Página 1 dos resultados de 41 itens digitais encontrados em 0.053 segundos

Efeitos do escitalopram sobre a identificação de expressões faciais; Effects of escitalopram on the processing of emotional faces.

Alves Neto, Wolme Cardoso
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 16/05/2008 PT
Relevância na Pesquisa
86.29%
ALVES NETO, W.C. Efeitos do escitalopram sobre a identificação de expressões faciais. Ribeirão Preto, SP: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2008. Os inibidores seletivos da recaptura de serotonina (ISRS) têm sido utilizados com sucesso para o tratamento de diversas patologias psiquiátricas. Sua eficácia clínica é atribuída a uma potencialização da neurotransmissão serotoninérgica, mas pouco ainda é conhecido sobre os mecanismos neuropsicológicos envolvidos nesse processo. Várias evidências sugerem que a serotonina estaria envolvida, entre outras funções, na regulação do comportamento social, nos processos de aprendizagem e memória e no processamento de emoções. O reconhecimento de expressões faciais de emoções básicas representa um valioso paradigma para o estudo do processamento de emoções, pois são estímulos condensados, uniformes e de grande relevância para o funcionamento social. O objetivo do estudo foi avaliar os efeitos da administração aguda e por via oral do escitalopram, um ISRS, no reconhecimento de expressões faciais de emoções básicas. Uma dose oral de 10 mg de escitalopram foi administrada a doze voluntários saudáveis do sexo masculino, em modelo duplo-cego...

Investigação de fatores implicados na diferença entre os sexos no reconhecimento de expressões faciais: emoção despertada e fases do ciclo menstrual; Investigation of factors implicated in sex difference in the recognition of facial expressions: aroused emotionand phases of the menstrual cycle

Guapo, Vinicius Guandalini
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 18/01/2013 PT
Relevância na Pesquisa
106.32%
As diferenças entre os sexos e o impacto dos hormônios sexuais no processamento emocional normal e patológico destacam-se na investigação do dimorfismo sexual na frequência, diagnóstico e terapêutica de patologias psiquiátricas. Transtornos depressivos e ansiosos não apenas são mais comuns em mulheres, quando comparadas aos homens, como parecem ser influenciados pelas concentrações hormonais séricas das mulheres em diferentes fases do ciclo reprodutivo. Ao mesmo tempo, o sexo e as concentrações dos hormônios sexuais, mostram influência na função do cérebro em uma diversidade de tarefas cognitivas e emocionais. O reconhecimento de expressões faciais de emoções básicas tem sido visto como função de extrema importância na adaptação social do indivíduo e existem evidências de que esteja relacionado com o desenvolvimento de transtornos psiquiátricos. Já foi demonstrado que esta tarefa é influenciada pelo sexo do indivíduo e seu ambiente hormonal, no entanto, a literatura carece de resposta sobre os mecanismos pelos quais estas diferenças acontecem. Em dois experimentos buscamos maior entendimento de como se dão as diferenças entre os sexos no reconhecimento de expressões faciais de emoções básicas (raiva...

Reconhecimento de emoções em cães domésticos (Canis familiaris): percepção de pistas faciais e auditivas na comunicação intra e interespecífica; Emotion recognition in domestic dogs (Canis familiaris): perception of facial and auditory cues in intra and interspecific communication

Albuquerque, Natalia de Souza
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 14/10/2013 PT
Relevância na Pesquisa
86.22%
Cães domésticos (Canis familiaris) são animais sociais que apresentam uma série de habilidades cognitivas para interagir com outros cães e com pessoas. Apesar de muitos estudos com cães terem investigado o uso de pistas comunicativas, a sensibilidade a estados de atenção, a capacidade de discriminação de faces e de vocalizações e até o processamento de expressões faciais, ainda não existem evidências de que esses animais são capazes de obter e utilizar simultaneamente informações emocionais de expressões faciais e auditivas. O reconhecimento de estados emocionais pode ser entendido como uma característica adaptativa, uma vez que possui um papel muito importante no contexto social e pode ser crucial para o estabelecimento e manutenção de relacionamentos em longo prazo. Interessados em investigar as habilidades de leitura e compreensão de emoções, utilizamos um paradigma de preferência de olhar para testar cães de família de várias raças em sua habilidade de reconhecer emoções de maneira cross-modal. Analisamos o comportamento visual espontâneo dos sujeitos frente a dois estímulos visuais (mesmo indivíduo, expressão facial diferente) e um som (vocalização) congruente a uma das duas imagens. Utilizamos estímulos caninos e humanos...

