Página 1 dos resultados de 14198 itens digitais encontrados em 0.011 segundos

Os estudantes de Enfermagem perante a morte dos seus doentes

Gomes, Odília da Quinta
Fonte: [s.n.] Publicador: [s.n.]
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
36.91%
Projeto de Graduação apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Licenciada em Enfermagem; O avanço científico trouxe novas características à morte a ao processo de morrer, sendo que daí resultou um envolvimento cada vez maior dos profissionais de saúde com a fase final da vida dos seus pacientes. Mas os profissionais de saúde estão, sobretudo, vocacionados para a recuperação e para a cura dos doentes, para prolongar da vida. Esta orientação da prestação de cuidados para um modelo biomédico curativo faz com que a morte seja considerada como uma derrota das técnicas modernas de tratamento. O contributo de um trabalho deste género na formação académica e profissional de um enfermeiro será, sem dúvida, importante uma vez que a morte faz parte do ciclo da vida e de deste modo implica um peso muito grande na formação global do curso de base de enfermagem que merece uma atenção em particular. Daí que a reflexão sobre esta problemática pareça oportuna e pertinente, considerando que os alunos de enfermagem, no seu processo de cuidar, ao longo dos Ensinos Clínicos, confrontam-se com experiências inevitáveis relacionadas com o fim de vida de quem cuidam. O presente trabalho...

"O processo de morte e morrer da criança e do adolescente: vivências dos profissionais de enfermagem" ; The process of death and dying of a child/adolescent: revelations of nursing professionals.

Zorzo, Juliana Cardeal da Costa
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 27/02/2004 PT
Relevância na Pesquisa
36.83%
Passamos por um período de grandes descobertas para a ciência, mas o homem ainda continua sem desvendar o processo de morte e morrer. A morte ainda é um grande mistério que o amedronta; é vista como um tabu, tema interditado e fracasso profissional. Partindo do pressuposto de que os profissionais de enfermagem têm preparo insuficiente para lidar com pacientes em iminência de morte, traçamos como objetivo desse estudo: investigar como os profissionais de enfermagem vivenciam o processo de morte e o morrer das crianças/adolescentes hospitalizados, onde buscam preparo e apoio para enfrentar essa perda e identificar que tipo de apoio eles oferecem à família durante o processo de morte e morrer de seus filhos. Pela natureza dos objetivos propostos, este estudo é de natureza qualitativa. Os participantes são enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem que trabalham em clínicas com leitos pediátricos de um hospital-escola do interior do estado de São Paulo, que tenham vivenciado o processo de morte e morrer das crianças/adolescentes que estiveram sob seus cuidados. Os dados empíricos foram coletados mediante entrevista e organizados em três temas: enfrentando a morte, estratégias de apoio e luto da equipe. Os resultados indicam que os profissionais de enfermagem negam a morte nos hospitais e acreditam que sua função é salvar vidas; oferecem apoio afetivo e emocional às famílias; buscam apoio principalmente na equipe de trabalho e na família e vivem o luto pela morte de seus pacientes. Concluímos...

A construção do "ser médico" e a morte: significados e implicações para a humanização do cuidado; The building of the ?doctor being? and the death: meanings and consequences to care humanization

Silva, Georgia Sibele Nogueira da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 14/02/2007 PT
Relevância na Pesquisa
36.84%
A partir da narrativa de médicos em processo de formação, buscou-se compreender o processo de construção do ser médico e sua relação com o fenômeno da morte, com a finalidade de investigar em que medida essa relação contribui para promover o distanciamento entre as tecnociências médicas e os processos dialógicos do cuidar no cotidiano da prática médica. Realizou-se uma pesquisa qualitativa com estudantes de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, escolhidos entre todos os períodos de formação (do primeiro ano à residência médica). A Fenomenologia Existencial, a Hermenêutica Gadameriana e a Teoria da Ação Comunicativa, de Habermas, constituem a base filosófica do trabalho de produção e interpretação das narrativas. Para a produção das narrativas foram combinadas duas estratégias tecno-metodológicas: entrevistas em profundidade com roteiro e oficinas com utilização de cenas projetivas, objetivando maior profundidade e segurança na análise interpretativa. Os resultados foram agrupados em sete categorias temáticas: 1) Concepções sobre ser médico; 2) Concepções sobre a Morte; 3) Concepções dos estudantes/residentes sobre o enfrentamento do processo de morte de um paciente; 4) Abordagem da morte; 5) Anatomia e a iniciação médica; 6) O encontro com a morte encenada; 7) Desejos de mudanças na educação médica. As análises e reflexões desenvolvidas apontam que o ser médico compreende o ideal de ser um bom médico...

