Página 1 dos resultados de 54 itens digitais encontrados em 0.055 segundos

Impacto do risco de longevidade em planos de previdência complementar; The impact of longevity risk in pension plans

Silva, Fabiana Lopes da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 11/11/2010 PT
Relevância na Pesquisa
76.12%
A evolução do aumento da expectativa de vida registrada nas últimas décadas foi uma conquista significativa para a sociedade e trouxe novos desafios em diversas áreas do conhecimento humano. Dentre os impactos do aumento da longevidade, destaca-se sua influência no equilíbrio técnico dos planos previdenciários. Nas entidades de previdência complementar, a identificação oportuna de possíveis desvios da premissa da mortalidade à realidade subjacente visa garantir a solvência e a manutenção dos benefícios de longo prazo. Assim, o presente estudo tem por objetivo estimar os fatores de improvement (fator redutor de mortalidade) para a população coberta por planos privados de aposentadoria, com base no método Lee-Carter e na abordagem CMI (Continuous Mortality Investigation), bem como analisar o impacto da incorporação da estimativa do aumento da expectativa de vida no fluxo de caixa atuarial em uma carteira de benefício definido. Em virtude da carência de informações históricas de tábuas de mortalidade para o Brasil, fez-se uso da técnica de pareamento (propensity score), o qual consiste na identificação do país que mais se assemelha ao Brasil no que se refere às variáveis socioeconômicas relevantes para prever a evolução da expectativa de vida. Essa técnica foi aplicada para uma amostra de 21 países da OCDE. As variáveis socioeconômicas consideradas no estudo foram: Fertilidade...

O contributo das diferentes causas de morte para a diferença na esperança de vida entre Portugal e Espanha

Ribeiro, Filipe; Mendes, Maria Filomena
Fonte: X Congreso Associación de Demografia Histórica (ADEH) Publicador: X Congreso Associación de Demografia Histórica (ADEH)
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
96.24%
Em sentido oposto a algumas expectativas que teorizavam um limite para a esperança de vida, resultados recentes demonstram que estamos a quebrar barreiras no que corresponde a esta temática. Situação que apenas se torna possível devido às grandes reduções registadas nos níveis de mortalidade e que, consequentemente, contribuem para o acentuado envelhecimento populacional. Mas será que estas reduções seguem o mesmo padrão quando analisadas por causas de morte, idade e diferentes anos em observação? É isso que nos propomos a analisar para os casos de Portugal e Espanha entre os anos de 1994 e 2009, através da construção de tábuas de mortalidade e da aplicação de metodologias de decomposição distintas.

Tábuas de mortalidade contemporâneas e prospectivas: modelos estocásticos, aplicações actuariais e cobertura do risco de longevidade

Bravo, Jorge Miguel Ventura
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
106.56%
Os espectaculares ganhos de esperança média de vida registados nas últimas décadas constituem uma inquestionável conquista das sociedades modernas mas colocam novos desafios em múltiplas áreas, ameaçando em particular a sustentabilidade dos tradicionais sistemas públicos e privados de segurança e protecção social. Nas companhias de seguros do ramo vida, a abordagem tradicional ao cálculo dos prémios e das reservas matemáticas baseia-se na utilização de uma intensidade de mortalidade determinística, função apenas da idade do indivíduo (tábua contemporânea), e de uma taxa de juro técnica constante. Esta abordagem simples e pragmática revela-se, no entanto, desajustada nos casos em que a mortalidade evolui no tempo. Esta dissertação procura constituir-se como uma abordagem integrada e sistemática sobre o problema da medição e gestão dos riscos de mortalidade e de longevidade. O documento oferece uma revisão detalhada sobre os principais métodos paramétricos e não-paramétricos de graduação de tábuas de mortalidade contemporâneas, incluindo um estudo sobre o seu desempenho na população de pessoas seguras e de beneficiários de fundos de pensões em Portugal. São analisadas técnicas clássicas de projecção da mortalidade e investigadas novas soluções para a construção de tábuas prospectivas. Os resultados são aplicados na elaboração das primeiras tábuas prospectivas para as populações portuguesa e de pensionistas e na avaliação do efeito selecção adversa. É desenvolvida uma abordagem simultaneamente dinâmica e estocástica do risco de longevidade admitindo que a intensidade de mortalidade pode ser modelada...