Modelagem computacional para reconhecimento de emoções baseada na análise facial; Computational modeling for emotion recognition based on facial analysis

Libralon, Giampaolo Luiz
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 24/11/2014 PT
Relevância na Pesquisa
86.33%
As emoções são objeto de estudo não apenas da psicologia, mas também de diversas áreas como filosofia, psiquiatria, biologia, neurociências e, a partir da segunda metade do século XX, das ciências cognitivas. Várias teorias e modelos emocionais foram propostos, mas não existe consenso quanto à escolha de uma ou outra teoria ou modelo. Neste sentido, diversos pesquisadores argumentam que existe um conjunto de emoções básicas que foram preservadas durante o processo evolutivo, pois servem a propósitos específicos. Porém, quantas e quais são as emoções básicas aceitas ainda é um tópico em discussão. De modo geral, o modelo de emoções básicas mais difundido é o proposto por Paul Ekman, que afirma a existência de seis emoções: alegria, tristeza, medo, raiva, aversão e surpresa. Estudos também indicam que existe um pequeno conjunto de expressões faciais universais capaz de representar as seis emoções básicas. No contexto das interações homem-máquina, o relacionamento entre ambos vem se tornando progressivamente natural e social. Desta forma, à medida que as interfaces evoluem, a capacidade de interpretar sinais emocionais de interlocutores e reagir de acordo com eles de maneira apropriada é um desafio a ser superado. Embora os seres humanos utilizem diferentes maneiras para expressar emoções...

Percepção de expressões faciais emocionais em idosos com Doença de Alzheimer

Leonardo, Roberta Ladislau
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
76.09%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Processos Psicológicos Básicos, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Comportamento, 2010.; A literatura vem discutindo acerca da percepção de expressão de emoções faciais de idosos com Doença de Alzheimer (DA). Alguns autores sugerem que os déficits apresentados sejam em decorrência de problemas visuoespaciais; outros sugerem que seja por dificuldades no processamento das emoções; e há os que defendem que esse déficit perceptivo seja secundário à evolução da demência. A presente pesquisa buscou investigar os aspectos neuropsicológicos da percepção da expressão emocional facial, por meio da aplicação do WAIS-III, e desenvolver um programa de computador denominado TEPEF, que avalia a percepção de faces emocionais em idosos. Os resultados sugerem que o WAIS-III foi sensível para a diferenciação entre os grupos experimental e controle, mas apresentou pouca especificidade. O TEPEF apresentou consistência para avaliar as expressões faciais de alegria, tristeza, nojo, surpresa e raiva. Além disso, ele mostrou que a percepção de alegria em idosos com DA em fase moderada está relativamente preservada. As expressões com maior facilidade de reconhecimento - alegria e tristeza - tiveram correlações com poucos subtestes. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT; The literature has discussed about the perception of emotional face in elderly suffering from Alzheimer’s Disease (DA). Some authors have suggested that deficits occur due to visuospatial problems; others that the difficulty is related to emotional processing; still others argue that perceptive deficit are secondary to dementia’s evolution. This study aimed to investigate the neuropsychological aspects of perception of the emotional face...

Expressões emocionais faciais na percepção de crianças com síndrome de down

Pena, Carla Cristina Vasconcelos
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
96.48%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Processos Psicológicos Básicos, 2011.; A Síndrome de Down é uma das alterações cromossômicas mais comuns. Dentre as diversas características que compõem esta síndrome o atraso no desenvolvimento cognitivo nos primeiros anos de vida é real e leva, com o passar dos anos, a quadros de deficiência intelectual, se desdobrando em diversos aspectos, sendo um deles a dificuldade no reconhecimento de expressões emocionais faciais. Os estudos são unânimes em afirmar a presença de alterações neste reconhecimento, no entanto divergem quais dentre as expressões universais descritas por Charles Darwin (1872) - alegria, tristeza, nojo, surpresa, medo e raiva - são mais afetadas e suas correlações. O presente estudo objetivou investigar os aspectos ligados ao reconhecimento das 6 expressões emocionais faciais universais em uma população de crianças de 6 a 11 anos de idade, sendo 30 crianças com Síndrome de Down e 30 do grupo controle. Para isso, utilizou-se o Teste de Percepção de Expressões Emocionais Faciais (TEPEF), software para avaliação do reconhecimento de emoções faciais. O WISC III foi usado para triagem e obtenção de dados sobre o funcionamento cognitivo geral dos participantes. Verificou-se que as crianças com Síndrome de Down apresentaram alteração no reconhecimento das expressões de nojo...

