Página 1 dos resultados de 180 itens digitais encontrados em 0.039 segundos

Influência da espessura corneana na acuidade visual corrigida após transplante de córnea endotelial lamelar profundo (TCELP); The influence of corneal thickness in visual acuity after deep lamellar endothelial keratoplasty (DLEK)

Marcon, Alexandre Seminoti
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 07/11/2006 PT
Relevância na Pesquisa
76.37%
Objetivo: Analisar a influência da espessura corneana central na acuidade visual (AV) corrigida após transplante de córnea endotelial lamelar profundo (TCELP). Métodos: Foram estudados de forma prospectiva 155 olhos de 127 pacientes portadores de ceratopatia bolhosa ou distrofia endotelial de Fuchs no sexto mês de pós-operatório do TCELP, entre março de 2000 e março de 2005. Foram excluídos pacientes com outras alterações oculares que justificassem baixa AV. Todos os pacientes foram submetidos à avaliação oftálmica, quando foram determinadas AV corrigida, por meio de exame refratométrico, e espessura corneana central, através da paquimetria ultra-sônica. As técnicas usada foram previamente descritas. Os olhos foram agrupados de acordo com as medidas de AV: grupo I (20/20 - 20/30), grupo II (20/40 - 20/50), grupo III (20/60 - 20/80), grupo IV (20/100 - 20/400). Para correlação com paquimetria e análise estatística, as medidas de AV foram convertidas da tabela de Snellen para a tabela logarítmica (logMAR). Foram criadas variáveis categóricas para expressar status de faixa de normalidade de espessura corneana (entre 495 e 651 ?m), usando como pontos de corte valores encontrados na literatura. Resultados: A média...

Uso de triancinologia subconjuntival no tratamento da rejeição endotelial do transplante de cornea; Subconjuntival triamcinolone use in the treatment of endothelial corneal allograff rejection

Dacio Carvalho Costa
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 13/05/2009 PT
Relevância na Pesquisa
66.49%
Objetivo: Comparar a eficácia da injeção subconjuntival de 20 mg de triancinolona associada a prednisolona 1% tópica com a injeção intravenosa de 500 mg de metilprednisolona associada a prednisolona 1% tópica no tratamento da rejeição endotelial de transplante de córnea. Métodos: Estudo caso-controle realizado no Hospital das Clínicas da UNICAMP. Os pacientes submetidos a transplante penetrante de córnea que apresentaram primeiro episódio de rejeição endotelial com até 15 dias do início dos sintomas durante o período de novembro de 2005 a outubro de 2006 foram tratados com injeção subconjuntival de 20 mg de acetonido de triancinolona associado a acetato de prednisolona 1% tópico. Estes pacientes foram pareados por idade e diagnóstico com pacientes submetidos a tratamento com injeção intravenosa de 500 mg de succinato sódico de metilprednisolona associado a acetato de prednisolona 1% tópico e analisados quanto à capacidade de reversão do episódio de rejeição, pressão intraocular aos 30 dias e acuidade visual ao final de 1 ano. Resultados: 16 pacientes foram tratados com 20 mg de triancinolona subconjuntival e prednisolona 1% tópica durante o período de recrutamento e foram pareados com 16 pacientes tratados com 500 mg de metilprednisolona intravenosa e prednisolona 1% tópica. Ao final de 1 ano...

Rejeição corneana pós transplante de córnea: análise de dados do Banco de Olhos do Hospital São Paulo - Escola Paulista de Medicina

