Página 1 dos resultados de 29 itens digitais encontrados em 0.014 segundos

Vinculação materna durante e após a gravidez

Silva, Sara Manuela Airosa da
Fonte: [s.n.] Publicador: [s.n.]
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.67%
Dissertação apresentada à Universidade Fernando Pessoa, como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Mestre em Psicologia, especialização em Psicologia Clínica e da Saúde; Este estudo pretende contribuir para a identificação de indicadores psicopatológicos, como sintomas de ansiedade, depressão e stress que possam interferir na vinculação mãe/bebé estabelecida, durante o período pré e pós-natal. Assim, na presente investigação pretende-se avaliar a associação entre suporte social e a sintomatologia depressiva, ansiosa e stress, além da vinculação estabelecida entre mãe e bebé. Pretende-se, igualmente, comparar o grupo de mães grávidas com o outro grupo de pós-parto, relativamente à vinculação materna estabelecida. Participaram neste estudo 100 mulheres, das quais 50 se encontram no período gestacional, entre as 5 e 39 semanas e as restantes na fase do pós-parto, entre 1 e 12 meses. A faixa etária das mães está compreendida entre os 19 e os 42 anos (M=29,04; DP=5,145), relativamente ao estado civil, 78% da amostra é casada ou vive em união de facto. A avaliação das dimensões em análise foi efectuada através da administração dos seguintes instrumentos: Questionário de Dados Sócio-Demográficos e Clínicos...

À volta do nascimento: antecipação da experiência de parto, experiência de parto e Bonding – um estudo exploratório

Correia, Carmen Sofia Ramalho Brecha
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
46.24%
A vinculação materna ao bebé ou bonding, tem sido descrita como uma relação emocional única, específica e duradoura, que se estabelece e constrói de um modo gradual a partir daquilo que se verifica durante a gravidez e, mais especificamente, no parto e após o parto. Assim, o presente estudo procura abordar as particularidades da forma como a grávida antecipa o parto e suas implicações ao nível da satisfação com a experiência de parto, nunca descurando o impacto que ambos os processos têm no funcionamento emocional das mulheres, bem como no estabelecimento do bonding. Tratando-se de um estudo exploratório com uma amostra inicial de 50 mulheres, avaliadas durante a gravidez e depois, num segundo momento, no pós- -parto, pretende-se: 1) explorar a forma como as mulheres primíparas e multíparas antecipam e experienciam o parto; 2) explorar se a antecipação da experiência de parto se relaciona com a experiência evocada de parto; 3) explorar a relação entre a antecipação da experiência de parto e o bonding ao bebé imaginário, no último trimestre de gestação, bem como entre a experiência de parto e o bonding ao bebé real, no período pós-parto e puerpério. Os resultados apontam no sentido das mulheres primíparas e multíparas desenvolverem uma antecipação do parto distinta...

Vinculação materna : contributo para a compreensão das dimensões envolvidas no processo inicial de vinculação da mãe ao bebé

Figueiredo, Bárbara
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2003 POR
Relevância na Pesquisa
106.72%
As transformações sociais e tecnológicas que aconteceram nos últimos anos obrigaram a importantes modificações no comportamento dos pais para com os bebés, cujas repercussões sobre a qualidade da relação emocional e dos cuidados parentais estão ainda muito por investigar. A vinculação materna ao bebé, uma relação emocional única, específica e duradoura, que se que se estabelece de um modo gradual, desde os primeiros contactos entre a mãe e o bebé, traduz-se num processo de adaptação mútua no qual mãe e bebé activamente participam, como esclarece o presente artigo. Este estudo teórico pretende essencialmente responder à questão fundamental de saber “o que estimula ou promove o vínculo dos pais com o bebé?”. Visa assim contribuir para melhorar a nossa compreensão das diversas dimensões envolvidas no processo inicial de vinculação ao bebé, procurando em particular esclarecer a importância dos factores hormonais, cujo papel não tem sido suficientemente considerado neste processo. O papel de outros factores é igualmente analisado, como seja o tipo de parto, a dor no parto e os métodos usados com vista à sua redução, a quebra no contacto precoce da mãe com o bebé e as competências e disponibilidade interactiva do recém-nascido.; Recently implemented social and technological changes have several implications for the parental behavior toward the baby...

