Página 1 dos resultados de 552 itens digitais encontrados em 0.095 segundos

Estado nutricional e adequação da ingestão de energia e nutrientes em pacientes com insuficiência cardíaca; Nutritional status and adequacy of energy and nutrient intakes among heart failure patients; Estado nutricional y adecuación de la ingesta de energía y nutrientes en pacientes con insuficiencia cardiaca

LOURENÇO, Bárbara Hatzlhoffer; VIEIRA, Lis Proença; MACEDO, Alessandra; NAKASATO, Miyoko; MARUCCI, Maria de Fátima Nunes; BOCCHI, Edimar Alcides
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC Publicador: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
106.28%
FUNDAMENTO: Maior conhecimento sobre o estado nutricional e a ingestão de energia e nutrientes é necessário para auxiliar no tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca (IC). OBJETIVO: Verificar o estado nutricional e analisar a adequação da ingestão de energia, macro e micronutrientes de pacientes com IC em atendimento ambulatorial. MÉTODOS: Foram coletados dados antropométricos e de ingestão alimentar habitual de 125 pacientes (72% homens, 52,1±9,8 anos, IMC 26,9±4,4 kg/m²). As variáveis antropométricas foram comparadas entre os sexos, e analisou-se a adequação da ingestão de energia e nutrientes perante as recomendações. RESULTADOS: Depleção ou risco de depleção das reservas musculares estava presente em 38,4% dos pacientes (associação com sexo masculino; p < 0,0001). Em 69,6% dos casos, a ingestão média de energia foi menor que as necessidades energéticas (p < 0,0001). Entre os micronutrientes analisados, magnésio, zinco, ferro e tiamina apresentaram prevalências de inadequação importantes, e a maioria dos pacientes teve consumo de cálcio e potássio abaixo da ingestão adequada e consumo de sódio acima. CONCLUSÃO: Pacientes ambulatoriais com IC apresentam depleção de reservas musculares...

Adolescentes modelos de passarela: como é o consumo alimentar deste grupo?; Adolescent runway models: how is the food intake of this group?

RODRIGUES, Alexandra Magna; CINTRA, Isa de Pádua; SANTOS, Luana Caroline dos; MARTINI, Ligia Araújo; MELLO, Marco Túlio de; FISBERG, Mauro
Fonte: Sociedade de Pediatria de São Paulo Publicador: Sociedade de Pediatria de São Paulo
Tipo: Relatório
POR
Relevância na Pesquisa
96.14%
OBJETIVO: Avaliar a adequação da ingestão de energia, macro e micronutrientes em adolescentes modelos de passarela. MÉTODOS: Estudo transversal de 33 adolescentes modelos e 33 não modelos, de 15 a 18 anos, pareadas por idade e índice de massa corpórea (IMC). A ingestão alimentar foi avaliada por meio de registro alimentar de três dias, sendo calculados os valores médios de energia, em kcal, os valores proporcionais dos macronutrientes em relação ao valor calórico total da dieta consumida, bem como os valores médios/medianos dos seguintes micronutrientes: cálcio, ferro, zinco, fósforo, magnésio, folato, vitamina D, vitamina C, vitamina A e vitamina E. RESULTADOS: Verificou-se que 24% das adolescentes do estudo apresentaram IMC abaixo dos valores mínimos para a idade. A média de ingestão de energia foi menor entre as modelos, em comparação às adolescentes não modelos (1.480,93±582,95 versus 1.973,00±557,63 kcal) (p<0,05). A ingestão de gorduras acima do recomendado foi semelhante entre os grupos - 30,3% das adolescentes modelos e 36,4% das adolescentes não modelos (p>0,05). O consumo inadequado de micronutrientes como o cálcio, ferro, zinco, magnésio, fósforo, vitaminas lipossolúveis, folato e ácido ascórbico ocorreu em ambos os grupos. CONCLUSÕES: A baixa ingestão energética (kcal) entre as modelos e a ingestão insuficiente de minerais e vitaminas alertam para que as agências de modelos comprometam-se com a saúde dessas adolescentes...

