Página 1 dos resultados de 742 itens digitais encontrados em 0.007 segundos

Static balance, quadriceps strength and ankle dorsiflexor torque in fertile and post-menopausal women; Equilíbrio estático, força do quadríceps e torque dos dorsiflexores do tornozelo em mulheres férteis e na pós-menopausa

COSTA, Gustavo de Carvalho da; REIS, Júlia Guimarães; ROSA, Rodrigo César; FERREIRA, Cristine Homsi Jorge; VOLPON, José Batista; ABREU, Daniela Cristina Carvalho de
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Paraná Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
66.69%
INTRODUCTION: Menopause is the period of life in which women experience progressive changes in their body. Muscular strength and balance are important examples of changes occurring in this group of individuals. OBJECTIVE: Evaluation and correlation of the static balance, quadriceps strength and ankle dorsiflexor torque in fertile (n = 20) and post-menopausal women (n = 45) were studied. METHODS: A device was used to record the ankle dorsiflexion torque and the quadriceps strength was measured according to the concept of one repetition maximum. The assessment of the static balance was made with the Polhemus system. RESULTS: The control group presented ankle dorsiflexor torque and quadriceps strength greater than the post-menopausal women, but the static balance was not different between groups. In control group, correlation was observed only between quadriceps strength and using the fixed platform with eyes closed. In the post-menopausal women there was a correlation between static balance and the ankle dorsiflexor torque in the fixed platform with eyes open (r = 0.386; p = 0.008); fixed platform with eyes closed (r = 0.373; p = 0.01) and unstable platform with eyes open (r = 0.343; p = 0.02). In this group correlation between static balance and quadriceps strength was observed in testing the use of fixed platform with eyes closed (r = 0.315; p = 0.03). CONCLUSIONS: The results suggest that the diminished muscular strength after menopause seems to be related to the hypoestrogenism and that the ankle dorsiflexor torque is an important factor for the maintenance of static balance in the first years of menopause.; INTRODUÇÃO: A menopausa é um período em que a mulher apresenta progressivas alterações em seu organismo. A perda de força muscular e do equilíbrio corporal são importantes exemplos dessas alterações. OBJETIVO: Avaliar e correlacionar o equilíbrio estático...

Perfil de saúde de mulheres na pré, peri e pós-menopausa cadastradas em unidade de saúde pública do Estado do Acre; The health profile of women in pre, peri and postmenopause who were registered at a public health unit of the State of Acre

Silva, Andréa Ramos da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 29/10/2009 PT
Relevância na Pesquisa
66.69%
Resumo Introdução - O climatério é o período da vida das mulheres marcado por inúmeras transformações e mudanças, que caracterizam o término do período reprodutivo. É exatamente este o seu significado, a transição entre a fase reprodutiva e a não reprodutiva das mulheres. Para algumas, é visto como uma fase natural, sinal de maturidade, enquanto para outras é representado por perdas, aproximação da velhice e sinônimo de doenças. Objetivo - Descrever o perfil de saúde das mulheres na pré, peri e pósmenopausa cadastradas em uma unidade de saúde publica do Estado do Acre. Métodos - Estudo de corte transversal desenvolvido com 265 mulheres na faixa etária dos 35 aos 65 anos cadastradas no Módulo de Saúde da Família Ruy Lino, no município de Rio Branco. Foram feitas análises descritivas segundo características sociodemográficas, atividades de lazer e recreação, características de saúde e doença, história ginecoobstétrica e sintomas ligados a perimenopausa e pós-menopausa. Para análise bivariada utilizou-se o teste de qui-quadrado, adotando-se p<0,05. Resultados - A média de idade foi de 45,9 anos. Quanto ao estado civil 57,4 por cento eram casadas e 30,9 por cento possuíam como renda familiar per capita de ½ a 1 salário mínimo. Obteve-se que 74 por cento não realizavam a prática de atividade física...