Reconhecimento de expressões emocionais faciais em indivíduos com doença de Parkinson

Demos, Bibiane
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
116.48%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Processos Psicológicos Básicos, 2011.; Os sintomas não motores, associados à lesão cerebral, frequentes na doença de Parkinson são causados por disfunções cognitivas, comportamentais e autonômicas. O reconhecimento de expressões emocionais faciais vem sendo amplamente discutido como um déficit existente nessa população, visto que, as áreas cerebrais de reconhecimento de expressões emocionais podem estar afetadas na doença de Parkinson. A medicação dopaminérgica utilizada no tratamento da doença é outro fator que pode interferir no reconhecimento das expressões emocionais. Os estudos, por vezes, são inconclusivos ao definir o grau e a seletividade do enfraquecimento no reconhecimento emocional de faces. O presente estudo, verificou reconhecimento das 6 expressões emocionais faciais universais (alegria, tristeza, raiva, medo, nojo e surpresa) em 19 indivíduos com doença de Parkinson e 22 de grupo controle. Para isso, foi utilizado um teste de percepção emocional de faces (TEPEF) desenvolvido por nossa equipe de pesquisadores. Os parkinsonianos apresentaram menor porcentagem de reconhecimento nas expressões de surpresa e raiva. As expressões de tristeza e raiva tiveram correlação positiva. Os resultados sugerem que a baixa evolução da doença nessa população e o efeito da medicação dopaminérgica podem ter interferido no desempenho do grupo experimental em relação ao controle. _________________________________________________________________________________ ABSTRACT; Non-motor symptoms are common in the Parkinson disease and are caused by cognitive and autonomic and behavioral impairment associated with cerebral damage. The recognition of emotional expressions of the face is widely argued as being an existing deficit in this population...

Alexitimia e sua influência no reconhecimento de diferentes intensidades emocionais de expressões faciais de raiva e alegria

Roque, Diana Isabel dos Santos
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
86.38%
A alexitimia é um traço de personalidade multifatorial caracterizado por dificuldades em identificar sentimentos e em descrevê-los aos outros e por um estilo de pensamento mais orientado para o exterior. A prevalência da alexitimia é frequentemente observada em conjunto com perturbações clínicas, particularmente naquelas em que predomina um baixo funcionamento social. No entanto, a incidência deste construto também se verifica na população geral. O objetivo deste estudo consistiu em averiguar se o reconhecimento de emoções pode estar comprometido em indivíduos saudáveis com níveis elevados de alexitimia. 101 participantes voluntários, 51 mulheres e 50 homens, com diferentes níveis de alexitimia, completaram uma tarefa que consistia na apresentação de uma série de imagens em computador relativas a expressões faciais de raiva e de alegria. A intensidade emocional das expressões exibidas foi manipulada. Cada expressão foi modificada a partir de expressões neutras e apresentada com 9 níveis diferentes de intensidade emocional. A tarefa dos participantes consistia em identificar o mais correta e precisamente expressões faciais emocionais negativas (raiva) e positivas (alegria). Os resultados não revelaram diferenças estatisticamente significativas que apontem para a influência da alexitimia no reconhecimento de expressões faciais de raiva e alegria em qualquer dos níveis de intensidade emocional das expressões faciais. No entanto...

Controlo da atenção em contexto social na esquizofrenia : efeito da carga percetiva no processamento de expressões faciais