Sources of variation of energy and nutrient intake among adolescents in São Paulo, Brazil; Fontes de variação da ingestão de energia e nutrientes entre adolescentes do Município de São Paulo, Brasil

VERLY JUNIOR, Eliseu; FISBERG, Regina Mara; CESAR, Chester Luis Galvão; MARCHIONI, Dirce Maria Lobo
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
116.19%
The aim of the current study was to describe the sources of variation of energy and nutrient intake and to calculate the number of repetitions of diet measurements to estimate usual intake in adolescents from São Paulo, Brazil. Data was collected using 24-hour dietary recalls (24hR) in 273 adolescents between 2007 and 2008. Individuals completed a repeat 24hR around two months later. The sources of variation were estimated using the random effect model. Variance ratios (within-person to between-person variance ratio) and the number of repetitions of 24hR to estimate usual intake were calculated. The principal source of variation was due to within-person variance. The contribution of day of week and month of year was less than 8%. Variations ranged from 1.15 for calcium to 7.31 for vitamin E. The number of 24hR repeats required to estimate usual intake varied according to nutrient and gender, numbering 15 for males and 8 for females.; Este estudo propôs-se a descrever as fontes de variação da ingestão de energia e nutrientes e calcular o número de dias necessários para a estimativa da ingestão habitual em adolescentes do Município de São Paulo, Brasil. Foi aplicado um recordatório alimentar de 24 horas (R24h) em 273 adolescentes...

Estimativa do consumo de energia e de macronutrientes no domicílio e na escola em pré-escolares; Estimation of energy and macronutrient intake at home and in the kindergarten programs in preschool children

BERNARDI, Juliana Rombaldi; CEZARO, Carla de; FISBERG, Regina Mara; FISBERG, Mauro; VITOLO, Márcia Regina
Fonte: Rio de Janeiro Publicador: Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR; ENG
Relevância na Pesquisa
96.12%
OBJETIVO: Estimar o consumo de energia e de macronutrientes no domicílio e na escola em tempo integral em crianças de 2 a 6 anos e pesquisar diferenças no consumo entre as crianças de escolas públicas e particulares. MÉTODOS: Estudo transversal realizado com 362 pré-escolares em Caxias do Sul (RS). O estado nutricional foi avaliado pela razão peso para estatura. O consumo na escola foi avaliado por meio do método de pesagem direta individual dos alimentos consumidos pelas crianças e, no domicílio, por meio do método de registro alimentar realizado pelos pais ou responsáveis. Para as análises estatísticas utilizou-se o teste U de Mann-Whitney (p < 0,05). RESULTADOS: Observou-se que 28 crianças (7,7 por cento) apresentaram excesso de peso, 92 (25,4 por cento), risco para excesso de peso e sete (1,9 por cento), baixo peso para a estatura. A avaliação da ingestão alimentar em 24 horas mostrou que 51,3 por cento da energia, 60,3 por cento dos lipídios e 51,6 por cento das proteínas foramconsumidos nos domicílios, apesar de as crianças permanecerem em período integral nas escolas. Observou-se maior ingestão de energia (p = 0,001), carboidratos (p < 0,001) e lipídios (p = 0,04) nos pré-escolares de escolas particulares em relação aos de escolas públicas...

Fontes de variação da ingestão de energia e nutrientes entre adolescentes do Município de São Paulo, Brasil; Sources of variation of energy and nutrient intake among adolescents in São Paulo, Brazil

VERLY JUNIOR, Eliseu; FISBERG, Regina Mara; CESAR, Chester Luis Galvão; MARCHIONI, Dirce Maria Lobo
Fonte: Rio de Janeiro Publicador: Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
96.19%
Este estudo propôs-se a descrever as fontes de variação da ingestão de energia e nutrientes e calcular o número de dias necessários para a estimativa da ingestão habitual em adolescentes do Município de São Paulo, Brasil. Foi aplicado um recordatório alimentar de 24 horas (R24h) em 273 adolescentes, durante os anos de 2007 e 2008, e posteriormente cada indivíduo foi convidado a responder a outro R24h. Foram estimadas as fontes de variação da ingestão utilizando-se modelo de efeitos aleatórios. A variância intrapessoal foi o componente de variância que mais contribuiu para a variabilidade da ingestão de energia e nutrientes, ao passo que a contribuição do dia da semana e mês do ano foi pequena (< 8por cento ) para a variabilidade total da ingestão. As razões de variância variaram de 1,15 para o cálcio a 7,31 para a vitamina E. O número de R24h necessário para estimar a ingestão habitual variou de acordo com o nutriente: em torno de 15 para o sexo masculino e 8 para o feminino; The aim of the current study was to describe the sources of variation of energy and nutrient intake and to calculate the number of repetitions of diet measurements to estimate usual intake in adolescents from São Paulo, Brazil. Data was collected using 24-hour dietary recalls (24hR) in 273 adolescents between 2007 and 2008. Individuals completed a repeat 24hR around two months later. The sources of variation were estimated using the random effect model. Variance ratios (within-person to between-person variance ratio) and the number of repetitions of 24hR to estimate usual intake were calculated. The principal source of variation was due to within-person variance. The contribution of day of week and month of year was less than 8per cent . Variations ranged from 1.15 for calcium to 7.31 for vitamin E. The number of 24hR repeats required to estimate usual intake varied according to nutrient and gender...

