Página 1 dos resultados de 2022 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

Racismo contra negros: um estudo sobre o preconceito sutil; Racism against blacks: a research about a subtle prejudice

Nunes, Sylvia da Silveira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 17/05/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.35%
O racismo é um tema pouco abordado na psicologia, no entanto, tratase de um problema social sério. Pesquisas têm observado, em vários países, a frequência cada vez maior da forma sutil de preconceito em contraposição à diminuição da forma mais explícita. Nesse sentido, nosso objetivo foi compreender melhor essa nova fisionomia do racismo o preconceito sutil. Uma parte do estudo foi realizada no Brasil e outra, na Espanha. Dentre os vários grupos humanos possíveis de ser alvo de práticas racistas, enfocamos o racismo contra negros no Brasil e contra gitanos na Espanha. Embora existam diferenças na história de cada grupo, é comum entre eles o fato de estar há séculos em território brasileiro e espanhol, respectivamente, e persistirem as práticas discriminatórias contra eles. A presente pesquisa combinou métodos quantitativo (escalas de preconceito sutil e flagrante de Pettigrew e Meertens) e qualitativo (entrevistas). No Brasil, 235 alunos responderam ao questionário e 71 estudantes, na Espanha. Destes, 15 foram entrevistados na pesquisa realizada no Brasil e 4, na Espanha. Para a análise dos dados quantitativos, foram feitas provas estatísticas. Para as entrevistas, foram formuladas categorias de análise. Os dados dos questionários apontaram: (1) maior facilidade dos espanhóis em declarar o racismo; (2) os homens mostraram maior preconceito do que as mulheres...

Discurso proverbial : reafirmação do preconceito contra a mulher?

Correa, Carla Regina
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.22%
O presente trabalho tem o propósito de investigar o discurso proverbial enquanto ferramenta para propagação do preconceito contra a mulher. Filiandose à Análise do Discurso de linha francesa, analisa-se a questão do preconceito presente nos ditados populares, procurando demonstrar o quanto a figura feminina é discriminada na sociedade através de chavões institucionalizados ao longo dos tempos que são transmitidos como verdades universais. A grande questão que atravessa esse trabalho é a força que esse ditos têm em reafirmar a incapacidade da mulher para qualquer atividade que não esteja ligada ao lar. Mesmo após a mulher, nas últimas décadas, ter provado e comprovado sua plena capacidade para assumir responsabilidades iguais ou superiores às do homem, esses ditos, antigos ou novos, mantêm o mesmo grau de preconceito, senão até mais elevado. Sendo assim, no texto desta investigação, encontra-se uma explanação do que é entendido como provérbio e algumas questões que envolvem conceitos ligados à Análise do Discurso, cultura, senso comum, poder e preconceito, buscando, desta forma, estabelecer um referencial teórico para a análise. Na parte dedicada à análise propriamente, apresentam-se os cinco tipos de provérbios que foram identificados...

De cara com o preconceito linguístico : os linguístas e a reação social ao reconhecimento da variação na escola

Giácomo, Henrique Azeredo
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.32%
O presente trabalho visa problematizar o conceito de ―preconceito linguístico‖, permeando a abordagem que o termo recebe por parte de linguistas e professores de Ensino Superior de Letras até o impacto que gera no aluno ingressante no curso em questão e na sociedade como um todo. O fator motivador principal para a iniciação do projeto foi a releitura do livro ―Preconceito Linguístico: o que é, como se faz‖, de Marcos Bagno, trabalhado na primeira etapa do curso de Letras da UFRGS e de outras instituições de nível superior. Uma visão mais analítica da obra deixa em exposição problemas de coesão e coerência, bem como carência de base teórica na exposição de certos argumentos, o que torna questionável sua utilização por parte de futuros profissionais da língua, sobretudo alunos iniciantes. No período de confecção deste trabalho, eclodiu uma polêmica de nível nacional, gerada pela aprovação por parte do MEC de um material didático de Língua Portuguesa destinado a alunos de EJA. Tal livro, cujo capítulo sobre português tem a assinatura da professora Heloísa Ramos, apresenta exemplos de trechos oriundos do português falado brasileiro, os quais estão em discordância com a denominada pela autora ―norma culta‖...