Ansiedade, qualidade do relacionamento conjugal e vinculação materna ao feto : estudo com grávidas primíparas e multíparas

Magalhães, Cláudia Sofia Pereira
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 08/04/2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.47%
A gravidez é um período caraterizado por várias mudanças na vida da mulher. É nesta fase repleta de sentimentos ambivalentes, que se dá início à formação do vínculo mãe-bebé. Esta vinculação pré-natal materna relaciona-se com diferentes variáveis psicossociais como a ansiedade e qualidade do relacionamento conjugal que influenciam o bem-estar da grávida e do bebé. O objetivo central desta investigação foi comparar uma amostra de mulheres grávidas primíparas com um grupo de mulheres multíparas em relação à vinculação pré-natal materna ao feto, à ansiedade na gravidez e à qualidade do relacionamento conjugal. A investigação foi de natureza observacional, descritivo-transversal. A amostra foi constituída por 62 utentes do ACES Alto Ave. Foram administrados o Antenatal Emotional Attachment Scale, o State- Trait Anxiety Inventory (STAI) e Relationship Questionnaire (RQ). Os resultados mostraram que a qualidade do relacionamento conjugal positivo difere entre as grávidas multíparas e primíparas, evidenciando as últimas mais aspetos positivos na relação conjugal. Constatou-se também que ao nível da subescala ansiedade traço, as grávidas multíparas apresentam maior sintomatologia ansiosa do que as grávidas primíparas. Ao nível da vinculação pré-natal e ansiedade estado não se verificaram diferenças entre as grávidas primíparas e multíparas. Os resultados desta investigação no âmbito da Psicologia da Parentalidade sublinham a necessidade de um maior investimento na prevenção e intervenção durante o período da gravidez com a finalidade de promover uma melhor parentalidade.; Pregnancy is a period characterized by several changes in women’s lives. It is at this stage...

Acompanhar a maternidade de forma holística: efeitos sobre a autoestima materna e a vinculação mãe-bebé

Lourenço, Isabel Maria Miguel Lopes
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
56.47%
A transição para a maternidade, sobretudo para a primípara, é um período que exige da mulher grandes mudanças e adaptações a nível biopsicossocial, colocando à prova a sua capacidade para lhe fazer face, e com repercussões na relação mãe- bebé. Os profissionais de saúde podem contribuir para a vivência positiva desta transição, prestando uma atenção global à saúde (física e mental) da mulher, durante o período gravídico-puerperal. Este estudo de natureza quantitativa-correlacional e transversal, teve como objetivo verificar o efeito do acompanhamento prestado pelos profissionais de saúde, desde a gravidez ao pós-parto imediato, na autoestima e vinculação materna, numa amostra de conveniência constituída por 51 puérperas primíparas. Os dados foram recolhidos através da aplicação de um Questionário de dados sociodemográficos e historial da gravidez; de Escalas de Perceção de Acompanhamento Global da Gravidez, Parto e Pós-Parto Imediato; da Escala de Bonding e da Escala de Autoestima de Rosenberg (RSES). Os resultados indicam que, a perceção de acompanhamento global da gravidez ao pós-parto imediato encontra-se positivamente correlacionada com a autoestima materna; e que, a perceção acompanhamento global da gravidez e pós-parto está negativamente correlacionada com o bonding negativo. Verifica-se também...

