Página 1 dos resultados de 3726 itens digitais encontrados em 0.093 segundos

Acesso à esterilização cirúrgica pelo Sistema Único de Saúde, Ribeirão Preto, SP; Access to surgical sterilization through the National Health System, Ribeirão Preto, Southeastern Brazil; Acceso a la esterilización quirúrgica por el Sistema Único de Salud, Ribeirão Preto, Sureste de Brasil

VIEIRA, Elisabeth Meloni; SOUZA, Luiz de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
165.91%
OBJETIVO: Caracterizar o perfil de indivíduos que não obtiveram o procedimento de contracepção cirúrgica e fatores associados. MÉTODOS: Estudo transversal realizado em Ribeirão Preto (SP), em 2004, com 230 indivíduos que não obtiveram cirurgia de esterilização no período de 1999 a 2004 pelo Sistema Único de Saúde. Foi aplicado um questionário com informações sociodemográficas, uso de métodos anticoncepcionais e aspectos da esterilização e desejo de esterilizar-se no futuro. Foram comparadas as variáveis sexo, idade, religião, renda per capita, estado marital e escolaridade do total dos que não obtiveram o procedimento com 297 indivíduos esterilizados. RESULTADOS: Dos 230 entrevistados 21,3% eram homens e 78,7% mulheres. A maioria era casada, branca, católica e tinha pelo menos quatro anos de estudo. A renda per capita mediana mensal foi R$ 140,00. Dos entrevistados, 23 (10%) tinham expectativa de fazer a cirurgia. Os restantes 207 foram classificados em dois grupos: 71% decidiram adiar cirurgia e 29% encontraram obstáculos no acesso à esterilização. O segundo grupo foi associado a ser mulher, jovem e negra. Após regressão logística, ser negro foi o único fator que se manteve associado à não-obtenção da esterilização. Ao comparar com o grupo dos que obtiveram o procedimento...

Gastos do Sistema Único de Saúde com internações por causas externas em São José dos Campos, São Paulo, Brasil; Unified National Health System costs in São José dos Campos, São Paulo State, Brazil, for hospital admissions due to external causes

MELIONE, Luís Paulo Rodrigues; MELLO-JORGE, Maria Helena Prado de
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
175.89%
O objetivo do estudo foi mensurar os gastos diretos do Sistema Único de Saúde (SUS) com internações por causas externas em São José dos Campos, São Paulo, Brasil. Foram estudadas as internações por lesões decorrentes de causas externas, respectivamente capítulos XIX e XX da CID-10, no primeiro semestre de 2003, no Hospital Municipal Dr. José de Carvalho Florence. Foram analisados os valores pagos através do SUS, após a verificação da qualidade dos dados nos prontuários de 976 internações. Os maiores gastos totais foram por internações decorrentes de acidentes de transporte e quedas. O maior gasto médio de internação foi por acidentes de transporte (R$ 614,63), seguido das agressões (R$ 594,90). As lesões que representaram maior gasto médio foram as fraturas de pescoço (R$ 1.191,42) e traumatismo intracraniano (R$ 1.000,44). As internações com maior custo-dia foram fraturas do crânio e dos ossos da face (R$ 166,72) e traumatismo intra-abdominal (R$ 148,26). Os resultados encontrados demonstraram que os acidentes de transporte, as quedas e as agressões são importantes fontes de gastos com internações por causas externas no município.; The objective of this study was to identify direct expenditures for hospitalizations due to external causes in the Unified National Health System (SUS) in the city of São José dos Campos...

