Página 1 dos resultados de 103 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Intensidades e épocas de poda verde na pereira "Abate Fetel" enxertada sobre marmeleiros; Intensities and summer-pruning periods of the "abate fetel" pear tree grafted in quince tree rootstock

Argenta, Fabiano
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
57.07%
A pêra é uma fruta de grande aceitação e importância nos mercados internacionais, entretanto, a cultura da pereira não apresenta grande destaque entre as frutíferas de clima temperado cultivadas no Brasil. A falta de material genético adaptado e a deficiência de tecnologias de manejo, bem como o abortamento de gemas florais são os principais problemas para o desenvolvimento da cultura nas condições do sul do Brasil. Estes estudos foram conduzidos com o objetivo de desenvolver uma metodologia de poda verde para a pereira cultivar Abate Fetel. O presente trabalho foi desenvolvido nos pomares da Frutirol Agrícola Ltda., em Vacaria/RS. O experimento foi instalado na cultivar Abate Fetel sobre dois porta-enxertos: marmeleiros EMC e Adams. Foram estudados os efeitos de dois níveis de poda verde em três diferentes épocas de realização da poda. Os tratamentos foram: a redução de 1/3 e 2/3 do comprimento de ramos do ano, com diâmetro não inferior a 5 mm, nas épocas de janeiro, fevereiro e março e uma testemunha sem poda verde. O delineamento adotado foi blocos ao acaso, com 5 blocos e 2 plantas por parcela. Os parâmetros avaliados foram comprimento dos ramos do ano obtidos pela média longitudinal de 5 ramos por planta; quantidade de ramos podados durante a poda seca; número de frutos por planta...

Uso da poda seca e da poda verde para obtenção de duas safras por ciclo vegetativo em três cultivares de videira; Use of winter pruning and green pruning for obtaining two harvests by vegetative cicle of three vine cultivars

Anzanello, Rafael; Souza, Paulo Vitor Dutra de; Coelho, Pedro Ferreira
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
57.24%
Foram avaliadas épocas de poda seca e de poda verde visando ao alcance de duas safras por ciclo vegetativo nas videiras ‘Niagara Branca’, ‘Niagara Rosada’ e ‘Concord’, cultivadas em sistema de espaldeira. O experimento foi realizado na Estação Experimental da UFRGS, em Eldorado do Sul - RS, na safra de 2007/2008. As plantas foram submetidas aos seguintes tratamentos: T1 (poda seca em 20-07-07 e poda verde em 15-11-07); T2 (poda seca em 20-07-07 e poda verde em 17-12-07); T3 (poda seca em 22- 08-07 e poda verde em 15-11-07), e T4 (poda seca em 22-08-07 e poda verde em 17-12-07), sendo a poda de inverno feita em cordão esporonado, e a poda verde, mediante desponte do sarmento a partir da quarta gema acima do último cacho. Avaliaram-se a produção por planta, a massa dos cachos, os sólidos solúveis totais (SST), a acidez total titulável (ATT), a relação SST/ATT, o potencial da água na folha e a relação folha:fruto, de ambas as safras. Os resultados demonstraram que a execução de uma poda seca associada a uma poda verde permitiu obter duas safras de uva por ciclo vegetativo em ‘Niagara Branca’, Niagara Rosada e ‘Concord’, sendo mais efi ciente quando a poda seca foi realizada em agosto, associada à poda verde em novembro. A ‘Niagara Branca’ apresentou maior potencial para produzir uma segunda colheita...