Onde estava antes de ter nascido?: um estudo sobre a vinculação pré-natal

Teixeira, Maria da Conceição Marques
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
46.36%
Investigação que pretende estudar a vinculação pré-natal, enquanto vínculo emocional dos futuros pais ao bebé que vai nascer, considerando que esse vínculo se pode construir a partir de fantasias parentais sobre o bebé que se espera, incluindo medos, sonhos, recordações das experiências relacionais vividas na infância, modelos dos próprios pais, da relação entre eles, em suma, o mundo mental e as suas representações. Faz-se referência teórica e conceptual sobre o conceito de vinculação, sua evolução e diferentes perspetivas, colocando o enfoque no entendimento psicanalítico, em que o vínculo se situa entre o mundo intra, inter e transubjectivo. É dada ênfase ao papel das relações dos futuros progenitores com as figuras parentais na infância e a sua representação enquanto fatores que influenciam o processo de «organização psíquica da paternidade», às relações que estes estabelecem com os demais, e entre si, em termos conjugais. No estudo empírico, para o qual foi constituída uma amostra de 340 sujeitos (170 casais) no terceiro trimestre da gravidez, procurou-se estudar a relação entre a vinculação pré-natal destes futuros pais com a representação das relações com as suas figuras parentais na infância...

O despertar da primeira relação. A intervenção do EESMO na promoção da vinculação precoce na sala de partos.

Correia, Susana
Fonte: Instituto Politécnico de Santarém Publicador: Instituto Politécnico de Santarém
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2014 POR
Relevância na Pesquisa
36.3%
Relatório de Estagio apresentado para obtenção do grau de Mestre na Especialidade em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia.; O primeiro momento em que a vinculação se materializa é no nascimento, quando os pais conhecem o seu bebé. Este primeiro encontro casal/recém-nascido, é possibilitado por quem assiste, sendo o Enfermeiro Especialista em Saúde Materna e Obstetrícia, profissional que frequentemente presta primeiros cuidados ao RN e assiste a parturiente durante o parto eutócico. Sendo área privilegiada de atuação do Enfermeiro Especialista, seguindo uma lógica de prática baseada na evidência, procedeu-se a uma revisão sistemática da literatura, procurando responder à questão: ▪ Qual a intervenção do Enfermeiro Especialista em Saúde Materna e Obstetrícia para promover a vinculação precoce casal/recém-nascido no contexto da sala de partos? Os artigos encontrados sugerem que o contato pele-a-pele mãe/recém-nascido é vantajoso para todos os intervenientes, tendo benefícios que são imediatamente observáveis, mas também em longo prazo para o estabelecimento do vínculo parental e desenvolvimento futuro da criança.

Vinculação materna pré-natal, depressão pós-parto e percepção materna do comportamento do recém-nascido

Rodrigues, Susana Filipa Videira
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
56.69%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2011; Os Anexos encontram-se no CD-ROM apenso à Tese em papel.; O estudo que aqui se apresenta visa averiguar as relações entre o padrão de vinculação materna pré-natal em grávidas no terceiro trimestre de gestação e o risco de incidência de depressão pós-parto, a percepção materna do comportamento do recém-nascido, assim como, a confiança materna para cuidar do bebé, em puérperas entre as 3 as 10 semanas do pós-parto. Este estudo orienta-se segundo seis hipóteses gerais: (1) a vinculação pré-natal de tipo seguro está associada ao planeamento da gravidez; (2) a vinculação pré-natal de tipo seguro está associada a uma menor probabilidade de desenvolvimento da depressão pós-parto; (3) a vinculação pré-natal de tipo seguro está relacionada com percepções maternas positivas acerca do comportamento do recém-nascido; (4) a vinculação pré-natal de tipo seguro está associada a uma percepção materna positiva acerca da confiança relativa aos cuidados a prestar ao bebé; (5) a depressão pós-parto está associada a percepções maternas mais negativas acerca do comportamento do recém-nascido; (6) a depressão pós-parto está associada a percepções maternas mais negativas acerca da confiança relativa aos cuidados a prestar ao bebé. A recolha de dados fez-se em dois momentos – pré e pós-parto. Recorreu-se à aplicação de três escalas: a Escala de Vinculação Materna Pré-Natal...