Falhas de mercado e redes em políticas públicas: desafios e possibilidades ao Sistema Único de Saúde; Market and public policy network failures: challenges and possibilities for the Brazilian Unified Health System

Pinheiro Filho, Francisco Percival; Sarti, Flávia Mori
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva; Rio de Janeiro Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva; Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
166.01%
Os princípios e as diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) impõem uma estrutura de assistência baseada em redes de políticas públicas que, combinada ao modelo de financiamento adotado, conduz a falhas de mercado. Isso impõe barreiras à gestão do sistema público de saúde e à concretização dos objetivos do SUS. As características institucionais e a heterogeneidade dos atores, aliadas à existência de diferentes redes de atenção à saúde, geram complexidade analítica no estudo da dinâmica global da rede do SUS. Há limitações ao emprego de métodos quantitativos baseados em análise estática com dados retrospectivos do sistema público de saúde. Assim, propõe-se a abordagem do SUS como sistema complexo, a partir da utilização de metodologia quantitativa inovadora baseada em simulação computacional. O presente artigo buscou analisar desafios e potencialidades na utilização de modelagem com autômatos celulares combinada com modelagem baseada em agentes para simulação da evolução da rede de serviços do SUS. Tal abordagem deve permitir melhor compreensão da organização, heterogeneidade e dinâmica estrutural da rede de serviços do SUS e possibilitar minimização dos efeitos das falhas de mercado no sistema de saúde brasileiro.; The principles and guidelines of the Brazilian Unified Health System (SUS) impose a healthcare service structure based on public policy networks which...

Formação e inserção profissional dos tecnólogos em radiologia no Sistema Único de Saúde (SUS) do estado de Santa Catarina

Medeiros, Caroline de
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
165.97%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2012.; Este trabalho, caracterizado como estudo de caso, teve por finalidade analisar a formação e inserção do profissional graduado no Curso Superior de Tecnologia (CST) em Radiologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IF-SC) no Sistema Único de Saúde (SUS). Procurou-se abordar o Sistema Único de Saúde, Formação Profissional, Educação em Saúde e o Instituto Federal de Santa Catarina, referenciais que dão sustentação para estudar os egressos e profissionais da área da Radiologia. A metodologia utilizada fundamentou-se por um método que alia análise qualitativa e quantitativa, com aplicação de questionários aos egressos e profissionais da Radiologia. Nos resultados foram encontrados 54 egressos e constatou-se que os egressos de Radiologia são predominantes do sexo feminino diferente do perfil dos profissionais entrevistados. Em sua maioria os egressos estão atuando no SUS e relatam ter conhecimentos acerca do SUS, mas na parte qualitativa da pesquisa as respostas mostra muma debilidade acerca dos conhecimentos do SUS...

A satisfação dos usuários com o Sistema Único de Saúde (SUS); Users satisfaction with the Brazilian Public Health System

Castro, Henrique Carlos de Oliveira de; Machado, Lia Zanotta; Walter, Maria Inez Machado Telles; Ranincheski, Sonia Maria; Schmidt, Benício Viero; Marinho, Danilo Nolasco Côrtez; Campos, Tânia Mara de Araújo
Fonte: Universidade Católica de Pelotas Publicador: Universidade Católica de Pelotas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
165.99%
O presente artigo é uma reflexão sobre a avaliação dos serviços de saúde oferecidos pelo Sistema Único de Saúde – SUS na perspectiva do usuário. Apresenta resultados de uma pesquisa realizada com o uso de diversas técnicas de pesquisa social aplicada em oito regiões metropolitanas do país pela Universidade de Brasília por solicitação do Ministério da Saúde. A pesquisa partiu do princípio que a opinião dos usuários dos serviços SUS é de fundamental importância para o aprimoramento do Sistema. Os dados apurados indicam um alto nível de satisfação com o sistema, o que contraria o senso comum. Uma hipótese explicativa para satisfação dos usuários é o entendimento que, mesmo com problemas, o SUS tem cumprido o papel de universalização dos serviços de saúde e que a sua existência é melhor do que nada.

A implicação de trabalhadores de ambulatórios municipais, em Uberaba, Minas Gerais, Brasil, na reorganização de serviços preconizada pelo Sistema Único de Saúde