Uso de poda verde, plásticos refletivos, antitranspirante e potássio na produção de pêssegos

Trevisan,Renato; Herter,Flávio Gilberto; Coutinho,Enilton Fick; Gonçalves,Emerson Dias; Silveira,Carlos Augusto Posser; Freire,Cláudio José da Silva
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2006 PT
Relevância na Pesquisa
46.96%
O objetivo deste trabalho foi avaliar técnicas que viabilizem a produção de pêssegos de melhor qualidade, ao potencializar características externas como a coloração vermelha na epiderme e o tamanho, bem como características químicas relativas ao sabor. Num pomar comercial de pessegueiros da cultivar Maciel, no Município de Pelotas, RS, foram avaliados os efeitos da poda verde, o uso de dois tipos de plástico refletivo sob a copa das plantas, diferentes concentrações de cloreto de potássio (KCl) incorporado ao solo, com ou sem KCl via foliar e antitranspirante. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso. O uso de 1.200 g de KCl via solo, combinado com 10 g de KCl via foliar e poda verde, produziu coloração vermelha mais intensa na epiderme dos pêssegos. O uso de 1.600 g de KCl no solo, combinado com poda verde, produziu pêssegos com maior peso médio, maior diâmetro e baixa acidez titulável. A cobertura do solo, sob a copa das plantas, com plástico de ráfia, combinado com poda verde, resultou num maior teor de sólidos solúveis totais nos frutos. O uso dessas práticas culturais, realizadas na pré-colheita, influencia positivamente a qualidade final das frutas de pessegueiro da cultivar Maciel.

Efeito da poda verde na composição físico-química do mosto da uva Merlot

Mandelli,Francisco; Miele,Alberto; Rizzon,Luiz Antenor; Zanus,Mauro Celso
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2008 PT
Relevância na Pesquisa
56.92%
O manejo do dossel vegetativo da videira pode causar modificações na composição e na qualidade da uva e do vinho. Dentre as práticas culturais utilizadas para essa finalidade, destacam-se as relacionadas à poda verde. Nesse sentido, visando a melhorar a qualidade do mosto da uva Merlot, conduziu-se este experimento com diferentes modalidades de poda verde. O trabalho foi realizado de 1993/1994 a 1996/1997, num vinhedo conduzido em latada. Houve 12 tratamentos e três repetições, sendo o delineamento experimental em blocos casualizados. Os tratamentos constituíram-se da testemunha e de 11 diferentes modalidades de poda verde, i.e., desbrota, desponta e desfolha, algumas delas em diferentes épocas do ciclo vegetativo da videira. Os resultados mostram que houve variação de ano para ano, mas, considerando a média dos quatro anos de avaliação, constatou-se que os tratamentos 10 (desbrota + desponta + desfolha realizada no início da floração e eliminando todas as folhas abaixo dos cachos) e 9 (desbrota + desfolha realizada 21 dias antes da colheita e eliminando metade das folhas abaixo dos cachos) proporcionaram maior síntese e acúmulo de açúcar na uva, o que é expresso pelo ºBrix e pela densidade, e menor de acidez...

Manejo do dossel vegetativo e seu efeito nos componentes de produção da videira Merlot

Miele,Alberto; Mandelli,Francisco
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
46.96%
A poda verde é uma prática cultural utilizada para melhorar as condições do dossel vegetativo dos vinhedos, visando a favorecer a qualidade da uva e do vinho. Nesse sentido, realizou-se este experimento entre as safras de 1993/1994 e 1996/1997, com diferentes modalidades de poda verde, num vinhedo do cv. Merlot conduzido em latada. Houve 12 tratamentos e três repetições, sendo o delineamento experimental em blocos casualizados. Os tratamentos constituíram-se da testemunha e de 11 diferentes modalidades de poda verde, ou seja, desbrota, desponta e desfolha, algumas delas em diferentes épocas do ciclo vegetativo da videira. O componente principal 1, da análise de componentes principais (ACP) feita em cada ano, separadamente, mostra que o tratamento 10 (desbrota + desponta + desfolha realizada no início da floração, eliminando-se as folhas abaixo dos cachos) discriminou-se nos quatro anos, e os tratamentos 7 (desfolha realizada 21 dias antes da colheita, eliminando-se metade das folhas abaixo dos cachos) e 6 (desfolha realizada 21 dias antes da colheita, eliminando-se as folhas abaixo dos cachos), em três deles; a ACP da média dos quatro anos também evidencia essa discriminação entre eles. Constata-se que o tratamento 10 foi um dos que tiveram intensidade de poda verde mais intensa...

