Página 1 dos resultados de 217 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Padrões de consumo de álcool em programas de substituição de opiácios

Henriques, Ana Leonor Batista
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
46.37%
Dado o impacto do consumo de álcool nos Programas de Substituição de Opiáceos, o presente estudo centra-se na avaliação dos Padrões de Consumo de Álcool (PCA) nos utentes em Programas de Substituição com Metadona (PSM) e Subutex (PSS). Pretende-se, também, medir a influência das variáveis sócio-demográficas e psicopatológicas nesses mesmos padrões de consumo. Este estudo desenvolveu-se numa amostra de 79 heroínodependentes, da Equipa de Tratamento de Coimbra, 39 em programa de metadona e 40 em programa de subutex. Utilizou-se o “The Alcohol Use Disorders Identification Test” (AUDIT) e o Inventário de Sintomas Breves (BSI). Os resultados indicam que o PCA está relacionado com o Programa de Substituição, destacando-se uma percentagem significativa de consumo problemático nos doentes em PSM. Nesta amostra o PCA é uma função de doses diárias mais elevadas e mais tempo de permanência em tratamento e, associa-se com o género masculino, idades de início de consumo de álcool mais precoces, consumo concomitante de cocaína e presença de perturbação mental. Nos utentes em PSS o consumo de álcool é menos significativo e parece ser modelado pela situação profissional e pelo consumo concomitante de heroína e outros mais do que pelo programa de substituição; In order the impact of alcohol consumption on the Opioid Substitution Treatment...

Avaliação do impacto da perturbação mental na família, e implementação de um programa psicoeducacional.

Guedes, Anabela da Silva Moutinho
Fonte: Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; FMUP Publicador: Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; FMUP
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
46.23%
Mestrado em Psiquiatria e Saúde Mental; Master Degree Course in Psychiatry and Mental Health

Qualidade de vida e saúde mental em mulheres consumidoras de drogas

Seabra, Paulo; Garcia, Lurdes; Santos, Alexandra Maria Sarreira; Amendoeira, José; Sá, Luís
Fonte: Unidade de Investigação em Ciências da Saúde Publicador: Unidade de Investigação em Ciências da Saúde
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em /10/2013 POR
Relevância na Pesquisa
46.31%
Introdução: As questões de género no domínio da saúde requerem reflexão e investigação para respostas adequadas às necessidades encontradas. A condição de mulher, associada a alguns determinantes de saúde, pode provocar especial vulnerabilidade se estiver dependente de substâncias. Os estudos normalmente alargam a análise ao impacto em outros elementos sócio relacionais, como os fi companheiros, idade, emprego e comorbilidades. Estas variáveis têm impacto na Saúde Mental, influenciam a forma como vivemos eu dia-a-dia e condicionam a perceção da Qualidade de Vida. Objetivos: A análise das atitudes comportamentais, os fatores de risco e a manutenção de consumos, requer maior aprofundamento no impacto que provocam na perceção da qualidade de vida e na saúde mental na população consumidora, em particular nas mulheres. Pretendemos analisar a relação entre Qualidade de Vida e Saúde mental, em mulheres consumidoras de drogas que se submetem a um programa medicamentoso com metadona, e relacioná-los com variáveis relacionais e sociodemográficas. Metodologia: Investigamos a perceção da Qualidade de Vida, da Saúde Mental e a sua correlação, numa amostra de 48 mulheres dependentes de opiáceos, integradas num programa com metadona. Utilizámos dois instrumentos - Escala de avaliação da qualidade de vida nos consumidores de substâncias em programa de substituição com metadona (Pacheco...