Preconceito contra homossexuais e representações sociais da homossexualidade em seminaristas católicos e evangélicos

Pereira, Cícero Roberto; Torres, Ana Raquel Rosas; Pereira, Annelyse; Falcão, Luciene Campos
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.22%
Este trabalho analisa as relações entre o preconceito contra os homossexuais e as representações sociais sobre a homossexualidade. Trata-se de um estudo correlacional com 374 estudantes de teologia (207 evangélicos e 167 católicos) que responderam um questionário sobre crenças e atitudes em relação aos homossexuais. Os resultados indicam duas formas de expressão do preconceito: sutil e flagrante. O preconceito sutil está relacionado com a crença numa natureza biológica e psicossocial e com a descrença numa representação ético-moral da homossexualidade. O preconceito flagrante está relacionado com a descrença na natureza biológica e psicossocial e com uma representação ético-moral. A hipótese de que as representações sociais sobre a natureza dos grupos minoritários estão na base do preconceito e da discriminação é corroborada.

A hipótese do contacto e a expressão de preconceito contra minorias étnicas em jovens adultos de escolas portuguesas

Matos, Luísa Alexandra Gameiro
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.32%
Mestrado em Psicologia Comunitária e Protecção de Menores; Atendendo à realidade multicultural do nosso país, bem como à persistência de atitudes discriminatórias contra minorias étnicas, torna-se extremamente pertinente perceber quais os factores que podem intervir na redução do preconceito étnico. Neste contexto, procurámos com o presente trabalho compreender qual o efeito do contacto inter-étnico precoce na redução do preconceito na juventude, tendo como suporte a teoria da ´Hipótese do Contacto` de Allport (1954). Especificamente, procurou-se perceber se o contacto com grupos étnicos minoritários em crianças, em contexto escolar, influenciava a expressão do preconceito contra minorias étnicas em idade adulta, e por que tipo de factores esta relação era moderada. Os dados foram recolhidos através da aplicação de um questionário a alunos de 12º ano de 8 escolas secundárias públicas, avaliando a frequência do seu contacto com minorias no passado bem como as suas crenças, estereótipos e atitudes inter-étnicas no presente. Os resultados encontrados mostraram a existência de uma associação positiva entre contacto e preconceito, revelando-se contraditórios em relação a estudos realizados noutros países que tinham encontrado a relação inversa entre estas duas variáveis (e.g....

Efeitos da criatividade e da regulação emocional na redução do preconceito relativamente à comunidade cigana

Colaço, Carla Marisa Candeias
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.22%
Mestrado em Psicologia das Emoções; Dados recentes evidenciam que em Portugal alguns grupos de imigrantes e minorias étnicas como os ciganos continuam a ser alvo de discursos racistas, demonstrando que o preconceito, enquanto atitude negativa face a membros de um determinado grupo social, continua a degradar o estabelecimento de relações intergrupais positivas. Neste sentido, a pesquisa sobre variáveis que contribuem para a redução do preconceito continua a ser um tópico de pesquisa atual, sendo pertinente estudar o papel de algumas variáveis que não têm sido contempladas nos estudos clássicos de redução do preconceito. Utilizando um conjunto de medidas implícitas e explícitas, no presente trabalho apresenta-se um estudo, experimental, conduzido com 134 estudantes universitários, que testa o papel da criatividade na redução de atitudes e emoções negativas relativamente a membros da comunidade cigana. Paralelamente e tendo em conta pesquisas recentes, este estudo visa também testar o papel moderador da regulação emocional (subdividida em reavaliação cognitiva e supressão emocional) na relação supracitada, esperando-se que a criatividade tenha um papel na redução do preconceito sobretudo quando a regulação emocional é elevada. Globalmente...

