Página 1 dos resultados de 13 itens digitais encontrados em 0.032 segundos

Manuel Bandeira e Jules Laforgue: Dor, ironia; Manuel Bandeira and Jules Laforgue: Pain, irony

Lago, Flavia Togni do
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 10/08/2012 PT
Relevância na Pesquisa
35.91%
O presente trabalho consiste em apresentar uma leitura de poemas de Manuel Bandeira e Jules Laforgue com o objetivo de trazer a discussão a respeito da dor e da ironia nas duas obras. O estudo tem como objetivo principal ampliar a reflexão sobre a ironia bandeiriana, a partir de elementos relacionados com a obra de Jules Laforgue. Como pudemos comprovar, Bandeira foi um grande admirador e leitor do poeta francês, e embora haja diferenças visíveis entre as obras, estes mesmos pontos de afastamento nos ajudarão a compreender o processo criativo que resultará na construção da ironia em Bandeira. Tentamos recuperar poemas relacionados a um dos temas principais das obras: a morte. Aos poucos, para Manuel Bandeira, veremos que a dor da finitude se transforma em recolhimento e sabedoria, num processo de maturação crescente que acompanha a abertura para o modernismo. Sendo assim, a ironia de Laforgue pode ser considerada mais cruel, ou seja, ela é aparentemente utilizada como arma de defesa ou de libertação de seu desejo de morte presente desde os seus primeiros versos. Em Bandeira, a ironia se relaciona diretamente ao par morte/superação, ou seja, podemos dizer que a ironia banderiana é uma ironia residual, onde após a experiência da dor e do aprendizado para a morte...

A Poesia como arma politica

Silva, Rosane Cordeiro da
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 197f.| il
POR
Relevância na Pesquisa
56.01%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão; Este estudo objetiva efetuar o resgate de três poemas satíricos do século passado na antiga Desterro: Assembléia das Aves, Pomada Taunay (Boletim-Retrato), Montenegreida. Anterior ao resgate, apresentam-se fatos relacionados à história, à imprensa e à literatura da época, bem como caricaturas, que ilustram o texto e situam o leitor nesse período, coletadas dos jornais Matraca e O Moleque. O resgate partiu da atualização do poema Assembléia das Aves, publicado em 1847 e reimpresso em edição fac similar em 1921. Pomada Taunay e Montenegreida foram transcritos e atualizados do jornal A Regeneração (1884-1885).

Do fenômeno poético à experiência urbana

Bastos, Laíse Ribas
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 115 f.| il.
POR
Relevância na Pesquisa
26.18%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão. Programa de Pós-Graduação em Literatura; O estudo da poesia de Nicolas Behr, poeta brasileiro que publica seu primeiro livro em 1977, tem como objetivo traçar um percurso que evidencia, nos recursos lingüísticos utilizados, uma poesia capaz de estabelecer uma outra relação com a linguagem, na repetição e nos vínculos com formas de manifestações poéticas e códigos de tradição já antes anunciados. Para isso, o corpus deste trabalho será o livro Laranja Seleta, antologia de poemas de Nicolas Behr publicado em 2007, além de poemas esparsos não presentes na antologia, como alguns inéditos, e outros dos livros Menino Diamantino (2003); Primeira Pessoa (2005) e Braxília Revisitada (2005). Nesse sentido, trata-se da análise de um registro poético ocupado de cenas cotidianas, de falas e fatos colhidos no dia-a-dia, da relação com a infância, das imagens da cidade, e do próprio ato poético. Desse modo, este trabalho visa, ainda, pensar as imagens que emergem do texto de Nicolas Behr: Brasília, Braxília e seus espelhos, utopias, vazios e imbricações - escavação da poesia e da cidade. Porque o texto do poeta também cerca e produz outros lugares: nem empíricos...

