Página 1 dos resultados de 26 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Análise regional de freqüências aplicada à precipitação pluvial

Carvalho, Teresa Luisa Lima de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.11%
O conhecimento da probabilidade de ocorrência de precipitações é de grande importância para o planejamento de atividades como produção agrícola, sistemas de abastecimento de água e geração de energia. Neste sentido, a análise regional de freqüências se apresenta como uma ferramenta para a redução de incertezas na estimativa das probabilidades, podendo também diminuir a dimensionalidade das informações. Desta forma, esta pesquisa tem por objetivo estudar uma metodologia para análise regional de freqüências, aplicada à precipitação, na qual se admite que as séries que formam uma região homogênea seguem uma mesma distribuição, que dispensa a utilização de fatores de escala locais, e que seus parâmetros podem ser satisfatoriamente estimados pela média dos parâmetros de ajuste das séries locais. Para compor a metodologia foi construído um teste de homogeneidade regional e um teste para avaliar a qualidade do agrupamento, que leva em consideração os objetivos da análise. Os dois testes citados e a verificação da qualidade da obtenção da distribuição regional pela média dos parâmetros locais foram baseados na medida da máxima diferença de probabilidades entre duas séries e no teste de aderência de Kolmogorov-Smirnov (KS)...

Variabilidade dos totais mensais e anuais das precipitações pluviométricas no estado do Rio Grande do Sul

Eberhardt, Denise Antonia; Estefanel, Valduíno
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
45.96%

Os areais do sudoeste do Rio Grande do Sul : estudo sobre as chuvas no Século XX e um possível cenário para o Século XXI

Sanches, Fabio de Oliveira
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.35%
Na região da campanha gaúcha, no sudoeste do estado do Rio Grande do Sul, existem áreas que demonstram fragilidade em relação às características litológicas, pedológicas e da cobertura vegetal, principalmente, quando relacionadas às dinâmicas do clima. Os areais da região têm despertado especial atenção nas últimas décadas, devido a questões históricas, socioeconômicas e ambientais. O processo de arenização está relacionado à dinâmica de fenômenos naturais como as precipitações intensas e período de estiagens, estes associadas à dinâmica dos ventos. Contudo, frente aos estudos de simulação climática que projetam os possíveis cenários climáticos futuros, quais seriam as possíveis dinâmicas processuais na região dos areais? O presente trabalho tem por objetivo geral desenvolver um estudo observacional sobre a dinâmica das precipitações para a região no decorrer do século XX, buscando encontrar possíveis evidências de modificação na sua dinâmica em relação ao processo de arenização. O trabalho, também, analisou os dados de precipitação a partir do modelo downscaling Eta/CPTEC 40 km acoplado ao Modelo Climático Global HadCM3 para o cenário SRES A1B. Foram utilizados dados pluviométricos diários dos postos de Alegrete (RS) disponíveis pela Agência Nacional de Águas...

Identificação de regiões pluviometricamente homogêneas no Estado do Rio de Janeiro, utilizando-se valores mensais

André, Romisio Geraldo Bouhid; Marques, Valdo da Silva; Pinheiro, Francisca Maria Alves; Ferraudo, Antonio Sergio
Fonte: Sociedade Brasileira de Meteorologia Publicador: Sociedade Brasileira de Meteorologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 501-509
POR
Relevância na Pesquisa
26.19%
O objetivo deste trabalho é dar uma contribuição ao estudo das condições climáticas do Estado do Rio de Janeiro, visando a uma melhor Classificação Climática por meio da identificação de regiões homogêneas em precipitação. Para isto foram utilizadas médias mensais da precipitação de 48 estações meteorológicas, em um período de 30 anos (1971-2000). A análise hierárquica de agrupamento, a orografia e a proximidade do mar, mostraram que o Estado do Rio de Janeiro pode ser dividido, quanto à precipitação, em seis regiões pluviometricamente homogêneas o que possibilitou classificar as estações meteorológicas pelo método de classificação não hierárquica k-means. A região norte do Estado, com precipitações anuais em torno de 870 mm é a mais seca, e a região da encosta sul da Serra do Mar, com 2020 mm, é a mais chuvosa. Mas, em ambas as regiões, os valores da precipitação da estação chuvosa representam em torno de 70% dos totais anuais.; The aim of this work is to give a contribution to the study of climatic conditions for Rio de Janeiro State towards a better Climatic Classification by identifying homogeneous precipitation regions. Monthly mean rainfall for a period of thirty years (1971-2000)...

