Página 1 dos resultados de 8775 itens digitais encontrados em 0.007 segundos

TÉCNICAS DE TRADUÇÃO EM “A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS”: A TRADUÇÃO COMO RETEXTUALIZAÇÃO

Nascimento, Kaline Brasil Pereira
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 14/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.99%
Para Vermeeer (1978), a atividade de tradução diz respeito à transmissão de uma mensagem. Segundo a Teoria Funcionalista da Tradução (NORD, 1997), para que essa mensagem seja transmitida, é necessário que se observe o objetivo da tradução, bem como o público alvo que terá acesso ao texto traduzido. Corroborando o exposto, este trabalho tem como objetivo investigar quais técnicas de tradução propostas por Vinay e Darbelnet (1958) e Molina e Albir (2002) são utilizadas em um capítulo da obra “A menina que roubava livros” (MARKUS ZUSAK, 2005) – considerando uma tradução de Vera Ribeiro (2007). Para alcançar os objetivos almejados, recorreremos à pesquisa descritiva, de cunho quanti-qualitativo, visto que os dados serão descritos, contabilizados e analisados holisticamente, a partir da teoria da análise de tradução textual. Para tanto, serão consideradas as assertivas de Jakobson (1959/2000), Vermeer (1978), Oustinoff (2011), acerca do conceito de tradução; Vinay e Darbelnet (1958), Molina e Albir (2002), acerca das técnicas de tradução; dentre outros. Como resultados finais prévios, concluímos que a tradução apresenta-se como uma atividade fluída, que requer não apenas o conhecimento linguístico...

A TRADUÇÃO NO CENÁRIO DO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

Gomes, Almir Anacleto de A.
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 04/07/2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.89%
O uso da tradução e/ou língua materna no ensino de língua estrangeira é um tópico que merece uma reflexão mais aprofundada do mesmo na área de ensino aprendizagem de língua estrangeiras, pois se trata de uma área que apesar de polêmica não tem uma posição consolidada. Este artigo tem o propósito de provocar questionamento e reflexões a respeito desse uso da tradução no ensino de língua estrangeira, através de um panorama dos métodos e abordagens de ensino de língua estrangeira e sua relação com a tradução e língua materna (RICHARDS & RODGERS, 2001), uma breve exposição da abordagem funcionalista da tradução (NORD, 2000; BRANCO, 2011, CACHO & BRANCO, 2011; SANTOS & FERNANDES, 2011). Expõe-se então, a relação da tradução e o ensino de língua estrangeira com base em (FERREIRA, 1999; LUCINDO, 2006; SANTOS, 1997; GOMES, 2008). Para fins de conclusão, aponta-se o quadro atual da questão do ensino de línguas estrangeiras e o uso da tradução ou língua materna.

ANÁLISE DE UMA TRADUÇÃO DO CONTO BOULE DE SUIF, DO FRANCÊS PARA O PORTUGUÊS

Colares, Adriana Almeida; da Silva, Janete Silveira
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 13/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.91%
O conto Boule de Suif, Bola de sebo em português, escrito pelo escritor francês Guy de Maupassant e publicado em 1880, já foi traduzido para a língua portuguesa em várias épocas e por vários tradutores diferentes. É um dos mais importantes do autor e traz grande crítica à sociedade da época. Crítica que se estende a sociedades de outras épocas, inclusive à realidade atual, o que confirma a riqueza do texto em termos de expressão do comportamento humano, que se aplica a qualquer época. A análise de uma das traduções do conto foi realizada inicialmente para o trabalho final de uma disciplina do curso de especialização em estudos da tradução na Universidade Federal do Ceará. A tradução escolhida foi feita pelo tradutor Paulo Mendes Campos. Sabe-se que ao traduzir, principalmente quando se trata de um texto literário, o tradutor precisa fazer escolhas e que uma tradução é de certa forma, uma leitura. Com base nisso, analisaremos a tradução no que diz respeito às escolhas do tradutor em relação principalmente aos nomes das personagens, dos lugares e outros nomes próprios que aparecem na obra. Analisaremos também trechos do original que não aparecem na tradução e trechos que não existem no original...

ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DE TRADUÇÃO SINTÁTICAS EM TEXTOS TRADUZIDOS POR ALUNOS DE LETRAS

Cacho, Marilia Bezerra; Branco, Sinara de Oliveira
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 18/12/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.96%
Partindo da hipótese de que a tradução pode ser utilizada como ferramenta de ensino de LE, especificamente em contexto universitário, e não apenas para a formação de tradutores, temos como objetivo geral identificar questões linguísticas em nível sintático que podem ser utilizadas como ferramenta para o ensino de LE e de LM através de atividades escritas de tradução de um grupo de aprendizes do Curso de Graduação em Letras/Línguas Estrangeiras, que cursavam a disciplina de Introdução à Teoria e Prática de Tradução. Os objetivos específicos são: 1) identificar as Estratégias de Tradução Sintáticas utilizadas por aprendizes do Curso de Licenciatura em Letras/Línguas Estrangeiras na tradução de textos específicos do inglês para o português brasileiro; e 2) investigar quais Estratégias de Tradução são utilizadas mais adequadamente ou menos adequadamente na tradução dos textos traduzidos do inglês para o português brasileiro. Para que os objetivos fossem alcançados, a Fundamentação Teórica da pesquisa foi baseada nas reflexões de autores como Nord (1997), Chesterman (1997), Malmkjaer (1998), Lucindo (2006), Azenha Junior (2006) e Stupiello (2006). O estudo mostrou que há possibilidade de uso da tradução como ferramenta de ensino em sala de LE para a identificação de formas variadas de reexpressão de significados semelhantes que podem ser compartilhadas em sala de aula entre aprendizes e professores de línguas.

O IMPACTO DA TRADUÇÃO INVERSA NO PROCESSO DE SEGMENTAÇÃO DE TRADUTORES EM FORMAÇÃO

França, Valber dos Santos
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 14/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.95%
A proposta deste trabalho, que se encontra em andamento, é pesquisar sobre o impacto da tradução inversa no processo de segmentação de tradutores em formação. Tomamos como base teórica os trabalhos de Lorenzo (1999), Buchweitz & Alves (2006) e Ferreira (2013), que abordam a tradução inversa a partir de uma abordagem processual nos pares linguísticos dinamarquês-espanhol e português-inglês. Também podemos citar Dragsted (2005) e Rodrigues (2009), que investigam a segmentação cognitiva e o uso de sistemas de memória de tradução no processo de tradutores profissionais nos pares linguísticos dinamarquês-inglês, e alemão-português e inglês-português, respectivamente. Com o uso do programa Translog, serão coletados dados de 06 tradutores em formação a partir da aplicação de uma tarefa de tradução direta de um abstract do inglês para o português e uma tarefa de tradução inversa de um resumo acadêmico do português para o inglês. Levantamos a hipótese de que será observada diferença entre os processos de tradução direta e tradução inversa em relação ao tamanho e ao tipo de segmento utilizado pelos sujeitos, e de que o tempo destinado à tradução inversa será maior do que o tempo destinado à tradução direta.

O PROFESSOR DE TRADUÇÃO: DESDOBRAMENTO DE COMPETÊNCIAS E PERFIS

Esqueda, Marileide Dias
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 14/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.98%
Apesar da expansão da pesquisa e do ensino na área de Tradução (DIÁZ CINTAS & ORERO, 2003), ainda parece evidente a divergência entre as orientações didáticas e a ausência de uma diretriz predominante para a formação do tradutor, evidenciando a necessidade, por consequência, de se estudar acerca das competências do professor de tradução. Darin (2001), Muñoz et.alli. (2003), Colina (2003) e Gonçalves e Machado (2006) constataram falta de consenso entre professores de tradução com relação aos norteadores da formação do tradutor, principalmente em nível de graduação. Constatou-se o fato de que os docentes da área utilizam critérios declaradamente subjetivos e aparentemente arbitrários para a seleção dos textos a serem traduzidos pelos alunos. Os professores, no geral, centralizam e controlam o processo de aprendizagem, responsabilizando-se pela avaliação das traduções e oferecendo as soluções diante de impasses. Quanto às dinâmicas utilizadas em sala de aula, as pesquisas mostram que alguns docentes simplesmente adotam atividades convencionais como leitura do texto original, tradução preliminar realizada oralmente, elaboração da tradução por parte dos alunos em intervalo de tempo pré-estipulado e posterior verificação das opções de tradução junto a todos os alunos; outros professores...