A poesia puxa o gatilho: das dimensões da arte e política a partir da série Inimigos, de Gil Vicente

Barros, Marcela Camelo; Pekala, Madalena de Fátima Zaccara (Orientadora)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Dissertação
BR
Relevância na Pesquisa
25.92%
O tema arte e política se apresenta numa multiplicidade de características, conduzido por toda a complexidade e tensão que esses dois campos, quando em separado, exprimem. Investigar tais dimensões que se sobrepõem e se embaçam, se misturam e se separam, demanda um olhar cuidadoso e detalhista e ao mesmo tempo livre e curioso, exatamente como devem ser os olhos dos viajantes, andarilhos, em que o destino é sempre uma nova estrada, uma nova vontade de viajar e desbravar horizontes. É desta forma que o presente trabalho toma como ponto de partida o encontro com a arte e política mediado justamente através da viagem realizada por mim até a 29ª Bienal de São Paulo, que abordou o tema como recorte curatorial. Nessa poética do deslocamento e da reconfiguração do olhar em um espaço até então desconhecido, há gatilhos que nos despertam para o estímulo à criação e ao conhecimento. Os autorretratos do artista plástico pernambucano, Gil Vicente, de arma em punho, prestes a assassinar Bush, Bento XVI, Lula, Fernando Henrique Cardoso, Ariel Sharon, dentre outros ícones do poder, todos em tamanho natural, foi o estopim para o desejo de compreender o fenômeno da arte e política. Inimigos, a série de dez desenhos de Vicente...

Diversas formas de Proteu: a mitologia n'O Lima de Diogo Bernardes

Gomes, Ana Filipa Teixeira Leite
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
36.11%
Tese de mestrado, Estudos Clássicos (Tradição Clássica e Cultura Europeia), Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, 2009; Subsistem em torno do poeta quinhentista Diogo Bernardes dúvidas em relação à sua vida e à sua obra, sendo, porém, certo que se moveu em círculos áulicos e literários de destaque, ao longo de toda a sua vida. Quanto à sua obra, afigura-se muito provável que tenha participado na organização dos seus três volumes de poesia, as Várias Rimas ao Bom Jesus (1594), O Lima (1596) e as Rimas Várias Flores do Lima (1597). O presente trabalho focará o segundo livro, no qual se incluem as Éclogas e Cartas. A análise partirá de perguntas como: o que caracteriza e distingue a obra de Diogo Bernardes? Como explicar as escolhas do autor em termos de género, temas, motivos, linguagem, alusões mitológicas, e também na organização dos poemas? Qual o papel da Mitologia Clássica nestes textos? Bernardes escolheu incluir n'O Lima composições bucólicas e epistolares, diversas e, ao mesmo tempo, muito próximas. Semelhantes em temas, divergem na linguagem que utilizam: as Éclogas simples e comedidas, contidas nas alusões à Mitologia Clássica, mas plenas de profundidade sob a simplicidade aparente. As Cartas...

La tentation inavouée : licence et subversion dans la tragédie française (1615-1640)

Mascarenhas, Paula Schild
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
FRA
Relevância na Pesquisa
15.89%
A presente tese analisa o teatro francês do início do século XVII, aproximadamente entre 1615 e 1640, do ponto de vista da representação do desejo e de suas consequências internas e externas nas peças. O período compreendido entre o fim das guerras de religião e o término do reinado de Luís XIII foi marcado pela convivência de uma sociedade atingida pela guerra civil com o poder cada vez mais forte da Igreja, que tentava combater os efeitos nefastos dessa guerra sobre a fé cristã através da censura e da austeridade. Ao mesmo tempo, o Poder Real também se endurecia, dando início à construção da monarquia absoluta. Uma sociedade conturbada e controlada, uma corte cujas práticas afrontavam os discursos e um poder central cada vez mais autoritário: este é o contexto em que se desenvolve uma literatura contestatária e subversiva. A licenciosidade, arma utilizada pelos artistas para contraporem-se à autoridade, mostrou-se inicialmente na poesia, pela facilidade das edições anônimas, mas - esta é a tese que defendo - logo alcançou o teatro, onde, pela impossibilidade de esconder-se o autor, os mecanismos de proteção tornaram-se mais sutis e ambíguos. Pela representação do desejo, especialmente nas personagens femininas...