Homofobia: a influência da credibilidade da fonte na expressão do preconceito contra os homossexuais

Martins, Tânia Raquel Gonçalves
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.3%
Mestrado em Psicologia Social e das Organizações; Um grande número de teorias sobre o papel das normas sociais identificou uma norma geral de inibição de expressão do preconceito na população (Crandall, Eshleman & O’Brien, 2002). Esta norma tem sido chamada de norma antipreconceito. A sua base assenta em valores igualitários e a sua força na repressão da expressão de atitudes preconceituosas contra grupos minoritários. No entanto, se a pressão da norma leva a uma diminuição substancial na expressão pública do preconceito contra determinados alvos (e.g. os negros), este efeito não tem sido encontrado no papel da norma antipreconceito em matéria de minorias sexuais (e.g. homossexuais). Neste sentido, a questão que se pretende abordar é, a partir da perspetiva da influência normativa, analisar o efeito da norma antipreconceito e da fonte de influência normativa no preconceito contra os homossexuais. 213 estudantes universitários foram aleatoriamente distribuídos por uma de quatro condições experimentais: 2 (norma antipreconceito: pressão normativa vs. controlo) × 2 (fonte de influência normativa: endogrupo vs. controlo), num desenho fatorial intersujeitos. Prevemos que a ativação da pressão normativa reduza o preconceito homofóbico...

Preconceito contra homossexuais e representações sociais da homossexualidade em seminaristas católicos e evangélicos

Pereira,Cícero Roberto; Torres,Ana Raquel Rosas; Pereira,Annelyse; Falcão,Luciene Campos
Fonte: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília Publicador: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.22%
Este trabalho analisa as relações entre o preconceito contra os homossexuais e as representações sociais sobre a homossexualidade. Trata-se de um estudo correlacional com 374 estudantes de teologia (207 evangélicos e 167 católicos) que responderam um questionário sobre crenças e atitudes em relação aos homossexuais. Os resultados indicam duas formas de expressão do preconceito: sutil e flagrante. O preconceito sutil está relacionado com a crença numa natureza biológica e psicossocial e com a descrença numa representação ético-moral da homossexualidade. O preconceito flagrante está relacionado com a descrença na natureza biológica e psicossocial e com uma representação ético-moral. A hipótese de que as representações sociais sobre a natureza dos grupos minoritários estão na base do preconceito e da discriminação é corroborada.

O papel dos valores sociais e variáveis psicossociais no preconceito racial brasileiro

Lins,Samuel Lincoln Bezerra; Lima-Nunes,Aline; Camino,Leoncio
Fonte: Associação Brasileira de Psicologia Social Publicador: Associação Brasileira de Psicologia Social
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.22%
Na ânsia de compreender o preconceito racial, psicologia social tem buscado identificar fatores que influenciam sua presença ou ausência nas sociedades. Um fator a ser explorado é sua relação com os valores sociais. Este artigo objetiva analisar a relação existente entre os valores sociais, determinadas expressões do preconceito (flagrante, simbólico) e variáveis político-ideológicas. Participaram deste estudo 420 universitários. Foram utilizados medidas clássicas para identificar as referidas formas de preconceito: o questionário de valores psicossociais, a escala de distâncias percebidas e a escala de atitudes favoráveis aos países de 1º e 3º mundo. Constatou-se que a adesão a valores hedonistas e materialistas, assim como a adoção de atitudes favoráveis a países de 1º mundo podem predizer a expressão do preconceito contra os negros. Por outro lado, a adesão aos valores de justiça social e a proximidade com pessoas de cor negra apresentaram uma relação com a não expressão do preconceito.

