Página 1 dos resultados de 118 itens digitais encontrados em 0.085 segundos

Práticas integrativas e  complementares para a promoção da saúde; Complementary and integrative practices to promote health

Ischkanian, Paula Cristina
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/09/2011 PT
Relevância na Pesquisa
136.59%
A Promoção da Saúde tem contribuído para a construção de ações que possibilitam responder aos interesses e demandas da população visando à melhoria do nível de sua saúde. Como forma de integrar outras racionalidades médicas à Atenção a Saúde, o Ministério da Saúde aprovou, em 2006, a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) buscando atender, sobretudo, a necessidade de incorporar e implementar experiências que há algum tempo vêm sendo desenvolvidas com sucesso no Sistema Único de Saúde (SUS) em resposta ao desejo de parte dos usuários, expresso nas recomendações de Conferências Nacionais de Saúde, desde 1988. Assim, tem se tornado cada vez mais urgente investigar os conhecimentos, opiniões e representações sociais dos gestores e profissionais de saúde sobre essas Práticas (PIC) no SUS, e identificar as dificuldades e desafios que se apresentaram em sua implementação, utilização e divulgação nos Serviços de Saúde. Decidiu-se realizar uma pesquisa na zona norte de São Paulo/SP, em uma Unidade Básica de Saúde e em um Ambulatório de Especialidades. A metodologia utilizada foi a qualitativa e os instrumentos, a análise documental e a entrevista, com roteiro pré-estabelecido. Os resultados mostraram que os gestores não estavam preparados para a implementação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no SUS...

Perfil dos pacientes, em geral e HIV positivos, atendidos em uma unidade de práticas integrativas e complementares da rede municipal de São Paulo; Profile of patients, in general and HIV positives, treated at an integrative and complementary health practices public unit, São Paulo City

Broitman, Marco
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 18/11/2011 PT
Relevância na Pesquisa
96.39%
Introdução: As práticas integrativas e complementares em saúde (PIC), entre as quais se inclui a acupuntura, vêm ganhando espaço nas últimas décadas no serviço público no Brasil. Em 2006 foi aprovada a lei que regulamenta a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), proporcionando maior impulso para essas práticas no SUS. Alinhada com essa política, a Unidade de Medicinas Tradicionais (UMT), no município de São Paulo, vem oferecendo desde 2005 atendimento com as PIC de maneira ampla e contínua. Entre os pacientes atendidos na UMT, há uma parcela de pacientes HIV positivos, cujo perfil é desconhecido. Objetivo: Descrever o perfil dos pacientes atendidos na Unidade de Medicinas Tradicionais e, em particular, dos pacientes HIV positivos, caracterizando: origem do encaminhamento, queixas, expectativas em relação ao tratamento e aspectos que mais influenciam negativamente a qualidade de vida desses pacientes. Métodos: Foi realizado um estudo transversal descritivo, analisando-se todos os prontuários dos pacientes atendidos na UMT entre 2006 e 2009. Os pacientes HIV positivos foram identificados e contatados para entrevista, para que informações detalhadas fossem obtidas. Foram usados um questionário de qualidade de vida específico para pacientes HIV positivos (HIV/AIDS-Targeted Quality of Life Instrument HAT-QoL) e um questionário desenvolvido pelo pesquisador. Resultados Foram incluídos 1960 pacientes...

Acupuntura no SUS - realidade e perspectivas; Acupuncture in SUS - Reality and Prospects