Metate. Periódico de la Facultad de Filosofía y Letras. Ciudad Universitaria. Año I. Número 4. Noviembre de 2005

Facultad de Filosofía y Letras, Universidad Nacional Autónoma de México
Fonte: Facultad de Filosofía y Letras. Universidad Nacional Autónoma de México Publicador: Facultad de Filosofía y Letras. Universidad Nacional Autónoma de México
Tipo: Periodico
ES
Relevância na Pesquisa
16.12%
Nuestra Facultad entre las 20 mejores del mundo Ambrosio Velasco Gómez, 1; El doble exilio de Horacio López Suárez Axayácatl Campos García Rojas, 2; La religión, eficaz arma política de represión Greta Rivara Kamaji, 3; Homenaje a Adolfo Sánchez Vázquez por sus 90 años, 4; Se celebran 50 años de Letras Alemanas Elisabeth Siefer, 5; Coloquio de Filosofía y Letras María Antonia González Valerio, 6; 36 años de relación fructífera Ruth Peza López, 7; Literatura fantástica en Hispanoamérica Lidia Vásquez, 8; Trilogía poética de mujeres en Hispanoamérica Leticia Servín, 9; Homenaje al doctor Horacio López Suárez Lorena García Caballero, 10; La voz que nos ocupa. Una lectura de la poesía de Margaret Atwood Claudia Lucotti, 11; Resonancias y correspondencias de Amado Nervo Lidia Vásquez, 12; Presencia de Carlos Monsiváis en la Facultad Rosa Beltrán, 13; Nuevos Caballeros Rafael Guevara Fefer y Luis Fernando Granados, 14; Ciclo de conferencias de la Cátedra Extraordinaria Henry David Thoreau Efrén Herrera Caballero, 15; Repensando la laicidad Bruno Velásquez Delgado, 16; ¿Qué es la hermenéutica analógica? Bruno Velásquez Delgado, 17; II Jornadas Alfonsinas David Becerra Islas, 18; Violencia sexista Guadalupe López Robles...

A lírica recente de Armando Freitas Filho

ANDRADE, FÁBIO DE SOUZA
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Estudos Avançados Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Estudos Avançados
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2015 POR
Relevância na Pesquisa
15.89%
How should Armando Freitas Filho's most recent poetry volumes (Raro mar, Lar, and Dever) be read, when considered together with Máquina de escrever, his 2003 collection of fifty years of poems? Structured around diverse versions of primal scenes of the writing process, these books seem to reset the peculiar tensions of his work, between order and disorder, body and word, number and name.; Como se inscrevem, no longo percurso autoral de Armando Freitas Filho, os três volumes que se seguem à reunião revista dos treze livros que marcaram seus cinquenta anos de poesia (Raro mar, Lar, e Dever)? O artigo investiga como, ao redor e várias versões da cena da escrita, o poeta arma suas tensões características, entre a ordem e a desordem, o corpo e a palavra, o número e o nome.

Romantismo no Século XX;

Guelfi, Maria Lúcia Fernandes
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Estudos Brasileiros Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Estudos Brasileiros
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 31/01/1993 POR
Relevância na Pesquisa
35.97%
Paralelo entre poetas dos anos 60/70 e poetas do Romantismo, cujos traços comuns se dão em contextos históricos marcados pelas transformações políticas, de valores e das instituições. A criação política reflete um ser fragmentário, que busca a liberdade, usando a arte como arma de luta. Rebeldia que, tal um novo mal do século, volta-se por vezes à auto-destruição. Tais elementos, presentes só nos movimentos da Contracultura e poesia marginal, mas no comportamento, tornam as experiências vitais mais marcantes que a herança artística, em vários dos casos apontados.; A parallel between poets from the 60´ and 70´and the Romantic Poets, whose common traits come to be in historical contexts marked by political changes, changes in values and institututional changes. Poetic creation reflexts a fragmentary being in search of freedom sho uses art as a weapon of baule. A rebelliousness which, such a new "evil of the century", becomes at times auto-desctruction. Such elements, which ore present not only in the counter-culture and marginal poets movements, but also in their reactions to a set of social conditions render the vital experiences more remarkable than the artistic legacy in many of the cases pointed to.