Uso de poda verde, plásticos refletivos, antitranspirante e potássio na produção de pêssegos.

TREVISAN, R.; HERTER, F.G.; COUTINHO, E.F.; GONÇALVES, E.D.; SILVEIRA, C.A.P.; FREIRE, C.J. da S.
Fonte: Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.41, n. 10, p. 1485-1490, out. 2006. Publicador: Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.41, n. 10, p. 1485-1490, out. 2006.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.96%
O objetivo deste trabalho foi avaliar técnicas que viabilizem a produção de pêssegos de melhor qualidade, ao potencializar características externas como a coloração vermelha na epiderme e o tamanho, bem como características químicas relativas ao sabor. Num pomar comercial de pessegueiros da cultivar Maciel, no Município de Pelotas, RS, foram avaliados os efeitos da poda verde, o uso de dois tipos de plástico refletivo sob a copa das plantas, diferentes concentrações de cloreto de potássio (KCl) incorporado ao solo, com ou sem KCl via foliar e antitranspirante. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso. O uso de 1.200 g de KCl via solo, combinado com 10 g de KCl via foliar e poda verde, produziu coloração vermelha mais intensa na epiderme dos pêssegos. O uso de 1.600 g de KCl no solo, combinado com poda verde, produziu pêssegos com maior peso médio, maior diâmetro e baixa acidez titulável. A cobertura do solo, sob a copa das plantas, com plástico de ráfia, combinado com poda verde, resultou num maior teor de sólidos solúveis totais nos frutos. O uso dessas práticas culturais, realizadas na pré-colheita, influencia positivamente a qualidade final das frutas de pessegueiro da cultivar Maciel.; 2006

Época e técnica de poda verde de pessegueiro na obtenção dos frutos de qualidade

Dotto, Marcelo
Fonte: Pato Branco Publicador: Pato Branco
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
57.1%
One of the aspects that it should be considered in the fresh fruit market peach is the fruit quality. The visual aspect is the most important factor, it being the skin color relevant because it is associated with the fruit maturation and flavor. One of cultural techniques to improve the fruit quality is summer pruning, which has as main purpose to increase light penetration within the canopy tree and consequently it to promote the pigmentation, as well as improvements in the fruit flavor. However, this technique can to present results variable according to the time and manner in which it was realized. The aim of this work was evaluate the time and management type for summer pruning to obtain peach quality. The work was carried out at commercial orchard from Dois Vizinhos city, Paraná State, Brazil, in 2009/2010, 2010/2011 and 2011/2012 cycle. It was used Charme and Maciel peach varieties. The experimental design was completely randomized, in factorial 3. x 3 (summer pruning time x summer pruning management type), with 4 replications of two plants by plot. The summer pruning time were in the third, fourth and fifth week before harvest. First the cultural practices were realized removal vigorous vertical shoot inside and in the base of crown...

Desenvolvimento do pessegueiro 'Flordaprince' sob duas intensidades de poda verde; 'Flordaprince' peach behaviour after two intensities of green pruning