Sousa, Leandra Andreia de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 12/09/2014 PT
Relevância na Pesquisa
106.34%
A acupuntura, uma importante modalidade terapêutica da Medicina Tradicional Chinesa, é utilizada em mais de 130 países, e o panorama atual evidencia que o desenvolvimento mundial da acupuntura necessita incluí-la nos sistemas nacionais de saúde e no suporte governamental e acadêmico para sua legalização, normatização e inserção nas políticas públicas. No Brasil, a acupuntura é contemplada pela Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde (SUS) que inseriu o país na vanguarda das práticas integrativas no sistema oficial de saúde, no âmbito das Américas. A PNPIC, publicada na forma da Portaria Ministerial nº 971 de maio de 2006, por meio de seus objetivos, diretrizes e ações, tem possibilitado conhecer, apoiar, incorporar e implementar experiências que já vêm sendo desenvolvidas na rede pública de saúde, em municípios de praticamente todos os Estados. Embora a acupuntura já estivesse inserida nos serviços públicos de saúde de alguns municípios, antes da publicação da PNPIC, sua incorporação na rede pública estadual e municipal mostra que experiências têm ocorrido de modo desigual, descontinuado e, muitas vezes, sem o devido registro...

O conhecimento e interesse dos cirurgiões dentistas a respeito das práticas integrativas e complementares à saúde bucal na Prefeitura Municipal de Florianópolis - SC

Krug, Fernanda
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: 64 f.
PT_BR
Relevância na Pesquisa
116.32%
TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. Odontologia.; Sob um contexto mundial favorável, em 2006, o Ministério da Saúde aprovou a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PIC), com o propósito de que todos os serviços de saúde possam aplicar esses recursos terapêuticos no SUS, inclusive os consultórios odontológicos. Baseado nessa política, Florianópolis institucionalizou as PIC no município no ano de 2010. Acreditando que essas práticas sejam um recurso terapêutico que pode auxiliar os cirurgiões dentistas nas suas atividades diárias, o presente estudo teve como objetivo avaliar, através de questionário aplicado aos cirurgiões dentistas que atuam nas unidades básicas de saúde, o conhecimento e interesse desses profissionais a respeito das PIC e sua implementação no Município de Florianópolis-SC. O estudo observou que a maioria dos cirurgiões dentistas concorda com a implementação das PIC no SUS e mostra-se interessada no assunto. Além disso, muitos deles gostariam de implementar alguma PIC à saúde bucal na sua Unidade de Saúde, entretanto, observa-se que ainda lhes falta informação e conhecimento sobre as PIC e suas aplicações. Ainda são poucos os estudos que relacionam as PIC com a odontologia...

Práticas integrativas e complementares: oferta e produção de atendimentos no SUS e em municípios selecionados

Sousa,Islândia Maria Carvalho de; Bodstein,Regina Cele de Andrade; Tesser,Charles Dalcanale; Santos,Francisco de Assis da Silva; Hortale,Virginia Alonso
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2012 PT
Relevância na Pesquisa
96.5%
A Medicina Tradicional/Complementar e Alternativa tem crescido no mundo e sua importância vem sendo ressaltada em diversos estudos. No Brasil, a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares incentiva sua inserção e fortalecimento na atenção primária. Buscou-se identificar a oferta dos serviços e de práticas integrativas e complementares no SUS e a produção de atendimentos entre os anos 2000 e 2011, analisando as informações disponíveis nos bancos de dados nacionais vis-à-vis os dados da atenção primária nos municípios de Campinas (São Paulo), Florianópolis (Santa Catarina) e Recife (Pernambuco). A análise permitiu identificar um descompasso entre o que se registra nos sistemas de informação e o que se pratica nos municípios. Esse descompasso deve-se, em grande parte, à indefinição do escopo do que se compreende como práticas integrativas e complementares na Política Nacional, o que significa uma grande limitação para sua mensuração e avaliação, já que os sistemas de informação atuais não permitem o registro adequado dessas práticas.

