Página 1 dos resultados de 1287 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Sistemática de Paepalanthoideae (Euriocaulaceae): Filogenia, morfologia e taxonomia de Diphyomene (Ruhland) Trovó; Systematics of Paepalanthoideae (Eriocaulaceae): Phylogeny, morphology, and taxonomy of Diphyomene (Ruhland) Trovó

Oliveira, Marcelo Trovó Lopes de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 19/04/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.11%
Esta tese compreende estudos sobre a filogenia de Paepalanthoideae com ênfase em Paepalanthus, trazendo também estudos morfológicos, nomenclaturais e taxonômicos em Paepalanthus sect. Diphyomene. O capítulo I apresenta a filogenia de Paepalanthoideae com base em dados morfológicos e moleculares (nrITS e trnL-trnF). A monofilia de Rondonanthus, como grupo-irmão das demais Paepalanthoideae é confirmada, assim como a monofilia de Leiothrix e Actinocephalus. Syngonanthus emerge parafilético e Paepalanthus e Blastocaulon, polifiléticos. No entanto, muitas categorias infragenéricas de Paepalanthus emergem monofiléticas. A proposição de alguns novos gêneros, assim como estudos filogenéticos complementares é indispensável para aproximar a classificação de Paepalanthoideae de um sistema natural. O capítulo II descreve as inflorescências e o eixo reprodutivo de Paepalanthus sect. Diphyomene do ponto de vista tipológico e anatômico. Dois padrões são detectados: em P. erectifolius, P. giganteus e P. polycladus a inflorescência é um tribótrio com dibótrio terminal, unidade básica terminal e ferofilos envolvendo os dibótrios; em P. flaccidus a inflorescência é um pleiobótrio com subunidade terminal e ferofilos ausentes. Estes resultados reforçam que o grupo é constituído de duas linhagens independentes...

Revisão, filogenia, evolução e biogeografia de Lundia DC. (Bignonieae, Bignoniaceae); Taxonomic revision, phylogeny, evolution, and Biogeography of Lundia DC. (Bignonieae, Bignoniaceae)

Kaehler, Miriam
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 01/02/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
Lundia DC. (Bignoniaceae, tribo Bignonieae) se caracteriza pelo hábito lianescente, pelas glândulas interpeciolares, anteras e ovários vilosos, e pelos tricomas simples na margem do estigma. Além disso, o gênero não apresenta o disco nectarífero que está localizado na base do ovário da maior parte dos representantes da tribo Bignonieae. Neste trabalho são reconhecidas 13 espécies de Lundia, das quais uma é nova (L. laevis). Para a compreensão do parentesco filogenético entre as espécies do gênero, foi reconstruída a filogenia de Lundia com base em um marcador de cloroplasto (ndhF), um marcador nuclear ( PepC), e caracteres morfológicos. Os dados foram analisados utilizando parcimônia e metodologia bayesiana, os quais reconstruíram topologias congruentes. Em todas as análises, Lundia emergiu como grupo monofilético, com alta sustentação de caracteres morfológicos e moleculares. Além disso, todas as espécies amostradas múltiplas vezes também formaram grupos monofiléticos, exceto no caso de L. nitidula a qual emergiu como parafilética, com L. obliqua inserida no clado L. nitidula; no entanto, o parentesco entre os indivíduos inseridos no clado L. nitidula + L. obliqua apresentou baixa resolução. A filogenia de Lundia contribuiu com informações importantes para uma melhor circunscrição das espécies e elaboração de uma revisão taxonômica do gênero que incluiu descrições...