Abrir Espaço à Saúde Mental : estudo do impacto da intervenção em alunos do 8º ano de escolaridade

Assunção, Ana Filipa Pereira
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 08/07/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.34%
Sabendo-se que cerca de um em cada cinco jovens irá experienciar uma perturbação mental (Stuart, 2006), e que a juventude constitui-se como uma etapa, na qual, as atitudes são maleáveis e, por conseguinte, mais facilmente modificáveis, torna-se importante desenvolver intervenções de promoção de saúde mental junto dos adolescentes, preferencialmente no contexto onde passam a maioria dos seus dias - as escolas (Corrigan & Watson, 2002; Farrer, Leach, Griffiths, Christensen & Jorm, 2008; Puolakka, Kiikkala, Haapasalo-Pesu & Paavilainen, 2011). O presente estudo insere-se no projeto “Abrir Espaço à Saúde Mental – Promoção da saúde mental em adolescentes: desenvolvimento e avaliação de uma intervenção”, tendo como objetivo geral: avaliar o impacto de uma intervenção centrada na promoção da saúde mental em jovens do 8º ano de escolaridade. No estudo participaram 214 estudantes provenientes de cinco escolas do Norte de Portugal com idades compreendidas entre os 12 e os 15 anos. Com o objetivo de avaliar o impacto da intervenção foram obtidos dois grupos aleatoriamente - grupo experimental (N=101) e grupo de controlo (N=113). A recolha de dados foi realizada através do questionário de Literacia em Saúde Mental - LSMq (Campos...

O impacto dos fatores psicossociais na saúde mental

Pinheiro, Ana Filipa
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
46.29%
A influência do trabalho na saúde mental tem sido cada vez mais explorada com o intuito de desenvolver e estabelecer estratégias de ação e prevenção que operem a longo-prazo. O presente trabalho propõe-se explorar e identificar as relações existentes entre os fatores psicossociais de saúde e bem-estar e a variável de saúde perturbação mental ligeira e os fatores sociodemográficos, assim como determinar quais os fatores psicossociais que afetam a perceção de capacidade para o trabalho dos trabalhadores ativos no setor da saúde. Para tal foram aplicados os questionários ICT e COPSOQ (versão média) a uma amostra de 150 profissionais ativos no setor da saúde. Os resultados demonstram que as variáveis sociodemográficas sexo, idade e habilitações literárias são influenciadas pelos fatores psicossociais de saúde e que a capacidade para o trabalho pode ser influenciada pelo sexo, saúde geral e burnout experienciado. Com base no resultado deste e dos vários estudos efetuados até então sobre o tema, surge a necessidade de os locais de trabalho se debruçarem na criação de um ambiente propício à manutenção da saúde mental e bem-estar dos trabalhadores.; The influence of work on mental health has been increasingly explored with the aim of developing and establishing action strategies and prevention that operate in long-term. This study aims to explore and identify the relationships between psychosocial health and well being factors and the variable mild mental disorder and sociodemographic factors...

“A Gestão do Regime Terapêutico por Pessoas com Doença Mental, na Perspectiva do Cuidador Principal”

Marques, Maria de Fátima; Rodrigues, Maria do Céu
Fonte: Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental Publicador: Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental
Tipo: Aula
POR
Relevância na Pesquisa
46.28%
“A Gestão do Regime Terapêutico por Pessoas com Doença Mental, na Perspectiva do Cuidador Principal” Este trabalho resulta de um diagnóstico de situação, que surgiu da reflexão sobre os vários fatores que levam ao reinternamento de utentes em Unidades de Psiquiatria. De entre eles emerge frequentemente o cumprimento inadequado da prescrição acompanhado por vezes da adoção de hábitos prejudiciais à sua saúde física e mental. A pertinência da gestão do regime terapêutico, assenta no facto de que se a pessoa tiver capacidade, ferramentas e autonomia para a fazer, estará a ser promovida a adesão terapêutica, diminuindo assim o impacto negativo da doença na sua qualidade de vida. Optámos por conhecer a perspetiva dos cuidadores principais, uma vez que os doentes apresentam frequentemente falta de crítica e não-aceitação da sua doença mental e o diagnóstico de situação decorreu num período de crise que levou ao internamento. Objetivos: - Conhecer a perspetiva do cuidador principal, relativamente à forma como o seu familiar com doença mental faz a gestão do regime terapêutico no domicílio; -Contribuir para a definição de estratégias direcionadas aos utentes e cuidadores principais, para a melhoria da Gestão do Regime Terapêutico. Para a realização do trabalho definimos dois critérios de pertença...

