Página 1 dos resultados de 143 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Palavra, harmonia e o platonismo ficiano na monodia dramatica da seconda pratica; Speech, harmony and ficinian platonism in the dramatic monodies of the seconda pratica

Marcello Stasi
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 19/02/2009 PT
Relevância na Pesquisa
37.64%
Esta pesquisa teve por finalidade investigar a relação entre palavra e harmonia no repertório das monodias dramáticas da seconda pratica. Após considerar a alternativa da aplicação da doutrina do ethos associado ao modo, e examinar as implicações dos conceitos de pathos, mutatio e hexachordum, este trabalho situa a importância do platonismo ficiniano no contexto cultural que circundava surgimento da seconda pratica. Buscou-se então extrair diretamente da tradução latina da obra de Platão, indicada pelos cultores da seconda pratica como fonte de inspiração, a definição e as atribuições dos conceitos de melodia e suas partes constituintes: oratio, harmonia e rhythmus. A partir dos resultados desta investigação, que apontam para a importância da dialética na constituição do conceito platônico da oratio, relacionou-se este conceito à prática harmônica do repertório em questão tal como revelada pelo trabalho de Eric Chaffe. Tomando a specierum coppula como possível elemento constituinte comum entre a oratio e a harmonia, são analisados cinco exemplos de monodias dramáticas da seconda pratica, extraídos das obras de Jacopo Peri e Claudio Monteverdi baseadas no mito de Orfeu e Eurídice. Os resultados das análises sustentam a possibilidade de que estes compositores tenham buscado...

Reconciliação do platonismo com o cristianismo na relação mestre e discípulo : uma análise a partir de migalhas filosóficas de Kierkegaard

Lindemann, Ricardo
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
37.86%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Filosofia, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, 2014.; Este trabalho tem como objetivo investigar a relação entre Platonismo e Cristianismo em Migalhas Filosóficas de Kierkegaard, mostrando que a diferença entre os modelos do Platonismo e do Cristianismo, apontadas pelo autor, na relação Mestre e Discípulona mesma obra, assinada por seu pseudônimo Johannes Climacus, não implica que tais modelos sejam essencial e mutuamente excludentes, mas que são passíveis de uma reconciliação. Para tanto, a partir do Platonismo e suas teorias interdependentes de Reminiscência e Metempsicose, será sustentado que a diferença supramencionada é, em certa medida, artificialmente criada ou exageradamente radicalizada pelo autor, e setentará evidenciar eventuais incompatibilidades do Cristianismo assim ‘inventado’ por Climacus com o Cristianismo primitivo (sugerindo pesquisa em Orígenes) e tradicional,bem como alguns dos mais relevantes pontos em comum deste último com o Platonismo, particularmente o Princípio da Imanência. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT; This work has the object to investigate the relation between Platonism and Christianityin Kierkegaard’s Philosophical Fragments...

O Platonismo de Russell na metafísica e na matemática

Imaguire,Guido
Fonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG Publicador: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
27.64%
Neste artigo, analiso o surgimento e a superação do Platonismo em B. Russell, tanto na sua filosofia da matemática como na sua metafísica. Começo por explicitar os argumentos que levaram Russell a aderir ao chamado "Platonismo Proposicional" - posição que será tecnicamente relevante na definição de números. Na seção seguinte, discutirei até que ponto a teoria das descrições definidas determina, necessariamente, uma adesão ao nominalismo, e as dificuldades que surgem para o logicismo conseqüentes do abandono do platonismo. Finalmente, mostrarei como a posição madura de Russell caracteriza-se mais como um reducionismo do que propriamente como um nominalismo, e como este é fundado no princípio do mínimo vocabulário.

"Quem não é geômetra não entre!" Geometria, Filosofia e Platonismo

Cornelli,Gabriele; Coelho,Maria Cecília de Miranda N.
Fonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG Publicador: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2007 PT
Relevância na Pesquisa
27.15%
O objetivo deste artigo é analisar, a partir dos textos de Platão e de comentadores, a apresentação de argumentos a favor da utilização da matemática e da geometria como propedêutica à aprendizagem da filosofia, bem como investigar as reverberações da ontologia e da epistemologia platônicas nesse programa pedagógico. Pretende-se, ainda, apontar comparativamente similaridades entre crises nos fundamentos da matemática e seu impacto na concepção de racionalidade, tanto no universo grego antigo como na contemporaneidade.

