Página 1 dos resultados de 2 itens digitais encontrados em 0.038 segundos

Utilização de medicamentos órfãos em Portugal

Gonçalves, Anabela da Conceição Carvalho
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
76.24%
A European Medicines Agency (EMEA) estima que existam entre 5.000 e 8.000 doenças raras diferentes, afectando entre 6% a 8% da população europeia. As doenças raras, incluindo as de origem genética, são as que constituem uma ameaça para a vida ou uma incapacidade crónica, e cuja prevalência em toda a população comunitária é inferior a 5 casos por 10.000 pessoas. Segundo este critério, na população portuguesa a prevalência é inferior a 5.000 casos por doença. Desta forma estas doenças constituem um problema de saúde pública, sendo os medicamentos órfãos o primeiro passo para o tratamento. A designação de medicamento órfão é baseada em critérios estipulados no ponto nº 1, do Artigo 3º, do Regulamento (CE) nº 141/2000, de 22 de Janeiro de 2000, do Parlamento Europeu, e destina-se ao diagnóstico, prevenção ou tratamento de uma doença rara. A investigação e o desenvolvimento destes fármacos pela indústria farmacêutica europeia são escassos, devido à falta de incentivos do sistema europeu, contrariamente ao que acontece com o sistema americano e japonês, que vigoram desde 1983 e 1993, respectivamente. O presente estudo, levado a efeito nos hospitais e outras instituições do Serviço Nacional de Saúde português...

Doenças Raras e Medicamentos Órfãos em Portugal: Impacto Económico dos Medicamentos Órfãos na Região da Beira Interior

Nascimento, Vera
Fonte: Instituto Politécnico do Porto Publicador: Instituto Politécnico do Porto
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /09/2014 POR
Relevância na Pesquisa
106.39%
Medicamentos órfãos destinam-se ao diagnóstico, prevenção ou tratamento de doenças muito graves ou que causem risco de vida, que são raras e não afetam mais do que 5 em cada 10.000 pessoas na União Europeia. Estes medicamentos são apelidados de órfãos, já que em condições normais de mercado, não existe interesse para as empresas farmacêuticas desenvolver tais medicamentos, devido ao baixo retorno financeiro causado pela raridade. O objetivo deste trabalho consiste em avaliar a utilização de medicamentos órfãos em Portugal e analisar o impacto económico destes medicamentos na região da Beira Interior. Os dados recolhidos permitiram avaliar retrospetivamente o consumo de medicamentos no período de janeiro a dezembro de 2013 em Portugal e em particular nos hospitais: Centro Hospitalar Cova da Beira, Unidade Local de Saúde da Guarda e Unidade Local de Saúde de Castelo Branco. A informação dos dados refere-se ao consumo dos Hospitais e Instituições do Serviço Nacional de Saúde, reportada mensalmente ao INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P.). Foram identificados 48 medicamentos órfãos com Autorização de Introdução no Mercado na Europa, 47 são medicamentos com Autorização de Introdução no Mercado português...