Quedas em Idosos com Perturbações Mentais Residentes Em Unidade de Longa Duração

Reis, M.Gorete; Sotto Mayor, Margarida; Gageiro, Helena; Carneiro, Constança
Fonte: Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental Publicador: Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental
Tipo: Aula
POR
Relevância na Pesquisa
56.77%
Tema: Quedas em idosos com perturbações mentais residentes em unidade de longa duração Reis, M. Gorete*; Sotto Mayor, Margarida** Gageiro, H: ***; Carneiro, C****(2013) Quedas em Idosos com perturbações mentais residentes em unidade de longa duração In IV Congresso Internacional SPESM *PHD UÉvora greis@uevora.pt** Enfermeira, PHD; HML/UNIFAI mgsottomayor@gmail.com*** PHD, UNIFAI; ****Enfermeira ULD Resumo Introdução O envelhecimento da população bem como a sua maior longevidade tem revelado o aumento de pessoas frágeis e com pluripatologia onde se insere a perturbação mental, seja por doença primária seja secundária, facto que justifica as altas taxas de institucionalização. Estamos perante um ciclo de dificuldades que importa controlar, conscientes que não se pode evitar de todo. A terapêutica medicamentosa provoca, colateralmente, efeitos que estão associados a outros riscos nomeadamente ao das quedas. Este é um fenómeno reconhecido pelas instâncias internacionais e nacionais com sendo um importante problema de saúde com repercussões na funcionalidade e na qualidade de vida da pessoa, além de ter elevados custos socio económicos. Avaliar o risco e estabelecer programas de prevenção de queda é a atitude preventiva mais ajustada face à fragilidade dos utentes. Objetivos Determinar a prevalência de quedas das pessoas idosas com perturbação mental residentes numa unidade de longa duração do Centro de França e os fatores associados. População Idosos com perturbação mental...

Adultos jovens desempregados e saúde mental: intervenção em saúde mental

Guerreiro, Maria Helena Quinta
Fonte: Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Saúde Publicador: Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Saúde
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /02/2015 POR
Relevância na Pesquisa
46.56%
Relatório do Trabalho de Projeto em Enfermagem Apresentado para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica; A Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica, foca-se na promoção da saúde mental, na prevenção, no diagnóstico e na intervenção perante respostas humanas desajustadas ou desadaptadas aos processos de transição, geradores de sofrimento, alteração ou doença mental. Como Enfermeira Especialista em Saúde Mental e Psiquiatria, é-me pedido enquanto profissional competente a compreensão dos processos de sofrimento, alteração e perturbação mental do cliente assim como as implicações para o seu projeto de vida, o potencial de recuperação e a forma como a saúde mental é afetada pelos fatores contextuais. Após análise das necessidades da comunidade, verificou-se que a recuperação (recovery) pessoal, feita através do aconselhamento, com o objetivo de desenvolver a resiliência da pessoa seria uma mais-valia, quando aplicado a pessoas com perturbações de ansiedade e depressão, sendo estas perturbações mentais, que provocam a curto prazo graves problemas com consequências por vezes irreversíveis. O objetivo da consulta é direcionado para o desemprego jovem e as repercussões na saúde mental dos mesmos. O desemprego afeta...