Uno, Diada e demiurgia no Timeu de Platão

Dennys Garcia Xavier
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 04/11/2005 PT
Relevância na Pesquisa
27.15%
Nesta dissertação, apresentamos e analisamos alguns dos fundamentos hermenêuticos e filosóficos a partir dos quais se propôs um Novo Paradigma de interpretação para a filosofia platônica. O Novo Paradigma representa uma alternativa ao critério hermenêutico tradicional originalmente concebido por F. Schleiermacher - na medida em que não só admite a legitimidade filosófica da tradição indireta dedicada ao platonismo, mas também lhe confere grande importância numa releitura dos diálogos e da filosofia de Platão. A confiar nos textos que compõem aquela tradição, nosso filósofo desenvolveu em lições orais apresentadas no recesso da Academia uma parte do seu pensamento que, por motivos didático-filosóficos, preferiu não registrar nos seus diálogos - ou registrar apenas por remissões e imagens analógicas. No entanto, ao contrário do que se poderia pensar, essas ágrapha dógmata de Platão não parecem ser compostas por elementos negligenciáveis ou de pouca importância filosófica: estariam contidos ali os ensinamentos acerca do que ele considerou os princípios supremos de toda a realidade, uma protologia que nos remete para além dos diálogos, mas, ao que tudo indica, em plena harmonia com eles. Além do estudo dos textos que sustentam a nova proposta interpretativa...

O Conceito de substância em Aristóteles

Xavier, Gabriel Geller
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
27.64%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Florianópolis, 2013.; Esta dissertação pretende desenvolver algumas considerações acerca da gênese do conceito de substância em Aristóteles mostrando como o conceito de universal desempenha um papel importante na gênese e no desenvolvimento de referido conceito. Para tanto, se seguirá criticamente a intuição de Owen em sua seminal conferência O platonismo de Aristóteles. Nesta preleção, é exposta a tese de que o desenvolvimento do pensamento de Aristóteles iniciou com a crítica a doutrina das Ideias de seu mestre Platão e se encaminhou para uma assimilação crítica do platonismo em sua própria filosofia da maturidade. A sequência do presente trabalho visa mostrar que Owen parece estar certo em defender que o início da reflexão filosófica de Aristóteles se deu com a crítica a teoria das Ideias de Platão, sobretudo, o Argumento do Terceiro Homem. No entanto, a argumentação de Owen torna-se difícil de ser aceita quando aponta que tanto a teoria das categorias, quanto da substância nascem como uma resposta ao Argumento do Terceiro Homem, assim como, também parece difícil de ser sustentada uma guinada do pensamento amadurecido de Aristóteles em direção ao platonismo. Por isso...

"Quem não é geômetra não entre!" : geometria, filosofia e platonismo

Cornelli, Gabriele; Coelho, Maria Cecília de Miranda Nogueira
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
27.15%
O objetivo deste artigo é analisar, a partir dos textos de Platão e de comentadores, a apresentação de argumentos a favor da utilização da matemática e da geometria como propedêutica à aprendizagem da filosofia, bem como investigar as reverberações da ontologia e da epistemologia platônicas nesse programa pedagógico. Pretende-se, ainda, apontar comparativamente similaridades entre crises nos fundamentos da matemática e seu impacto na concepção de racionalidade, tanto no universo grego antigo como na contemporaneidade. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT; The aim of this paper is to analyze, based on Plato's and commentators' texts, the presentation of arguments for the use of mathematics and geometry as propaedeutics to philosophy learning, as well as to investigate the reverberations of platonic ontology and epistemology in this pedagogical program. The paper will also consider similarities between crises in the foundations of mathematics and the impact of these crises on the conception of rationality, both in ancient Greek universe and in contemporary world.

Werner Heisenberg e a interpretação de Copenhague : a filosofia platônica e a consolidação da teoria quântica

Leite, Anderson; Simon, Samuel
Fonte: Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
27.15%
Este artigo discute o uso que Werner Heisenberg faz da filosofia grega clássica no âmbito dos debates acerca da teoria quântica realizados na primeira metade do século xx. Para esse autor, a ciência foi determinada pelo influxo de duas correntes de pensamento que surgiram na Grécia antiga: o materialismo e o idealismo. A partir de tal clivagem, Heisenberg fundamenta sua crítica aos opositores da Interpretação de Copenhague, além de justificar filosoficamente suas próprias teses sobre a mecânica quântica. Apesar de suas concepções filosóficas não serem passíveis de uma sistematização completa, a relação que Heisenberg estabeleceu entre a filosofia grega e os problemas da teoria dos quanta acabou por resultar em uma interpretação da realidade física na qual é predominante um platonismo e um incipiente estruturalismo matemático. _________________________________________________________________________________________ ABSTRACT; This article discusses Werner Heisenberg's use of ancient Greek philosophy in the debates about quantum theory that occurred during the first half of the 20th century. For Heisenberg, science was determined by two concurrent streams of thought that arose in ancient Greece: materialism and idealism. Starting from this separation...

