Página 1 dos resultados de 2696 itens digitais encontrados em 0.009 segundos

Dinâmicas da política externa russa : as relações com a União Europeia nos mandatos de Putin e Medvedev

Figueiredo, Augusto Rodrigues Gomes
Fonte: FEUC Publicador: FEUC
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.51%
A Federação Russa tem sido um intrigante quebra-cabeças para muitos académicos e, também, para os seus parceiros no sistema internacional. A definição das suas prioridades estratégicas e da sua política externa reflecte equilíbrios de poder e influência difíceis de entender, o que torna a análise da política externa russa um desafio. O carácter presidencialista da definição e condução da política externa russa propicia dinâmicas paralelas, que acabam por influenciar o processo de tomada de decisão. Assim sendo, estilos de liderança, relações pessoais e grupos de influência assumem igualmente um papel central na definição e condução da política externa do Kremlin. Esta dissertação centra-se no estudo das relações UE-Rússia, mais concretamente, nas dimensões energética, na medida em que serão analisadas as guerras do gás e a maneira como a Rússia utiliza as suas reservas energéticas como alavanca política face à UE, e geoestratégica, nomeadamente no que concerne aos alargamentos da UE e o desenvolvimento das suas políticas de vizinhança para os países da ex-União Soviética. Momentos de cooperação e momentos de tensão vão alternando neste jogo de interesses que são as relações UE-Rússia...

Votações nominais, espectro ideológico político-partidário e política externa: o caso chileno (1994-2006); Roll-call, political ideologies and foreign policy: the case of Chile (1994-2006)

Ribeiro, Pedro Feliú
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/08/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.52%
A influência dos partidos políticos nas decisões dos congressistas é um tema extremamente debatido na ciência política. No que diz respeito à política externa, usualmente considerada como tema suprapartidário, a questão apresenta-se ainda mais inconclusiva. A presente pesquisa analisa todas as votações nominais em temas de política externa das Legislaturas 1994-1998, 1998-2002 e 2002-2006 da Câmara dos Deputados do Chile. Após construir um mapa espacial das preferências dos deputados chilenos em política externa, por meio da utilização do programa estatístico NOMINATE, concluo que a ideologia do partido político do legislador é fator preditivo de seu comportamento em política externa. Os achados indicam que o pressuposto da não manifestação das preferências dos legisladores latino-americanos em temas de política externa (abdicação) não encontra respaldo no caso chileno. Ademais, a comparação dos resultados obtidos nesta dissertação com outros estudos acerca da atuação legislativa na política doméstica chilena, evidenciou a similaridade entre ambos, sugerindo que os fatores que estruturam as decisões dos deputados em política doméstica não difere daqueles em política externa; The influence of partisan politics in congressmen decisions is a much debated issue in political science. With respect to foreign policy...

Política externa e democracia: reflexões sobre o acesso à informação na política externa brasileira a partir da inserção da temática ambiental no caso dos pneus entre o Mercosul e a OMC; Foreign Policy and Democracy: access to information in Brazilian foreign policy since the introduction of environmenal arguments in the Retreaded Tyres case from Mercosur to the WTO

Specie, Priscila
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 04/08/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.5%
Esse trabalho explora a relação entre política externa e democracia a partir das reflexões sobre o acesso à informação na política externa brasileira com a inserção da temática ambiental no caso dos pneus, entre a controvérsia do Mercosul e o contencioso da OMC. Por meio de uma aproximação entre o instrumental teórico de análise de política externa e de políticas públicas foi possível questionar os limites do acesso à informação como condição para a participação de outros atores além do Ministério de Relações Exteriores (MRE) na redefinição da defesa do Brasil, com a inserção da temática ambiental, de uma instância para outra. A hipótese demonstrada refere-se à ampliação do acesso à informação que seguiu a ampliação dos espaços de definição da política externa no caso. Essa ampliação foi observada a partir do processo de descentralização dos espaços tradicionais de definição da política externa brasileira (MRE), com a inclusão, por exemplo, do Ministério do Meio Ambiente. No entanto, a tendência de ampliação do acesso à informação como condição para a participação de atores não governamentais, neste caso, mostrou-se limitada por uma conduta seletiva e informal pelos órgãos do governo para interlocução com determinados atores; This research aims at studying the relationship between foreign policy and democracy. The study focuses on access to information in Brazilian foreign policy through the introduction of the environmental arguments in the retreaded tyres dispute from Mercosur to the WTO (WT/DS332). The research was based on foreign and public policy analysis. These theoretical bases enabled to investigate the limits to a wider participation of actors other than the Ministry of Foreign Affairs (MRE) on foreign policy. The research shows an enlargement on policy making with the integration of the environmental arguments which resulted...

