Página 1 dos resultados de 124 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

As Janelas da Museologia Informal

Leite, Pedro Pereira
Fonte: Repositório Científico Lusófona Publicador: Repositório Científico Lusófona
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.48%
Este artigo trabalha a janela na museologia. A análise da janela como elemento dos processos sociais. A análise das funções e formas da janela ao longo da história conduz-nos à tensão da janela nos museus contemporâneos. Mas a janela como metáfora da iluminação dos objetos é também um desafio para a nova museologia, uma museologia que acontece em diferentes espaços, espaços urbanos abertos à inovação e à cultura. Que modo temos de iluminar os objetos. O que é que esquecemos quando focamos a luz em determinadas formas de memória e esquecemos outras. Que procedimentos podemos adotar para fazer uma proposta da museologia dos esquecimentos e dos silêncios. Apresentamos neste artigo os resultados preliminares de investigações em curso. A Poética do Espaço e a Cartografia das sonoridades como exercícios para novas janelas.; Uma proposta de olhar para a forma do espaço museológico

Millôr Fernandes e a nova Museologia

Chagas, Mário de Souza
Fonte: Edições Universitárias Lusófonas Publicador: Edições Universitárias Lusófonas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.45%
"O progresso é natural", afirma Millôr Fernandes (Isto É, 29 de Abril de 1987) puxando nota de roda-pé que remete a Noel Rosa. Depois de afirmação tão séria o humorista, improvisado em museólogo, informa que "em Tóquio toquianos prevenidos contra a poluição andam com venda num olho. Descansam um usam o outro, descansam o outro, usam o um." Mais adiante informa que "a Sony mandou instalar em sua sede, também em Tóquio, uma máquina de vender oxigênio." E por uma ótica prospectiva adianta: "Já, já São Paulo entra no páreo - teremos no viaduto do Café" - inventado por Millôr - "uma loja de clorificação dos olhos". "Portanto - arremata o humorista - aproveitando a onda, por que não levar a coisa às suas últimas consequências e criar museus ao ar livre onde, por preço acessível, crianças e adultos possam ver, cheirar e mesmo subir em árvores!? Bolei até um nome pro museu - Praça Pública. Será que pega?" Ao que tudo indica a idéia não vingou - ainda que Millôr acenasse com a possibilidade de se cobrar preços acessíveis para a coisa pública - pois, a cada dia é menor o número de crianças e adultos que podem ver, cheirar e subir em árvores, seja pelo clima de violência nos grandes centros urbanos...

Mudanças sociais/mudanças museais, nova museologia/nova história - que relação?

Almeida, Maria Mota
Fonte: Edições Universitárias Lusófonas Publicador: Edições Universitárias Lusófonas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.58%
O objectivo deste nosso trabalho é analisar a forma como a Museologia nos deve aparecer integrada na mudança geral da sociedade Temos de ter presente que as mudanças sociais são acompanhadas por alterações nas grandes concepções sobre a forma de estar no mundo. Estamos numa era em que os acontecimentos se sucedem a uma velocidade quase assustadora. Há uma explosão das ciências; assistimos á terceira revolução industrial, ao fenómeno da planetarização; nada se passa numa parte do mundo, que não se tenha conhecimento dela segundos depois através dos mass - media. Tudo isto conduz a um questionamento permanente do saber e leva à relatividade do conhecimento: “vamo-nos aproximando cada vez mais do longínquo” (Heidegger). Temos a desconstrução, o vazio e o efémero. O homem é o agente principal desta mudança e também o seu principal visado. A História “ciência dos homens no tempo” vai a partir de meados do século, reflectir esta mudança. A concepção de História muda porque o mundo muda. Que reflexos terão estas mudanças na Museologia?

DECLARAÇÃO DE QUEBEC: PRINCÍPIOS DE BASE DE UMA NOVA MUSEOLOGIA, 1984

Declaração de Quebec
Fonte: Edições Universitárias Lusófonas Publicador: Edições Universitárias Lusófonas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.45%
Um movimento de nova museologia tem a sua primeira expressão pública e internacional em 1972 na "Mesa-Redonda de Santiago do Chile" organizada pelo ICOM. Este movimento afirma a função social do museu e o carácter global das suas intervenções.

