Página 1 dos resultados de 2987 itens digitais encontrados em 0.006 segundos

Os adolescentes e o VIH/SIDA: estudo sobre os conhecimentos, atitudes e comportamentos de saúde relativos ao VIH/SIDA

Almeida, Assunção Dores Laranjeira de; Silva, Carlos Fernandes da; Cunha, Gabriel Saraiva da
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.25%
O principal objectivo desta investigação foi identificar e comparar os conhecimentos, atitudes e comportamentos preventivos sobre VIH/SIDA nos adolescentes. Em termos de identificação de conhecimentos, atitudes e comportamentos, detectou-se que a grande maioria dos adolescentes reconhece a SIDA como uma doença normal, sendo um tanto possível que venha a afectar muita gente em Portugal e evidenciando uma forte vulnerabilidade individual à SIDA. Das formas de transmissão da SIDA, o item referido mais vezes foi através do contacto sexual com pessoa infectada, seguido da via sexual. Quanto aos riscos de contágio, 81% dos adolescentes consideram que uma pessoa corre muito perigo ao ter relações sexuais com pessoa infectada, mesmo sem sintomas. Referem ter adoptado comportamentos preventivos face à SIDA 53% dos inquiridos e 42% não os adoptaram. A maioria dos adolescentes considera o preservativo um tanto seguro e devem ter a preocupação de o usarem em todas as circunstâncias. A divulgação do passado sexual é aceite pela maioria dos adolescentes; apenas 3% referem que não devem falar. A pesquisa de anticorpos da SIDA é admitida pela maioria dos adolescentes. Constatou-se haver relação entre o meio de inserção dos adolescentes e o conhecimento da SIDA enquanto ameaça grave...

Doença do armazenamento lisossomal induzida pelo consumo de Sida carpinifolia (Malvaceae) em herbívoros no Rio Grande do Sul; Lysosomal storage disease induced by the consumption of Sida carpinifolia (Malvaceae) in herbivores in Rio Grande do Sul

Pedroso, Pedro Miguel Ocampos
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.25%
Descrevem-se os achados epidemiológicos, clínico-patológicos, ultra-estruturais e lectino-histoquímicos de herbívoros intoxicados naturalmente por Sida carpinifolia no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Este estudo incluiu a elaboração de três artigos. Foi realizado um estudo retrospectivo de intoxicação natural por Sida carpinifolia em bovinos no Rio Grande do Sul, outro relata pela primeira vez uma intoxicação natural por esta planta em um animal silvestre e o terceiro artigo relata os achados patológicos observados em fetos de fêmeas caprina e bovina que foram intoxicadas experimentalmente e naturalmente respectivamente por Sida carpinifolia. No primeiro artigo foram afetados cinco bovinos entre os anos de 2001 a 2008. O quadro clínico foi caracterizado por emagrecimento, incoordenação, dificuldade de locomoção, tremores generalizados, quedas frequentes e morte. Microscopicamente as principais alterações foram vacuolização dos neurônios de Purkinje do cerebelo, vacuolização das células acinares do pâncreas e das células foliculares da tireoide. No segundo artigo, o cervídeo desenvolveu uma síndrome neurológica caracterizada por fraqueza muscular, tremores de intensão, déficit visual, quedas, postura e comportamento anormal. Os principais achados microscópicos foram vacuolização citoplasmática nos neurônios de Purkinje do cerebelo. No terceiro artigo duas cabras prenhes foram intoxicadas experimentalmente com Sida carpinifolia nas doses de 10 e 13 g/kg respectivamente durante 30 dias e foram acompanhados durante 15 dias após o consumo da planta. Após este período foram eutanasiadas e necropsiadas. Adicionalmente foi incluído um feto bovino no qual a mãe havia sido intoxicada naturalmente por S. carpinifolia. As principais alterações microscópicas observadas nos fetos foram vacuolização do epitélio dos túbulos renais...