Comportamento legislativo e política externa na América Latina; Legislative behavior and foreign policy in Latin America

Ribeiro, Pedro Feliú
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 27/11/2012 PT
Relevância na Pesquisa
66.61%
Como votam os legisladores latino-americanos em temas de política externa? Essa pergunta é norteada por um longo debate na literatura especializada acerca da especificidade da política externa em relação às demais políticas públicas e sua influência no comportamento legislativo. Por um lado, argumenta-se uma tendência a um comportamento unificado entre os partidos políticos nos temas internacionais, revelando baixa politização da política externa na arena legislativa. O elevado custo eleitoral de se opor à política externa presidencial, o baixo retorno eleitoral dos temas internacionais e a maior capacidade institucional do Poder Executivo conduzir a política externa do país são alguns dos principais argumentos desta perspectiva analítica. Por outro lado, enfatiza-se a importância dos arranjos e coalizões domésticas na formulação da política externa, apontando semelhança entre os comportamentos legislativos nas arenas doméstica e internacional. A diluição entre a fronteira que divide os assuntos domésticos e internacionais, assim como o crescente efeito distributivo advindo da política externa em economias cada vez mais interdependentes são alguns dos fatores explicativos desta perspectiva teórica. Embora haja grande profusão de estudos acerca do comportamento legislativo na política externa cujo objeto é o caso norte-americano...

Do otimismo liberal à globalização assimétrica : a política externa do governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002)

Silva, André Luiz Reis da
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.51%
Este trabalho tem como objetivo analisar a política externa do governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), a partir do estudo de seus condicionamentos internos e externos, da sua concepção programática e da atuação diplomática implementada, nos âmbitos regional, bilateral e multilateral. Tem como eixo central de análise a consideração de que a política externa do governo Fernando Henrique Cardoso foi marcada pelo apogeu e crise da matriz neoliberal de inserção internacional do Brasil que, desde o início dos anos 1990, tinha como pressupostos adaptação do Brasil ao processo de globalização e a adoção de políticas neoliberais (sobretudo privatizações, desregulamentação e abertura econômica). A nova diplomacia procurou construir a imagem do Brasil como uma liderança regional que procurava uma inserção global, como compensação à vulnerabilidade econômica externa, bem como procurou uma maior aproximação com os países desenvolvidos, uma postura de participação e aceitação das bases e regras do ordenamento internacional e um afastamento do discurso terceiro-mundista. Ressaltando as oportunidades geradas para os países que aderissem à nova ordem, essa política externa orientava-se pelo otimismo em relação às transformações internacionais e às reformas neoliberais. Entretanto...

A política externa independente é notícia : o reatamento das relações diplomáticas com a URSS na perspectiva do jornal Correio do Povo (novembro de 1961)

