Página 1 dos resultados de 700 itens digitais encontrados em 0.011 segundos

Representações sociais sobre a violência conjugal: estudo exploratório com uma amostra de profissionais da CPCJ

Camelo, Ana Isabel Mendes
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
46.62%
A violência na relação conjugal não é um fenómeno recente. No entanto, só se constituiu como um problema social específico a partir da década de 60. Desde então, a violência exercida contra as mulheres no contexto das relações íntimas tem sido objecto de uma crescente atenção social e científica. Em Portugal, a partir do início da década de 90, começouse a verificar uma maior consciencialização sobre a gravidade e dimensão do problema da violência conjugal. Para tal contribuíram um conjunto de profissionais provenientes de campos disciplinares distintos e, em grande parte, o movimento feminista. O número de casos de violência conjugal tem aumentado nos últimos anos, tornando-se num verdadeiro problema de saúde pública. A problemática das crianças expostas à violência interparental tem também merecido atenção por parte dos estudiosos, uma vez que é do conhecimento de todos que a observação ao conflito interparental pode levar ao desenvolvimento de problemas nos vários domínios de desenvolvimento. Os profissionais chamados a intervir podem possuir, como qualquer indivíduo, representações sociais em torno da violência no contexto da conjugalidade que subtilmente podem emergir perante uma situação real...

Quando a mania do amor oscila com a depressão: impacto da Perturbação Afetiva Bipolar na relação de casal

Duarte, Cristiana Raquel Alves
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
46.61%
O presente estudo tem como objetivo principal analisar em que medida o diagnóstico de Perturbação Afetiva Bipolar num dos cônjuges afeta a perceção do ajustamento e funcionamento conjugal. Pretendemos também atender a algumas variáveis sócio-demográficas (sexo), familiares e conjugais (etapa do ciclo vital familiar e duração da relação conjugal), bem como específicas da doença (tipo de tratamento) que podem funcionar como mediadoras. Sessenta indivíduos portugueses (N=60), casados ou em união de facto, divididos em duas sub-amostras: cônjuges com diagnóstico de Perturbação Afetiva Bipolar (n=30) e cônjuges pertencentes à população geral (n=30), responderam à Escala de Ajustamento Mútuo (EAM; Lourenço & Relvas, 2003) e à Escala de Enriquecimento e Desenvolvimento Conjugal, Comunicação e Felicidade (ENRICH; Lourenço & Relvas, 2003). A informação foi complementada com o preenchimento do Questionário de Dados Sócio-demográficos e de Dados Complementares, e de um Questionário de Dados Específicos. Efetuadas as respetivas análises estatísticas, os resultados apontam para a existência de uma relação entre o diagnóstico de Perturbação Afetiva Bipolar e alguns fatores de conjugalidade. Quanto à interação diagnóstico de Perturbação Afetiva Bipolar/variáveis mediadoras...

As repercussões do câncer infantil na relação conjugal dos pais; The repercussions of childhood cancer on parents marital relationship.

Silva, Fernanda Machado da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 30/01/2009 PT
Relevância na Pesquisa
46.57%
Apesar de pais e mães de crianças com câncer estarem em um processo interativo nos cuidados ao filho, pouca atenção tem sido dada às maneiras como a doença da criança afeta a relação conjugal desses casais. O objetivo deste trabalho foi compreender as repercussões do câncer infantil na relação conjugal de pais e mães de crianças com câncer, na experiência da doença de seus filhos. Trata-se de um estudo exploratório, de abordagem qualitativa. Participaram do estudo nove casais, totalizando 18 sujeitos. Utilizamos a entrevista em profundidade como principal técnica de coleta de dados, e a consulta em prontuários como recurso auxiliar para obter dados importantes da criança e de seus pais. A análise dos dados empíricos foi feita por meio da análise de conteúdo indutiva. Os resultados foram agrupados por similaridades nas seguintes categorias: a trajetória do casal na experiência do câncer infantil: as primeiras mudanças; o câncer infantil, o relacionamento conjugal dos pais e o papel da comunicação: fragilidades e potencialidades; alterações na dinâmica familiar e implicações para o casal: trabalho, lazer, papéis e relações de gênero; e enfrentando o desafio juntos: balanço da experiência e expectativas do casal. O presente estudo não objetivou distinguir se as mudanças ocorridas na relação conjugal desses pais e mães foram positivas ou negativas...