Goulart,Bethania Ferreira; Freitas,Maria Imaculada de Fátima
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2008 PT
Relevância na Pesquisa
165.91%
Esta pesquisa foi desenvolvida em dois ambulatórios municipais de especialidades na cidade de Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Busca compreender a implicação dos trabalhadores de saúde no seu trabalho e nas propostas de reorganização de serviços de saúde, sob a ótica deles e considerando a gestão participativa preconizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A pesquisa foi realizada com nove trabalhadores que apresentam ou não formação específica em saúde, mas estão envolvidos com atividades no setor. Os participantes foram sorteados por categoria profissional ou função (grupos: odontológico, infra-estrutura, médico, serviço social, psicologia, coordenação, enfermagem e farmacêutico e bioquímico), considerando-se um participante por "categoria" de cada serviço. O conteúdo foi analisado fundamentando-se nos procedimentos da análise estrutural de narração. Foram identificadas três categorias: a gerência, implicação no trabalho e implicação nas propostas do SUS. Ressalta-se que este estudo não pretende universalizar resultados sobre a implicação dos trabalhadores em saúde, no geral, mas aponta para a importância de se compreender a interação entre o modelo gerencial e a reorganização de serviços preconizada pelo SUS.

Percepção dos coordenadores de saúde bucal e cirurgiões-dentistas do serviço público sobre o Sistema Único de Saúde (SUS)

Martins,Ronald Jefferson; Moimaz,Suzely Adas Saliba; Garbin,Cléa Adas Saliba; Garbin,Artênio José Ísper; Lima,Daniela Coêlho de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2009 PT
Relevância na Pesquisa
175.99%
O profissional de saúde é um ponto-chave para a implementação do Sistema Único de Saúde (SUS). À medida que exerce sua função, o sistema passa do aspecto teórico-conceitual para a prática da atenção. Objetivou-se neste estudo verificar o nível de conhecimento sobre o Sistema Único de Saúde (SUS) dos coordenadores de saúde bucal e cirurgiões-dentistas do serviço público dos 40 municípios da região noroeste do Estado de São Paulo. Utilizou-se um questionário estruturado, autoaplicável, composto de questões referentes aos princípios doutrinários e organizativos do SUS, controle social, financiamento, formação de recursos humanos, atenção e assistência em saúde. Dos entrevistados, 77 (89,5%) não sabiam quem era o responsável pelo planejamento e execução da assistência, 53 (61,6%) não tinham conhecimento de equidade, 46 (53,5%) de fundo de saúde e 45 (52,3%) de controle social. Conclui-se que existe deficiência no conhecimento de determinados assuntos, havendo necessidade de promoção de cursos a respeito da filosofia do SUS.

O desafio da descentralização do Sistema Único de Saúde em município de grande porte: o caso de São Paulo, Brasil; The challenge of decentralization of the Unified National Health System in large cities: the case of São Paulo, Brazil

SPEDO, Sandra Maria; TANAKA, Oswaldo Yoshimi; PINTO, Nicanor Rodrigues da Silva
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
165.93%
A descentralização do Sistema Único de Saúde (SUS) ainda enfrenta importantes desafios, em particular a busca de alternativas para grandes municípios. Por se caracterizar como um processo eminentemente político, variáveis político-institucionais, dentre as quais se destaca a capacidade de gestão do nível local, são determinantes para a conformação da descentralização em cada contexto. Utilizando o referencial do triângulo de governo para avaliar a capacidade de gestão, realizou-se um estudo de caso, com o objetivo de analisar o processo de descentralização do SUS no Município de São Paulo, Brasil, a maior metrópole brasileira. Pela análise de entrevistas com gestores selecionados e documentos da gestão, identificou-se um movimento de centralização da saúde na gestão municipal 2005-2008, acompanhado do desconcerto das estruturas locorregionais da Secretaria Municipal de Saúde, o que resultou no esvaziamento técnico e político dessas instâncias. Apesar dos limites da descentralização, destaca-se sua potência enquanto estratégia operacional para alcançar os objetivos do SUS. Aponta-se a necessidade de retomar o processo de descentralização da saúde no Município de São Paulo que, além de avançar para instâncias locorregionais...

