Página 1 dos resultados de 1306 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

A escravidão e a lei: gênese e conformação da tradição legal castelhana e portuguesa sobre a escravidão negra na América, séculos XVI-XVIII; Slavery and the Law: the genesis and shaping of the legal tradition Castilian and Portuguese on black slavery in America, 16th - 18th century

Silva Junior, Waldomiro Lourenço da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 21/09/2009 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
O objetivo desta dissertação é analisar a gênese da tradição legal relativa à escravidão negra nas Américas castelhana e portuguesa e a sua conformação entre o início do século XVI e a primeira metade do século XVIII, período em que prevalecia a cultura jurídica do ius commune. A hipótese com a qual se trabalha é a de que a partir da articulação entre processo legislativo e prática social constituiu-se um modo de produção das leis escravistas típico aos ibéricos. Diante da infinidade de matérias abordadas na legislação, procurou-se efetuar um recorte temático que propiciasse a realização do escopo da investigação dentro das limitações de uma pesquisa de mestrado. Os temas eleitos em função da compreensão de sua importância na dinâmica dos regimes de escravidão ibero-americanos foram: manumissão e políticas de controle da rebeldia escrava.; The aim of this dissertation is to analyze the genesis of the legal tradition on African slavery in the Castilian and Portuguese Americas and its configuration from the beginning of XVIth century to the first half of XVIIIth century, a period when the legal culture of the ius commune prevailed. The hypothesis is that by the relationship between legislative process and social practice a particular Iberian slave law mode of production took shape. Due the great diversity of subjects approached by this legislation...

A política da escravidão no império do Brasil, 1826-1865; The politics of slavery in the Empire od Brazil, 1826-1865

Parron, Tâmis Peixoto
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 30/04/2009 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
Esta dissertação examina as defesas do tráfico negreiro e da escravidão negra no Império do Brasil entre 1826 e 1865, isto é, desde o início regular do regime representativo no país até o desenlace da Guerra Civil nos Estados Unidos. O corpus documental compreende discursos políticos emitidos na forma de falas parlamentares, pareceres do Conselho de Estado, artigos de jornal, panfletos, memórias, livros e representações municipais e provinciais. Os textos foram interpretados por meio não apenas da análise do discurso, mas também da história social e política, de forma que se verificou seu impacto sobre a intensidade do contrabando negreiro, as articulações partidárias e as relações sociais. O primeiro capítulo aborda os efeitos do convênio antitráfico anglo-brasileiro sobre as relações entre Executivo e Legislativo, bem como as expectativas correntes sobre o fim definitivo do comércio. O segundo estuda sua reabertura sob a forma de contrabando, fundada no apoio sólido de determinados grupos sociais a políticos que o vindicavam (sobretudo, o grupo do Regresso e saquaremas). O seguinte narra as respostas pró-cativeiro dos estadistas imperiais à diplomacia mais agressiva da Grã-Bretanha na década de 1840...

O sonho se faz a mão e sem permissão. "Escravidão temporária" e reforma agrária no sudeste do Pará"; The dream is done by hand and without permission "Temporary slavery" and land reform in southeastern Pará

Barros, Carlos Juliano Marcondes e Ferreira de Toledo
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 04/07/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
Este estudo tem como ponto central a análise da escravidão temporária no campo brasileiro, relação de trabalho coercitiva e violenta a que estão sujeitos os peões contratados para as chamadas empreitas, como a derrubada de mata ou a limpeza de pasto, principalmente em latifúndios da fronteira agrícola amazônica. Defendemos a noção de escravidão temporária porque ela realça o cerne dessa relação: o tempo em que o empregador se julga no direito de controlar não apenas a força de trabalho, mas também a vida e o corpo do seu empregado como se ele fosse de fato uma mercadoria. Mas é importante ressalvar que, nos dias de hoje, a noção de escravidão também assume um significado político, caracterizando relações de trabalho que seriam mais bem definidas como superexploração. A discussão sobre a persistência de relações escravistas de trabalho sob o modo capitalista de produção nos dias de hoje é feita à luz de um estudo de caso sobre a desapropriação da fazenda Cabaceiras, localizada em Marabá, no sudeste do Pará, ocupada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em 1999. Do ponto de vista do marco legal, trata-se da primeira desapropriação de um imóvel rural em toda a história do país motivada pelo desrespeito à função social...