Normas sociais e preconceito: o impacto da igualdade e da competição no preconceito automático contra os negros

Lima,Marcus Eugênio O.; Machado,Caliandra; Ávila,Josele; Lima,Carolina; Vala,Jorge
Fonte: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2006 PT
Relevância na Pesquisa
37.3%
Com o objetivo de analisar o papel dos contextos de resposta no preconceito automático, realizamos três estudos. No primeiro estudo, investigamos os efeitos de dois contextos normativos (igualitário e meritocrático) sobre o preconceito automático contra os Negros. Verificou-se que o contexto meritocrático aumenta o preconceito dos participantes; mas o contexto igualitário não reduz o preconceito. No segundo estudo, investigamos que sentidos as pessoas atribuem à "igualdade". Dois sentidos principais foram encontrados: solidária e formal. Essas duas formas de igualdade foram utilizadas como priming no terceiro estudo, juntamente com contexto meritocrático. Os resultados indicaram que o contexto meritocrático torna os indivíduos mais preconceituosos. No entanto, o contexto da igualdade solidária anulou a ativação automática do preconceito contra os Negros. A igualdade formal situou-se numa posição intermediária entre os dois outros primes. Estes resultados são discutidos à luz das teorias sobre o papel das normas sociais nos processos inconscientes ou automáticos de preconceito.

Avaliação do preconceito contra diversidade sexual e de gênero: construção de um instrumento

Costa,Angelo Brandelli; Bandeira,Denise Ruschel; Nardi,Henrique Caetano
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas Publicador: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2015 PT
Relevância na Pesquisa
37.22%
O Brasil carece de ferramentas para avaliar o preconceito contra a diversidade sexual e de gênero, sendo necessários instrumentos com boas evidências de validade e confiabilidade e, principalmente, adaptados para o contexto brasileiro. Uma vez que o preconceito está fortemente associado à cultura e que no Brasil o preconceito contra orientações não heterossexuais está especialmente relacionado com expressões de gênero discordantes das hegemônicas, este estudo propõe a criação de um instrumento construído para as especificidades do contexto brasileiro, com evidências de validade e confiabilidade. Participaram do estudo 800 sujeitos, moradores de áreas rurais e urbanas do sul do Brasil, os quais responderam ao questionário Escala de Preconceito contra Diversidade Sexual e de Gênero. Foram conduzidas análises a partir da Teoria de Resposta ao Item, de validade de critério e de correlação com outro instrumento que avalia o mesmo construto. A escala apresentou boas evidências de validade e fidedignidade, bem como contextualização para a realidade brasileira, sugerindo que se trata de uma ferramenta útil para avaliar o preconceito.

É inerente ao ser humano! A naturalização das hierarquias sociais frente às expressões de preconceito e discriminação na perspectiva juvenil

Monteiro,Simone Souza; Villela,Wilza Vieira; Soares,Priscilla da Silva
Fonte: IMS-UERJ Publicador: IMS-UERJ
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.22%
Este trabalho objetiva analisar como mulheres e homens jovens, com diferentes inserções sociais, cor/raça e orientação sexual, frequentadores de espaços de sociabilidade no Rio de Janeiro, concebem e vivenciam as expressões de preconceito e discriminação na vida cotidiana. Considerase que o preconceito e a discriminação fazem parte de um processo social de produção de desigualdades que articula diferentes marcadores sociais (classe social, gênero, sexualidade, raça/etnia) e opera por meio da naturalização dos atos de discriminar e de ser discriminado. Todavia, há perspectivas teóricas dissonantes, que concebem a discriminação e o preconceito como decorrentes de interações inerentes e circunscritas ao âmbito das relações sociais interpessoais, desvinculadas dos fatores macrossociais. Os depoimentos dos/das jovens do estudo revelam que os agentes da ação discriminatória evitam falar de preconceito, justificando suas práticas com base no gosto, preferência ou estranhamento frente a algo incomum. Entretanto, alguns sujeitos que são objeto de ações homofóbicas, sexistas e/ou racistas percebem que essas situações expressam uma tentativa de garantia de privilégios de grupos específicos e que a classe social dos envolvidos tem influência nessas manifestações. Outros consideram que a homofobia e o racismo resultam da falta de conhecimento e/ou socialização. Observa-se a ausência de referências à ação política para confrontar situações de discriminação. O desenvolvimento de estudos voltados para a apreensão do preconceito e da discriminação como fenômenos sociais complexos...

