Página 1 dos resultados de 6 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Influence of the bipartite scrotum on the testicular and scrotal temperatures in goats; Influência do escroto bipartido sobre as temperaturas dos testículos e escroto em caprinos

MACHADO JÚNIOR, Antonio A.N.; MIGLINO, Maria A.; MENEZES, Danilo J.A.; ASSIS NETO, Antonio C.; LEISER, Rudolf; SILVA, Ricardo A.B.; CARVALHO, Maria A.M.
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
77.65%
The influence of the scrotal bipartition and of the year period on the scrotal-testicular thermal regulation was evaluated in male goats raised in Piaui State, Brazil. Eighteen male goats at mating age were accomplished in this study and arranged into three Groups (6 animals each) obeying the classification as goats presenting no scrotal bipartition (Group I), goats showing scrotal bipartition at 50% of the testicular length (Group II), and goats with more than 50% of scrotal bipartition (Group III). The scrotal, testicular and spermatic funiculi temperatures were evaluated invasively with the aid of a digital thermometer and non-invasive with a pyrometer in the proximal, medial and distal portion. The data were acquired during the dry (October-November) and rainy (February-March) period of the year, measured in two shifts: morning (6h00-7h00) and afternoon (14h00-15h00). The results were submitted to variance analysis (ANOVA) following the SNK test for average comparison (p<0.05). The year period interfered on the scrotal-testicular thermal regulation, due to increased temperatures of the scrotal, testicular and spermatic funiculi during the dry period in comparison with the rainy period. The bipartition level was also a factor which contributed to the influence of scrotal-testicular temperature regulation...

Influence of the bipartite scrotum on the testicular and scrotal temperatures in goats

Machado Júnior, Antonio A. N.; Miglino, Maria A.; Menezes, Danilo J. A.; Assis Neto, Antonio C.; Leiser, Rudolf; Silva, Ricardo A. B.; Carvalho, Maria A. M.
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 797-802
ENG
Relevância na Pesquisa
77.64%
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência do grau de bipartição escrotal e do período do ano sobre a termorregulação escroto-testicular em caprinos criados no Estado do Piauí. Foram utilizados 18 reprodutores caprinos machos, divididos em três grupos de seis animais: O Grupo I contendo caprinos com escroto simples, o Grupo II, caprinos com escroto bipartido até 50% do comprimento testicular e o Grupo III, caprinos com bipartição superior a 50% do comprimento testicular. Os parâmetros avaliados foram as temperaturas do escroto, testículo e funículo espermático, obtidas de forma invasiva, com um termômetro digital termoacoplável, e não invasiva, com um pirômetro, nos terços proximal, médio e distal. Os dados foram coletados nos períodos seco (outubro-novembro) e chuvoso (fevereiro-março) do ano, bem como, nos turnos da manhã (6h00 às 7h00) e tarde (14h00 às 15h00). Os resultados foram submetidos à análise de variância (ANOVA) seguida do teste SNK para comparação das médias (p<0,05). O período do ano interferiu na termorregulação escroto-testicular, pois no período seco as temperaturas do escroto, testículo e funículo espermático foram mais elevadas que as observadas no período chuvoso. O grau de bipartição do escroto foi outro fator que modificou a temperatura escroto-testicular...

Termografia e ultrassonografia Doppler do plexo pampiniforme e termografia do escroto de touros: correlação com a qualidade do sêmen

Portugal, Elói dos Santos
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Tese de Doutorado Formato: xviii, 61 p. : il.
POR
Relevância na Pesquisa
26.79%
Pós-graduação em Medicina Veterinária - FCAV; Brazil has the largest commercial cattle herd in the world and reached 212,8 million head in 2011. 12,3 million doses of bovine semen were sold in 2012. Effective from cows of reproductive age is 61,4 million and the use of two doses of semen per cow is estimated that 10 % of the national herd is being inseminated. Fertility is an important feature in production systems and the bull has great importance. Using infrared thermography (IRT) and Doppler ultrasonography thermoregulation and blood flow were evaluated in bulls. Two groups of six bulls were evaluated for a year and the data of thermography - global temperature plexus (GTP), global temperature of the scrotum (GTE), temperature of the left plexus (TLP), temperature of the right plexus (TRP), temperature the left scrotum (TLE), temperature of the right scrotum (TRE) and Doppler ultrasonography - peak systolic velocity (PSV ), end diastolic velocity (EDV), pulsatility index (PI), resistance index (RI) and room temperature (RT) were correlated with semen analyzes. Positive and negative correlations were found between the variables of IRT and US Doppler variables of semen analyzes and concludes that IRT allows observation of early changes of the plexus and scrotal temperature; Doppler US demonstrated correlations between EDV...