Causas de Morte no Século XX - Transição e Estruturas da Mortalidade em Portugal Continental

David de Morais, Maria da Graça
Fonte: Edições Colibri e CIDEHUS-UE Publicador: Edições Colibri e CIDEHUS-UE
Tipo: Livro
POR
Relevância na Pesquisa
76.13%
Com esta obra, a autora pretende dar a conhecer que a transição da mortalidade em Portugal Continental, no século XX, não se desenvolveu de forma homogénea no espaço e no tempo - a heterogeneidade espacial, a diferença distrital, observou-se no calendário, na duração e na intensidade do processo. As causas da desigual dinâmica da mortalidade distrital foram variadas. Mas independentemente do declínio da intensidade verificado e das mutações do calendário da morte, a transição da mortalidade foi definida por uma perceptível reestruturação das principais causas de morte que se desenvolveu segundo uma tendência que é definida como de "transição epidemiológica".

Desenvolvimento do segundo e terceiro pilares da Segurança Social: o caso de Cabo Verde

Moreno, Adriano Andrade
Fonte: Faculdade de Ciências e Tecnologia Publicador: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
76.13%
Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Matemática e Aplicações, no ramo Actuariado, Estatística e Investigação Operacional; Em Cabo Verde, de acordo com o Decreto-Lei no 5/2004 de 16 de Fevereiro, a taxa de substituição líquida (isto é, o quociente entre o valor da primeira pensão a receber da Segurança Social e o último salário auferido, ambos líquidos de impostos) é, no máximo, de 80%. Mais importante que isso, é a incerteza quanto ao recebimento do seu benefício de reforma uma vez que a sustentabilidade do sistema público de Segurança Social é, mais cedo ou mais tarde, posta em causa pois, apesar da juventude da população Cabo-Verdiana, constata-se uma diminuição progressiva da taxa de natalidade e um aumento da esperança de vida. O objectivo central desta dissertação consiste na determinação do esforço complementar que cada indivíduo terá que fazer para complementar a sua pensão de reforma, recorrendo aos sistemas especializados de captação da poupança, como é o caso dos Planos de Poupança Reforma (PPR). Assim, tomando como base a evolução da mortalidade da população Portuguesa de 1969 a 2009 (Human Mortality Database), devido á falta de informação relevante sobre Cabo Verde...

Sobre a força de mortalidade na construção de tábuas de sobrevivência

Santos,Jair L. F.
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/1972 PT
Relevância na Pesquisa
76.34%
A construção das tábuas de sobrevivência vem sendo, recentemente, simplificada através da pressuposição de constância da força de mortalidade para cada grupo etário. Neste trabalho, mostram-se vantagens adicionais de tal suposição, tanto de caráter conceitual como de cálculos.

Estimativas do nível de mortalidade e de esperança de vida para o Estado de São Paulo, Brasil, em 1970

Santos,Jair L. F.
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/1972 PT
Relevância na Pesquisa
76.44%
Resultados preliminares do Censo Demográfico de 1970, são utilizados para a determinação do nível de mortalidade no Estado de São Paulo, Brasil. Através da teoria de populações estáveis e de tábuas de vida modelo, encontrou-se tábuas de sobrevivência para os sexos masculino e feminino. Acredita-se que estas tábuas refletem as condições de mortalidade vigentes nos períodos próximos a data censitária.

Mortalidade diferencial por causas, São Paulo, Brasil, 1970: tábuas de vida de múltiplo decremento

Gotlieb,Sabina Léa Davidson
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/1981 PT
Relevância na Pesquisa
76.24%
Foram feitas considerações sobre tábua de vida de múltiplo decremento, com o objetivo de avaliar a magnitude da atuação de alguns grupos de agravos à saúde nas probabilidades de morte, de sobrevivência e nas esperanças de vida dos residentes no município de São Paulo (Brasil), em 1970. A esperança de vida ao nascer foi igual a 60,12 anos no sexo masculino e 67,21 anos no sexo feminino. Os principais grupos de doenças em função dos ganhos que propiciariam à esperança de vida ao nascer, caso não tivessem sido fator de risco de morte, foram: no sexo masculino - cardiovasculares; infecciosas e parasitárias; acidentes, envenenamentos e violências e os tumores malignos; no sexo feminino - cardiovasculares; infecciosas e parasitárias; tumores malignos e os acidentes, envenenamentos e violências. Levantou-se a hipótese de que o padrão de mortalidade no município de São Paulo, em 1970, refletiria a existência de problemas de saúde de uma população formada por setores distintos onde coexistiriam condições típicas adversas à saúde, ora de regiões consideradas desenvolvidas, ora de regiões em desenvolvimento.