Atenção farmacêutica e práticas integrativas e complementares no SUS: conhecimento e aceitação por parte da população sãojoanense

Marques,Luciene Alves Moreira; Vale,Flávia Vanessa Vieira Ribeiro do; Nogueira,Valéria Aparecida dos Santos; Mialhe,Fábio Luiz; Silva,Lara Cristina
Fonte: IMS-UERJ Publicador: IMS-UERJ
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2011 PT
Relevância na Pesquisa
116.52%
Em 2006, o Ministério da Saúde criou a Política Nacional de Terapias Integrativas e Complementares no SUS. O objetivo do estudo foi investigar o conhecimento e a aceitação das terapias integrativas e complementares e atenção farmacêutica por parte dos usuários do SUS. O estudo foi realizado na farmácia da Unidade Básica de Saúde da cidade de São João da Mata, Minas Gerais, Brasil. Um estudo transversal descritivo qualitativo e quantitativo foi realizado com três médicos e 35 usuários do serviço. Destes, 100% não conheciam as terapias integrativas e complementares. Após explicação clara e simples pelo pesquisador, 31,42% disseram que aceitariam o uso de fitoterapia, 51,42% aceitariam a acupuntura, 37,14% aceitariam a homeopatia e nenhum utilizaria a crenoterapia. Quando questionados sobre a atenção farmacêutica, 45,71% disseram já ter ouvido falar neste assunto, 22,85% sabem do que se trata e 31,42% nunca tinham ouvido falar em atenção farmacêutica. Quando os três médicos que atendem na unidade de saúde foram questionados, observou-se indiferença, não-aceitação e aceitação, respectivamente. Em conclusão, este estudo demonstrou que a grande maioria dos pesquisados aceitaria as terapias integrativas e complementares se estas fossem oferecidas pela unidade de saúde. Além disso...

Atenção primária, atenção psicossocial, práticas integrativas e complementares e suas afinidades eletivas

Tesser,Charles Dalcanale; Sousa,Islândia Maria Carvalho de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 PT
Relevância na Pesquisa
126.4%
Discutem-se afinidades eletivas entre três fenômenos na área da saúde: a atenção primária à saúde (APS), a abordagem psicossocial no cuidado à Saúde Mental e uso crescente das práticas integrativas e complementares (PIC). Apesar de suas diferenças, eles convergem como críticas e respostas a problemas do modelo médico hegemônico. Embora regulamentados e em implantação no Sistema Único de Saúde (as PIC de forma quase incipiente), tais fenômenos portam um caráter contra-hegemônico. Suas concepções de objeto, de meios e de fins do trabalho ou cuidado apresentam relevantes afinidades, como: centramento nos sujeitos em seus contextos sociais/familiares; abordagens ampliadas e holísticas; valorização de saberes/práticas não-biomédicos e de múltiplas formas, vivências e técnicas de cuidado; estímulo à auto-cura, participação ativa e empoderamento dos usuários; abordagem familiar e comunitária. Na organização das práticas e no relacionamento com a clientela há afinidades quanto à adequação sócio-cultural; parceria, dialogicidade e democratização das relações; trabalho territorial e construção/exploração de vínculos terapêuticos. Assinalam-se também convergências quanto aos efeitos terapêuticos e ético-políticos e discute-se o caráter relativamente desmedicalizante desses fenômenos...

Um método para a implantação e promoção de acesso às Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde

Santos,Melissa Costa; Tesser,Charles Dalcanale
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2012 PT
Relevância na Pesquisa
96.39%
A oferta de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde é estimulada para ampliar a integralidade da atenção e o acesso às mesmas, mas é um desafio incorporá-las aos serviços. Nosso objetivo é apresentar um método de implantação das PIC na Atenção Primária à Saúde, derivado da análise de experiências municipais, resultado parcial de estudo de mestrado cuja metodologia foi a pesquisa-ação. O método envolve 4 fases:1 - definição do núcleo responsável pela implantação e sua solidificação; 2 - análise situacional, com mapeamento de profissionais competentes já existentes; 3 - regulamentação, organização do acesso e legitimação; 4 - ciclo de implantação: pactuação de planos locais, tutoria e atividades de educação permanente em saúde. As fases são descritas, fundamentadas e sucintamente discutidas. O método estimula o desenvolvimento de ações racionais e sustentáveis, fomenta a gestão participativa, a construção da integralidade e a ampliação responsável do cuidado realizado na Atenção Primária à Saúde através da oferta progressiva e sustentável de Práticas Integrativas e Complementares.