Avaliação do nível de satisfação de usuários de aparelhos de amplificação sonora individuais dispensados pelo Sistema Único de Saúde; Satisfaction evaluation in users of hearing aid dispensed by the Unified Health System

DANIELI, Fabiana; CASTIQUINI, Eliane Aparecida Techi; ZAMBONATTO, Ticiana Cristina de Freitas; BEVILACQUA, Maria Cecília
Fonte: Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia Publicador: Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
166%
OBJETIVO: Adaptar culturalmente o questionário Satisfaction with Amplification in Daily Life (SADL), versão em Português Brasileiro, para administrar em usuários de aparelhos de amplificação sonora individuais (AASIs) dispensados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). MÉTODOS: Participaram da pesquisa 19 sujeitos usuários de AASIs dispensados pelo Sistema Único de Saúde, por no mínimo três semanas, com idade igual ou superior a 60 anos, que apresentavam perda auditiva pós-lingual, sendo 63% do gênero masculino e 37% do gênero feminino, com média de idade de 73 anos e média de tempo de uso das próteses auditivas de cinco meses. Os sujeitos responderam ao questionário SADL e a uma Escala de Satisfação de item único, além de alguns itens adicionais. Foi realizada a análise da consistência interna do SADL, a análise descritiva dos resultados, para caracterizar as respostas dos sujeitos, a comparação dos resultados com os dados normativos propostos pelos autores e uma investigação do relacionamento entre o SADL e a escala de satisfação de item único. RESULTADOS: Os resultados obtidos para a pontuação global evidenciaram que os sujeitos, em média, encontravam-se satisfeitos com seus AASIs. O mesmo ocorreu para todas as subescalas do SADL...

Políticas públicas de saúde: Sistema Único de Saúde

Reis, Denizi Oliveira; Araújo, Eliane Cardoso de; Cecílio, Luiz Carlos de Oliveira
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Formato: Arquivo compactado em formato .zip contendo texto em versão .pdf e .html, material complementar, atividades pedagógicas (tema para discussão em fórum e questionários para auto-avaliação) e figura apresentando a configuração do material no AVA.
PT_BR
Relevância na Pesquisa
165.93%
A primeira parte da unidade aborda o Sistema Único de Saúde desde seus aspectos históricos, apresentando uma linha do tempo da história das políticas públicas de saúde no Brasil a partir do início do século XX, bem como suas principais diretrizes e princípios (com especial atenção a conceitos como universalidade, integralidade e equidade). A seguir os autores apresentam os principais impasses e dificuldades que o SUS enfrenta na atualidade e encerram com uma breve apresentação do Pacto da Saúde, o Pacto em Defesa do SUS e o Pacto de Gestão como possíveis estratégias de enfrentamento dos problemas citados.; Versão 2; Organização Pan-Americana da Saúde – OPAS

A regionalização como estratégia de fortalecimento do Sistema Único de Saúde – SUS

Lira, Patrícia Andreza Teixeira de
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
175.97%
Este artigo tem por objetivo analisar a regionalização como estratégia de fortalecimento do Sistema Único de Saúde - SUS e sua importância para a efetivação do direito à saúde, segundo os princípios do SUS: universalidade, equidade, integralidade e participação, conforme a Lei 8.080 de 1990. O desenvolvimento deste trabalho consiste em resgatar, por meio de uma revisão bibliográfica acerca da temática, aspectos históricos do processo de constituição e implementação do SUS, com foco no processo de regionalização que se apresenta como condição para efetividade do sistema. Buscou-se estabelecer a relação entre descentralização e regionalização no âmbito do SUS e analisar a regionalização na trajetória da política de saúde no Brasil e sua interface com as diferentes institucionalidades, e ainda os ciclos de descentralização e regionalização. Por fim, este trabalho dedicou-se a identificar os desafios atuais da regionalização da política de saúde. Conclui-se, de uma forma geral, que a regionalização fortalece o SUS e contribui para a melhoria do acesso às ações de saúde e para a efetivação dos princípios do SUS. Porém, sua efetividade passa necessariamente pela ampliação da esfera política junto à população usuária.; This article aims to analyze how the regionalization strategy strengthening of the Unified Health System - SUS and its importance for the realization of right to health...