A escravidão em São Mateus/ES: economia e demografia (1848-1888); Slavery in São Mateus/ ES: economics and demographics (1848-1888)

Russo, Maria do Carmo de Oliveira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 29/11/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
O presente estudo tem por finalidade abordar aspectos demográficos e econômicos da escravidão em São Mateus, região do norte do Espírito Santo, na segunda metade do século XIX. O porto da vila de São Mateus (cidade a partir de 1848), considerado um vetor de desenvolvimento, escoava a produção agrícola regional, principalmente a farinha de mandioca e, posteriormente, o café, abrigando também um ativo mercado de escravos. Colocamos em destaque certas características das estruturas agrárias e sócio-econômicas da região de São Mateus, procurando demonstrar a importância da instituição escravista em tal contexto, assim como as especificidades da escravidão nesta área. Para tanto, consultamos e analisamos documentos cartoriais da cidade - livros do Notariado ou Livro de Notas - do Cartório de 1º. Ofício, onde se encontram registros de alforrias, de compra e venda, hipotecas, doações, aluguel de escravos, dentre outros, relativos ao período de 1863 a 1888. Utilizamos também os registros oficiais referentes à escravidão produzidos no âmbito do governo provincial, sobretudo os Relatórios dos Presidentes da Província a partir da década de 1840 e a legislação contida no Ementário das Leis Provinciais (1835-1888) e nas Posturas Municipais...

Irmãs do Atlântico. Escravidão e espaço urbano no Rio de Janeiro e Havana (1763-1844); Sisters of the Atlantic: slavery and urban space in Rio de Janeiro and Havana (1763-1844)

Santos, Ynaê Lopes dos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 28/09/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.34%
A presente tese de doutorado pretende analisar as razões que levaram Rio de Janeiro e Havana a se constituírem como as maiores cidades escravistas das Américas. O recorte inicial da pesquisa é o ano de 1763, quando as duas cidades transformaram-se em localidades-chave nos Impérios Ibéricos graças ao reordenamento das possessões europeias no Novo Mundo. Ainda que em meados do século XVIII Rio e Havana tivessem relações distintas com a escravidão, o que se observa a partir de 1763 é que o cativeiro urbano tornou-se cada vez mais importante para o funcionamento das duas cidades. Tal importância passa a ser operada em outra escala na última década do setecentos, principalmente após a rebelião dos escravos de Saint-Domingue (1791), quando uma série de Revoluções assolou o Mundo Atlântico questionando a totalidade do Antigo Regime. A despeito do movimento abolicionista e das independências americanas, as elites coloniais do Rio e de Havana conseguem refazer suas relações com o poder metropolitano em defesa da manutenção da escravidão e do tráfico transatlântico, que começou a ser operado numa escala nunca vista. Como espelhos que refletiam a escolha política e econômica feita pelas elites luso-brasileira e cubana...

Entre o fim do tráfico e a abolição: a manutenção da escravidão em Pelotas, RS, na segunda metade do século XIX (1850 a 1884); Between the end of the trade and abolition: the maintenance of slavery in Pelotas, RS, in the second half of the nineteenth century (1850 to 1884)

Pessi, Bruno Stelmach
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 01/10/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
A presente pesquisa tem como principal objeto a escravidão em Pelotas na segunda metade do século XIX. Procurou-se entender como essa instituição se sustentou ao longo dos últimos 35 anos de sua existência, bem como quais foram as modificações ocorridas em decorrência de duas leis abolicionistas, a Lei Eusébio de Queirós e a Lei do Ventre Livre. Além disso, procurou-se entender a escravidão na localidade de forma global, quais eram as características dos plantéis escravos, seu perfil demográfico, como se montaram e se sustentaram, fugindo da exclusividade da charqueada, mas procurando incorporar toda a sociedade escravista pelotense. O uso de fontes de caráter serial e de metodologias do estudo de posse escrava e demografia histórica tornaram possível a verificação de um quadro bem complexo para escravidão local no período estudado. Longe de ser um fornecedor em potencial de escravos para as regiões produtoras de café após o encerramento do tráfico transatlântico, Pelotas demonstrou um esforço para a manutenção da escravidão até praticamente seu fim oficial na década de 1880.; The present investigation has as main object the slavery in Pelotas in the second half of the nineteenth century. We sought to understand how this institution was maintained over the last 35 years of its existence...