Práticas integrativas e complementares de desafios para a educação

Azevedo,Elaine de; Pelicioni,Maria Cecília Focesi
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Publicador: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2011 PT
Relevância na Pesquisa
126.49%
Este ensaio analisa as Práticas Integrativas e Complementares (PICs) e objetiva mostrar as germinais (e potenciais) experiências de formação de profissionais nessa área com perfil para atuar no Sistema Único de Saúde (SUS). É apresentado um estado da arte de cursos na área das PICs, buscando sua interface com a Saúde Coletiva. Utilizaram-se autores das áreas de PICs e material da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares do Ministério da Saúde. Realizaram-se pesquisa conceitual sobre cursos que oferecem tais práticas e contatos com associações e coordenações de cursos dessas práticas. É possível afirmar-se que as PICs podem ser consideradas como estratégias de revitalização do sistema de saúde e de mudança no padrão biologizante e medicalizante do cuidado e da promoção da saúde. No entanto, evidencia-se o despreparo político e técnico de profissionais da saúde para atuar com PICs no SUS. Assim, julga-se essencial fomentar um processo educativo que forme profissionais das PICs em sintonia com as diretrizes do SUS e com os princípios da Saúde Coletiva.

Práticas integrativas e complementares e o modelo em defesa da vida: análise das novas políticas do SUS no Recife no período de 2009 a 2011

Almeida, Rodrigo Cariri Chalegre de; Martins, Paulo Henrique Novaes (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Dissertação
BR
Relevância na Pesquisa
116.5%
A busca por alternativas às abordagens biomédicas de cuidado à saúde tem despertado grande interesse nas pesquisas na área de saúde coletiva. Reconhecidas pela Organização Mundial de Saúde como sistemas complexos de compreensão do corpo humano e de suas relações com o ambiente, as práticas integrativas também podem ser denominadas alternativas, tradicionais, paralelas, holísticas, com muitas diferenças entrem estes conceitos. O município do Recife é pioneiro na implantação de um serviço específico de práticas integrativas e posteriormente, na ampliação da inserção das práticas nas diretrizes de seu modelo assistencial. Esta pesquisa dedica-se a analisar o núcleo de apoio em práticas integrativas – NAPI, um formato de núcleo de apoio à estratégia de saúde da família (NASF) com especificidade em práticas integrativas e complementares e principal estratégia da política municipal. Na experiência do Recife, este é mais um dos dispositivos de implantação e operacionalização do modelo de atenção em construção no município que visa, entre outras coisas, romper com a fragmentação do cuidado nas redes de atenção à saúde. A metodologia utilizada fundamenta-se na abordagem fenomenológica e hermenêutica da metodologia de análise de redes de cotidiano a MARES...

Práticas integrativas e complementares: conhecimentos. concepções, percepções e atitudes dos profissionais do Serviço Público de Saúde; Identify perceptions, conceptions, knowledge and attitudes of health professionals from three municipalities of two Brazilian states regarding Integrative and Complementary Practices

Gontijo, Mouzer Barbosa Alves
Fonte: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Programa de Pós-graduação em Ensino na Saúde (FM); Faculdade de Medicina - FM (RG) Publicador: Universidade Federal de Goiás; Brasil; UFG; Programa de Pós-graduação em Ensino na Saúde (FM); Faculdade de Medicina - FM (RG)
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
126.62%
The present study sought to identify knowledge and attitudes towards Integrative and Complementary Practices (PIC) among health professionals of the public service in three Brazilian municipalities. We conducted an exploratory cross-sectional study with professionals from top-level health of the municipalities of Araporã - Minas Gerais; Itumbiara - Goiás and Panamá -Goiás. For data collection was used a questionnaire with open and closed questions. The data were processed using SPSS version 17. Descriptive analysis was performed of data and cluster analysis (two-step cluster). The response rate was n = 118 participants (78.7%). The age of the respondents ranged from 23 to 66 years, with a mean of 33.6 years (± 9.6). The majority of respondents were nurses and doctor n = 24, followed by psychologists n = 15 and physiotherapists n = 13. Among the 117 who claim to know the PIC, the best known are: acupuncture n = 115, herbal medicine n = 104 and homeopathy n = 93. The lesser known are: anthroposophy n = 7, hydrotherapy n = 15 and Ayurvedicn = 20. Among the professionals who know these practices, n = 114 believe in acupuncture, n = 100 and only n = 24 believe in homeopathy. As the experience with the Integrative and Complementary Practices...