Grave, Joana Filipa da Quinta
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
76.18%
A esquizofrenia é uma das doenças mais severas e incapacitantes do foro psiquiátrico. Estudos anteriores indicam que os pacientes com esquizofrenia têm dificuldades em identificar, discriminar e reconhecer expressões faciais. Analogamente, outros estudos sublinham a existência de prejuízos nos processos de controlo da atenção, que indicam que informação deve ser atendida e que são responsáveis por direcionar a atenção para a informação relevante. A interferência de estímulos irrelevantes pode ser determinada pelo nível de carga percetiva da tarefa (Lavie, 1995, 2005). Porém, quando estes estímulos são biologicamente significativos (e.g., faces humanas), o seu processamento (automático e preferencial) tende a não ser afetado pelo nível de exigência da tarefa. Os indivíduos com esquizofrenia parecem ser especialmente sensíveis à presença de distratores emocionais. Contudo, até ao momento, não foi examinado este efeito em função da carga percetiva. O presente estudo teve como objetivo verificar se os pacientes com esquizofrenia são mais sensíveis ao processamento de estímulos emocionais irrelevantes, mesmo em tarefas que exigem uma elevada quantidade de recursos atencionais. 22 participantes com esquizofrenia ou perturbação esquizoafetiva e 22 participantes sem perturbação mental (com idades e sexo equivalentes) realizaram uma tarefa de discriminação de letras-alvo com estímulos emocionais irrelevantes (expressões faciais de raiva...

Agressividade e adolescência : implicações na deteção de faces emocionais positivas e negativas

Nogueira, Marta Raquel da Silva
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
86.21%
A adolescência é uma fase do ciclo de vida marcada por grandes alterações psicológicas, comportamentais, físicas e cognitivas, suscetível ao desenvolvimento de comportamentos agressivos. A agressividade pode surgir como resposta a uma forma de interpretação hostil de estímulos sociais. Quando um indivíduo entra numa situação social, a informação é processada em cinco etapas anteriores a ser efetivada uma ação, e em cada uma delas, a informação é codificada ou recuperada com interferência de um conjunto de pressupostos cognitivos armazenados na memória e que podem estar enviesados. Existem evidências do processamento automático de faces de raiva. Estas podem ser interpretadas como uma pista de hostilidade por parte dos outros, podendo estar associada ao viés de atribuição hostil em jovens mais agressivos. Neste sentido, o objetivo deste estudo foi investigar se o processamento de informação se encontra enviesado na deteção de pistas sociais, neste caso faces, em adolescentes agressivos. Pretende-se averiguar se um maior nível de agressividade potencia o reconhecimento de expressões faciais de cariz emocional negativo (raiva e nojo), levando a menores tempos de reação bem como a uma maior proporção de respostas corretas para faces emocionais negativas. A amostra de 40 adolescentes (20 rapazes e 20 raparigas) preencheu o Questionário Revisto de Experiência Entre Pares (QREEP) para categorização do nível de agressividade e posterior divisão em dois grupos...

Alexitimia e toxicodependência:contributos para o estudo de processos emocionais, da regulação afectiva e das interacções parentais precoces em indivíduos toxicodependentes

Torrado, Marco Alberto Vicente Barreto, 1979-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.28%
Tese de Doutoramento, Ciências e Tecnologias da Saúde (Desenvolvimento Humano), Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina, 2013; A literatura tem pontuado ao longo de várias décadas a existência de perturbações da regulação das emoções e do afecto, em geral, nos indivíduos toxicodependentes. Numa discussão inacabada em torno da etiologia de tais dificuldades, as formulações subjacentes a diferentes modelos têm variado entre paradigmas de causalidade psicossocial, de tipo desenvolvimentista, situando predominantemente o défice em padrões sócio-emocionais precoces de fraco apoio afectivo e rejeição; e outras, que fundamentam os défices comportamentais e cognitivo-experienciais a nível emocional em paradigmas marcadamente neurobiológicos, tomando-os como consequências estritas do uso continuado de substâncias com potente reforço a nível central e promotor de efeitos de neuroplasticidade determinantes do percurso da toxicodependência. Na procura de um modelo compreensivo integrador, desenvolveu-se um estudo transversal comparativo de avaliação de défices na identificação, expressão e experiência emocionais, padrões relacionais percebidos num contexto de vinculação precoce com as figuras parentais e níveis de reactividade psicofisiológica face a estímulos emocionais. Os grupos em estudo (99 toxicodependentes integrados em programa de substituição opiácea; 43 controlos)...