Alterações climáticas e necessidades de rega na bacia do Guadiana

Serralheiro, Ricardo; Valverde, Pedro; Carvalho, Mário
Fonte: ISAPress/FCT Projeto PTDC/AAC-AMB/113639/2009 Publicador: ISAPress/FCT Projeto PTDC/AAC-AMB/113639/2009
Tipo: Parte de Livro
POR
Relevância na Pesquisa
46.38%
Para avaliar os impactos das alterações climáticas nas necessidades de rega das principais culturas regadas na bacia do Guadiana, definiu-se um período histórico (1963.2009)para o qual foi possível dispor de uma série bastante completa de valores médios diários e mensais das temperaturas e das precipitações. Com base neste histórico climático foram determinadas as tendências de variação das grandezas climáticas referidas, mensais e anuais. Numa segunda fase do projeto, tendo sido possível dispor de simulações das alterações climáticas a verificar na bacia do Guadiana, calcularam-se para os períodos futuros 2011-2040 e 2041-2070 as mesmas grandezas climáticas e as necessidades de rega delas decorrentes. Conclui-se que se manterão no futuro as tendências de crescimento das temperaturas e da evapotranspiração das culturas, já verificadas para o período histórico. Também para as precipitações se verificarão no futuro alterações no mesmo sentido de diminuição das disponibilidades de valores totais,com acréscimo da irregularidade das distribuições mensais e anuais. Os aumentos que daí decorrem para as necessidades de rega, úteis e totais, são de molde a por em causa a sustentabilidade de alguns dos cenários agrícolas de regadio mais gastadores do recurso água.

Tendências em séries de precipitação mensal em Portugal continental: aplicação do teste de Mann-Kendall

Santos, João Filipe; Portela, Maria Manuela
Fonte: Repositório Comum de Portugal Publicador: Repositório Comum de Portugal
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2007 POR
Relevância na Pesquisa
86.33%
Comunicação apresentada no 8º Simpósio de Hidráulica e Recursos Hídricos dos Países de Língua Oficial Portuguesa, São Paulo (Brasil); Em consequência da mudança climática que se admite estar a ocorrer, esperam-se alterações no comportamento das séries temporais de variáveis hidro-climatológicas, em especial no daquelas que mais directamente se relacionam com o clima, como sejam a precipitação e a temperatura. A apreciação de tais alterações pode apoiar-se na análise dos registos disponíveis, desde que tais registos se refiram a séries longas. De modo geral, apenas para a precipitação se dispõe de séries, não só longas, mas também num número muito significativo de pontos de medição, circunstância que, de algum modo, possibilita a caracterização espacial das alterações que venham a ser detectadas. No anterior contexto, o presente artigo aborda a detecção de tendências e a quantificação da magnitude dessas tendências nas séries de precipitações mensais e anuais em 98 postos udométricos de Portugal Continental. Para o efeito, tendo por base o período de análise de 94 anos (entre 1910/11 e 2003/04), recorreu-se ao teste estatístico não paramétrico de Mann Kendall, para detectar as tendências estatisticamente significativas...

Distribuição e curso anual das precipitações no Estado de São Paulo

Schröder,Rudolf
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1956 PT
Relevância na Pesquisa
36.18%
O presente trabalho trata da distribuição local e sazonal das chuvas no Estado de São Paulo. Serviram de base para sua elaboração os valores da precipitação de 249 postos pluviométricos, cuja distribuição exata é dada numa carta (fig. 4). Descrevemos detalhadamente o material utilizado, comparando-o com séries de observações mais longas de alguns postos pluviométricos, dando atenção especial à decomposição do valor médio. A. descrição da precipitação pluviométrica anual é ordenada segundo os grandes grupos de paisagens geográficas do Estado de São Paulo, como seguem: região costeira, com as paisagens do litoral de S. Sebastião, Santos, Iguapé e Alto do Ribeira; região do Planalto Paulista, que se estende da Serra do Mar até o Rio Paraná; região montanhosa, da Serra da Mantiqueira; e, finalmente, região do Vale do Paraíba, que se apresenta com um caráter próprio em relação às chuvas. Tratando-se de um trabalho para fins agrícolas, as isoiêtas entre 1.000 e 1.500 mm estão representadas com intervalos de 100 mm, e aquelas de 1.500 a 1.700 mm, com intervalos de 200 mm; a partir de 1.700 o intervalo é de 300 mm. E como as chuvas anuais, a partir de 2.000 mm são menos importantes para a agricultura do Estado...