A perturbação mental na fratria: o funcionamento familiar, a vinculação parental e a satisfação com o suporte social

Rodrigues, Andreia Joana Gaspar
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
46.69%
Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica; O presente estudo objectivou investigar e perceber o funcionamento familiar, e comparar a vinculação parental e a satisfação com o suporte social em 32 fratrias (32 pares de irmãos) nas quais um dos irmãos tem um diagnóstico de perturbação mental (32 irmãos doentes e 32 sem qualquer patologia). Verificou-se que a maioria das famílias do presente estudo apresentam segundo o Modelo Circumplexo de Olson, uma adaptabilidade flexível e uma coesão emaranhada, com um alto grau de dependência, união afectiva, proximidade emocional, onde os papéis são partilhados e as decisões são tomadas em comum. Relativamente à vinculação parental, verificou-se que os irmãos com perturbação mental apresentam uma maior inibição de exploração e individualidade e maior ansiedade de separação e dependência com a figura materna. Pelo contrário, os irmãos sem diagnóstico de perturbação mental apresentam uma maior qualidade de laço emocional com o pai. São também os sujeitos sem doença mental que possuem maiores pontuações na satisfação com o suporte social, mais acentuadamente nas dimensões da intimidade e actividades sociais.; This study aimed to investigate and understand family functioning...

Reabilitação psicossocial: participação de pessoas diagnosticadas com perturbação mental e dos seus familiares no processo de tratamento

Castro, Ana Raquel Ferreira de
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
66.68%
Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica; A presente investigação tem como objetivo principal explorar a opinião de pessoas, com o diagnóstico de perturbação mental, sobre a importância não só da sua participação no processo de tratamento, como também dos seus cuidadores e/ou familiares. Com este intuito, foi realizada uma entrevista semi-estruturada a uma amostra constituída por sete participantes (seis mulheres e um homem) diagnosticados com uma perturbação mental. Os principais resultados corroboram a literatura no que concerne à importância da participação de utentes e familiares no tratamento, à sua frequência em terapias complementares à farmacoterapia, à definição de Reabilitação Psicossocial e ainda ao impacto do estigma na doença mental. Pretende-se, com este estudo, apresentar um contributo para a compreensão deste fenómeno de modo a melhorar a prestação de cuidados nos serviços de Reabilitação Psicossocial.; This research aims to explore the opinion of people with a diagnosis of mental disorder, not only about the importance of their participation in the treatment process, as well as the participation of their caregivers and family. For this purpose, we performed a semi-structured interview to a sample of seven participants (six women and one man) diagnosed with a mental disorder. The main results corroborate the literature regarding the importance of involving patients and their families in treatment...

Saúde Mental em meio prisional : avaliação de necessidades de cuidados em reclusos com perturbação mental

Talina, António Miguel Cotrim
Fonte: Faculdade de Ciências Médicas Publicador: Faculdade de Ciências Médicas
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.93%
RESUMO: A população prisional é constituída por indivíduos geralmente sujeitos a alguma forma de exclusão social e que apresentam problemas de saúde física e mental mais frequentes do que na população em geral. A prevalência mais elevada de perturbações mentais e de suicídio nos reclusos, em relação à população civil, é consensual e está demonstrada em numerosos estudos internacionais. O abuso/dependência de substâncias, a depressão, as psicoses e a perturbação anti-social de personalidade são as perturbações mais comuns na população prisional. As perturbações mentais são importantes factores de risco de suicídio, de vitimização, de reincidência e de reentrada no sistema prisional. Assim sendo, o grupo de reclusos com perturbação mental constitui um grupo de risco relevante. A avaliação de necessidades de cuidados foi iniciada no Reino Unido como um método para o planeamento, medição dos resultados e financiamento dos cuidados de saúde. Para esta avaliação foram desenvolvidos instrumentos que avaliam as necessidades em diversos domínios (clínicos e sociais) para aplicação aos utentes, cuidadores e profissionais. Até aos anos noventa, a avaliação de necessidades no contexto prisional incidia especialmente nas necessidades de segurança dos serviços...