Promoção de comportamentos saudáveis e prevenção da SIDA no ensino superior

Chaves, Cláudia Margarida Correia Balula
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.27%
No processo de transição para o ensino superior, o jovem é confrontado com novas experiências como o restabelecimento de relações mais íntimas, a autonomização em relação à família e contactos sociais mais alargado. A infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VHI) e Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA) representa um dos maiores problemas sócio-sanitários a nível mundial pelo que nesta fase de transição devemos promover comportamentos saudáveis através da educação para a saúde. São objectivos do estudo: Caracterizar as fontes de informação/conhecimentos a que recorrem os estudantes do ensino superior para esclarecimentos na área da SIDA; Identificar o nível de conhecimentos em relação à infecção VIH/sida; Classificar as estratégias da educação para a saúde já aplicadas, recursos utilizados e avaliação efectuada; analisar os aspectos psicológicos face à percepção da educação para a saúde. Participaram 2002 estudantes (60.7% raparigas) com idades entre os 17 a 68 anos, (M=21.76 ± 4.43), dos primeiros e últimos anos do ensino superior das zonas Norte e Centro do país. O protocolo de recolha de informação inclui dados pessoais e académicos, a escala de fontes de informação/conhecimentos sobre SIDA...

VIH/SIDA: narrativas de homens homossexuais com mais de 50 anos

Almeida, Fabiana Andresa Aranha de
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
O VIH/SIDA nas últimas décadas tem afetado um elevado número de pessoas idosas. No entanto, há uma lacuna considerável de estudos na área e em especial quando o foco são homens homossexuais com mais de 50 anos. Neste sentido, este estudo teve como objetivo explorar experiências de homens homossexuais com mais de 50 anos com VIH/SIDA. O método escolhido para atingir o objetivo do estudo foi a história oral, na medida em que permitiu conhecer as narrativas de homens homossexuais, a partir das suas experiências de vida. Para o estudo, selecionamos um grupo de oito homens homossexuais com mais de 50 anos que conviviam com o(a) VIH/SIDA. Os dados qualitativos foram obtidos através de entrevista semiestruturada e analisados com base na análise de conteúdo, com o apoio do programa QSR Nvivo. Neste estudo, todos os procedimentos éticos foram salvaguardados. Com base na análise de dados, surgiram quatro categorias: (Con)viver com o(a) VIH/SIDA; homossexualidade e VIH/SIDA: representação e discriminação social; experiências de cuidado à saúde; e Rede de apoio a pessoas com VIH/SIDA. Os participantes foram divididos em grupo 1 e grupo 2, segundo o tempo de convivência com o(a) VIH/SIDA de 25 e 7 anos, respetivamente. Como principais resultados...

Avaliação da prática da educação para a saúde na área da sida nos cuidados de saúde primários

Chaves, Cláudia; Duarte, João; Ferreira, Manuela; Dionísio, Rui
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /06/2010 POR
Relevância na Pesquisa
37.24%
Entre múltiplos problemas que hoje afectam o utente infectado pelo VIH/SIDA, emerge uma questão de fundo relacionada com a sua interacção com os serviços de saúde primários, sobretudo as atitudes e comportamentos dos profissionais de saúde em relação aos utentes infectados, e a informação e conhecimentos que os profissionais de saúde detêm em relação à SIDA, que influenciam negativamente ou positivamente, de acordo com os contextos, a forma como eles são tratados na nossa sociedade, remetendo-os para uma posição desfavorável. Foi nosso desejo podermos, de alguma forma, contribuir para a consciencialização sobre o potencial dos profissionais de saúde, como agentes educativos, no âmbito da educação para a saúde na área da SIDA. Apontam-se, nesta pesquisa, alguns factores (sócio-demográficos, profissionais, cognitivos e psicológicos) que, de forma diferenciada, afectam a educação para a saúde na área da SIDA. A investigação realizada foi principalmente de tipo quantitativo (descritivo e correlacional), tendo sido precedida de uma análise de 18 entrevistas semi-estruturadas a profissionais de saúde (médicos e enfermeiros) a exercer funções em Centros de Saúde do distrito de Viseu, na qual se baseou a identificação das dimensões e temáticas da educação para a saúde no âmbito da SIDA mais comuns ou expressivas e a construção dos 59 itens da versão inicial da “Escala da Educação para a Saúde” que foi utilizada para medir a variável central. O estudo subsequente baseou-se numa amostra de 190 profissionais de saúde (143 enfermeiros e 47 médicos) de ambos os sexos...