Vinculação pré-natal e organização psicológica do homem e da mulher durante a gravidez:relação com o tipo de parto e com a patologia obstétrica dos II e III trimestres de gestação

Camarneiro, Ana Paula Forte, 1964-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
46.4%
Tese de doutoramento, Psicologia (Psicologia Clínica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2012; A vinculação pré-natal (VPN) é a representação da vinculação dos pais ao feto. Está ligada a variáveis psicossociais que influenciam a saúde da gravidez e o resultado do parto. Foram objectivos desta investigação: estudar a articulação entre a VPN e as variáveis psicológicas que influenciam o resultado do parto e a ocorrência de patologia obstétrica; comparar as variáveis psicológicas dentro do casal e entre homens e mulheres na gravidez e depois do nascimento; identificar a influência das variáveis psicológicas das grávidas sobre a patologia obstétrica e no resultado do parto; averiguar o efeito do resultado do parto e da patologia obstétrica sobre a vinculação pós-natal. Realizaram-se três estudos quantitativos do tipo longitudinal (no segundo trimestre de gravidez, imediatamente após o parto e 8 a 12 meses depois do parto). A amostra inicial constituiu-se com 407 casais. Nos primeiro e terceiro estudos, foram aplicadas as seguintes escalas: EVPNMP (Escala de vinculação Pré-natal Materna e Paterna), EAGM (Escala de Atitudes sobre a Gravidez e a Maternidade), EASAVIC (Escala de Avaliação da Satisfação em Áreas da Vida Conjugal)...

O impacto dos estados emocionais negativos maternos na vinculação materna pós-natal em mães de bebés pré-termo

Oliveira, Andreia Sofia Fonseca de
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
56.56%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2012; Os anexos encontram-se no CD-ROM apenso à versão em papel.; Objectivo: O objectivo principal desta investigação é verificar o impacto dos estados emocionais negativos maternos na forma como a mãe se vincula ao seu bebé enquanto este se encontra internado nas Unidades de Cuidados Neonatais. Amostra: Mães (N = 40) de bebés pré-termo internados nas enfermarias de cuidados neonatais da Maternidade Dr. Alfredo da Costa. Instrumentos: Após a obtenção do Consentimento Informado, foi pedido a cada participante que preenchesse um Questionário Sociodemográfico e Clínico, seguido da Escala de Vinculação Materna Pós-Natal (EVMPN), de uma Escala de Ansiedade, Depressão e Stress (EADS) e da Escala de Satisfação em Áreas da Vida Conjugal (EASAVIC). Hipóteses: Formularam-se três hipóteses onde se defendia que as dimensões da vinculação materna pós-natal poderiam ser explicadas pelos estados emocionais negativos das mães dos bebés pré-termo. Tratamento estatístico: Realizaram-se seis análises de regressão onde as subescalas da vinculação materna pós-natal constituíam a variável dependente e os dados sociodemográficos...

A importância do toque como factor determinante do estabelecimento da relação mãe-bebé em díades pré-termo

Silva, Ana Sofia Paulino da
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
56.6%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2012; Os ficheiros SPV (Anexos 6-10 e 13-18) encontram-se no CD-ROM apenso ao exemplar em papel.; A presente investigação tem como objectivo estudar a prematuridade e a relação mãe-bebé, mais concretamente a importância do toque materno para o estabelecimento da relação precoce em díades pré-termo. A interacção mãe-bebé é fundamental para o desenvolvimento do bebé. Assim, é importante saber quais as variáveis que influenciam positiva ou negativamente a vinculação da mãe ao bebé. No contexto da prematuridade, é importante articular as variáveis psicológicas das mães, as variáveis de saúde do bebé pré-termo e as variáveis de comportamento materno na relação mãe-bebé. Neste estudo participaram 40 mães de bebés pré-termo (gestação inferior a 37 semanas) internados nas Unidades de Cuidados Intensivos e Intermédios Neonatais da Maternidade Dr. Alfredo da Costa. Foram utilizados vários instrumentos: o Questionário Sociodemográfico e Clínico construído especificamente para este estudo; a Escala de Vinculação Materna Pós-Natal (Condon & Corkindale...