Uso de prácticas integradas y complementarias en el tratamiento del estrés ocupacional: una revisión integradora; Uso de práticas integrativas e complementares no tratamento de estresse ocupacional: uma revisão integrativa; Practical use complementary and integrative no stress occupational treatment: an integrative review

Llapa Rodríguez, Eliane Ofelia; da Silva, Gilvan Gomes; Neto, David Lopes; López Montesinos, María José; Seva Llor, Ana Myriam; Gois, Cristiane Franca Lisboa
Fonte: Murcia: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Murcia Publicador: Murcia: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Murcia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
SPA; ENG; POR
Relevância na Pesquisa
96.41%
Objetivo: Sintetizar la producción de conocimiento relacionado al uso de Prácticas Integradas y Complementarias (PIC) en el tratamiento del estrés laboral. Método: Revisión integradora, que tuvo como pregunta guía: ¿cuál es la producción del conocimento de las PIC relacionada al tratamiento del estrés laboral en el período de 2003 a 2013?. Para recolectar los datos se utilizaron las bases de datos Lilacs y Medline, utilizando la combinación de los descriptores "estrés" con "terapias complementarias", "medicamentos florales", "terapias mente-cuerpo", "terapias sensoriales a través de las artes", "terapia espiritual" y "terapias en estudio." Resultados: Se seleccionaron 48 artículos. Posteriormente se realizó por etapas la selección por los títulos de los artículos, evaluación de los resúmenes y el análisis y lectura de los textos completos. Del total, 07 artículos fueron analizados y construídas las categorías: Las PIC como tratamientos para reducir el estrés y otras enfermedades; El uso de las PIC en el tratamiento del estrés y La credibilidad Conclusiones: Las PIC vienen siendo utilizadas no sólo para reducir el estrés, sino también en la reducción de los niveles de ansiedad, síntomas depresivos, alivio del dolor y en la compulsión alimentaria. Las principales PIC mencionado fueron: MSBR...

Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS

Guilhermino, Jislaine de F.; Guerrero, Ana Tereza G.
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Tipo: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
126.36%
A iniciativa de se implantar programas, nos moldes deste Curso de Especialização – “Atenção Básica em Saúde da Família - Módulo: Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS”- PNPIC, para conhecer, identificar e caracterizar um modelo de atenção primária que contemple sistemas médicos complexos e alternativos e recursos terapêuticos que representem mecanismos naturais de prevenção de doenças e manutenção de saúde, utilizando tecnologias padronizadas, signifi ca no mínimo, para a comunidade/sociedade, a possibilidade de promover a inserção de uma prática louvável no contexto da Saúde Pública.

Gestão da Assistência Farmacêutica: módulo 3: unidade 5: políticas de saúde para a inserção da fitoterapia e da homeopatia no SUS

Biavatti, Maique Weber; Torres, Kátia
Fonte: Universidade Aberta do SUS Publicador: Universidade Aberta do SUS
Tipo: Texto Formato: Texto com 40 páginas no formato pdf
PT_BR
Relevância na Pesquisa
96.37%
A fitoterapia e a homeopatia são consideradas as duas principais práticas não hegemônicas. A temática introdutória desta Unidade apresenta o contexto nacional e internacional que levou nosso país a adotar políticas públicas para inserção de práticas integrativas e complementares no sistema de saúde. O conteúdo avança de forma mais específica, para a história da criação das políticas e as principais diretrizes que fomentaram o desenvolvimento e a inserção de tais práticas terapêuticas não hegemônicas no SUS, dentro do contexto da assistência farmacêutica. A discussão evolui para as Políticas públicas estabelecidas para o setor (PNPIC e PNPMF) e ao final do conteúdo, converge para uma abordagem sobre as estratégias para implantação das práticas não hegemônicas nos serviços de saúde.; 1.0; Ministério da Saúde