Chalita,Maria Regina Catai; Diazgranados,Eileen Beatriz Mejia; Sato,Elcio H.; Branco,Bruno Castelo; Freitas,Denise de
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2000 PT
Relevância na Pesquisa
66.41%
Objetivo: Dentre todos os transplantes, o corneano tem sido o mais realizado na atualidade. Geralmente é bem sucedido, mas a rejeição do enxerto corneano pode ser uma complicação. A rejeição é estudada há muitos anos, já tendo sido estabelecidos alguns fatores predisponentes. Este estudo tem como objetivo analisar os casos de rejeição ocorridos em nosso serviço para detectar algum fator peculiar para a ocorrência da mesma. Métodos: Realizamos um estudo retrospectivo analisando 113 casos de transplante de córnea ópticos efetuados no ano de 1998. Destes, selecionamos todos os casos de rejeição e avaliamos a patologia de base, presença de sinéquias, neovasos, aumento da pressão intra-ocular, antecedente de transplante prévio, idade do doador, tempo de captação e de preservação da córnea, experiência do cirurgião. Resultados: Dos 113 transplantes realizados, 20 casos (17,69%) apresentavam rejeição do botão transplantado. Destes 20 casos, 9 apresentavam sinéquias, 4 tinham neovasos, 8 apresentaram aumento da pressão intra-ocular e 7 já haviam se submetido a transplante de córnea prévio. Conclusões: Encontramos em nosso trabalho uma maior incidência de rejeição nos casos em que havia fatores predisponentes. Aparentemente houve mais rejeições quando os cirurgiões eram inexperientes. Também deve ser considerado o fato de sermos um serviço terciário...

Indicações de transplante de córnea no Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Cattani,Silvana; Kwitko,Sergio; Kroeff,Marco Antonio Hermann; Marinho,Diane; Rymer,Samuel; Bocaccio,Francisco de Lima
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2002 PT
Relevância na Pesquisa
66.24%
Objetivo: Definir as indicações mais freqüentes de ceratoplastia penetrante no Serviço de Oftalmologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - a verificação da doença corneana mais transplantada bem como as médias etária e de tempo de preservação das córneas utilizadas. Métodos: Foi realizado um estudo retrospectivo comparativo entre os pacientes atendidos e que tiveram indicação de transplante de córnea (transplantados e em lista de espera) no período de janeiro de 1988 a dezembro de 1997. Resultado: As principais indicações foram: ceratocone (28,6%), ceratopatia bolhosa (20,9%), leucoma (12,6%) e retransplante (11,0%). A doença mais transplantada foi o ceratocone (95% dos casos). As médias etária e de preservação das córneas utilizadas foram 44 anos e 6,6 dias respectivamente. Conclusão: As principais indicações de ceratoplastia penetratnte em nosso meio são o ceratocone, a ceratopatia bolhosa, os leucomas e o retransplante. A doença mais transplantada foi o ceratocone por ser a doença mais incidente e não pelo fato de termos maior oferta de córneas doadoras idosas como suspeitávamos inicialmente. Quanto às médias etária e de tempo de preservação das córneas utilizadas houve preferência estatisticamente significativa pelo uso de córneas mais jovens nos casos de ceratopatia bolhosa.

Transplante de córnea em ceratite por herpes simples

Araújo,Maria Emília Xavier dos Santos; Santos,Namir Clementino; Freitas,Denise de
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2002 PT
Relevância na Pesquisa
66.39%
Objetivo: Avaliação de transplante de córnea em ceratite por herpes simples. Métodos: Foram revisados os prontuários de 38 pacientes submetidos a transplante de córnea por herpes simples, no período de 1993 a 1998. Todos os pacientes tinham apenas um olho acometido. Foi avaliada a transparência do botão corneano, reação de rejeição, recidiva da infecção herpética e acuidade visual final. Pacientes que usaram profilaxia antiviral foram comparados com os que não usaram. O seguimento pós-operatório variou de 6 a 68 meses (média de 21). Resultados: Trinta e um enxertos (81,6%) permaneceram transparentes. Reação de rejeição ocorreu em 14 pacientes (36,8%) e recidiva da ceratite herpética em 4 (10,5%). A acuidade visual pós-operatória foi melhor ou igual a 0,25 em 60% dos pacientes. Não houve diferença estatisticamente significante na sobrevivência do enxerto entre o grupo que usou e o que não usou antiviral sistêmico profilático. Conclusão: Melhores resultados têm sido alcançados no transplante de córnea em ceratite herpética.

