Página 1 dos resultados de 99 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Aprendizagens algébricas e o desenvolvimento do pensamento algébrico em alunos do 8º ano

Silva, Dalila Maria Teixeira Faria da
Fonte: Universidade da Madeira Publicador: Universidade da Madeira
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /10/2013 POR
Relevância na Pesquisa
67.2%
A todos os alunos deve ser proporcionada uma aprendizagem da álgebra que promova o desenvolvimento da linguagem e do pensamento algébrico, no entanto este é um dos temas da matemática relativamente ao qual os alunos continuam a apresentar muitas dificuldades. Este estudo tem como objetivo compreender como os alunos de 8.º ano aprendem álgebra e, em particular, como desenvolvem o seu pensamento algébrico. Tendo em conta a complexidade deste objetivo, houve a necessidade de centrar o estudo em duas questões: (a) Que dificuldades manifestam os alunos na aprendizagem da álgebra? (b) De que forma a atividade matemática do aluno pode influenciar a aprendizagem da álgebra e o desenvolvimento do pensamento algébrico? A investigação seguiu uma metodologia qualitativa, no paradigma interpretativo, e incide no trabalho desenvolvido pelos alunos de uma turma de 8.º ano da qual a investigadora é professora. A recolha de dados baseou-se na observação direta dos comportamentos dos alunos, que foram registados através de anotações, da gravação de áudio e vídeo de algumas aulas e, ainda, em documentos produzidos pelos alunos. Procurou-se evidenciar os momentos onde ocorreram as principais aprendizagens e o desenvolvimento do pensamento algébrico. A experiência decorre ao longo do desenvolvimento dos tópicos de Funções e Equações e baseia-se na aplicação de um diversificado número de tarefas. As propostas de trabalho escolhidas pretendem proporcionar aos alunos experiências significativas para a aprendizagem da álgebra...

A exploração de padrões no desenvolvimento do pensamento algébrico de alunos do 2º ciclo

Leão, Carlos Nelson da Costa
Fonte: Instituto Politécnico de Leiria Publicador: Instituto Politécnico de Leiria
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
67.05%
Relatório projeto de Mestrado em Educação e Tecnologia em Matemática apresentada à ESECS - Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria.; Desde os anos 60 do século passado, que uma nova corrente sociológica e de pensamento, o construtivismo, tem trazido ao debate a forma como o indivíduo constrói e desenvolve o seu pensamento, apontando algumas orientações metodológicas para o ensino. Baseado nessas ideias e no âmbito do ensino e aprendizagem da Matemática, foi realizada a presente investigação, que deu especial atenção à exploração de padrões na sala de aula, ficando assim definido que o seu principal objetivo seria analisar o desenvolvimento do pensamento algébrico em alunos do 2º Ciclo do Ensino Básico. Para levar a cabo a tarefa proposta, construíram-se três questões orientadoras da investigação: 1. Qual a compreensão algébrica revelada pelos alunos na resolução de tarefas envolvendo a exploração de padrões?; 2. Que estratégias utilizam na busca de generalizações? e 3. Em que nível de generalização se encontram? Foi utilizada uma metodologia qualitativa de investigação, baseada em três estudos de caso. A recolha de dados foi realizada numa turma do investigador...

O percurso da didatização do pensamento algébrico no ensino fundamental: uma análise a partir da transposição didática e da teoria antropológica do didático; The route of the didactization of the algebraic thinking in the elementary school: an analysis from the Didactic Transposition and the anthropological theory of didactic

