Página 1 dos resultados de 109 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Olho seco: etiopatogenia e tratamento; Dry eye: etiopathogenesis and treatment

FONSECA, Ellen Carrara; ARRUDA, Gustavo Viani; ROCHA, Eduardo Melani
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
66.91%
Olho seco é uma doença multifatorial das lágrimas e da superfície ocular que resulta em desconforto, distúrbios visuais e instabilidade do filme lacrimal. É uma desordem comum que afeta principalmente adultos e mulheres e que pode causar impacto na qualidade de vida comparável a enxaqueca, dispnéia e insuficiência renal crônica, dependendo dos sintomas ou complicações que a acompanham. Novos conceitos com relação à fisiopatologia, classificação e tratamento têm sido apresentados e devem ser conhecidos pelos oftalmologistas pela sua larga aplicação no dia-a-dia. Estima-se que haja 100 medicações diferentes em uso para olho seco atualmente, além de outros métodos de tratamento, sendo necessário se estabelecer o que é realmente seguro e eficaz. Este texto faz uma revisão sobre etiopatogênese e tratamento da síndrome do Olho Seco.; Dry eye is a multifactorial disease of tears and ocular surface that causes discomfort, visual disturbance and tear film instability. It is a common disorder that affects specially adults and women and can cause quality of life impairment comparable to migraine, shortness of breath and chronic renal insufficiency, depending on its symptoms or complications. New concepts regarding physiopathology...

Associação entre hipoestesia corneana, olho seco e outros fatores em portadores de diabetes melito tipo 2

Fridman, Daniel
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
47.02%
Portadores de diabetes parecem ter mais queixas de olho seco do que o resto da população. Acredita-se que isto possa estar associado a uma forma de neuropatia diabética expressa por uma redução na sensibilidade corneana desses pacientes. Nossos principais objetivos neste estudo foram avaliar a influência da diabetes melito tipo 2 na sensibilidade corneana central e verificar se há uma associação entre a sensibilidade corneana central e a síndrome do olho seco em indivíduos com a doença. Assim, 62 portadores de diabetes tipo 2 foram submetidos a um exame oftalmológico de rotina, a uma ceratoestesiometria e a testes específicos para avaliar olho seco e polineuropatia distal simétrica. Num outro grupo, 20 voluntários saudáveis tiveram seus olhos avaliados da mesma forma, exceto pela não realização dos testes específicos para disfunção lacrimal. Entre os indivíduos diabéticos avaliados, foram observados 53.2% com hipoestesia corneana, 54.2% com retinopatia diabética, 45.9% com polineuropatia distal simétrica e 51.6% com a síndrome do olho seco. Entre os principais achados, observamos associações significativas envolvendo: diabetes tipo 2 e hipoestesia corneana central, síndrome do olho seco e hipoestesia corneana central...

Avaliação do estresse oxidativo em modelo experimental de olho seco e a resposta ao uso de antioxidantes ômega 3 e ácido lipoico

Andrade, Alexey Santos de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
46.97%
O filme lacrimal é o principal mecanismo de proteção da superfície ocular contra agentes externos e a quebra de sua homeostase pode levar à síndrome do olho seco, causando desde desconforto leve a dano severo na superfície ocular com prejuízo irreversível para a visão. A produção de lágrima pela glândula lacrimal está intimamente relacionada a fatores neuroendócrinos, hormonais e imunológicos e o estresse oxidativo pode ter um papel importante na sua regulação. Induzimos, neste estudo, o olho seco em modelo animal por supressão hormonal e realizamos a suplementação dietética com ácidos graxos poli-insaturados ômega 3 (AGPI n-3) e ácido lipoico, objetivando avaliar o estresse oxidativo e a resposta antioxidante na superfície ocular e glândula lacrimal e o papel destas substâncias no tratamento do olho seco. A produção lacrimal, medida através do teste de Schirmer, mostrou recuperação com a suplementação dietética com ácidos graxos poli-insaturados ômega 3 e ácido lipoico. O estresse oxidativo foi levemente modificado pelo ômega 3, enquanto o ácido lipoico teve um efeito pró-oxidante e antioxidante sítio específico, com influência importante na preservação da integridade da superfície ocular e melhora do olho seco. O dano oxidativo em proteínas foi medido através da quantificação dos níveis de carbonil e a peroxidação lipídica pela formação de MDA...