Identidades sociais e representações sociais dos adolescentes acerca da SIDA

Pereira, Maria Gouveia; Amaral, Virgílio Ribeiro; Soares, Susana
Fonte: Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //1997 POR
Relevância na Pesquisa
37.24%
O objectivo desta investigação é estudar as representações sociais dos adolescentes acerca da sida e a maneira como as referidas representações são influenciadas pela identificação social dos adolescentes. Relativamente as representações sociais estuda-se a ancoragem sociológica (na variável sexo), seguindo as ideias de Doise (1992), segundo o qual as posições que os sujeitos ocupam nas relações sociais que partilham influenciam a formação de representações. Estuda-se também a ancoragem psicossociológica: nas representações das relações intergrupais pela activação das categorias: heterossexuais, homossexuais e toxicodependentes, em consignes apropriadas. Induzindo-se assim, a evocação da relação seja com um grupo não considerado de risco - heterossexuais, seja com grupos considerados de risco - homossexuais e toxicodependenjes. E objectivo deste trabalho estudar a influência das identidades nas representações sociais, de acordo com Vala (1990) as identidades sociais condicionam e explicam as representações sociais que os indivíduos formam sobre determinado objecto, investiga-se que variáveis (sexo, distâncias aos grupos - ingroup (amigos) e outgroups (homossexuais e toxicodependentes)) são preditoras das representações dos adolescentes acerca da sida...

Further molecular characterization of weed-associated begomoviruses in Brazil with an emphasis on Sida spp

Tavares,S.S.; Ramos-Sobrinho,R.; González-Aguilera,J.; Lima,G.S.A.; Assunção,I.P.; Zerbini,F.M
Fonte: Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas Publicador: Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas Daninhas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 EN
Relevância na Pesquisa
37.21%
Begomoviruses are whitefly-transmitted, single-stranded DNA viruses that are often associated with weed plants. The aim of this study was to further characterize the diversity of begomoviruses infecting weeds (mostly Sida spp.) in Brazil. Total DNA was extracted from weed samples collected in Viçosa (Minas Gerais state) and in some municipalities of Alagoas state in 2009 and 2010. Viral genomes were amplified by RCA, cloned and sequenced. A total of 26 DNA-A clones were obtained. Sequence analysis indicated the presence of 10 begomoviruses. All viral isolates from Blainvillea rhomboidea belonged to the same species, Blainvillea yellow spot virus (BlYSV ), thereby suggesting that BlYSV may be the only begomovirus present in this weed species. Four isolates represent new species, for which the following names are proposed: Sida yellow blotch virus (SiYBV), Sida yellow net virus (SiYNV), Sida mottle Alagoas virus (SiMoAV) and Sida yellow mosaic Alagoas virus (SiYMAV). Recombination events were detected among the SiYBV isolates and in the SiYNV isolate. These results constitute further evidence of the high species diversity of begomoviruses in Sida spp. However, the role of this weed species as a source of begomoviruses infecting crop plants remains to be determined.

Infeção VIH/SIDA: a situação em Portugal a 31 de dezembro de 2013

Departamento de Doenças Infeciosas do INSA. Unidade de Referência e Vigilância Epidemiológica
Fonte: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Publicador: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Tipo: Relatório
Publicado em 12/11/2014 POR
Relevância na Pesquisa
47.16%
[PT] A infeção por VIH continua a representar um desafio importante para a Saúde Pública de Portugal onde, no final de 2013, o total de novos casos notificados, desde 1985, ascendia a 47390. Em 2013, foram diagnosticadas e notificadas ao Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP (INSA) 1093 novas infeções, o que sugere uma taxa de 10,5 novas infeções por 100.000 habitantes, não ajustada para o atraso de notificação. O número de novos diagnósticos em homens foi 2,4 vezes superior ao registado em mulheres e metade dos casos referentes a adultos correspondiam a indivíduos com idade igual ou superior a 40 anos. Na maioria dos novos casos a residência à data da notificação situava-se na região da Grande Lisboa. O modo de transmissão do VIH mais frequente foi o contacto heterossexual, referido em 61% dos casos. Os homens que têm relações sexuais com homens (HSH) totalizaram 43% dos novos casos de infeção em indivíduos do sexo masculino. Os HSH tendem a ser mais jovens que os heterossexuais à data de diagnóstico, metade têm idade inferior ou igual a 32. Os casos associados ao consumo de drogas representaram 7% dos novos diagnósticos. Em 2013 foi possível registar, para 70% dos novos casos...