Aguiar, Marcia
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 18/12/2014 PT
Relevância na Pesquisa
67.08%
O ensino de álgebra nos três últimos anos do Ensino Fundamental tem se reduzido a um momento destinado ao treino e à fixação de regras e procedimentos algébricos. Ao que parece, os livros didáticos corroboram com essa visão do ensino de álgebra. Por outro lado, sabemos que no livro didático estão presentes algumas intenções didáticas legitimadas, de certa forma, por todos aqueles que participam do processo de ensino. Ao professor, que muitas vezes só possui o livro didático como material para preparar as suas aulas, cabe transformá-lo no saber que será ensinado na sala de aula. A álgebra é uma ciência ensinada predominantemente na escola e é relevante para capacitar os sujeitos a compreender o desenvolvimento científico e tecnológico atual. Por isso, parece-nos que o ensino de álgebra nos 7º, 8º e 9º anos do Ensino Fundamental deveria contribuir para a construção de um pensamento algébrico, superando as práticas rotinizadas. Assim, o objetivo do nosso trabalho é analisar de que modo os livros didáticos desse nível de ensino permitem a construção do pensamento algébrico. Ou seja, investigar o percurso de didatização da álgebra no Ensino Fundamental ou, mais propriamente, nos livros didáticos. Para essa análise utilizamos a Teoria da Transposição Didática e a Teoria Antropológica do Didático...

O Uso do computador como instrumento para o pensamento algébrico

Tonet, Vanessa Girelli
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.84%
Este trabalho tem como objetivo principal a elaboração de uma proposta pedagógica que utiliza o computador como instrumento para introduzir o pensamento algébrico. A escolha das atividades que compuseram esta proposta foi feita com base na leitura dos textos de Usiskin (2003), Lins e Gimenez (1997), House (2003), Bonadiman (2007), Demana e Leitzel (2003), Vlassis e Demonty (2002) e Kern (2008), os quais abordam aspectos da álgebra, situações-problema e o uso do computador na educação, que constituem o nosso foco. A proposta pedagógica é composta por uma atividade adaptada do livro (VLASSIS, J; DEMONTY, I. 2002) e também da sequência didática proposta por (KERN, 2008) que foi aplicada com alunos de uma escola privada de Porto Alegre. A coleta de dados ocorreu em uma escola pública de Porto Alegre, através de uma oficina com alunos da 7ª série (atual 8º ano). Analisamos os dados coletados na oficina e traçamos um paralelo com os resultados obtidos por Kern quando implementou a sua proposta. Nas considerações finais encontram-se os resultados desta pesquisa e algumas de suas contribuições para o Ensino da Álgebra na Educação Básica.; The main go of this work is the development has as main objective the development of a pedagogy that uses the computer as a tool to introduce algebric thinking. The choice of activities was based on reading the texts Usiskin (2003)...

Atividades para o desenvolvimento do pensamento algébrico no Ensino Fundamental

Braga, Bruno Bastos
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.98%
Este trabalho apresenta uma investigação acerca do pensamento algébrico de alunos do Ensino Fundamental, através da experimentação de atividades que foram construídas com o intuito de auxiliar na compreensão de conceitos de equações como variáveis e incógnitas. As atividades foram aplicadas para duas turmas de 7º ano na Escola Estadual de Ensino Fundamental Maurício Sirotski Sobrinho, durante o ano de 2012. Buscou-se verificar se as atividades propostas contribuíram para que os alunos compreendessem a linguagem algébrica simbólica vinculada ao estudo de equações. O trabalho apresenta uma análise da experimentação, concluindo que a aplicação das atividades foi positiva para a contribuição no pensamento algébrico de alunos e para a sua compreensão da linguagem simbólica da matemática.; This work presents an investigation on the algebraic thinking in elementary school students, through experimentation activities that were built in order to assist in understanding the concepts of variables and equations as unknowns. The activities were applied to two 7th grade classes at the State School of Basic Education Mauricio Sirotski Sobrinho during the year 2012, through the discipline of mathematics education in Stage II of this University. We sought to determine whether the proposed activities helped students understand the symbolic language of algebra equations linked to the study. The work presents an analysis of the experiment...