Avaliação da associação da osteoporose com o equilíbrio postural em mulheres pós-menopausa; Evaluation of the association between osteoporosis and postural balance in postmenopausal women

Brech, Guilherme Carlos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 11/04/2012 PT
Relevância na Pesquisa
66.69%
INTRODUÇÃO: A incidência da osteoporose vem aumentando, assim como as quedas e as fraturas relacionadas. O objetivo geral do presente estudo foi avaliar o equilíbrio postural de mulheres pós-menopausa com e sem osteoporose lombar. O objetivo específico foi avaliar a correlação entre o grau de cifose torácica e a dosagem de 25 OH vitamina D com o equilíbrio postural em mulheres pósmenopausa com osteoporose lombar. MÉTODOS: Foram avaliadas 126 mulheres pós-menopausa entre 55-65 anos, divididas em dois grupos de acordo com os valores da densidade mineral óssea de coluna lombar: grupo osteoporose e controle, pareadas pela idade (p=0,219) e pelo Questionário Internacional de Atividade Física (p=0,611). As mulheres do grupo osteoporose apresentaram estatura (p<0,001), massa corpórea (p<0,001) e consequentemente índice de massa corpórea (p<0,001) menores do que as do grupo controle. Todas as voluntárias relataram a ocorrência de quedas nos últimos 12 meses, não havendo diferença entre os grupos (p=0,139). A mobilidade funcional foi avaliada por meio do teste Time Up and Go. O equilíbrio postural foi avaliado em uma plataforma de força portátil modelo Accsuway® em bipedestação, com olhos abertos e fechados, por 60. Os dados foram coletados...

Efeitos do estradiol 17beta oral baixa dose e drospirenona ou não oral associado à progesterona sobre variáveis relacionadas com função endotelial, inflamação e perfil metabólico em pacientes pós-menopausa recente

Casanova, Gislaine Krolow
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.73%
A relação entre risco cardiovascular e terapia hormonal na pós-menopausa é controversa. Ainda que o estrogênio endógeno possa estar associado ao menor risco cardiovascular observado em mulheres na pré-menopausa em relação às pós-menopáusicas, grandes ensaios clínicos, como o WHI, falharam em demonstrar efeito benéfico da terapia hormonal. Estes resultados podem ter sido influenciados por uma série de fatores, sendo os mais importantes: idade média das pacientes e tempo de menopausa superiores às candidatas usuais de terapia hormonal, tipo e dose dos hormônios utilizados. Desenvolvemos ensaio clínico randomizado, cross-over, com objetivo de avaliar os efeitos de dois tipos de tratamento hormonal na menopausa: tratamento oral baixa dose, associação de estradiol 17 β nasal 300 μcg e drospirenona 2 mg, diário e tratamento nâo oral, estradiol 17 β nasal diário e progesterona micronizada vaginal, 200 mg, 14 dias por mês , sobre variáveis relacionadas com inflamação e função endotelial, perfil antropométrico, metabólico e hormonal em mulheres na pós-menopausa recente e sem doença clínica evidente. Quarenta mulheres na pós-menopausa foram alocadas aleatoriamente para iniciar o tratamento hormonal por um dos dois grupos de tratamento: via oral baixa dose (n=20): ou via não oral (n=20). Ao final dos primeiros 2 meses do estudo...

Tradução, adaptação cultural e validação da versão em português brasileiro da Escala Cervantes de qualidade de vida relacionada com a saúde da mulher durante a perimenopausa e na pós-menopausa

Lima, José Emilio Mendes
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.72%
INTRODUÇÃO: A avaliação da Qualidade de Vida (QV) tem sido cada vez mais reconhecida e utilizada na área da saúde nos últimos anos. Existem inúmeras e complementares definições de QV, o Grupo de Estudo da Qualidade de Vida da Organização Mundial da Saúde (OMS) (WHOQOL Group, 1994) definiu como "a percepção do indivíduo de sua posição na vida no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive e em relação a seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações", portanto, um conceito multidimensional. Foram desenvolvidos instrumentos de medida de QV, genéricos e específicos, estes últimos com a finalidade de avaliar grupos com determinados diagnósticos ou amostras específicas de pessoas; em nosso estudo, mulheres no climatério, que é um período em que ocorrem muitas mudanças biológicas, físicas, psicológicas e sociais na vida das mulheres. OBJETIVO: Traduzir, adaptar culturalmente e validar para o português brasileiro (PB) a Escala Cervantes (EC), instrumento de avaliação da qualidade de vida relacionada com a saúde da mulher durante a perimenopausa e na pós-menopausa, desenvolvida e validada na Espanha. MATERIAL E MÉTODOS: Estudo transversal, com seleção consecutiva composto por 180 mulheres entre 45 a 64 anos que compareceram à 3 ambulatórios da Faculdade de Medicina da Universidade de Passo Fundo (UPF) e a 1 clínica privada desta cidade. Exclui-se mulheres analfabetas ou com déficit visual importante por ser um questionário tipo auto-administrado e também as portadoras de doenças graves e/ou descompensadas clinicamente e usuárias de antidepressivos. A tradução e a adaptação cultural da EC para o PB foi realizada por metodologia proposta pela OMS. Foram coletadas as características sociodemográficas...