Avaliação dos produtos finais de glicosilação e o fator nuclear K-B em glandulas lacrimais e superficie ocular de modelos animais de diabetes e envelhecimento; Advanced glycation end-products and Nuclear Factor K-B in lacrimal glands and ocular surface of diabetes and aging animal models

Monica de Cassia Alves
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 21/07/2006 PT
Relevância na Pesquisa
46.82%
Este estudo avaliou as possíveis vias comuns na fisiopatogênese da síndrome do olho seco no Diabetes Mellitus (DM) e no envelhecimento, envolvendo o acúmulo dos produtos de glicosilação ("Advanced Glycation End-products" - AGEs), seu receptor RAGE e a ativação do Fator Nuclear-?B (NF-?B) na glândula lacrimal (GL) e alterações do filme lacrimal nessas condições. Modelos animais de DM induzido com estreptozotocina e animais senis (24 meses de vida) foram comparados a animais controle tratados com tampão citrato e adultos jovens (2 meses de vida). Foram avaliadas vias de sinalização, envolvendo AGEs, RAGE e a ativação do NF-?B na GL e alterações no filme lacrimal em ratos Wistar de todos os grupos. A análise do filme lacrimal foi realizada através de medidas de volume de secreção basal e dosagem de citocinas como a Interleucina-1 ß (IL-1 ß) e Fator de Necrose Tumoral - a (TNF- a). A capacidade secretória da GL foi avaliada através de medidas da atividade de peroxidase. Técnicas de "western blot" foram utilizadas para avaliar a expressão e ativação do NF-?B na GL. A expressão de AGE, RAGE e NF-?B na GL e córnea nos grupos estudados, foi avaliada através de microscopia confocal com imunofluorescência. O volume lacrimal foi significativamente menor nos animais diabéticos e senis (P=0...

Olho seco: inovações em olho seco

Ramalho, M; Pego, P; Vaz, F; Pina, S; Santos, C; Pedrosa, C; Coutinho, I; Mota, M; Prieto, I
Fonte: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. Publicador: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E.
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.91%
Apresentam-se as características, classificação e tratamento do olho seco. Apresenta-se igualmente a suplementação alimentar como nova possibilidade no tratamento de olho seco.

Tradução e validação para a língua portuguesa do questionário Dry Eye Questionnaire

Alves, Mariana da Silva
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /10/2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.82%
Este estudo teve como objetivo elaborar uma tradução e validação cultural e linguística para a língua Portuguesa do Dry Eye Questionnaire, uma vez que não existe nenhum questionário sobre o olho seco traduzido e validado para a língua Portuguesa. Por conseguinte, foi realizada uma pesquisa bibliográfica para determinar qual o melhor questionário para realizar a tradução e para se apurar qual a melhor metodologia para adotar neste tipo de trabalho. Desta forma, foram apurados e compilados dados de metodologias praticadas e aceites internacionalmente em trabalhos semelhantes realizados na área da saúde. Assim, foi elaborada uma metodologia com base na literatura pesquisada, no entanto foram adotadas pequenas alterações com o objetivo de favorecer e simplificar o processo de tradução e validação do questionário selecionado. Como resultado final da metodologia utilizada, obteve-se uma versão final do questionário traduzido. Esta versão final foi submetida a uma comissão de avaliação, com o intuito de ser aprovada consoante as conclusões que foram apuradas, com base nos resultados dos testes aplicados junto de várias amostras da população Portuguesa. Os resultados obtidos ao longo de todo este processo permitem concluir que se alcançou o objetivo proposto deste trabalho...

