Página 1 dos resultados de 439 itens digitais encontrados em 0.034 segundos

A educação na esteira da crise política da modernidade: uma análise a partir das reflexões de Hannah Arendt; Problems of Education in the Political Crisis of Modernity: an analysis from the reflections of Hannah Arendt.

Deina, Wanderley José
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 29/08/2012 PT
Relevância na Pesquisa
76.28%
Esta tese aborda alguns problemas da Educação Moderna apontados nas reflexões de Hannah Arendt em seu artigo A Crise da Educação, um texto relativamente sucinto, mas que remete a praticamente toda a sua produção teórica no campo da Filosofia e da Política. O objetivo é esclarecer as principais críticas que a autora dirige à educação moderna, a partir de seu próprio referencial teórico. Para Arendt, a crise da educação é uma manifestação particular da crise política que aflige a civilização ocidental desde o início da modernidade. Apesar da relação entre a crise política e a crise na educação, ela defende a separação entre ambas, de modo que a política não determine (em absoluto) a educação e a educação não seja utilizada como instrumento da política, algo que se tornou bastante corriqueiro nas sociedades modernas. A pedagogia, imbuída do espírito científico característico da Era Moderna, apesar dos grandes avanços que trouxe para o campo da educação, não é poupada pela autora, na medida em que colaborou para a ruptura com a tradição, um fenômeno que marcou a perda do senso comum que orientava a vida humana na Terra. A falta de um sentido comum em relação ao mundo é apontada como um dos fundamentos da alienação moderna...

Ensaio sobre a ideia política : a cegueira da modernidade

Dutra, André Luiz Varela
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
76.04%
Esta monografia estuda o discurso do filme “Ensaio sobre a cegueira”, do diretor Fernando Meirelles, e busca entender a metáfora e relacioná-la às políticas e à crise da modernidade. Desenvolve a reflexão sobre política e cinema, para a qual o debate é articulado em trabalhos de autores como Zygmunt Bauman e Jacques Aumont permitindo a compreensão de questões que caracterizam o modelo de sociedade moderna e pós-moderna, bem como os processos de representação cinematográfica. Busca-se interpretar, através da metodologia da observação, da descrição e da dialética, a linguagem do filme para a identificação de metáforas que fazem alusão à queda da influência das instituições sociais e à ascensão do individualismo.; The following monograph studies the speech about the film “Blindness” of the director Fernando Meirelles and seeks the understanding of the metaphor and its relations to the politics and to the crisis of modernity. It develops thoughts of politics and cinema, to which the discussion is articulate into papers of workers as Zygmunt Bauman and Jacques Aumont that allow the understanding of issues which feature the model of modern and pos-modern society, as well as processes of cinematic represention. It is sought to interprete...

A educação fisica na crise da modernidade

Paulo Evaldo Fensterseifer
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 31/12/1999 PT
Relevância na Pesquisa
86.28%
Este trabalho parte do pressuposto que a crise pela qual passa nossa cultura produz e é resultado de uma crise que atinge também a educação e, em particular, a educação física. Inserir-se nesta discussão é, portanto, buscar construir saídas a partir de uma profunda investigação do caráter desta crise e das perspectivas de análise/superação da mesma. O cerne desta problemática reside, no meu entender, no caráter instrumental que a racionalidade moderna assumiu, característica que marca profundamente a educação física. A alternativa que visualizo está na superação desta forma de racionalidade, ou seja, na construção de uma racionalidade comunicativa. O que significa entender a modernidade como projeto inconcluso, tal como nos propõe Habermas, não ignorando porém a necessidade de uma “correção de rota”, tendo em vista os limites da racionalidade moderna. Esta opção implica repensar a intervenção da educação física, inserindo-a na multiplicidade de vozes que possam vir a compor uma racionalidade capaz de construir um projeto emancipatório. Com este esforço de mediação acredito contribuir para que essa área do saber enfrente sua crise, a qual, sem dúvida, inscreve-se no bojo da crise da modernidade.; It is assumed in this work that our culture goes through a crisis...