Itens alimentares no consumo alimentar de crianças de 7 a 10 anos; Food items in the food intake of children aged seven to ten years

Hinnig, Patrícia de Fragas; Bergamaschi, Denise Pimentel
Fonte: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
96.07%
OBJETIVO: Descrever os itens alimentares mais representativos para o consumo total de energia, carboidratos, proteínas e lipídios de crianças de 7 a 10 anos. MÉTODOS: Elaborou-se uma lista com todos os alimentos consumidos com suas respectivas quantidades e quantificou-se a composição da dieta em energia e macronutrientes. A lista foi baseada em informações fornecidas pelo preenchimento de três Diários Alimentares (DA) por 85 escolares de 7 a 10 anos que frequentavam uma escola pública na cidade de São Paulo. Obteve-se o agrupamento dos alimentos em 129 itens, calculou-se o percentual de contribuição de cada item no consumo alimentar dos nutrientes e identificaram-se aqueles que contribuíram com até 95% da ingestão total de calorias e dos nutrientes selecionados. RESULTADOS: Os itens "Arroz branco, arroz à grega, arroz com legumes" e "Feijão marrom, preto, branco, lentilha" contribuíram de forma importante para o consumo de energia e carboidratos. O item "Leite integral fluido, leite integral em pó" foi representativo para o consumo de lipídios, além de proteínas e energia. Ressalta-se a importância no consumo em energia e carboidratos das bebidas doces (refrigerantes e sucos industrializados) na dieta deste grupo populacional. CONCLUSÕES: É evidente a participação do arroz no consumo alimentar total de energia e carboidratos; do feijão em energia...

Exigências de energia para mantença de bovinos zebuínos não-castrados em confinamento

Paulino, Mário Fonseca; Fontes, Carlos Augusto de Alencar; Jorge, André Mendes; Pereira, José Carlos; Gomes Júnior, Paulo
Fonte: Sociedade Brasileira de Zootecnia Publicador: Sociedade Brasileira de Zootecnia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 621-626
POR
Relevância na Pesquisa
86.05%
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); As exigências líquidas de energia para mantença de bovinos de quatro raças zebuínas (Gir, Guzerá, Mocho-Tabapuã e Nelore) foram estimadas em experimento com 63 machos não-castrados, com idade média de 24 meses e peso inicial de 366 kg PV (16 das raças Gir, Guzerá e Mocho-Tabapuã e 15 da raça Nelore). Quinze animais, quatro das raças Gir, Guzerá e Mocho-Tabapuã e três da Nelore, foram abatidos no início do estudo e os demais, distribuídos em quatro grupos de 12 animais, sendo três animais de cada raça. Um grupo recebeu alimentação restrita, suprindo níveis de energia e proteína 15,0% acima das exigências de mantença, segundo NRC (1984). Os animais dos três últimos grupos foram alimentados ad libitum, até atingirem peso vivo de abate de 405, 450 e 500 kg, respectivamente. A ração com 50,0% de concentrado na matéria seca foi fornecida individualmente a todos os animais. As exigências líquidas de energia para mantença foram determinadas, como estimativa do calor produzido em nível zero de ingestão de energia metabolizável, pela extrapolação da equação de regressão do log do calor produzido em função da ingestão de energia metabolizável. As exigências de energia líquida de mantença estimadas para animais das quatro raças...