"De que Riem os Poderosos?" O Riso Soberano da Poesia; The poetry's sovereign laughter; La Risa Soberana de la Poesía

Dias, Maria Heloísa Martins; Unesp/Ibilce/SP
Fonte: Editora da UFPR Publicador: Editora da UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 18/11/2011 POR
Relevância na Pesquisa
36.3%
As relações tensivas entre o discurso autoritário do Poder e a resistência da fala poética sempre foi uma das preocupaçõesdos escritores, em especial, dos que sabem fazer da linguagem literária, não uma arma de combate ou instrumento deengajamento, mas um espaço singular em que consciência lírica e sociedade dialogam na trama mais íntima do tecidopoético. Eis o que um pensador como Adorno, por exemplo, mostrou muito bem em suas postulações sobre a arte e opoeta contemporâneo Affonso Romano de Sant´Anna também exibe em seu poema "De que riem os poderosos?",contido em A catedral de colônia (1985). Nosso propósito é analisar como se dá esse "diálogo", por meio da reflexãosobre procedimentos estéticos presentes no texto do poeta brasileiro.; The tensive relationship between the authoritarian discourse of Power and the poetic speech of resistance hasalways been one of the writers' concern, especially of those who know how to make literary language neithera combat weapon nor an engagement instrument, but a singular space of lyric consciousness and societydialogue in the most intimate thread of the poetic tissue. This is what a thinker as Adorno...

A poesia como arma de combate – um estudo sobre a reapropriação de sentidos em uma cantiga medieval-ibérica (século XIII)

Barros, José D'Assunção; Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/07/2014 POR
Relevância na Pesquisa
56.08%
O objeto deste artigo é discutir, a partir da análise de uma cantiga medieval ibérica específica, as relações entre Poesia e Poder que podem ser entrevistas no exame das tensões políticas e sociais das sociedades medievais ibéricas que transparecem na prática e na poesia dos trovadores galego-portugueses. Depois de uma apresentação inicial do contexto histórico e das fontes examinadas, o texto analisa uma cantiga galego-portuguesa na qual pode ser vista uma pluralidade de sentidos de acordo com os deslocamentos da cantiga no contexto social e político. O acontecimento examinado através da análise da cantiga é a centralização monárquica a que assistimos em Portugal do século XIII.

Convite à dança

Alves, José Helder Pinheiro
Fonte: Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais Publicador: Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 31/12/2006 POR
Relevância na Pesquisa
25.89%
A poesia de Mário Quintana, vista pelo viés do humor, tanto como arma  de ataque à crítica dogmática e ao “leitor-crítico”, quanto como forma  de defesa contra os percalços da existência. La poésie de Mário Quintana, vue par le biais de l’humour, et comme  ataque aux critiques dogmatiques et aux “lecteurs-critiques”, et comme  défense contre la douleur de vivre.

De la "verdad insinuada" a la "poesía como un arma": Sobre el discurso autopoético en Miguel Hernández

Riva,Sabrina
Fonte: CELEHIS (Mar del Plata) Publicador: CELEHIS (Mar del Plata)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2014 ES
Relevância na Pesquisa
86.38%
En esta oportunidad, nuestro interés se centrará en algunos ejercicios metatextuales -textos introductorios a las producciones literarias hernandianas, la transcripción por escrito de un discurso pronunciado en un acto y textos en prosa de carácter crítico-, dejando a un lado las llamadas "poéticas implícitas" y la profusa correspondencia que el poeta de Orihuela mantuvo con su familia y allegados. Merced a su lectura, además, intentaremos deslindar y analizar la aparición de, por lo menos, tres formas distintas de concebir la poesía, de las cuales la central es aquélla que surge como síntoma de la guerra, junto con el motivo recurrente de la "poesía como arma".