunidade surda, planejou-se uma nova política de educação. A nova política do Estado de Santa Catarina prevê turmas em libras para as séries iniciais do ensino fundamental e a atuação de um intérprete de libras/português para as séries finais e para o ensino médio. O português é ensinado com segunda língua na modalidade escrita. Entretanto a coexistências de duas línguas no mesmo espaço não é pacífica...

Política lingüística implícita na virada do século XXI : o programa nacional do livro didático

Tormena, Tayana de Alencar
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.35%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Classicas, Programa de Pós-Graduação em Linguística, 2007.; Esta dissertação apresenta uma análise do Programa Nacional do Livro Didático – PNLD, sobretudo das edições voltadas para as séries finais do ensino fundamental – PNLD/1999, 2002, 2005, 2008 – a fim de identificá-lo como uma Política Lingüística Implícita. Para isso, foram analisados algumas leis, documentos e programas governamentais que o antecederam e influenciaram, além de teorias lingüísticas que determinam os critérios de análise qualitativa dos livros didáticos. Após a análise desses materiais e de cinco coleções que participaram de todas as edições do PNLD – 5 a 8 séries, consideramos ter levantado pontos suficientes que justifiquem identificar o PNLD como uma Política Lingüística Implícita. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT; This dissertation presents an analysis of Programa Nacional do Livro Didático (National Program of Textbook) – PNLD, mainly the editions aimed at the last years of elementary school – PNLD/1999, 2002, 2005, 2008 – in order to identify it as an Implicit Language Policy. For this purpose...

Política linguística do Estado brasileiro para a divulgação do português em países de língua oficial espanhola

Diniz,Leandro Rodrigo Alves
Fonte: UNICAMP. Departamento de Linguística Aplicada Publicador: UNICAMP. Departamento de Linguística Aplicada
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
76.35%
Este artigo objetiva traçar um panorama da política linguística exterior do Estado brasileiro em países de língua oficial espanhola. Após analisarmos o funcionamento institucional da Divisão de Promoção da Língua Portuguesa (DPLP), subordinada ao Ministério das Relações Exteriores, reunimos alguns dados relativos à história e distribuição dos Centros Culturais Brasileiros, Institutos Culturais Bilaterais e leitorados brasileiros no chamado "mundo hispânico". Mostramos, então, que, na esteira de recentes mudanças na política externa brasileira, têm se fortalecido as iniciativas para a promoção do português na América Latina. Ademais, argumentamos que, enquanto instrumento de política linguística, o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras) tem particular potencial nessa região. Concluímos nosso texto destacando alguns pontos essenciais para o planejamento da política para a divulgação internacional do português.

A pesquisa em política linguística: histórico, desenvolvimento e pressupostos epistemológicos

Silva,Elias Ribeiro da
Fonte: UNICAMP. Departamento de Linguística Aplicada Publicador: UNICAMP. Departamento de Linguística Aplicada
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 PT
Relevância na Pesquisa
76.23%
O objetivo deste artigo é propiciar aos interessados em questões de política linguística uma breve introdução a essa área de pesquisa que, até recentemente, era pouco difundida no Brasil. Entretanto, não se trata de uma introdução convencional. O que se pretende, na verdade, é reconstruir a "história epistemológica" da área desde as primeiras pesquisas na década de 1960 até as publicações mais recentes. Ao contar essa histórica, objetiva-se contribuir para a consolidação desse importante campo de pesquisa no contexto brasileiro..

Política(s) linguística(s) e questões de poder

Severo,Cristine Gorski
Fonte: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Publicador: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2013 PT
Relevância na Pesquisa
56.33%
O texto apresenta e discute os conceitos de poder e de política no campo de saber intitulado "Política Linguística". Para tanto, inicialmente apresenta e discute a heterogeneidade e complexidade do campo, discorrendo sobre os conceitos de Política e Planejamento Linguísticos. Em seguida, apresenta os trabalhos genealógicos do filósofo francês Michel Foucault acerca da relação entre poder, saber e política. Para fins de discussão, o artigo apresenta uma série de casos, tanto reais como possíveis, de aplicação e intervenção do campo de Política Linguística, com vistas tanto a discutir a noção de poder em conceitos e metodologias utilizadas pela área de saber, como a expandir o lócus de intervenção da disciplina a partir de possíveis contribuições de Michel Foucault sobre a dinâmica das relações de poder aplicada aos estudos das relações entre as línguas, as línguas e os sujeitos, as línguas e a tecnologia, e as línguas e uma dada geopolítica.