A escravidão no Maranhão: Maria Firmina dos Reis e as representações sobre escravidão e mulheres no Maranhão na segunda metade do século XIX; Slavery in Maranhão State: Maria Firmina dos Reis and representations of slavery and women in Maranhão in the second half of the nineteenth century

Silva, Régia Agostinho da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 25/11/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
Esta pesquisa trata da escravidão no Maranhão e sobre as representações da escravidão e das mulheres no século XIX pela escritora maranhense Maria Firmina dos Reis. Trabalhando a partir dos textos literários da autora, o romance Úrsula de 1859, o conto Gupeva de 1861, o conto A Escrava de 1887, buscamos compreender como Maria Firmina dos Reis representou e compreendeu o mundo dos cativos e das mulheres da segunda metade do século XIX no Maranhão. Também utilizamos jornais do período para poder captar a atmosfera cultural na qual Maria Firmina dos Reis esteve inserida.; This research aims to investigate the slavery in Maranhão Sate, moreover the representations of slavery and women in the nineteenth century by the writer that was born in that State, Maria Firmina of Reis. We are using the literary texts of the author, the novel Úrsula of 1859, the tale Gupeva of 1861 and the tale named Escrava, of 1887. We are interested to understand how Firmina Maria dos Reis represented and understood herself the world of captives and women of the second half of the century nineteenth in Maranhão State. Finally, we also use as source of research, the newspapers of the period in order to capture the cultural atmosphere in which was inserted Firmina Maria dos Reis.

Geografia da escravidão na crise do Império: Bananal, 1850 - 1888; Geography of slavery during the crisis of Imperial Brazil: Bananal, 1850-1888

Santos, Marco Aurelio dos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 30/04/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
A pesquisa tem como objetivo investigar os usos do espaço agrário como um dos elementos centrais para os mecanismos de dominação senhorial e também para as estratégias de resistência escrava. Tendo como base os processos criminais do município de Bananal, o trabalho procura entender que o espaço foi vetor fundamental para produzir o controle senhorial sobre o conjunto dos homens livres e dos escravos. No entanto, o desejo de ordem e disciplina imposto pelos senhores era constantemente burlado pelos cativos, que se valiam dos conhecimentos adquiridos dos espaços e dos tempos permitidos e proibidos para realizarem um grande número de ações de resistência. Nesta pesquisa, a geografia da escravidão refere-se à dialética existente entre os usos alternativos ou não que os escravos faziam do espaço de plantação e os controles realizados por feitores, administradores e senhores sobre a mobilidade e o corpo dos cativos. Dos conflitos que se originavam desses embates tem-se a possibilidade de se compreender uma nova dinâmica para a resistência escrava. A pesquisa procurou também ultrapassar a escala do município e ampliar os horizontes. Desse modo, conseguiu-se entender a localidade de Bananal não como um estudo de caso ...

Perdigão malheiro e a comparação histórica na crise da escravidão no Brasil, 1863-1871; Perdigão Malheiro and the historical comparison in the slavery crisis in Brazil, 1863-1871