Avaliação da densidade mineral óssea em mulheres na pós-menopausa tratadas de câncer e mama

Poloni, Priscila Ferreira
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 80 f.
POR
Relevância na Pesquisa
66.68%
Pós-graduação em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia - FMB; Objective: To evaluate the risk factors for low bone mineral density (BMD) in postmenopausal breast cancer survivors compared to postmenopausal women without breast cancer. Methods: In this cross-sectional study, 112 breast cancer survivors were compared to 224 postmenopausal women (control), seeking healthcare at a University Hospital. Eligibility criteria included women with amenorrhea ≥ 12 months and age ≥ 45 years, treated for breast cancer and metastasis-free for at least five years. The control group consisted of women with amenorrhea ≥ 12 months, age ≥ 45 years and without breast cancer, matched by age and menopause status (in a proportion of 1:2 as sample calculation). The risk factors for low BMD (osteopenia and osteoporosis) were assessed by interviews. BMD was measured by dual energy X-ray absorptiometry (DEXA) at the lumbar spine (L1-L4) and femoral neck. Logistic regression model (odds ratio, OR) was used to identify factors associated with low BMD. Results: The mean (SD) age of breast cancer survivors was 61.3 (9.7) years, with a mean (SD) follow-up of 10.2 (3.9) years. Considering both sites assessed (spine and femoral neck), 77.7% of breast cancer survivors and 74.5% in the control group had low BMD (p = 0.302). The BMD at the lumbar spine did not differ between groups (p = 0.332). However...

Prevalencia e fatores associados a polipos endometriais pre-malignos e malignos em mulheres na pre e pos-menopausa

Armando Antunes Junior
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 13/12/2006 PT
Relevância na Pesquisa
66.78%
Os pólipos endometriais são achados freqüentes em mulheres na pós-menopausa e têm sido associados a lesões precursoras e neoplasia endometrial. Entretanto seu potencial de malignidade ainda está pouco esclarecido. Devido à alta prevalência dos pólipos uterinos na pós-menopausa e possível potencial de malignidade, torna-se importante a sua detecção e remoção. Objetivo: Avaliar a prevalência de lesões precursoras e malignas endometriais e associação com estado menopausal, uso de terapia hormonal e características clinicas em mulheres na pré e pós-menopausa submetidas à ressecção histeroscópica de pólipos endometriais. Sujeitos e métodos: Realizou-se um estudo de corte transversal através da identificação em base de dados de cirurgias histeroscópicas onde foram selecionadas as mulheres na pré e pós-menopausa submetidas à ressecção histeroscópica de pólipos endometriais no CAISM/Unicamp, no período de janeiro de 1998 a dezembro de 2005. Foram incluídas 475 mulheres com idade acima de 40 anos que apresentassem diagnóstico histológico do pólipo endometrial ressecado. Foram avaliadas as características clínicas como presença de hipertensão arterial, diabetes, obesidade, uso de terapia hormonal...

Comparação da magnitude do dano muscular após ações excêntricas com diferentes velocidades em mulheres jovens e na pós-menopausa; Comparision of the magnitude of muscle damage after eccentric actions in different velocity in young and postmenopausal women