A TRADUÇÃO DE OBRAS FRANCESAS NO BRASIL: A PERCEPÇÃO DOS TRADUTORES

Delgado Filho, Guilherme de Oliveira
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 13/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.89%
O presente trabalho parte de uma problemática relacionada à tradução e à circulação de obras francesas no Brasil no atual contexto de hegemonia da língua/cultura estadunidense. Nesse sentido, aborda discussões em torno das lógicas econômicas e simbólicas que regem as trocas culturais entre o Brasil e a França por meio da tradução. O estudo objetiva trazer a lume um aspecto específico relacionado à problemática da tradução de obras francesas no Brasil: o estudo da percepção que os tradutores possuem sobre o próprio fazer tradutório. Do ponto de vista teórico, o estudo utiliza-se de algumas noções emprestadas à sociologia da tradução (Pierre Bourdieu, Pascale Casanova), bem como de conceitos relativos à tradução como reescritura e ao tradutor profissional (André Lefevere, Fabio M. Said). Do ponto de vista metodológico, baseia-se na análise qualitativa de onze entrevistas realizadas com tradutores de obras francesas atuando no mercado editorial do Rio de Janeiro e São Paulo. Busca, ainda, a partir do discurso de cada tradutor, apreender a maneira como estes atores se veem e percebem o seu papel enquanto profissionais no sistema de tradução: se aprimorador do texto de partida, mediador entre culturas ou divulgador da língua-cultura de partida.

EXERCÍCIO DE PESQUISA TERMINOLÓGICA NO ENSINO DA TRADUÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA

Arraes, Flávia Cristina Cruz Lamberti
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 13/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.91%
Este trabalho se propõe a discutir a tradução de textos especializados, técnicos e científicos, dentro do quadro da Terminologia, ciência que estuda os termos nas linguagens de especialidade. O tratamento proposto tem razão didática relacionada ao ensino da tradução especializada a alunos de cursos de Letras-Tradução. Considera-se que a compreensão do funcionamento dessas linguagens oferecerá ao estudante de tradução estratégias que possibilitam o desenvolvimento de competências, tais como a competência cognitiva, a competência linguística e a competência sociofuncional (CABRÉ, 1999, p.195), para o processamento de traduções especializadas. Na Terminologia, as linguagens de especialidade são discutidas partir do aspecto pragmático, cognitivo e terminológico. Cada uma dessas linguagens, por sua vez, tem a característica de pertinência a uma área do conhecimento e de ser delimitada por uma estrutura conceitual, por marcas linguísticas, em especial terminológicas, e por marcas pragmáticas distintivas. Para apresentar como essa abordagem terminológica pode ser aplicada ao ensino da tradução especializada, apresentar-se-á um exercício de pesquisa terminológica a ser usado em sala de aula, em disciplinas de prática de tradução de textos econômicos...

A TRADUÇÃO DE EXPRESSÕES METAFÓRICAS EM UM TEXTO ESPECIALIZADO DO CAMPO DA SAÚDE

Fajardo, Ananyr Porto; Reuillard, Patrícia Chittoni Ramos
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 19/12/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.89%
Esse artigo aborda o processo de tradução de expressões metafóricas em um texto especializado do campo da saúde, redigido em inglês. O texto de partida relata achados de busca referentes a uma questão inusitada em pesquisa e incomum nesse gênero textual – efeitos do riso na saúde e no adoecimento das pessoas. Enfocamos a tradução para o português de expressões metafóricas relacionadas ao tema da risada, buscando equivalências funcionais na ausência de equivalência direta satisfatória no contexto abordado. A abordagem funcionalista da tradução embasou a definição de tipo, gênero e função textual, bem como o reconhecimento de referências extralinguísticas e condicionantes culturais, considerando a comunidade discursiva à qual o original foi dirigido, profissionais de saúde, mais especificamente, médicos. O produto final resultou tanto da modalidade de tradução manifesta como velada para busca de equivalência direta e funcional, respectivamente. Recorremos mais à equivalência funcional do que à direta na tradução das expressões de nosso interesse, pois em várias situações foi necessário recriar seu sentido, substituindo a versão dicionarizada por outra mais próxima do jogo de palavras utilizado pelos autores do artigo...