As muitas vozes da morte: uma leitura da poesia de Ferreira Gullar; The many voices of death: a reading of Ferreira Gullar's poetry

Paiva, Carlyne Cardoso de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 17/04/2009 PT
Relevância na Pesquisa
36.83%
Nas obras iniciais (A Luta Corporal, 1953 e O Vil Metal, 1960) de Ferreira Gullar, o tema da morte na poesia de Ferreira Gullar conflui para uma reflexão sobre a transitoriedade dos seres e objetos perante a inexorabilidade do tempo. Nos Poemas de Cordel (1962-1967) e Dentro da Noite Veloz (1975), o poeta, com vestígios de sua poesia engajada, dá voz, identidade e nome ao homem comum que vive na sociedade e conseqüentemente à morte deste homem considerado trivial pelo meio em que está inserido, remetendo-nos à maneira como o início do século XX é diagnosticado por Ariès (1977): o período em que a morte se esconde, e que ele denomina como sendo a morte invertida. Desde então a sociedade expulsa a morte dos cidadãos comuns, sobrando apenas reverências aos homens de Estado. Gullar também denuncia a falta de atenção e desvelo da sociedade para com o homem sem status social. Em sua contestação, o poeta imortaliza, nomeia e dá identidade ao cidadão anônimo, que passa a ter voz no poema. Para preservar-se de uma ameaça de aniquilação pessoal, Gullar concebe o Poema Sujo (1975), composto de memória, perda, elaboração do mundo perdido e amor à vida. A partir de então, o tema da morte passa a ser cada vez mais constante na poética de Gullar. Não somente com a ameaça da própria morte...

Revisão documental da literatura científica sobre educação para a morte a docentes e discentes de enfermagem; Documentary review of scientific literature about death education for teachers and students of nursing.

Santos, Janaina Luiza dos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 26/01/2010 PT
Relevância na Pesquisa
36.84%
A Morte, ao menos na grande maioria das culturas do Ocidente, seja por questões pessoais, sociais, e/ou religiosos não se apresenta como tema preferido dos cidadãos, tampouco costuma ser tratada com naturalidade. Mas, se é assim, como se apresentam aqueles que todos os dias, por força do seu ofício, precisam conviver e enfrentar a questão da Morte? Qual o significado que ela assume para esses profissionais? Seriam essas pessoas diferentes das demais? Elas não se importariam com a Morte, do mesmo modo que a maioria das pessoas? Não seriam seres humanos? Por tantas interrogações, objetivamos então, levantar dados da literatura científica identificando como a temática morte vem sendo abordada na formação acadêmica de Enfermagem. A metodologia utilizada foi à qualitativa, com um estudo exploratório documental, caracterizando-se na pesquisa bibliográfica. As bases de dados acessadas foram MEDLINE, LILACS, BIREME, SCIELO, BDENF e a Biblioteca Central de Ribeirão Preto-USP, durante um período de cinco anos (2005, 2006, 2007, 2008, 2009). Utilizamos como palavras chave: "Educação a Morte e o morrer e Docente e discente de Enfermagem, Morte e o morrer" As buscas se deram no período de julho a outubro de 2009. Foram encontrados 12 artigos em periódicos com qualis A1...

A visão da morte e do morrer dos profissionais da saúde de um hospital universitário terciário e quaternário de São Paulo; The vision of death and dying healthcare professionals of a university hospital tertiary and quaternary São Paulo