Infeção VIH/SIDA: a situação em Portugal a 31 de dezembro de 2012

Departamento de Doenças Infecciosas do INSA. Unidade de Referência e Vigilância Laboratorial Epidemiológica. Núcleo de Vigilância Laboratorial de Doenças Infecciosas
Fonte: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Publicador: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Tipo: Relatório
Publicado em /06/2013 POR
Relevância na Pesquisa
47.21%
Em Portugal, durante o ano de 2012 foram notificados 1551 novos casos de infeção por VIH, dos quais 776 casos com diagnóstico no próprio ano. A análise das características demográficas destes últimos revela que 41,1% residiam no distrito de Lisboa, a maioria (70,7%) registou-se em homens, a idade mediana à data de diagnóstico foi de 41,0 anos e 28,4% dos casos referiam ter nascido fora de território nacional.A sua classificação de acordo com o estadio clínico revela que 391 (50,4%) foram identificados como portadores assintomáticos, enquanto 247 (31,8%) se encontravam no estadio de SIDA. A transmissão sexual foi assinalada na maioria dos casos, com 490 (63,1%) a referirem transmissão heterossexual e 187 (24,1%) a indicarem infeção decorrente de relações sexuais entre homens. Estes últimos correspondem a 34,1% dos casos registados para o sexo masculino. A transmissão associada ao consumo de drogas foi registada em 78 casos, que correspondem a 10,0% do total de diagnósticos para o ano em análise. Em 32 (4,1%) dos casos diagnosticados em 2012 foi identificada infeção pelo VIH do tipo 2. A pneumonia por Pneumocystis jiroveci foi a patologia mais frequentemente referida nos casos de SIDA. Foram notificados 139 óbitos ocorridos durante o ano de 2012. _Em 31 de Dezembro de 2012 o total acumulado de casos de infeção VIH...

Infeção VIH/SIDA: a situação em Portugal a 31 de dezembro de 2011

Departamento de Doenças Infecciosas do INSA. Unidade de Referência e Vigilância Laboratorial Epidemiológica. Núcleo de Vigilância Laboratorial de Doenças Infecciosas
Fonte: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Publicador: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Tipo: Relatório
Publicado em 26/07/2012 POR
Relevância na Pesquisa
47%
Informação epidemiológica referente à Infeção VIH/SIDA, com a caracterização da situação em Portugal a 31 de dezembro de 2011. Os dados apresentados têm por base o sistema de notificação de casos de infeção VIH/Sida. Esta é obrigatória em Portugal desde 2005.

Les relations entre les caractéristiques socioprofessionnelles, les connaissances, les représentations et les contenus d’enseignement traités en classe par les enseignants responsables d’éducation relative au VIH/SIDA en Afrique du Sud