Equivalência dinâmica de Nida e a tentativa de tradução da Bíblia no Japão no século XVI-XVII

Sakamoto, Mamiko
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 19/12/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.91%
No que diz respeito à tradução da Bíblia, Eugene A. Nida (Nida & Taber, 1969) propôs a ideia de “equivalência dinâmica”, alegando que a relação entre o recetor e a mensagem deve ser substancialmente o mesmo como entre o recetor original e a mensagem. No entanto, quando o tema do texto original não é reconhecido na cultura recetora, será possível traduzi-lo, substituindo por termos já existentes sem causar qualquer confusão? Neste trabalho explorou-se um exemplo de tradução da Bíblia no Japão que ocorreu durante os séculos XVI e XVII. As primeiras tentativas de tradução da Bíblia ocorreram durante a vinda de Francisco Xavier para o Japão, pelo primeiro católico japonês conhecido até agora, chamado Anjirô. No entanto, devido à sua falta de formação, na sua tradução, os termos cristãos foram substituídos pelos termos budistas, um das quais o termo ‘Deus’. Anjirô substituiu este conceito pelo termo ‘Dainichi’, uma das designações de buda, que se escreve literalmente ‘o grande Sol (大日)’ em japonês. Esta transferência cultural teve um impacto considerável nas atividades dos missionários, gerando várias confusões. Aprendendo desta experiência, os missionários deixaram de substituir os termos cristãos e começaram a utilizar os termos originais em português ou latim. Estes exemplos da fase inicial da tradução da Bíblia em japonês mostram-nos um dos importantes aspetos de tradução: a equivalência dinâmica não é possível quando não existe um conceito semelhante na cultura recetora ou o conceito já existente for essencialmente distinto.

ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DE TRADUÇÃO SINTÁTICAS EM TEXTOS TRADUZIDOS POR ALUNOS DE LETRAS

Cacho, Marília Bezerra; Branco, Sinara de Oliveira
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 14/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.95%
Partindo da hipótese de que a tradução pode ser utilizada como ferramenta de ensino de LE, especificamente em contexto universitário, e não apenas para a formação de tradutores, temos como objetivo geral identificar questões linguísticas em nível sintático que podem ser utilizadas como ferramenta para o ensino de LE e de LM através de atividades escritas de tradução de um grupo de aprendizes do Curso de Graduação em Letras/Línguas Estrangeiras, que cursavam a disciplina de Introdução à Teoria e Prática de Tradução. Os objetivos específicos são: 1) identificar as Estratégias de Tradução Sintáticas utilizadas por aprendizes do Curso de Licenciatura em Letras/Línguas Estrangeiras na tradução de textos específicos do inglês para o português brasileiro; e 2) investigar quais Estratégias de Tradução são utilizadas mais adequadamente ou menos adequadamente na tradução dos textos traduzidos do inglês para o português brasileiro. Para que os objetivos fossem alcançados, a Fundamentação Teórica da pesquisa foi baseada nas reflexões de autores como Nord (1997), Chesterman (1997), Malmkjaer (1998), Lucindo (2006), Azenha Junior (2006) e Stupiello (2006). O estudo mostrou que há possibilidade de uso da tradução como ferramenta de ensino em sala de LE para a identificação de formas variadas de reexpressão de significados semelhantes que podem ser compartilhadas em sala de aula entre aprendizes e professores de línguas.