Inadequação do consumo de nutrientes entre adolescentes brasileiros

Veiga,Gloria Valeria da; Costa,Rosana Salles da; Araújo,Marina Campos; Souza,Amanda de Moura; Bezerra,Ilana Nogueira; Barbosa,Flávia dos Santos; Sichieri,Rosely; Pereira,Rosangela Alves
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2013 PT
Relevância na Pesquisa
86.15%
OBJETIVO: Estimar o consumo de energia e nutrientes e a prevalência de inadequação da ingestão de micronutrientes entre adolescentes brasileiros. MÉTODOS: Amostra probabilística composta por 6.797 adolescentes (49,7% do sexo feminino) entre dez e 18 anos de idade foi avaliada no Inquérito Nacional de Alimentação, 2008-2009. Os fatores de expansão, a complexidade do desenho da amostra e a correção da variabilidade intrapessoal do consumo foram considerados. A prevalência de inadequação de consumo de micronutrientes foi estimada pela proporção de adolescentes com ingestão abaixo da necessidade média estimada. Para o sódio, estimou-se a prevalência de consumo acima do valor de ingestão máxima tolerável. RESULTADOS: A média de consumo de energia variou de 1.869 kcal, observada nas adolescentes de 10 a 13 anos, a 2.198 kcal, estimada para os adolescentes de 14 a 18 anos. Os carboidratos forneceram 57% da energia total, os lipídios, 27% e as proteínas, 16%. As maiores prevalências de inadequação foram observadas para cálcio (> 95%), fósforo (entre 54% e 69%) e vitaminas A (entre 66% e 85%), E (100%) e C (entre 27% e 49%). Mais de 70% dos adolescentes apresentaram consumo de sódio superior à ingestão máxima tolerável. CONCLUSÕES: As médias de consumo energético e a distribuição de macronutrientes eram adequadas...

Estado nutricional e adequação da ingestão de energia e nutrientes em pacientes com insuficiência cardíaca

Lourenço,Bárbara Hatzlhoffer; Vieira,Lis Proença; Macedo,Alessandra; Nakasato,Miyoko; Marucci,Maria de Fátima Nunes; Bocchi,Edimar Alcides
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC Publicador: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2009 PT
Relevância na Pesquisa
96.23%
FUNDAMENTO: Maior conhecimento sobre o estado nutricional e a ingestão de energia e nutrientes é necessário para auxiliar no tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca (IC). OBJETIVO: Verificar o estado nutricional e analisar a adequação da ingestão de energia, macro e micronutrientes de pacientes com IC em atendimento ambulatorial. MÉTODOS: Foram coletados dados antropométricos e de ingestão alimentar habitual de 125 pacientes (72% homens, 52,1±9,8 anos, IMC 26,9±4,4 kg/m²). As variáveis antropométricas foram comparadas entre os sexos, e analisou-se a adequação da ingestão de energia e nutrientes perante as recomendações. RESULTADOS: Depleção ou risco de depleção das reservas musculares estava presente em 38,4% dos pacientes (associação com sexo masculino; p < 0,0001). Em 69,6% dos casos, a ingestão média de energia foi menor que as necessidades energéticas (p < 0,0001). Entre os micronutrientes analisados, magnésio, zinco, ferro e tiamina apresentaram prevalências de inadequação importantes, e a maioria dos pacientes teve consumo de cálcio e potássio abaixo da ingestão adequada e consumo de sódio acima. CONCLUSÃO: Pacientes ambulatoriais com IC apresentam depleção de reservas musculares...

Fatores que influenciam o consumo energético de mulheres no tratamento do câncer de mama

Ambrosi,Claudia; Di Pietro,Patricia Faria; Rockenbach,Gabriele; Vieira,Francilene Gracieli Kunradi; Galvan,Daisy; Crippa,Carlos Gilberto; Fausto,Maria Arlene
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2011 PT
Relevância na Pesquisa
86.12%
RESUMO OBJETIVO: Investigar alterações no consumo dietético, bem como a influência das características gerais, dos fatores sociodemográficos, clínicos e nutricionais, e do tratamento antineoplásico sobre as mudanças do consumo energético, em mulheres do sul do Brasil, antes e após a realização de terapia adjuvante para o câncer de mama. MÉTODOS: Ensaio clínico não randomizado, conduzido em hospital da rede pública de saúde, com 53 pacientes. Informações dietéticas foram coletadas com questionário de frequência alimentar. Para avaliar os fatores que influenciaram alterações longitudinais da ingestão energética, usou-se modelo de regressão linear de efeitos mistos. RESULTADOS: Houve aumento significativo no consumo diário de energia, de gorduras, cálcio, ferro, cobre, ácidos graxos poli-insaturados, ômega 6 e ômega 3, e uma diminuição significativa da vitamina B2. O modelo final de regressão mostrou aumento médio de 19,2 kcal/mês. As maiores associações com ingestão energética foram frutas e leguminosas, sendo que cada 100 g de consumo destas, resultou um acréscimo médio de 68,4 e 370,5 kcal, respectivamente. Mulheres com idade compreendida entre 51 e 60 anos consumiram 403,5 kcal menos do que aquelas com idade de 31 a 50 anos. CONCLUSÃO: Observou-se que houve aumento na ingestão energética durante o tratamento e que o aumento na ingestão de frutas e leguminosas foi associado com aumentos significativos na ingestão de energia.