Correlação entre estimativas oficiais de produção de café e precipitação pluviométrica, no estado de São Paulo

Tosello,Rino N.; Arruda,Hermano V. de
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1962 PT
Relevância na Pesquisa
36.36%
No presente estudo são apresentados os resultados de investigação que teve como finalidade verificar a importância da distribuição das precipitações pluviométricas sôbre as produções de café. Para tanto foram selecionados 14 municípios cafeeiros abrangendo as mais diversas condições de solo e clima do Estado de São Paulo e nêles obtiveram-se as correlações das precipitações mensais de períodos selecionados e por grupos de municípios, com as estimativas oficiais de produção de café feita pela Superintendência dos Serviços de Café, da Secretaria da Fazenda. Verificou-se que as correlações eram tanto mais acentuadas quanto mais elevadas eram as médias dos municípios, perdendo em significância para aquêles de mais baixa produção. As precipitações dos períodos de abril-setembro e julho-setembro foram as que apresentaram correlação mais estreita com as produções, perecendo haver uma tendência definitiva para dar maior pêso às precipitações dos meses de julho, agôsto e setembro, que constituem o período final da estação sêca e coincidem com a época de florescimento do cafeeiro, o que se verifica a partir de julho. Também foram objeto de estudo as correlações entre estimativas oficiais de produção de café e as deficiências de água no solo...

Identificação de regiões pluviometricamente homogêneas no Estado do Rio de Janeiro, utilizando-se valores mensais

André,Romisio Geraldo Bouhid; Marques,Valdo da Silva; Pinheiro,Francisca Maria Alves; Ferraudo,Antonio Sergio
Fonte: Sociedade Brasileira de Meteorologia Publicador: Sociedade Brasileira de Meteorologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2008 PT
Relevância na Pesquisa
26.19%
O objetivo deste trabalho é dar uma contribuição ao estudo das condições climáticas do Estado do Rio de Janeiro, visando a uma melhor Classificação Climática por meio da identificação de regiões homogêneas em precipitação. Para isto foram utilizadas médias mensais da precipitação de 48 estações meteorológicas, em um período de 30 anos (1971-2000). A análise hierárquica de agrupamento, a orografia e a proximidade do mar, mostraram que o Estado do Rio de Janeiro pode ser dividido, quanto à precipitação, em seis regiões pluviometricamente homogêneas o que possibilitou classificar as estações meteorológicas pelo método de classificação não hierárquica k-means. A região norte do Estado, com precipitações anuais em torno de 870 mm é a mais seca, e a região da encosta sul da Serra do Mar, com 2020 mm, é a mais chuvosa. Mas, em ambas as regiões, os valores da precipitação da estação chuvosa representam em torno de 70% dos totais anuais.

Variabilidade temporal da precipitação mensal e anual na estação climatológica de Uberaba-MG

Silva,José Waldemar da; Guimarães,Ednaldo Carvalho; Tavares,Marcelo
Fonte: Editora da Universidade Federal de Lavras Publicador: Editora da Universidade Federal de Lavras
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2003 PT
Relevância na Pesquisa
46.09%
A análise da variabilidade espacial e da variabilidade temporal de atributos naturais vem recebendo destaque nos últimos tempos, devido à possibilidade de se realizar estimativas com maior precisão, destacando-se entre esses atributos a precipitação pluviométrica. Objetivou-se com este trabalho estudar o comportamento temporal das chuvas mensais na Estação Climatológica de Uberaba - MG, utilizando-se a série das precipitações pluviais mensais e anuais de 1914 a 2000. Os dados referentes à Estação Climatológica de Uberaba - Estação Experimental Getúlio Vargas - foram obtidos no Laboratório de Climatologia e Recursos Hídricos do Instituto de Geografia - Universidade Federal de Uberlândia. Realizou-se análise exploratória dos dados por meio de algumas estatísticas, como média aritmética, desvio-padrão, valores máximos e valores mínimos e histogramas. A análise de variabilidade temporal foi feita por meio de semivariâncias. Verificou-se uma tendência à normalidade nos meses correspondentes ao período de outubro a março e assimetria no período de abril a setembro. Observou-se a presença do efeito pepita puro, não constatando-se dependência temporal e, conseqüentemente, estudos e inferências estatísticas podem ser realizados com base em métodos da estatística não espacial.