Os flintstones e o preconceito na escola

Baibich,Tânia Maria
Fonte: Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná Publicador: Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2002 PT
Relevância na Pesquisa
37.22%
Em nosso país, que é tido pelo "imaginário mundial" e por si mesmo, como um paraíso de mestiçagem, a hipocrisia do não questionamento suficiente no que tange às diferenças que são muitas, tem permitido a manutenção e o agravamento do silêncio que fala a favor do preconceito. A não pluralidade na educação é apenas uma das formas de preservação do grande tapete da "democracia racial" que esconde a falta de democracia real. Este artigo, ao passear por entre os conceitos de alteridade e preconceito, pretende convidar o leitor à reflexão sobre a prática da negação do preconceito no âmbito da escola e suas conseqüências funestas para a manutenção do mesmo no tecido social. Com o intuito de ilustrar as considerações acerca do processo de "varredura para debaixo do tapete" utilizado na maioria dos espaços de socialização em nossa sociedade e não menos notadamente nas escolas, busca, mediante entrevista com alguns professores de uma escola pública do Estado do Paraná, dados para melhor diagnosticar a atitude da escola bem como a dos professores no que tange ao reconhecimento da existência à profilaxia e/ou o tratamento do preconceito. As análises indicam que a escola, mesmo a que se pretende voltada à convivência entre os diferentes...

Acerca da educação, do preconceito e da AIDS : um olhar a partir do EDUCAIDS e da rede nacional de pessoas vivendo com AIDS em Pernambuco

Bezerra, Nielson da Silva; Brayner, Flávio Henrique Albert (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Dissertação
BR
Relevância na Pesquisa
37.32%
A presente pesquisa busca apreender os elementos constitutivos do preconceito enquanto fenômeno social produtor de estigma e discriminação, que podem ser produzidos e reforçados ou desconstruídos e enfrentados, durante o processo educativo. Para isso escolhemos como campo de estudo a pandemia de AIDS, por entender que esse fenômeno parece abrigar em sua complexidade importantes pistas que podem nos ajudar a compreender as relações entre o preconceito e a educação. A primeira fase de nossa pesquisa faz uma incursão teórica nos temas Educação, Preconceito e AIDS. No segundo momento de nosso trabalho, distribuímos um questionário semiestruturado com alguns participantes da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/AIDS núcleo Pernambuco – RNP+/PE, com o objetivo de identificar as repercussões do preconceito no percurso educacional dessas pessoas. Na terceira fase de nosso trabalho, realizamos um estudo sobre o Encontro Nacional de Educadores na Prevenção das DST/AIDS e Drogas – Educaids. Recolhemos informações em duas publicações que sistematizaram parte desta experiência. Nosso objetivo foi identificar a concepção de educação que prevaleceu nesta ação e avaliar até que ponto esta estratégia contribuiu para uma educação que enfrente o preconceito produtor de estigma e discriminação. Nossos estudos apontam que o preconceito é inerente ao humano...

Política e sentidos da palavra preconceito : uma história no pensamento social brasileiro na primeira metade do Século XX; Politics and sense of the word prejudice : a history in the brazilian social thought in the first middle of twenty century