Antipsicologismo y platonismo en el siglo XIX: Herbart, Bolzano, Lotze

Niel, Luis Ignacio
Fonte: Universidad Complutense Publicador: Universidad Complutense
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:ar-repo/semantics/artículo; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: application/pdf
SPA
Relevância na Pesquisa
37.45%
El presente artículo analiza la obra de tres pensadores del siglo XIX: Herbart, Bolzano y Lotze. Más allá de sus diferencias, presentaremos dos rasgos esenciales comunes: su rechazo al psicologismo en tanto radicalización de la psicología como disciplina fundacional última (antipsicologismo) y la idea de una 'realidad' ideal independiente tanto de lo sensible como de lo mental y lo lingüístico, que sustenta dicha posición (platonismo). A modo de conclusión, mostraremos cómo, según estos autores, dicho trasfondo ideal platónico es lo que da sustento a todo pensar con sentido.; The article addresses the works of three 19th-century philosophers: Herbart, Bolzano and Lotze. Despite their differences, I will analyze two essential features they share: their refusal to psychologism as the radicalization of psychology as the ultimate source of philosophy (antipsychologism), and the positing of an ideal ‘reality’, independent from both sensibility and the mental and linguistic dimensions, upon which the refusal to psychologism is founded (Platonism). As a conclusion, I will show how, according to these authors, this platonic, ideal background constitutes the very foundation of every meaningful thought.; Fil: Niel, Luis Ignacio. Universidad Nacional del Litoral; Argentina;

Reseña de: Juan Pegueroles, San Agustín: Un platonismo cristiano

Peña, Lorenzo
Fonte: Conselho Superior de Investigações Científicas Publicador: Conselho Superior de Investigações Científicas
Tipo: Artículo Formato: 1616085 bytes; application/pdf
SPA
Relevância na Pesquisa
27.15%
Reseña de: Juan Pegueroles, San Agustín: Un platonismo cristiano; En esta reseña se analiza la lectura de la filosofía de San Agustín propuesta por el Prof. Juan Pegueroles, especialmente en lo tocante al problema del libre albedrío y la participación de los entes creados en el Ser increado.; Peer reviewed

A Filosofia Como Modo de Vida no Platonismo da Era Imperial e em Plotino

Brandâo, Bernardo Lins
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
27.15%
A filosofia é geralmente concebida hoje nos dias de hoje como uma prática discursiva, na qual filósofos elaboram doutrinas e argumentos. Mas essa não é a única visão possível. Em alguns contextos da Antiguidade, ela era também concebida como um modo de vida. Neste artigo, analiso como o platonismo do período imperial, especialmente Plotino, compreendia essa vida filosófica e como doutrina e argumentação, ascensão da alma e terapia das paixões estavam inseridas nessa visão.; Philosophy is generally understood nowadays as a discursive practice, in which philosophers elaborate doctrines and arguments. But that is not the only possible view. In some contexts of Antiquity, it was also conceived as a way of life. In this paper, I analyze how the platonism of the Imperial age, specially Plotinus, saw this philosophical life and how doctrine and argument, ascension of the soul and therapy of passions was part of it.

Nicolás de Cusa en diálogo con sus fuentes : la re-definición del platonismo

D'Amico, Claudia
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2014 SPA
Relevância na Pesquisa
27.15%
Este artículo presenta el pensamiento cusano teniendo en cuenta su conocimiento de la tradición platónica tanto en su versión cristiana –Dionisio, Escoto Eriúgena, los Chartrenses, Meister Eckhart, Bertoldo de Moosburgo– cuanto de algunos autores del neoplatonismo ateniense, en especial Proclo. La exposición se articula en tres momentos (I) la presencia de esta tradición en obras tempranas; (II) la defensa de estas fuentes en la Apologia doctae ignorantiae; (III) la relectura de la tradición a partir de una nueva recepción de textos a partir de 1450.; This paper presents the Cusanus’s thought given its knowledge of the Platonic tradition considering its Christian version –Dionysius, Scotus Eriugena, the Chartrenses, Meister Eckhart, Bertold of Moosburg – as some authors Athenian Neoplatonism, especially Proclus. The text is divided into three points (I) the presence of this tradition in early works; (II) the defense of these sources in the Apologia doctae ignorantiae; (III) the reinterpretation of tradition from new receiving texts from 1450.