Filogenia de Accipitridae (Aves: Accipitriformes) com base em caracteres osteológicos; Phylogeny of Accipitridae (Aves: Accipitriformes) based on osteological characters

Migotto, Rafael
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 10/07/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.11%
A família Accipitridae compreende 67 gêneros e 256 espécies globalmente distribuídas e, representada por águias, gaviões e abutres do Velho Mundo, figura como uma das linhagens mais representativas de aves não-passeriformes atuais. O relacionamento filogenético entre os gêneros de Accipitridae consiste no assunto mais debatido em trabalhos dedicados à sistemática da família, com inúmeros esforços voltados ao reconhecimento de subgrupos que, em sua maioria, foram fundamentados em similaridade global entre os táxons. Apesar de haver diversos estudos sobre anatomia comparada do grupo, estudos morfológicos com base em metodologias cladistas estão restritos a uma única investigação, que resultou em uma compreensão limitada sobre a filogenia do grupo. Em contrapartida, na última década surgiram inúmeras hipóteses com base em dados moleculares, que trataram diversos níveis taxonômicos da família. Alguns destes estudos demonstraram que a grande maioria dos agrupamentos tradicionais não corresponde a grupos monofiléticos e propuseram um novo arranjo intrafamiliar para o grupo. Neste contexto, o presente estudo propõe uma hipótese filogenética para os Accipitridae, com base no estudo do esqueleto craniano e pós-craniano...

Filogenia da tribo Callitrichini Thomas, 1903 (Primates, Platyrrhini, Callitrichinae), com base em caracteres morfológicos; A morphological phylogeny of Callitrichini Thomas, 1903 (Primates, Platyrrhini, Callitrichinae)

Garbino, Guilherme Siniciato Terra
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 31/10/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.11%
Quatro gêneros compõem a tribo Callitrichini: Callibella (monotípico), Callithrix (com seis espécies), Cebuella (monoespecífico) e Mico (com 13 espécies, recentemente desmembrado de Callithrix por filogenias moleculares). As espécies da tribo ocorrem desde o sudeste do Brasil (estado de São Paulo), até o sul da Colômbia (departamento de Putumayo). Atualmente, morfologistas não reconhecem a validade de Mico, e Callibella não é reconhecido em algumas filogenias moleculares. Com o objetivo de testar a validade desses quatro gêneros, estabelecer hipóteses de relacionamento entre eles e entre as espécies que os compõem, realizei uma filogenia morfológica incluindo todas 21 espécies atualmente reconhecidas para o grupo. O grupo-externo é constituído por Callimico goeldii, Leontopithecus chrysomelas, L. chrysopygus, Saguinus fuscicollis weddelli, S. midas midas, Saimiri ustus e Callicebus moloch. Foram obtidos 80 caracteres, 34 considerados multiestado. Desse total, quatro são morfológicos quantitativos, 21 tegumentares e 51 osteológicos quantitativos, um cariológico e três vocais. Para comparar os caracteres osteológicos e tegumentares, duas análises utilizando somente caracteres desses sistemas foram realizadas. Na análise tegumentar...

Filogenia morfológica de Veronicellidae, filogenia molecular de Phyllocaulis Colosi e descrição de uma nova espécie para a família (Mollusca, Gastropoda, Pulmonata)

Gomes, Suzete Rodrigues
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.21%
Os veronicelídeos constituem um grupo de gastrópodes terrestres amplamente distribuídos nas regiões tropicais e subtropicais. Atualmente, são reconhecidos 23 gêneros para a família, distribuídos pelas regiões biogeográficas Neotropical, Africana, Australiana e Oriental (Ásia tropical). Neste trabalho buscou-se investigar as relações de parentesco entre seus gêneros a partir de caracteres morfológicos. Para Phyllocaulis Colosi, 1922 o mais diverso e abundante gênero no sul da América do Sul, o estudo foi complementado, investigando-se também as relações entre as espécies a partir de caracteres moleculares. Acrescentou-se aos resultados a descrição de uma nova espécie de Simrothula Thomé, 1975, por ter sido diagnosticada durante o exame de material para a obtenção dos caracteres morfológicos. Os resultados apresentados estão embasados na análise de numerosos espécimes depositados em diversos museus nacionais e estrangeiros. Ao tratarmos da filogenia morfológica da família, são definidas sinapomorfias para a família, discutidas suas relações com os grupos externos examinados (espécies de Rathouisiidae Heude, 1885 e Onchidiidae Gray, 1824), estabelecidas hipóteses de parentescos entre os gêneros...