AS (IM)POSSIBILIDADES DA TRADUÇÃO LITERÁRIA NA OBRA DE MIA COUTO

Maia, Iá Niani Belo
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 13/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.89%
A escrita de Mia Couto se realiza enquanto modo de ruptura de uma lógica ocidental, evidenciada no caráter contraventor de suas narrativas. O objetivo do presente trabalho é realizar um estudo descritivo sobre Terra Sonâmbula e sua tradução para o inglês, Sleepwalking Land, a partir da ótica das teorias da tradução e dos estudos culturais. Para desenvolver a análise, foram delimitadas categorias, de modo que os textos, original e tradução, fossem observados paralelamente. O corpus da pesquisa é constituído pela obra literária de Mia Couto, Terra Sonâmbula, escrita originalmente em português moçambicano, e sua respectiva tradução para o inglês, Sleepwalking Land, realizada por David Brookshaw para todo o contexto global da língua inglesa. Em um primeiro momento, assinalando o caráter descritivo da primeira fase, procuramos observar de que forma o tradutor lidou com algumas especificidades literárias (palavras com influência de línguas autóctones, criações verbais e junção de palavras) presentes em Terra Sonâmbula; em seguida, direcionaremos a análise para a apreciação da importância cultural nos estudos da tradução, buscando compreender como os elementos locais da cultura moçambicana foram transpostos para o contexto global da língua inglesa em Sleepwalking Land...

POR UMA ESTÉTICA NA TRADUÇÃO AUTOMÁTICA: UM ESTUDO BASEADO EM CORPORA ELETRÔNICOS

Santos, Cleydstone Chaves dos
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 04/07/2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.96%
Este artigo compara uma tradução humana do poema “This is just to say”, de Williams Carlos Williams, traduzido por Arrojo (2007), levando em conta parâmetros utilizados pelo tradutor humano: (1) análise da tradução do poema a partir da modificação de sua estrutura para um bilhete; (2) análise do poema considerando sua estrutura original (ARROJO, 2007) com a tradução automática (TA) do mesmo a partir do uso de corpora eletrônicos online, o Google Tradutor. O estudo fundamenta-se nas concepções de tradução de poesia (DI, 2003; GUERINI & COSTA, 2004); corpora (BAKER, 2003; MAEVEOLAHAN, 2004; FERNANDES, 2006), equivalência (BAKER, 1992; 2011;), tradução automática (HUTCHINS, 1988; WEININ GER, 2004; FERNANDES & BARTHOLOMEI, 2004; WILKS, 2009; GOUTTE, 2009 et al; KOEHN, 2010) bem como considerações oriundas dos estudos sobre inteligência artificial (RUSSEL & NORVIG, 2004). A comparação, entre a tradução humana e automática do poema, foi realizada considerando as traduções alternativas concedidas pelo Google Tradutor chamadas neste estudo de T1, T2, T3. e etc, compondo nosso corpus final. Nelas foram observados alguns tipos de equivalência característicos da tarefa do tradutor automático no âmbito de sua lógica algorítmica. Os resultados indicam a necessidade de uma lógica matemática como característica de uma possível estética na tradução automática...

O FATOR CULTURAL COMO ESTRATÉGIA DE TRADUÇÃO

Lima, Francinaldo de Souza; Pinheiro-Mariz, Josilene
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 04/07/2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.91%
Considerando-se a atividade de tradução como complexa e que instiga inúmeras inquietações tanto teóricas, quanto práticas, inserimos o nosso trabalho no âmbito da didática do francês como língua estrangeira. Destacamos a atividade de tradução literária como um exercício que suscita intensos debates. Nessa perspectiva, este trabalho tem por objetivo elencar estratégias que podem promover a prática tradutória na aprendizagem da língua francesa, além de apontar algumas alternativas para as dificuldades encontradas nesse processo e, em especial, no que concerne aos fatores culturais como empecilho para uma tradução fluente. Logo, propomo-nos a apresentar e discutir o conjunto de estratégias que foram utilizadas na tradução do conto de tradição oral africana, intitulado La fiancée du lion, encontrado na coletânea Contes d’Afrique Centrale (1989). Nas nossas ponderações, fundamentamo-nos nas reflexões de Cordeiro (2006) e Pagano, Magalhães e Alves (2005) sobre as diferentes maneiras de lidar com a prática de tradução e em Lederer (1994) para a tradução como parceira no ensino. Enfocamos os aspectos culturais como uma das principais estratégias para a tradução do referido conto.