Tábuas de mortalidade dos aposentados por invalidez pelo Regime Geral da Previdência Social - 1999-2002

Ribeiro,Aloísio Joaquim Freitas; Figoli,Moema Gonçalves Bueno; Sawyer,Diana Oya; César,Cibele Comini
Fonte: Associação Brasileira de Estudos Populacionais Publicador: Associação Brasileira de Estudos Populacionais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2007 PT
Relevância na Pesquisa
106.33%
Neste estudo são construídas tábuas de mortalidade para os aposentados por invalidez do Regime Geral da Previdência Social brasileira, de clientela urbana, por sexo, utilizando-se os microdados relativos aos benefícios que estiveram ativos em algum instante do período entre 01/01/1999 e 31/12/2002.

Construção de tábuas de mortalidade de inválidos por meio de modelos estatísticos bayesianos

Ribeiro,Aloísio Joaquim Freitas; Reis,Edna Afonso; Barbosa,Joana Barbabela
Fonte: Associação Brasileira de Estudos Populacionais Publicador: Associação Brasileira de Estudos Populacionais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 PT
Relevância na Pesquisa
106.48%
Este trabalho teve como objetivo a construção de tábuas de mortalidade de inválidos dos segurados de clientela urbana do Regime Geral da Previdência Social. Assumindo que o número de mortes em cada idade segue uma distribuição de Poisson, as taxas de mortalidade por idade simples foram graduadas por meio de métodos estatísticos bayesianos, pelo modelo paramétrico de Gompertz-Makehan, utilizando inferência estatística bayesiana. Foram construídas tábuas de mortalidade para homens e mulheres e intervalos de credibilidade para os parâmetros e componentes do modelo, bem como para as taxas de mortalidade e funções da tábua. Uma aplicação foi feita calculando-se uma anuidade e o passivo atuarial.

Tábuas de mortalidade no mercado brasileiro de seguros - uma comparação; Texto para Discussão (TD) 1047: Tábuas de mortalidade no mercado brasileiro de seguros - uma comparação; Mortality in the Brazilian insurance market - a comparison

Beltrão, Kaizô Iwakami; Sugahara, Sonoe; Silva, Danilo Cláudio da; Salles, Elder Vieira
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
PT-BR
Relevância na Pesquisa
76.66%
A tábua de mortalidade para uma dada população é uma ferramenta importante não apenas em termos dos estudos atuariais e demográficos em geral, como também para políticas públicas e financiamento do setor privado para certos serviços ofertados no mercado. Devido a sua importância crucial na análise de problemas de diversas naturezas, uma estimativa precisa é frequentemente necessária. Tábuas de vida tornaram-se uma necessidade primordial para cálculos de seguros quando o assunto é pertinente a pessoas. Atualmente, o problema mais comum quando se lida com seguros, além da taxa de retorno, refere-se à escolha de uma tábua de vida adequada a uma dada população. O mercado de seguros brasileiro carece de tábuas de vida para sua população e tem usado tábuas estrangeiras, desenvolvidas para outros países de diferentes culturas e experiências de mortalidade. Um trabalho anterior de Beltrão e Sugahara (2002a) constrói tábuas de vida para consumidores de plano de pensões privadas com base nos dados administrativos da Superintendência de Seguros Privados (Susep) de 1998. Os mesmos autores também fizeram uso de informações fornecidas pela Siape para calcular a tábua de vida de funcionários ativos e aposentados do governo federal...

TÁBUAS DE MORTALIDADE E SOBREVIVÊNCIA PARA O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRÊTO (1949-1951)

Duarte, Geraldo Garcia; Milanesi, Maria Lucila
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/1958 POR
Relevância na Pesquisa
76.34%
Devido sua grande importância nos estudos de problemas gerais de higiene, as tábuas de mortalidade deveriam constituir arma ele uso mais comum entre sanitaristas. Pretendemos aqui, chamar atenção para a facilidade de construção ele tábuas rápidas ele mortalidade. De fato, na maioria dos municípios elo Estado ele São Paulo, há, por parte dos médicos d Saúde Pública, um levantamento elos dados ele obituário. Devemos usar mais estas informações.