Tradução e validação do questionário "Contact Lenses Dry Eye Questionnaire" (CLDEQ)

Sousa, Juliana Nunes
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /10/2012 POR
Relevância na Pesquisa
47.02%
A nível mundial estima-se que a incidência de olho seco em usuários de lentes de contacto tende a aumentar. Deste modo, com a ausência de questionários traduzidos para o idioma português, e com a fraca correlação entre sinais e sintomas de olho seco associado com uso de lentes de contacto relatadas na comunidade científica, decidiu-se traduzir e validar cultural e linguisticamente para o idioma Português o questionário Contact Lenses Dry Eye Questionnaire (CLDEQ), desenvolvido por Carolyn G. Begley da University of Indiana em 2000. A metodologia adotada para a tradução e validação linguística do CLDEQ seguiu as normas estabelecidas pela Comunidade Internacional que engloba as seguintes fases: tradução do questionário para a língua portuguesa, síntese das traduções, retraduções da tradução obtida na primeira fase para a língua inglesa, análise pela comissão de apreciação, testar a versão pré-final e submissão da documentação à respetiva comissão de apreciação. Após a tradução do questionário por um conjunto de tradutores, estas são posteriormente comparadas e condensadas de modo a obter apenas uma só tradução. O questionário resultante da fusão das traduções foi testado, em duas fases complementares entre si...

Olho seco: conceitos, história natural e classificações

Fridman,Daniel; Freitag,Michele Magagnin; Kleinert,Fabíola; Lavinsky,Jacó
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2004 PT
Relevância na Pesquisa
66.82%
A síndrome do olho seco constitui freqüentemente, grande fonte de frustração, tanto para os pacientes, como para os oftalmologistas que, não raramente, são vencidos pela persistência dos sintomas, apesar dos esforços para sua abordagem diagnóstica e terapêutica. O tema adquire sua real importância quando nos defrontamos com o fato do "olho seco" ser uma das queixas mais comuns na prática oftalmológica. Os autores apresentam uma revisão de aspectos essenciais para a compreensão da moderna abordagem desta síndrome.

Exérese do segmento vertical do canalículo lacrimal na síndrome do olho seco: estudo preliminar

Forno,Eliana; Buzalaf,Flavio
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2005 PT
Relevância na Pesquisa
66.94%
OBJETIVO: Avaliar a eficácia e possíveis complicações da remoção do segmento vertical do canalículo lacrimal, em pacientes com síndrome do olho seco grave. MÉTODOS: Seis canalículos de quatro pacientes, 3 dos quais tinham o diagnóstico de olho seco associado à síndrome de Sjögren primária e o quarto, ceratoconjuntivite sicca por remoção completa de glândula lacrimal, foram submetidos a exérese do segmento vertical do canalículo lacrimal. Os critérios de inclusão foram: sinais e sintomas de olho seco que não melhoraram com tratamento clínico, Schirmer menor que 5 mm, rosa bengala corando córnea e conjuntiva e casos de recanalização após eletrocauterização dos pontos. Os pontos lacrimais foram avaliados por exame biomicroscópico após 7, 15, 30, 90 e 180 dias da cirurgia. RESULTADOS: No período de seguimento, nenhum canalículo sofreu recanalização. Em cinco olhos, houve diminuição da ceratite ponteada difusa e dos filamentos corneanos e melhora nos valores do teste de Schirmer e rosa bengala. No olho submetido à remoção completa da glândula lacrimal, a córnea ainda apresentava ceratite ponteada difusa, mesmo após dois meses de cirurgia. Não houve alterações da margem palpebral. CONCLUSÃO: Esta técnica...

Prevalência de olho seco em portadores de hanseníase de um hospital-colônia em Goiânia