Adolescentes modelos de passarela: como é o consumo alimentar deste grupo?

Rodrigues,Alexandra Magna; Cintra,Isa de Pádua; Santos,Luana Caroline dos; Martini,Ligia Araújo; Mello,Marco Túlio de; Fisberg,Mauro
Fonte: Sociedade de Pediatria de São Paulo Publicador: Sociedade de Pediatria de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 PT
Relevância na Pesquisa
86.14%
OBJETIVO: Avaliar a adequação da ingestão de energia, macro e micronutrientes em adolescentes modelos de passarela. MÉTODOS: Estudo transversal de 33 adolescentes modelos e 33 não modelos, de 15 a 18 anos, pareadas por idade e índice de massa corpórea (IMC). A ingestão alimentar foi avaliada por meio de registro alimentar de três dias, sendo calculados os valores médios de energia, em kcal, os valores proporcionais dos macronutrientes em relação ao valor calórico total da dieta consumida, bem como os valores médios/medianos dos seguintes micronutrientes: cálcio, ferro, zinco, fósforo, magnésio, folato, vitamina D, vitamina C, vitamina A e vitamina E. RESULTADOS: Verificou-se que 24% das adolescentes do estudo apresentaram IMC abaixo dos valores mínimos para a idade. A média de ingestão de energia foi menor entre as modelos, em comparação às adolescentes não modelos (1.480,93±582,95 versus 1.973,00±557,63 kcal) (p<0,05). A ingestão de gorduras acima do recomendado foi semelhante entre os grupos - 30,3% das adolescentes modelos e 36,4% das adolescentes não modelos (p>0,05). O consumo inadequado de micronutrientes como o cálcio, ferro, zinco, magnésio, fósforo, vitaminas lipossolúveis, folato e ácido ascórbico ocorreu em ambos os grupos. CONCLUSÕES: A baixa ingestão energética (kcal) entre as modelos e a ingestão insuficiente de minerais e vitaminas alertam para que as agências de modelos comprometam-se com a saúde dessas adolescentes...

Itens alimentares no consumo alimentar de crianças de 7 a 10 anos

Hinnig,Patrícia de Fragas; Bergamaschi,Denise Pimentel
Fonte: Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 PT
Relevância na Pesquisa
86.07%
OBJETIVO: Descrever os itens alimentares mais representativos para o consumo total de energia, carboidratos, proteínas e lipídios de crianças de 7 a 10 anos. MÉTODOS: Elaborou-se uma lista com todos os alimentos consumidos com suas respectivas quantidades e quantificou-se a composição da dieta em energia e macronutrientes. A lista foi baseada em informações fornecidas pelo preenchimento de três Diários Alimentares (DA) por 85 escolares de 7 a 10 anos que frequentavam uma escola pública na cidade de São Paulo. Obteve-se o agrupamento dos alimentos em 129 itens, calculou-se o percentual de contribuição de cada item no consumo alimentar dos nutrientes e identificaram-se aqueles que contribuíram com até 95% da ingestão total de calorias e dos nutrientes selecionados. RESULTADOS: Os itens "Arroz branco, arroz à grega, arroz com legumes" e "Feijão marrom, preto, branco, lentilha" contribuíram de forma importante para o consumo de energia e carboidratos. O item "Leite integral fluido, leite integral em pó" foi representativo para o consumo de lipídios, além de proteínas e energia. Ressalta-se a importância no consumo em energia e carboidratos das bebidas doces (refrigerantes e sucos industrializados) na dieta deste grupo populacional. CONCLUSÕES: É evidente a participação do arroz no consumo alimentar total de energia e carboidratos; do feijão em energia...