Cezario, Edenise Piccoli
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 09/08/2012 PT
Relevância na Pesquisa
36.86%
Objetivo: A morte, que pode ainda ser considerada um tema tabu, e como os profissionais da saúde lidam com ela é algo a ser explorado neste estudo que o trata através de uma investigação com entrevistas à profissionais da medicina e enfermagem das Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital universitário terciário e quaternário de São Paulo com o objetivo de apurar a visão da morte e do morrer face às atitudes propostas pela Dra. Elisabeth Kubler-Ross. Métodos: A metodologia se baseou em uma análise qualitativa de conteúdo dos dados apurados. Foram entrevistados 51 sujeitos dentre os quais 12 que não desejaram participar do estudo alegando não querer falar sobre morte. A pesquisa transcorreu entre os meses de outubro à dezembro de 2011 nas dependências das UTIs e foi previamente aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Humanos. Também foram apurados dados sociodemográficos como sexo, idade, tempo de trabalho em UTI, se o entrevistado segue alguma filosofia religiosa e se tem algum conhecimento em cuidados paliativos. Na entrevista buscou-se detalhar a visão da morte dos profissionais segundo o que pensam sobre morte, como lidam com a morte, se gostariam de fazer ou dizer algo para quem está morrendo...

Estudo das alterações microcirculatórias e da evolução do processo inflamatório em modelo de morte encefálica em ratos; Study of microcirculatory alterations and evolution of inflammatory process in a brain death rat model

Simas, Rafael
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 02/05/2013 PT
Relevância na Pesquisa
36.84%
INTRODUÇÃO: Estudos indicam que a morte encefálica está associada com alterações hemodinâmicas, hormonais e inflamatórias, comprometendo a viabilidade dos órgãos para o transplante. Porém, é necessário esclarecer quais destas alterações são decorrentes da morte encefálica e quais são devidas ao trauma associado. Este estudo tem por objetivo avaliar a microcirculação mesentérica, quantificar marcadores sistêmicos da resposta inflamatória, e analisar as alterações histopatológicas em ratos submetidos à morte encefálica comparados com ratos falso-operados. MÉTODOS: Ratos Wistar machos (300 50 g), anestesiados com isoflurano (5-2 %), foram intubados e mecanicamente ventilados (10 mL/kg, 70 ciclos/min). Através de uma trepanação, um cateter Fogarty® 4 F foi inserido no espaço intracraniano e rapidamente insuflado com 500 L de água para indução da morte encefálica. Após a indução da morte encefálica o anestésico foi retirado e os animais receberam solução salina 0,9 % endovenosa (2 mL/h). Animais falso-operados foram apenas trepanados. Pressão arterial média e frequência cardíaca foram monitoradas ao longo de todo tempo de experimento. Após 30, 180 ou 360 min, foram avaliados os seguintes parâmetros: 1) avaliação da perfusão e interação leucócito-endotélio na microcirculação mesentérica por técnica de microscopia intravital; 2) expressão de moléculas de adesão endoteliais (P-selectina e ICAM-1) por imunohistoquímica; 3) quantificação das citocinas (TNF-?...

Avaliação dos efeitos da anestesia peridural torácica sobre as alterações miocárdicas associadas à morte encefálica: estudo experimental; Assessment of the effects of thoracic epidural anesthesia on myocardial changes associated with brain death: an experimental study

Silva, Isaac Azevedo
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 03/05/2013 PT
Relevância na Pesquisa
36.83%
INTRODUÇÃO: Atualmente, a maior limitação ao transplante cardíaco, em todo o mundo, é a escassez de doadores cujo número está sempre aquém do número de pacientes portadores de doença cardíaca terminal, e esse hiato fica ainda maior pelo fato de cerca de 25 % dos corações doados não serem utilizados, por estarem acometidos por acentuada disfunção. A descarga catecolaminérgica associada à morte encefálica poderia ser um dos elementos implicados nesta disfunção. Assim, intervenções terapêuticas com intuito de minimizar o exacerbado estímulo simpático visam, em última instância, ampliar a oferta de órgãos para o transplante. OBJETIVOS: Investigar a hipótese de que a anestesia peridural torácica seja capaz de bloquear a tempestade autonômica inerente à morte encefálica por hipertensão intracraniana aguda, minimizando as alterações hemodinâmicas, reduzindo a resposta inflamatória e, por conseguinte, melhorando a condição do enxerto. MÉTODOS: Ratos Wistar machos (250-350 g) anestesiados (isoflurano 5 %) e monitorados continuamente para o registro da pressão arterial média foram submetidos à inserção de cateter no espaço peridural em nível torácico e, em seguida, submetidos à morte encefálica por hipertensão intracraniana aguda pela xxi insuflação de um cateter de Fogarty® introduzido por trepanação. Os animais (n = 28) foram alocados em 4 grupos: grupo salina - infusão de 20 uL de solução salina pelo cateter peridural antes da indução da morte encefálica; grupo bupi-pré - infusão de 20 uL de solução de bupivacaína a 0...