Miguel Soares Conceição
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 29/04/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.72%
O presente estudo analisou as alterações nos marcadores indiretos de dano muscular após uma sessão de ações excêntricas de flexores do cotovelo com diferentes velocidades de movimento, em mulheres jovens e na pós-menopausa. Participaram da pesquisa 37 mulheres, voluntárias, com idade compreendida entre 18 a 65 anos. Essas voluntárias foram divididas em quatro grupos. Grupo de mulheres jovens que executou ações excêntricas com velocidade rápida (n=10) e grupo de jovens que executou ações excêntricas com velocidade lenta (n=9). Grupo de mulheres na pós-menopausa que realizou as ações excêntricas com velocidade rápida (n=10) e grupo de mulheres na pós-menopausa que realizou as ações excêntricas com velocidade lenta (n=8). As ações excêntricas foram realizadas no braço não dominante, utilizando-se um dinamômetro isocinético, e consistiram em 30 ações excêntricas máximas divididas em cinco séries de seis repetições. Para analisar a magnitude do dano muscular foram utilizados marcadores indiretos como a contração isométrica voluntária máxima (CIVM), amplitude de movimento (AM), circunferência de braço, dor muscular, creatina quinase (CK), interleucina-6 (IL-6), fator de necrose tumoral (TNF-?) e prostaglandina (PGE2). A CIVM...

Espessamento endometrial na pós-menopausa : será que o fluxo vascular endometrial é um factor preditivo para o aparecimento de pólipos?

Pinho, Juliana de Freitas
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.72%
Introdução: Os pólipos endometriais constituem o achado histeroscópico mais frequente nas mulheres pós-menopausicas com espessamento endometrial, podendo a sua prevalência na população geral atingir os 25-30%. Apesar da sua elevada incidência na pós-menopausa, a sua etiologia continua a ser pouco compreendida. Objectivos: Este estudo pretende determinar se o fluxo vascular das artérias uterinas e, indirectamente, dos seus ramos vasculares terminais pode ser considerado um factor preditivo para o aparecimento de pólipos endometriais na pós-menopausa, procurando identificar os achados clínicos mais relevantes nas mulheres pós-menopausicas com este tipo de lesão endometrial. Métodos: Realizou-se um estudo prospectivo, onde foram recolhidos dados de mulheres na pós-menopausa com ecografia ginecológica solicitada no Serviço de Ginecologia do CHCB, EPE. Todas responderam a um questionário elaborado com base nos objectivos deste estudo. Na ecografia, realizada por via transvaginal, foi avaliada a presença de espessamento endometrial e o IR da artéria uterina direita. As mulheres com espessamento endometrial foram submetidas a histeroscopia e biópsia. Resultados: Das 28 mulheres pós-menopausicas incluídas no estudo...

Incontinência fecal em mulheres na pós-menopausa: prevalência, intensidade e fatores associados

Oliveira,Simone Caetano Morale de; Pinto-Neto,Aarão Mendes; Conde,Délio Marques; Góes,Juvenal Ricardo Navarro; Santos-Sá,Danielle; Costa-Paiva,Lúcia
Fonte: Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia - IBEPEGE ; Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva - CBCD ; Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva - SBMD ; Federação Brasileira de Gastroenterologia - FBG; Sociedade Brasileira de Hepatologia - SBH; Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva - SOBED Publicador: Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia - IBEPEGE ; Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva - CBCD ; Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva - SBMD ; Federação Brasileira de Gastroenterologia - FBG; Sociedade Brasileira de Hepatologia - SBH; Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva - SOBED
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2006 PT
Relevância na Pesquisa
66.68%
RACIONAL: A incontinência fecal é mais freqüente na população feminina, tornando-se mais prevalente com o aumento da idade. Poucos estudos avaliaram sua prevalência e intensidade em mulheres na pós-menopausa. OBJETIVOS: Investigar a prevalência e os fatores associados à incontinência fecal em mulheres na pós-menopausa e estudar a intensidade dos sintomas. MÉTODOS: Realizou-se estudo de corte transversal com 100 mulheres na pós-menopausa e idade superior a 45 anos. Foram avaliadas as características sociodemográficas e clínicas com análise descritiva das mesmas. Estimou-se a prevalência de incontinência fecal. Aplicou-se o escore de St. Mark para estudar a intensidade dos sintomas associados à incontinência fecal. A seguir, o escore foi categorizado de acordo com o tercil e a intensidade dos sintomas foi classificada em graus leve, moderado ou grave. Análises bivariada e multivariada foram utilizadas para estudar a associação entre a incontinência fecal e seus possíveis determinantes, empregando-se a razão de prevalência. O intervalo de confiança foi fixado em 95%. RESULTADOS: A média de idade foi de 58,9 ± 5,9 anos (variação: 46-76 anos). A prevalência de incontinência fecal foi de 15%. Das pacientes incontinentes...