Exigências de energia para mantença de bovinos zebuínos não-castrados em confinamento

Paulino,Mário Fonseca; Fontes,Carlos Augusto de Alencar; Jorge,André Mendes; Pereira,José Carlos; Gomes Júnior,Paulo
Fonte: Sociedade Brasileira de Zootecnia Publicador: Sociedade Brasileira de Zootecnia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1999 PT
Relevância na Pesquisa
86.05%
As exigências líquidas de energia para mantença de bovinos de quatro raças zebuínas (Gir, Guzerá, Mocho-Tabapuã e Nelore) foram estimadas em experimento com 63 machos não-castrados, com idade média de 24 meses e peso inicial de 366 kg PV (16 das raças Gir, Guzerá e Mocho-Tabapuã e 15 da raça Nelore). Quinze animais, quatro das raças Gir, Guzerá e Mocho-Tabapuã e três da Nelore, foram abatidos no início do estudo e os demais, distribuídos em quatro grupos de 12 animais, sendo três animais de cada raça. Um grupo recebeu alimentação restrita, suprindo níveis de energia e proteína 15,0% acima das exigências de mantença, segundo NRC (1984). Os animais dos três últimos grupos foram alimentados ad libitum, até atingirem peso vivo de abate de 405, 450 e 500 kg, respectivamente. A ração com 50,0% de concentrado na matéria seca foi fornecida individualmente a todos os animais. As exigências líquidas de energia para mantença foram determinadas, como estimativa do calor produzido em nível zero de ingestão de energia metabolizável, pela extrapolação da equação de regressão do log do calor produzido em função da ingestão de energia metabolizável. As exigências de energia líquida de mantença estimadas para animais das quatro raças...

Efeito do nível de energia metabolizável da dieta no desempenho e metabolismo energético de frangos de corte

Sakomura,Nilva Kazue; Longo,Flavio Alves; Rabello,Carlos Bôa-Viagem; Watanabe,Kleber; Pelícia,Kleber; Freitas,Ednardo Rodrigues
Fonte: Sociedade Brasileira de Zootecnia Publicador: Sociedade Brasileira de Zootecnia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2004 PT
Relevância na Pesquisa
85.95%
Objetivou-se, nesta pesquisa, estudar o efeito dos níveis de energia metabolizável (EM) da dieta sobre o desempenho e o metabolismo energético de frangos de corte machos na fase de crescimento (22 a 43 dias de idade) em condições de temperatura ambiente. Foram utilizadas 288 aves distribuídas aleatoriamente por três níveis de energia da dieta (3.050, 3.200 e 3.350 kcal/kg) e três níveis de alimentação (ad libitum, 75 e 50% do ad libitum), com quatro repetições de oito aves, para determinação das exigências de mantença e das eficiências energéticas. Foi utilizado o método do abate comparativo, sendo que 12 aves foram abatidas no início do ensaio experimental, para determinação da composição corporal inicial, e 144 aves foram usadas para determinação da energia metabolizável das dietas experimentais. Os níveis de energia influenciaram na ingestão de energia metabolizável (IEM) e, conseqüentemente, a retenção de energia na carcaça (ER) e a produção de calor (PC). As exigências de energia metabolizável de mantença (EMm) determinadas foram 131,12; 140,96 e 131,78 kcal/kg0,75/dia para os níveis de energia alto, médio e baixo, respectivamente. O nível de energia mais alto (3.350 kcal/kg) na dieta dos frangos de corte proporcionou melhores resultados de desempenho...

Efeito de níveis de proteína bruta e de energia metabolizável na dieta sobre o desempenho de codornas de postura

Freitas,Almir Chalegre de; Fuentes,Maria de Fátima Freire; Freitas,Ednardo Rodrigues; Sucupira,Francislene Silveira; Oliveira,Bruno César Moura de
Fonte: Sociedade Brasileira de Zootecnia Publicador: Sociedade Brasileira de Zootecnia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
86.12%
Objetivou-se, neste experimento, avaliar o efeito de diferentes níveis de proteína bruta (PB) e de energia metabolizável (EM) sobre o desempenho de codornas de postura. Foram utilizadas 672 codornas japonesas (Coturnix coturnix japonica) a partir de 42 dias de idade, durante 168 dias de produção, dividido em seis períodos de 28 dias cada, distribuídas em delineamento inteiramente casualizado, em arranjo fatorial de 4 x 4 (proteína x energia), com seis repetições de sete aves por unidade experimental. Os níveis avaliados foram: 16, 18, 20 e 22% de proteína bruta e 2.585, 2.685, 2.785 e 2.885 kcal de energia metabolizável/kg de ração. Não houve efeito significativo dos tratamentos sobre a ingestão de energia e a produção de ovos. Entretanto, o aumento do nível de energia da ração promoveu redução linear no consumo de ração, na ingestão diária de proteína bruta, no peso do ovo e na massa de ovos, enquanto o de proteína proporcionou aumento linear na ingestão diária de proteína bruta, na massa de ovos, na conversão alimentar e no ganho de peso corporal e efeito quadrático sobre o peso do ovo, sendo 21,16% o nível de proteína bruta estimado para a obtenção do máximo peso do ovo. Pode-se concluir que as codornas japonesas têm o consumo regulado em função do nível de energia da ração. Para se obter maior produção de ovos e melhor conversão alimentar...