A morte e os vivos: um estudo comparativo dos sistemas tanatológicos Linense e Bororo e suas interveniências nas interações sociais nestes dois grupos sociais; Death and the living: a comparative study on the thanatological systems Linense and Bororo and their interveniences in social interactions in both social groups

Caputo, Rodrigo Feliciano
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 11/04/2014 PT
Relevância na Pesquisa
36.83%
Boa parte (senão todos) os fundamentos culturais de uma sociedade convergem em seu modo particular e sistemático de lidar com a morte, formulando prescrições técnicas e simbólicas que estabelecem códigos de conduta, instituem papéis profissionais etc., de modo a integrar a morte à realidade social e garantir a restauração da vida comunitária após a morte de um ou alguns de seus membros. Mas tais prescrições operam muito além dos momentos de luto e, de fato, condicionam largamente todas as interações sociais que compõem a vida cotidiana das pessoas - por isto mesmo, os sistemas de lida com a morte apresentam grande interesse para a Psicologia Social, embora venham sendo estudados incipientemente neste campo. O presente estudo visa contribuir para o necessário aprofundamento conceitual e metodológico sobre o assunto, primeiramente através da delimitação de campo dos sistemas de lida com a morte, a descrição de suas estruturas e funcionalidades e o estabelecimento de uma terminologia clara, já que estes sistemas têm sido nomeados na literatura especializada, indistintamente, como mortuários, tanatológicos, funerários ou necro-sistemas; adicionalmente, através do estudo comparativo de dois grupos humanos contemporâneos que apresentam características histórico culturais específicas: os moradores da cidade de Lins-SP (linenses) e os remanescentes Bororo que vivem em onze aldeias no estado de Mato Grosso. Nesta perspectiva...

A subversão da morte : um estudo antropológico sobre as concepções de morte encefálica entre médicos

Macedo, Juliana Lopes de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.85%
Este trabalho pretende explorar a construção científica do conceito de morte encefálica e a maneira como ele foi incorporado na prática médica. Até 1968, do ponto de vista biológico, o que determinava a morte do corpo era a parada cardíaca. Descobertas como o coma dépassé (um estágio de coma considerado irreversível) e o ventilador mecânico (que substitui o sistema respiratório) tornaram possível que pacientes antes considerados mortos, sobrevivessem por um período indeterminado. Aliada a esta questão, temos técnicas mais avançadas de cirurgias de transplantes de órgãos, mas um número escasso de órgãos que podem ser transplantados. Desse modo, em 1968 foi formado um Comitê pela Escola de Medicina de Harvard que definiu o coma dépassé como morte encefálica. A fim de compreender a operacionalização da morte encefálica na prática médica, foram entrevistados médicos que atuam em Unidades de Terapia Intensiva e médicos que pertencem a equipes de transplantes. Os dados obtidos junto aos informantes demonstram que a morte encefálica é um conceito envolto em ambigüidades e incoerências. A morte encefálica é referida como a morte técnica em oposição à morte natural, não significa a morte biológica do corpo...

A morte na unidade de terapia intensiva

Gonçalves, José Pedro Rodrigues
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
36.86%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-graduação em Sociologia Política; Esta pesquisa buscou descrever como é #o morrer# em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e explicar como esta morte condiciona os pacientes e impacta o trabalho dos profissionais de saúde. Foi realizada em uma UTI de adultos, no Estado de Santa Catarina. Adotou uma visão interdisciplinar que incorporou, em maior espaço, os aspectos sócioantropológicos da morte e do morrer. A observação sistemática foi a técnica utilizada para a coleta de dados, possibilitando a identificação dos fenômenos e o companhamento do processo de morrer em cada momento de suas inseparáveis etapas. A influência da morte sobre o comportamento/sentimento da equipe foi percebida nas falas de interlocutores-chaves que vivenciam cotidianamente a morte na UTI, como parte de suas profissões. A análise dos dados foi ancorada na sociologia clássica weberiana e apoiada no pensamento foucaultiano para compreender as relações de poder que se estabelecem e se entrecruzam na UTI, aqui vista como um não-lugar, incorporando a percepção da sociologia e antropologia, especialmente em Augé. Estão presentes...