O ENOBRECIMENTO COMO TENDÊNCIA DEFORMADORA NA TRADUÇÃO DO BEST-SELLER AMANTE SOMBRIO

Galdino, Melina
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 19/12/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.93%
A tradução de romances best-sellers, campo ainda pouco problematizado, tem como principal característica a exclusão do estrangeiro e a adaptação à cultura local. O leitor deve ler uma tradução que pareça que foi escrita em sua própria língua, não aparentando ser uma tradução; além disso, esse texto deve também estar de acordo a concepção moral e ideológica desse leitor. Nesse contexto, as traduções são concebidas como uma aclimatação do estrangeiro e tudo o que causa estranheza à cultura de chegada é rejeitado. O objetivo deste trabalho é observar como essa estratégia tradutória, particularmente o “enobrecimento” (BERMAN, 2013) do texto (no qual o tradutor muda ou exclui passagens do texto original que possam chocar ou ferir a moral do leitor) está presente na tradução de um best-seller e como esse método afasta o leitor do mundo descrito no original. O corpus é composto pelo romance Amante Sombrio (Dark Lover) da estadunidense J. R. Ward, traduzido por Jacqueline Valpassos, que será analisado com base na analítica da tradução de Antoine Berman, para quem existem em toda tradução tendências deformadoras que agem como forças no ato de traduzir. A análise do corpus mostra como a tradução desse best-seller tende a suavizar termos e expressões que podem...

A TRADUÇÃO NO REGISTRO DO EQUÍVOCO

Veras, Viviane
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 14/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.91%
Como falar de tradução considerando a descoberta freudiana do inconsciente e a existência da psicanálise? Eis uma questão que exige, antes da tentativa de elaboração de qualquer resposta, que se tirem dela consequências teóricas, práticas e éticas para os estudos de tradução. A premissa geral afirmada na proposição “toda tradução é imperfeita” (seja qual for o ideal de perfeição) permite que se tome a noção de intraduzibilidade como negação da traduzibilidade, ou ponto de vacilação de certa estabilidade do significado na passagem entre línguas. A proposta deste trabalho é fazer valer esse intraduzível no registro do equívoco como ato, como uma “formação da tradução” (do mesmo modo que se diz em psicanálise, a partir de Freud e de Lacan, “formação do inconsciente”). Entende-se aqui o equívoco como nascido do (des)encontro das línguas no instante em que se traduz, e que não se pode interpretar no registro da compreensão como um sentido, porque se revela opaco em ambas as línguas. Este trabalho assume ainda essa tradução como um tipo de laço social que encena o desejo do tradutor, dado que, fora das trilhas da ciência linguística, não toma as línguas como objetos externos aos falantes. Há na tarefa do tradutor um saber inconsciente não sustentado por um eu que sabe/compreende...

A TRADUÇÃO DE OBRAS FRANCESAS NO BRASIL: A CONCEPÇÃO DE TRADUÇÃO ENTRE OS TRADUTORES

Delgado, Guilherme de Oliveira; Dantas, Marta Pragana
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 19/12/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.93%
Este trabalho parte de uma problemática relacionada à tradução e à circulação de obras francesas no Brasil no atual contexto de hegemonia da língua/cultura estadunidense. Nesse sentido, aborda discussões em torno das lógicas econômicas e simbólicas que regem as trocas culturais entre o Brasil e a França por meio da tradução. O estudo objetiva trazer a lume um aspecto específico relacionado à problemática da tradução de obras francesas no Brasil: o estudo da concepção dos tradutores sobre o próprio fazer tradutório. A partir do discurso de cada tradutor, busca apreender a maneira como estes atores se veem e percebem o seu papel enquanto profissionais no sistema de tradução. Do ponto de vista teórico, utiliza-se de algumas noções emprestadas à sociologia da tradução, bem como de conceitos relativos à tradução como reescritura e ao tradutor profissional. Do ponto de vista metodológico, baseia-se na análise qualitativa de onze entrevistas anteriormente realizadas com tradutores de obras francesas atuando no mercado editorial do Rio de Janeiro e de São Paulo. A análise do corpus conduziu à duas tendências no que diz respeito à percepção que os tradutores possuem sobre sua prática tradutória: o tradutor que se vê como mediador entre culturas (compreendendo uma subcategoria: o tradutor como divulgador)...