Desenvolvimento do pensamento algébrico de alunos do 10.º ano no tema funções através da resolução de problemas com recurso às TIC

Nogueira, Daniela
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
67.29%
Dissertação de mestrado em Ciências da Educação (área de especialização em Supervisão Pedagógica na Educação Matemática); Este estudo visa compreender como se desenvolve o pensamento algébrico de alunos do 10.º ano, no estudo do tema das Funções, através da resolução de problemas com recurso às TIC. Trata-se de um estudo interpretativo com um design de estudo de caso com alunos de desempenhos escolares diferentes — médio (Sílvia), bom (Rui) e fraco (Rute) — e que procura responder às questões: (1) Que aspectos do pensamento algébrico se desenvolvem nos alunos do 10.º ano no estudo das Funções? Qual o contributo da resolução de problemas e do uso das TIC nesse desenvolvimento? (2) Que perspectivas têm os alunos sobre a resolução de problemas e o uso das TIC no desenvolvimento do pensamento algébrico? Os estudos de caso reportam-se a três fases distintas que decorreram Antes, Durante e Após a intervenção pedagógica. Os dados foram recolhidos através de um questionário, um teste (Pré-teste e Pós-teste), registos escritos dos alunos, transcrições das aulas áudio gravadas, notas de campo e uma entrevista. A revisão de literatura deste estudo estrutura-se em cinco partes: (1) breve análise da evolução histórica da Álgebra; (2) a Álgebra no currículo escolar; (3) pensamento algébrico (caracterização deste pensamento e o uso de símbolos no seu desenvolvimento); (4) a resolução de problemas no ensino da Álgebra; e (5) contribuição das TIC no desenvolvimento do pensamento algébrico. Os três alunos evidenciam evoluir em relação aos aspectos do pensamento algébrico considerados — estabelecer relações...

O pensamento algébrico na aprendizagem da Matemática nos primeiros anos

Canavarro, Ana Paula
Fonte: Associação de Professores de Matemática Publicador: Associação de Professores de Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
67.24%
Este artigo discute o conceito de pensamento algébrico, analisando aspectos essenciais que o caracterizam e duas das suas principais vertentes: a aritmética generalizada e o pensamento funcional. De seguida, identifica o lugar do pensamento algébrico nas actuais orientações curriculares em Matemática para os primeiros anos, com particular incidência no novo programa de Matemática do ensino básico português. Por último, equaciona três aspectos a observar com vista ao desenvolvimento do pensamento algébrico na sala de aula: as tarefas e as características que lhe conferem potencial algébrico; as representações matemáticas convencionais e não convencionais, que constituem recursos para raciocínio algébrico e sua expressão por parte dos alunos; e o papel do professor, que deve criar uma cultura de sala de aula adequada à discussão e confronto de ideias, à argumentação e à construção colectiva de generalizações matemáticas. O artigo apoia-se na investigação recente de referência no domínio do pensamento algébrico, ilustrada com episódios de sala de aula de 1.o e 2.o ciclos recolhidos em 2006/2007 e 2007/2008./The article discusses the notion of algebraic thinking, analysing essential aspects and two of its main strands: generalized arithmetic and functional thinking. On the second part...

Prática de ensino supervisionada em educação pré-escolar e ensino do 1º ciclo do ensino básico: desenvolver o pensamento algébrico dos alunos

Garcia, Beatriz Maria Galão Bernardo
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.28%
O presente relatório de estágio refere-se à investigação realizada no contexto da Prática de Ensino Supervisionada em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico, desenvolvida na EB/JI de Canaviais, em 2012/13 e 2013/14, pela aluna Beatriz Maria Galão Bernardo Garcia, tomando como foco específico o desenvolvimento do pensamento algébrico dos alunos. O trabalho desenvolveu-se ao longo de dois semestres, um semestre em educação pré-escolar e outro em ensino do 1.º Ciclo de escolaridade, tendo como principal objetivo compreender como se processa o desenvolvimento do pensamento algébrico nas crianças e como é que este pode evoluir num contexto de aprendizagem estimulante, em que as crianças/alunos tenham um papel relevante no trabalho com tarefas que apelam à generalização e que são exploradas pelos alunos e discutidas em coletivo na turma, no quadro do ensino exploratório da Matemática. O relatório inclui uma abordagem teórica acerca do que se entende por pensamento algébrico, particularmente como se pode desenvolver o pensamento algébrico na sala de aula, o que auxiliou na planificação das aulas relativas às tarefas intencionalmente desenvolvidas ao longo do estágio. Das principais conclusões...