MacDonald, Kevin
Fonte: Université de Montréal Publicador: Université de Montréal
Tipo: Thèse ou Mémoire numérique / Electronic Thesis or Dissertation
FR
Relevância na Pesquisa
37.32%
Il est généralement admis que l’éducation constitue une des stratégies les plus efficaces pour lutter contre le VIH/SIDA et diminuer sa transmission (Gallant et Matika-Tyndale, 2004). À cet effet, plusieurs pays d’Afrique subsaharienne ont inclus des programmes d’éducation au VIH/SIDA dans leur curriculum scolaire afin de contrer l’épidémie (ADEA, 2007). Cependant, l’efficacité de ces programmes éducatifs demeure incertaine. Par exemple, les objectifs des programmes éducatifs, tels que la transmission de connaissances relatives au VIH/SIDA, ou la diminution des comportements sexuels risqués, ne sont pas toujours atteints (Matika-Tyndale, 2009; Oshi, D., Nakalema, S. et Oshi, L, 2005). Le succès d’un programme de lutte et de prévention en milieu scolaire peut être lié aux contenus d’enseignement traités en classe par les enseignants (Ahmed et al., 2009). Les contenus traités dépendent en partie des représentations et des connaissances des enseignants par rapport au(x) sujet(s) qu'ils enseignent et pour des sujets aussi délicats que le VIH/SIDA et la sexualité, cette relation est particulièrement importante. Par exemple, en Afrique du Sud, malgré l’existence d’une politique nationale sur le VIH et l’inclusion des sujets relatifs au VIH/SIDA dans le curriculum scolaire...

Sexualidade e género em campanhas de prevenção da infeção VIH/SIDA

Frias, Ana Carolina Morgado Ferreira de
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
37.31%
Numa era em que a trajetória do VIH/Sida indicia sucessivos sinais de progresso, a visão “getting to zero” (zero novas infeções, zero novos casos de morte e zero discriminação) permanece por alcançar e a problemática subsiste como um dos mais graves problemas de saúde pública do mundo, estimando-se existir cerca de 35 milhões de pessoas portadoras do vírus, das quais mais de metade o desconhece (UNAIDS, 2010, 2014a). Neste contexto, de particular vulnerabilidade para jovens/mulheres, as desigualdades de género, que resistem à contemporaneidade, constituem importantes obstáculos à prevenção do VIH/Sida, pelo que se discute a necessidade de colocar a igualdade de género, os direitos das mulheres e o seu empoderamento no centro da Agenda de Desenvolvimento pós-2015. Paradoxalmente, os media, chamados a intervir no combate à problemática veiculam porém, frequentemente, no seu currículo cultural, conceções estereotipadas da sexualidade e do género que implicam desiguais relações de poder, mediadoras da reprodução de identidades e de modos de ser feminino e masculino. Saber ‘lê-los’ criticamente é imprescindível ao exercício da cidadania e uma oportunidade à implementação de uma efetiva educação em sexualidade – implicada na prevenção do VIH/Sida...

Análise de sobrevivência aplicada ao estudo da infecção VIH/SIDA em Portugal

Alves, Marta Susana Ferreira Leitão
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
37.31%
Tese de mestrado, Bioestatística, Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2009; Desde finais dos anos 80 do século XX que a infecção VIH/SIDA constitui uma pandemia e, a nível mundial, um dos maiores problemas de saúde pública. A infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH) leva a uma progressiva destruição do sistema imunitário, originando o aparecimento de algumas doenças graves e a consequente evolução para o estadio de SIDA (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida). Este trabalho teve como objectivos a análise estatística do tempo de evolução dos casos diagnosticados como Portador Assintomático (PA) ou como Complexo Relacionado com SIDA (CRS) até ao momento que desenvolvem uma doença indicadora de SIDA, bem como a análise estatística do tempo de sobrevivência dos casos desde que foi diagnosticada a infecção por VIH e cuja evolução clínica já os classificava no estadio de SIDA até ao momento que ocorre o óbito. Analisaram-se os dados do sistema de vigilância nacional de notificação dos casos de infecção VIH/SIDA, registados desde Janeiro de 1993 a Março de 2008. Foram considerados factores demográficos, epidemiológicos, clínicos e virológicos dos casos de infecçãoo VIH/SIDA notificados em Portugal. Procedeu-se a uma análise descritiva dos dados...