Analise da variabilidade das chuvas nas regiões ambientais do estado de Alagoas.; Review of the variability of rainfall environmental regions of the State of Alagoas.

Teixeira, Emanuel Ramos
Fonte: Universidade Federal de Alagoas; BR; Processos de superfície terrestre; Programa de Pós-Graduação em Meteorologia; UFAL Publicador: Universidade Federal de Alagoas; BR; Processos de superfície terrestre; Programa de Pós-Graduação em Meteorologia; UFAL
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
46.2%
The present study examined the variability of rainfall in six environmental areas of Alagoas, both in space and for the segment of time, verifying the trend and frequency of rainy and dry periods, in order to characterize the variations and anomalies of the total monthly and annual rains. The data that generated the historical averages and the years studied, from 1993 to 2006 were obtained from the database of SUDENE and the Secretary of State for the Environment and Water - SEMARH / AL. We used a statistical technique to determine the average monthly and annual percentage deviations for use as criteria for choosing the standard year. The results indicate that all ENSO events have caused an increase in rainfall, but not all wet years can be explained by its occurrence. And that these wet years do not reach the entire region with the same intensity. It was also the irregularity of rainfall, typical of tropical areas. Of the 14 years studied, only 06 years can be considered normal, whose deviations from the average is between -15% and +15%.; No presente estudo foi analisada a variabilidade das chuvas nas seis regiões ambientais de Alagoas, tanto espacial como para o segmento de tempo, verificando a tendência e a periodicidade dos períodos chuvosos e secos...

Influência da sazonalidade sobre a fenologia e oferta de frutos em Buíque - Pernambuco

Fonseca, Christianne Farias da; Pereira, Eugênia Cristina (Orientadora); Oliveira, Marcondes (Coorientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Dissertação
BR
Relevância na Pesquisa
26.12%
Buíque é considerado um Complexo Vegetacional por possuir exemplares de ambientes úmidos e secos. Localiza-se no Agreste pernambucano, está inserido na unidade geoambiental do Planalto da Borborema, que é composta por maciços e outeiros altos; já no centro e a noroeste de Buíque encontram-se a Depressão Sertaneja e a Bacia Sedimentar do Jatobá. Com clima semiárido de baixas latitudes, responsável por grande parte da vegetação Caatinga, em outros pontos de Buíque a vegetação é mais densa, diversificada em número de espécies e famílias também ocorrentes em Mata Atlântica, como Myrtaceae (Psidium sp., Eugenia sp.) e Sapindaceae (Matayba sp.), encontradas com frequência em Buíque Centro. Foram analisadas quatro localidades: Amaro, Ponta da Vagem, Brejo São José/Sítio Alcobaça e Buíque Centro, com precipitações anuais que variaram de 436, 676, 674, 845 mm, respectivamente, com o objetivo de analisar e correlacionar os eventos fenológicos dos frutos e climáticos, tendo como base as bibliografias existentes, assim como os dados de precipitação e observações mensais de campo, realizadas de junho de 2010 a maio de 2011. Constatou-se que os frutos carnosos e zoocóricos ocorreram com maior representatividade em ambientes mais úmidos...