Falência primária pós-transplante de córnea em serviço universitário

Hirai,Flávio Eduardo; Klatte,Stefan; Pacini,Keila Mattos; Sato,Elcio Hideo
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2002 PT
Relevância na Pesquisa
66.46%
Objetivo: Analisar os possíveis fatores relacionados à falência primária pós-transplante de córnea no Setor de Doenças Externas Oculares e Córnea da Universidade Federal de São Paulo. Métodos: Realizado estudo retrospectivo de 239 pacientes submetidos à ceratoplastia penetrante no período de julho de 1999 a março de 2001. Casos de falência primária foram selecionados (grupo I) e dados dos doadores foram comparados com doadores de pacientes submetidos ao procedimento cirúrgico no mesmo período (grupo II). Os dados sobre os doadores foram: idade, causa mortis, contagem de células endoteliais, tempo entre óbito e a enucleação (T1), tempo entre a enucleação e a preservação da córnea (T2) e o tempo de preservação do tecido até a cirurgia (T3). Resultados: Foram analisados dados de 164 pacientes, sendo 21 casos de falência primária (12,8%). A média de idade dos doadores do grupo I foi de 43,1 anos (±22,0) e no grupo II foi de 47,9 anos (±18,9). Não houve diferença estatística entre os diferentes intervalos de tempo (T1, T2, T3). As principais causas de morte foram trauma, câncer e doenças cardíacas. Conclusão: Os diversos fatores analisados no presente estudo não apresentaram diferenças estatisticamente significantes entre os dois grupos estudados. Dificuldades em determinar as causas exatas da falência primária de um botão corneano pós-transplante sugerem uma multifatoriedade envolvida na gênese desta entidade. O trabalho das equipes dos Bancos de Olhos e a notificação...

Transplante de córnea e o conhecimento do procedimento pelos pacientes

Moreno,Gerson López; Souza,Luciene Barbosa de; Freitas,Denise de; Sato,Elcio Hideo; Vieira,Luis Antonio
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2003 PT
Relevância na Pesquisa
66.44%
OBJETIVO: Avaliar o grau de entendimento dos pacientes que foram submetidos a transplante de córnea no setor de Patologia Externa e Córnea da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), quanto ao tipo de doença corneana, tratamento realizado, prognóstico e satisfação com o resultado final. MÉTODOS: Quarenta e dois pacientes submetidos a transplante de córnea foram entrevistados por meio de um formulário com diversas variáveis que avaliou: o conhecimento geral sobre o procedimento ao qual foi submetido, o tratamento pós-operatório, os sinais de rejeição e a satisfação final com o tratamento. Também foram revisados os prontuários e colhidos dados em relação ao diagnóstico e ao transplante. Posteriormente os resultados foram tabulados e analisados. RESULTADOS: Dos 42 pacientes entrevistados 64% não sabiam o que é um transplante de córnea, 67% não sabiam o que é rejeição, 30% não sabiam para que servem os colírios receitados e 71% dos pacientes estavam satisfeitos com o resultado final do transplante. CONCLUSÕES: A grande maioria dos pacientes desconhece o que é um transplante de córnea, qual é a importância do uso correto das medicações no pós-operatório e os sinais de rejeição, embora tenham sido submetidos ao procedimento.

Perfil epidemiológico dos pacientes na lista de espera para transplante de córnea no Estado de Sergipe