Revisão do gênero e filogenia das espécies de Adelomelon Dall, 1906 (Mollusca, Gastropoda, Volutidae) com base em dados conquiliológicos e morfológicos

Wiggers, Fábio
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.11%
A família Volutidae Rafinesque, 1815 possui cerca de 250 espécies de gastrópodes marinhos que se distribuem em praticamente todos os mares do mundo, desde a zona entremarés até a zona abissal. Historicamente a classificação da família é bastante conturbada, existindo na bibliografia várias propostas de classificação das subfamílias baseadas em diversos sistemas, sendo que poucos gêneros não são ainda alvo de discussões quanto à sua posição em relação às subfamílias. Estudos de sistemática de Volutidae com enfoque evolutivo esbarram na falta de dados para a elaboração de uma hipótese de filogenia dentro da família. Frente ao escasso conhecimento disponível quanto à morfologia de Volutidae, buscou-se através de estudos de morfologia comparada reconhecer padrões morfológicos para o gênero Adelomelon Dall, 1906 a partir da comparação com espécies de gêneros próximos e discriminar caracteres que fundamentem uma classificação que reflita as relações filogenéticas entre os táxons de Adelomelon.Inicialmente, através de uma revisão taxonômica, buscou-se reconhecer os táxons pertencentes ao gênero Adelomelon e avaliar a variabilidade intraespecífica. Neste sentido a revisão teve especial ênfase em localizar o material tipo dos táxons descritos para o gênero. A análise das descrições originais e do material tipo demonstrou que Scaphella arnheimi Rivers...

Filogenia molecular de Liolaemus arambarensis Verrastro, Veronese, Bujes & Dias Fialho, 2003 (Iguana: Liolaemidae)

Pisetta, Nádia Franco
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.11%
A análise filogenética é empregada para inferir a história evolutiva das espécies, sugerindo possíveis eventos que afetaram sua diversificação. Liolaemus arambarensis, descrito recentemente, é um lagarto pequeno endêmico das restingas da margem oeste da Laguna dos Patos, no estado do Rio Grande do Sul. Nesse estudo, foi utilizado um conjunto de dados de quatro locos genéticos independentes (dois genes mitocondriais (mtDNA) analisados em conjunto, e três locos autossômicos independentes) foi usado para inferir a relação filogenética entre essa e outras espécies proximamente relacionadas pertencentes ao subgrupo “wiegmannii”: L. lutzae, L. occipitalis, L. salinicola, L. scapularis, L. multimaculatus e L. wiegmannii. Uma árvore de gene foi estimada para cada marcador independente através das abordagens Bayesiana e de máxima verossimilhança, enquanto a árvore de espécies foi feita usando dados concatenados ou baseada em uma abordagem Bayesiana de coalescência, permitindo lidar explicitamente com as discrepâncias entre as árvores de gene. Para calibrar o relógio molecular foi utilizada uma taxa de substituição para o gene CytB descrita na literatura e definido um prior na raiz da árvore usando resultados da literatura tendo L. darwinii como grupo externo. As análises realizadas neste estudo suportam a relação irmã entre L. arambarensise L. lutzae...