Prevalência de isquemia miocárdica na cintilografia em mulheres nos períodos pré/pós-menopausa

Santos,Daniel Augusto Message dos; Navarro,Wendy Yasdin Sierraalta; Alexandre,Leonardo Machado; Cestari,Priscila Feitosa; Smanio,Paola Emanuela Poggio
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC Publicador: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 PT
Relevância na Pesquisa
66.78%
FUNDAMENTO: No período pós-menopausa, a presença dos fatores de risco para doença arterial coronária (DAC) aumentam. Entretanto, não é bem estabelecida a diferença de prevalência de isquemia miocárdica em mulheres pré/pós-menopausa com múltiplos fatores de risco para DAC. OBJETIVO: Comparar a prevalência de isquemia na cintilografia de perfusão miocárdica com sestamibi-99mTc (CPM) em mulheres nos períodos pré/pós-menopausa e avaliar se a menopausa pode ser considerada fator preditor de risco independente para isquemia em mulheres com múltiplos fatores de risco para DAC. MÉTODOS: Analisamos, retrospectivamente, 500 CPM de mulheres pré/pós-menopausa, com múltiplos fatores de risco cardiovascular. A análise estatística foi realizada por teste exato de Fisher e pelas análises univariada e multivariada, sendo considerado significativo o valor de p < 0,05. RESULTADOS: Do total, 55,9% das mulheres estavam no período pós-menopausa, 83,3% eram hipertensas, 28,9% diabéticas, 61,2% dislipidêmicas, 32,1% tabagistas, 25% obesas e 34,3% já apresentavam DAC conhecida. No grupo pós-menopausa, as mulheres eram mais hipertensas, diabéticas e dislipidêmicas, e tiveram menor capacidade funcional no teste ergométrico (p = < 0...

Correlação entre as queixas de incontinência urinária de esforço e o pad test de uma hora em mulheres na pós-menopausa

Albuquerque,Maria Thereza; Micussi,Barbosa Cabral; Soares,Elvira Maria Mafaldo; Lemos,Telma Maria Araújo Moura; Brito,Tereza Neuma de Souza; Silva,João Batista da; Maranhão,Técia Maria de Oliveira
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.76%
OBJETIVO: correlacionar as queixas de incontinência urinária de esforço e os resultados da aplicação do pad test de uma hora em mulheres na pré e pós-menopausa. MÉTODOS: estudo transversal, composto por 60 voluntárias na pós-menopausa, divididas em dois grupos: um com 34 mulheres com queixa de perda involuntária de urina aos esforços, outro com 26 mulheres sem queixas de perda de urina aos esforços. Há também a presença de um Grupo Controle composto por 15 mulheres na pré-menopausa, com ciclo menstrual normal e sem queixas urinárias. Todas as mulheres foram avaliadas quanto à clínica e laboratorialmente, e submetidas ao pad test por uma hora. A paciente foi considerada incontinente quando o peso do absorvente após o teste foi maior do que 1 g. Os resultados obtidos foram submetidos à estatística descritiva, ao teste paramétrico ANOVA, ao pós-teste de Turkey e à correlação de Pearson. RESULTADOS: todas as mulheres na pós-menopausa apresentaram incontinência urinária de esforço durante o pad test, tanto as que referiram perda urinária (4 g), como as sem perda urinária prévia (3,5 g). Nessas mulheres, observou-se uma forte correlação das perdas de urina com o tempo de menopausa (r=0,8; p<0,01) e com o índice de massa corpórea (IMC) (r=0...