RODRIGUES, Alessandro; ARAUJO, João Paulo Campos de; GIRARDI, Eduardo Augusto; SCARPARE FILHO, João Alexio
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
47.01%
Pessegueiros 'Flordaprince' [Prunus persica (L.) Batsch] foram submetidos a duas intensidades de poda verde (leve e de renovação), 45 dias após a colheita, com o objetivo de verificar seu efeito sobre o desenvolvimento, a produção, qualidade de frutos e as concentrações de carboidratos solúveis totais em raízes e ramos. O experimento foi realizado em condições de campo, em Piracicaba (SP), durante a safra 2003/2004, utilizando-se 48 plantas em espaçamento de 3,0 m x 1,2 m, sob sistema de líder central. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, constituído de dois tratamentos e doze repetições. A parcela experimental correspondeu a duas plantas, nas quais foram analisados o florescimento efetivo, a densidade de brotação, o crescimento de ramos após a poda verde e após a poda de frutificação, o desenvolvimento, a produção e a qualidade dos frutos e as concentrações de carboidratos solúveis totais presentes em raízes e ramos. A poda de renovação acarretou menor concentração de carboidratos solúveis totais nas raízes durante o período de dormência. Essa poda também reduziu a fixação de frutos e o teor de sólidos solúveis, embora tenha acarretado maior massa individual de frutos. As intensidades de poda verde não influenciaram na concentração de carboidratos solúveis totais em ramos...

Intensidade de poda verde em pessegueiro para controle da ferrugem Tranzschelia discolor (Fuckel) Tranzschel e Litvinov; Rust Tranzschelia discolor (Fuckel) Tranzschel and Litvinov control by green pruning in peach

RODRIGUES, Alessandro; SCARPARE FILHO, João Alexio; ARAÚJO, João Paulo Campos de; GIRARDI, Eduardo Augusto; SCARPARE, Fábio Vale
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
67.14%
Com o objetivo de se avaliar o controle da ferrugem [Tranzschelia discolor (Fuckel) Tranzschel e Litvinov] em pessegueiro 'Flordaprince' [Prunus persica (L.) Batsch], duas intensidades de poda verde foram realizadas aos 45 dias após a colheita: poda leve e poda de renovação. O experimento foi realizado em condições de campo, no Departamento de Produção Vegetal da ESALQ-USP, em Piracicaba-SP, entre novembro de 2004 e janeiro de 2005. O delineamento experimental adotado foi inteiramente ao acaso, com dois tratamentos e doze réplicas. A parcela experimental correspondeu a duas plantas em espaçamento 3,0 x 1,2 m e conduzidas sob sistema de líder central. A avaliação de incidência e severidade de ferrugem foi realizada em folhas de quatro brotações por parcela, sendo duas por planta. As avaliações foram conduzidas de 33 a 81 dias após a poda verde, em intervalos de sete dias, utilizando-se de escala diagramática adaptada para a ferrugem. Os dados referentes à incidência e severidade de ferrugem foram submetidos, respectivamente, ao teste exato de Fisher e ao teste de Wilcoxon. A incidência e a severidade de ferrugem aumentaram com a idade das folhas, independentemente do tipo de poda verde empregada, atingindo, respectivamente...

Desenvolvimento do pessegueiro em função da intensidade de poda verde; Development of the peach tree related to green pruning intensity

Rodrigues, Alessandro
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 12/09/2005 PT
Relevância na Pesquisa
57.11%
O Estado de São Paulo caracteriza-se como o principal produtor de pêssegos (Prunus persica (L.) Batsch) para consumo “in natura” do Brasil. Devido ao cultivo ser realizado em diferentes regiões e pelo uso de cultivares precoces e bem precoces, a maioria da safra ocorre na estação da primavera, antecipadamente à região Sul do Brasil. Um dos problemas decorrentes do plantio de pessegueiros em regiões mais quentes, como o Estado de São Paulo, foi o aumento considerável da ferrugem (Tranzschelia discolor). A poda verde, realizada após a colheita dos frutos, mostra-se como um dos métodos culturais utilizados pelos produtores para o manejo desta doença. O trabalho de pesquisa objetivou verificar o efeito de intensidades de poda verde após a colheita, no desenvolvimento do pessegueiro e na severidade de ferrugem. O trabalho experimental foi realizado no Campus “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo, em Piracicaba, Departamento de Produção Vegetal, sendo composto dos seguintes tratamentos: T1: poda verde de intensidade leve (PL) e T2: poda verde de intensidade drástica (PD). A área útil do ensaio foi de 345,6 m2, constituída de 96 plantas conduzidas no espaçamento de 3 x 1,2 m. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente ao acaso...