Frazão,Karys Carvalho; Picolo,Naira Bernardes; Hanouche,Rosana Zacarias; Santos,Procópio Miguel dos; Santos,Regina Cândido Ribeiro dos
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2005 PT
Relevância na Pesquisa
67.08%
OBJETIVO: Determinar a prevalência de olho seco em hansenianos do Hospital de Dermatologia Sanitária de Goiânia. MÉTODOS: A amostra do presente estudo incluiu 70 hansenianos, do Hospital de Dermatologia Sanitária de Goiânia, e 30 controles, da Fundação Banco de Olhos de Goiás, ambos localizados em Goiânia-GO. Foram realizados exame oftalmológico e testes de Schirmer I, "break-up time" (BUT) e rosa bengala em todos estes indivíduos em uma única avaliação. Para o diagnóstico de olho seco foi considerado o teste de Schirmer I menor ou igual a 5 mm e o rosa bengala grau II ou III, em pelo menos um olho. RESULTADOS: Quarenta e quatro (63,0%) hansenianos eram do sexo masculino e 22 (73,3%) controles, do sexo feminino (p=0,001). A idade média dos hansenianos foi de 61,1±12,5 anos e no grupo controle, 55,7±9,6 anos. Quinze (21,4%) hansenianos e quatro (13,3%) controles apresentaram diagnóstico de olho seco (p=0,429). A forma virchowiana (HV) (74,2%) da hanseníase foi a mais prevalente e o olho seco (66,7%) foi mais freqüente nesta forma clínica da doença. CONCLUSÃO: A prevalência de olho seco foi maior no grupo de hansenianos, apesar de não ter havido diferença significativa.

Nível de testosterona total em mulheres pós-menopausa com olho seco

Duarte,Maria Cecília Barros; Pinto,Natércia Trindade; Moreira,Hamilton; Moreira,Ana Tereza Ramos; Wasilewski,Daniel
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2007 PT
Relevância na Pesquisa
67.11%
OBJETIVO: Comparar o nível sérico de testosterona total entre mulheres pós-menopausa divididas em 3 grupos: controle, olho seco leve a moderado e olho seco intenso. MÉTODOS: No ambulatório de climatério foram selecionadas 29 mulheres pós-menopausa que não faziam reposição hormonal há pelo menos 8 semanas. Critérios de exclusão: alterações palpebrais mecânicas, pterígio, obstrução de vias lacrimais, inflamação intra-ocular e uso de lente de contato. As mulheres selecionadas foram submetidas à dosagem de testosterona total, aplicação do questionário OSDI (Ocular Surface Disease Index) e exame oftalmológico para detecção de olho seco. As mulheres foram divididas em 3 grupos conforme o resultado do escore OSDI e do exame oftalmológico. RESULTADOS: Cinco pacientes foram classificadas como ausência de olho seco, 15 com olho seco leve a moderado e 4 com olho seco intenso. Não houve diferença estatisticamente significativa entre a média dos valores das idades (p=0,3915); nível de instrução (p=0,9333); doenças associadas (p=0,2551); tipo de medicação utilizada (p=0,2844) e nível sérico de testosterona total entre os grupos (p=0,1275). CONCLUSÃO: Não encontramos diferença estatisticamente significativa entre o nível de testosterona total entre mulheres pós-menopausa com olho seco. Novos estudos clínicos com maior amostra são necessários para melhor esclarecer a relação dos níveis séricos dos androgênios nos portadores de olho seco.

Correlação entre sinais e sintomas de olho seco em pacientes portadores da síndrome de Sjögren

Barboza,Marcello Novoa Colombo; Barboza,Guilherme Novoa Colombo; Melo,Gustavo Mendonça de; Sato,Élcio; Dantas,Maria Cristina Nishiwaki; Dantas,Paulo Elias Correa; Felberg,Sérgio
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.69%
OBJETIVO: Estudar, numa determinada população de portadores da síndrome de Sjögren, a correlação entre os sinais e sintomas de olho seco. MÉTODOS: Foi constituído o Grupo Caso, formado por 17 pacientes portadores da síndrome de Sjögren e o Grupo Controle, formado por 25 pacientes normais. Para avaliação dos sintomas foi aplicado o questionário "Ocular Surface Disease Index (OSDI)" nos pacientes de ambos os grupos e, em seguida, todos os indivíduos foram submetidos à realização dos testes de Schirmer I e II, coloração da superfície ocular com corante rosa bengala, paquimetria e estesiometria. Para análise das correlações entre sinais e sintomas foi utilizado o teste de correlação de Spearman e para comparação das médias dos valores encontrados no questionário "Ocular Surface Disease Index (OSDI)" e nos testes clínicos entre os pacientes dos Grupos, foi utilizado teste t de Student para amostras independentes. RESULTADOS: Os resultados deste estudo evidenciaram fraca correlação entre os sintomas avaliados pelo questionário "Ocular Surface Disease Index (OSDI)" e os testes oculares, o que indica que nem todos os pacientes que apresentavam sintomas exuberantes, exibiam testes proporcionalmente alterados. A média da sensibilidade da córnea de ambos os olhos dos pacientes do Grupo Caso esteve estatisticamente reduzida quando comparada à do Grupo Controle. Todos os parâmetros estudados no Grupo Caso apresentaram diferenças estatisticamente significantes (p<0...