Platão e Nietzsche: a trama dramática da metafísica

Benoit, Hector
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Avaliado pelos pares Formato: application/pdf
Publicado em 12/10/1998 POR
Relevância na Pesquisa
27.15%
Neste artigo fazemos algumas reflexões sobre a história interpretativa dos Diálogos de Platão. Particularmente, procuramos mostrar que a crítica de Nietzsche a Platão, que segundo muitos autores aparece como a ruptura definitiva com a metafísica platônico-ocidental, seria apenas mais um momento de continuidade no interior da longa história do platonismo.

Justiça: igualdade e bondade no Platonismo Medieval

Rossato, Noeli Dutra; Universidade Federal de Santa Maria
Fonte: Archai: Journal on the origins of Western thought; Archai: Revista de estudos sobre as origens do pensamento ocidental Publicador: Archai: Journal on the origins of Western thought; Archai: Revista de estudos sobre as origens do pensamento ocidental
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 25/01/2014 POR
Relevância na Pesquisa
27.15%
Alguns filósofos medievais subscrevem certo cognitivismomoral, de raiz platônica, ao entenderem que a boa escolhatem em vista o conhecimento da Ideia do Bem; e, por conseguinte,a má escolha residiria na sua ignorância ou num certo grau de afastamentoda mesma. Grande parte, porém, firma uma tese distinta:de que a escolha é motivada secundariamente pelo conhecimento eprimariamente pela vontade; e em última análise: que a vontade deliberaa respeito de alternativas conhecidas pelos agentes. Tomandoa escolha com relação à virtude da justiça, avaliaremos três posiçõesrecorrentes no pensamento medieval que, apesar de beberem namesma fonte platônica, resultam em soluções divergentes.

LA DOCTRINA DE LOS TRES DIOSES DE NUMENIO

Müller, Gabriela F.; Universidad de Buenos Aires – CONICET
Fonte: Archai: Journal on the origins of Western thought; Archai: Revista de estudos sobre as origens do pensamento ocidental Publicador: Archai: Journal on the origins of Western thought; Archai: Revista de estudos sobre as origens do pensamento ocidental
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Avaliado por Pares Formato: application/pdf
Publicado em 07/12/2010 POR
Relevância na Pesquisa
27.15%
Este trabajo se centrará en la que es quizás la doctrina más característica de Numenio: aquella que, retomando lo dicho en la Carta II atribuida a Platón (312e1-3), sostiene la existencia de tres dioses. Mediante el análisis de algunos fragmentos conservados, intentaré ofrecer una visión de conjunto de la teología numeniana para, de este modo, especificar la particularidad del pensamiento de Numenio en el contexto del platonismo de su época, hecho que hace de él uno de los platónicos de mayor relevancia a la hora de buscar antecedentes del sistema de  Plotino.

Aspectos de la exégesis plotiniana de la tradición metafísica del platonismo

Martino,Gabriel
Fonte: Revista latinoamericana de filosofía Publicador: Revista latinoamericana de filosofía
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2013 ES
Relevância na Pesquisa
27.15%
La tensión entre fidelidad a la tradición e innovación presente en el pensamiento plotiniano se manifiesta de modo patente en su propuesta metafísica. La ontología expuesta en las Enéadas, en efecto, es un claro ejemplo de la labor exegética mediante la cual Plotino toma las concepciones metafísicas platónico-pitagóricas precedentes y las sintetiza infundiendo nueva vitalidad en ideas antiguas. Para llevar a cabo su exégesis utiliza, incluso, conceptos aristotélicos que integra de un modo peculiar a su pensamiento platonizante. En el presente trabajo, pues, nos proponemos esclarecer el procedimiento interpretativo que Plotino lleva a cabo en la formulación de su doctrina de lo Uno y de la relación entre esta hipóstasis y la Inteligencia. En nuestro análisis examinamos las nociones metafísicas que nuestro filósofo toma como punto de partida y brindamos una interpretación de la transformación que opera sobre ellas para arribar al sistema que dio origen a una nueva corriente de pensamiento platónico.