Intensidade e épocas de poda verde em pereira 'Abate Fetel' sobre dois porta-enxertos

Rufato,Leo; Marcon Filho,José Luiz; Marodin,Gilmar Arduino Bettio; Kretzschmar,Aike Anneliese; Miqueluti,David José
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 PT
Relevância na Pesquisa
47.02%
O Brasil é um dos maiores importadores mundiais de pera europeias. A falta de material genético adaptado e a deficiência de tecnologias de manejo, bem como o abortamento de gemas florais das cultivares europeias plantadas têm desestimulado os produtores, ocasionando a redução de áreas plantadas. O objetivo deste estudo foi estabelecer uma metodologia de poda verde na cultivar Abate Fetel a fim de aumentar a frutificação e controlar o vigor das plantas. O trabalho foi desenvolvido nos pomares da Frutirol Agrícola Ltda., em Vacaria-RS, nas safras de 2006/2007 e 2007/2008. Utilizou-se a cultivar Abate Fetel sobre dois porta enxertos: marmeleiros 'Adams' e 'EMC'. Foram avaliados os efeitos de dois níveis de poda verde em três diferentes épocas de realização. Os tratamentos consistiram na poda verde, com retirada de 1/3 e 2/3 do comprimento dos ramos do ano, nas épocas de janeiro, fevereiro e março, e uma testemunha, sem poda verde. O delineamento adotado foi o de blocos ao acaso, com parcelas subsubdivididas, com cinco repetições e duas plantas por repetição. Conclui-se que o porta-enxerto 'EMC' induz melhor controle de vigor e aumenta os índices de produtividade para a cv Abate Fetel, comparado com o marmeleiro 'Adams'. A poda verde...

Influência do plástico branco, poda verde e amino quelant®-K na qualidade de pêssegos 'Santa Áurea'

Trevisan,Renato; Gonçalves,Emerson Dias; Gonçalves,Rafael da Silva; Antunes,Luis Eduardo Corrêa; Herter,Flavio Gilberto
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.87%
A qualidade das frutas é determinada por fatores relacionados ao clima, solo, cultivar, as práticas culturais adotadas, época e forma de colheita e processos de manipulação da fruta na pós-colheita. Uma das formas de melhorar esta qualidade é a utilização de práticas de manejo na pré-colheita. Assim, este trabalho teve por objetivo avaliar o efeito do plástico branco, da poda verde e do nutriente aminoquelant®-K, associado ou não ao tratamento com plástico branco e poda verde, na qualidade de pêssegos 'Santa Áurea'. Os atributos de qualidade avaliados foram: percentagem visual de vermelho, intensidade de vermelho na epiderme, determinada pelo sistema CIEL*a*b*, massa, diâmetro, firmeza de polpa, sólidos solúveis totais (SST), acidez total titulável (ATT) e relação SST/ATT. As práticas utilizadas causaram o aumento do percentual de vermelho na epiderme das frutas; o aminoquelant®-K isolado proporcionou maior acidez das frutas; a melhor relação SST/ATT foi obtida com o uso do plástico branco sob a copa e pela combinação do plástico com o nutriente aminoquelant®-K.