Filogenia molecular de cianobactérias baseada em sequências do 16S-23S-ITS rDNA e PC-IGS: investigação de transferência lateral do PC

Santos, Viviane Piccin dos
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 71 f. : il., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
37.29%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Pós-graduação em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal) - IBRC; As cianobactérias apresentam uma ampla variabilidade fenotípica e ecológica. Porém, esta variabilidade, muitas vezes, não corresponde à sua diversidade genética. Assim, o uso de marcadores moleculares é fundamental para os estudos de filogenia neste grupo. Entretanto, a filogenia molecular enfrenta um desafio na seleção dos marcadores devido à ocorrência relativamente frequente da transferência de genes de forma lateral entre os procariotos. Em cianobactérias os marcadores dos espaçadores dos genes ribossomais (16S-23S-ITS rDNA) e do operon da ficocianina (PC-IGS) estão entre os mais utilizados nestes estudos. Contudo, alguns trabalhos sugerem que o PC-IGS possa ter sito transferido lateralmente em sua história evolutiva. A identificação de morfoespécies dos gêneros Microcystis e Geitlerinema é baseada em caracteres morfológicos que em geral não correspondem à sua variabilidade genética. Com o objetivo de investigar a transferência lateral do operon da ficocianina em Geitlerinema e Microcystis, foram obtidas e comparadas árvores filogenéticas de ambas espécies baseadas nos marcadores PC-IGS e 16S-23S-ITS rDNA. As topologias das árvores obtidas para ambos os marcadores foram muito semelhantes e indicaram que o PC-IGS é estável e indicado para os estudos de taxonomia e filogenia de linhagens de Geitlerinema e Microcystis. Assim...

Traços florais e filogenia em espécies lenhosas do cerrado

Gonçalves, Carolina Stella
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 69 f.
POR
Relevância na Pesquisa
37.21%
Pós-graduação em Ciências Biológicas (Botânica) - IBB; Conjuntos de traços refletindo adaptações a certos polinizadores são conhecidos como síndromes de polinização. Estudos sobre morfologia floral e síndromes de polinização fundamentaram o nosso conhecimento sobre as interações planta-polinizador, mas ainda sabemos pouco sobre como as formas florais mudaram na evolução, lacuna esta que pode ser preenchida com abordagens filogenéticas. Estudamos traços florais, síndromes de polinização, e filogenia de espécies lenhosas de cerrado respondendo às perguntas: (1) As síndromes de polinização são consistente?; (2) Quais as características associadas a cada síndrome?; (3) Os traços florais apresentam sinal filogenético?; (4) Há padrões globais e locais na filogenia?; (5) A diversidade de traços está expressa em um ou em poucos nós da filogenia?; (6) A diversidade de traços está agrupada perto da raiz ou das folhas da árvore? Respondendo às primeira e segunda perguntas, corroboramos a existência de duas síndromes de polinização mais frequentes: abelhas, associada aos maiores diâmetros da base da corola, e insetos pequenos, associada às maiores concentrações de néctar. À terceira pergunta...

Busca de um tamanho otimo de gene e proteina para maximização da qualidade da filogenia resultante; The search for an optimal size of gene and protein for maximum philogeny quality

Claudio Luis Marques Sampaio
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 19/02/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.11%
Um problema recorrente em Filogenética é saber de antemão que melhores tamanhos de genes ou proteínas se deve ter para a construção de dendrogramas mais precisos. Neste trabalho, examinamos quais os efeitos de variados tamanhos de um alinhamento conhecido na qualidade da inferência de filogenia, em particular a filogenia dos fungos, utilizando 198 táxons fungais e 16 de grupo externo. Adicionalmente, calculamos a entropia de Shannon de cada ponto do alinhamento e fizemos iterações semelhantes por seus limiares. Para isto construímos um programa open-source baseado no toolkit bioperl que calcula estes dados. Concluímos que tanto para as iterações por tamanho quanto os para entropia, os limiares ideais são aquém do tamanho total do gene, podendo justificar uso de drafts de seqüenciamentos em inferências filogenéticas usando um pequeno número de regras; A recurring issue in phylogenetics is knowing beforehand which best sizes for genes or proteins one should have for building more accurate cladograms. Herein we examine the effects or varying sizes of a known aligment on the quality of its inferred phylogeny, specifically considering the fungi phylogeny by using 198 fungal taxa plus 16 outgroup taxa. Additionally, we calculate the Shannon entropy of each point of the alignment and iterate similarly by its thresholds. To that end...