Domingos, Charles Sidarta Machado
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.51%
Esta dissertação de Mestrado em História aborda a Política Externa Independente do governo João Goulart (1961-1964). Fundamentada no nacionalismo, essa política externa se constituía em um instrumento de desenvolvimento econômicosocial para o país, além de procurar uma nova inserção internacional para o Brasil naqueles anos intensos da Guerra Fria. Para obtermos uma maior aproximação com o que significou a Política Externa Independente para a época estudada, optamos tratar de um dos seus atos diplomáticos mais polêmicos: o reatamento das relações diplomáticas do Brasil com a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, realizado em 23 de novembro de 1961. Para tanto, elegemos como fonte privilegiada de nossa pesquisa o jornal Correio do Povo, de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. A escolha por esse jornal se deu por dois motivos, indissociáveis: sua auto-proclamada imparcialidade e sua tradição. Desse modo, através das notícias e opiniões veiculadas no Correio do Povo, procuramos perceber como se posicionavam os setores políticos em razão do restabelecimento de relações diplomáticas com a URSS, bem como qual a tendência geral que orientava o periódico em questão na época.; This is the thesis of masters degree in history that approaches Política Externa Independente of João Goularts government (1961-1964). Supported by the nationalism...

A nova política externa independente : o Governo Lula e a inserção externa brasileira no século 21; The new independent foreign policy: the Lula Administration and the Brazilian foreign policy in the 21st century

Mello, Eduardo Brigidi de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.58%
A partir de 2003, a política externa brasileira retomou mais claramente o padrão verificado entre 1930 e 1980. O Estado voltou a assumir papel fundamental no processo de desenvolvimento, como indutor da economia, priorizando o que se chamou de social-desenvolvimentismo. As aspirações do país mudaram e o universalismo, já consolidado, passou a protagonismo nas principais questões internacionais. A inovação consiste na ênfase com que o Governo Lula passou a defender a reforma social, tanto interna quanto externa. A premissa filosófica de que parte a atual administração é de que há uma relação simbiótica entre aquelas dimensões, e a solução dos problemas internos está condicionada ao reforço da posição do Brasil no sistema internacional. Como a justiça social encontra-se na base da atual gestão, identificaram-se elementos que possibilitam afirmar que a política externa do Governo Lula encontra seu mais aproximado comparativo na Política Externa Independente (PEI). Por tal proximidade, e também por razões didáticas, o atual período é denominado Nova Política Externa Independente (Nova PEI). A estratégia pode ser avaliada segundo os principais eixos táticos adotados a partir de 2003, que encontram correspondência nos eixos táticos da PEI: democracia e multilateralismo...

A importância da política externa no processo do desenvolvimento: o caso paradigmático de Cabo Verde

Tavares, Adilson de Jesus C.
Fonte: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa Publicador: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /07/2010 POR
Relevância na Pesquisa
66.58%
Dissertação de Mestrado em Ciência Política e Relações Internacionais, Especialização em Relações Internacionais; A importância da política externa no processo do desenvolvimento, não pode ser analisada de uma forma isolada, porque muitos factores e aspectos a envolvem. Por isso, para compreendermos até que ponto a política externa contribui no processo do desenvolvimento, recorremos a um estudo de caso, que consideramos ser um paradigma – Cabo Verde. Analisamos a política externa no processo do desenvolvimento de Cabo Verde no contexto africano. Nesta análise, constata-se que de um modo geral a política externa pouco contribui no processo de desenvolvimento do continente africano, na qual se deve a vários factores tais como a má governação e a corrupção. O uso dos financiamentos externos para fins que não ao desenvolvimento, tornou-se numa prática nos Estados pós-coloniais. Estes financiamentos que a sua boa utilização, mais a abundância de recursos naturais existentes na maioria destes territórios podiam proporcionar um desenvolvimento económico e bem-estar das suas populações, mas a situação é contrária, na mediada que a pobreza continua presente no quotidiano dos africanos, são vitimas de conflitos civis e militares cujo os bastidores são muitas vezes os próprios políticos...