Dança de casais : a relação conjugal à luz da socionomia e do contato-improvisação

Ito, Renata
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
56.58%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura, 2010.; Este estudo investigou se a dança contato-improvisação pode ser um instrumento de acesso à expressão afetiva da relação conjugal. Trata-se de um estudo qualitativo no qual o procedimento de coleta de dados ocorreu nos contextos de entrevistas com a díade e de vivência de dança contato-improvisação. Todos os procedimentos foram filmados. Após a sessão de contato-improvisação, a díade assistiu ao seu próprio vídeo e reagiu com comentários durante uma entrevista semi-dirigida reflexiva acerca do tema. A abordagem teórica usada para compreender esse estudo foi a socionomia proposta por J. L. Moreno. Os dados foram analisados por meio do método de estudo de caso de dois casais, a partir de uma articulação entre: 1) o estudo socionômico da relação conjugal, baseado na entrevista semi-estruturada; 2) a leitura que uma contatista faz acerca das sessões filmadas da dança dos casais; 3) a leitura que o próprio casal fez enquanto assistia ao vídeo de sua própria dança. Pretendeu-se refletir acerca dos aspectos relacionais produzidos pela díade configurada pelos papéis à luz da teoria socionômica e do sociodrama familiar sistêmico de Seixas. Concluiu-se que é possível expressar a relação conjugal por meio da dança contato-improvisação e que esta técnica aliada ao psicodrama...

A agressão conjugal mútua na perspectiva da justiça restaurativa : a Lei Maria da Penha sob questão; Mutual aggression among couples in the context of restorative justice : the “Lei Maria da Penha” under question.

Granjeiro, Ivonete Araújo Carvalho Lima
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
46.62%
Tese (doutorado)–Universidade de Brasília, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura, 2012.; A agressão conjugal mútua é um fenômeno complexo e pouco pesquisado no meio acadêmico. As pesquisas em geral demonstram que a mulher é a principal vítima da violência perpetrada por seu companheiro, marido ou namorado e, por isso, há certa resistência em reconhecê-la também como agressora. Independente disso, todas as relações amorosas, em maior ou menor grau, apresentam jogos de poder, dominação e opressão entre os gêneros. Tais relações não são necessariamente complementares, em que a mulher submete-se aos mandamentos masculinos. Na verdade, o relacionamento conjugal caracteriza-se por ser dialético. Há um sucessivo emprego de sutilezas, oposições de desejos e comportamentos, uniões de contrários e estratégias de poder para fazer valer a vontade de um ou de outro. Diante desses inúmeros jogos, a falta de diálogo e compreensão entre o casal pode desencadear processos recíprocos de violência psicológica, moral, física e patrimonial. O presente trabalho diz respeito à análise dos princípios da Justiça restaurativa e sua possível aplicação nos casos de agressão conjugal mútua. Para esse fim...

Satisfação conjugal, afectividade e proximidade ao cônjuge : diferenças entre casais com filhos e sem filhos e ao longo dos anos de relação

Benkovskaia, Inês Vieira
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2008 POR
Relevância na Pesquisa
46.6%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Sistémica), 2008, Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação; O presente estudo avalia as relações existentes entre a satisfação, a afectividade e a proximidade conjugais em adultos com filhos e sem filhos e ao longo do tempo de relação conjugal. O estudo baseia-se numa amostra de 652 indivíduos, com idades compreendidas entre os 20 e os 70 ou mais anos, seleccionados em diversas regiões de Portugal. A recolha dos dados realizou-se através de um questionário com dados sócio-demográficos e de três escalas avaliativas das três dimensões em estudo - nomeadamente a EASAVIC (Narciso e Costa, 1996), o A&QIR-S (Moreira, 2003) e a IOS (Aron, Aron e Smollan, 1992). As diferenças ao nível das três dimensões em adultos com filhos e sem filhos e ao longo do tempo de relação conjugal são também analisadas. Conclusões principais: adultos sem filhos e adultos com um tempo de relação conjugal de 0/2-4 anos estão mais satisfeitos, mais afeiçoados e mais próximos do cônjuge. O resultado da associação entre as três dimensões em estudo é positivo.; The present study addresses the relation between (the level of) satisfaction...