Olho seco: etiopatogenia e tratamento

Fonseca,Ellen Carrara; Arruda,Gustavo Viani; Rocha,Eduardo Melani
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2010 PT
Relevância na Pesquisa
66.91%
Olho seco é uma doença multifatorial das lágrimas e da superfície ocular que resulta em desconforto, distúrbios visuais e instabilidade do filme lacrimal. É uma desordem comum que afeta principalmente adultos e mulheres e que pode causar impacto na qualidade de vida comparável a enxaqueca, dispnéia e insuficiência renal crônica, dependendo dos sintomas ou complicações que a acompanham. Novos conceitos com relação à fisiopatologia, classificação e tratamento têm sido apresentados e devem ser conhecidos pelos oftalmologistas pela sua larga aplicação no dia-a-dia. Estima-se que haja 100 medicações diferentes em uso para olho seco atualmente, além de outros métodos de tratamento, sendo necessário se estabelecer o que é realmente seguro e eficaz. Este texto faz uma revisão sobre etiopatogênese e tratamento da síndrome do Olho Seco.

Superfície ocular e hepatite C

Gomes,Rachel Lopes Rodrigues; Marques,Júnia Cabral; Albers,Marcos Bottene Vila; Endo,Roberto Mitiaki; Dantas,Paulo Elias Correa; Felberg,Sérgio
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2011 PT
Relevância na Pesquisa
46.87%
Objetivos: Avaliar os resultados dos testes utilizados para o diagnóstico de olho seco em portadores do vírus da hepatite C, e verificar se há relação entre a duração conhecida da doença e a intensidade das alterações da superfície ocular. MÉTODOS: Foram avaliados 25 pacientes portadores do vírus da hepatite C não tratados e 29 indivíduos com testes sorológicos negativos para hepatite C. Nos dois grupos, foi realizada a mesma sequência de exames: biomicroscopia, teste de cristalização da lágrima, tempo de ruptura do filme lacrimal, avaliação da córnea com fluoresceína, teste de Schirmer I, avaliação da córnea e conjuntiva com corante rosa bengala e estesiometria da córnea. Os pacientes também foram questionados com relação ao tempo conhecido de infecção pelo vírus da hepatite C. RESULTADOS: O grupo com hepatite C apresentou valor menor que o encontrado nos indivíduos sem hepatite C, no teste de Schirmer I tanto para o olho direito (p=0,0162) como esquerdo (p=0,0265). Para o tempo de ruptura do filme lacrimal verificou-se média inferior no grupo com hepatite C nos dois olhos; porém, a diferença apresen tou significância estatística apenas no olho esquerdo (p=0,0007), não sendo detectada diferença no olho direito (p=0...

Uso de ciclosporina 0,05% tópica no tratamento do olho seco de pacientes portadores do vírus HIV

Barreto,Rodrigo de Pinho Paes; Biancardi,Ana Luiza; Nascimento,Emília Matos; Pereira,Basílio de Bragança; Moraes Jr,Haroldo Vieira de
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2009 PT
Relevância na Pesquisa
66.97%
OBJETIVO: O presente estudo comparou a eficácia do tratamento da síndrome do olho seco em pacientes infectados pelo HIV com suplementação lacrimal (carboximetilcelulose sódica 0,5%) ou com suplementação lacrimal associada à terapia anti-inflamatória (carboximetilcelulose sódica 0,5% e ciclosporina 0,05%). MÉTODOS: Vinte pacientes portadores do vírus HIV provenientes do ambulatório de Infectologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro foram selecionados. O diagnóstico de síndrome do olho seco foi baseado no questionário para olho seco (Ocular Surface Disease Index - OSDI®), teste de Schirmer I, tempo de ruptura do filme lacrimal e coloração da superfície ocular com rosa bengala a 1%. Os pacientes foram distribuídos em dois grupos com dez pacientes (20 olhos) e acompanhados durante seis meses. O grupo I foi tratado com colírio de carboximetilcelulose sódica 0,5% e o grupo II foi tratado com a associação de carboximetilcelulose sódica 0,5% e ciclosporina 0,05% tópica. RESULTADOS: Comparando os resultados no início e no final do tratamento, a associação com ciclosporina 0,05% mostrou-se superior (p < 0,05) para o teste de Schirmer I. CONCLUSÃO: O presente estudo sugere que o uso de ciclosporina 0...