As Características Teocráticas do Regime Político Iraniano e a Respectiva Influência na Formulação da Política Externa do País

Saraiva, Rui Faro
Fonte: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa Publicador: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /09/2010 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciência Política e Relações Internacionais – variante de Relações Internacionais; O derrube da monarquia secular do Xá Reza Pahlavi através da revolução islâmica iraniana de 1979, permitiu a emergência de um regime híbrido com traços teocráticos, onde imperam os preceitos e as normas clericais do xiismo duodecimano sobre as instituições republicanas. O Velayat-e Faqih e a República Islâmica do Irão nasceram assim com a referida revolução, através do seu pai fundador, Ayatollah Khomeini, formando-se uma nova ordem interna dotada de instituições electivas e não-electivas, onde muitas vezes não se distingue a fronteira entre o secular e o religioso. A retórica do regime a nível interno e externo assumiu contornos islâmicos e nacionalistas. A questão que se coloca ao nível da política externa iraniana consiste em compreender se a mesma é construída com base em interesses puramente geopolíticos e geoestratégicos, através de um paradigma realista, ou se existe, em simultâneo ou isoladamente, um elemento idealista conotado com o Islão. É assim legítimo questionar se existe um modo islâmico de fazer política externa e sobre o que distingue o Irão da actuação dos Estados seculares na política internacional. Embora o Líder Supremo permaneça como o locus do poder na estrutura formal do regime político iraniano...

Política externa contemporânea de Cabo Verde: a aposta na política externa como motor de desenvolvimento

Vieira, Adelina
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.53%
O intento principal desta investigação é a análise das causas do desenvolvimento socioeconómico de Cabo Verde. Tendo em conta os fracos recursos naturais, a insularidade, a limitação territorial, este trabalho procura demonstrar em que medida a política externa de Cabo Verde pode ser considerada como um motor do desenvolvimento socioeconómico do país. Nesta perspetiva, primeiramente foram analisadas as opções dos governos na política externa de Cabo Verde desde a independência à atualidade, focando nos principais pilares do desenvolvimento do país como a ajuda externa, turismo, remessas dos emigrantes, recursos marinhos e Investimento Direto Estrangeiro (IDE). Em segundo lugar foram analisadas as apostas dos governos na boa governação, na democracia, nas relações bilaterais com principais parceiros estrangeiros e a internacionalização da economia. Por fim a tese aborda as relações externas de Cabo Verde com a União Europeia (UE) e alguns dos seus países membros, nomeadamente Portugal, o impacto desta relação no desenvolvimento socioeconómico e na integração internacional de Cabo Verde. Segundo o estudo feito, as relações externas de Cabo Verde iniciaram-se antes da independência e, após a independência em 1975...

Política externa brasileira: os desafios de sua caracterização como política pública

Milani,Carlos R. S.; Pinheiro,Leticia
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Instituto de Relações Internacionais Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Instituto de Relações Internacionais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2013 PT
Relevância na Pesquisa
66.53%
Partindo da perspectiva de que a política externa é uma política pública (o Estado e o governo em ação no plano internacional), este artigo discute os desdobramentos conceituais e políticos da nova configuração da política externa brasileira. Ao considerarmos a política externa como política pública, rompemos sua associação automática com as versões mais cruas do realismo e a trazemos para o terreno da politics, ou seja, reconhecemos que sua formulação e implementação se inserem na dinâmica das escolhas de governo que, por sua vez, resultam de coalizões, barganhas, disputas, acordos entre representantes de interesses diversos. Portanto, retiramos a política externa de uma condição inercial vinculada a supostos interesses nacionais autoevidentes e/ou permanentes (protegidos das injunções conjunturais de natureza político-partidária) e a despimos das características geralmente atribuídas (ou preconcebidas) ao que se chama de política de Estado. Por fim, sugerimos caminhos de investigação inovadores, tais como: avançar no debate sociológico, organizacional e institucional sobre o papel da agência diplomática, seu processo de aprendizado e de transformação, bem como a necessidade de definir novos arranjos institucionais; repensar o lugar da agência diplomática na administração pública; e incorporar a perspectiva comparada no tempo e no espaço...