Reflexões sobre a nova museologia

Santos, Maria Célia Teixeira Moura
Fonte: Edições Universitárias Lusófonas Publicador: Edições Universitárias Lusófonas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.45%
Foi com grande satisfação que aceitei o convite para integrar o corpo docente do Curso de Especialização do MAE/USP. Acompanhei, durante anos, o esforço dos profissionais dessa instituição no sentido de instalar um Curso de Museologia, dando continuidade às ações da Profa. Waldisa Rússia, que, como pioneira, no estado de São Paulo, iniciou as reflexões em torno da produção do conhecimento na área da Museologia, no Curso instalado no Instituto de Sociologia e Política, capacitando vários profissionais, que, hoje, com empenho e profissionalismo, vêm contribuindo, de maneira significativa para o enriquecimento da Museologia em nosso País.

O paradoxo do termo avaliação em museus : Um problema da maior relevância para a museologia contemporânea

Victor, Isabel
Fonte: Edições Universitárias Lusófonas Publicador: Edições Universitárias Lusófonas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.4%
Encontramo-nos actualmente diante de um paradoxo: enquanto o conceito de museu tem sido reexaminado de maneira critica ao nível da museologia – a ponto de ter gerado um novo paradigma que veio “revolucionar” o sentido da palavra Museu e encontrou na designada Nova Museologia outras semânticas, outros conceitos que geraram formas alternativas de descrever e nomear as suas práticas e procedimentos, obrigando a cooptar para o léxico museológico termos como: Processo; comunidade; participação; território; desenvolvimento; cidadania, entre outras palavras, que têm sido progressivamente incorporadas no discurso museológico contemporâneo com eficácia comunicacional, porque correspondem a conceitos e categorias assimiladas e bem definidas a partir de práticas. Em relação ao termo avaliação tal não se verifica porque, quanto a este, existe uma evidente dissonância entre o conceito, a forma de o nomear e a operacionalidade das ferramentas avaliativas.

A Nova Museologia e os Movimentos socais em Portugal

Leite, Pedro Pereira
Fonte: Repositório Científico Lusófona Publicador: Repositório Científico Lusófona
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
66.81%
Os primeiros anos do novo milénio trouxeram para a história dos movimentos sociais novas formas de organização, novas ideias e novos protagonistas. Qual o lugar da museologia social em Portugal no âmbito destes movimentos sociais é a linha que nos orienta neste artigo? Em Portugal constitui-se em 1985 o Movimento Internacional para Uma Nova Museologia, um grupo de reflexão sobre os processos e as praticas duma museologia comprometida com as comunidades e com os territórios. Tal sucedeu devido à vitalidade dessa museologia social, em grande parte herdada da intensa atividade dos movimentos sociais iniciado com o processo revolucionais de 25 de Abril de 1974. Este artigo procura inventariar de que forma esta museologia social está a traduzir os movimentos sociais contemporâneos em Portugal. Portugal é hoje um Estado com uma soberania partilhada, usado como modelo para a aplicação das políticas de austeridades defendidas pelo Fundo Monetário Internacional, que se traduzem num desmantelamentos das políticas sociais e culturais do Estado Social, defendendo-se sua substituição por iniciativas corporativas Iremos abordar sucessivamente os movimentos sociais contemporâneos, identificar o que está a acontecer no campo da museologia social em Portugal...

A Miséria da Museologia em Portugal

Leite, Pedro Pereira
Fonte: Repositório Científico Lusófona Publicador: Repositório Científico Lusófona
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.67%
Os primeiros anos do novo milénio trouxeram para a história dos movimentos sociais novas formas de organização, novas ideias e novos protagonistas. Qual o lugar da museologia social em Portugal no âmbito destes movimentos sociais é a linha que nos orienta neste artigo? Em Portugal constitui-se em 1985 o Movimento Internacional para Uma Nova Museologia, um grupo de reflexão sobre os processos e as praticas duma museologia comprometida com as comunidades e com os territórios. Tal sucedeu devido à vitalidade dessa museologia social, em grande parte herdada da intensa atividade dos movimentos sociais iniciado com o processo revolucionais de 25 de Abril de 1974. Este artigo procura inventariar de que forma esta museologia social está a traduzir os movimentos sociais contemporâneos em Portugal.; FCT, MINOM