Prática de ensino supervisionada em educação pré-escolar e ensino básico: desenvolver o pensamento algébrico através de padrões

Alves, Beatriz dos Santos
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
67.08%
O presente relatório traduz a investigação realizada no âmbito das unidades curriculares da Prática de Ensino Supervisionada em Pré-Escolar e em 1.º Ciclo do Ensino Básico, inseridas no Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1ºCiclo do Ensino Básico da Universidade de Évora. A investigação decorreu em dois contextos distintos, tendo sido realizada primeiramente numa sala de Educação Pré-Escolar e, posteriormente, numa turma do 1.º ano do 1.º Ciclo do Ensino Básico. Ambos os contextos pertencem à Escola Manuel Ferreira Patrício, sede do Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora. A investigação realizada teve como objetivos compreender, analisar e refletir sobre como a exploração de padrões pode promover o desenvolvimento do pensamento algébrico das crianças/alunos, desde os primeiros anos de escolaridade. Deste modo, pretendeu-se responder às seguintes questões: Como lidam os alunos com a identificação do padrão? Que representações usam os alunos na exploração de padrões? Que estratégias utilizam os alunos para explorar padrões? Ao longo da investigação foi realizada uma intervenção didática consistindo numa sequência de tarefas de exploração de padrões de repetição, que possibilitaram a recolha de dados em ambos os contextos. A análise dos dados teve como base os referenciais teóricos consultados...

Desenvolvendo o pensamento algébrico no 2.º ciclo do ensino básico: o sentido dos símbolos e da generalização

Infante, Maria da Luz Côco Valente
Fonte: Instituto Politécnico de Lisboa Publicador: Instituto Politécnico de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /12/2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.93%
Dissertação apresentada à Escola Superior de Educação de Lisboa para obtenção do grau de mestre em Educação Matemática na Educação Pré-escolar e nos 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico; O objetivo deste estudo é analisar o modo como alunos do 2.º Ciclo evoluem no desenvolvimento do seu pensamento algébrico, nomeadamente no que diz respeito ao uso das letras e expressões algébricas, no quadro de uma experiência de ensino sobre proporcionalidade direta e regularidades, baseada em tarefas de cariz exploratório, contextualizadas e com potencial algébrico a explorar no contexto de uma cultura de aula que valoriza a comunicação Matemática. Para tal procura-se compreender i) que tipo de representações adotam os alunos para representar as suas ideias algébricas, ii) que sentido atribuem os alunos às letras e às expressões algébricas e, iii) que estratégias privilegiam os alunos para lidar com tarefas de proporcionalidade direta e sequências e regularidades. A metodologia assume o design de estudo de caso de natureza qualitativa, de uma turma de 6.º ano de escolaridade em que a professora de Matemática é simultaneamente a investigadora, constituindo deste modo uma investigação sobre a própria prática. A recolha de dados recorreu a fontes diversas como gravações vídeo e áudio dos momentos de apresentação e discussão coletiva das tarefas...