Negócios... negócios. Amores, à parte! : memórias e silenciamentos no(s) discurso(s) de oficialização de uma língua espanhola no Brasil.; "Negocios ... negocio.Amores, ¡aparte!": memorias y silenciamentos en el(los) discurso(s) de oficialización de uma lengua española en Brasil.

Jaeger, Dirce
Fonte: Universidade Federal de Alagoas; BR; Linguística; Literatura Brasileira; Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística; UFAL Publicador: Universidade Federal de Alagoas; BR; Linguística; Literatura Brasileira; Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística; UFAL
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
56.37%
Esta investigación trata de la introducción de la oferta obligatoria de Lengua Española en las escuelas brasileñas y de las explicaciones, ya naturalizadas entre todos, que consideran la enseñanza del castellano en todo territorio nacional (Ley 11161/05) una consecuencia natural del proceso de integración de Brasil en el MERCOSUR. Nos proponemos, dentro del dispositivo teórico y analítico del Análisis del Discurso francés, a problematizar la cuestión al lanzar nuevos gestos de lectura sobre el acontecimiento. En este sentido, el proceso de análisis del corpus está acompañado de un proficuo y constante diálogo con la Historia y de reflexiones sobre políticas lingüísticas desarrolladas, principalmente, por José del Valle. El corpus está constituido por leyes, protocolos y proyectos de leyes presentados entre 1958 y 2005; secuencias discursivas originarias de artículos de periódicos españoles, pronunciamientos presidenciales y de la Casa Real española así como declaraciones proferidas durante eventos internacionales de promoción de la lengua española. El análisis revela la existencia del discurso integrador que atraviesa todos los proyectos que, por casi medio siglo, visaron la obligatoriedad del estudio de la lengua española en Brasil...

Política linguística do Estado brasileiro na contemporaneidade : a institucionalização de mecanismos de promoção da língua nacional no exterior = Política lingüística del Estado brasileño en la contemporaneidad : la institucionalización de mecanismos de promoción de la lengua nacional en el exterior; Brazilian State language policy in contemporaneity : the institutionalization of mechanisms for promoting the national language abroad

Leandro Rodrigues Alves Diniz
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 07/05/2012 PT
Relevância na Pesquisa
56.48%
Este trabalho objetiva analisar algumas das principais ações do Estado brasileiro para a promoção internacional do português. Concentramo-nos, especificamente, na Divisão de Promoção da Língua Portuguesa (DPLP), que, subordinada ao Ministério das Relações Exteriores, atua em mais de quarenta países por intermédio da Rede Brasileira de Ensino no Exterior (RBEx), de cuja composição fazem parte os Centros Culturais Brasileiros (CCBs), Institutos Culturais Bilaterais (ICs) e leitorados. A partir da História das Ideias Linguísticas (HIL) e da Análise do Discurso de perspectiva materialista (AD), investigamos textos jurídicos e jornalísticos, documentos do arquivo do Itamaraty e entrevistas com profissionais envolvidos com essa política. Nossas análises indicam um notável processo de recrudescimento da política linguística exterior brasileira, que se inscreve em condições de produção marcadas pela Nova Economia e por mudanças na política externa do Brasil e no imaginário do país no exterior. Apesar desse fortalecimento, as iniciativas para a promoção internacional do português são, em geral, significadas como parte de uma mera política cultural. Na construção da imagem dos CCBs e dos ICs, por exemplo...