Factores relacionados con la adherencia al tratamiento farmacológico para el VIH/SIDA

Maria Teresa Varela Arévalo; Pontificia Universidad Javeriana Cali; Olga Lucía Gómez Gutierrez; Escuela de Salud Pública Universidad del Valle; Héctor Fabio Mueses Marín; Corporación de Lucha contra el Sida; Jaime Galindo Quintero; Corporación de
Fonte: Universidad del Norte Publicador: Universidad del Norte
Tipo: article; publishedVersion Formato: application/pdf
SPA
Relevância na Pesquisa
57.16%
Objetivo: Establecer la prevalencia de adherencia al tratamiento farmacológico y sus fac- tores relacionados en personas diagnosticadas con VIH/sida en una institución de salud de la ciudad de Cali (Colombia). Método: El estudio fue observacional transversal. La muestra estuvo compuesta por 127 pacientes con VIH/sida, bajo tratamiento antirretroviral, controlados en una institución de salud, seleccionados aleatoriamente. Para la medición de la variable “resultado” (adhe- rencia al tratamiento farmacológico) se utilizó el Cuestionario de adherencia al tratamien- to para el VIH/sida. Para la medición de las variables de exposición (factores personales, de la enfermedad y el tratamiento, sociales-interpersonales y del sistema de salud) se utilizó un cuestionario de autorreporte construido para el estudio y un formato de datos de la historia clínica del paciente. Resultados: La prevalencia de adherencia al tratamiento farmacológico fue de 84 %. El análisis de los factores relacionados con la adherencia muestra que tienen menor oportu- nidad de estar adheridos al tratamiento farmacológico quienes son menores de 40 años, de estrato socioeconómico bajo, perciben barreras para el tratamiento, toman más de 4 pasti- llas diarias y las mujeres con pareja o hijos diagnosticados con VIH/sida. Conclusiones: Los resultados del estudio señalan algunos lineamientos para direccionar las intervenciones que buscan mejorar la adherencia farmacológica con el fin de controlar la infección...

El papel de las tecnologías de la información y la comunicación en las campañas de prevención del VIH/SIDA en entornos universitarios dirigida a la población de estudiantes entre 19 y 24 años de la Facultad de Humanidades y Ciencias Sociales de la Pontificia Universidad Javeriana Cali

Álvarez Salazar, Laura
Fonte: Pontificia Universidad Javeriana; Facultad de Humanidades y Ciencias Sociales; Carrera de comunicación Publicador: Pontificia Universidad Javeriana; Facultad de Humanidades y Ciencias Sociales; Carrera de comunicación
Tipo: info:eu-repo/semantics/bachelorThesis; Trabajo de Grado; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: application/pdf; 86 p.
SPA
Relevância na Pesquisa
37.21%
Actualmente el Virus de la Inmunodeficiencia Adquirida o Sida “se presenta frecuentemente en la población de adolescentes y jóvenes, lo cual evidencia un panorama alarmante en la salud sexual y reproductiva de los jóvenes a nivel mundial” (Uribe, Orcasita, y Vélez, 2009), por esta razón se debe reflexionar acerca de los medios por los cuales los jóvenes reciben la información sobre la prevención del virus. Se debe tener en cuenta que organizaciones tanto a nivel mundial como nacional, están en una constante lucha contra el VIH/Sida. Por ejemplo, la Organización de las Naciones Unidas (ONU) cuenta con ocho objetivos del desarrollo del milenio, entre estos se encuentra la meta número seis, que es combatir el VIH/SIDA, la malaria y otras enfermedades. Igualmente el Fondo de La Población de las Naciones Unidas (2003), lanza la política de salud sexual y reproductiva en Colombia, para reducir factores de vulnerabilidad y los comportamientos de riesgo, estimulando los factores protectores y la atención; entre estas estrategias como el punto 8.5 se encuentra ITS, VIH/SIDA como una línea de acción. La importancia de este proyecto a nivel social es en primer lugar revisar las campañas realizadas desde la propuesta de investigación y en segundo lugar recopilar y revisar investigaciones sobre una población vulnerable aprovechando el fácil acceso de los jóvenes a las Tecnologías de la información y la comunicación para tratar un tema de suma importancia como lo es la prevención del Virus de Inmunodeficiencia Humana o Sida a través de ellas. Desde la formación en comunicación se tiene la responsabilidad de intervenir mediante la comunicación en aspectos de importancia social...