Uso da poda seca e da poda verde para obtenção de duas safras por ciclo vegetativo em três cultivares de videira

Anzanello,Rafael; Souza,Paulo Vitor Dutra de; Coelho,Pedro Ferreira
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2010 PT
Relevância na Pesquisa
57.24%
Foram avaliadas épocas de poda seca e de poda verde visando ao alcance de duas safras por ciclo vegetativo nas videiras 'Niagara Branca', 'Niagara Rosada' e 'Concord', cultivadas em sistema de espaldeira. O experimento foi realizado na Estação Experimental da UFRG, em Eldorado do Sul - RS, na safra de 2007/2008. As plantas foram submetidas aos seguintes tratamentos: T1 (poda seca em 20-07-07 e poda verde em 15-11-07), T2 (poda seca em 20-07-07 e poda verde em 17-12-07); T3 (poda seca em 22-08-07 e poda verde em 15-11-07), e T4 (poda seca em 22-08-07 e poda verde em 17-12-07), sendo a poda de inverno feita em cordão esporonado, e a poda verde, mediante desponte do sarmento a partir da quarta gema acima do último cacho. Avaliaram-se a produção por planta, a massa dos cachos, os sólidos solúveis totais (SST), a acidez total titulável (ATT), a relação SST/ATT, o potencial da água na folha e a relação folha:fruto, de ambas as safras. Os resultados demonstraram que a execução de uma poda seca associada a uma poda verde permitiu obter duas safras de uva por ciclo vegetativo em 'Niagara Branca', Niagara Rosada e 'Concord', sendo mais eficiente quando a poda seca foi realizada em agosto, associada à poda verde em novembro. A 'Niagara Branca' apresentou maior potencial para produzir uma segunda colheita...

Teores de carboidratos em pessegueiros submetidos a diferentes intensidades de poda verde em clima tropical

Borba,Marcelo Rehder da Cunha; Scarpare Filho,João Alexio; Kluge,Ricardo Alfredo
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2005 PT
Relevância na Pesquisa
56.91%
Com o objetivo de verificar a partição de assimilados entre a copa e raízes de pessegueiro, duas intensidades de poda verde, após a colheita dos frutos, foram efetuadas em pessegueiros 'Ouromel-2', na região de Piracicaba-SP: poda leve e poda de renovação (poda drástica). Os teores de carboidratos nas raízes e parte aérea foram determinados em vários estágios fenológicos da planta ao longo do ciclo. Verificou-se que existe uma fase de consumo de carboidratos, que vai deste a poda de dormência (poda seca) até a maturação dos frutos e uma fase de acúmulo, que vai desde a maturação dos frutos até a queda das folhas. Plantas que sofreram poda leve apresentaram, de maneira geral, maiores teores de carboidratos ao longo do ciclo do que plantas que sofreram poda de renovação, apresentando, assim, maior potencial de produção.

Emprego da poda verde para a obtenção de duas safras por ciclo vegetativo em 'Niagara Branca'

Souza,Paulo Vitor Dutra de; Fochesato,Mário Luís
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2007 PT
Relevância na Pesquisa
57%
Avaliou-se o efeito de épocas de poda verde em dois anos consecutivos visando obter a segunda safra de uva em um mesmo ciclo vegetativo na cv. Niágara Branca (Vitis labrusca L.), cultivada no sistema em espaldeira. O experimento foi realizado na Estação Experimental Agronômica da UFRGS, em Eldorado do Sul (RS), nas safras de 2003/2004 e 2004/2005. Os tratamentos constaram de três épocas de poda verde, realizadas imediatamente após a quarta folha acima do último cacho, e dois anos consecutivos de avaliação. Todas as plantas foram submetidas à superação de dormência mediante aplicação de cianamida hidrogenada a 2%. Analisou-se a duração dos estádios fenológicos, o período de maturação, a produção por planta, a massa fresca do cacho, o teor de sólidos solúveis totais e a acidez total titulável. Observou-se que a época de realização da poda verde não afetou a quantidade, nem a qualidade da uva produzida na primeira colheita, apenas atrasando-a em uma semana. A poda verde realizada no início de novembro possibilitou a segunda colheita de uva, realizada entre março e abril, sendo uma alternativa de ampliação do período de oferta do produto no mercado.