Carolina de Paula Machado
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 13/05/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.37%
Na escrita de quatro importantes obras das Ciências Sociais do início do século XX, a palavra preconceito adquire sentidos específicos em cada uma delas, sentidos constituídos no funcionamento enunciativo, que é político e histórico. Nossa tese se inscreve na área da Semântica do Acontecimento na qual a análise de sentidos é considerada a partir do acontecimento enunciativo (GUIMARÃES, 2002). Também, são mobilizados alguns conceitos da Análise de Discurso francesa, a partir de trabalhos de Pêcheux (1975; 1988) e Orlandi (1994; 1999). Esta abordagem nos possibilita observar como os autores dessas obras, na primeira metade do século XX, compreendem as relações sociais na construção de um conhecimento sobre a nossa sociedade que serviria de referência para a produção científica que viria depois. Nosso objetivo foi analisar as designações da palavra preconceito nas obras: A evolução do povo brasileiro (1923), de Oliveira Vianna; Casagrande e Senzala (1933), de Gilberto Freyre; Raízes do Brasil (1936), de Sérgio Buarque de Holanda; e Formação do Brasil Contemporâneo (1942), de Caio Prado Júnior. Estas obras abrangem um período de transformação do Brasil, momento em que havia a preocupação do Estado...

Normas sociais, crenças sobre a natureza da homossexualidade e preconceito contra os homossexuais

Pereira, Annelyse dos Santos Lira Soares
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
37.32%
Doutoramento em Psicologia Social e Organizacional; Nesta tese apresentamos cinco estudos sobre a influência do contexto normativo e das crenças sobre a natureza da homossexualidade no preconceito contra os homossexuais. Especificamente, analisamos as condições normativas necessárias e suficientes para a redução do preconceito homofóbico. Propomos a hipótese de que a pressão da norma antipreconceito é uma condição necessária, mas não suficiente, para a diminuição do preconceito. Além disto, testamos a hipótese de que o efeito da pressão normativa é moderado pelas crenças sobre a natureza religiosa e biológica da homossexualidade, salientes no contexto em que a influência normativa se processa. No Estudo 1, mostramos que a norma anti-preconceito reduz a expressão de atitudes preconceituosas contra os homossexuais apenas quando os participantes são colocados num contexto de alta pressão para o cumprimento da norma. No Estudo 2, mostramos que a anti-normatividade do preconceito prediz a menor expressão do preconceito e que esta predição é moderada pela adesão dos participantes a crenças religiosas e biológicas sobre a natureza da homossexualidade. No Estudo 3, mostramos, através de um estudo experimental...

O preconceito e a inclusão escolar : a influência do lugar (construindo escadas, superando muros)

Farina, Bárbara Cristina
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.22%
A monografia desenvolvida teve como objetivo avaliar a influência do Lugar na produção do Preconceito em relação aos alunos com Necessidades Educacionais Especiais em espaços escolares de Inclusão. Para tanto, este estudo foi alicerçado em uma pesquisa bibliográfica concentrada nos campos do saber da educação especial, da sociologia e da geografia, elencando como conceitos chave a Inclusão, o Lugar, o Preconceito e as Necessidades Educacionais Especiais. Pelo considerável leque de significações possíveis para os conceitos chave, cada um foi definido e aprofundado em um capítulo correspondente. Ao final, todos foram aproximados em um último capítulo, numa tentativa mais concreta de responder a questão que este trabalho levanta. Assim, o Lugar (como espaço de vivência do sujeito) foi identificado como possuidor de uma considerável influência na formação do Preconceito, podendo auxiliar tanto na sua manutenção quanto na sua transformação. Tornou-se, possível, assim, perceber o Lugar como um espaço flexível, passível de modificação pela ação de seus elementos verticais (globais) ou horizontais (particularizados). Ainda, foi possível perceber, na análise, que a Inclusão figura como um novo elemento horizontal do Lugar 'sala de aula'; elemento este que passa a questionar o perfil idealizado de indivíduo que (eleito pelo poder hegemônico) demarca a normalidade e o desvio. A Inclusão funciona...