Tolerância ao calor em ovinos reprodutores criados no Distrito Federal

Cruz Júnior, Carlos Alberto da
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
16.68%
Tese (Doutorado)—Universidade Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 2012.; Para que os ovinos possam expressar o seu potencial genético para a produção e reprodução, devem se encontrar em ambientes com condições climáticas situadas na zona de termoneutralidade, entretanto, nas últimas décadas tem ocorrido a introdução de raças exóticas especializadas na produção de carne nos plantéis do Distrito Federal, as quais são mantidas em sistema de criação extensivos sob desafio do calor intenso e baixa umidade relativa do ar. Este estudo utilizou reprodutores puros (registrados na associação brasileira de criadores de ovinos – ARCO), clinicamente sadios, de seis raças (Santa Inês, Bergamácia, Dorper, Texel, Ile de France e Hampshire Down) com os objetivos de avaliar as características relacionadas à tolerância ao calor e as correlações existentes entre elas; associar características físicas com as respostas fisiológicas, determinar quais características ligadas à tolerância ao calor são capazes de separar as raças e indivíduos e demonstrar os efeitos provocados pelo calor consecutivo e longo (7 dias) no escroto e testículos. Os resultados mostram que as características climáticas da região do Distrito Federal exerceram influência na termorregulação das raças estudadas sendo recomendado considerá-las quando da escolha de raças para cruzamentos e composição dos rebanhos locais. Entre as caracteristicas fisiológicas estudadas...

Descrição histológica do escroto de caprinos nativos do Estado do Piauí, segundo o grau de bipartição escrotal

Nunes,Aline Soares; Cavalcante Filho,Miguel Ferreira; Machado Júnior,Antonio Augusto Nascimento; Silva,Ana Lúcia Abreu; Conde Júnior,Airton Mendes; Souza,José Adalmir Torres; Carvalho,Maria Acelina Martins
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2010 PT
Relevância na Pesquisa
26.99%
Esta pesquisa teve por objetivo avaliar as características histológicas do escroto de caprinos com diferentes graus de divisão escrotal. Foram utilizados 15 caprinos distribuídos em três grupos (GI, escroto não bipartido; GII, escroto bipartido até 50% do comprimento testicular; e GIII, escroto bipartido superior a 50% do cumprimento do testículo). Fragmentos do escroto foram submetidos a processamento histológico e analisados em microscópio de luz. Na pele do escroto, a epiderme apresentava-se composta por epitélio pavimentoso estratificado queratinizado, organizado nos estratos basal, espinhoso, granuloso e córneo. Sua espessura, independentemente da divisão escrotal, aumentou gradativamente da região proximal à distal, sendo mais espessa nos caprinos do GIII (68,91µm) e mais fina na região da rafe escrotal do grupo GI. A derme apresentava-se escassa em tecido adiposo e possuía uma maior quantidade de glândulas sudoríparas apócrinas nos animais do GIII (18,12GS mm-2), quando comparado com os do GI (16,14GS mm-2) e GII (14,82GS mm-2). Com relação às glândulas sebáceas, não foi encontrada diferença numérica significativa entre os animais pesquisados. Concluiu-se que os caprinos que apresentam bipartição escrotal mais acentuada (GIII) podem apresentar uma maior produção de suor...

Características morfológicas do funículo espermático de caprinos com escroto bipartido e não bipartido

Nunes,Aline Soares; Conde Júnior,Aírton Mendes; Ferraz,Maíra Soares; Machado Júnior,Antônio Augusto Nascimento; Schroder,Deise Cristine; Carvalho,Maria Acelina Martins
Fonte: Universidade Federal de Goiás Publicador: Universidade Federal de Goiás
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2013 PT
Relevância na Pesquisa
47.09%
Estudou-se a morfologia do funículo espermático em caprinos com escroto bipartido e não bipartido. Foram formados três grupos de caprinos: I - escroto não bipartido; II - escroto bipartido até 50% do comprimento testicular; e III - escroto bipartido acima de 50% do comprimento testicular. O comprimento do funículo espermático, o músculo cremáster, o segmento da artéria testicular do funículo e histologia do funículo espermático foram avaliados. Em todos os grupos, a artéria testicular mostrou-se única (95%) ou dividida (5%), rodeada por veias sem válvulas e com diâmetros variados e irregulares. No grupo I, o tecido adiposo subcapsular envolvia as veias, fato não observado nos demais grupos. Nos grupos II e III, esse tecido apresentou-se em placas, circundando o funículo, tornando-se mais espesso próximo ao mesoducto, sugerindo isolamento térmico entre os vasos e o ducto deferente. Os caprinos do grupo III apresentaram maior comprimento do funículo (média=10,25cm) e da artéria testicular (média=152,80cm), em comparação com os grupos I (8,06 e 103,25 cm) e II (8,60 e 121,80 cm). Esse fato pode favorecer as trocas térmicas entre sangue arterial e venoso. O comprimento do músculo cremáster não diferiu estatisticamente (P>0...