Coping pró-activo e satisfação conjugal : um estudo exploratório

Inácio, Vanessa Filipa Tavares dos Santos
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
46.69%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Sistémica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2013; Nesta investigação, de natureza quantitativa, pretendeu-se estudar: 1) a relação entre o coping pró-activo e a satisfação conjugal; 2) as eventuais diferenças das variáveis coping pró-activo e satisfação conjugal quando associadas a outras variáveis como o sexo, a escolaridade, o tipo de relação conjugal, a coabitação prévia, a duração da relação conjugal, os filhos da relação conjugal e a religiosidade; e 3) identificar quais as variáveis que serão melhores preditores da satisfação conjugal. Recorreu-se a uma amostra de 446 participantes (292 do sexo feminino e 154 do sexo masculino) com relacionamentos conjugais (casamento ou coabitação), a quem se aplicou os seguintes instrumentos: um questionário de dados pessoais e sociodemográficos; o Proactive Coping Inventory (PCI) (Schwarzer, 1998; versão portuguesa Costa-Ramalho, S., Marques-Pinto, A., Ribeiro, M.T., 2013) e a Relationship Rating Form - Revised (RRFR) (Davis, 1996; versão portuguesa, Lind, 2008). Os resultados demonstraram que 1) o coping pró-activo está associado a uma maior satisfação conjugal; 2) o coping próactivo e o número de filhos da relação conjugal são os melhores preditores para a satisfação conjugal global; 3) os homens têm níveis superiores de confiança...

Mulheres sobreviventes de violência conjugal : perspetivas sobre o início de novas relações

Freitas, Graciete Chaves
Fonte: Universidade dos Açores Publicador: Universidade dos Açores
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 18/03/2013 POR
Relevância na Pesquisa
46.62%
Dissertação de Mestrado em Psicologia da Educação (Contextos Comunitários).; Este estudo intitula-se Mulheres Sobreviventes de Violência Conjugal: Perspetivas sobre o Início de Novas Relações. Nele discutem-se aspetos relativos ao fim de relações conjugais abusivas e ao início de novas relações. Para melhor sustentar a discussão, procura-se, ainda, perceber a atitude de mulheres sobreviventes relativamente à legitimação da violência na intimidade e quais os seus valores de vida predominantes. Trata-se de um estudo exploratório e descritivo, com enfoque qualitativo. Em termos específicos foram entrevistadas dezasseis senhoras sobreviventes de Violência Conjugal. O processo de entrevista (estruturada e semiestruturada) foi apoiado por quatro instrumentos de recolha de dados: ficha de caracterização sociodemográfica, escala de crenças da Violência Conjugal, inventário de valores de vida e guião da entrevista semiestruturada. Os dados recolhidos foram analisados de acordo com o paradigma interpretativo. Os principais resultados mostram que existe uma atitude generalizada de não legitimação da violência por parte das participantes, e que os valores mais salientes são a preocupação com o ambiente, a preocupação com os outros...

Relação conjugal no contexto de reprodução assistida: o tratamento e a gravidez

Silva,Isabela Machado; Lopes,Rita de Cássia Sobreira
Fonte: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília Publicador: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.45%
Neste estudo de caso coletivo, investigou-se a relação conjugal de três casais que conceberam com o auxílio das Técnicas de Reprodução Assistida (TRA). Os dados, obtidos a partir de entrevistas individuais semiestruturadas, foram submetidos à análise de conteúdo qualitativa, embasada em três categorias: coesão, sexualidade e comunicação, durante o tratamento e a gravidez. O tratamento mostrou-se fonte potencial de dificuldades nas três dimensões. Durante a gravidez, permaneceram algumas dificuldades, especialmente na sexualidade, mas relataram-se aumento na coesão e redução de conflitos. Identificou-se a interação das três dimensões, de forma que uma pode tanto compensar dificuldades nas demais como contribuir para o funcionamento destas. Destaca-se, assim, a importância de considerar as diferentes dimensões da relação conjugal, em estudos com casais.

Repercussões do câncer infantil sobre a relação conjugal

Rech,Bárbara Cristina Steffen; Silva,Isabela Machado da; Lopes,Rita de Cássia Sobreira
Fonte: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília Publicador: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2013 PT
Relevância na Pesquisa
66.38%
Investigaram-se as repercussões do câncer de um filho sobre a relação conjugal dos pais. Realizou-se um estudo de caso coletivo com quatro casais. Os dados foram obtidos a partir de entrevistas semiestruturadas, realizadas individualmente com cada cônjuge, no ambiente hospitalar. Após, foram submetidos à análise de conteúdo qualitativa, que teve como categorias: coesão, comunicação e intimidade/sexualidade. Relatou-se uma maior coesão, relacionada à sensação de poder contar com o cônjuge. Quanto à comunicação, constatou-se o predomínio de temas relacionados à enfermidade da criança, mas um silenciamento, entre os homens, quanto aos temores vivenciados. A intimidade/sexualidade mostrou-se influenciada pela ansiedade enfrentada. Constatou-se como o câncer infantil pode exacerbar características já presentes na relação, assim como apresentar novos desafios aos casais.