Osmolaridade lacrimal e superfície ocular em modelo de olho seco por toxicidade

Marques,Davi Lazarini; Alves,Mônica; Modulo,Carolina Maria; Silva,Lilian Eslaine Costa Mendes da; Reinach,Peter
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2015 PT
Relevância na Pesquisa
66.9%
Objetivo: Descrever um modelo animal de olho seco induzido pela aplicação tópica de cloreto de benzalcônio (BAC) e avaliar marcadores de integridade da superfície ocular e os achados histológicos. Métodos: Foram utilizados ratos wistar machos adultos. Foi realizada a administração tópica de colírio de BAC 0,2% no olho direito de cada animal duas vezes por dia, durante 7 dias, sendo o olho contralateral tido como controle. Após o tratamento foi realizada a avaliação da osmolaridade do filme lacrimal, o teste de fenol vermelho e a coloração com fluoresceína e lisamina verde. Os animais foram sacrificados e os tecidos extraídos para o estudo histológico da córnea, por microscopia óptica, corada com hematoxilina eosina (H&E). Resultados: Comparados com os controles não tratados o grupo BAC apresentou diminuição significativa na secreção lacrimal, defeitos na integridade epitelial da superfície ocular marcada por corantes vitais, fluoresceína e lisamina verde além do aumento da osmolaridade do filme lacrimal (p < 0,05). À avaliação histológica observou-se diminuição da espessura do epitélio e edema estromal induzidos pela aplicação de BAC. Conclusão: O modelo animal de olho seco por toxicidade induzido pela aplicação tópica de cloreto de benzalcônio apresentou alterações estruturais da córnea e da superfície ocular...

O uso da hipromelose na oclusão dos pontos lacrimais em portadores de olho seco secundário

Oliveira, Leonardo Capita Glória Batista de
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
46.97%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências Médicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, 2014.; Objetivo: Avaliar a eficácia da oclusão dos pontos lacrimais com hipromelose 2% em pacientes portadores de olho seco. Desenho: Ensaio clínico prospectivo, randomizado, uni-cego. Métodos: Foram avaliados 76 olhos de 38 pacientes (36 mulheres e 2 homens) portadores de olho seco secundário a doenças reumatológicas. Em cada paciente, o ponto lacrimal inferior de um olho foi ocluído com hipromelose 2% e, no olho contralateral, houve apenas a simulação do procedimento (grupo controle). Foram avaliados através de questionário de escala visual (nota de 0 a 10) ardência, prurido, vermelhidão, sensação de corpo estranho e lacrimejamento, além de propedêutica objetiva para avaliação de 7 olho seco com Teste de Schirmer com anestésico(teste de secreção basal lacrimal), Tempo de quebra do filme lacrimal (BUT), e Teste de coloração com Fluoresceína e Rosa Bengala com 0, 28 e 56 dias pós-tratamento. Resultados: A oclusão com hipromelose mostrou uma significativa redução nos testes de coloração com Rosa Bengala e Fluoresceína. Nos sintomas aferidos pela escala visual...