Relação entre a ocupação do solo e o comportamento hidrológico da Bacia Hidrográfica do Rio Pequeno - São José dos Pinhais - PR

Guimarães, João Luis Bittencourt
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
26.51%
O presente estudo identificou a correlação existente entre as alterações de uso do solo em uma bacia hidrográfica e as mudanças no ciclo hidrológico da mesma, mudanças estas evidenciadas pelo aumento do valor das vazões máximas anuais e mensais. O objeto deste estudo é a bacia hidrográfica do rio Pequeno, afluente do rio lguaçú, situada no norte do município de São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, Paraná, possuindo 130 km2 de área. Foi realizado o mapeamento do uso do solo da bacia em três diferentes épocas : 1953, 1980 e 1996. Para o estudo de correlação com as séries temporais hidrológicas, foi considerada somente a área de drenagem da bacia até a estação fluviométrica Fazendinha. Foram identificadas como principais alterações de uso que poderiam estar relacionadas a um possível incremento nas vazões máximas do rio Pequeno: a drenagem de 186,6 ha de áreas de várzea entre 1953 e 1980 (equivalente a uma diminuição de 27,4% em relação à área de várzeas em 1953); o corte de 434,6 ha de áreas de floresta entre 1953 e 1980 (diminuição de 10% da área total de florestas em 1953), sendo que 50 ha eram florestas aluviais (havendo uma diminuição de 15,1% em relação à cobertura de florestas aluviais de 1953); o incremento da área urbana em 144...

Identificação de áreas com precipitação pluvial homogênea no Estado do Rio Grande do Norte

Araújo, Jurema Maria Silva
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-graduação em Engenharia Sanitária; Saneamento Ambiental; Meio Ambiente; Recursos Hídricos e Hidráulica Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-graduação em Engenharia Sanitária; Saneamento Ambiental; Meio Ambiente; Recursos Hídricos e Hidráulica
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.18%
O estudo da variabilidade da precipitação é importante para o planejamento das atividades econômicas, possibilitando o uso mais eficiente e racional dos recursos hídricos. Dessa forma, o objetivo desta pesquisa é caracterizar o estado do Rio Grande do Norte com relação à variabilidade temporal da precipitação, agrupá-lo em regiões homogêneas e comparar diferentes técnicas de agrupamento. Para o estudo da variabilidade pluvial foram utilizados os índices: Grau de Concentração de Precipitação (PCD), que representa o grau em que a precipitação é distribuída ao longo do ano; e o Período de Concentração de Precipitação (PCP), que reflete o período no qual a precipitação está mais concentrada. Para a realização dos agrupamentos foram escolhidas as variáveis: PCD, PCP, médias da precipitações anuais e médias das precipitações mensais. Posteriormente, foi aplicada a análise de agrupamento para obter grupos com características similares. Os resultados mostraram que as precipitações são melhor distribuídas na região leste do estado, neste caso, os meses mais chuvosos são de maio a agosto. Os municípios localizados nessa área possuem dois picos de chuvas, devido à atuação de dois sistemas: Perturbações Ondulatórias dos Alísios (POA s) e Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). Nas regiões localizadas a oeste os meses que possuem maior concentração de chuvas são março e abril...

Variabilidade temporal da precipitação mensal e anual na estação climatológica de Uberaba-MG

Fonte: Editora da Universidade Federal de Lavras Publicador: Editora da Universidade Federal de Lavras
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
PT
Relevância na Pesquisa
46.09%
A análise da variabilidade espacial e da variabilidade temporal de atributos naturais vem recebendo destaque nos últimos tempos, devido à possibilidade de se realizar estimativas com maior precisão, destacando-se entre esses atributos a precipitação pluviométrica. Objetivou-se com este trabalho estudar o comportamento temporal das chuvas mensais na Estação Climatológica de Uberaba - MG, utilizando-se a série das precipitações pluviais mensais e anuais de 1914 a 2000. Os dados referentes à Estação Climatológica de Uberaba - Estação Experimental Getúlio Vargas - foram obtidos no Laboratório de Climatologia e Recursos Hídricos do Instituto de Geografia - Universidade Federal de Uberlândia. Realizou-se análise exploratória dos dados por meio de algumas estatísticas, como média aritmética, desvio-padrão, valores máximos e valores mínimos e histogramas. A análise de variabilidade temporal foi feita por meio de semivariâncias. Verificou-se uma tendência à normalidade nos meses correspondentes ao período de outubro a março e assimetria no período de abril a setembro. Observou-se a presença do efeito pepita puro, não constatando-se dependência temporal e, conseqüentemente, estudos e inferências estatísticas podem ser realizados com base em métodos da estatística não espacial.