Reconhecimento de expressões faciais em pacientes com esquizofrenia e indivíduos não clínicos

Costa, Inês Rebelo
Fonte: Universidade do Algarve Publicador: Universidade do Algarve
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
76.24%
O funcionamento social adequado está relacionado com a capacidade de extrair informação sobre o ambiente, pelo que o reconhecimento de expressões faciais representa um papel importante nas relações interpessoais e no comportamento. Quando existem défices na identificação e processamento de expressões faciais podem ocorrer efeitos prejudiciais para o indivíduo e para as suas relações. As relações sociais nos indivíduos com esquizofrenia encontram-se perturbadas, talvez, em parte, devido ao reconhecimento e interpretação que realizam das expressões faciais. O presente estudo utilizou faces esquemáticas de expressões emocionais para investigar as interpretações de expressões faciais e características faciais específicas em indivíduos com esquizofrenia e indivíduos saudáveis. Os participantes (30 indivíduos com esquizofrenia e 30 indivíduos saudáveis) preencheram um questionário de dados sociodemográficos e clínicos e responderam a três escalas que avaliaram a paranoia, o medo da avaliação negativa e a depressão. Os resultados sugerem que indivíduos saudáveis e indivíduos com esquizofrenia mostram algumas diferenças no reconhecimento e interpretação de expressões faciais, embora essas diferenças não sejam elevadas. A valência afetiva e a ameaça atribuída a diferentes configurações de faces pelos indivíduos com esquizofrenia diferem da atribuída pelos sujeitos saudáveis apenas no reconhecimento da boca e da combinação boca-sobrancelha.

Reconhecimento de expressões faciais e cenas de valência emocional apresentadas em alta restrição temporal

Moraes Júnior,Rui de; Barbosa,Beatriz Francisco; Garcia,Fernanda Pires; Silva,Flavia Helen Moreira da; Ribeiro,Julia; Amaral,Márcia Viana; Fukusima,Sérgio Sheiji
Fonte: Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte Publicador: Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2014 PT
Relevância na Pesquisa
75.96%
Este estudo investigou o reconhecimento de flashes de imagens de conteúdo afetivo de diferentes modalidades (faces e cenas) e valências emocionais (agradáveis, desagradáveis e neutras). Os resultados evidenciaram que a diferença de saliência perceptual entre os estímulos pode se sobrepor aos efeitos da valência emocional. O reconhecimento de cenas e de faces agradáveis não se diferenciou; o mesmo aconteceu para cenas e faces desagradáveis. Por outro lado, as valências apresentaram diferenças: imagens agradáveis foram reconhecidas mais rapidamente em relação às desagradáveis e faces agradáveis foram mais reconhecidas que as neutras. Suspeita-se, conforme literatura existente, que imagens desagradáveis apresentadas rapidamente enfraqueçam a ativação da amígdala e intensifiquem a ativação do córtex pré-frontal, que realiza um processamento de informações utilizando um tempo maior.

Construção e testagem de um instrumento de reconhecimento de expressões faciais emocionais

Guimarães, Pâmela Rocha Bagano; Roazzi, Antonio (Orientador); Sampaio, Leonardo Rodrigues (Coorientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Dissertação
BR
Relevância na Pesquisa
86.33%
O estudo sobre as emoções por muito tempo foi esquecido em favorecimento das investigações sobre a razão. Por anos o dualismo de Descartes fez esses aspectos da constituição humana esquecidos. Contudo, nos últimos anos, o interesse, em especial pela expressividade emocional através de gestos e expressões, vem crescendo e se especializando cada vez mais, especificamente sobre o reconhecimento de expressões faciais emocionais. Estudos transculturais corroboraram a ideia de universalidade das emoções defendidas por Darwin, e conceberam que pelo menos seis emoções possuem traços semelhantes entre a espécie humana: Alegria, Tristeza, Raiva, Medo, Surpresa e Nojo. Atualmente os métodos de investigação desenvolvidos para mensurar o reconhecimento emocional são bem variados, passando de técnicas visuais, auditivas e até fisiológicas. A literatura atual aponta para técnicas mais dinâmicas, como vídeos, para melhor avaliar o reconhecimento emocional. Neste contexto, buscou-se com esse trabalho elaborar um instrumento que apresentasse mais pistas situacionais, com imagens dinâmicas para o reconhecimento emocional. No instrumento são apresentados estímulos dinâmicos em diferentes intensidades para cada uma das seis emoções. Neste aspecto...