Relação conjugal, violência psicológica e complementaridade fusional

Levy,Lídia; Gomes,Isabel Cristina
Fonte: Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Publicador: Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2008 PT
Relevância na Pesquisa
56.35%
Neste artigo abordamos um tipo específico de dinâmica conjugal marcada pela violência psicológica. Na clínica com casais, temos observado situações nas quais são utilizadas agressões verbais e humilhações, que afetam a auto-estima e a capacidade de reação e decisão da pessoa agredida. Forma-se um laço perverso caracterizado por um movimento recíproco no sentido do domínio do parceiro, com condições e exigências que submetem a ambos, levando a um tipo de relação na qual impera a complementaridade fusional. O discurso característico da contemporaneidade, de obtenção de prazer e busca da perfeição nos relacionamentos amorosos e da presença do modelo igualitário nas relações homem/mulher, põe em destaque esse tipo de dinâmica relacional. Observa-se, em alguns casos, uma fixação do modelo "homem-ativo-fálico/mulher-passiva-castrada" que permanece subjacente à mudança dos tempos.

Reprodução assistida e relação conjugal durante a gravidez e após o nascimento do bebê: uma revisão da literatura

Silva,Isabela Machado da; Lopes,Rita de Cássia Sobreira
Fonte: Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte Publicador: Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 PT
Relevância na Pesquisa
56.35%
A chegada de um bebê inicia um período de desafios e mudanças para o casal. Quando a gravidez é alcançada a partir da reprodução assistida, soma-se aos desafios já característicos desse período o impacto das experiências próprias a esse contexto. Neste trabalho, são revisadas e discutidas pesquisas que investigaram a relação de casais que recorreram à reprodução assistida, durante a gravidez e os dois primeiros anos do bebê. A revisão da literatura indica semelhanças entre esses casais e aqueles que conceberam naturalmente. No entanto, essas pesquisas tendem a basear-se na avaliação de variáveis específicas, como as relacionadas à satisfação conjugal e a características sociodemográficas, bem como pela ausência de um enfoque desenvolvimental que investigue a história prévia desse casal e suas famílias de origem. Esse enfoque, aliado a uma abordagem que privilegie a descrição das experiências desses casais, poderia contribuir para a compreensão desse contexto.

Relação conjugal na transição para a parentalidade: gestação até dezoito meses do bebê

Menezes,Clarissa Corrêa; Lopes,Rita de Cássia Sobreira
Fonte: Universidade de São Francisco, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia Publicador: Universidade de São Francisco, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2007 PT
Relevância na Pesquisa
66.47%
No presente estudo objetivou-se analisar a relação conjugal, durante a transição para a parentalidade, sob dois enfoques: a avaliação que cada casal faz de sua relação e a interação comunicacional que estabelece nos diferentes momentos da transição. Foi realizado um estudo de caso coletivo, longitudinal, que abrangeu cinco etapas: o último trimestre de gestação e o terceiro, o oitavo, o décimo-segundo e o décimo-oitavo mês de vida dos bebês. A amostra foi composta por quatro casais adultos, com idades entre 20-30 anos, que esperavam seu primeiro filho e que foram recrutados em grupos de preparação para gestantes em hospitais de Porto Alegre. Em cada uma das etapas consideradas, os casais foram contatados e entrevistados conjuntamente, com base em entrevistas semi-estruturadas. A análise dos dados foi realizada a partir das análises qualitativa e quantitativa de conteúdo. Os resultados deste estudo apontam que um fator central para a compreensão da conjugalidade na transição para a parentalidade é a qualidade da relação conjugal estabelecida antes da transição.