Araújo,Ângelo Augusto; Melo,Gustavo Barreto de; Silva,Renata Lemos; Araújo Neta,Vitalina Martins de
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2004 PT
Relevância na Pesquisa
66.38%
OBJETIVO: Avaliar o perfil epidemiológico dos pacientes em lista de espera e submetidos a transplante de córnea no estado de Sergipe e as principais indicações para este procedimento. MÉTODOS: Na Central de Transplantes de Sergipe, foram colhidos os dados de 320 pacientes que entraram em lista de espera e daqueles que tiveram a córnea transplantada entre maio de 2000 e novembro de 2002. Os dados registrados foram: doença corneana, a idade, o sexo, a acuidade visual e o tempo de espera na lista até a realização do transplante. RESULTADOS: A ceratopatia bolhosa do afácico e do pseudofácico foi a doença mais freqüente (39,1%), seguida por leucoma (22,5%), ceratocone (14,1%), "outras doenças" (10,6%), retransplante (7,8%) e úlcera (5,6%). A idade média foi de 52,16 anos e não houve diferença significante entre os sexos. A acuidade visual mais freqüente foi visão de vultos e "percebe luz". Os 110 pacientes que tiveram a córnea transplantada esperaram, em média, seis meses. Os indicados por úlcera e por retransplante tiveram prioridade, aguardando menos tempo. Os portadores de ceratopatia bolhosa encontravam-se na faixa etária média de 68,5 anos e os com ceratocone, na de 23,6 anos. CONCLUSÕES: Pode-se concluir que a ceratopatia bolhosa é a principal indicação para transplante de córnea em nosso estado. Não há diferença entre a freqüência dos sexos; a idade média da doença mais freqüente está de acordo com seu aparecimento. A acuidade visual está dentro do esperado e o tempo em lista de espera é longo e inadequado.

Comparação entre os resultados pós-operatórios de pacientes submetidos ao procedimento tríplice e transplante de córnea combinado a fixação secundária de lente intra-ocular

Leão,Daniela Maggioni Pereira; Sousa,Luciene Barbasa de
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2006 PT
Relevância na Pesquisa
66.42%
OBJETIVO: Comparar os resultados pós-operatórios de 2 grupos de pacientes submetidos a transplante de córnea com técnicas e tempo cirúrgico diferentes, em relação à abordagem do cristalino e/ou lente intra-ocular. MÉTODOS: Neste estudo retrospectivo foram analisados 37 olhos de pacientes divididos em 2 grupos: extração de catarata, implante de lentes intra-oculares (LIO) e transplante de córnea no mesmo tempo cirúrgico - grupo 1 (G1) e extração de catarata sem implante de lentes intra-oculares no primeiro tempo cirúrgico e fixação secundária de lentes intra-oculares associada a transplante de córnea no segundo tempo cirúrgico - grupo 2 (G2). As variáveis estudadas foram: acuidade visual, pressão intra-ocular (PIO), astigmatismo refracional, astigmatismo ceratométrico e complicações pós-operatórias. RESULTADOS: Foi observado melhora da acuidade visual nos 2 grupos (G1 p<0,001 e G2 p=0,008). O grupo 2 (G2) apresentou pressão intra-ocular maior quando se comparou a pressão intra-ocular pós-operatória entre os 2 grupos (p=0,014). Em relação aos astigmatismos refrativo e ceratométrico não foi encontrada diferença entre os grupos estudados, em cada variável. O tempo de seguimento médio foi de 11 meses. CONCLUSÃO: Concluiu-se que o mais importante fator negativo para a melhora da acuidade visual foi a variabilidade da curvatura corneana...

Transplante de córnea em ceratocone: avaliação dos resultados e complicações obtidos por cirurgiões experientes e em treinamento