Estudo do reconhecimento de expressões faciais emocionais e prosódia emocional em indivíduos com Doença de Alzheimer

Costa, Hélida Arrais
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
96.33%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Processos Psicológicos Básicos, 2011.; As investigações acerca do reconhecimento de aspectos emocionais em indivíduos com Doença de Alzheimer (DA), tais como expressões faciais e prosódia emocional, vem ganhando espaço gradativo no ambiente acadêmico, dado sua importância adaptativa e social. O presente estudo se insere neste contexto e buscou verificar a existência de um comprometimento no reconhecimento de expressões faciais emocionais e prosódia emocional em idosos com Alzheimer, comparando-os a idosos saudáveis de faixa etária compatível. Para tanto, utilizou-se a Florida Affect Battery (FAB), que precisou ser traduzida e adaptada, comparando-se posteriormente as médias de desempenho entre jovens brasileiros e americanos, conforme a normatização pré-existente. As médias de desempenho do grupo controle (idosos saudáveis) e no grupo experimental (idosos com DA) em atividades cognitivas e nos subtestes da FAB foram comparadas estatisticamente. O processo de tradução e adaptação da FAB resultou em uma versão traduzida consistente e aplicável, e um desempenho significativamente diferente nos subtestes com estímulos visuais...

Recognition of static and dynamic facial expressions: Influences of sex, type and intensity of emotion; Influencias del sexo, tipo e intensidad de la emoción en el reconocimiento de expresiones faciales estáticas y dinámicas.; Reconhecimento de expressões faciais estáticas e dinâmicas: influências do sexo, tipo e intensidade da emoção

Alves, Nelson Torro; Bezerra, Izabela Alves de Oliveira; Claudino, Rianne Gomes; Cavalcanti, Thobias Laurindo Pereira
Fonte: Universidade do Rosário Publicador: Universidade do Rosário
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em 19/03/2013 SPA
Relevância na Pesquisa
86.25%
Ecological validity of static and intense facial expressions in emotional recognition has been questioned. Recent studies have recommended the use of facial stimuli more compatible to the natural conditions of social interaction, which involves motion and variations in emotional intensity. In this study, we compared the recognition of static and dynamic facial expressions of happiness, fear, anger and sadness, presented in four emotional intensities (25 %, 50 %, 75 % and 100 %). Twenty volunteers (9 women and 11 men), aged between 19 and 31 years, took part in the study. The experiment consisted of two sessions in which participants had to identify the emotion of static (photographs) and dynamic (videos) displays of facial expressions on the computer screen. The mean accuracy was submitted to an Anova for repeated measures of model: 2 sexes x [2 conditions x 4 expressions x 4 intensities]. We observed an advantage for the recognition of dynamic expressions of happiness and fear compared to the static stimuli (p < .05). Analysis of interactions showed that expressions with intensity of 25 % were better recognized in the dynamic condition (p < .05). The addition of motion contributes to improve recognition especially in male participants (p < .05). We concluded that the effect of the motion varies as a function of the type of emotion...

Gender differences among undergraduates in the recognition of emotional facial expressions; Diferencias de género entre estudiantes universitarios en el reconocimiento de expresiones faciales emocionales; Diferenças de gênero entre universitários no reconhecimento de expressões faciais emocionais

Pinto, Bruno Maciel de Carvalho; Dutra, Natália Barros; Filgueiras, Alberto; Juruena, Mario Francisco; Stingel, Ana Maria
Fonte: Universidade do Rosário Publicador: Universidade do Rosário
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em 19/03/2013 SPA
Relevância na Pesquisa
76.27%
The perceptive accuracy of university students was compared between men and women, from sciences and humanities courses, to recognize emotional facial expressions. emotional expressions have had increased interest in several areas involved with human interaction, reflecting the importance of perceptive skills in human expression of emotions for the effectiveness of communication. Two tests were taken: one was a quick exposure (0.5 s) of 12 faces with an emotional expression, followed by a neutral face. subjects had to tell if happiness, sadness, anger, fear, disgust or surprise was flashed, and each emotion was shown twice, at random. on the second test 15 faces with the combination of two emotional expressions were shown without a time limit, and the subject had to name one of the emotions of the previous list. in this study, women perceived sad expressions better while men realized more happy faces. there was no significant difference in other emotions detection like anger, fear, surprise, disgust. Students of humanities and sciences areas of both sexes, when compared, had similar capacities to perceive emotional expressions; Se comparó la precisión de hombres y mujeres de los cursos universitarios en las áreas de la ciencia y las artes en la percepción de expresiones faciales emocionales. Las expresiones emocionales han despertado un creciente interés en diversas áreas relacionadas con la interacción humana...