O social como objecto da museologia

Primo, Judite Santos
Fonte: Edições Universitárias Lusófonas Publicador: Edições Universitárias Lusófonas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.45%
A noção do social passou a ganhar forma como objeto de estudo da museologia a partir dos anos de 70 do século XX. As transformações socias, políticas, culturais, educativas e económicas que se desencadearam ao longo da segunda metade do século XX foram motores para as mudanças no campo teórico-metodológico da Museologia. O Movimento de Nova Museologia ganhou força em quase todo o mundo Ocidental, propondo e realizando ações e interações museológicas que objetivava a transformação do Museu- Templo para a consolidação do Museu-Fórum (Cameron, 1971), convocando os sujeitos sociais a resistirem aos determinismos da História dos heróis e do passado glorioso e a intervirem ativamente em prol de um presente social e culturalmente transformador.; The notion of social started to take shape as an object of study of museology from the 70 years of the twentieth century. The social, political, cultural, educational and economic transformations that have been unleashed throughout the second half of the twentieth century were engines for the changes in the theoretical-methodological field of Museology. The New Museology Movement gained strength in almost all of the Western world, proposing and carrying out actions and interactions that aimed to transform the museum-Temple to the consolidation of the Museum-Forum (Cameron...

O Museu do MST e a emergência de uma nova museologia

Chaves, Maria
Fonte: Edições Universitárias Lusófonas Publicador: Edições Universitárias Lusófonas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.52%
O artigo trata da emergência no Brasil de um novo tipo de museu : o Museu do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Discutiremos o seu sentido bem como a necessidade e a importância social e política que este museu pode ter para o país. Mostraremos que desta nova concepção de museu, surge também uma nova museologia.; The article deals with the emergence in Brazil of a new type of museum: the Museum of the Landless Rural Workers Movement (MST). We discuss this sense as well as the social and political need and eplain that this type of museums may have a major significance for the country. We show that this new design museum, also emerged from the new museology.

Museus comunitários no Brasil: o Ponto de Memória Museu do Taquaril

Avelar, Luciana Figueiredo
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.45%
O Museu do Taquaril, criado em 2010, é estudado como instituição museológica contemporânea, como museu comunitário, como iniciativa impulsionada pelo setor governamental por meio da Ação-Piloto do programa Pontos de Memória, do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Com investigação realizada por meio de pesquisa documental e entrevistas, complementada por consulta a outras fontes, são descritos e analisados: o contexto de surgimento do Museu do Taquaril, etapas e processos de sua criação e de seu estabelecimento, desafios enfrentados e perspectivas para sua continuidade. O estudo é feito a partir de revisão de literatura sobre o desenvolvimento, a transformação e a diversificação dos museus no ocidente, observados como ferramentas utilizadas em processos sociais de construção de memórias e afirmação de identidades. São focalizados a chamada nova museologia e o surgimento em anos recentes de museus de cunho social, associados ao atendimento mais democrático de interesses da sociedade. É abordado o contexto nacional atual de implementação de políticas culturais inclusivas e de uma política pública nacional específica para o setor museal. Observa-se que a trajetória do Museu do Taquaril, iniciativa inserida nesse cenário...

Mulheres Artistas em Revolução: museologia, feminismo e arte

Godinho, Julia Moura
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: 119 f.
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.62%
TCC(graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Museologia; Este estudo, inserido em um quadro de pesquisas desenvolvido no Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades, da Universidade Federal de Santa Catarina, analisa as intersecções entre o movimento feminista na arte e o pensamento contemporâneo em Museologia através da ótica de gênero. Tanto o movimento feminista na arte – surgido nos meados da década de 1960, com a chamada segunda onda do feminismo –, quanto os princípios base da Museologia Social e da Nova Museologia – elaborados durante a Mesa-Redonda de Santiago do Chile em 1972, e da Declaração de Quebec em 1984, respectivamente –, estão inseridos no pano de fundo dos movimentos pelos direito civis das/os negras/os nos Estados Unidos, dos movimentos anti-guerra, o Movimento Homossexual e a resistência aos regimes ditatoriais na América Latina. Contexto este marcado por uma nova ordem geopolítica com profundas desigualdades sociais, políticas, culturais e econômicas acirradas pela regionalização do espaço geográfico mundial durante o período da Guerra Fria (1945 – 1991). Esta localização espaço-temporal nos permite pensar sobre a forma na qual a produção contemporânea feminista tem sido incorporada...