Evidências e modelos sobre a coexistência de hospitais com fins lucrativos e hospitais sem fins lucrativos no Sistema Único de Saúde brasileiro; Texto para Discussão (TD) 1041: Evidências e modelos sobre a coexistência de hospitais com fins lucrativos e hospitais sem fins lucrativos no Sistema Único de Saúde brasileiro; Evidence and models on the coexistence of for-profit hospitals and nonprofit hospitals in the Brazilian Health System

Marinho, Alexandre
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
PT-BR
Relevância na Pesquisa
165.94%
Este trabalho apresenta alguns aspectos da presença e da atuação conjunta dos hospitais com fins lucrativos e dos hospitais sem fins lucrativos, contratados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. A usual dicotomia, que confronta o setor público com o setor privado, e que já foi bastante explorada na literatura, não será privilegiada no texto. O trabalho também explicita um modelo teórico aplicável ao SUS e a outros sistemas hospitalares. O modelo é capaz de analisar as consequências da coexistência de hospitais com e sem finalidades lucrativas sobre o nível de atividade e a qualidade de serviços de internação hospitalar, dados os incentivos presentes no SUS. Adicionalmente, o trabalho ainda apresenta um modelo para representar a oferta e a demanda por internação em hospitais, quando as variáveis observáveis são as que estão disponíveis no SUS e as taxas de mortalidade hospitalar são os resultados finais da atividade dos hospitais.; 46 p. : il.

Um estudo sobre as filas para internações e para transplantes no Sistema Único de Saúde brasileiro; Texto para Discussão (TD) 1055: Um estudo sobre as filas para internações e para transplantes no Sistema Único de Saúde brasileiro; A study of the queues for admissions and transplantation in the Brazilian Unified Health System

Marinho, Alexandre
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
PT-BR
Relevância na Pesquisa
165.95%
O trabalho desenvolve, e aplica, um arcabouço capaz de avaliar algumas das principais características das filas para tratamentos de saúde com internação no Sistema Único de Saúde (SUS), incluindo o Sistema Nacional de Transplantes. Foi realizado um estudo qualitativo e quantitativo do tempo de espera nas filas, do tamanho (número de pessoas) e dos custos das filas nos hospitais. Foi realizada também uma identificação dos padrões das filas em sistemas de saúde de países desenvolvidos e uma descrição da situação no SUS. Para a realização da avaliação quantitativa dos problemas foram utilizados modelos de teoria das filas (queuing theory).; 39 p.

A economia das filas no Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro; Texto para Discussão (TD) 1390: A economia das filas no Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro; The economy of the queues in the Unified Health System (SUS) Brazil

Marinho, Alexandre
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
PT-BR
Relevância na Pesquisa
176%
Não existem avaliações sistemáticas sobre o Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil sobre os prazos de espera para internações, consultas ou exames nem sobre o número de pessoas que aguardam nas filas para serem atendidas. Tampouco existem avaliações oficiais dos custos desses procedimentos. Na experiência internacional, essas avaliações não são desprezadas, e os países ricos publicam, na internet, dados bastante detalhados a respeito do tema. As filas são um resultado do descompasso entre a demanda e a oferta, visto que o sistema de preços não é o mecanismo determinante da produção e do consumo de bens e produtos em saúde. No caso do SUS, a causa das filas é determinada em três âmbitos: i) governamental, que decide o tamanho do orçamento geral da saúde; ii) autoridades individuais e instituições médicas, científicas, jurídicas e empresariais atuantes no setor, que decidem os benefícios e os custos das internações; iii) profissionais de saúde, principalmente os médicos, que decidem quais são as necessidades clínicas dos pacientes. A demora no atendimento exerce impactos negativos significativos no bem-estar dos pacientes e familiares envolvidos e gera custos adicionais importantes ao sistema de saúde...