Santana, Rogerio Barreto
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 03/09/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.21%
Esta dissertação examina a prática da comparação histórica no Império do Brasil entre 1863 e 1871. O corpus documental compreende os discursos políticos emitidos por Perdigão Malheiro dentro e fora do Instituto dos Advogados do Brasil, seja representando a voz autorizada dos bacharéis, seja na forma de falas parlamentares, quando atuou como deputado pela Província de Minas Gerais. Seu livro A escravidão no Brasil igualmente assinala importante frente discursiva, na medida em que representou uma fonte de crítica à escravidão no país e balizou interpretações acerca do encaminhamento do problema da instituição secular. Os textos foram interpretados por meio não apenas da análise do discurso, mas também da História Política e do Contextualismo Linguístico, para quem as ideias de determinado pensador devem ser analisadas tendo em vista seu contexto social de produção e o conjunto de ideias e conceitos anteriores e contemporâneos a ele com os quais dialogou. Utilizam-se, ainda, os conceitos espaço de experiência e horizonte de expectativa, por acreditar-se que ambos compõem ferramentas relevantes para a compreensão dos sujeitos históricos na sincronia e diacronia e contribuem para uma abordagem comparada que apreende o significado histórico das projeções pensadas por aqueles atores dentro do seu contexto social e do conhecimento adquirido por eles em vistas das experiências de outros povos; This thesis examines the practice of historical comparison in the Brazilian Empire between 1863 and 1871. The sources include political speeches by Perdigão Malheiro given within and outside of the Instituto dos Advogados do Brasil (Brazilian Lawyers Institute)...

“Administrando almas”: uma análise da escravidão indígena através das unidades familiares, Campos de Viamão (1750-1760)

Diehl, Isadora Talita Lunardi
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.21%
Este trabalho busca compreender a estrutura da escravidão indígena nos Campos de Viamão, na década de 1750, a partir da análise das unidades familiares descritas nos Róis de Confessados. O estudo aponta para a existência de caraterísticas que denotam que muitos indígenas viviam na condição de escravos. Através da análise do contexto de inserção dos indígenas na sociedade luso-brasílica, foi possível traçar um perfil dos senhores possuidores de cativos ameríndios e levantar hipóteses sobre as formas de inserção destes sujeitos na escravidão. O declínio populacional dos ameríndios, observado no final da década, foi atribuído ao maior rigor na proibição da administração indígena, resultando na incorporação definitiva de muitos nativos à escravidão. Essa incorporação ocorre pela perda de qualquer designativo que denote a etnia, ficando sua identificação restrita à sua condição de mão de obra.; Este trabajo intenta comprender la estructura de la esclavitud indígena en los Campos de Viamão, en la década de 1750, partiendo del análisis de las unidades familiares descriptas en los Róis de Confessados. Lo estudio apunta para la existencia de características que dan la idea de que muchos indígenas vivían como esclavos. Por medio del análisis del contexto de inserción de los indígenas en la sociedad luso-brasílica...

Escravidão e industria : um estudo sobre a Fabrica de Ferro São João de Ipanema : Sorocaba (SP) : 1765-1895; Slavery and industry : a study on the São João de Ipanema iron factory : Sorocaba (SP) Brazil : 1765-1895

Mario Danieli Neto
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 15/12/2006 PT
Relevância na Pesquisa
37.34%
Escravidão e indústria são temas de polêmicas discussões históricas. Pelo menos desde o século XIX, estudiosos de diversas áreas buscaram compreender as questões que envolveram o trabalho escravo em ambientes fabris. O problema central está em refletir sobre a suposta incompatibilidade do escravo frente ao labor industrial, constantemente ressaltada na historiografia que mostra o escravo como incapaz de se adaptar às atividades que exigiam destreza técnica e conhecimentos de máquinas, além de não se habituarem ao ritmo da produção industrial. Mas não somente isso; para alguns historiadores a dicotomia entre escravidão e indústria é algo mais sério, pois os esforços para se implantar indústrias seriam barrados pela presença da instituição escravista. Nesta tese, propus estudar o caso da Fábrica de Ferro São João de Ipanema, em Sorocaba (SP), buscando resgatar importantes pontos para a discussão das relações de trabalho escravistas em um empreendimento industrial. Discute-se preliminarmente, as visões sobre a escravidão industrial de forma comparativa entre o Brasil e os Estados Unidos com ênfase no século XIX. Por sua vez, para um melhor entendimento daquilo que se costumou denominar indústria no Brasil...