LA FUNCIÓN PEDAGÓGICA DE LA POESÍA EN EL ESTOICISMO Y EN EL PLATONISMO

GÓMEZ ESPÍNDOLA,LAURA LILIANA
Fonte: Ideas y Valores Publicador: Ideas y Valores
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2013 ES
Relevância na Pesquisa
27.15%
RESUMEN En contraste con la interpretación de Marta Nussbaum, que adjudica a los estoicos ortodoxos una concepción meramente cognitivista de las pasiones y de la función pedagógica de la poesía en la formación moral de los individuos, en este artículo se argumenta que las pasiones tienen un elemento cognitivo (juicio errado) y uno no-cognitivo (movimiento físico excesivo), razón por la cual nos podemos valer de los elementos cognitivos y no-cognitivos de la poesía para ayudar al hombre en su formación moral. Se mostrará que esta propuesta tiene sus raíces en el pensamiento platónico.

El Platonismo en la democracia deliberativa de Carlos Nino

Benente,Mauro
Fonte: Instituto Tecnológico Autónomo de México; Fontamara Publicador: Instituto Tecnológico Autónomo de México; Fontamara
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2012 ES
Relevância na Pesquisa
27.45%
En el presente trabajo se realiza una breve presentación de la teoría de la democracia deliberativa, tal como la describe Carlos Santiago Nino. En particular, se sugiere que la idea de democracia deliberativa como sucedáneo de un discurso moral que nos permite acceder a la verdad moral adolece de un platonismo en sentido fuerte, según el cual la verdad está fuera de las relaciones sociales, y de un platonismo en sentido débil, según el cual la verdad es ajena a toda relación de poder.

De regreso a la fuente del platonismo en la filosofía de las matemáticas: la crítica de Aristóteles a los números eidéticos

Hopkins,Burt C.
Fonte: Areté Publicador: Areté
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2010 ES
Relevância na Pesquisa
37.93%
De acuerdo con la así llamada concepción platonista de la naturaleza de las entidades matemáticas, las afirmaciones matemáticas son análogas a las afirmaciones acerca de objetos físicos reales y sus relaciones, con la diferencia decisiva de que las entidades matemáticas no son ni físicas ni espacio-temporalmente individuales, y, por tanto, no son percibidas sensorialmente. El platonismo matemático es, por lo tanto, de la misma índole que el platonismo en general, el cual postula la tesis de un mundo ideal de entidades -eídē- que a la vez están separadas (chōristón) y son el fundamento cognitivo y ontológico del mundo real de cosas físicas que poseen propiedades espacio-temporales. Mientras que la no-identidad entre la concepción platonista de las entidades matemáticas y el platonismo del Platón "histórico" es frecuentemente reconocida tácita o explícitamente tanto por sus defensores como por sus críticos, su conexión con la crítica del Aristóteles "histórico" a la filosofía de Platón frecuentemente no es reconocida. Este artículo llama la atención sobre la conexión de Aristóteles con el así llamado platonismo tradicionalmente concebido y reconstruye un aspecto crucial de su crítica a la tesis originaria del chōrismós platónico que se pierde de vista a menos que se reconozca el objetivo verdadero de su crítica...

Para pensar de outros modos a modernidade pedagógicaAnother way of thinking about the pedagogical modernity

Veiga-Neto, Alfredo; Lopes, Maura Corcini
Fonte: ETD - Educação Temática Digital Publicador: ETD - Educação Temática Digital
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Avaliado pelos pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2010 POR
Relevância na Pesquisa
27.45%
Este artigo discute a produtividade de pensar a modernidade pedagógica, a partir da filosofia de Michel Foucault. Compreendendo a pedagogia como um conjunto de saberes e correlatas práticas educacionais, o artigo mostra o caráter contingente das raízes epistêmicas e epistemológicas que sustentam os discursos pedagógicos. A proveniência de tais raízes é localizada no platonismo renascentista e nas tradições judaico-cristãs. A partir dos conceitos de crítica e hipercrítica, o “pensar de outros modos” proposto por Michel Foucault é apontado como uma prática difícil, mas muito importante para a militância política.AbstractThis paper discusses the productivity of thinking the pedagogical modernity, from the point of view of the foucauldian philosophy. Understanding the pedagogy as a set of knowledges and correlate educational practices, the paper shows the contingent character of the epistemical and epistemological roots that sustain the pedagogical discourses. The provenience of these roots is placed in the platonic Renaissance and in the judaic-christian traditions. From the concepts of critique and hypercritique, the “another way of thinking” proposed by Michel Foucault is indicated as a difficult practice but very important for the political militancy.KeywordsModernity; Foucauldian studies; Pedagogy; Platonism; Hypercritique