Nova museologia : os pontapés de saída de uma abordagem ainda inovadora

Duarte, Alice
Fonte: Universidade do Porto Publicador: Universidade do Porto
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.45%
The New Museology is a movement of a wide theoretical and methodological range, whose position is still crucial for the effective renovation of all the museums of the 21st century. Today, the clarity of the term seems weak, and more so because of the proliferation of other designations: critical museology, postmodern museology, sociomuseology... The word "ecomuseum" was created by H. de Varine-Bohan to translate a set of new ideas developed by G. H. Rivière. New Museology gains one of its keywords, but it is very limitative to identify the movement of New Museology exclusively with the dynamics of the ecomuseum. In this article I intend to clarify the most important strands of the New Museology, claiming that there is no need to make up a new designation. We shall keep with "New Museology", since its guidelines support either the renovation begun in the 1960s, or the yet much craved renovation of the 21st century museum.

A museologia na ilha de São Miguel : 1974-2008

Sousa, Sílvia Maria Borba Fonseca e
Fonte: Universidade dos Açores Publicador: Universidade dos Açores
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 30/06/2010 POR
Relevância na Pesquisa
46.4%
Dissertação de Mestrado em Património, Museologia e Desenvolvimento; "[…]. No século XX, a partir da década de setenta, e à semelhança do que aconteceu por todo o país, nos Açores assistiu-se a um acentuar da consciência e valorização patrimoniais, que se reflectiram em novas experiências museológicas locais. De registar o papel de relevo que assumiram desde logo a Universidade dos Açores e as autarquias, na salvaguarda e valorização do património cultural. Em São Miguel, a maior ilha do arquipélago dos Açores, situada no grupo oriental, esta realidade é marcante, verificando-se, desde a década de setenta do século XX, um acentuado crescimento por toda a ilha de instituições de carácter museológico. Será portanto no período de 1974 a 2008, que centraremos a nossa análise, considerando o conjunto de espaços museológicos existentes no contexto micaelense. Da diversidade de realidades que encontrámos em São Miguel, e independentemente da sua designação, considerámos aquelas que se enquadravam no âmbito do conceito de museu, segundo as orientações do International Council of Museums (ICOM), e da Lei-quadro dos museus portugueses, tendo ainda em conta as recentes orientações da Nova Museologia. Ou seja...

O estágio. Curso de conservadores de Museu no Museu Nacional de Arte Antiga - O papel educativo do MNAA na museologia portuguesa

Rocha, Ema Ramalheira
Fonte: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa Publicador: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /07/2013 POR
Relevância na Pesquisa
46.53%
Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Museologia; O Estágio de Conservadores de Museu, criado em 1932 sob a alçada do primeiro Director do Museu de Arte Antiga, José de Figueiredo, formou, durante cerca de 40 anos, duas gerações de conservadores de museus e património em Portugal. Conferindo ao Museu o título de normal, o Estágio proporcionava aos seus alunos a prática e o quotidiano do funcionamento de um Museu. Seguindo de perto o modelo francês da École du Louvre, o estágio fundamentava-se em sessões teóricas de História da Arte e em tarefas práticas relacionadas com as colecções do museu, destinadas a cada um dos tirocinantes. As mudanças estruturais sofridas pelo estágio, mais tarde denominado curso, aconteceram especialmente às mãos do segundo Director, João Couto, figura fulcral da Educação Artística em Portugal. O Museu das Janelas Verdes evoluiu e tornou-se num verdadeiro Museu-escola. Com este Director foi criado o Arquivo Museológico, ferramenta essencial das aulas de Museologia. Este Arquivo, prova da abertura do MNAA à museologia internacional; integra-se hoje no Arquivo Fotográfico do Museu. O trabalho arquivístico deste fundo documental...

A Miséria da Museologia: Reflexões sobre a museologia social em Portugal

Leite, Pedro Pereira
Fonte: Marca D'Agua Publicador: Marca D'Agua
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.68%
Os primeiros anos do novo milénio trouxeram para a história dos movimentos sociais novas formas de organização, novas ideias e novos protagonistas. Qual o lugar da museologia social em Portugal no âmbito destes movimentos sociais é a linha que nos orienta neste artigo? Em Portugal constitui-se em 1985 o Movimento Internacional para Uma Nova Museologia, um grupo de reflexão sobre os processos e as praticas duma museologia comprometida com as comunidades e com os territórios. Tal sucedeu devido à vitalidade dessa museologia social, em grande parte herdada da intensa atividade dos movimentos sociais iniciado com o processo revolucionais de 25 de Abril de 1974. Este artigo procura inventariar de que forma esta museologia social está a traduzir os movimentos sociais contemporâneos em Portugal.; FCT, MINOM, CES, Casa Muss-amb-ike