Diagnóstico situacional de práticas integrativas e complementares no SUS na região do Extremo Sul de Santa Catarina

Cândido, Marília Raupp
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso - TCC
PT_BR
Relevância na Pesquisa
96.38%
Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel no curso de Farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC.; Atualmente é crescente a busca por tratamentos que utilizam práticas integrativas e complementares (PICs), pois a sociedade vem resgatando de forma marcante os conhecimentos de culturas tradicionais. A publicação da Política Nacional de Praticas Integrativas e Complementares (PNPIC), institui a utilização destas no Sistema Único de Saúde. As práticas contempladas nesta política foram: a medicina tradicional chinesa acupuntura, homeopatia, fitoterapia, termalismo social, crenoterapia e a medicina antroposófica. O presente estudo objetivou identificar a utilização das PICs no SUS, em municípios do extremo sul de Santa Catarina (AMESC) através de visitas in loco e entrevista estruturada junto aos gestores ou profissionais por ele designados. As variáveis de análise foram: existência de normativas para a criação de serviços, tipos de PICs oferecidas e existência de profissionais de saúde especializados em alguma área das PICs. Dos municípios da AMESC, 60% disponibilizam algum tipo de PIC, sendo a fitoterapia e o uso de plantas medicinais as mais utilizadas...

Práticas integrativas e complementares de enfermeiros na atenção básica em saúde; Complementary and integrative practices of nurses in primary health care

Natalia Amorim Ramos
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 19/08/2015 PT
Relevância na Pesquisa
96.5%
Esta pesquisa teve como motivação a observação do aumento da demanda por Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PIC) no mundo e o processo de institucionalização das mesmas no Brasil, com a crescente legitimação destas por parte da sociedade, bem como o estabelecimento da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde (SUS), que atende sobretudo, à necessidade de se conhecer, apoiar, incorporar e implementar experiências que já vêm sendo desenvolvidas na rede pública, com vistas a uma atenção humanizada e centrada na integralidade do indivíduo, contribuindo para o fortalecimento dos princípios fundamentais do SUS. O objetivo deste trabalho foi identificar o conhecimento e os sentidos atribuídos pelos enfermeiros atuantes na atenção básica de um município de grande porte do interior de São Paulo sobre as práticas integrativas e complementares em saúde, pois os mesmos são os profissionais próximos dos usuários e têm um papel relevante junto à comunidade, sendo eles um dos agentes responsáveis por orientações e esclarecimentos aos usuários nos serviços. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário estruturado com 54 enfermeiros e entrevista com três enfermeiros...

Challenges of complementary and alternative medicine in the SUS aiming to health promotion; Desafios das práticas integrativas e complementares no SUS visando a promoção da saúde

Ischkanian, Paula Cristina; Pelicioni, Maria Cecília Focesi
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/08/2012 ENG
Relevância na Pesquisa
126.54%
The complementary and alternative medicines (CAM) besides promoting the reduction of costs, have also proven to be effective as well as they have invested in health promotion and health education, as a means of preventing the disease to take control and possibly result in serious consequences. OBJECTIVE: to investigate the knowledge, opinions and social representations of managers and health professionals about those practices (CAM) in Public Health System (SUS) as well as to identify the difficulties and challenges that are present in their implementation, use and disclosure in the Health Services. METHODS: the survey was carried out in a Basic Health Unit and Specialty Clinic in the northern area of São Paulo/SP, Brazil. We chose the qualitative approach with its instruments, documentary analysis and interviews based upon pre-established guidelines directed to managers and health professionals of these units. The total of 35 interviews took place between the months of July to August 2010. RESULTS: the results support the thesis that managers are not prepared to implement the National Policy on Complementary and Integrative Practices (NPCIP) inSUS: only five out of the twenty six respondents were aware of the National Policy (NPCIP); the biomedical model sessions still prevails; material supply and acquisition of raw materials used in some of the CAM have become a major issue in the unit; the disclosure of the CAM has not been enough so as to be fully known by professionals and users alike. Furthermore...