Densidade energética da dieta e fatores associados: como está a população de São Paulo?; Dietary energy density and associated factors: how is the population of Sao Paulo doing?

Marchioni, Dirce Maria Lobo; Mendes, Aline; Gorgulho, Bartira Mendes; Stella, Roberta Horschutz; Fisberg, Regina Mara
Fonte: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Publicador: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
95.91%
OBJETIVO: Avaliar a densidade energética da dieta de adultos do município de São Paulo e fatores associados. SUJEITOS E MÉTODOS: Participantes do estudo ISA-Capital, com amostragem probabilística (n = 710 adultos). O consumo alimentar foi avaliado pelo R24h. As correlações foram investigadas pelo coeficiente de correlação de Pearson. As associações com dados demográficos, socioeconômicos e de estilo de vida foram investigadas por modelos de regressão multivariados. RESULTADOS: A densidade energética média foi 1,98 kcal/g (IC95% [1,94; 2,01]) e correlacionou-se positivamente com a ingestão de energia, gordura, carboidrato, colesterol, gordura saturada, sacarose, gordura trans e açúcar adicionado e negativamente com fibras. Apenas idade e hábito de fumar apresentaram associação com a densidade energética. CONCLUSÕES: Os valores elevados da densidade energética da dieta e a relação demonstrada com outros constituintes nutricionais denotam má qualidade da dieta nessa população, o que pode estar contribuindo para crescentes taxas de excesso de peso. Arq Bras Endocrinol Metab. 2012;56(9):638-45; Objective: To evaluate dietary energy density in adults living in Sao Paulo and associated factors. Subjects and methods: Subjects were participants of ISA-Capital study...

Conteúdo de energia líquida para mantença e ganho do capim-elefante e mudanças na composição corporal de novilhos em pastejo, durante a estação chuvosa

Fontes,Carlos Augusto de Alencar; Oliveira,Rildon Carlos de; Erbesdobler,Eleonora D'Ávila; Queiroz,Domingos Sávio de; Lombardi,Cláudio Teixeira
Fonte: Sociedade Brasileira de Zootecnia Publicador: Sociedade Brasileira de Zootecnia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2005 PT
Relevância na Pesquisa
85.93%
Foram determinados os conteúdos de energia líquida para mantença (ELm) e ganho (ELg) do capim-napier, submetido a pastejo rotacionado, e as mudanças nas concentrações corporais e do ganho de proteína, gordura e energia, de 36 novilhos ¾Gir-Holandês pastejando a forrageira, durante o período chuvoso. Metade dos animais teve o tempo de pastejo restrito a quatro horas diárias, para se limitar o consumo de energia a nível próximo ao de mantença e metade teve acesso irrestrito à pastagem. Seis novilhos foram abatidos no início do experimento, para se determinar a composição corporal inicial, e seis (três de cada tratamento), a cada 35 dias. Foram ajustadas equações de predição das mudanças na composição corporal, com o aumento do peso vivo, por regressão dos logaritmos dos conteúdos corporais de proteína e gordura, em função do logaritmo do peso de corpo vazio. Derivando-se essas equações, foram obtidas equações de predição da composição do ganho de peso. As concentrações de energia foram estimadas a partir dos teores de proteína e gordura e dos respectivos equivalentes calóricos. Por regressão da energia retida (ER), em função da energia metabolizável (EM) consumida, estimou-se a eficiência de utilização da EM para ganho (Kg)...

Uso do abate comparativo na determinação da exigência de energia de mantença de gado de corte pastejando capim-elefante: descrição da metodologia e dos resultados