Modernidade, Educação e Alteridade : Adorno, cogitações sobre um outro discurso pedagogico

Nelson Palanca
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 22/02/2005 PT
Relevância na Pesquisa
66.05%
Uma das principais características dos dias atuais é que, em diferentes campos do conhecimento, encontramos intelectuais promovendo um questionamento crítico da sociedade moderna. Pode-se dizer que este trabalho não foge a essa perspectiva, na medida em que contempla a intencionalidade de estender tais questionamentos a uma das principais instituições dessa sociedade: a educação. Com este intuito, no primeiro capítulo, procuramos explicitar alguns aspectos do que se convencionou chamar crise da modernidade, através da análise de questionamentos a ela dirigidos por alguns intelectuais - com ênfase especial nos da primeira geração da Escola de Frankfurt - que advogam a necessidade de uma superação dialética da teoria tradicional de conotação, fundamentalmente, iluminista. No segundo capítulo, voltamos a nossa atenção para a esfera pedagógica, observando que, tal como ocorreu com outras áreas do conhecimento humano na modernidade, a pedagogia procurou reconstruir a sua identidade passando a caracterizar-se como ?ciência da educação?; nesta condição afastou-se do eixo da filosofia e procurou estender ao processo educativo (formal) a sistematicidade e racionalidade, próprias da esfera científica. Assim delineada...

A crise da modernidade e a constituição

Capellari, Eduardo
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.29%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Jurídicas. Programa de Pós-graduação em Direito.; Este trabalho de dissertação objetiva estabelecer elementos para a compreensão do constitucionalismo contemporâneo a partir de um cenário mais amplo definido pela crise da Modernidade. Em função de tal diretriz, estrutura-se de forma a dar conta de três questões centrais: resgatar os materiais histórico-culturais que, direta ou indiretamente, contribuíram para a edificação conceitual do constitucionalismo a partir da Modernidade ocidental; delimitar os diferentes projetos político-filosóficos subjacentes às opções jurídicas do moderno Estado de Direito, bem como visualizar as formas históricas que serão fruto das tensões verificadas; sistematizar as principais formulações críticas ao projeto filosófico da Modernidade e examinar as conseqüências de suas apropriações no seio do constitucionalismo contemporâneo. Com isso, inicia buscando reconstituir na história da formação jurídico-política do Ocidente os elementos que anteciparam as transformações históricas que iriam marcar a Modernidade. Assim, os limites e a riqueza da experiência da polis grega, a concepção jurídica do Estado protagonizada pelos romanos...

Do funcionamento dos media à crise da modernidade : o espaço público e os seus simulacros

Martins, Moisés de Lemos
Fonte: Casa das Musas Publicador: Casa das Musas
Tipo: Parte de Livro
Publicado em //2008 POR
Relevância na Pesquisa
66.21%
A minha proposta associa o actual funcionamento dos media à ideia de crise da modernidade. No seguimento da ideia de Tocqueville, que via como irreversível o divórcio entre crítica e opinião, e de Karl Krauss, que garantia que o jornalismo comia o pensamento, proponho que a actual utopia tecnológica de um agora virtual não passa de uma sobrevivência simulacral do Espaço Público. A ideia de controlo da cultura e informação em que insisto é interior à própria cultura. Por injecção e mobilização tecnológicas, é meu entendimento que o nosso tempo acelerou e que a nossa modernidade entrou em crise. Ao interrogar os mecanismos de controlo da cultura e da informação, vou interrogar, pois, sobretudo, os efeitos na cultura das tecnologias da informação, que incluem os media. Vou interrogar, designadamente, a actual fusão da teckne com a bios, ou seja, a actual ligação da técnica com a estética. Proponho que esta ligação está na origem da actual estetização da política e do espaço público, convertidos num espaço agitado, excitado, sobreaquecido, que se esgota em emoção. Estando nos privados de normas universais que nos destinem, é meu entendimento, no entanto, que os media não podem deixar de dizer a crise desta época...

Os horizontes de Prometeu: considerações para uma crítica da modernidade

Plastino,Carlos Alberto
Fonte: IMS-UERJ Publicador: IMS-UERJ
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1996 PT
Relevância na Pesquisa
86.21%
O artigo discute inicialmente as concepções centrais do neoliberalismo e da multifacética crise de civilização, decorrentes da unilateralidade da perspectiva iluminista. Afirmando a necessidade de recuperar a perspectiva crítica, insere a consideração das políticas econômicas neoliberais e de suas conseqüências políticas, sociais e culturais na perspectiva da crise da modernidade. Considera a seguir as características centrais da cosmologia moderna, salientando o papel central do racionalismo, nas suas vertentes ontológica e gnosiológica. Apoiando-se nas contribuições da ciência contemporânea (em especial da física quântica) e da psicanálise, assinala o caminho seguido pela crítica daquelas concepções, orientadas no sentido de relativizar o determinismo, abrindo espaço para a consideração da criação e da emergência do radicalmente novo na história.