Mascaro,Vera Lucia Degaspare Monte; Scarpi,Marinho Jorge; Hofling-Lima,Ana Luisa; Sousa,Luciene Barbosa de
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2007 PT
Relevância na Pesquisa
66.32%
OBJETIVO: Analisar os resultados refrativos e visuais dos transplantes de córnea em pacientes portadores de ceratocone, em dois grupos de cirurgiões. MÉTODOS: Setenta olhos de setenta pacientes com transplante de córnea por ceratocone realizados por médicos experientes (Grupo I) e em treinamento (Grupo II) foram examinados, após a remoção completa da sutura, e os dados de seus prontuários recolhidos. Os pacientes foram avaliados quanto às características demográficas, técnica de cirurgia empregada, complicações pós-operatórias e de seus resultados refracionais e visuais. RESULTADOS: O tempo de pós-operatório médio foi de 7,9 anos, variando de 1,6 a 20 anos. A proporção homens/mulheres foi de 1:1. Cada grupo foi formado por 35 olhos. A idade do doador foi diferente entre os dois grupos. A acuidade visual pré-operatória diferiu entre os dois grupos, mas não houve relação com a acuidade visual na avaliação clínica pós-operatória. A técnica cirúrgica empregada diferiu apenas no número de suturas. Com relação a todos os resultados refrativos, topográficos e de acuidade visual no pós-operatório, não houve diferença estatística entre os grupos estudados. A principal complicação observada foi a reação de rejeição. A rejeição endotelial foi mais freqüente no Grupo II. Apenas três enxertos não foram transparentes...

Comparação da sensibilidade ao contraste entre transplante lamelar anterior profundo e transplante penetrante para tratamento do ceratocone

Silva,Carlos Anchieta Castro Cardoso da; Oliveira,Ederson Schweitzer de; Sena Júnior,Manoel Paulo Souza de; Souza,Luciene Barbosa de
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.48%
OBJETIVO: Comparar as medidas de sensibilidade ao contraste para longe entre pacientes submetidos a transplante de córnea penetrante e transplante lamelar anterior profundo para tratamento do ceratocone como forma de avaliação da função visual. MÉTODOS: Foram analisadas as medidas da sensibilidade ao contraste de 14 pacientes submetidos a transplante penetrante (Grupo I) e 14 pacientes submetidos a transplante lamelar anterior profundo (Grupo II), que tinham mais de um ano pósoperatório e acuidade visual corrigida igual ou maior que 20/30, pelo Functional Acuity Contrast Test (F.A.C.T®) 301. RESULTADOS: Não houve diferença estatisticamente significante entre a sensibilidade ao contraste em todas as freqüências espaciais avaliadas. A média e o desvio padrão dos escores apresentados em cada freqüência foram: freqüência 1,5 cpg (ciclos por grau) - 6,11 (±1,16) no grupo I e 6,33 (±0,70) no grupo II (p=0,71); freqüência 3,0 cpg - 5,11 (±1,26) no grupo I e 4,44 (±1,42) no grupo II (p=0,44); freqüência 6,0 cpg - 2,77 (±1,56) no grupo I e 3,33 (±2,23) no grupo II (p=0,56); freqüência 12,0 cpg - 1,55 (±0,88) no grupo I e 1,22 (±0,44) no grupo II (p= 0,39); freqüência 18,0 cpg - 1,33 (±0,70) no grupo I e 1...

Técnica de separação da membrana de Descemet para transplante de células endoteliais da córnea: estudo experimental em coelhos

Wasilewski,Daniel; Siqueira,Alexandre Lass; Rife,Lawrence; Arana,Eduardo; Moreira,Hamilton; Smith,Ronald
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2010 PT
Relevância na Pesquisa
66.38%
OBJETIVO: Avaliar a porcentagem de dano endotelial induzido por uma técnica cirúrgica para a separação da membrana de Descemet contendo endotélio sadio, analisar a viabilidade e eficácia desta técnica, e avaliar a porcentagem de dano endotelial causado pela inversão da córnea em câmara anterior artificial. MÉTODOS: As córneas de três grupos de 12 coelhos da linhagem Nova Zelândia foram avaliadas. O grupo 1 foi usado como controle; portanto, as córneas foram analisadas após coletadas e trepanadas. O grupo 2 foi analisado após a inversão da córnea (endotélio para cima na posição convexa), montada em câmara anterior artificial, para o cálculo da porcentagem do dano endotelial induzido por esta inversão. O grupo 3 foi avaliado após a separação entre a membrana de Descemet e o estroma com o uso de substância viscoelástica em córneas invertidas e montadas em câmara anterior artificial. O dano endotelial foi avaliado por meio de fotografias digitais tiradas no microscópio após impregnar o endotélio com vermelho de alizarina. Amostras do grupo 3 foram processadas para avaliação histopatológica. RESULTADOS: O grupo 3 (separação viscoelástica) apresentou um índice de lesão celular endotelial de 10,06%...