[...] você vai ter que aprender inglês de qualquer jeito, querendo ou não! : exames de línguas e política linguística para o inglês no Brasil; [...] you'll have to learn English anyway, like it or not : Language tests and English language policy in Brazil

Elias Ribeiro da Silva
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 29/07/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.22%
Meu objetivo nesta tese é discutir o papel dos exames de línguas no funcionamento da política linguística (PL) para a língua inglesa (LI) em vigor no Brasil. Focalizo, especificamente, a prova de inglês do Vestibular Unicamp e o First Certificate in English (FCE). O trabalho fundamenta-se em uma concepção ampliada de PL proposta por Schiffman (1996, 2006), Spolsky (2004), Shohamy (2006, 2008), entre outros. Partindo do pressuposto de que a análise da legislação oficial não é suficiente para se compreender a real PL de uma determinada sociedade, esses autores propõem que o foco das análises desloque-se do texto legislativo para as práticas sociais que envolvem as línguas faladas e/ou ensinadas na comunidade cuja PL se deseja compreender. Shohamy (2006, 2008) amplia essa proposta e desenvolve um modelo de PL que contempla as representações acerca das diferentes línguas e das práticas sociais a elas relacionadas. Para ela, a legislação oficial, o vestuário, a publicidade, os materiais didáticos, os exames de línguas, etc. operam como mecanismos de PL ao fomentar a conversão de representações em práticas sociais. Ao mesmo tempo em que derivam das práticas sociais, as representações as influenciam e fomentam em um amplo processo de legitimação cujo resultado é a atribuição de valor positivo e prestígio a uma determinada língua. A partir dessa perspectiva...

Multilinguismo em Bonfim/RR : o ensino de língua portuguesa no contexto da diversidade linguística

Santos, Alessandra de Souza
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
56.37%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Programa de Pós-Graduação em Linguística, 2012.; Esta tese tem por objetivo analisar o ensino da Língua Portuguesa no contexto de multilinguismo. O lócus da pesquisa são as escolas urbanas da rede pública de ensino do município de Bonfim, situado na região leste do estado de Roraima, a 125 km da capital Boa Vista. A diversidade linguística e cultural são marcas facilmente perceptíveis a todos que chegam em Bonfim, lá encontram-se diferentes grupos indígenas (Macuxi, Ingarikó e Wai-wai línguas Karib e Wapichana língua Aruak), guianenses, surdos e migrantes oriundos de vários lugares do Brasil. O espaço escolar reflete a diversidade linguística e cultural da sociedade bonfinense e por esta razão, em uma mesma sala de aula, é possível encontrar alunos falantes de todas as línguas que compõem o quadro linguístico do município. Os alunos das referidas escolas podem ser monolíngues, em qualquer das línguas citadas, bilíngues, com qualquer combinação de línguas, ou até mesmo plurilíngues. De acordo com as informações levantadas durante a pesquisa o município de Bonfim é classificado como um espaço multilíngue. Como foi observado na pesquisa está ocorrendo em Bonfim uma gradativa redução das línguas faladas naquele espaço...

O PORTUGUÊS EM ANGOLA: UMA QUESTÃO DE POLÍTICA LINGUÍSTICA

Banza, Ana Paula
Fonte: Colibri Publicador: Colibri
Tipo: Parte de Livro
POR
Relevância na Pesquisa
66.23%
O presente artigo aborda a situação actual e o futuro do Português em Angola. Com base em elementos de natureza linguística e sócio-histórica, apresenta-se o Português de Angola como uma realidade cuja evolução será fruto da política linguística adoptada, mas que não põe em causa a superior unidade da língua portuguesa.

Política Lingüística

Alonso Cifuentes, Julio César; Casasbuenas, Paola; Gallo, Beatriz; Torres, Giselle
Fonte: Universidad Icesi; Facultad de Ciencias Administrativas y Económicas Publicador: Universidad Icesi; Facultad de Ciencias Administrativas y Económicas
Tipo: bookChapter; Capítulo de libro Formato: PDF; p.36-40; Electrónico
SPA
Relevância na Pesquisa
66.18%
Contiene: Experiencias Internacionales --- Política Lingüística en Colombia --- Críticas al Programa Nacional de Bilingüismo