Atenção primária, atenção psicossocial, práticas integrativas e complementares e suas afinidades eletivas; Primary care, psychosocial care and complementary and alternative medicine: elective affinities

Tesser, Charles Dalcanale; Sousa, Islândia Maria Carvalho de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
126.4%
This article discusses the elective affinities between three phenomena in health: primary health care, the psychosocial approach to mental health care and the progressive use of complementary and integrative practices. Despite the differences between the three movements, they converge in their critique and answers to problems arising from the hegemonic biomedical care. Although regulated and under implementation in the National Health System (the complementary and integrative practices still in an incipient form), these phenomena bear a counter-hegemonic character. Their concepts of object, means and objectives of work or care have relevant affinities, such as focus on the subjects in their social contexts/family; extended and holistic approaches; appreciation of non-biomedical knowledge / practices and of manytypes, experiences and techniques of care; encouragement of self-healing, active participation and empowerment; family and community approach. In their organization of practices and relationship with customers there are affinities regarding: socio-cultural appropriateness; partnership, dialogue and democratization of relationships; territory-based work and stimulus to the establishment and use of therapeutic bondage. The convergences regarding their therapeutic and ethical-political effects are highlighted...

Um método para a implantação e promoção de acesso às Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde

Santos,Melissa Costa; Tesser,Charles Dalcanale
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2012 PT
Relevância na Pesquisa
96.39%
A oferta de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde é estimulada para ampliar a integralidade da atenção e o acesso às mesmas, mas é um desafio incorporá-las aos serviços. Nosso objetivo é apresentar um método de implantação das PIC na Atenção Primária à Saúde, derivado da análise de experiências municipais, resultado parcial de estudo de mestrado cuja metodologia foi a pesquisa-ação. O método envolve 4 fases:1 - definição do núcleo responsável pela implantação e sua solidificação; 2 - análise situacional, com mapeamento de profissionais competentes já existentes; 3 - regulamentação, organização do acesso e legitimação; 4 - ciclo de implantação: pactuação de planos locais, tutoria e atividades de educação permanente em saúde. As fases são descritas, fundamentadas e sucintamente discutidas. O método estimula o desenvolvimento de ações racionais e sustentáveis, fomenta a gestão participativa, a construção da integralidade e a ampliação responsável do cuidado realizado na Atenção Primária à Saúde através da oferta progressiva e sustentável de Práticas Integrativas e Complementares.

Práticas integrativas e complementares: oferta e produção de atendimentos no SUS e em municípios selecionados

Sousa,Islândia Maria Carvalho de; Bodstein,Regina Cele de Andrade; Tesser,Charles Dalcanale; Santos,Francisco de Assis da Silva; Hortale,Virginia Alonso
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2012 PT
Relevância na Pesquisa
96.5%
A Medicina Tradicional/Complementar e Alternativa tem crescido no mundo e sua importância vem sendo ressaltada em diversos estudos. No Brasil, a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares incentiva sua inserção e fortalecimento na atenção primária. Buscou-se identificar a oferta dos serviços e de práticas integrativas e complementares no SUS e a produção de atendimentos entre os anos 2000 e 2011, analisando as informações disponíveis nos bancos de dados nacionais vis-à-vis os dados da atenção primária nos municípios de Campinas (São Paulo), Florianópolis (Santa Catarina) e Recife (Pernambuco). A análise permitiu identificar um descompasso entre o que se registra nos sistemas de informação e o que se pratica nos municípios. Esse descompasso deve-se, em grande parte, à indefinição do escopo do que se compreende como práticas integrativas e complementares na Política Nacional, o que significa uma grande limitação para sua mensuração e avaliação, já que os sistemas de informação atuais não permitem o registro adequado dessas práticas.