Equilíbrio estático, força do quadríceps e torque dos dorsiflexores do tornozelo em mulheres férteis e na pós-menopausa

Costa,Gustavo de Carvalho da; Reis,Júlia Guimarães; Rosa,Rodrigo César; Ferreira,Cristine Homsi Jorge; Volpon,José Batista; Abreu,Daniela Cristina Carvalho de
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Paraná Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 PT
Relevância na Pesquisa
66.69%
INTRODUÇÃO: A menopausa é um período em que a mulher apresenta progressivas alterações em seu organismo. A perda de força muscular e do equilíbrio corporal são importantes exemplos dessas alterações. OBJETIVO: Avaliar e correlacionar o equilíbrio estático, a força de quadríceps e o torque dos dorsiflexores de tornozelo de mulheres no período fértil (n=20) e de mulheres na pós-menopausa (n = 45). MÉTODOS: Foram registrados o torque dos dorsiflexores de tornozelo e a força do quadríceps. O equilíbrio estático foi avaliado utilizando-se o sistema Polhemus. RESULTADOS: O grupo controle apresentou maior torque dos dorsiflexores de tornozelo e maior força de quadríceps comparado ao grupo pós-menopausa, porém o equilíbrio estático não apresentou diferença entre os grupos. No grupo controle, foi observada correlação somente entre a força de quadríceps com a condição plataforma fixa olhos fechados. No grupo de mulheres na pós-menopausa houve correlação entre torque dos dorsiflexores de tornozelo e equilíbrio estático nas condições plataforma fixa olhos abertos (r = 0,386; p = 0,008), plataforma fixa olhos fechados (r = 0,373; p = 0,01) e plataforma instável olhos abertos (r = 0,343; p = 0,02). Neste mesmo grupo também houve correlação entre força de quadríceps e equilíbrio estático na condição plataforma fixa olhos fechados (r = 0...

Densidade mineral óssea sistêmica vs situação clínica periodontal: estudo transversal em mulheres na pós-menopausa

Lopes,Fernanda Ferreira; Loureiro,Flávia Helen Furtado; Alves,Cláudia Maria Coêlho; Pereira,Adriana de Fátima Vasconcelos; Oliveira,Ana Emília Figueiredo de
Fonte: Associação Médica Brasileira Publicador: Associação Médica Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.69%
OBJETIVO: Analisar a densidade mineral óssea sistêmica (DMO) e a situação periodontal em mulheres na pós-menopausa, visando compreender o papel da osteoporose como um fator de risco à doença periodontal. MÉTODOS: A amostra da pesquisa foi constituída por 47 mulheres na pós-menopausa, que foram divididas em três grupos: 14 com osso normal (G1), 17 no grupo com osteopenia (G2) e 16 pacientes com osteoporose (G3), através da avaliação da densidade mineral óssea (DMO), aferida pela absormetria de dupla emissão com raios-X na área lombar (L1-L4). A condição periodontal foi avaliada pelo índice gengival (IG), índice da placa (IP) e o nível de inserção clínica (NIC). Os resultados tabulados foram analisados e submetidos ao tratamento estatístico, através do teste ANOVA a um critério (α=0,05) e o teste de correlação de Pearson (α=0,01). RESULTADOS: Verificou-se não haver diferenças significativas na situação periodontal em mulheres na pós-menopausa, através das variáveis IG, IP e NIC. Observou-se correlação significativa entre os parâmetros periodontais IG, IP e NIC entre si (p<0,001), contudo não foi detectada correlação significativa entre os parâmetros periodontais (IG, IP, NIC) e a condição sistêmica do osso das mulheres na pós-menopausa...

Análise dos índices espectrais da variabilidade da freqüência cardíaca em homens de meia idade e mulheres na pós-menopausa

Neves,VFC; Perpétuo,NM; Sakabe,DI; Catai,AM; Gallo Jr,L; Silva de Sá,MF; Martins,LEB; Silva,E
Fonte: Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Fisioterapia Publicador: Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Fisioterapia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2006 PT
Relevância na Pesquisa
76.55%
OBJETIVO: Analisar e comparar a variabilidade da freqüência cardíaca (VFC), em repouso, de homens e mulheres de meia-idade. MÉTODOS: Foram estudados 10 homens (54 ± 3,2 anos) e 14 mulheres na pós-menopausa (56 ± 2,6 anos) que não faziam uso de terapia hormonal. A freqüência cardíaca (FC) e os intervalos R-R foram obtidos a partir do eletrocardiograma, batimento a batimento, durante 8 minutos em repouso, nas posições supina e sentada. A VFC foi analisada no domínio da freqüência, usando a transformada rápida de Fourier, por meio da qual foram obtidas as bandas de baixa (BF) e alta freqüência (AF), as quais foram expressas em unidades normalizadas (AFun) e (BFun) e na razão BF/AF. Foram utilizados os testes estatísticos não-paramétricos de Mann-Whitney e de Wilcoxon, com nível de significância de alfa= 5%. RESULTADOS: Na comparação intergrupo, as mulheres apresentaram maiores valores da banda AFun e menores valores da banda BFun e da razão BF/AF em relação aos homens, diferenças essas significativas (p<0,05). Na comparação intragrupo, não foram observadas diferenças significativas nos índices de VFC entre as posições supina e sentada para os 2 grupos estudados. CONCLUSÃO: Nossos resultados mostram uma maior modulação vagal e menor simpática no controle autonômico da FC para as mulheres em comparação aos homens de mesma idade...