Perturbação mental e ideação suicida entre reclusos preventivos

Moreira, Nuno Costa; Grupo de trabalho da Direcção Geral dos Serviços Prisionais responsável pelo Plano Integrado da Prevenção do Suicídio nas prisões; Gonçalves, Rui Abrunhosa; Escola de Psicologia, Universidade do Minho, Braga
Fonte: ISPA - Instituto Universitário Publicador: ISPA - Instituto Universitário
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em 23/11/2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.72%
A presente investigação tem dois objectivos: (1) Analisar a incidência de ideação suicida e de perturbação emocional numa amostra de 66 presos preventivos de um estabelecimento prisional central em dois momentos, durante a primeira semana de reclusão e após seis meses de cumprimento da pena, e nesse mesmo período de tempo; (2) explorar o grau de perturbação emocional e sintomatologia psicopatológica em dois grupos de reclusos, reclusos com ideação suicida (Grupo CIS) e reclusos sem ideação suicida (Grupo SIS). A ideação suicida foi avaliada através do Questionário de Ideação Suicida enquanto o Inventário de Sintomas Psicopatológicos permitiu avaliar a perturbação emocional e sintomatologia psicopatológica associada. Os resultados deste estudo permitem verificar que a incidência de ideação suicida se mantém estável ao longo dos primeiros seis meses de reclusão, enquanto a incidência de perturbação emocional diminui significativamente nesse mesmo período de tempo. A divisão da amostra em dois grupos, permitiu verificar que o Grupo CIS apresenta níveis de perturbação emocional significativamente superiores ao observado no Grupo SIS, particularmente sintomatologia psicopatológica depressiva...

Perturbação mental e ideação suicida entre reclusos preventivos

Moreira, Nuno Alexandre Costa; Grupo de trabalho da Direcção Geral dos Serviços Prisionais responsável pelo Plano Integrado da Prevenção do Suicídio nas prisões; Gonçalves, Rui Abrunhosa; Escola de Psicologia, Universidade do Minho, Braga
Fonte: ISPA - Instituto Universitário Publicador: ISPA - Instituto Universitário
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em 23/11/2012 POR
Relevância na Pesquisa
46.72%
A presente investigação tem dois objectivos: (1) Analisar a incidência de ideação suicida e de perturbação emocional numa amostra de 66 presos preventivos de um estabelecimento prisional central em dois momentos, durante a primeira semana de reclusão e após seis meses de cumprimento da pena, e nesse mesmo período de tempo; (2) explorar o grau de perturbação emocional e sintomatologia psicopatológica em dois grupos de reclusos, reclusos com ideação suicida (Grupo CIS) e reclusos sem ideação suicida (Grupo SIS). A ideação suicida foi avaliada através do Questionário de Ideação Suicida enquanto o Inventário de Sintomas Psicopatológicos permitiu avaliar a perturbação emocional e sintomatologia psicopatológica associada. Os resultados deste estudo permitem verificar que a incidência de ideação suicida se mantém estável ao longo dos primeiros seis meses de reclusão, enquanto a incidência de perturbação emocional diminui significativamente nesse mesmo período de tempo. A divisão da amostra em dois grupos, permitiu verificar que o Grupo CIS apresenta níveis de perturbação emocional significativamente superiores ao observado no Grupo SIS, particularmente sintomatologia psicopatológica depressiva...

El trastorno mental grave apreciado después de dictarse sentencia firme : el art. 60 del Código penal

Vizueta Fernández, Jorge
Fonte: Superior Tribunal de Justiça do Brasil Publicador: Superior Tribunal de Justiça do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica
ES
Relevância na Pesquisa
46.26%
Analisa o artigo 60 do Código Penal espanhol, que determina a suspensão da execução de pena nos casos em que, depois de proferida a sentença final, se verifica que o apenado apresenta transtorno mental grave e duradouro que o impede de conhecer o sentido da penalidade a ele aplicada. Enfatiza reforma sofrida por esse preceito legal que trata da possibilidade de impor medidas de segurança em favor do apenado objetivando a suspensão de qualquer tipo de pena e não somente daquelas que ordenam a privação da liberdade.