Política externa como política pública: uma análise pela regulamentação constitucional brasileira (1967-1988)

Ratton Sanchez,Michelle; Silva,Elaini C. G. da; Cardoso,Evorah L.; Spécie,Priscila
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2006 PT
Relevância na Pesquisa
66.55%
O objetivo deste trabalho é relacionar os debates sobre política externa e política pública, a partir de uma perspectiva constitucional. Para afastar o consenso de que a política externa sempre foi considerada como "externa" aos estados e distinta de toda e qualquer política doméstica - e assim de toda e qualquer política pública -, buscou-se identificar as políticas interna, externa e internacional como um continuum de um mesmo processo decisório. A partir desses pressupostos teóricos, apresentou-se uma análise da distribuição de competências da política externa brasileira nas constituições de 1967 e 1988, com o intuito de identificar, no contexto de redemocratização do Brasil possíveis alterações na regulamentação da política externa que sugerissem a incorporação de uma concepção de gestão poliárquica, que a aproximasse das demais políticas públicas. Por fim, compararam-se os mecanismos disponíveis na Constituição de 1988 para o controle da política externa e das políticas públicas em geral, a fim de proceder-se à sua aproximação e verificar a aplicabilidade dos mecanismos relativos às políticas públicas para controle da política externa.

A política externa cubana nos anos 90: condicionantes internos e inserção internacional

Silva,Marcos Antonio da; Johnson,Guillermo A.; Arce,Anatólio Medeiros
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2014 PT
Relevância na Pesquisa
66.51%
O presente trabalho analisa a política externa cubana nos anos 90, depois do colapso do bloco soviético, que conduziu o país a mais grave crise econômica de sua história recente e a um relativo isolamento internacional, elementos que foram determinantes para sua reinserção internacional. A partir disto aponta que sua reinserção internacional se fundamenta na afirmação da soberania nacional, na ampliação dos atores envolvidos na formulação e execução de tal política, na busca de novos parceiros que conduziu a uma inserção pendular no cenário internacional e no desenvolvimento da diplomacia social. A pesquisa foi realizada através de levantamento e análise bibliográfica, bem como de dados indicativos da situação econômica do país e de sua inserção internacional, combinando elementos de análise quantitaviva com a qualitativa. A hipótese inicial fundamenta-se na reorientação da política externa cubana, com o fim do bloco soviético, e na sua reinserção, embora tensa, no cenário internacional determinadas pela crise interna e pelo novo contexto internacional. O levantamento de dados foi possível através de pesquisas in loco e em portais e publicações de organismos como a CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina) e ONEI (Oficina Nacional de Estadistica y Informaciones)...

Política externa contemporânea de Cabo Verde: a aposta na política externa como motor de desenvolvimento

Vieira, Adelina
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.53%
O intento principal desta investigação é a análise das causas do desenvolvimento socioeconómico de Cabo Verde. Tendo em conta os fracos recursos naturais, a insularidade, a limitação territorial, este trabalho procura demonstrar em que medida a política externa de Cabo Verde pode ser considerada como um motor do desenvolvimento socioeconómico do país. Nesta perspetiva, primeiramente foram analisadas as opções dos governos na política externa de Cabo Verde desde a independência à atualidade, focando nos principais pilares do desenvolvimento do país como a ajuda externa, turismo, remessas dos emigrantes, recursos marinhos e Investimento Direto Estrangeiro (IDE). Em segundo lugar foram analisadas as apostas dos governos na boa governação, na democracia, nas relações bilaterais com principais parceiros estrangeiros e a internacionalização da economia. Por fim a tese aborda as relações externas de Cabo Verde com a União Europeia (UE) e alguns dos seus países membros, nomeadamente Portugal, o impacto desta relação no desenvolvimento socioeconómico e na integração internacional de Cabo Verde. Segundo o estudo feito, as relações externas de Cabo Verde iniciaram-se antes da independência e, após a independência em 1975...