Avaliação descritiva da rede hospitalar do Sistema Único de Saúde (SUS); Texto para Discussão (TD) 848: Avaliação descritiva da rede hospitalar do Sistema Único de Saúde (SUS); Descriptive assessment of the hospital network of the Unified Health System (SUS)

Marinho, Alexandre; Moreno, Arlinda Barbosa; Cavalini, Luciana Tricai
Fonte: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
PT-BR
Relevância na Pesquisa
166%
O Sistema Único de Saúde (SUS) é responsável pela maior parte das internações no Brasil. Com base nos dados e informações disponíveis na pesquisa denominada Assistência Médico-Sanitária (AMS) da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no ano de 1999, e no Sistema Único de Saúde (SUS) [DATASUS (1997, 1998 e 1999)], o presente estudo realiza uma análise descritiva da rede hospitalar do SUS. Basicamente, quatro aspectos são enfatizados: a) a distribuição dos atendimentos, ou seja, a freqüência das Autorizações de Internações Hospitalares (AIH); b) a distribuição dos repasses financeiros, isto é, os valores totais das AIH pagas; c) a distribuição geográfica das unidades hospitalares no território nacional; e d) a intensidade de utilização do sistema, representada pela taxa de ocupação, a taxa de rotatividade e o prazo médio de permanência. Entre as conclusões do estudo, pode-se arrolar uma forte dicotomia na estrutura e nos padrões de utilização da rede, entre as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (excluindo-se o Distrito Federal, com padrões correlatos aos do Sudeste/Sul do país) por um lado, e as regiões Sudeste e Sul do Brasil por outro.; 35 p. : il.

Política nacional de educação permanente para o controle social no Sistema Único de Saúde - SUS

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde
Fonte: Ministério da Saúde (MS) Publicador: Ministério da Saúde (MS)
Tipo: Documento de política
POT
Relevância na Pesquisa
185.9%
24 p.; Este documento vem para contribuir para que os conselhos de saúde estaduais, municipais e do Distrito Federal elaborem a sua Política de Educação Permanente para o Controle Social no Sistema Único de Saúde (SUS), considerando as especificidades locais e as diversidades regionais, observando os princípios, as diretrizes e as recomendações da política nacional.

Percepção dos coordenadores de saúde bucal e cirurgiões-dentistas do serviço público sobre o Sistema Único de Saúde (SUS); Perception of oral health coordinators and dental surgeons who work in the public service about the National Health System (SUS)

Martins, Ronald Jefferson; Moimaz, Suzely Adas Saliba; Garbin, Cléa Adas Saliba; Garbin, Artênio José Ísper; Lima, Daniela Coêlho de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/03/2009 POR
Relevância na Pesquisa
176.03%
O profissional de saúde é um ponto-chave para a implementação do Sistema Único de Saúde (SUS). À medida que exerce sua função, o sistema passa do aspecto teórico-conceitual para a prática da atenção. Objetivou-se neste estudo verificar o nível de conhecimento sobre o Sistema Único de Saúde (SUS) dos coordenadores de saúde bucal e cirurgiões-dentistas do serviço público dos 40 municípios da região noroeste do Estado de São Paulo. Utilizou-se um questionário estruturado, autoaplicável, composto de questões referentes aos princípios doutrinários e organizativos do SUS, controle social, financiamento, formação de recursos humanos, atenção e assistência em saúde. Dos entrevistados, 77 (89,5%) não sabiam quem era o responsável pelo planejamento e execução da assistência, 53 (61,6%) não tinham conhecimento de equidade, 46 (53,5%) de fundo de saúde e 45 (52,3%) de controle social. Conclui-se que existe deficiência no conhecimento de determinados assuntos, havendo necessidade de promoção de cursos a respeito da filosofia do SUS.; The health professional is a key element for the implementation of Sistema Único de Saúde (SUS - National Health System). As it executes its function, this system goes from the theoretical and conceptual aspect to the care practice. The aim of this study was to verify the knowledge level about the National Health System (SUS) of the oral health coordinators and dental surgeons working in the public service of the forty cities located in the northwest region of the State of São Paulo. The study used a structured...