A crise da modernidade e a barbárie

Menegat,Marildo
Fonte: IMS-UERJ Publicador: IMS-UERJ
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2000 PT
Relevância na Pesquisa
76.11%
Este ensaio procura analisar os impasses na fundamentação da eticidade na modernidade. Parte do pressuposto que os autores clás sicos do Iluminismo viam nesse problema uma ameaça para o futuro da sociabilidade. Marx teve o mérito de articular o tema com as bases objetivas da estrutura social. O século XX presenciou a tragicidade desta condição como um destino da Humanidade. A partir de Ador no-Horkheimer, procura-se analisar os desdobramentos dessa condi ção na chamada cultura pós-moderna. A hipótese defendida é que a crise da modernidade, na ausência de alternativas radicais para sua superação, se manifesta como um lento emergir da barbárie. Em pou cas palavras: o desenvolvimento do capitalismo (e sua lógica cultural) não apenas produz a barbárie, como esta lhe é necessária para sua continuidade.

Os horizontes de Prometeu: considerações para uma crítica da modernidade

Plastino,Carlos Alberto
Fonte: IMS-UERJ Publicador: IMS-UERJ
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2005 PT
Relevância na Pesquisa
86.21%
O artigo discute inicialmente as concepções centrais do neoliberalismo e da multifacética crise de civilização, decorrentes da unilateralidade da perspectiva iluminista. Afirmando a necessidade de recuperar a perspectiva crítica, insere a consideração das políticas econômicas neoliberais e de suas conseqüências políticas, sociais e culturais na perspectiva da crise da modernidade. Considera a seguir as características centrais da cosmologia moderna, salientando o papel central do racionalismo, nas suas vertentes ontológica e gnosiológica. Apoiando-se nas contribuições da ciência contemporânea (em especial da física quântica) e da psicanálise, assinala o caminho seguido pela crítica daquelas concepções, orientadas no sentido de relativizar o determinismo, abrindo espaço para a consideração da criação e da emergência do radicalmente novo na história

As transformações na esfera pública e a ação ecológica: educação e política em tempos de crise da modernidade

Carvalho,Isabel Cristina de Moura
Fonte: Editora Autores Associados Publicador: Editora Autores Associados
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2006 PT
Relevância na Pesquisa
76.15%
Discute as transformações da esfera pública contemporânea e a emergência de novos modos de ação política associados à formação de um campo político e pedagógico ambiental. Afirma que a ação política ambiental, no contexto do ambientalismo e da nova esquerda contracultural, pode ser considerada uma das expressões da crise da modernidade. Nesse sentido, os movimentos ecológicos buscam reposicionar o ego e o socius, o privado e o público, a ética e a estética na esfera de ação societal. Isso repõe um dilema que remete tanto às tendências conflitivas da modernidade quanto ao seu projeto emancipatório. Ante essa problemática, algumas análises destacam a dissolução e o declínio da política, enquanto outras enfatizam a emergência de uma nova forma de ação política. Por fim, o artigo explora os rebatimentos dessas mudanças sociais no campo da ação educativa, particularmente a educação ambiental, preocupada com a construção de um sujeito ecológico.

Hannah Arendt: pensar a crise da educação no mundo contemporâneo

César,Maria Rita de Assis; Duarte,André
Fonte: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 PT
Relevância na Pesquisa
66.1%
Dividido em três etapas complementares, o presente artigo discute a reflexão de Hannah Arendt sobre a crise da educação no mundo contemporâneo. Na primeira parte se estabelecem algumas conexões teóricas gerais entre as teses de Arendt a respeito da crise da educação e sua reflexão filosófico-política sobre a crise política da modernidade. Na segunda parte do texto, discute-se a hipótese arendtiana de que a crise da educação também está relacionada à introdução de abordagens educacionais de caráter psicopedagógico, as quais, em vez contribuir para educar os jovens para a responsabilidade pelo mundo e para a ação política, os mantêm numa condição infantilizada que se estende até a idade adulta, trazendo, em consequência, novos problemas políticos. Finalmente, na terceira parte do texto, propõe-se a hipótese de que uma das principais contribuições do pensamento arendtiano para pensar a crise contemporânea da educação se encontra em sua interessante discussão do binômio "crítica" e "crise", o qual põe em questão o binômio tradicional "crise/reforma". Arendt, assim como Foucault e Deleuze, nos ensina que crítica e crise são fenômenos modernos indissociáveis e nos convida a enxergar a crise como momento privilegiado para o exercício da atividade da crítica. Para Arendt...