A influência do desenvolvimento do bebé nas representações das mães adolescentes acerca das suas relações com as figuras parentais de infância

Gonçalves, Beatriz Martins Baptista Mora
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
36.33%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2012; A presente investigação pretende averiguar a existência de mudanças nos modelos de funcionamento interno da vinculação em jovens mães institucionalizadas. Espera-se que o aumento da idade dos bebés destas mães influencie uma evolução materna no sentido de os seus modelos internos se tornarem mais positivos e organizados. Para testar esta hipótese, foi considerada como variável dependente a representação da vinculação da jovem mãe face às suas figuras parentais. No âmbito das variáveis independentes, além das características do bebé (idade, peso ao nascimento, saúde actual), foram consideradas as variáveis sóciodemográficas da jovem mãe, da sua família de origem e os seus dados clínicos. Para medir as variáveis dependentes, foi utilizado o Questionário de Vinculação ao Pai e à Mãe (versão IV, Matos & Costa, 2001), com as seguintes sub-escalas: Inibição da Exploração e Individualidade (IEI) face ao pai e à mãe, Qualidade do Laço Emocional (QLE) face ao pai e à mãe e Ansiedade na Separação e Dependência (ASD) face ao pai e à mãe. Para as variáveis independentes...

Vinculação pré-natal: Estudo da ligação emocional ao bebé em mulheres e homens grávidos

Figueiredo, Margarida Inês das Neves Logrado de
Fonte: Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2007 POR
Relevância na Pesquisa
56.59%
Dissertação de Mestrado em Psicologia da Gravidez e da Parentalidade; A gravidez é uma experiência única que corresponde a uma fase de mudança e de enriquecimento no ciclo de vida de um casal e de uma família. No seu decurso, os pais adquirem novos conhecimentos e competências que os preparam para a transição que vai ocorrer nas suas vidas: a possibilidade de se tornaram pais. Durante este tempo uma nova ligação se vai delineando e intensificando, num cruzamento de ritmos e numa troca de sinais, num conjunto de investimentos afectivos e numa vivência de representações. Trata-se da ligação afectiva da mãe e, também, do pai ao feto, que tem sido reconhecida como um dos processos mais importantes deste tempo, com base na qual se desenvolvem pensamentos e sentimentos em relação ao filho que vai nascer. Esta ligação tem sido alvo de interesse por parte de alguns autores que a procuram conhecer e definir. Surgem conceitos como ligação materno-fetal (Mendes, 2002), maternal-fetal attachment (Cranley, 1981) ou antenatal attachment (Condon, 1993), que reflectem comportamentos representativos de um vínculo afectivo e que falam deste vínculo como a forma mais precoce e mais básica da intimidade humana (Condon & Corkindale...

Vínculo mãe-bebê: os encontros possíveis em uma UTI neonatal

Medeiros, Julliana de Paula
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
36.55%
Esse estudo teve como objetivo compreender como se constitui a função materna em situação de internação de bebês pré-termo em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). A pesquisa foi realizada no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro no período entre março e junho de 2009. Foram entrevistadas cinco mães, casadas, com idades entre 28 e 34 anos. A abordagem utilizada nesse trabalho foi de orientação psicanalítica e funda-se no fenômeno transferencial. A pesquisa ocorreu em uma perspectiva dialógica e a intersubjetividade se constituiu um elemento fundamental dessa investigação psicanalítica. A UTIN pode ser pensada como um espaço simbólico para a ressignificação da vivência traumática do nascimento pré-termo na medida em que puder transitar entre as funções materna e paterna dos bebês que ali estão internados. A construção da função materna depende da relação dessa mãe com sua própria infância, da forma como o bebê foi antecipado ao longo da gestação e da capacidade de investir seu desejo em seu filho e para além dele. A maternagem se dá a partir de uma série de atribuições maternas ao seu bebê, pela imersão do bebê em um universo de palavras, que o inscrevam em uma linhagem familiar e o reconheçam como um ser desejante. Isso só pode ocorrer se a mãe conseguir investir narcisicamente em seu filho real...