Capital Social e Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil; Social Capital and the National Health System (SUS) in Brazil

Bastos, Francisco Avelar; Santos, Everton; Tovo, Maximiano Ferreira
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2009 POR
Relevância na Pesquisa
165.93%
O objetivo principal deste artigo é construir um referencial teórico preliminar que possibilite a compreensão das razões que podem determinar o desempenho satisfatório das instituições de saúde no Brasil, particularmente o do Sistema Único de Saúde (SUS). A hipótese teórica, a partir dos estudos de Putnam (2005), é de que o acúmulo de Capital Social (CS) em determinada sociedade está positivamente relacionado à capacidade de os governos atenderem e realizarem as demandas da população. Em outras palavras, os níveis de solidariedade e de confiança interpessoais e a existência de organizações sociais são elementos colaborativos para o desempenho das instituições políticas. O CS, na área da saúde, funcionaria como elemento de impacto positivo, não somente pelo fato de proporcionar uma vida mais saudável para as populações, reduzindo a exclusão social e aumentando a longevidade e a autoestima, mas também por ter um papel fundamental no estímulo da participação da comunidade tanto na formulação de políticas públicas como no seu controle social, o que possibilitaria o melhor funcionamento das instituições. Nesse sentido, utilizamos os dados de pesquisa quantitativa aplicados em usuários do SUS em duas cidades do Rio Grande do Sul (Caxias e Pelotas).; The main objective of this paper is to construct a preliminary theoretical framework that enables the understanding of the reasons that may determine the satisfactory performance of health institutions in Brazil...

The principle of integrality in the Unified Health System (SUS) – utopia?; El principio de integralidad en el Sistema Único de Salud (SUS) – ¿utopia?; O princípio da integralidade no Sistema Único de Saúde (SUS) – utopia?doi:10.5007/1807-1384.2011v8n1p120

Rocha, Suelen Alves; Bocchi, Silvia Cristina Mangini; Juliani, Carmen Maria Casquel Monti
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 11/07/2011 POR
Relevância na Pesquisa
166.02%
The Brazilian Federal Constitution promulgated in 1988 created the concept of Social Welfare, which is based on the triad: Health, Social Security and Social Assistance. The Unified Health System (SUS) was then instituted. SUS is a conquest of a society that seeks social justice, integrality, equalitarian and universal access to health services. In the present essay, I succinctly discourse on the various meanings of integrality. I present the theoretical basis of complexity and transdisciplinarity by opposing to reductionism, aiming at showing that, by means of transdisciplinarity and intersectoriality, integrality can be achievable.; La Constitución Federal Brasileña de 1988 creó el concepto de Seguridad Social, formado por la tríada: Salud, Previdencia Social y Asistencia Social. Se instituyó el Sistema Único de Salud (SUS). El SUS es una conquista de una sociedad que busca justicia social, integralidad, acceso igualitario y universal a los servicios de salud. En el presente ensayo discurro sucintamente acerca de los diversos sentidos de la integralidad. Presento los soportes teóricos de la complejidad y transdisciplinariedad que se contraponen al reduccionismo con la intención de demostrar que por medio de la transdisciplinariedad y de la intersectorialidad se puede alcanzar la integralidad.; A Constituição Federal Brasileira de 1988 criou o conceito de Seguridade Social...

A implicação de trabalhadores de ambulatórios municipais, em Uberaba, Minas Gerais, Brasil, na reorganização de serviços preconizada pelo Sistema Único de Saúde

Goulart,Bethania Ferreira; Freitas,Maria Imaculada de Fátima
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2008 PT
Relevância na Pesquisa
165.91%
Esta pesquisa foi desenvolvida em dois ambulatórios municipais de especialidades na cidade de Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Busca compreender a implicação dos trabalhadores de saúde no seu trabalho e nas propostas de reorganização de serviços de saúde, sob a ótica deles e considerando a gestão participativa preconizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A pesquisa foi realizada com nove trabalhadores que apresentam ou não formação específica em saúde, mas estão envolvidos com atividades no setor. Os participantes foram sorteados por categoria profissional ou função (grupos: odontológico, infra-estrutura, médico, serviço social, psicologia, coordenação, enfermagem e farmacêutico e bioquímico), considerando-se um participante por "categoria" de cada serviço. O conteúdo foi analisado fundamentando-se nos procedimentos da análise estrutural de narração. Foram identificadas três categorias: a gerência, implicação no trabalho e implicação nas propostas do SUS. Ressalta-se que este estudo não pretende universalizar resultados sobre a implicação dos trabalhadores em saúde, no geral, mas aponta para a importância de se compreender a interação entre o modelo gerencial e a reorganização de serviços preconizada pelo SUS.