Política lingüística en el Uruguay : las campañas de defensa de la lengua

Barrios, Graciela; Pugliese, Leticia
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em //2006 SPA
Relevância na Pesquisa
66.23%
La política lingüística del Estado uruguayo manifiesta el carácter homogeneizador típico de los Estados nacionales, y ha apuntado tradicionalmente a la asimilación de la minorías lingüísticas regionales (comunidades luso-hablantes de la frontera uruguaya con Brasil) y migratorias (italianos, gallegos, armenios, rusos, vascos, griegos, etc.). Las acciones político-lingüísticas en defensa del español se acentúan o atenúan según los períodos históricos. Durante la dictadura militar (1973-1985) recrudecieron los discursos xenófobos y puristas, acompañados por campañas idiomáticas que se propusieron defender el español frente a la “amenaza” del portugués, y preservar su “pureza” frente a la “contaminación” de expresiones “incorrectas”. En el período de reinstitucionalización democrática hubo un nuevo intento de campaña idiomática de corte purista, que sin embargo no prosperó. El propósito de este trabajo es analizar las campañas de defensa de la lengua durante la dictadura militar en el Uruguay, y comparar esta situación con un episodio de campaña idiomática “abortada” de un período más reciente, que resulta sintomático de la estrecha relación existente entre planificación lingüística y contexto socio-histórico.

La política lingüística de l'Estat Espanyol : una aproximació a la incomprensió del pluralisme cultural

Marcet, Joan,
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2013 CAT
Relevância na Pesquisa
66.27%
El contingut formal de l’article 3 de la Constitució va ser considerat com un avenç històric, malgrat alguns elements de polèmica en el debat constituent. La Constitució de 1978 acceptava l’existència d’una pluralitat de llengües espanyoles, per bé que només a una, el castellà, li reconeixia el caràcter d’oficial a tot l’Estat i li conferia l’estatus de “llengua franca” per a tots els ciutadans espanyols. La resta de llengües, no anomenades per la Constitució (fet que comportarà algun conflicte en el cas de la modalitat valenciana del català, per exemple) són, doncs, només cooficials en les respectives comunitats autònomes, d’acord amb els seus estatuts d’autonomia. A partir d’aquestes previsions constitucionals, les comunitats amb llengua pròpia han desenvolupat les respectives previsions estatutàries amb normatives més o menys àmplies de normalització lingüística, entre les quals hi ha la de l’ensenyament d’aquesta llengua i en aquesta llengua. Per la seva banda, l’Estat ha fet un desenvolupament escàs, poc compromès i, a voltes, controvertit, de la previsió d’especial respecte i protecció de la diversitat lingüística espanyola, que conté el tercer paràgraf de l’esmentat article 3 de la Constitució. L’article intenta una aproximació a la trajectòria que ha dut a terme l’Estat espanyol pel que fa a la política lingüística...

La qüestió lingüística en els primers passos del procés de reforma de l'Estatut d'Autonomia de Catalunya(1999-2003)

Argelaguet i Argemí, Jordi
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2007 CAT
Relevância na Pesquisa
56.43%
El procés de reforma de l'Estatut d'autonomia ha ocupat bona part del debat polític de Catalunya en els darrers anys. En aquest article se n'exposen els primers passos, aquells que es donen en el període que va des de l'aprovació de la Llei de política lingüística el 30 de desembre de 1997 fins a les eleccions legislatives catalanes de novembre del 2003, i es fa especial esment a allò referit a la qüestió lingüística. L'objectiu de l'article és descriure i analitzar quines són les propostes partidistes que hi ha respecte al règim lingüístic que es vol que reculli el nou Estatut. L'exposició d'aquest procés està organitzada en tres grans apartats. En el primer, es fa un comentari dels antecedents immediats, des de la Llei de política lingüística de 1998 a les conseqüències dels resultats de les eleccions legislatives espanyoles del 2000. En el segon, s'entra directament en matèria i s'analitza el nucli de l'inici del procés de reforma de l'Estatut. En aquest apartat es detalla la creació, el funcionament i els resultats de la Comissió d'Estudi per a l'Aprofundiment de l'Autogovern; els treballs de la Comissió d'Estudi sobre la qüestió lingüística i, finalment, la constitució de la ponència per a la reforma de l'Estatut. Finalment...