Estudo do reflexo vestíbulo-ocular (RVO) : prova calórica (PC) no diagnóstico de morte encefálica

Meneses, Elienai de Alencar
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
36.82%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2008.; A revisão do conceito de morte, com base no conceito de morte encefálica, tornou-se necessária, em conseqüência da evolução científica e do desenvolvimento das ciências médicas. Mas o grande causador de impactos e fomentos de desafios éticos na comunidade cientifica foi o fato da necessidade crescente para o transplante de órgãos, forçando a criação de leis, protocolos, parâmetros e critérios na redefinição do conceito de morte. Atualmente o conceito de morte encefálica é a perda total da função encefálica e do tronco cerebral de causa conhecida. O tronco cerebral é uma parte integrativa indispensável de todas as funções vitais, e a avaliação da sua função, com a pesquisa do reflexo vestíbulo ocular (RVO) por meio da prova calórica, é descrita em todos os protocolos, parâmetros e critérios neurológicos de avaliação clínica do paciente em coma e no diagnóstico clínico de morte encefálica. O presente estudo avalia o valor preditivo da prova calórica no diagnóstico de Morte Encefálica, analisando as respostas do RVO em pacientes em coma, comparando as taxas de incidências de recuperação, estado vegetativo e morte dos pacientes com RVO presente e ausente. Foram estudados 60 pacientes em coma por causa conhecida...

Os limites da dignidade humana em As Intermitências da Morte, de José Saramago : alegoria da morte na sociedade contemporânea

Pereira, Maria da Conceição Gomes
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 04/10/2013 POR
Relevância na Pesquisa
36.82%
A confrontação do homem com a sua finitude é uma temática tão antiga quanto a consciência da sua mortalidade. A morte põe termo a um prazo inevitável que parece inscrever-se na natureza das coisas. Não há remédio que sirva para a evitar por mais que os avanços científicos e tecnológicos se constituam como solução para grandes problemas que afetam aqui e ali uma existência serena e uma felicidade constante. Pensar a morte será uma forma de aprender a viver com o conhecimento pleno da nossa condição humana. Aprender a viver com a convicção clara de que somos seres mortais, efémeros e em viagem, deverá ser entendido como uma oportunidade para crescermos em dignidade e fraternidade. Com As Intermitências da Morte percebemos que o sonho maior da espécie humana – a conquista da imortalidade – rapidamente se transforma no seu revés. O fim da morte, ao contrário de trazer prazer, traz pesadelo. Conduz ao caos, à desorientação, ao desnorte…. Consciencializamo-nos de que viver eternamente seria estar condenado a uma velhice eterna, salvo se o tempo não parasse, coisa que não acontece. Recorrendo magistralmente à alegoria, Saramago deixa claro que temos que morrer para viver. Se assim não fosse...

Representação social da morte em contexto militar

Fernandes, Pedro Daniel Macedo
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
36.89%
Aliada à existência humana, a morte tornou-se ao longo da história companheira de reflexão do Homem, torneando os seus pensamentos, percepções, atitudes e comportamentos. É postada como fonte de desesperança humana, que a morte se assume como um dos verdadeiros tabus sociais ao longo dos tempos e esta é uma problemática que se ergue no enorme vazio que medeia o acto de morrer, em que o desconhecido, a dúvida, a incerteza da senda que a morte traduz, se apresentam como uma situação incauta para o ser humano. É imersa na incapacidade de aceitação da morte como parte integrante e legítima da vida humana, na assumpção da vulnerabilidade humana perante a morte, que a sociedade dos dias de hoje procura desvanecer a sua existência, repudiando-a veemente da sua vida, numa ingénua tentativa de evitar o inevitável confronto final, no qual o Homem que desde sempre procurou a eternidade do ser, arcará o guião do eterno derrotado. A perspectiva da morte, que a própria sociedade modificou ao longo dos séculos, retirou-a do estatuto de elemento social caracterizador da espécie humana, tornando-a suja e imoral. O desenvolvimento da cultura social, aliado à evolução da qualidade de vida, modificou a forma de pensar do Homem...