Uso de células-tronco cultivadas ex vivo na reconstrução da superfície ocular

Ricardo,José Reinaldo da Silva; Gomes,José Alvaro Pereira
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 PT
Relevância na Pesquisa
66.35%
Lesões na superfície ocular podem atingir as células-tronco do limbo e causar deficiência límbica. A deficiência límbica é caracterizada pela conjuntivalização, que pode ser definida como a invasão do epitélio conjuntival sobre a córnea. Este processo é acompanhado por graus variáveis de alterações corneanas, como neovascularização, inflamação, erosões recorrentes, defeitos epiteliais persistentes, destruição da membrana basal do epitélio e cicatrização estromal. Frequentemente, estas alterações estão associadas à diminuição da acuidade visual, fotofobia e desconforto ocular. O melhor tratamento para essa afecção não é conhecido e possibilidades variam em casos uni ou bilaterais. Entre os tratamentos disponíveis, o transplante de limbo autólogo ou alógeno é um dos mais utilizados. Para melhorar os resultados dos transplantes alógenos, alguns pesquisadores utilizam o transplante de epitélio da córnea cultivado em laboratório pela expansão ex vivo de células-tronco epiteliais límbicas. Mas devido à limitada disponibilidade de tecido autólogo do limbo e o risco de complicações associadas à imunossupressão em transplante de tecido alógeno, pesquisas de outras opções de células-tronco cultivadas ex vivo têm sido descritas em fase experimental e clínica. Essa revisão descreve os novos tipos de células-tronco cultivadas ex vivo...

Eficácia da ciclosporina 0,05% na prevenção da perda endotelial no transplante de córnea

Moro,Fernando; Magalhães,Ediberto de; Galúcio,Érica; Moysés,Karine; Antunes,Victor Coronado; Cvintal,Tadeu
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2007 PT
Relevância na Pesquisa
66.46%
OBJETIVO: Avaliar a ação da ciclosporina 0,05% tópica na prevenção da perda endotelial no transplante de córnea. MÉTODOS: Estudo retrospectivo de 18 olhos submetidos a transplante penetrante por ceratocone realizados no serviço pelo mesmo cirurgião. Pacientes com microscopia especular com < ou igual a 1200 células/mm², foram tratados com ciclosporina 0,05 % tópica (grupo A) e pacientes com microscopia especular > a 1200 células/mm² constituiram o outro grupo (grupo B). O critério de inclusão foi a presença da microscopia especular no período pós-operatório de 6 meses, 1 ano e 2 anos. Os critérios de exclusão foram retransplantes precoces, olhos contralaterais de casos bilaterais, episódios prévios de rejeição ao enxerto, doenças oculares associadas como glaucoma. A análise estatística foi realizada pelos testes de Friedman com significância estatística. Foi realizada uma avaliação da variação percentual de perda endotelial em relação à microscopia especular base, comparada aos períodos de 6 meses x 1 ano x 2 anos. RESULTADOS: No grupo A (pacientes que não utilizaram a ciclosporina 0,05%) nos respectivos períodos de 6 meses, 1 ano e 2 anos, observou-se um decréscimo da variação percentual de perda endotelial estatisticamente significante (p = 0...