El Sida y la Relación Laboral

Di Pillo Sanhueza, Rafael Ignacio; Ramírez Segura, Esteban Ignacio
Fonte: Universidad de Chile; CyberDocs Publicador: Universidad de Chile; CyberDocs
Tipo: Tesis
ES
Relevância na Pesquisa
37.21%
Memoria (licenciado en ciencias jurídicas y sociales); En las siguientes páginas, abordaremos el estudio de esta normativa señalando sus alcances, y mecanismos para hacerla efectiva. En la primera parte realizaremos una pequeña aproximación a lo que es el SIDA, y los alcances actuales de la epidemia, basándonos para ello en los datos que al efecto han elaborado las instancias nacionales e internacionales. Asimismo, expondremos el marco general antidiscriminación vigente en nuestro medio, emanado tanto de los tratados internacionales suscritos por Chile, como de las disposiciones de nuestra Constitución. En una segunda parte, analizaremos las implicancias que tiene el VIH/SIDA en las distintas fases de la relación laboral y los resguardos que establece la ley, desde antes de que exista un contrato de trabajo, hasta el momento del cese de funciones del trabajador. En este punto distinguiremos particularmente las diferencias que deben tenerse en consideración entre aquellas personas infectadas por el VIH pero asintomáticas, y aquellas que ya han desarrollado en su cuerpo el SIDA. Finalmente, estudiaremos los mecanismos de acción que puede utilizar la persona que se sienta objeto de discriminación producto de su condición de seropositivo...

Infeção VIH/SIDA: a situação em Portugal a 31 de dezembro de 2014

Unidade de Referência e Vigilância Epidemiológica. Departamento de Doenças Infeciosas. Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge; Programa Nacional para a Infeção VIH/SIDA. Direção-Geral da Saúde (colab.)
Fonte: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Publicador: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Tipo: Relatório
Publicado em /10/2015 POR
Relevância na Pesquisa
47.16%
Relatório anual referente à Infeção VIH/SIDA, elaborado pela Unidade de Referência e Vigilância Epidemiológica do Departamento de Doenças Infeciosas deste Instituto, em colaboração com o Programa Nacional da Infeção VIH/SIDA da Direção-Geral da Saúde. Este relatório reúne informação epidemiológica relativa à caracterização da situação em Portugal em 2014, tendo por base o sistema de notificação de casos de infeção VIH/SIDA, que é obrigatória em Portugal desde 2005. Das conclusões do documento, destaca-se o seguinte: 1) Em 2014 foram diagnosticados 920 novos casos de infeção por VIH em Portugal e, no final do ano, encontravam-se diagnosticados, cumulativamente, 52.694 casos de infeção por VIH, dos quais 20.856 em estadio de SIDA; 2) Os novos casos diagnosticados correspondiam maioritariamente (99,3%) a indivíduos com idade ≥15 anos, 48,1% residiam na região da Grande Lisboa, 72,5% registou-se em homens, a idade mediana ao diagnóstico foi de 38,0 anos, 71,1% referiam ter nascido em Portugal e 18,3% apresentavam uma patologia indicadora de SIDA à data do diagnóstico da infeção. A via sexual foi o modo de infeção indicado em 92,2% dos casos, com 61,3% a referirem transmissão heterossexual. Os casos que referiam transmissão decorrente de relações sexuais entre homens correspondem a 42...