O homicídio conjugal como sintoma "Se eu amasse a minha mulher não a tinha morto"

Marques, Ana Rita da Costa Pereira
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
56.62%
Tese de Mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde, Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica), 2014; Tendo como ponto de partida a intervenção psicológica com uma população prisional masculina em cumprimento de pena por homicídio conjugal este trabalho pretende dar um contributo para a compreensão e prevenção do homicídio conjugal em Portugal. O presente estudo, de carácter exploratório e abordagem qualitativa, tem como objetivos analisar a dinâmica da relação afetiva e conjugal do homicida com a cônjuge, identificar o eixo-motivacional que legitima o mecanismo de passagem ao ato e compreender as particularidades do funcionamento e conflito psíquicos do homicida conjugal presentes no processo de elaboração e integração do ato homicida. Os dados foram recolhidos junto de cinco sujeitos detidos por homicídio conjugal num estabelecimento prisional, através da entrevista semi – estruturada e analisados com o recurso à análise de conteúdo. As conclusões reafirmam as especificidades do funcionamento psicológico do homicida conjugal revelando a tendência para uma relação objetal de cariz limite-narcísico com a cônjuge. Prevalece a dependência e vinculação ambivalente oscilando entre a idealização e desvalorização da cônjuge. Foi identificada uma representação positiva de si próprio...

Relação conjugal, violência psicológica e complementaridade fusional; Conjugal relationship, psychological violence and fusional complementarity

LEVY, Lídia; GOMES, Isabel Cristina
Fonte: Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Publicador: Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.5%
Neste artigo abordamos um tipo específico de dinâmica conjugal marcada pela violência psicológica. Na clínica com casais, temos observado situações nas quais são utilizadas agressões verbais e humilhações, que afetam a auto-estima e a capacidade de reação e decisão da pessoa agredida. Forma-se um laço perverso caracterizado por um movimento recíproco no sentido do domínio do parceiro, com condições e exigências que submetem a ambos, levando a um tipo de relação na qual impera a complementaridade fusional. O discurso característico da contemporaneidade, de obtenção de prazer e busca da perfeição nos relacionamentos amorosos e da presença do modelo igualitário nas relações homem/mulher, põe em destaque esse tipo de dinâmica relacional. Observa-se, em alguns casos, uma fixação do modelo "homem-ativo-fálico/mulher-passiva-castrada" que permanece subjacente à mudança dos tempos.; In this article we approach a specific type of conjugal dynamic that is marked by psychological violence. In our clinical work with couples, we have noticed situations in which verbal aggressions and humiliations are used, influencing the self-esteem and the reaction capacity of the person who suffered the aggression. A perverse bond takes form...

Violencias contra as mulheres na relação conjugal : uma pesquisa na Delegacia Adjunta de Repressão a Crimes Contra a Mulher (DARCCM) - Uberlandia (MG); Violence against the women in the conjugal relation : one searches in Associate Police Station of Repression the Crimes Against the a Woman - Uberlandia (MG)

Sheila Vilela Ribeiro Faria
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 30/07/2007 PT
Relevância na Pesquisa
56.55%
Esta pesquisa tem o objetivo de compreender e descrever como se processa o registro da violência contra a mulher na relação conjugal, em uma das várias Delegacias de Mulheres existentes hoje, no Brasil, e para tanto, foram coletados dados na Delegacia Adjunta de Repressão a Crimes Contra a Mulher (DARRCM), da cidade de Uberlândia/Minas Gerais.Vista como "problema social", a violência contra a mulher na relação conjugal é, em geral, evidenciada por meio de elementos muito realistas como a pobreza, a ausência de educação escolar, o desequilíbrio emocional, o mal funcionamento dos serviços de assistência públicos etc. Arrolada pelos formuladores de políticas públicas, esta lista esclarece os males a serem combatidos com programas encarregados de solucionar o "problema". A criação das Delegacias da Mulher no Brasil encontra sua origem nestes programas de políticas públicas, razão pela qual elas passaram a ser vistas como uma resposta global no enfrentamento ao problema da violência doméstica. Desde então, com suas fichas de registro de queixas, as Delegacias da Mulher, desde 1985, passaram a contribuir para definir a visão do que seja a violência contra a mulher. No entanto, faltam estudos sobre o processo de elaboração dessas fichas na delegacia e mesmo do próprio trabalho que é realizado nelas...

Significados atribuídos à violência conjugal na perspectiva dos cônjuges

Scantamburlo, Natalia Pinheiro
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 155 p.| tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
46.63%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2013.; A busca pela visibilidade do fenômeno da violência nas suas mais variadas formas de expressão constitui-se, nos dias atuais, num grande desafio para o campo da produção de conhecimento, principalmente, no que diz respeito a busca de metodologias sensíveis e éticas que possam dar vozes aos participantes e que permitam desvendar as complexas nuanças que sustentam o mencionado fenômeno. O presente trabalho se caracterizou por abordar e delimitar um problema evidenciado no contexto de um projeto maior, de delineamento quantitativo. Com o intuito de aprofundamento dos desdobramentos dessa investigação, o objetivo deste trabalho foi compreender os significados atribuídos à violência conjugal na perspectiva dos casais com união estável e filhos pequenos. O estudo foi de natureza qualitativa, do qual participaram cinco casais, selecionados com base em indicadores específicos da investigação maior. Os instrumentos de coleta de dados foram questionário sociodemográfico, entrevista semiestruturada e genograma familiar. A análise dos dados seguiu os princípios da Teoria Fundamentada...