TRADUÇÃO COMPARTILHADA

Barqueta, Clélia
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 13/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.95%
Esse trabalho discute a atividade de tradução sob uma perspectiva ainda muito pouco estudada na área dos estudos da tradução. Isso talvez já seja um reflexo da pouca aceitação desse tipo de tradução por parte dos responsáveis pela edição de textos traduzidos, ou seja, problematiza-se aqui a tradução compartilhada por dois tradutores e o processo de revisão em conjunto no qual ambos estão envolvidos. Usamos para essa discussão as fundamentações teóricas do campo da pesquisa sociológica que tem como foco os indivíduos e seus comportamentos observáveis, e mais especificamente, da área da sociologia da tradução que se ocupa com a sociologia do trabalho do tradutor, no nosso caso, o trabalho em conjunto dos tradutores. Além disso, será abordado o contexto cognitivo do ato tradutório. Focalizaremos os processos registrados sobre as tomadas de decisões nos trechos em podem ser constatados a existência de problemas quanto a possíveis opções de tradução. Algumas de nossas discussões recaem sobre áreas limítrofes o que contribui para que algumas discussões fiquem meio difusas. A prática da tradução compartilhada será estudada como uma atividade cooperativa que visa à tradução mais adequada dentro do contexto no qual ela ocorre. Entende-se tradução como uma prática tal qual outra qualquer...

TRADUÇÃO BÍBLICA EM LINGUAGEM CONTEMPORÂNEA: PRÓS E CONTRAS

Lima, Francinaldo de Souza; Pinheiro-Mariz, Josilene
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 13/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.91%
As traduções bíblicas mais conhecidas, ditas tradicionais, mantêm até os dias atuais a mesma linguagem da primeira edição de alguns séculos atrás o que acaba inibindo os seus possíveis leitores. Por esta razão, foram criadas as versões em linguagem contemporânea para facilitar a compreensão do texto sacro aos leitores de hoje. Este trabalho se presta a discutir a funcionalidade destas versões baseadas em tradução intralingual a partir de uma pesquisa qualitativa, bibliográfica e documental. Com base nos estudos de Geisler e Nix (2006) sobre a tradução bíblica, harmonizando-os com os pressupostos teóricos de tradução encontrados em Jakobson (1994), House (1997, 2001), Mejri (2005, 2008) e Reis e Vermeer (2006) analisaremos comparativamente algumas passagens bíblicas na versão Almeida Revista e Atualizada e na Nova Tradução na Linguagem de Hoje, ambas publicadas pela Sociedade Bíblica do Brasil. Resultados preliminares nos mostram uma grande taxa de déficit de sentido e conteúdo na versão em linguagem moderna em relação à dita tradicional. Contudo, apesar disso, essas perdas não comprometem o alcance ao objetivo da nova versão que se configura em promover a compreensão do texto bíblico em um primeiro contato...

PROPOSTA DE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PARA UMA DISCIPLINA ACADÊMICA DE TRADUÇÃO JURAMENTADA

Romão, Tito Lívio Cruz
Fonte: Cultura e Tradução Publicador: Cultura e Tradução
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 14/10/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.99%
Nos cursos de formação de tradutores e intérpretes, especialmente naqueles de natureza universitária (Graduação, Especialização, Mestrado ou Doutorado), é comum que se consagre alguma disciplina à área específica de Tradução Juramentada. Quando tal fato não acontece de maneira formal, esta temática costuma ser desenvolvida e apresentada no âmbito de alguma disciplina teórica mais geral (p.ex.: Teoria da Tradução, Didática da Tradução etc.) ou de algum componente de exercícios práticos de tradução (p.ex.: Aspectos Linguísticos da Tradução, Tradução Jurídica etc.). Esta comunicação oral tem por fim apresentar e discutir tópicos que possam ser incluídos no programa curricular de uma disciplina acadêmica de Tradução Juramentada. Para tanto, considerar-se-ão experiências práticas realizadas no Curso de Especialização em Tradução do Alemão, Francês e Inglês da Universidade Federal do Ceará – UFC (1994-1998), no Curso de Especialização em Estudos da Tradução da UFC (2009-2013) e a serem feitas na disciplina de Tradução Juramentada do Curso de Mestrado em Estudos da Tradução da UFC, o qual passará a funcionar a partir de setembro de 2014. Dentre os tópicos a serem pormenorizados neste trabalho...