Filogenia e biogeografia de Lonchocarpus s.l. e revisão taxonômica dos gêneros Muellera L.f. e Dahlstedtia Malme (Leguminosae, Papilionoideae, Millettieae); Phylogeny and biogeography of Lonchocarpus s.l. and taxonomic revision of the genera Muellera L.f. and Dahlstedtia Malme (Leguminosae, Papilionoideae, Millettieae)

Marcos José da Silva
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 26/05/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.11%
Lonchocarpus Kunth (Leguminosae, Papilionoideae, Millettieae) é predominantemente neotropical e inclui cerca de 150 espécies. Estudos considerando a sistemática de Lonchocarpus são necessários, devido à sua classificação infragenérica que apresenta problemas nomenclaturais e taxonômicos, correlacionados com a alta diversidade morfológica de seus representantes. Há controvérsias referentes ao número, ao nome e à definição de suas séries, seções e subgêneros, bem como à sua própria circunscrição genérica. Entre as seções de Lonchocarpus, L. sect. Laxiflori (Benth.) Taub. e L. sect. Punctati (Benth.) Taub. são distintas morfologicamente das demais e têm distribuição geográfica quase que restrita à América do Sul, sendo a revisão taxonômica delas fundamental para a delimitação de Lonchocarpus. Ainda neste contexto, a precisa circunscrição do gênero só é possível com o entendimento das relações de Lonchocarpus com gêneros relacionados. Entre as poucas referências de estudos filogenéticos que incluem espécies de Lonchocarpus, uma apresenta Lonchocarpus s. str. como monofilético se as espécies sulamericanas da seção Punctati forem excluídas. Considerando os resultados apresentados nos estudos filogenéticos e os problemas relacionados à circunscrição e à classificação infragenérica de Lonchocarpus...

Biologia floral, reprodução e filogenia do genêro Cirrhaea Lindl. (Orchidaceae) e evolução dos sistemas de polinização em Stanhopeinae; Floral biology, reproduction and phylogeny of genus Cirrhaea Lindl. (Orchidaceae) and the evolution of pollination sytems in Stanhopeinae

Ludmila Mickeliunas Pansarin
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 14/02/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
O gênero Cirrhaea Lindl. (Orchidaceae) inclui sete espécies distribuídas principalmente pela região Sudeste do Brasil. Neste trabalho foram estudadas a fenologia, a biologia floral e reprodutiva das espécies de Cirrhaea, bem como a morfologia e a anatomia de suas estruturas secretoras. Para isso, observações de campo foram realizadas para investigar os polinizadores e os mecanismos de polinização. Flores frescas foram coletadas e fixadas para os estudos morfo-anatômicos e tratamentos de polinização manual foram feitos para verificar o sistema reprodutivo. Também foi determinada a quantidade de sementes potencialmente viáveis obtidas em cada tratamento e analisadas as fragrâncias. Os estudos de filogenia de Cirrhaea e de evolução dos sistemas de polinização de Stanhopeinae foram realizados a partir do seqüenciamento das regiões trnL-F e matK do DNA de cloroplasto e ITS do DNA nuclear. Os dados obtidos para as espécies de Cirrhaea foram acrescidos aos publicados para os demais gêneros de Stanhopeinae para a elaboração de um estudo sobre a evolução dos sistemas de polinização da subtribo. A filogenia das Stanhopeinae foi comparada com uma hipótese filogenética de abelhas da tribo Euglossini (Apidae) a fim de obter informações sobre a evolução dos sitemas de polinização para a subtribo. Cirrhaea...