Tradução e validação do questionário "Contact Lenses Dry Eye Questionnaire" (CLDEQ)

Sousa, Juliana Nunes
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /10/2012 POR
Relevância na Pesquisa
47.02%
A nível mundial estima-se que a incidência de olho seco em usuários de lentes de contacto tende a aumentar. Deste modo, com a ausência de questionários traduzidos para o idioma português, e com a fraca correlação entre sinais e sintomas de olho seco associado com uso de lentes de contacto relatadas na comunidade científica, decidiu-se traduzir e validar cultural e linguisticamente para o idioma Português o questionário Contact Lenses Dry Eye Questionnaire (CLDEQ), desenvolvido por Carolyn G. Begley da University of Indiana em 2000. A metodologia adotada para a tradução e validação linguística do CLDEQ seguiu as normas estabelecidas pela Comunidade Internacional que engloba as seguintes fases: tradução do questionário para a língua portuguesa, síntese das traduções, retraduções da tradução obtida na primeira fase para a língua inglesa, análise pela comissão de apreciação, testar a versão pré-final e submissão da documentação à respetiva comissão de apreciação. Após a tradução do questionário por um conjunto de tradutores, estas são posteriormente comparadas e condensadas de modo a obter apenas uma só tradução. O questionário resultante da fusão das traduções foi testado, em duas fases complementares entre si...

Avaliação do olho seco no pré e pós-operatório da blefaroplastia

Lima,Carlos Gustavo de Melo Gonçalves de; Siqueira,Giordano Bruno; Cardoso,Isabel Habeyche; Sant'Anna,Ana Estela Besteti; Osaki,Midori Hentona
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2006 PT
Relevância na Pesquisa
66.82%
OBJETIVOS: Avaliar a importância dos exames objetivos, da história ocular, além da anatomia orbitária e periorbitária, na identificação dos pacientes com risco de desenvolver olho seco no pós-operatório da blefaroplastia. MÉTODOS: Realizado estudo prospectivo em 29 pacientes com dermatocálaze, que foram avaliados antes e três meses após a blefaroplastia. Mudanças nos sintomas oculares, no exame físico e nos testes objetivos (teste de Schirmer, tempo de quebra do filme lacrimal e coloração com rosa bengala), foram avaliadas. RESULTADOS: Não foram encontradas alterações estatisticamente significativas nos resultados dos testes objetivos, à exceção do teste de Schirmer II, entre o pré e o pós-operatório. Em relação às modificações na anatomia palpebral, foram observadas alterações na fenda palpebral e na excursão do músculo levantador da pálpebra superior, que foram estatisticamente significativas no pós-operatório. CONCLUSÕES: Podemos afirmar que as modificações da fenda palpebral acontecem com elevada freqüência nos pacientes submetidos à blefaroplastia estética. Pode-se concluir ainda que, no presente estudo, os exames objetivos para a avaliação do olho seco não demonstraram alterações significativas no pós-operatório...

Avaliação do olho seco no pré e pós-operatório da blefaroplastia

Lima,Carlos Gustavo de Melo Gonçalves de; Siqueira,Giordano Bruno; Cardoso,Isabel Habeyche; Sant'Anna,Ana Estela Besteti; Osaki,Midori Hentona
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2006 PT
Relevância na Pesquisa
66.82%
OBJETIVOS: Avaliar a importância dos exames objetivos, da história ocular, além da anatomia orbitária e periorbitária, na identificação dos pacientes com risco de desenvolver olho seco no pós-operatório da blefaroplastia. MÉTODOS: Foi realizado estudo prospectivo em 29 pacientes com dermatocálase, que foram avaliados antes e três meses após a blefaroplastia. Mudanças nos sintomas oculares, no exame físico e nos testes objetivos (teste de Schirmer, tempo de quebra do filme lacrimal e coloração com rosa bengala), foram avaliadas. RESULTADOS: Não foram encontradas alterações estatisticamente significativas nos resultados dos testes objetivos, à exceção do teste de Schirmer II, entre o pré e o pós-operatório. Em relação às modificações na anatomia palpebral, foram observadas alterações na fenda palpebral e na excursão do músculo levantador da pálpebra superior, que foram estatisticamente significativas no pós-operatório. CONCLUSÕES: Podemos afirmar que as modificações da fenda palpebral acontecem com elevada freqüência nos pacientes submetidos à blefaroplastia estética. Pode-se concluir ainda que, no presente estudo, os exames objetivos para a avaliação do olho seco não demonstraram alterações significativas no pós-operatório...