O crime de reduzir pessoa livre à escravidão nas casas de morada da justiça no Rio Grande do Sul (1835-1874)

Sá, Gabriela Barretto de
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 200 p. | ils., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
37.34%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Jurídicas, Programa de Pós-Graduação em Direito, Florianópolis, 2014; Este trabalho tem como propósito contribuir com a produção da história crítica do direito brasileiro por meio do, quase inexplorado, estudo das ocorrências do crime de redução de pessoas livres à escravidão, previsto no artigo 179 Código Criminal do Império do Brasil. Para tanto, através do método de análise de casos em escala proposto pela micro-história são analisados documentos judiciais situados entre as décadas de 1830 e 1870 do século XIX, disponíveis no Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul, com o intuito de compreender as circunstâncias em que o artigo 179 do Código Criminal era alegado, bem como verificar o funcionamento da justiça em tais casos onde a ilegalidade da propriedade era apresentada como fundamento de defesa do direito a liberdade de pessoas ilegalmente reduzidas à escravidão. Através do estudo do contexto de elaboração legislativa do Código Criminal do Império do Brasil, é apresentada hipótese acerca da origem da previsão do artigo 179 do Código Criminal. Partindo dos aportes da história social quanto à importância da pesquisa com fontes primárias para a construção da história do direito...

Escravidão "suave" no Brasil : Gilberto Freyre tinha razão?; "Soft" slavery in Brazil : was Gilberto Freyre right?

Versiani, Flávio Rabelo
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
Este artigo analisa o caráter supostamente benigno da escravidão brasileira, em contraste com a escravidão na América do Norte. Na análise econômica da escravidão, coerção para os escravos é visto como um meio para atingir potência máxima, especialmente na agricultura de grande escala. Nas explorações escravo pequeno, porém, a coerção era geralmente ineficazes para o efeito, e incentivos positivos tendem a ser o preferido. Argumenta-se que, conforme os dados mais recentes sobre o Brasil mostrou que as explorações de pequena escravo predominou em várias regiões e períodos, isso pode dar suporte empírico para a noção de uma escravidão relativamente benigna, recorrendo a incentivos mais de coacção. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT; This article examines the question of the supposedly benign character of Brazilian slavery in contrast with North America slavery. In economic analyses of slavery, coercion toward slaves is viewed as a means to achieve maximum output, especially in large-scale agriculture. In small slave holdings, however, coercion was generally inefficient for that purpose, and positive incentives tended to be preferred. It is argued that, as recent evidence on Brazil has shown that small slave holdings prevailed in various regions and periods...

Conspirações da "raça de cor" : escravidão, liberdade e tensões raciais em Santiago de Cuba (1864-1881); Conspiracies of "colored race" : slavery, freedom and racial tensions in Santiago de Cuba (1864-1881)

Iacy Maia Mata
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 18/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
Entre 1864 e 1881, a jurisdição de Santiago de Cuba, situada na região oriental da ilha, foi palco de conspirações e insurreições antiescravistas e anticoloniais. Em 1867, foi descoberto um plano de sublevação envolvendo escravos e livres de cor com o objetivo de pôr fim à escravidão; nos anos seguintes, a região seria o cenário de duas guerras anticoloniais: a Guerra de Dez Anos (1868-1878) e a Guerra Pequena (1879-1880). Nos conflitos, houve grande mobilização de escravos e livres de cor e os insurretos lograram formar um Exército Libertador multirracial. Estas insurreições forçaram a Espanha a encaminhar a emancipação gradual da escravidão e foram marcadas pela emergência de líderes negros e mulatos que pautaram a luta contra o domínio colonial, a escravidão e as barreiras raciais. Em 1880-1881, após ser aprovado o Patronato (última lei de emancipação), as autoridades espanholas promoveram uma violenta repressão a uma suposta "conspiração da gente de cor" e a deportação de centenas de negros e mulatos para Fernando Pó, na Costa da Guiné. Através destes episódios, investigados a partir de uma vasta documentação, que inclui textos de viajantes, testamentos, censos, processos instaurados pela Comissão Militar...