Filogenia, estudos micromorfológicos e revisão taxonômica de Mimosa ser. Leiocarpae Benth. (Leguminosae-Mimosoideae) = : Phylogeny, micromorphological studies and taxonomic revision of Mimosa ser. Leiocarpae Benth. (Leguminosae-Mimosoideae); Phylogeny, micromorphological studies and taxonomic revision of Mimosa ser. Leiocarpae Benth. (Leguminosae-Mimosoideae)

Juliana Santos Silva
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 18/07/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.11%
Mimosa L. é o segundo maior gênero de Mimosoideae, com distribuição pantropical e mais de 500 espécies. Entre as cinco seções do gênero, Mimosa sect. Batocaulon DC., com 190 espécies, é uma das seções mais diversificadas morfologicamente. Dentre as suas 25 séries, Mimosa ser. Leiocarpae Benth. é a maior, com 31 espécies distribuídas principalmente nos ambientes xéricos sulamericanos. Caracteriza-se pelos diferentes tipos de tricomas e pelas flores tetrâmeras, diplostêmones agrupadas em espigas. Muitas das suas espécies são mal definidas, o que é agravado pela ausência de ilustrações para maioria delas e pela escassez de coleta de alguns táxons. Estudos filogenéticos moleculares têm sustentado o monofiletismo de Mimosa, mas têm demonstrado que suas categorias infragenéricas, precisam de melhor esclarecimento, haja vista o seu para- ou polifiletismo. O objetivo deste trabalho foi a realização de estudos filogenéticos, micromorfológicos e a revisão taxonômica de M. ser. Leiocarpae, visando contribuir com taxonomia e a delimitação desse grupo. O estudo filogenético baseou-se em marcadores moleculares derivados do DNA do nuclear (ITS) e do cloroplasto (matK/trnK, trnD-trnT e trnL-trnF), analisadas através dos métodos de máxima parcimônia e análise Bayesiana...

Filogenia do gênero Erythrina L. (Leguminosae, Papilionoideae, Phaseoleae) e revisão taxonômica das espécies ocorrentes no Brasil; Phylogeny of the genus Erythrina L. (Leguminosae, Papilionoideae, Phaseoleae) and taxonomic revision of the species found in Brazil

Milena Ventrichi Martins
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 27/08/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.11%
Erythrina L. é o terceiro maior gênero da tribo Phaseoleae, com 120 espécies, tradicionalmente subdivididas em cinco subgêneros e 27 seções. Possui distribuição pantropical, com 70 espécies na região neotropical, 38 espécies na África e Madagascar e 12 espécies na Ásia e Austrália. O gênero é caracterizado pelo hábito arbóreo a arbustivo, ramos e/ou caule armados, estipelas glandulares e tricomas ramificados, além da grande diversidade morfológica das flores. Muitas espécies de Erythrina apresentam importância econômica, sobretudo na indústria farmacêutica. No Brasil, a identidade das espécies utilizadas como medicamento nem sempre é confiável, devido ao uso do nome popular "mulungu" que pode se referir a qualquer das espécies do gênero. Estudos filogenéticos moleculares têm sustentado o monofiletismo de Erythrina, mas têm demonstrado que suas categorias infragenéricas precisam de maior esclarecimento. O objetivo deste trabalho foi à realização de estudos filogenéticos e a revisão taxonômica das espécies que ocorrem no Brasil, visando contribuir com a taxonomia e filogenia do gênero. O estudo filogenético baseou-se em sequências do marcador molecular ITS do DNA nuclear, analisadas através dos métodos de análise de máxima parcimônia e de análise bayesiana; enquanto que os estudos taxonômicos revisionais e morfológicos fundamentaram-se nos procedimentos tradicionais. O capitulo 1 trata da filogenia do gênero Erythrina...