Política criminal brasileira para pessoas doentes mentais ou com desenvolvimento mental incompleto ou retardado

Mendes, Alessandro Araújo; Costa, Kátia Regina Lopes
Fonte: Superior Tribunal de Justiça do Brasil Publicador: Superior Tribunal de Justiça do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.29%
Apresenta disposições do código penal brasileiro a respeito das pessoas doentes mentais ou com desenvolvimento mental incompleto ou retardado. Destaca a forma como pessoas com deficiências mentais ou intelectuais são julgadas e colocadas em manicômios judiciários como doentes mentais.

Saúde mental em contexto migratório: um estudo na Região de Lisboa

Rosa, Cláudia Fernanda Soares Carvalho
Fonte: Universidade Aberta de Portugal Publicador: Universidade Aberta de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 4799470 bytes; application/pdf
Publicado em //2007 POR
Relevância na Pesquisa
46.67%
Dissertação de Mestrado em Relações Interculturais apresentada à Universidade Aberta; Resumo- No mundo global em que vivemos as migrações têm vindo a tornar-se um fenómeno cada vez mais frequente. Como tal, é importante dar especial atenção à saúde dos migrantes, nomeadamente, à sua saúde mental. O presente estudo debruça-se sobre a saúde mental em contexto migratório, abrangendo imigrantes que recorreram a serviços de saúde mental na região de Lisboa. Na parte referente ao enquadramento teórico são abordados conceitos de saúde e doença mental, e a psiquiatria numa perspectiva transcultural. É ainda desenvolvido o tema da aculturação, e alguns aspectos relativos à diversidade cultural, migrações e saúde. A investigação teve como principais objectivos identificar os problemas psíquicos predominantes em imigrantes que recorrem a serviços de saúde mental da região de Lisboa e compreender em que medida a imigração é factor desencadeante de psicopatologia e doença mental. Trata-se de um estudo de carácter exploratório e descritivo, tendo sido utilizada uma metodologia de natureza qualitativa. Foi seleccionada a entrevista semi-estruturada como instrumento de recolha de dados relativos à população em estudo que consistiu numa amostra intencional de 20 imigrantes que recorreram a serviços de saúde mental na região de Lisboa. Após ter sido feita a caracterização da amostra em estudo...

Internamento e tratamento compulsivos em pessoas com perturbação mental estudo das atitudes éticas

Azenha, Sónia Soraia Dias
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em 18/08/2014 POR
Relevância na Pesquisa
46.31%
As medidas compulsivas em saúde mental levantam várias questões éticas, em particular ao médico que se depara com o dever de cuidar, numa sociedade que está, cada vez mais, consciente da autonomia e dos direitos da pessoa doente. Ao longo dos tempos, a forma de encarar a doença mental e o internamento sofreram mudanças profundas. Atualmente, as medidas compulsivas requerem critérios de aplicação específicos, regulados por documentos internacionais e pela lei interna, para restringir o seu uso e assegurar que os direitos dos doentes e exigências éticas sejam respeitados. Constata-se a importância dos critérios de aplicação, dos procedimentos, da monitorização da prática, do exercício dos direitos do doente e da formação dos profissionais em assuntos bioéticos. De forma a assegurar que, a nível nacional, estes objetivos se concretizem é fundamental promover o entendimento destes temas e conhecer a opinião dos profissionais. O objetivo deste trabalho é contribuir para a concretização das orientações relacionadas com as medidas compulsivas, aplicada à realidade nacional, de duas formas: a) contextualização do internamento compulsivo (IC), análise de vários documentos internacionais na área da saúde mental...