Intensidade de poda verde em pessegueiro para controle da ferrugem Tranzschelia discolor (Fuckel) Tranzschel e Litvinov

Rodrigues,Alessandro; Scarpare Filho,João Alexio; Araújo,João Paulo Campos de; Girardi,Eduardo Augusto; Scarpare,Fábio Vale
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2008 PT
Relevância na Pesquisa
67.14%
Com o objetivo de se avaliar o controle da ferrugem [Tranzschelia discolor (Fuckel) Tranzschel e Litvinov] em pessegueiro 'Flordaprince' [Prunus persica (L.) Batsch], duas intensidades de poda verde foram realizadas aos 45 dias após a colheita: poda leve e poda de renovação. O experimento foi realizado em condições de campo, no Departamento de Produção Vegetal da ESALQ-USP, em Piracicaba-SP, entre novembro de 2004 e janeiro de 2005. O delineamento experimental adotado foi inteiramente ao acaso, com dois tratamentos e doze réplicas. A parcela experimental correspondeu a duas plantas em espaçamento 3,0 x 1,2 m e conduzidas sob sistema de líder central. A avaliação de incidência e severidade de ferrugem foi realizada em folhas de quatro brotações por parcela, sendo duas por planta. As avaliações foram conduzidas de 33 a 81 dias após a poda verde, em intervalos de sete dias, utilizando-se de escala diagramática adaptada para a ferrugem. Os dados referentes à incidência e severidade de ferrugem foram submetidos, respectivamente, ao teste exato de Fisher e ao teste de Wilcoxon. A incidência e a severidade de ferrugem aumentaram com a idade das folhas, independentemente do tipo de poda verde empregada, atingindo, respectivamente...

Desenvolvimento do pessegueiro 'Flordaprince' sob duas intensidades de poda verde

Rodrigues,Alessandro; Araujo,João Paulo Campos de; Girardi,Eduardo Augusto; Scarpare Filho,João Alexio
Fonte: Instituto Agronômico de Campinas Publicador: Instituto Agronômico de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2009 PT
Relevância na Pesquisa
47.01%
Pessegueiros 'Flordaprince' [Prunus persica (L.) Batsch] foram submetidos a duas intensidades de poda verde (leve e de renovação), 45 dias após a colheita, com o objetivo de verificar seu efeito sobre o desenvolvimento, a produção, qualidade de frutos e as concentrações de carboidratos solúveis totais em raízes e ramos. O experimento foi realizado em condições de campo, em Piracicaba (SP), durante a safra 2003/2004, utilizando-se 48 plantas em espaçamento de 3,0 m x 1,2 m, sob sistema de líder central. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, constituído de dois tratamentos e doze repetições. A parcela experimental correspondeu a duas plantas, nas quais foram analisados o florescimento efetivo, a densidade de brotação, o crescimento de ramos após a poda verde e após a poda de frutificação, o desenvolvimento, a produção e a qualidade dos frutos e as concentrações de carboidratos solúveis totais presentes em raízes e ramos. A poda de renovação acarretou menor concentração de carboidratos solúveis totais nas raízes durante o período de dormência. Essa poda também reduziu a fixação de frutos e o teor de sólidos solúveis, embora tenha acarretado maior massa individual de frutos. As intensidades de poda verde não influenciaram na concentração de carboidratos solúveis totais em ramos...

Emprego da poda verde para a obtenção de duas safras por ciclo vegetativo em 'Niagara Branca'; Green pruning to obtain two harvests by vegetative cicle on Niagara Grapevine