Citogenética, filogenia molecular e filogeografia em espécies do gênero Phyllomedusa (Anura, Hylidae) = : Cytogenetic, molecular phylogeny and phylogeography on Phyllomedusa genus (Anura, Hylidae); Cytogenetic, molecular phylogeny and phylogeography on Phyllomedusa genus (Anura, Hylidae)

Daniel Pacheco Bruschi
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 07/08/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.11%
Dificuldades na identificação de populações e delimitação taxonômica de espécies, evidências de espécies crípticas e padrões biogeográficos diversos fazem dos anuros gênero Phyllomedusa (Hylidae, Phyllomedusinae) um interessante candidato a estudos taxonômicos e evolutivos. Na presente tese, foram realizados estudos visando acessar diferentes níveis de diferenciação entre os táxons e possibilitar inferência de eventos e processos envolvidos na diversificação das espécies, contribuindo no melhor entendimento das questões taxonômicas e evolutivas do gênero. Utilizando citogenética, filogenia molecular e filogeografia, investigamos aspectos da evolução cromossômica e molecular em representantes do gênero Phyllomedusa. No primeiro capítulo avaliamos o status taxonômico de populações atribuídas à P. hypochondrialis e P. azurea, utilizando dados morfológicos, cromossômicos e filogenia molecular. Reforçamos a dificuldade de distinção entre estas duas espécies baseado somente em seus caracteres de diagnose, já que estes se sobrepõem quando a amostragem é ampliada. Destacamos variações inter- e intrapopulacionais na posição da NOR em P. hypochondrialis. No segundo capítulo, para entender essa variação em P. hypochondrialis...

Ultra-estrutura de espermatozóide e filogenia de serpentes (Lepidosauria, Squamata)

Bastos, Leonora Tavares
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.11%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal, 2007.; A filogenia de serpentes tem sido inferida a partir de dados morfológicos e moleculares, entretanto, não há consenso entre as relações filogenéticas de serpentes. Recentemente a ultra-estrutura de espermatozóide tem sido utilizada para as reconstruções filogenéticas, por conter significante informação filogenética. Além da análise filogenética, o mapeamento de caracteres permite inferir o curso da evolução de caracteres. A evolução da ultra-estrutura de espermatozóide na família Boidae foi investigada, sendo encontradas novas sinapomorfias (Serpentes, Pythonidae + Boidae, Boidae, Epicrates cenchria e Boa constrictor). Os resultados indicaram melhor concordância entre a ultra-estrutura de espermatozóide e a filogenia morfológica. Ademais, análises filogenéticas foram realizadas utilizando dados de ultra-estrutura de espermatozóide, osteológicos, e moleculares. As análises corroboraram a divisão basal entre Scolecophidia e Alethinophidia e a hipótese que sugere que o fóssil Dinilysia patagonica seja táxon irmão de Alethinophidia. Os dados de ultra-estrutura de espermatozóide contêm informação filogenética e podem fornecer caracteres adicionais para as reconstruções filogenéticas entre as serpentes...

Freud e a filogenia anímica

Winograd,Monah
Fonte: Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia Publicador: Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2007 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
Este ensaio investiga a presença, na obra de Freud, da idéia de uma filogenia anímica paralela, concomitante e dependente da filogenia somática descrita pelos teóricos da evolução. Objetivamos mostrar como se forma esta vizinhança da psicanálise com a biologia evolutiva, sublinhando que na filogenia esboçada por Freud, formas psíquicas típicas se sucedem na história da espécie humana, sendo repetidas por cada indivíduo em sua ontogenia singular. Tal como ocorre no plano somático, tempo e forma se associam intimamente na espécie e nos indivíduos. A presença desta idéia no pensamento freudiano abriu um debate sobre sua filiação lamarckista ou darwinista.