Application of stochastic models on the portuguese population and distortion to workers conpensation pensioners experience

Nkwenti, Mbelli Njah
Fonte: Instituto Superior de Economia e Gestão Publicador: Instituto Superior de Economia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2015 ENG
Relevância na Pesquisa
76.42%
Mestrado em Ciências Actuariais; Este estudo resulta de um estágio na AXA, e visa contribuir para a correta determinação das reservas que cobrem os encargos futuros com as indemnizações no Ramo de Acidentes de Trabalho (AT). A questão é muito relevante para as pensões ditas "não obrigatoriamente remíveis", pois a autoridade supervisora (ASF) deixa em parte ao critério das companhias qual o modelo de mortalidade a aplicar. O objetivo do estágio foi assim o desenvolvimento de um modelo estocástico para a mortalidade dos pensionistas em análise, para o que foi necessário considerar inicialmente toda a população portuguesa, passando-se depois para a população constituída pelos trabalhadores cobertos por apólices de AT e, finalmente, para os segurados na AXA. O modelo global é composto por um modelo estocástico para a mortalidade da população e um modelo de mortalidade para o portfólio, obtido a partir de três modelos relacionais (Cox Proportional, Brass Linear and Workgroup PLT). As probabilidades de morte a um ano para as idades 0-110 (período 2013-2113), foram calculadas para a população em geral e para as duas carteiras e utilizadas na construção das correspondentes tábuas de mortalidade e funções associadas. Pôde então determinar-se o montante das reservas relativas aos pensionistas...

Índice de ajuste de comorbidade para a 10a revisão da classificação internacional de doenças; Índice de ajuste de co-morbilidad para la 10a revisión de la clasificación internacional de enfermedades; Comorbidity adjustment index for the international classification of diseases, 10

Ramiarina, Robert Antonio; Ramiarina, Beatriz Luiza; Almeida, Renan Moritz V R; Pereira, Wagner Coelho de Albuquerque
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/08/2008 ENG
Relevância na Pesquisa
76.12%
OBJETIVO: Desenvolver um índice de co-morbidade a partir das condições clínicas e dos pesos do índice de co-morbidade de Charlson. MÉTODOS: As condições clínicas e pesos do índice de Charlson foram adaptados segundo a Classificação Internacional de Doenças 10a Revisão, e aplicados ao diagnóstico principal de internação hospitalar. Foram estudados 3.733 pacientes acima de 18 anos hospitalizados em hospital geral público do município do Rio de Janeiro, RJ, 2001-2003. A distribuição do índice foi de acordo com o gênero, tipo da admissão, presença de transfusão de sangue, admissão à unidade de terapia intensiva, idade e tempo de internação. Dois modelos de regressão logística foram desenvolvidos com o objetivo de prever a mortalidade hospitalar desses pacientes: a) com as variáveis acima e o índice de co-morbidade (modelo completo); e b) contendo apenas o índice e a idade dos pacientes (modelo reduzido). RESULTADOS: Dentre o total de pacientes analisados, 22,3% possuíam escores >;1 para o índice e sua taxa de mortalidade foi 4,5% (66,0% dos quais com escores >;1). Exceto gênero e do tipo de admissão, todas as variáveis foram retidas na regressão. Os modelos tiveram uma área sob a curva característica ROC igual a 0...

Mortalidade diferencial por causas, São Paulo, Brasil, 1970: tábuas de vida de múltiplo decremento; Mortality differentials classified according to cause of death, S. Paulo, Brazil, 1970: multiple decrement life tables

Gotlieb, Sabina Léa Davidson
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/08/1981 POR
Relevância na Pesquisa
76.24%
Foram feitas considerações sobre tábua de vida de múltiplo decremento, com o objetivo de avaliar a magnitude da atuação de alguns grupos de agravos à saúde nas probabilidades de morte, de sobrevivência e nas esperanças de vida dos residentes no município de São Paulo (Brasil), em 1970. A esperança de vida ao nascer foi igual a 60,12 anos no sexo masculino e 67,21 anos no sexo feminino. Os principais grupos de doenças em função dos ganhos que propiciariam à esperança de vida ao nascer, caso não tivessem sido fator de risco de morte, foram: no sexo masculino - cardiovasculares; infecciosas e parasitárias; acidentes, envenenamentos e violências e os tumores malignos; no sexo feminino - cardiovasculares; infecciosas e parasitárias; tumores malignos e os acidentes, envenenamentos e violências. Levantou-se a hipótese de que o padrão de mortalidade no município de São Paulo, em 1970, refletiria a existência de problemas de saúde de uma população formada por setores distintos onde coexistiriam condições típicas adversas à saúde, ora de regiões consideradas desenvolvidas, ora de regiões em desenvolvimento.; General considerations about multiple decrement life tables are made to evaluate the impact of some diseases and other causes of death on the probabilities of death and survival and on the life expectancy of the inhabitants of the City of S. Paulo...