Souza, Paulo Vitor Dutra de; Fochesato, Mário Luís
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
57%
Avaliou-se o efeito de épocas de poda verde em dois anos consecutivos visando obter a segunda safra de uva em um mesmo ciclo vegetativo na cv. Niágara Branca (Vitis labrusca L.), cultivada no sistema em espaldeira. O experimento foi realizado na Estação Experimental Agronômica da UFRGS, em Eldorado do Sul (RS), nas safras de 2003/2004 e 2004/2005. Os tratamentos constaram de três épocas de poda verde, realizadas imediatamente após a quarta folha acima do último cacho, e dois anos consecutivos de avaliação. Todas as plantas foram submetidas à superação de dormência mediante aplicação de cianamida hidrogenada a 2%. Analisou-se a duração dos estádios fenológicos, o período de maturação, a produção por planta, a massa fresca do cacho, o teor de sólidos solúveis totais e a acidez total titulável. Observouse que a época de realização da poda verde não afetou a quantidade, nem a qualidade da uva produzida na primeira colheita, apenas atrasando-a em uma semana. A poda verde realizada no início de novembro possibilitou a segunda colheita de uva, realizada entre março e abril, sendo uma alternativa de ampliação do período de oferta do produto no mercado.; The aim of this study was to evaluate the effects of green prunings on two consecutive years to obtain a second harvest of ‘Niagara Branca’ (Vitis labrusca) grapevine in the same season. The experiment was carried out at Estação Experimental Agronômica of Universidade Federal do Rio Grande do Sul...

Produtividade, crescimento vegetativo, doenças e qualidade pós-colheita de pessegueiro adensado com manejos de adubação nitrogenada e de poda verde

Dolinski, Marcos Antonio
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Teses e Dissertações Formato: application/pdf
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
47.18%
Resumo: O balanço entre a adubação nitrogenada e a prática de poda pode estimular o desenvolvimento reprodutivo, o crescimento vegetativo, alterar a suscetibilidade a doenças e a qualidade dos frutos produzidos. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de doses de adubação nitrogenada, combinadas com duas intensidades de poda verde, em pomar de pessegueiro 'Chimarrita' adensado. Testaram-se, em experimento fatorial, doses de N (0, 40, 80, 120, 160, 200 e 240 kg ha-1 ano-1) na forma de ureia e duas intensidades de poda verde, poda verde anual (uma vez por safra) e poda verde contínua (quatro vezes por safra). Foram avaliados a produção, o crescimento vegetativo, a incidência e a severidade de ferrugem, a incidência de podridão parda em flores, na colheita e na pós-colheita, e as variáveis químicas, físicas e sensoriais de qualidade dos frutos. A adubação nitrogenada determinou o aumento de produção em pessegueiro adensado, com média de 29 kg de frutos por hectare para cada kg de N aplicado. A maior quantidade de N aplicada aumentou o número de frutos produzidos e o número de frutos raleados. O N teve influência no crescimento vegetativo, aumentando a massa da poda verde, o índice de área foliar, os ramos produtivos e a circunferência do tronco...

Efeito da poda verde na qualidade do fruto e na producao do Pessegueiro cv. Marli.

FRANCISCONI, A.H.D.; BARRADAS, C.I.N.; MARODIN, G.A.B.
Fonte: Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasilia, v.31, n.1, p.51-54, jan.1996. Publicador: Pesquisa Agropecuaria Brasileira, Brasilia, v.31, n.1, p.51-54, jan.1996.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.81%
Pessegueiros (Prunus persica (L.) Batsch), cv. Marli, foram submetidos ao desbaste de ramos do ano, 30 dias antes da colheita em Porto Alegre, RS (3001'S;5113'W) em 1990. Os tratamentos foram: 0 (testemunha), 25,50 e 75% de desbaste. Os frutos das plantas podadas a 50 e 75% de desbaste tiveram maior percentagem de superficie de epiderme colorida do que os das plantas podadas em 25% e dos da testemunha. Tambem houve maior percentual de folhas retiradas pela poda verde com 50 e 75% de desbaste de ramos. A firmeza da polpa, os solidos os soluveis, a acidez total titulavel e o pH do suco dos frutos nao foram afetados pelos tratamentos. A producao, em numero e peso total de frutos, por planta, nao foi afetada pela poda. Houve reducao do peso medio dos frutos somente nas plantas com 75% de desbaste dos ramos.; 1996