Tendencias y factores de riesgo del VIH-SIDA en Costa Rica,1983 al 2001

Espinoza Aguirre,Azalea
Fonte: Revista Costarricense de Salud Pública Publicador: Revista Costarricense de Salud Pública
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2006 ES
Relevância na Pesquisa
37.28%
Antecedentes Costa Rica implementó un plan de prevención y control del VIH-SIDA, sin embargo, la complejidad de sus factores de riesgo y la gravedad de la enfermedad resaltan la necesidad de disponer de un sistema de vigilancia, acorde a su situación epidemiológica. Se caracterizó la incidencia y mortalidad por VIH/SIDA, la distribución según grupos de riesgo y las vías de transmisión desde 1983 al 2001. Métodos Mediante entrevistas y revisión documental se describió el sistema de información. Datos de incidencia fueron proporcionados por la Unidad de Control del SIDA y el Ministerio de Salud, caracterizándose según sexo, provincia y grupos de edad. Se identificaron cambios en las vías de infección. Del Centro Centroamericano de Población se obtuvieron las defunciones y proyecciones de población. La prevalencia en centros penitenciarios se calculó con datos del Plan Nacional de VIH-SIDA. Se compararon los casos de VIH -SIDA reportados de 1983 al 2001, con las proyecciones de VIH-SIDA de un estudio de impacto socioeconómico realizado en 1997. Se calcularon tasas, proporciones, riesgo relativo, razones de tasas y AVPP. Resultados La incidencia de SIDA aumentó hasta 1998, presentando 8,2 casos por cien mil habitantes...

Linfomas no-Hodgkin asociados a SIDA: 1. Evolución durante los 20 años de la pandemia. 2. Experiencia en el INCMNSZ

Hernández Rivera,E. Gabriela; Gómez Roel,Xóchitl; Villasís Keever,Angelina
Fonte: Instituto Nacional de Ciencias Médicas y Nutrición Salvador Zubirán Publicador: Instituto Nacional de Ciencias Médicas y Nutrición Salvador Zubirán
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2004 ES
Relevância na Pesquisa
37.25%
El objetivo de esta revisión es situar la evolución epidemiológica y la historia natural de los linfomas no-Hodgkin (LNH) asociados a síndrome de inmunodeficiencia humana adquirida (SIDA) dentro del contexto de la evolución de la pandemia originada por la infección del virus de la inmunodeficiencia humana (VIH). Inicialmente realizamos una descripción del panorama mundial desde la aparición del primer caso de infección por VIH en 1981, el pico de la epidemia en 1993 y el evento que cambió la historia natural de la enfermedad: la terapia antirretroviral altamente efectiva (TARAE), introducida en 1995 en el mundo y en 1997 en nuestro país. Presentamos evidencia clara de la disminución en la mortalidad de pacientes con infección por VIH/SIDA y su relación paralela con la reducción en la frecuencia de las tres infecciones oportunistas (neumonía por Pneumocystis carinii, enfermedad por el complejo Mycobacterium avium y retinitis por citomegalovirus) más frecuentes en esta enfermedad. Describimos los factores de riesgo para padecer LNH en pacientes con VIH/SIDA y los factores pronósticos de supervivencia y remisión en estos pacientes. Señalamos también que se ha incrementado proporcionalmente el diagnóstico de SIDA definido por la presencia de LNH a partir del uso de TARAE. No está claramente definido en la literatura que la supervivencia de los pacientes con LNH asociados a SIDA haya cambiado significativamente a partir del uso de TARAE...

Identidades sociais e representações sociais dos adolescentes acerca da SIDA

Pereira,Maria Gouveia; Amaral,Virgílio; Soares,Susana
Fonte: Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/1997 PT
Relevância na Pesquisa
37.24%
O objectivo desta investigação é estudar as representações sociais dos adolescentes acerca da sida e a maneira como as referidas representações são influenciadas pela identificação social dos adolescentes. Relativamente às representações sociais estuda-se a ancoragem sociológica (na variável sexo), seguindo as ideias de Doise (1992), segundo o qual as posições que os sujeitos ocupam nas relações sociais que partilham influenciam a formação de representações. Estuda-se também a ancoragem psicossociológica: nas representações das relações intergrupais pela activação das categorias: heterossexuais, homossexuais e toxicodependentes, em consignes apropriadas. Induzindo-se assim, à evocação da relação seja com um grupo não considerado de risco - heterossexuais, seja com grupos considerados de risco - homossexuais e toxicodependentes. É objectivo deste trabalho estudar a influência das identidades nas representações sociais, de acordo com Vala (1990) as identidades sociais condicionam e explicam as representações sociais que os indivíduos formam sobre determinado objecto, investiga-se que variáveis (sexo, distâncias aos grupos - ingroup (amigos) e outgroups (homossexuais e toxicodependentes)) são preditoras das representações dos adolescentes acerca da sida...