Comunicação da ocorrência da morte de um doente: desafio aos Enfermeiros

Fonseca, Ana; Marques, Maria do Céu; Alminhas, Sílvia; Ferreira, Marília; Solas, Rita
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Aula
POR
Relevância na Pesquisa
36.84%
Título: Comunicação da ocorrência da morte de um doente: desafio aos Enfermeiros Autores: Ana Maria Leitão Pinto da Fonseca ( afonseca@uevora.pt ); Maria do Céu Mendes Pinto Marques; Marília do Rosário Marvão Ferreira; Rita Carina Real Solas e Sílvia Manuela Pação Alminhas Introdução: A transposição da morte de casa para o hospital conduziu a novas implicações e preocupações por parte dos profissionais de enfermagem que com ela se confrontam diariamente. Este confronto com a morte, bem como, a necessidade de comunicar a sua ocorrência à família e às pessoas significativas representam um desafio para o enfermeiro. Pois, o temor de causar sofrimento adicional constitui a comunicação sobre a morte como uma “tarefa de ninguém”. Objetivos: Conhecer as representações sociais construídas por enfermeiros acerca da comunicação da ocorrência da morte de um doente a familiares/pessoas significativas. Compreender a relação entre os componentes da estrutura das representações sociais da comunicação da ocorrência da morte de um doente a familiares/pessoas significativa, na perspectiva dos enfermeiros. Metodologia: Realizou-se um estudo exploratório, cuja amostra foi constituída por 35 enfermeiros. Recolheram-se dados através de questionário...

Ansiedade perante a morte em estudantes de enfermagem: Estudo exploratório

Brito, Ana Maria Duarte
Fonte: Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2003 POR
Relevância na Pesquisa
36.91%
Dissertação de Mestrado em Psicopatologia e Psicologia Clínica; O objectivo deste trabalho centra-se na investigação e análise da ansiedade perante a morte em futuros profissionais da saúde, nomeadamente em estudantes universitários do curso de enfermagem. Sendo a morte considerada por muitos autores como o grande tabu do séc. XX/XXI numa primeira fase faz-se uma análise histórica dos aspectos mais sociológicos da morte. Numa segunda fase abordam-se os aspectos psicológicos e o medo perante a morte. O medo da morte é universal e pode ser detectado em todas as culturas, nas diversas crenças religiosas, em todas as idades e em ambos os sexos. Abrange múltiplos aspectos sendo que cada um deles poderá provocar mais medo em diferentes pessoas. A questão básica do presente trabalho é a de como se coloca perante a morte o estudante de enfermagem que no futuro lidará profissionalmente com a morte dos outros. A partir destes pressupostos, procurou-se estudar o medo da morte em estudantes de enfermagem, utilizando como instrumento de medida a Escala Multidimensional para Medir o Medo da Morte (EMMM) de Hoelter que foi aplicada em diversas escolas de enfermagem de Lisboa. Esta escala é constituída por oito sub-escalas...

Instituições de saúde e a morte: Do interdito à comunicação

Kovács,Maria Júlia
Fonte: Conselho Federal de Psicologia Publicador: Conselho Federal de Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2011 PT
Relevância na Pesquisa
36.83%
Este artigo discute a comunicação sobre a morte em instituições de saúde, e foi baseado nos dados de uma pesquisa que teve os seguintes objetivos: verificar como é a comunicação sobre a morte em instituições de saúde e residenciais para idosos, as dificuldades que os profissionais de saúde que trabalham nessas instituições apresentam em relação à comunicação sobre a morte, analisar os filmes do projeto Falando de Morte como elementos facilitadores na comunicação sobre a morte e propor e analisar grupos de reflexão e discussão sobre o tema com profissionais de saúde nas instituições mencionadas. Utilizou-se a modalidade da pesquisa-ação. Em atividades didáticas e em grupos de reflexão, foram aplicados questionários que envolviam esse assunto nas instituições pesquisadas. Os dados mostraram que cabe ao médico, e não à equipe, falar sobre a morte com pacientes e familiares. Os médicos não se sentem preparados para abordar o tema da morte, que é visto como tarefa de ninguém, já que é função de profissionais de saúde manter a vida. Nas instituições para idosos, o tema é interdito. Os profissionais afirmam que não é sua função falar sobre a morte com idosos porque esse assunto causa sofrimento. Ter preparo para falar sobre morte ajudaria a compreender e a cuidar melhor dos idosos. Os filmes do projeto Falando de Morte foram analisados e considerados instrumentos facilitadores na preparação de profissionais de saúde no cuidado a pessoas que vivem situações de perdas e de morte.