Estudo da relação de vinculação mãe-bebé em mães reclusas e mães não reclusas

Henrique, Sara Filipa de Oliveira
Fonte: Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida Publicador: Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.39%
Dissertação de Mestrado apresentada ao ISPA - Instituto Universitário; Vários são os autores e as investigações que corroboram a crucial importância da relação de vinculação mãe-bebé, e sua posterior influência/contributo no crescimento e desenvolvimento psicológico, emocional e social da criança. O presente projeto vai permitir, através de um estudo comparativo e diferencial, compreender de que forma a mãe reclusa desempenha o seu papel como principal cuidadora em contexto prisional, com todas as limitações que o caraterizam, e se o próprio contexto em que se encontram envolvidas (mãe e criança) irá influenciar a criação de uma relação de vinculação que vai estabelecer com o seu filho. Será que a permanência de uma criança, durante os três primeiros anos de vida, num ambiente onde imperam regulamentações e limites, ainda que especiais, vai permitir a criação de um vínculo seguro entre mãe e bebé? A amostra deste projeto será constituída por 60 sujeitos do sexo feminino com filhos até aos três anos de idade, 30 mães reclusas e 30 mães não reclusas. Para se perceber a dinâmica entre figura materna e bebé em contexto prisional serão, para tal, aplicados: o Inventário de Perceções Maternas...

Satisfação conjugal, parentalidade e vinculação pré e pós-natal: um estudo longitudinal.

Camarneiro, Ana Paula Forte
Fonte: CIEO - Universidade do Algarve Publicador: CIEO - Universidade do Algarve
Tipo: Outros
Publicado em 04/07/2013 POR
Relevância na Pesquisa
46.26%
O nascimento dos filhos, principalmente o primeiro, reduz a qualidade conjugal, obrigando a uma adaptação complexa e à realização de uma variedade específica de tarefas desenvolvimentais (Belsky & Rovine, 1990), embora o vínculo ao bebé não fique comprometido. Foram objetivos do estudo: Comparar a satisfação com a vida conjugal nos casais na gravidez e depois do nascimento; Comparar a vinculação pré e pós-natal de cada progenitor; Conhecer a associação entre a satisfação conjugal e a vinculação materna e paterna pós-natal. Realizou-se um estudo quantitativo longitudinal, com 134 sujeitos (67 casais); utilizou-se um questionário sócio-demográfico e clínico, a escala de satisfação conjugal e a escala de vinculação pré e pós-natal. As avaliações foram realizadas no 2º trimestre de gravidez e 8 meses após o nascimento. Os resultados mostraram que a satisfação conjugal não é diferente entre os membros dos casais, quer na gravidez quer depois do nascimento, embora as mulheres estejam, em média, menos satisfeitas com a conjugalidade do que os homens. Do período de gravidez para o período pós-natal, a satisfação conjugal decresce nas mulheres e nos homens. Entre os dois períodos, na mulher não se encontraram diferenças na vinculação ao filho. No homem...

O modelo de Touchoints e a Boa Prática Neonatal

Apóstolo, Jorge Manuel Amado
Fonte: Fundação Brazelton/Gomes-Pedro para as Ciências do Bebé e da Família Publicador: Fundação Brazelton/Gomes-Pedro para as Ciências do Bebé e da Família
Tipo: Trabalho em Andamento
Publicado em 11/01/2013 POR
Relevância na Pesquisa
36.38%
INTRODUÇÃO A década de 90 - século XX - e o início do século XXI marcaram na saúde infantil, sobretudo nos países desenvolvidos, um tempo de mudança de paradigma. As alterações verificadas nas últimas décadas, nas circunstâncias, conceitos, e atitudes, justificam que se a repense o tipo de assistência a prestar às crianças e jovens, obrigando a rever o conteúdo das ações e enquadramento das mesmas. Podemos afirmar que a mudança está instalada e estamos a vivê-la. O passo que estamos dar na área do bem-estar da criança situa-se mais no social do que no biomédico, o modelo de disfunção do mecanismo está a ser substituído por uma visão global da criança inserida num ambiente particular, como afirmava Gomes Pedro já em 1999. Ainda de acordo com o autor, o apoio à família e a intervenção precoce deveriam fazer parte deste novo modelo. O tempo tem-lhe dado razão, hoje os processos de envolvimento parental e parceria de cuidados foram já tão longe que não poderão voltar atrás. Sabemos que a saúde e desenvolvimento não dependem exclusivamente do património genético. A influência do ambiente - social, biofísico, psicológico e ecológico - ganha importância crescente. Para obter resultados em desenvolvimento...