Cálculo das vazões de outorga na irrigação de cana-de-açúcar: Influência do critério de irrigação e dos níveis de probabilidade de evapotranspiração e precipitação; Water rights flows rate calculation applied to sugarcane irrigation: Influence of irrigation criterion and the probability levels of evapotranspiration and precipitation

Maschio, Rafael
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 07/08/2015 PT
Relevância na Pesquisa
36.29%
Fatores ambientais adversos, dos quais o déficit hídrico constitui a restrição mais severa à agricultura, representam cerca de 70% das perdas de produtividade em todo o mundo. A irrigação da cana-de-açúcar é hoje, uma das principais alternativas tecnológicas para o aumento da produtividade do setor sucroenergético, melhorando não só a eficiência no campo como, também, reduzindo a ociosidade industrial das usinas. Contudo, havendo-se disponibilidade hídrica para irrigação, implica-se na necessidade de outorga de direito de uso para captação. A outorga é um dos seis instrumentos da Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei Federal nº 9.433, de 08 de janeiro de 1997). Esse instrumento tem como objetivo assegurar o controle quantitativo e qualitativo dos usos da água e o efetivo exercício dos direitos de acesso aos recursos hídricos. O cálculo das vazões mensais de outorga para captação em corpos hídricos de domínio federal é atualmente obtido através de dados estimados de precipitação pluvial efetiva provável e evapotranspiração de referência do local, fornecidos pela Agência Nacional de Águas (ANA), de parâmetros da cultura (época de plantio e coeficientes de cultura - kc), área irrigada e eficiência da irrigação...

Estudo dos periodos secos : duração, extensão e frequencia

Marcelo Tsuyoshi Haraguchi
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em //2001 PT
Relevância na Pesquisa
26.12%
Para a determinação das secas meteorológicas numa dada região são utilizadas as séries de precipitação. Os métodos utilizados direcionam os estudos, primeiramente, para a verificação da ocorrência do fenômeno, e depois para a verificação das áreas e regiões afetadas e a sua duração, ou seja, uma análise qualitativa e quantitativa. O objetivo deste trabalho é propor uma metodologia para determinar a ocorrência das secas meteoro lógicas no Estado de São Paulo, através do critério de nível de fechamento, ou demanda, ou ainda, probabilidade do evento ser superado ou igualado para menos. A partir da análise do papel de probabilidade aritmético normal é possível estabelecer e determinar padrões de referência para a caracterização e quantificação do fenômeno quanto a duração, extensão e freqüência. Pretende ainda apresentar os conceitos relacionados ao tema com as diferentes metodologias de análise destas situações. Para tanto, a partir das séries de precipitações selecionadas, em que constam 468 estações meteorológicas localizados pela latitude e longitude, com período de 1960 a 1997, com dados contemporâneos (abrangem o mesmo período de anos), é proposto um programa ou modelo que verifica quais dessas estações apresentaram valores de precipitação inferior ao estabelecido pelo nível de fechamento ou probabilidade do evento ser superado ou igualado para menos. É importante ressaltar que os dados disponíveis foram de alturas de chuvas mensais...

Caracterização e probabilidades de ocorrência de estiagens e períodos chuvosos no estado de Santa Catarina

Coan, Bruno de Pellegrin
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
36.45%
Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade do Extremo Sul Catarinense-UNESC, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências Ambientais.; A chuva é um dos fatores meteorológicos que apresenta grande variação espacial e temporal. Diversos trabalhos ao ar livre são afetados de forma direta e indireta pela sua ausência ou excesso de precipitação. Este trabalho teve como objetivo caracterizar a frequência e distribuição da precipitação mensal e anual bem como a frequência de ocorrência de períodos secos e chuvosos no Estado de Santa Catarina. Foram utilizados os dados de precipitação diária do período de 1970 a 2012 de 92 estações pluviométricas distribuídas no estado de Santa Catarina, monitoradas pela Agência Nacional de Águas (ANA). Com o teste de Kolmogorov-Smirnov, foram avaliadas as aderências das distribuições mensais a distribuição gama e para as precipitações totais anuais avaliou-se a aderência para distribuição normal e gama. Para a estimativa da sequencia de dias secos e chuvosos foi usada a distribuição geométrica, em que os parâmetros foram obtidos das matrizes de transição entre dias secos e chuvosos segundo a cadeia de Markov de primeira ordem e dois estados. O critério adotado como dia seco foi valor de precipitação inferior a 1...