A influência da satisfação conjugal no envolvimento do pai com o bebé

Sá, Lora Sofia Oliveira
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.58%
Enquadramento: O estudo das dimensões psicológicas associadas ao nível de Bonding do pai face ao recém-nascido tem vindo a desenvolver-se em torno de duas questões: o impacto da qualidade da relação conjugal na vinculação e a influência do estilo de vinculação do pai, no seu envolvimento afetivo com o filho. Para este estudo, interessou principalmente compreender a influência da satisfação conjugal percebida pelo pai, no estabelecimento do Bonding na relação com o bebé. Porém, foram delineados ainda mais três objetivos: descrever de que forma o tipo de Bonding é influenciado pelas variáveis sociodemográficas; determinar se as variáveis obstétricas influenciam o Bonding entre pai e filho e por fim, avaliar o impacto das variáveis de envolvimento na gravidez, trabalho de parto e parto no Bonding. Métodos: Trata-se de um estudo quantitativo, do tipo descritivo-analítico e correlacional, no qual participaram 349 progenitores masculinos, com idade média de 31,84 anos e dp de 6,067. O protocolo de colheita de dados, aplicado até às 48 horas do pós parto, inclui informação que permite fazer a caracterização sociodemográfica, obstétrica, envolvimento do pai durante a gravidez, trabalho de parto e parto e ainda as escalas de Avaliação da Satisfação em Áreas da Vida Conjugal (Narciso e Costa...

"Vozes" e "ruídos" na identidade conjugal : explorando funções, processos e factores de influência

Gomes, Susana Helena Gomes Marques da Silva
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
56.68%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde, Núcleo de Psicologia Clínica Sistémica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2014; A Identidade Conjugal, enquanto entidade emergente da relação conjugal, é um construto que carece de clarificação acerca das suas funções, propriedades, processos de construção, desenvolvimento e manutenção ao longo da relação do casal. A presente investigação pretende explorar estas dimensões numa perspectiva sistémica, evidenciando eventuais diferenças ligadas ao sexo, tipo de relação (casamento vs. coabitação conjugal) e duração da relação (curta vs. longa). Num estudo exploratório, realizado com uma amostra constituída por 21 indivíduos em situação relacional de conjugalidade, com base no paradigma construcionista e recorrendo a uma metodologia qualitativa, foi aplicada uma entrevista semi-estruturada. As narrativas recolhidas foram posteriormente analisadas com recurso ao software NVivo. Os resultados apontam para a identidade conjugal enquanto resultado de uma construção progressiva, baseada na existência de amor e compromisso entre os parceiros, que se desenvolve nas várias fases da relação. Impulsionada no namoro e consolidada na relação conjugal...

Implicações da violência doméstica sobre a relação conjugal: uma revisão de literatura

Amaral, Arthur Barros
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.46%
O presente trabalho tem por objetivo verificar a incidência no período de 2004 a 2014 de produções científicas nacionais sobre violência doméstica na relação conjugal. O levantamento bibliográfico coletou um total de 28 artigos indexados nas bases de dados Scielo, Bvs-psi e Pepsic. Ao final, 15 estudos foram listados e analisados considerando itens como o ano de publicação, a revista científica publicada, o qualis da revista e os métodos utilizados pelos pesquisadores. Foi identificada uma escassez de material sobre as motivações da violência. A grande maioria dos estudos realiza suas pesquisas sobre como e onde as vítimas sofreram a agressão, com pouco destinado às causas do individuo violento, onde o que se destaca nessas pesquisas são influências de comportamento violento na infância por parte de familiares e o consumo de drogas, que os tornam mais agressivos. Os resultados apontam para a necessidade de ampliação dos estudos na área que possam descrever mais profundamente o fenômeno da violência conjugal, em suas mais diversas formas de expressão e sua transmissão através das gerações, para, com isso, subsidiar políticas públicas que possam auxiliar as famílias na interrupção do ciclo de violência.; Psicologia