Modernidade/Pós-modernidade e educação no contexto do capitalismo tardio

Silva, Sidinei Pithan da
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Teses e Dissertações Formato: application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
56.37%
Resumo: Esta pesquisa analisa alguns desdobramentos (da crise) da racionalidade moderna na educação, buscando compreender suas implicações para o currículo e a formação universitária no capitalismo tardio. Em linhas gerais, procura compreender e explicitar as relações entre o projeto filosófico, político e social da modernidade, em sua fase sólida (acumulação rígida do capital), com a e, o projeto filosófico, político e social da (pós-) modernidade, em sua fase flexível (acumulação flexível do capital), com a . Parte, para tanto, num primeiro momento, da explicitação dos pressupostos “filosóficos” fundamentais do projeto social da modernidade (burguesa), que tiveram seu ápice no contexto do Iluminismo europeu (século XVIII). Investiga, sobretudo, o contexto histórico, implicado na destes pressupostos, os quais se fizeram presentes e determinaram os da (lógica curricular e da formação acadêmica constitutiva da) universidade moderna. Num segundo momento, explicita-se a crise destes pressupostos constitutivos da moderna, evidenciando as diferentes críticas da modernidade e...

Crise planetária: as abordagens para seu entendimento e superação considerando novas concepções científicas e culturais

Batanolli, João Alberto Ramos
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.24%
Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais da Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC, para a obtenção do título de Mestre em Ciências Ambientais.; Nas últimas décadas, autores, cientistas e pesquisadores, lideranças mundiais, humanistas e políticos dialogam sobre faces de uma crise que aos poucos se vai revelando um único e mesmo fenômeno. Indicadores sociais e ambientais vão descortinando um cenário onde devastação ambiental, contradições econômicas, urbanização desumanizante, degradação dos valores básicos da civilidade, hegemonia dos valores materiais nas relações humanas, reflexos éticos da grandeza material a qualquer custo, aumento vertiginoso de doenças psíquicas e outras denominadas de “doenças da civilização” em caráter quase epidêmico, aumento exponencial do consumo de drogas de todos os tipos, e tantos outros -, todos estes fatores se mostram articulados e relacionados, não deixando dúvidas: existe de fato uma crise multifacetada, mas de natureza única e de abrangência planetária. Busca-se então a existência de uma relação de causalidade entre a crise já constatada e a sociedade moderna (científica, racionalista, industrial). Logo no início deparasse com uma variável de ritmo...

Dilemas da modernidade no mundo contemporâneo; The dillemas of modernity in the contemporary word

Montero, Paula
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 30/03/1992 POR
Relevância na Pesquisa
66.09%
Este texto traz um panorama das discussões sobre a questão da modernidade, bem como situa a antropologia nos impasses gerados pelas diefrentes abordagens. neste contexto, procura trazer à tona as questões pertinentes que temos que ter em vista quando realizamos nossas pesquisas.; .

A consolidação do controle ideológico e a crise da razão

Ramos, Luciano Sousa
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 09/08/2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.14%
Na intenção de um estudo detalhado sobre a crítica realizada pelos pensadores da Escola de Frankfurt sobre o fenômeno da cultura atual, denominada por eles de indústria cultural ou cultura de massas, encontramos alguns temas os quais estão profundamente relacionados à crise cultural da modernidade e que são indispensáveis ao seu entendimento. Tais temas são: a crise da razão na modernidade e o fortalecimento da ideologia da sociedade tecnológica que, segundo Adorno, possui grandes diferenças em relação ao conceito de ideologia marxista, a principal delas, a questão da identidade entre ideologia e realidade. O que interessa no fato é a percepção desta catástrofe da razão não somente pelos teóricos críticos, mas até anteriormente a eles e de modo muito profícuo por um dos grandes escritores que deram vida artística a este tema, Fiódor Dostoievski.

Crise e Transmodernidade: fundamentos iniciais para uma ética da libertação

Lorenzetto, Bruno Meneses; Giamberardino, Pedro Ribeiro
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 02/02/2010 POR
Relevância na Pesquisa
66.17%
O presente estudo visa contextualizar a crise do paradigma da modernidade na sociedade contemporânea, sob uma perspectiva crítica. Para tanto, delineia-se os aspectos fundadores da racionalidade moderna, pautados em seus padrões de pureza, de forma articulada ao seu respectivo fenômeno de desencantamento. A seguir, pauta-se a análise referente à crítica à modernidade sob a perspectiva traçada pela Escola de Frankfurt e pela proposta da transmodernidade, delineada especialmente a partir da Filosofia da Libertação, como possibilidade de uma fundamentação para o princípio da dignidade humana, de modo conciliável à alteridade e à diferença. Adota-se esta corrente, portanto, como fundamento de uma ética compatível à efetividade dos Direitos Humanos e os direitos fundamentais, sem que estes conceitos venham a significar uma sobreposição da cultura ocidental sobre os demais países e culturas, respeitando as necessidades globais e as especificidades locais.