Sentimentos, representações e expectativas da gestante relativamente ao filho: estudo exploratório com uma amostra de gestantes do Centro Hospitalar Cova da Beira

Gonçalves, Carolina da Cruz
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
36.51%
A presente investigação tem como objetivo geral estudar os sentimentos, as representações e as expectativas da gestante relativamente ao filho. Num plano mais específico, pretende-se estudar aspetos da vinculação pré-natal materna, através dos sentimentos que a mãe tem pelo bebé e da interação que estabelece com ele; explorar a importância da representação criada pela mãe sobre a gravidez e sobre o bebé, através da representação gráfica da gravidez; e analisar possíveis expetativas da gestante relativamente ao bebé e a sua capacidade de lhe conceber e atribuir características físicas e psicológicas. Para tal, foi estudada uma amostra composta por 50 grávidas, em regime de consulta no Centro Hospitalar Cova da Beira, com uma média de idades de 29,9±5,91 anos (entre os 18 e os 40 anos). Os instrumentos utilizados foram a Escala de Vinculação Pré-Natal Materna (adaptação portuguesa de Camarneiro & Justo, 2010); o Teste do Desenho da Gravidez; e a Entrevista sobre a Gestação e as Expectativas da Gestante (Gidep, 1998). Os resultados indicaram que a maioria das gestantes apresenta vinculação forte ou saudável ao feto; os desenhos elaborados pelas gestantes parecem refletir elementos, hipoteticamente...

A possível influência da relação com a figura paterna na representação da vinculação pré-natal, em grávidas adolescentes

Pires, Ana Filipa Fonseca
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
36.47%
Tese de mestrado, Psicologia (Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, 2009; O presente estudo tem por objectivo averiguar a possível influência da relação que as grávidas adolescentes têm com as figuras parentais masculinas na representação da vinculação pré-natal que estas estabelecem, durante a gravidez, com os seus bebés. Vinte e seis utentes da Consulta de Grávidas Adolescentes da Maternidade Dr. Alfredo da Costa, com idades compreendidas entre os 14 e os 18 anos, participaram neste estudo. A recolha dos dados efectuou-se através do preenchimento do Questionário de Vinculação ao Pai e à Mãe (Versão IV, Matos & Costa, 2001), da versão portuguesa da Escala Materna de Vinculação Pré-Natal (Condon, 1993) e de um Questionário Socio-demográfico. Os dados recolhidos foram analisados pelo software estatístico SPSS v. 17.0, para Windows. Os resultados mostram que existe uma tendência para as grávidas adolescentes que habitam com o pai obterem níveis mais elevados de representação da vinculação pré-natal, em comparação com as grávidas que não habitam com o pai. Considerando apenas estas últimas...

Vinculação materna, ansiedade e imagem corporal no último trimestre da gravidez

Cavaleiro, Ana Sofia dos Santos
Fonte: Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida Publicador: Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.5%
Dissertação de Mestrado apresentada ao ISPA - Instituto Unversitário; A importância de uma gravidez saudável e de uma boa saúde materna é fundamental para que se consiga predizer a saúde do feto e, posteriormente, a saúde, organização e maturação da identidade do bebé. Esta investigação tem como objectivo geral analisar a associação entre a ansiedade, a imagem corporal e a vinculação materna durante o último trimestre da gravidez. Com uma amostra de 100 grávidas foram utilizados instrumentos como questionário Sócio-demográfico, a versão materna da Escala de Vinculação Pré-Natal (AEAS) de John Condon (1993 - versão portuguesa por Gomez e Leal 2007), a Escala de Ansiedade para Grávidas (ASP) de Doyle-Waters (1994) e a Escala de Medida em Imagem Corporal (EMIC) de Souto (1999). As participantes desta investigação mostraram níveis elevados de ansiedade, principalmente em relação à saúde do bebé, trabalho de parto e atractividade, e níveis de vinculação materna e imagem corporal satisfatórios. Os resultados indicaram, também, uma relação significativa bastante negativa entre a ansiedade e a imagem corporal (p= - 0.554). Foram, ainda, encontradas relações significativas entre características sociodemográficas e os factores psicológicos como a ansiedade e o curso de preparação para o parto (p= 0.018)...