Decifrando Conceitos em Museologia: Entrevista com Mário Caneva Moutinho

Carvalho, Ana
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.64%
Mário Caneva Moutinho fez a sua formação em Paris, primeiro em Arquitectura e depois com um doutoramento em Antropologia Cultural (1983). Ao voltar a Portugal na década de 80 deu-se a descoberta pelo património local, pela procura de soluções na defesa e resgate desse património que o vai levar até ao mundo dos museus. A reflexão sobre os museus e o seu papel na sociedade levou-o a tomar partido de abordagens menos convencionais, conhecidas então como Nova Museologia. É no mundo académico que tem feito carreira, sendo um dos precursores da introdução da Museologia como curso universitário de pós-graduação em Portugal. É desde 2007 reitor da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Lisboa), cargo que ocupa com perseverança em tempo de crise(s). Foi no seu local de trabalho habitual que encontrámos Mário Caneva Moutinho para esta entrevista.

Efeito marco. As mediações do patrimônio e a competência antropológica

Padiglione, Vincenzo
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Antropolgia Social da UFSC Publicador: Programa de Pós-Graduação em Antropolgia Social da UFSC
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Avaliado por Pares; Formato: application/pdf
Publicado em 28/12/2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.53%
http://dx.doi.org/10.5007/2175-8034.2012v14n1-2p57O artigo problematiza a noção de mediação do patrimônio à luz de uma virada de caráter reflexivo que está transformando a antropologia e a museologia. Na primeira parte, são apresentadas e interpretadas três concepções de patrimônio cultural (meta-histórica, disciplinar, hermenêutica), como elas são identificadas nas representações e práticas dos diferentes atores. A segunda parte propõe critérios específicos para o conceito de mediação dentro da Nova Museologia (dupla descrição, cortesia cósmica, o reconhecimento da mediação), que são valorizados na perspectiva etnográfica e na museologia colaborativa.

Decifrando Conceitos em Museologia: Entrevista com Mário Caneva Moutinho

Carvalho, Ana; Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora
Fonte: Revista Museologia & Interdisciplinaridade Publicador: Revista Museologia & Interdisciplinaridade
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 09/12/2015 POR
Relevância na Pesquisa
66.67%
Mário Caneva Moutinho fez a sua formação em Paris, primeiro em Arquitectura e depois com um doutoramento em Antropologia Cultural (1983). Ao voltar a Portugal na década de 80 deu-se a descoberta pelo património local, pela procura de soluções na defesa e resgate desse património que o vai levar até ao mundo dos museus. A reflexão sobre os museus e o seu papel na sociedade levou-o a tomar partido de abordagens menos convencionais, conhecidas então como Nova Museologia. É no mundo académico que tem feito carreira, sendo um dos precursores da introdução da Museologia como curso universitário de pós-graduação em Portugal. É desde 2007 reitor da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Lisboa), cargo que ocupa com perseverança em tempo de crise(s). Foi no seu local de trabalho habitual que encontrámos Mário Caneva Moutinho para esta entrevista.

A trajetória do ensino da Museologia no país

Tanus, Gabrielle Francinne de S.C; Universidade Federal de Minas Gerais
Fonte: Revista Museologia & Interdisciplinaridade Publicador: Revista Museologia & Interdisciplinaridade
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 22/05/2013 POR
Relevância na Pesquisa
46.55%
Este artigo sistematiza por meio de uma revisão de literatura a trajetória do ensino da Museologia no país. Objetiva-se com esta revisão traçar o caminho da Museologia, desde o primeiro curso até os dias de hoje, visando demonstrar as influências e os acontecimentos ao longo da história. Considera-se momento oportuno para refletir sobre a história do ensino, haja vista o crescimento significativo dos cursos de Museologia, na última década, o que conduz seu ensino a uma nova fase intitulada “acadêmico-institucional”. Enfim, espera-se despertar nos interessados, sobretudo, nos futuros museólogos, o desejo por uma contínua reflexão do ensino e do campo científico da Museologia.