Plano de defesa nacional : América do Sul e segurança regional na política externa brasileira

Oliveira, Andréa Benetti Carvalho de
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Dissertação Formato: 157f. : il. algumas color., tabs., maps.; application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
66.54%
Orientador: Prof. Dr. Alexsandro Eugênio Pereira; Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciência Política. Defesa: Curitiba, 12/01/2012; Inclui referências; Área de concentração: Política externa do Brasil; Resumo: O tema central da presente dissertação é como o Brasil compreende a segurança regional na América do Sul, no período entre os anos 2003 e 2010. Trata-se, em verdade, de estudo de Assuntos Estratégicos conjugado com estudo de Política Externa Brasileira, dando-se maior destaque a esta. Os documentos principais a orientar a dissertação são a Política de Defesa Nacional, a Estratégia Nacional de Defesa e a Doutrina Militar de Defesa. Todos esses três documentos, em conjunto, são expressões dos pensamentos militar e diplomático brasileiros na área de segurança e defesa, por conseguinte, do próprio Brasil em segurança nacional, regional e internacional - a pesquisa, no entanto, delimitou seu campo à segurança regional apenas. A pergunta que se busca responder é "qual a repercussão da Política de Defesa Nacional, da Estratégia Nacional de Defesa e da Doutrina Militar de Defesa na Política Externa Brasileira para a área da segurança regional...

Nigéria : história da política externa e das relações internacionais

Oliveira, Guilherme Ziebell de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.54%
O presente estudo busca analisar a política externa da Nigéria, país com a maior população africana e um dos maiores produtores mundiais de petróleo, desde a independência do país até os dias atuais, e verificar a existência (ou não) de uma política externa consolidada e coordenada, e de objetivos e realizações desta. A Nigéria ficou independente em 1960 e, desde então, mesmo sem conseguir criar uma identidade nacional unificada e estando cercada por ex-colônias francesas, buscou adotar uma política externa ativa, tendo a África como seu foco principal. O apoio internacional recebido pelos secessionistas na Guerra de Biafra, entre 1967 e 1970, aliado à percepção de fragilidade interna, levou o governo nigeriano a realizar uma inflexão em sua política externa. Assim, a partir da década de 1970, a Nigéria viveu o auge de sua política externa, impulsionado, sobretudo, pelos altos lucros oriundos da produção de petróleo. As flutuações ocorridas no preço do produto, especialmente a partir da década de 1980, associadas à grande instabilidade interna do país, levaram a diversas alterações na condução de sua política externa, sem que, entretanto, a África deixasse de ser seu foco principal. A partir de uma perspectiva histórica...

A política externa do governo Lula para a América do Sul: um projeto de liderança regional?

Coutinho, Jaqueline da Silva
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.52%
O presente estudo procura identificar as diretrizes de política externa do governo Lula para a América do Sul e, dessa maneira, verificar sua compatibilidade com um projeto de liderança regional. A política externa durante a administração do Presidente Lula foi fruto de continuidades e mudanças. Essas continuidades são baseadas na manutenção das grandes linhas que dirigem a política externa brasileira. Entretanto, ao tradicional são dadas novas ênfases, o que imprime à política externa um caráter de mudança. As mudanças são em parte pela influência do Partido dos Trabalhadores na formulação da política externa nacional, principalmente com a presença de assessor internacional Marco Aurélio Garcia – membro do PT – como assessor do presidente da república. Além disso, o estabelecimento de uma agenda social internacional – também resultado da influência partidária – é algo de destaque da política externa do governo Lula. Além disso, a adoção do paradigma logístico como modelo de atuação externa também dá novas abordagens para posições tradicionais da diplomacia brasileira. Essas mudanças levaram o Brasil a buscar exercer um papel de preponderância no sistema internacional. A América do Sul ocupou um espaço privilegiado na formulação política exterior durante esse período. Essa região foi vista como primeira e mais importante plataforma de inserção brasileira...