A ansiedade como fator relevante no reconhecimento de expressões faciais

Moreira, Glênio e Silva
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
86.2%
O caráter da atuação em Psicologia, em diversos contextos, exige do profissional determinadas habilidades no repertório social. Nesse sentido, quanto maior a acurácia de identificação das diferentes expressões faciais melhor será o estabelecimento de vínculo do psicólogo com seu cliente e menores serão os conflitos nas relações. No entanto, essa acurácia na identificação das diferentes expressões faciais de emoções pode ser sensível às diversas emoções do próprio observador. A exemplo disso, altos níveis de ansiedade têm sido relacionados com a redução de acertos na identificação de expressões faciais emocionais básicas. Com isso, este trabalho teve como objetivo verificar se o nível de ansiedade de estudantes de psicologia alterava a acurácia de reconhecimento de expressões faciais. Para tanto, 109 alunos do curso de psicologia de uma instituição de Brasília foram convidados a responder a um teste de avaliação da acurácia de identificação de expressões faciais de emoções básicas e ao IDATE (teste que avalia ansiedade Traço e Estado), de tal modo que se pudesse verificar se havia relações dessas duas variáveis, e se estas relações seriam significativas para tais alunos. Os resultados dessa pesquisa mostraram que não havia correlação entre essas variáveis. Assim...

Exaustão emocional e reconhecimento de emoções na face e voz em médicos de medicina geral e familiar

Adriano, Teresa Miguel Fitas
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /11/2015 POR
Relevância na Pesquisa
96.25%
Mestrado em Psicologia das Emoções; O presente estudo pretende analisar o reconhecimento de emoções em expressões emocionais na face e voz junto de médicos de Medicina Geral e Familiar em função da exaustão emocional. A amostra foi composta por 72 médicos de Medicina Geral e a recolha de dados foi realizada em dois momentos. Numa primeira fase aplicou-se o questionário de caracterização sociodemográfica e profissional, a versão portuguesa do Maslach Burnout Inventory (M.B.I.) para medir a exaustão emocional e o Morningness-Eveningness Questionnaire (MEQ) para avaliar o cronótipo. Após uma semana, os participantes realizaram duas tarefas nas quais foram avaliados os acertos e a rapidez na identificação das emoções de dor, tristeza, alegria e neutra na expressão facial e voz. Na Tarefa 1 foi pedido aos participantes para identificarem as emoções-alvo em faces dinâmicas e na Tarefa 2 foi pedida a identificação da emoção que é expressa na voz através da sua congruência com as faces visualizadas. As expressões faciais foram retiradas do STOIC Dymanic Facial Emotional Expressions Database e os estímulos vocais do Montreal Affective Voices. Como esperado, os participantes identificaram mais rapidamente e de forma correta a emoção alegria...

Percepção Emocional e Processamento de Informações Emocionais no Reconhecimento de Expressões Faciais: origens psicológicas do julgamento social; Emotional Perception and Emotional Information Processing of Facial Expression Recognition: psychological origins of social judgment

Ferreira Almada, Leonardo; Instituto de Filosofia da Universidade Federal de Uberlândia
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Avaliado Por Pares; Formato: application/pdf
Publicado em 24/12/2012 POR
Relevância na Pesquisa
86.29%
Neste artigo, pretendemos defender a tese segundo a qual julgamentos sociais se iniciam com a percepção emocional e com o processamento de informações emocionais no reconhecimento de expressões faciais. Para tanto, revisaremos modelos que discutem (i) os mecanismos pelos quais as expressões faciais são codificadas para transmitir informações e ser percebidas pelos outros, (ii) os mecanismos perceptivos de decodificação e categorização de expressões faciais e, por fim, (iii) os mecanismos pelos quais o reconhecimento de expressões faciais geram respostas emocionais e ajustes comportamentais e, por fim, (iv) a eficiência de nosso sistema perceptual na decodificação desses processos. Com essa discussão, nossa intenção é a de (i) explicitar em que sentido nossa percepção emocional de expressões faciais é um dos principais mecanismos evolutivos de regulação da vida e que (ii) o processamento de informações emocionais é um poderoso instrumento para assegurar a sobrevivência e sustentar razoáveis interações sociais.; In this paper...