Cefaleia e qualidade de vida em mulheres em pós-menopausa recente e tardia

Melo Filho, Sidraiton Sálvio Alves de; Valença, Marcelo Moraes (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Dissertação
BR
Relevância na Pesquisa
66.81%
Analisar mulheres no climatério quanto à qualidade de vida (QV), avaliar se esta é influenciada pelo tempo de pós-menopausa e avaliar a presença de cefaleia. Métodos: Foi conduzido estudo descritivo, comparativo e transversal, com 110 mulheres na pós-menopausa, de idades entre 45 a 65 anos, atendidas em um ambulatório especializado em climatério. As participantes foram divididas em dois grupos: pós-menopausa recente (n=49 – com tempo de pós-menopausa menor que 5 anos) e pós-menopausa tardia (n=61 – com tempo de pós-menopausa maior ou igual a 5 anos e menor que 15 anos). Foram avaliadas as variáveis clínicas e sociodemográficas. Aplicou-se Questionário de Saúde da Mulher (QSM) para avaliação da QV e o questionário MIDAS para avaliar o grau de incapacidade provocado pela cefaleia. A análise estatística foi realizada pelos testes t de Student, ANOVA ou teste do qui-quadrado de Pearson, com nível de significância de 5% (p < 0,05). Resultados: Os grupos apresentaram semelhanças quanto às características clínicas e sociodemográficas. Avaliando-se o QSM, encontrou-se um nível intermediário de QV, não havendo diferença entre os dois grupos (p = 0,330). Diferenças significativas foram observadas quando analisados os domínios memória/concentração (p = 0...

Avaliação da incontinência urinária de esforço em mulheres na pós-menopausa com e sem queixa de perda urinária através da aplicação do pad-test de 1 hora

Micussi, Maria Thereza Albuquerque Barbosa Cabral
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde; Ciências da Saúde Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde; Ciências da Saúde
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
76.71%
Stress urinary incontinence (SUI) is defined as "involuntary loss of urine" due to several processes that alter the ability of the bladder to hold urine properly, regarded as a social and hygienic problem that adversely affects quality of life. In postmenopausal women, IU is associated with atrophy and weakness of the pelvic floor muscles. The objective this study was investigate, using the onehour pad test, stress urinary leakage (SUI), evaluate and compare their results in postmenopausal and premenopausal women. The survey was characterized as a cross-sectional study. The study consisted of 60 postmenopausal women were divided into GIU - consisting of 34 volunteers complaining of involuntary loss of urine during stress - and GSIU - consisting of 26 volunteers without complaints of loss of urine during stress, and 15 women, during the premenopausal (GPM), and ovulatory with normal menstrual cycle. All volunteers were evaluated clinically, subjected to one-hour pad test, after the biochemical evaluation of blood and sex hormones. Statistical analysis was performed by descriptive analysis, ANOVA, Turkey´s post-test and Pearson correlation. The results showed that 100% of postmenopausal patients had involuntary loss of urine during one hour pad test (GIU: 4.0 g; GSIU: 4.5 g). GPM remained continent after an hour pad test (GPM: 0.4 g). In addition...