Fontes,Carlos Augusto de Alencar; Oliveira,Rildon Carlos de; Erbesdobler,Eleonora D'Ávila; Queiroz,Domingos Sávio de
Fonte: Sociedade Brasileira de Zootecnia Publicador: Sociedade Brasileira de Zootecnia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2005 PT
Relevância na Pesquisa
86.06%
Determinou-se o requerimento líquido de energia de mantença de novilhos mantidos em regime exclusivo de pastejo, em capim-elefante (Pennisetum purpureum, Schum) cv. Napier. O experimento teve duração de 175 dias, utilizando-se nove piquetes, estabelecidos em terreno plano, com área individual de 0,5 ha, sob pastejo rotacionado. Foram utilizados 36 novilhos ¾Gir-Holandês com 332 ± 37 kg e média de 20 meses de idade inicial. Metade dos animais teve o tempo de pastejo restrito a quatro horas por dia, de forma a se limitar o consumo de energia a pouco acima do nível de mantença, e metade teve acesso irrestrito à pastagem. Seis novilhos foram abatidos no início do experimento, para se determinar a composição corporal inicial (grupo referência) e seis (três de cada tratamento) a intervalos sucessivos de 35 dias. A composição corporal dos animais abatidos foi determinada por análise química de amostras representativas de todo o corpo. As exigências líquidas de energia para mantença foram estimadas como o calor produzido em nível zero de ingestão de energia metabolizável, ajustando-se equações do logaritmo da produção de calor em função do consumo de energia metabolizável, por dia e por unidade de tamanho metabólico (kg0...

Inadequação do consumo de nutrientes entre adolescentes brasileiros

Veiga,Gloria Valeria da; Costa,Rosana Salles da; Araújo,Marina Campos; Souza,Amanda de Moura; Bezerra,Ilana Nogueira; Barbosa,Flávia dos Santos; Sichieri,Rosely; Pereira,Rosangela Alves
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2013 PT
Relevância na Pesquisa
86.15%
OBJETIVO: Estimar o consumo de energia e nutrientes e a prevalência de inadequação da ingestão de micronutrientes entre adolescentes brasileiros. MÉTODOS: Amostra probabilística composta por 6.797 adolescentes (49,7% do sexo feminino) entre dez e 18 anos de idade foi avaliada no Inquérito Nacional de Alimentação, 2008-2009. Os fatores de expansão, a complexidade do desenho da amostra e a correção da variabilidade intrapessoal do consumo foram considerados. A prevalência de inadequação de consumo de micronutrientes foi estimada pela proporção de adolescentes com ingestão abaixo da necessidade média estimada. Para o sódio, estimou-se a prevalência de consumo acima do valor de ingestão máxima tolerável. RESULTADOS: A média de consumo de energia variou de 1.869 kcal, observada nas adolescentes de 10 a 13 anos, a 2.198 kcal, estimada para os adolescentes de 14 a 18 anos. Os carboidratos forneceram 57% da energia total, os lipídios, 27% e as proteínas, 16%. As maiores prevalências de inadequação foram observadas para cálcio (> 95%), fósforo (entre 54% e 69%) e vitaminas A (entre 66% e 85%), E (100%) e C (entre 27% e 49%). Mais de 70% dos adolescentes apresentaram consumo de sódio superior à ingestão máxima tolerável. CONCLUSÕES: As médias de consumo energético e a distribuição de macronutrientes eram adequadas...

Itens alimentares no consumo alimentar de crianças de 7 a 10 anos

Hinnig,Patrícia de Fragas; Bergamaschi,Denise Pimentel
Fonte: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 PT
Relevância na Pesquisa
86.07%
OBJETIVO: Descrever os itens alimentares mais representativos para o consumo total de energia, carboidratos, proteínas e lipídios de crianças de 7 a 10 anos. MÉTODOS: Elaborou-se uma lista com todos os alimentos consumidos com suas respectivas quantidades e quantificou-se a composição da dieta em energia e macronutrientes. A lista foi baseada em informações fornecidas pelo preenchimento de três Diários Alimentares (DA) por 85 escolares de 7 a 10 anos que frequentavam uma escola pública na cidade de São Paulo. Obteve-se o agrupamento dos alimentos em 129 itens, calculou-se o percentual de contribuição de cada item no consumo alimentar dos nutrientes e identificaram-se aqueles que contribuíram com até 95% da ingestão total de calorias e dos nutrientes selecionados. RESULTADOS: Os itens "Arroz branco, arroz à grega, arroz com legumes" e "Feijão marrom, preto, branco, lentilha" contribuíram de forma importante para o consumo de energia e carboidratos. O item "Leite integral fluido, leite integral em pó" foi representativo para o consumo de lipídios, além de proteínas e energia. Ressalta-se a importância no consumo em energia e carboidratos das bebidas doces (refrigerantes e sucos industrializados) na dieta deste grupo populacional. CONCLUSÕES: É evidente a participação do arroz no consumo alimentar total de energia e carboidratos; do feijão em energia...