Mudanças no padrão de conduta do transplante de córnea após campanha informativa

Benites,Manuela Fiorese; Araujo,Mariana Sponholz; Torres,Ilana Barrichello; Canto,Geraldo Fraga Santini; Cebrian,Ricardo; Moreira,Hamilton
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.38%
OBJETIVO: Confrontar informações obtidas sobre doação de córneas através de questionários aplicados antes e após a realização de um ciclo de palestras informativas aos profissionais da área de saúde. Verificar o grau de conhecimento destes profissionais de hospital universitário em relação a informações básicas sobre o transplante de córnea. Documentar a reação pessoal destas pessoas frente ao procedimento. MÉTODOS: Foi realizada uma campanha através de aulas com material audio visual específico trazendo informações detalhadas sobre o processo de doação e transplante de córneas. Estas palestras foram direcionadas a 115 profissionais da área de saúde: 46 médicos e 69 acadêmicos de medicina. Para a avaliação foi elaborado um questionário, aplicado antes e depois das aulas com intervalo de 1 mês, composto de 7 perguntas referentes ao procedimento do transplante em si, e 3 perguntas direcionadas à posição pessoal do médico em relação à doação de córneas. RESULTADOS: Inicialmente obteve-se 61,72% de acertos nas perguntas objetivas, aumentando para 77,70% após o acesso às palestras. Nas perguntas subjetivas a porcentagem de profissionais que doariam suas córneas foi 91,5%, subindo para 93% após as aulas. De forma semelhante o número que autorizaria a doação de córnea de um familiar aumentou de 91...

Rejeição de transplante de córnea

Costa,Dácio Carvalho; Kara-José,Newton
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.32%
A rejeição do transplante de córnea é um processo imunológico celular de ataque a córnea transplantada que pode resultar em sua descompensação. É a causa mais comum de falência de transplantes. Os fatores de risco mais comuns para rejeição são a vascularização corneana, falência prévia por rejeição, sinéquias anteriores, botão doador grande ou descentrado, inflamação intra-ocular e cirurgias no segmento anterior. O quadro clínico é caracterizado por hiperemia, dor ocular, edema corneano e inflamação na câmara anterior. As rejeições podem ser classificadas em epitelial, subepitelial, estromal, endotelial, mista e em retransplantes. A prevenção de rejeições pode ser realizada através de técnica cirúrgica meticulosa, utilização de transplantes lamelares, histocompatibilidade receptor-doador e estratégias farmacológicas. Os corticosteróides são a terapia de escolha para o tratamento da rejeição de transplante de córnea e podem ser utilizados em diversas vias e dosagens. Os autores propõem protocolo de tratamento para rejeições.

Expectativas e conhecimento entre pacientes com indicação de transplante de córnea

Kara-Junior,Newton; Mourad,Paula de Camargo Abou; de Espíndola,Rodrigo França; AbilRuss,Heloisa Helena
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.32%
OBJETIVO: Conhecer características e dificuldades de acesso aos pacientes selecionados para cirurgia de transplante de córnea em projetos comunitários realizados em um hospital universitário de São Paulo. MÉTODOS: Foi aplicado um questionário a pacientes em duas campanhas realizadas pelo hospital.Analisaram-se as seguintes variáveis: sexo, idade, renda mensal, escolaridade, número de oftalmologistas previamente consultados, acuidade visual corrigida no melhor olho, diagnóstico, indicação prévia, conhecimento sobre o procedimento, doença ocular, sobre a existência de limitações no estilo de vida, possíveis complicações após a cirurgia e expectativa de reabilitação, dentre outras. RESULTADOS: Dos 99 pacientes entrevistados, 57,8% havia abandonado o trabalho devido à dificuldade visual e dependiam da ajuda de terceiros para atividades cotidianas. Dos 90 pacientes que já apresentavam indicação prévia de transplante de córnea (91,0%), metade sequer havia conseguido ingressar na lista de bancos de olhos. Dos pacientes com indicação prévia de transplante, 18,9% desconheciam qual era o seu problema ocular, 27,8% não sabiam o que era o procedimento, 18,7% não estavam cientes de prováveis complicações per e pós-operatórias e 32...