Vergonha e Solidão na Doença Mental Crónica: contributo de um estudo exploratório

Guilherme, Eva Marina Rocha
Fonte: ISMT Publicador: ISMT
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
46.23%
Este estudo pretende explorar a natureza da vergonha, enquanto vivência emocional, e a sua relação com a solidão nos doentes mentais crónicos. Foi avaliada a vergonha interna e externa, a solidão, e estados emocionais negativos, nomeadamente a depressão, ansiedade e stress. Nesta investigação participaram 41 utentes com diagnóstico de perturbação mental. Para avaliar as variáveis psicológicas pretendidas foi utilizada a Escala de Vergonha Interna (ISS), a Escala de Vergonha Externa (OAS), A Escala de Solidão UCLA e a Escala de Depressão, Ansiedade e Stress (DASS-21). Os resultados indicaram que os doentes mentais da nossa amostra apresentam maiores níveis de vergonha comparativamente à população geral. São as mulheres que apresentam valores mais elevados de vergonha interna, enquanto os divorciados apresentam maiores índices de vergonha externa e de solidão. Os doentes que têm uma actividade laboral manifestam menores níveis de solidão e de depressão. Quanto mais elevadas as habilitações literárias dos participantes, menor é o nível de ansiedade. No estudo de comparação entre doentes institucionalizados e não-institucionalizados, verificou-se que os primeiros apresentam níveis significativamente mais elevados de ansiedade...

Perturbação mental e ideação suicida entre reclusos preventivos

Moreira,Nuno Alexandre Costa; Gonçalves,Rui Abrunhosa
Fonte: Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2010 PT
Relevância na Pesquisa
46.72%
A presente investigação tem dois objectivos: (1) Analisar a incidência de ideação suicida e de perturbação emocional numa amostra de 66 presos preventivos de um estabelecimento prisional central em dois momentos, durante a primeira semana de reclusão e após seis meses de cumprimento da pena, e nesse mesmo período de tempo; (2) explorar o grau de perturbação emocional e sintomatologia psicopatológica em dois grupos de reclusos, reclusos com ideação suicida (Grupo CIS) e reclusos sem ideação suicida (Grupo SIS). A ideação suicida foi avaliada através do Questionário de Ideação Suicida enquanto o Inventário de Sintomas Psicopatológicos permitiu avaliar a perturbação emocional e sintomatologia psicopatológica associada. Os resultados deste estudo permitem verificar que a incidência de ideação suicida se mantém estável ao longo dos primeiros seis meses de reclusão, enquanto a incidência de perturbação emocional diminui significativamente nesse mesmo período de tempo. A divisão da amostra em dois grupos, permitiu verificar que o Grupo CIS apresenta níveis de perturbação emocional significativamente superiores ao observado no Grupo SIS, particularmente sintomatologia psicopatológica depressiva, ansiosa...

Determinantes sociais e económicos da Saúde Mental

Alves,Ana Alexandra Marinho; Rodrigues,Nuno Filipe Reis
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 PT
Relevância na Pesquisa
46.29%
O conceito de "saúde mental" é amplo, e nem sempre é fácil a sua definição, ou a identificação daquilo que a determina. No entanto, da mesma forma que a "saúde" não é apenas a ausência de doença, também a saúde mental é mais do que apenas a ausência de perturbação mental. Neste sentido, tem sido cada vez mais entendida como o produto de múltiplas e complexas interacções, que incluem factores biológicos, psicológicos e sociais. Neste artigo são revistos alguns dos determinantes sociais e económicos da saúde mental, nomeadamente factores como condições laborais e desemprego, educação, pobreza, condições de habitação, nível de urbanização, discriminação sexual e violência de género, experiências precoces e interacção familiar, exclusão social e estigma, cultura e acontecimentos de vida stressantes. Por fim, salienta-se também a importância do conhecimento dos determinantes sociais e económicos da saúde mental numa perspectiva de Saúde Pública, e a sua relevância para a redução da carga global de doença e a melhoria da saúde mental das populações.