A escravidão compartilhada : os relatos de viajantes e os interpretes da sociedade brasileira

Cristina Carrijo Galvão
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 09/08/2001 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
A dissenação trata como a viagem se constituiu como fonte de saber e legitimidade do conhecimento literário e científico no Ocidente. Aborda alguns viajantes ingleses e franceses que estiveram no Brasil ao longo do século XIX (Mawe, Koster, Saint-Hílaire, Burton e Couty,a fim de captar as múltiplas concepções que construíram sobre a escravidão, detectando a percepção de uma alteridade em relação à Europa fundada nessa instituição. Mostra como os "intérpretes da história do brasil (Gilberto Freyre, Caio Prado Júnior, Sérgio Buarque de Holanda e Florestan Fernandes) panilharam pressupostos com os relatos de viajantes, na medida em que seus textos revelam um projeto de saber e intervenção política na sociedade brasileira, e por entenderem a escravidão como o traço que distingue a nossa sociedade e marca o seu descompassocom a Europa. O texto propõe pensar a escravidão e o trabalho livre no Brasil a partir da convivência de duas formas de concepção do trabalho como mercadoria, a partir de uma leitura crítica de alguns teóricos do liberalismo (Ladre, Adam Smith, Tocqueville e Stuart Mill),destacando como outras visões dessa história permitem-nos questionar o atributo de barbárie tanto da escravidão como do seu agente...

A alegoria patriarcal : escravidão, raça e nação nos Estados Unidos e Brasil

Siqueira, Carlos Henrique Romão de
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Sociais, Centro de Pesquisa e Pós-Graduação sobre as Américas, 2007.; Neste trabalho discuto a formação, o desenvolvimento e os usos de um vocabulário político acerca do significado da escravidão e da raça na textualização da nação produzida por autores do Sul dos Estados Unidos e do Brasil. O que busco é compreender e analisar a forma como tais temas foram narrados no interior dos textos que tentavam definir, prescrever e fixar propostas de identidade, assim como encaixar a instituição da escravidão e a diferença racial na grande-narrativa nacional. Na primeira parte da tese, parto de uma discussão com Michel Foucault e Giorgio Agamben para argumentar em favor da compreensão da instituição da escravidão colonial como um fenômeno biopolítico e um longo estado de exceção sustentado pelo discurso pastoral moderno. Na segunda parte, identifico a teorização dessa instituição biopolítica e desse estado de exceção escravista na obra de autores do Sul dos Estados Unidos no período antebellum, como Thomas R. Dew, John C. Calhoun , Thornton Stringfellow e George Fitzhugh. Em seguida, analiso a literatura memorial escrita no período postbellum como uma narrativa nostálgica sobre a decadência da civilização sulista e o fim da antiga ordem escravocrata. Por fim...

Escravidão, fronteira e liberdade : políticas de domínio, trabalho e luta em um contexto produtivo agropecuário (Vila da Cruz Alta, Província do Rio Grande de São Pedro, 1834-1884)

Araújo, Thiago Leitão de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.34%
O problema central desta pesquisa é analisar os mecanismos de dominação senhorial que permitiam a manutenção e reprodução das relações escravistas em um contexto fronteiriço de produção agropecuária. Ao abordar esta questão tornou-se possível compreender simultaneamente as estratégias acionadas por escravos e libertos na luta contra a imposição deste mesmo domínio. A delimitação espacial focaliza o estudo na vila da Cruz Alta, situada no planalto da província do Rio Grande de São Pedro, entre os anos de 1834 e 1884. A primeira baliza temporal refere-se à criação da vila, e, a segunda, ao ano em que foram concedidas alforrias em massa aos escravos da província com prazo estipulado para a prestação de serviços. O período delimitado neste estudo, portanto, avança em marcos cronológicos que levaram a mudanças significativas nas relações de escravidão, como por exemplo, antes e depois de 1850 quando o comércio ilegal de escravos foi definitivamente proibido, ou antes e depois da lei 2.040 de 28 de setembro de 1871, conhecida como lei do ventre livre, que cessava definitivamente a reprodução da escravidão no Brasil. Desta forma, foi possível analisar como uma sociedade agrária que produzia para o mercado interno respondeu as transformações políticas que ocorriam no Império do Brasil. A pesquisa realizada abrangeu vastas séries documentais como os inventários postmortem...