Contribuição do enfermeiro para possível redução de rejeição ao Transplante de Córnea

Souza,Andréa Lima de Castro; Cerqueira,Carolay Nascimento; Nogueira,Emília Cervino
Fonte: Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo Publicador: Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.25%
OBJETIVO: Verificar as contribuições do Enfermeiro para a possível redução dos índices de rejeição ao transplante de córnea em Sergipe. MÉTODOS: Estudo exploratório, retrospectivo e quantitativo em prontuários de doadores e receptores de córnea de 2003 a 2008 da Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos de Sergipe (CNCDO-SE). RESULTADOS: Foram analisados 350 captações, 309 transplantes, 185 doadores e 39 rejeições. Das córneas captadas pelo enfermeiro, 83,73% foram aproveitadas, 15,44% foram descartadas e 6,50% apresentaram rejeição. Das córneas captadas por outro profissional, 72,72% foram aproveitadas, 27,27% foram descartadas e 13,65% apresentaram rejeição. CONCLUSÃO: As córneas captadas pelo enfermeiro apresentaram menor índice de rejeição e maior aproveitamento. As variáveis ligadas ao receptor e ao doador não influenciaram nas rejeições.

Expectativas e conhecimento entre pacientes com indicação de transplante de córnea; Expectation and knowledge among patients with keratoplasty indication

KARA-JUNIOR, Newton; MOURAD, Paula de Camargo Abou; DE ESPÍNDOLA, Rodrigo França; ABILRUSS, Heloisa Helena
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
66.32%
OBJETIVO: Conhecer características e dificuldades de acesso aos pacientes selecionados para cirurgia de transplante de córnea em projetos comunitários realizados em um hospital universitário de São Paulo. MÉTODOS: Foi aplicado um questionário a pacientes em duas campanhas realizadas pelo hospital.Analisaram-se as seguintes variáveis: sexo, idade, renda mensal, escolaridade, número de oftalmologistas previamente consultados, acuidade visual corrigida no melhor olho, diagnóstico, indicação prévia, conhecimento sobre o procedimento, doença ocular, sobre a existência de limitações no estilo de vida, possíveis complicações após a cirurgia e expectativa de reabilitação, dentre outras. RESULTADOS: Dos 99 pacientes entrevistados, 57,8% havia abandonado o trabalho devido à dificuldade visual e dependiam da ajuda de terceiros para atividades cotidianas. Dos 90 pacientes que já apresentavam indicação prévia de transplante de córnea (91,0%), metade sequer havia conseguido ingressar na lista de bancos de olhos. Dos pacientes com indicação prévia de transplante, 18,9% desconheciam qual era o seu problema ocular, 27,8% não sabiam o que era o procedimento, 18,7% não estavam cientes de prováveis complicações per e pós-operatórias e 32...

Lamellar keratoplasty for the treatment of feline corneal sequestrum

Gonçalves, Catarina Alexandra Ventura
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
ENG
Relevância na Pesquisa
66.33%
Dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária, Ciências Veterinárias; O sequestro corneal felino caracteriza-se por uma lesão corneal pigmentada. Esta lesão apresenta várias tonalidades e pode afetar diferentes camadas da córnea. A fisiopatologia do sequestro não é completamente conhecida, contudo o trauma corneal é considerado um importante fator desencadeador e as raças braquicefálicas são mais frequentemente afetadas. O sequestro corneal é uma lesão dolorosa, cujo tratamento pode ser médico ou cirúrgico. Quando o tratamento médico é usado como tratamento único, o tempo de cicatrização e o resultado final não são satisfatórios. Cirurgicamente várias técnicas podem ser usadas na remoção do sequestro e restauro da integridade da córnea, no entanto, a fim de restaurar a capacidade de visão do animal, a queratoplastia é a única opção. Este estudo retrospetivo analisa 25 sequestros corneais diagnosticados em 20 gatos e cujo tratamento foi efetuado por queratoplastia lamelar. Esta técnica implica a remoção da região corneal afetada pelo sequestro e a colocação de um transplante corneal proveniente de um globo ocular fresco ou congelado. Desta forma, a integridade e a transparência da córnea são restauradas. No total foram realizadas 27 queratoplastias lamelares...