Associação entre consumo alimentar e atividade física com a síndrome metabólica em mulheres na pós-menopausa; Evaluation of food consumption and prevalence of metabolic syndrome in women in postmenopausal

Carvalho, Christiane Nogueira de Medeiros
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Educação Física; Movimento Humano, Cultura e Educação, Saúde e Desempenho Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Educação Física; Movimento Humano, Cultura e Educação, Saúde e Desempenho
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
76.62%
Post-menopause is characterized as the period beginning one year after the permanent cessation of menstrual cycles, which is typically related to medical disorders that, in association with Metabolic Syndrome (MS), represent a set of cardiovascular risk factors. Objective: To assess dietary intake and the prevalence of metabolic syndrome in postmenopausal women, according to the level of physical activity. Methods: The sample consisted of 82 women, evaluated in the Northern Zone of the city of Natal / RN who were participants in the Natal Active Program. People completed a Food Frequency Consumption Questionnaire (FFCQ) and were interviewed about physical activity. Anthropometric measurements and biochemical tests were used to diagnose MS (Metabolic Syndrome). Result: The active women consumed more protective foods (flaxseed, nuts, whole wheat bread, brown rice and olive oil) than inactive women. Risky foods (sugar, crackers, white bread, white rice, margarine and beef) were consumed more by the group of inactive women. The prevalence of MS was higher in inactive women (53.30%) than in physically active women (46.70%). Conclusion: Active post-menopausal women had a higher daily intake of protective foods in relation to cardiovascular disease...

Conhecimento sobre osteoporose e habilidade de seguir o tratamento anti-reabsortivo em mulheres na pós-menopausa com osteopenia ou osteoporose; Knowledge about osteoporosis and ability to follow anti-reabsortive drug treatment in post-menopausal women with osteopenia or osteoporosis

Débora Alessandra de Castro Gomes
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 23/08/2010 PT
Relevância na Pesquisa
66.7%
A osteoporose é uma desordem esquelética caracterizada pela baixa massa óssea e deterioração da arquitetura óssea, que pode progredir por décadas de forma assintomática ou manifestar-se através de fraturas ósseas, acometendo principalmente mulheres na pós-menopausa. O tratamento envolve uso de bisfosfonatos, raloxifeno, associados à dieta, cálcio, vitamina D e atividade física. Estudos mostraram que o conhecimento e a aderência a esses tratamentos foram baixos, o que pode interferir com a resposta terapêutica. Objetivo: Avaliar em mulheres na pós-menopausa com osteoporose ou osteopenia o conhecimento sobre a doença e a habilidade de seguir o tratamento aos diferentes medicamentos prescritos. Sujeitos e métodos: Foi realizado um estudo de corte transversal com 232 mulheres na pós menopausa com diagnóstico densitométrico de osteopenia ou osteoporose em uso de tratamento medicamentoso, acompanhadas no Ambulatório de Menopausa Hospital da Mulher Professor José Aristodemo Pinotti, no Caism/Unicamp. O conhecimento sobre osteoporose foi avaliado através da aplicação do questionário OPQ (Osteoporosis Questionary) contendo 20 questões sobre informações gerais sobre a doença, fatores de risco, conseqüências e tratamento. A habilidade de seguir o tratamento foi avaliada através do questionário MedTake...

Espessamento endometrial na pós-menopausa : será que o fluxo vascular endometrial é um factor preditivo para o aparecimento de pólipos?

Pinho, Juliana de Freitas
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.72%
Introdução: Os pólipos endometriais constituem o achado histeroscópico mais frequente nas mulheres pós-menopausicas com espessamento endometrial, podendo a sua prevalência na população geral atingir os 25-30%. Apesar da sua elevada incidência na pós-menopausa, a sua etiologia continua a ser pouco compreendida. Objectivos: Este estudo pretende determinar se o fluxo vascular das artérias uterinas e, indirectamente, dos seus ramos vasculares terminais pode ser considerado um factor preditivo para o aparecimento de pólipos endometriais na pós-menopausa, procurando identificar os achados clínicos mais relevantes nas mulheres pós-menopausicas com este tipo de lesão endometrial. Métodos: Realizou-se um estudo prospectivo, onde foram recolhidos dados de mulheres na pós-menopausa com ecografia ginecológica solicitada no Serviço de Ginecologia do CHCB, EPE. Todas responderam a um questionário elaborado com base nos objectivos deste estudo. Na ecografia, realizada por via transvaginal, foi avaliada a presença de espessamento endometrial e o IR da artéria uterina direita. As mulheres com espessamento endometrial foram submetidas a histeroscopia e biópsia. Resultados: Das 28 mulheres pós-menopausicas incluídas no estudo...