A escravidão contemporânea no Brasil e as políticas de combate e prevenção

Moura, Leandro Santos de
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.38%
A presente obra trata sobre a escravidão contemporânea no Brasil e suas políticas de combate e prevenção. Em uma abordagem que vai desde a escravidão histórica, que inicia-se na época do Brasil colonial e suas medidas de combate, até os dias atuais. Na parte histórica, há um breve relato sobre a escravidão nesse período, os motivos que levaram ao uso desse tipo de mão de obra, há também uma abordagem sobre tráfico negreiro, e o porquê de trazerem os escravos em sua maioria da África, bem como a escravidão dos índios. Na escravidão contemporânea, a pesquisa adentra nas questões sociais que levam pessoas a se sujeitarem a esta exploração, faz um relato sobre a imigração interna no Brasil, busca relatar os atores desse problema, onde pretende conceituar quem é o empregador, o “gato” ou aliciador e, principalmente, as pessoas e os órgãos que trabalham no combate. E, por fim, as políticas externas para acabar com essa exploração. Faz-se um levantamento das políticas externas, Tratados, Convenções da Organização Internacional do Trabalho, Organização das Nações Unidas e a Organização dos Estados Americanos, que com uma das principais armas de combate nessa luta, a Convenção Americana de Direitos humanos...

A representação social da escravidão nos museus brasileiros: interfaces entre a Museologia e a História; A representação social da escravidão nos museus brasileiros: interfaces entre a Museologia e a História

Mello, Janaina Cardoso de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 06/01/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
O artigo apresenta um estudo das representações da escravidão nos museus brasileiros em seus aspectos simbólicos, políticos e culturais na perspectiva de uma interface entre a Museologia e a História, refletindo sobre o papel político-cultural dos museus na sociedade brasileira. Assim, o estabelecimento de um diálogo com a produção historiográfica sobre a escravidão na sociedade brasileira permite discutir as representações sociais da escravidão nos museus brasileiros, com ênfase na realidade sergipana, para então se pensar novas possibilidades para uma expografia que contemple a pluralidade cultural afro-brasileira nos museus.; The article presents a study of representations of slavery in Brazilian museums in its symbolic, political and cultural aspects from the perspective of an interface between museology and history, reflecting the political and cultural role of museums in Brazilian society. Thus, the establishment of a dialogue with the historiographical production about slavery in Brazilian society lets discuss the social representations of slavery in Brazilian museums, with emphasis on the reality of Sergipe, to then think about new possibilities for a expographic covering the Afro-Brazilian cultural plurality in the museums.

Escravidão, Quotidiano e Gênero na Emergente Capital Alagoana (1849-1888); Escravidão, Quotidiano e Gênero na Emergente Capital Alagoana (1849-1888)

Marques, Danilo Luiz
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 06/08/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
This present article aims to explain about slavery in Maceio during the second half of the nineteenth century. To do so, we discuss the everyday as a site of resistance of slaves and free Africans before the hegemony manor. Characteristic of nineteenth-century Brazilian cities, the presence of slavery was remarkable in social maceioense, having a large population of slaves, freedmen, free Africans and poor freemen circulating daily in the streets, alleys and squares, settling on the outskirts of the city, developing their arrangements, seeking survival counteract the hegemony manor, delineating urban living maceioense throughout the nineteenth century. Within this scenario, the presence of black women was a constant: they wove experiences in the streets and squares of the capital of Alagoas, composing the cityscape with its customs and inserted in a context of slavery city. Thus, were fundamental to the domestic order and small businesses.; Este presente artigo visa explanar sobre a escravidão em Maceió ao longo da segunda metade do século XIX. Para tanto, abordaremos o quotidiano como local de resistência de escravos e africanos livres perante a hegemonia senhorial. Como característica das cidades brasileiras oitocentistas, a presença da escravidão era marcante na vida social maceioense...