TENDÊNCIAS CLIMÁTICAS E A INCIDÊNCIA DA DENGUE EM CIDADES DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASO DE LONDRINA, MARINGÁ (PR) E FLORIANÓPOLIS (SC).

Ely, Deise Fabiana; Universidade Estadual de Londrina
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 08/06/2014 POR
Relevância na Pesquisa
36.11%
No contexto atual, a dengue constitui um dos principais problemas de saúde pública no Brasil e no mundo, pois faz anual e sazonalmente centenas de milhares de vítimas. O presente artigo tem como objetivo principal analisar as tendências climáticas nas cidades de Londrina, Maringá (PR) e Florianópolis (SC) com o intuito de compreender a correlação das condições climáticas com a incidência da dengue no sul do Brasil. Para tanto, os dados de temperatura média e precipitação foram organizados em gráficos e tabelas para o período de 1983 a 2010 e submetidos aos testes estatísticos da regressão linear, Mann-Kendall e Pettitt. Também foram elaborados gráficos para a representação das notificações dos primeiros sintomas dos casos de dengue em conjunto com os totais pluviométricos e as médias térmicas mensais para o período de 2007 a 2010, submetidos ao teste de correlação de Pearson. Foram observadas tendências positivas nas precipitações de Londrina e Florianópolis, mas negativas para Maringá. Os testes de Mann-Kendall e Pettitt revelaram não ocorrer mudanças significativas nas precipitações anuais das três localidades. Com relação à variabilidade das temperaturas médias, a regressão linear indica tendências positivas para todas as localidades; enquanto que o teste de Mann-Kendall aponta tendências positivas para as temperaturas médias de Maringá e Florianópolis e para as médias das mínimas de Londrina. Foi verificada uma correlação temporal entre a eclosão dos casos de dengue após períodos chuvosos e temperaturas médias entre 17 e 27°C e que as condições climáticas de Florianópolis têm dificultado a reprodução e sobrevivência do vetor da dengue.

Monitoramento da erosividade na área do reservatório da hidroelétrica de Cachoeira Dourada, GO/MG; Monitoring of erosivity in the area of contribution of the reservoir of the hidroeletric Cachoeira Dourada, GO/MG

Cabral, João Batista Pereira; UFG; Becegato, Valter Antonio; UDESC - Lages - SC; da Assunção, Hildeu Ferreira; UFG - Jatai - GO; Rafaelli Neto, Sílvio Luis
Fonte: Editora da UFSC Publicador: Editora da UFSC
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/01/2007 POR
Relevância na Pesquisa
36.17%
Determinou-se o índice de erosividade (EI30) e a espacialização do mesmo nas bacias de contribuição do reservatório da hidroelétrica Cachoeira Dourada localizada entre os Estados de Goiás e Minas Gerais, limitado pelas coordenadas 48º 32’ a 49º 34’ E, 18º 20’ a 18º 53’ N. Utilizou-se dados de 8 localidades referente a 30 anos das precipitações médias mensais e anuais. Verificou-se que neste período a precipitação média anual foi de 1.441 mm, sendo que o maior índice ocorreu no mês de janeiro e o menor em julho com 7,5 mm. O EI30 variou de 7.100 a 8.500 MJ mm (ha h)-1, cujo período mais representativo concentrou-se nos meses de outubro a março com 7.880,3 MJ mm (ha h)-1, correspondendo a 94% do EI30 médio anual. O coeficiente de variação médio das precipitações para todas as estações foi de 82,73%. Existe uma distribuição irregular das chuvas na região e como conseqüência uma espacialização desuniforme dos índices de erosividade dentro da área de influência do reservatório. As maiores precipitações coincidem com o período de preparo dos solos e desenvolvimento das plantas de ciclo anual principalmente a soja e o milho.; The erosivity index (EI30) was determined as well as their spacing in the contribution basins of the Cachoeira Dourada hydroelectric plant reservoir at the border with states Goiás and Minas Gerais...