L'Impacte dels partits en la política lingüística de la Generalitat de Catalunya en l'ensenyament obligatori tesi doctoral ... /

Argelaguet i Argemí, Jordi
Fonte: Bellaterra : Universitat Autònoma de Barcelona, Publicador: Bellaterra : Universitat Autònoma de Barcelona,
Tipo: Tesis i dissertacions electròniques; info:eu-repo/semantics/doctoralThesis Formato: application/pdf; application/pdf; application/pdf; application/pdf
Publicado em //2008 CAT; CAT
Relevância na Pesquisa
66.32%
Títol obtingut de la portada digitalitzada; Consultable des del TDX; Aquesta tesi consisteix en l'anàlisi del procés que segueix la política lingüística en l'ensenyament obligatori feta per les autoritats autonòmiques catalanes, des de la seva formulació, passant per la implementació, fins a l'avaluació dels resultats obtinguts després d'estar essent aplicada durant quinze anys. Dels models lingüístico-escolars possibles en el marc constitucional espanyol, el govern de la Generalitat ha optat per aquell que li ha possibilitat maximitzar la presència del català a l'escola com a llengua docent, amb uns impactes determinats en la societat catalana. Després de l'anàlisi d'algunes enquestes postelectorals (1984, 1988, 1992 i 1995) es pot afirmar que CiU ha aconseguit modular alguns dels elements bàsics que configuren la cultura política dels catalans: a través de revaloritzar a l'escola el paper de la llengua catalana en el si de la societat, el sentiment de pertinença a Catalunya s'ha reforçat. Es pot sostenir que la política lingüística ha tingut un èxit considerable: els nacionalistes catalans de CiU han aconseguit, amb la seva política feta i sense generar massa conflicte, no només augmentar el coneixement del català...

Notas para uma política de ensino de línguas

Almeida Filho, José Carlos Paes de; Universidade de Brasília
Fonte: Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais Publicador: Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; "Artigo de convidado" Formato: application/pdf
Publicado em 31/07/2015 POR
Relevância na Pesquisa
56.4%
RESUMO:O espectro de fatores coadjuvantes da formação de agentes para um ensino profissional e desenvolvido de línguas inclui uma política linguística que, por sua vez, abriga o campo das Políticas de Ensino de Línguas (Estrangeiras e Segundas) que nos interessam particularmente neste trabalho. Quando examinamos o índice obtido para o desenvolvimento do Ensino de PLE no Brasil, por exemplo, o quesito Políticas (oficiais) merece uma das mais baixas pontuações entre os catorze tomados em conta no trabalho de Almeida Filho (2007). Por que isso acontece? A situação é a mesma ou próxima a essa com referência às outras línguas de oferta no currículo escolar? O que é uma política de Ensino de Línguas e de PLE no arco de uma projetada política linguística no país? Quais os contornos de uma política de que precisamos para uso oficial e das instituições? Neste trabalho serão propostas respostas fundamentadas para essas questões atinentes a um nó que lentifica o desenvolvimento do Ensino de Línguas no país.PALAVRAS-CHAVE: Índice de desenvolvimento do ensino de uma língua estrangeira. Política linguística. Política de ensino de línguas. Políticas para o Ensino de PLE. Contornos de uma política de ensino de línguas.ABSTRACT: The range of supporting factors in the education of agents for a professional and developed teaching of languages includes language planning whose scope is wider and shelters important second and foreign language policies. For example...

The teaching of Foreign Languages in Brazil: language policy issues; La enseñanza de Lenguas Extranjeras en Brasil: cuestiones político-lingüísticas; O ensino de Línguas Estrangeiras no Brasil: questões de ordem político-linguísticas