A crise do projeto da modernidade a partir das análises de Simmel, Ansart e Castoriadis

Meira, Júlio Cesar
Fonte: Programa de Pós-Graduação em História Publicador: Programa de Pós-Graduação em História
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 22/10/2015 POR
Relevância na Pesquisa
66.28%
Modernidade, mais do que um período temporal ou histórico, deve ser percebida como um projeto de mudança, mais de expectativa do que de visões de mundo ou de situações concretas. Mas antes de vir a ser, o projeto da Modernidade tem apresentado fissuras fundamentais, compondo o que se chama, há um bom tempo, de “crise da Modernidade”. Este artigo propõe em primeiro lugar, analisar o significado e a origem do termo Modernidade e, em segundo lugar, entender as críticas ao projeto da Modernidade, a partir das reflexões de autores como Georg Simmel, Pierre Ansart e Cornelius Castoriadis, alguns dentre vários apologistas da “crise da Modernidade.

"Seven" - ou a hipertrofia da racionalidade.

Cedran, Paulo Cesar
Fonte: Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação Publicador: Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 13/10/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.05%
O presente artigo analisa aspectos do filme Seven de David Fincher, correlacionando-o à chamada crise da modernidade e da própria razão Iluminista. Nesse contexto trabalha-se a relação psicótica do personagem John Doe à própria hipertrofia da racionalidade, ou seja, a exacerbação da razão destrói a própria essência da racionalidade, gerando uma situação de anomia, que foi marcada pela tentativa de se resgatar uma racionalidade ética cristã, através da punição dos 7 pecados capitais e da seqüência mórbida dos crimes cometidos, que nos leva a refletir, por onde anda a razão.

A CRISE DA MODERNIDADE: CIÊNCIA E SOCIEDADE

Maria Célia da Silva; Universidade Federal de Rondônia, Brasil; Elton Emanuel Brito Cavalcante; Universidade Federal de Rondônia
Fonte: EDUFRO Publicador: EDUFRO
Formato: application/pdf
Publicado em 20/08/2014 PT
Relevância na Pesquisa
66.15%
Boaventura de Sousa Santos, pensador português contemporâneo, faz em “A Crítica da Razão Indolente” forte crítica ao conceito de razão instrumental. Crítico contumaz do neoliberalismo, elabora uma profunda revisão no conceito de razão, desde Kant até Milton Freedman, sem entretanto cair no discurso extremado do neomarxismo. Neste trabalho, buscar-se-á responder ao questionamento feito pelo autor citado: A ciência contemporânea está em crise? Pierre Bourdieu e Inês Araújo Lacerda serão os teóricos que ajudarão aqui a tratar do tema, o primeiro com a sua noção de campos e usos sociais da ciência; a segunda, com a relação entre a ciência e as ideologias. De fato, a tese defendida é a de que não só a ciência está em crise como a própria modernidade também o está.

Crise da escola ou na escola? Uma análise da crise de sentido dos sistemas públicos de escolarização obrigatória

Barroso,Geraldo
Fonte: Centro de Investigação em Educação. Instituto de Educação da Universidade do Minho Publicador: Centro de Investigação em Educação. Instituto de Educação da Universidade do Minho
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66%
Este estudo coloca em discussão os significados que são atribuídos à crise da escola pública de frequência obrigatória na literatura educacional crítica produzida desde fins do século XX no Brasil e em Portugal. Elenca as expectativas otimistas que impulsionaram - após a Segunda Guerra Mundial - a massificação da instituição escolar, fazendo um confronto com os impasses com que os sistemas públicos de ensino se defrontam, neste início do século XXI, diante das promessas não cumpridas da modernidade. Aborda, ainda, o impacto das transformações de economias e culturas globalizadas, de sociedades multiculturais, de informatização acelerada e de Estados-Nação esvaziados de suas funções históricas para a configuração dessa crise e os diferentes dispositivos que têm sido elaborados, no Brasil e em Portugal, destinados a superá-la.