Sobre a força de mortalidade na construção de tábuas de sobrevivência; On the force of mortality and life tables construction

Santos, Jair L. F.
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/09/1972 POR
Relevância na Pesquisa
76.34%
A construção das tábuas de sobrevivência vem sendo, recentemente, simplificada através da pressuposição de constância da força de mortalidade para cada grupo etário. Neste trabalho, mostram-se vantagens adicionais de tal suposição, tanto de caráter conceitual como de cálculos.; Life tables construction has been simplified through the assumption of a constant force of mortality in each age group. In this paper further advantages are shown, concerning both the conceptual nature and simpler calculations derived from that assumption.

Estimativas do nível de mortalidade e de esperança de vida para o Estado de São Paulo, Brasil, em 1970; Estimatives of mortality rate and life expectance for the S. Paulo, State, Brazil, in 1970

Santos, Jair L. F.
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/09/1972 POR
Relevância na Pesquisa
76.44%
Preliminary results of the 1970 Demographic Census in Brazil lead the author to determining the mortality level for the State of São Paulo, Brazil. Life Tables for males and females were found through stable population theory and model life tables. It is believed that those tables reflect mortality conditions of the State of S. Paulo during the period close to me Census date.; Resultados preliminares do Censo Demográfico de 1970, são utilizados para a determinação do nível de mortalidade no Estado de São Paulo, Brasil. Através da teoria de populações estáveis e de tábuas de vida modelo, encontrou-se tábuas de sobrevivência para os sexos masculino e feminino. Acredita-se que estas tábuas refletem as condições de mortalidade vigentes nos períodos próximos a data censitária.

Sobre a força de mortalidade na construção de tábuas de sobrevivência

Santos,Jair L. F.
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/1972 PT
Relevância na Pesquisa
76.34%
A construção das tábuas de sobrevivência vem sendo, recentemente, simplificada através da pressuposição de constância da força de mortalidade para cada grupo etário. Neste trabalho, mostram-se vantagens adicionais de tal suposição, tanto de caráter conceitual como de cálculos.

Estimativas do nível de mortalidade e de esperança de vida para o Estado de São Paulo, Brasil, em 1970

Santos,Jair L. F.
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/1972 PT
Relevância na Pesquisa
76.44%
Resultados preliminares do Censo Demográfico de 1970, são utilizados para a determinação do nível de mortalidade no Estado de São Paulo, Brasil. Através da teoria de populações estáveis e de tábuas de vida modelo, encontrou-se tábuas de sobrevivência para os sexos masculino e feminino. Acredita-se que estas tábuas refletem as condições de mortalidade vigentes nos períodos próximos a data censitária.

Mortalidade diferencial por causas, São Paulo, Brasil, 1970: tábuas de vida de múltiplo decremento

Gotlieb,Sabina Léa Davidson
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/1981 PT
Relevância na Pesquisa
76.24%
Foram feitas considerações sobre tábua de vida de múltiplo decremento, com o objetivo de avaliar a magnitude da atuação de alguns grupos de agravos à saúde nas probabilidades de morte, de sobrevivência e nas esperanças de vida dos residentes no município de São Paulo (Brasil), em 1970. A esperança de vida ao nascer foi igual a 60,12 anos no sexo masculino e 67,21 anos no sexo feminino. Os principais grupos de doenças em função dos ganhos que propiciariam à esperança de vida ao nascer, caso não tivessem sido fator de risco de morte, foram: no sexo masculino - cardiovasculares; infecciosas e parasitárias; acidentes, envenenamentos e violências e os tumores malignos; no sexo feminino - cardiovasculares; infecciosas e parasitárias; tumores malignos e os acidentes, envenenamentos e violências. Levantou-se a hipótese de que o padrão de mortalidade no município de São Paulo, em 1970, refletiria a existência de problemas de saúde de uma população formada por setores distintos onde coexistiriam condições típicas adversas à saúde, ora de regiões consideradas desenvolvidas, ora de regiões em desenvolvimento.