Um novo arranjo institucional para a política externa brasileira; Texto para Discussão (TD) 1521: Um novo arranjo institucional para a política externa brasileira; Texto para Discussão Cepal Ipea 3: Um novo arranjo institucional para a política externa brasileira; A new institutional arrangement for Brazilian foreign policy

Silva, Elaini Cristina Gonzaga da; Spécie, Priscila; Vitale, Denise
Fonte: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL); Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Publicador: Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL); Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
Tipo: Texto para Discussão (TD)
PT-BR
Relevância na Pesquisa
66.51%
As políticas públicas nacionais, particularmente a política externa, enfrentam novos desafios para que possam responder aos princípios de atuação externa e à posição que o Brasil tem ocupado no cenário mundial. Entre o conjunto de desafios, destaca-se a percepção de um novo arranjo no processo decisório para formulação e execução da política externa brasileira, evidenciado pela “horizontalização”, ou “descentralização horizontal”, deste processo no próprio Poder Executivo, a partir do momento em que o Ministério das Relações Exteriores do Brasil (MRE), ou Itamaraty, deixa de atuar isoladamente na condução dessa política. Do ponto de vista metodológico, a verificação dessa hipótese deve compreender, tanto uma análise normativa da competência dos diversos órgãos constituintes do Executivo federal, quanto uma pesquisa empírica que abranja também a dimensão da práxis política. Este artigo busca contribuir para a análise desse fenômeno por meio da identificação das instituições do Poder Executivo federal brasileiro que tem competência legal para participação nesse processo; e apresentação dos principais eixos da evolução da estrutura organizacional do MRE, tal como prevista normativamente...

A política externa cubana nos anos 90: condicionantes internos e inserção internacional

Silva, Marcos Antonio da; Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD); Johnson, Guillermo A.; Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD); Arce, Anatólio Medeiros; Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/03/2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.51%
O presente trabalho analisa a política externa cubana nos anos 90, depois do colapso do bloco soviético, que conduziu o país a mais grave crise econômica de sua história recente e a um relativo isolamento internacional, elementos que foram determinantes para sua reinserção internacional. A partir disto aponta que sua reinserção internacional se fundamenta na afirmação da soberania nacional, na ampliação dos atores envolvidos na formulação e execução de tal política, na busca de novos parceiros que conduziu a uma inserção pendular no cenário internacional e no desenvolvimento da diplomacia social. A pesquisa foi realizada através de levantamento e análise bibliográfica, bem como de dados indicativos da situação econômica do país e de sua inserção internacional, combinando elementos de análise quantitaviva com a qualitativa. A hipótese inicial fundamenta-se na reorientação da política externa cubana, com o fim do bloco soviético, e na sua reinserção, embora tensa, no cenário internacional determinadas pela crise interna e pelo novo contexto internacional. O levantamento de dados foi possível através de pesquisas in loco e em portais e publicações de organismos como a CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina) e ONEI (Oficina Nacional de Estadistica y Informaciones)...

O Brasil e os megaeventos esportivos: os subsídios da política externa; Brazil and the sport mega-events: the subsidies from Foreign Policy; Brasil y los grandes eventos deportivos: los subsidios de la Política Exterior

Almeida, Bárbara Schausteck de; Universidade Federal do Paraná e Universidade Estadual de Londrina; Marchi Júnior, Wanderley; Universidade Federal do Paraná
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 15/07/2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.52%
http://dx.doi.org/10.5007/2175-8042.2014v26n42p13O contexto de realização de grandes e megaeventos esportivos no Brasil aponta para a necessidade de uma expansão na percepção das áreas da política passíveis de subsídio às discussões e análises dessa relação. Especificamente, entendemos que a Política Externa pode agregar conceitos e entendimentos à leitura dos megaeventos esportivos, quando consideramos seu caráter internacional. Assim, descrevemos o sistema internacional no século XXI para contextualizar a agenda de Política Externa brasileira no Governo Lula, realizando algumas relações entre essa agenda e a candidatura aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016. Isso nos abre possibilidades e interpretações para os estudos do envolvimento governamental nesses eventos.; The context of hosting sport hallmark events and mega-events in Brazil points to the necessity of expanding the notion of politics that would subsidedebates and analysis. Particularly, we understand that the Foreign Policy might aggregate concepts and understandings to study the sport mega-events, considering its international character. Therefore, we described the international system in the 21st century to contextualize the Brazilian Foreign Policy agenda during the Lula government. Then...