Nascimento Day, Kelly Cristina; Universidade Federal Fluminense; Universidade do Estado do Amapá; Guimarães Savedra, Mônica Maria; Universidade Federal Fluminense
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Linguística - UFSC Publicador: Programa de Pós-Graduação em Linguística - UFSC
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; avaliado por pares; Formato: application/pdf
Publicado em 12/07/2015 POR
Relevância na Pesquisa
56.41%
Currently, the debate about the teaching of foreign languages in Brazil runs two different paths: one methodological, guided by the applied linguistics; and one political, guided by what Haugen (1999) refers to as “applied sociolinguistics” or, more appropriately, Language Education Policy, as per Petitjean (2006). This paper proposes a brief discussion on political linguistic matters, such as the Brazilian Educational Legislation (LDB, 9394/96, law #11.161), recommendations (PCN), linguistic representations, and multilingualism (BEACCO; BYRAN, 2003). These matters underlie many of the problems in the country's foreign language teaching, even though they are purely conceived in a methodological framework, as exposed by Celani (1997), Campani (2006) and Leffa (1999). The arguments presented lead to a complementary analysis of the foreign language teaching problems and to a language perception, grounded on the foreign languages' social role.; Actualmente, el debate sobre la enseñanza de lenguas extranjeras en Brasil se encuentra dividido entre dos corrientes, una de carácter metodológica conducida preferencialmente por la Lingüística Aplicada y otra de carácter político, orientada por lo que Haugen (1999) ha denominado como Sociolingüística Aplicada o más apropiadamente...

Dialects and standard language: the language education of the italians living in Italy, and contexts of immigration (1861-2015); Dialectos y lengua estándar: la educación en Lengua Italiana en patria y en contextos de inmigración (1861-2015); Dialetos e língua padrão: a educação linguística dos italianos em pátria e em contextos de imigração (1861-2015)

Freitas, Paula Garcia de; Universidade Federal do Paraná - UFPR Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC/ PGL; Balthazar, Luciana Lanhi; Universidade Federal do Paraná; Lunati, Manuela; Centro de Lingua e Interculturalidade (CELIN-UFPR)
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Linguística - UFSC Publicador: Programa de Pós-Graduação em Linguística - UFSC
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; avaliado por pares; Pesquisa histórica Formato: application/pdf
Publicado em 11/09/2015 POR
Relevância na Pesquisa
56.38%
This paper aims to present the relationship existent between the standard Italian language, and the dialects used both in the language education of Italians living in Italy, and of Italians living in Brazil, to where they emigrated in search of better opportunities from the middle of the century XIX. This relationship is analyzed under the prism of different political and educational measures sanctioned by both countries, which somehow represent a subjective position on the language concept. Initially, the analysis was focused on how unstable such a relationship has been in Italy, varying from phases of great antagonism to phases of cooperation, since the dialects were used as a complementary tool in the teaching/learning process of the standard Italian language. Secondly, the analysis was focused on how this same relationship happened in the immigration context, particularly with regards to Brazil, where the Italian language and its dialects were mixed with Portuguese. Our conclusion offers an overview on the current stage, and the perspectives for the teaching of the Italian language both in Italy and in Brazil.; Este artículo tiene como objetivo presentar la relación entre la lengua italiana estándar y dialectos en la educación lingüística de los italianos en Italia y en Brasil...

Linhas orientadoras da política linguística educativa da UE

Gonçalves,Teresa
Fonte: Centro de Estudos e Intervenção em Educação e Formação (CeiEF); Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Publicador: Centro de Estudos e Intervenção em Educação e Formação (CeiEF); Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.3%
Em vários documentos-chave (recomendações, planos de acção, quadros, pesquisas/ estudos, relatórios, directivas e comunicações), sobre política educativa (PE), política linguística (PL) e política linguística educativa (PLE) (tomadas de decisão em relação ao ensino das línguas num Estado, nos contextos formais de educação e nos contextos informais), principalmente os publicados a partir das Cimeiras de Lisboa (ou Estratégia de Lisboa, lançada em 2000) e Barcelona (2002), emanados da Comissão das Comunidades Europeias (CCE), do Comité Director da Educação do Conselho da Europa (CDECE), da Divisão das Políticas Linguísticas (DPL) e do Centro Europeu para as Línguas Vivas (CELV), a União Europeia (UE) tem vindo a veicular linhas orientadoras sobre o ensino/aprendizagem das línguas no mesmo espaço económico e sociopolítico. Neste artigo vamos passar em revisão alguns documentos oficiais da UE de referência que explicitam essas mesmas linhas orientadoras, procedendo à sua apresentação.