Evolução das abelhas coletoras de óleos florais Centris e Epicharis : inferências a partir da filogenia molecular datada da subfamilia Apinae e das plantas produtoras de óleo floral da Região Neotropical

Martins, Aline Cristina
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 142f. : il. algumas color., grafs., tabs.; application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
37.29%
Orientador : Prof. Dr. Gabriel Rodrigues de Melo; Co-orientadora : Profª. Drª. Susanne S. Renner; Tese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia). Defesa: Curitiba, 15/07/2014; Inclui referências; Área de concentração : Entomologia; Resumo: As abelhas são insetos dependentes das angiospermas, com as quais compartilham uma história de cerca de 120 Ma. Desde sua origem, a relação entre abelhas e flores evoluiu em uma mistura de interações obrigatórias e facultativas, que resultaram em adaptações fantásticas em ambas as partes. Pólen e néctar são as recompensas comumente ofertadas pelas plantas a polinizadores. Porém, cerca de 2000 espécies de angiospermas produzem óleo em suas flores, que é coletado por cerca de 450 espécies de abelhas especializadas e dependentes deste recurso para alimentação de suas larvas e nidificação. Na Região Neotropical, esse intrigante mutualismo é protagonizado pela diversa família Malpighiaceae e pelas cerca de 250 espécies de abelhas dos gêneros Centris e Epicharis. Estas abelhas são formalmente classificadas em uma tribo, Centridini, agrupamento corroborado pelas filogenias morfológicas devido ao suporte dado pelos caracteres relacionados à coleta do óleo floral. Centris e Epicharis se destacam na fauna de abelhas Neotropical devido a riqueza de espécies...

Filogenia de duas subfamílias de cascudos (siluriformes, loricariidae), usando dados nucleares, mitocondriais e morfológicos

Cramer, Christian Andreas
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Tese de Doutorado
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
37.21%
Loricariidae é uma das mais diversas famílias de peixes, atualmente incluindo cerca de 800 espécies reconhecidas. Os loricarídeos são popularmente conhecidos como cascudos ou acaris e têm tamanho de poucos centímetros a mais que um metro. São encontrados somente em água doce, com ampla variação tanto na temperatura, como tipo de ambiente, ou seja, podem ser encontrados desde em córregos frios das montanhas até em lagos da área de inundação do rio Amazonas. A distribuição do grupo é ampla, abrangendo praticamente todas as bacias hidrográficas da América do Sul e parte da América Central, da Argentina até a Costa Rica. Apesar das primeiras espécies terem sido descritas por Linnaeus em 1758 e do trabalho realizado deste então, especialmente nos últimos 15 anos, as relações filogenéticas dos loricarídeos estão apenas parcialmente resolvidas. Os resultados das análises moleculares são conflitantes com os agrupamentos propostos pelas análises morfológicas e um consenso ainda não foi alcançado. Os grupos mais problemáticos são as subfamílias Hypostominae, Hypoptopomatinae e Neoplecostominae. Os estudos morfológicos e moleculares sugerem que Hypoptopomatinae e Neoplecostominae formam um grupo monofilético...

Influência da filogenia em redes de interações ecológicas

Cruz, Cláudia Patrícia Torres
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Física; Física da Matéria Condensada; Astrofísica e Cosmologia; Física da Ionosfera Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Física; Física da Matéria Condensada; Astrofísica e Cosmologia; Física da Ionosfera
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.29%
In this thesis we deal with a class of composed networks that are formed by two tree networks, TP and TA, whose end points touches each other through a bipartite network BPA. We explore this network using a functional approach. We are interested in what extend the topology, or the structure, of TX (X = A or P) determines the links of BPA. This composed structure is an useful model in evolutionary biology, where TP and TA are the phylogenetic trees of plants and animals that interact in an ecological community. We use in this thesis two cases of mutualist interactions: frugivory and pollinator networks. We analyse how the phylogeny of TX determines or is correlated with BPA using a Monte Carlo approach. We use the phylogenetic distance among elements that interact with a given species to construct an index κ that quantifies the influence of TX over BPA. The algorithm is based in the assumption that interaction matrices that follows a phylogeny of TX have a total phylogenetic distance smaller than the average distance of an ensemble of Monte Carlo realizations generated by an adequate shuffling data. We find that the phylogeny of animals species has an effect on the ecological matrix that is more marked than plant phylogeny; Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; Nesta tese tratamos com uma classe de redes compostas que são formadas por duas redes tipo árvore...