A impossibilidade de morrer e a desconstrução da morte: Blanchot e Derrida

Milone, Jerônimo de Camargo
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Dissertação de Mestrado
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
36.82%
Esta dissertação trata de elencar subsídios para uma interpretação a respeito da morte na obras de Maurice Blanchot e Jacques Derrida. Os pontos de pertinência em cuja tese se desdobra são os seguintes. Primeiramente, a pertinência da morte dentro do pensamento blanchotiano, destacando suas relações ao pensamento de Hegel, Heidegger e Bataille, abordando, principalmente, “La littérature et le droit à la mort”. Neste sentido, a dissertação trata de apresentar argumentos que demonstram uma separação de Blanchot às interpretações sobre a morte nos autores citados, inserindo sua pertinência maior na discussão com Derrida e, de certo modo, com Levinas – perspectiva tomada, sobretudo, de L’entretien infini e L’écriture du désastre.Em seguida apresenta-se, detidamente em Derrida, a crucialidade da morte para o desenvolvimento em sentido lato do pensamento derridiano e da desconstrução. Assim, trata-se de destacar os argumentos derridianos, em setores parcialmente diversos da sua obra, para evidenciar a estreita ligação da desconstrução com uma crítica da morte e da apreensão filosófica do pensamento da morte como atributo arquétipo de uma sensificação que legitima o discurso conceitual. Neste ponto...

O discurso formativo do Biólogo sobre a morte: matizes e metáforas do saber que o sujeito não deseja saber

Santos, Valdecí dos
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Educação; Educação Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Educação; Educação
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.87%
This study - Biologist s formative speech about death. Nuances and metaphors from knowing that the subject of do not want to know - shows a marginal cognitive construction in scientific education from biologist - death. It considered as obvious that death is a theme that covers both the scientific education from biologist and the division of the subject, and concerns the splitting of the double life-death and the principles of inclusion and exclusion of the subject. Part of sensitive question: What is the epistemological weave who supports biologist's speech about death? It is constituted an object of study of the biologist s speech on death. It is advocated the thesis that: Death is an epistemological obstacle announcing for something always aims to escape from the perspective of knowledge, especially of scientific knowledge because, since it is understood as cognitive learning about the disruption of biological phenomenon life which is involved on weave of imaginary and symbolic constructions about the finiteness of life; it has constituted a metaphorical knowing - encouraged by the noisy silence - which does not allow to know in full, mobilizing hence subject in searching for transitional truths that reduce the ontological being-mortal anguish centered in subjective dimension involved in the act of knowing. From this movement of search that the object mental life after death wins a symbolic value that requires a real-looking multi-referential for the study of biology - life - and its implications: the finiteness of life...

O enfrentamento da equipe de enfermagem no processo de morte e morrer do paciente

Borges, Tânia Regina Costa
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Monografia de Curso de Pós-graduação Lato Sensu
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.87%
Monografia apresentada à Diretoria de Pós-graduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC, para a obtenção do título de Especialista em Assistência de Enfermagem em Urgência e Emergência.; O presente estudo teve como objetivo conhecer o enfrentamento da equipe de enfermagem no processo de morte e morrer do paciente em emergência. A pesquisa caracterizou-se como qualitativa, exploratória-descritiva e de campo. Participaram da pesquisa oito profissionais da equipe de enfermagem da emergência de um Hospital de grande porte de Alta Complexidade da Região Sul de SC. Os dados foram analisados pela categorização de dados. As categorias temáticas norteadoras do estudo perpassaram a capacitação em tanatologia; concepção de morte; assistência de enfermagem ao paciente e familiar em processo de morte e morrer na emergência; a morte mais impactante; sentimentos frente ao processo de morte e morrer do paciente e frente ao familiar; enfrentamento da equipe de enfermagem no processo de morte e morrer do paciente; preparo da equipe de enfermagem para lidar com a morte do paciente; apoio para o enfrentamento do processo de morte e morrer. A maioria da equipe de enfermagem considera a morte como o fim da vida, com ausência dos sinais vitais e comandos cerebrais...