Preconceito ling????stico: uma barreira a ser superada

Rocha, Maria da Penha Borba; Souza Silva, Maria Gilda Martins de; Santos, N??bia Rodrigues dos; Oliveira, Rozana Maria de
Fonte: Centro Universitário de Brasília Publicador: Centro Universitário de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.22%
Este trabalho trata da rela????o entre o ensino da l??ngua portuguesa nas s??ries iniciais e o preconceito ling????stico nele inserido. O objetivo ?? incentivar os professores a buscar novas maneiras de ensinar a l??ngua padr??o, promover respeito e valoriza????o pela forma de express??o trazida pelo aluno quando chega ?? escola. Os objetivos tra??ados foram alcan??ados ?? medida que houve mudan??a de postura frente ao conhecimento adquirido, desmistifica????o do preconceito diante dos pressupostos te??ricos e propostas de ensino capazes de minimizar a exclus??o social e cultural. O estudo realizado teve por princ??pio, analisar o preconceito ling????stico na sociedade, al??m de uma an??lise cr??tica da pr??tica pedag??gica em sala de aula, fundamentada em te??ricos socioling??istas que estudam a rela????o entre l??ngua e preconceito, seus pressupostos te??ricos, as convic????es de alguns professores e a pr??tica deles em sala de aula. Desenvolveu-se pr??ticas de leitura e an??lise de textos compostos por diversas variedades ling????sticas, a fim de mostrar a diversidade na linguagem e promover valoriza????o e respeito por todas.Tamb??m pretendeu-se mostrar a diferen??a entre gram??tica e oralidade, desvelando o preconceito. O trabalho ficou restrito a uma escola da periferia de Bras??lia...

Os Flintstones e o preconceito na escola

Baibich, Tânia Maria
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 26/11/2004 POR
Relevância na Pesquisa
37.22%
Em nosso país, que é tido pelo “imaginário mundial” e por si mesmo, como um paraíso de mestiçagem, a hipocrisia do não questionamento suficiente no que tange às diferenças que são muitas, tem permitido a manutenção e o agravamento do silêncio que fala a favor do preconceito. A não pluralidade na educação é apenas uma das formas de preservação do grande tapete da “democracia racial” que esconde a falta de democracia real. Este artigo, ao passear por entre os conceitos de alteridade e preconceito, pretende convidar o leitor à reflexão sobre a prática da negação do preconceito no âmbito da escola e suas conseqüências funestas para a manutenção do mesmo no tecido social. Com o intuito de ilustrar as considerações acerca do processo de “varredura para debaixo do tapete” utilizado na maioria dos espaços de socialização em nossa sociedade e não menos notadamente nas escolas, busca, mediante entrevista com alguns professores de uma escola pública do Estado do Paraná, dados para melhor diagnosticar a atitude da escola bem como a dos professores no que tange ao reconhecimento da existência à profilaxia e/ou o tratamento do preconceito. As análises indicam que a escola, mesmo a que se pretende voltada à convivência entre os diferentes...

Reflexões sobre o preconceito - em busca de relações mais humanas; Reflections on the bias - in search of more human relations

Martins, Mônica Mastrantonio
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; avaliado por pares; Formato: application/pdf
Publicado em 09/12/2005 POR
Relevância na Pesquisa
37.35%
This study establishes the principles which generate prejudice present both in subjectivity and actual social relationships. Prejudice is conceived as a distorted appropriation of reality cohen people project in other people, group or society elements no acceptable in themselves. Prejudice could be present in individuals’ actions, language and attitudes. In relationships based in prejudice, the other human being is seen as just an object, and not as an active subject of the human relation and subjectivity. There are different factors which help in the appearance and development of prejudice in our society, for example: dogmatic relations, with no criticism, no history, and no reflection among individuals, poor identification of human beings with humanity, no equality in the relations, and difficulties in dealing with weakness and imperfections that are projected to the prejudice objects. In a capitalist world, based on private property, alienation and narcissism, prejudice alienates both the subject and object of prejudice in a static relation. There are so many examples of prejudice, uncountable as the history of mankind, and vary from the barbarism of holocaust to jokes and proverbs that project the negative characteristics of human kind to minor groups. This way...