Tecnologias e pensamento algébrico: conhecimento é prática de duas professoras de matemática

Duarte, José; Brocardo, Joana; Ponte, João Pedro da
Fonte: Sociedade Portuguesa de Investigação em Educação Matemática Publicador: Sociedade Portuguesa de Investigação em Educação Matemática
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em /05/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.98%
Este estudo analisa a evolução de duas professoras que integram uma equipa colaborativa durante um ano lectivo que realizou um trabalho de discussão e concepção de tarefas sobre pensamento algébrico, com utilização da tecnologia e reflectiu sobre a sua implementação em turmas do 7.º ano. As duas professoras com práticas anteriores diferentes ao nível da integração da tecnologia, apropriam-se progressivamente do papel da folha de cálculo como apoio ao processo de generalização e modelação e salientam a importância das múltiplas representações para a compreensão das tarefas e o desenvolvimento do pensamento algébrico. O contexto de trabalho colaborativo apoiou o processo de elaboração e experimentação de tarefas abertas mais exigentes, deu confiança às professoras para arriscarem mais na sua prática e revelou-se como um importante contributo para o desenvolvimento do seu conhecimento profissional.

Pensamento algébrico no 2º ano de escolaridade: generalização de sequências

Ramos, Teresa; Boavida, Ana Maria; Oliveira, Hélia
Fonte: Associação de Professores de Matemática Publicador: Associação de Professores de Matemática
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em /09/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.93%
Comunicação apresentada em XXII Seminário de Investigação em Educação Matemática, Lisboa, 7-8 setembro 2011; É inquestionável a importância do desenvolvimento do pensamento algébrico nos primeiros anos de escolaridade Neste âmbito, a exploração de sequências é um meio privilegiado de promover o pensamento funcional, permitindo a expressão de generalizações em linguagem natural Neste texto analisa-se a actividade de alunos do 2 º ano numa tarefa de exploração de uma sequência crescente Os resultados indiciam que a maior parte resolve com facilidade questões de generalização próxima usando estratégias de representação e contagem Nas de generalização distante sentem mais dificuldades e recorrem a outras estratégias resultantes da forma como visualizam as figuras da sequências.

Tecnologias para desenvolver o pensamento algébrico

Duarte, José
Fonte: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa Publicador: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
67.15%
Este trabalho visa compreender o conhecimento profissional que assiste o professor de Matemática, no desenvolvimento curricular e na prática lectiva, para desenvolver o pensamento algébrico, com recurso à tecnologia. O desenvolvimento do pensamento algébrico constitui tema actual da investigação, com expressão nas orientações curriculares, entendido como um processo de generalização de ideias particulares, que inclui expressar relações através de diferentes formas de representação. Conceitos algébricos, como variável e função, podem beneficiar das características dinâmicas e interactivas da tecnologia e, em particular, a folha de cálculo pode facilitar a articulação entre as representações em tabela numérica e gráfica e apoiar o processo de generalização e de modelação. Os novos papéis exigidos ao professor como profissional autónomo no domínio do desenvolvimento curricular e da prática, sugerem o seu envolvimento em processos de desenvolvimento profissional em que a sua prática possa ser considerada simultaneamente um ponto de partida, gerador de conhecimento profissional, através da análise e reflexão, mas também um lugar de aplicação desse conhecimento. A metodologia utilizada é de natureza interpretativa...

Desenvolver o pensamento algébrico através de uma abordagem exploratória

Matos, Ana; Silvestre, Ana Isabel; Branco, Neusa; Ponte, João Pedro da
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2008 POR
Relevância na Pesquisa
67.08%
O pensamento algébrico, mais do que manipular expressões e resolver equações, envolve as capacidades de estabelecer generalizações e relações, interpretar situações e resolver problemas. Este artigo apresenta três experiências de ensino que visam o desenvolvimento do pensamento algébrico dos alunos. Trata-se de estudos qualitativos e interpretativos realizados como investigações de professoras sobre a sua própria prática profissional. As experiências de ensino seguem uma abordagem exploratória e referem-se à aprendizagem da proporcionalidade directa (6.º ano), variáveis e equações (7.º ano) e relações funcionais (8.º ano). Os resultados mostram que, nesta abordagem, os alunos realizam aprendizagens significativas no seu pensamento algébrico.; Algebraic thinking, more than just the manipulation of expressions and solving equations, also involves the ability to establish generalizations and relationships, interpret situations, and solve problems. This paper presents three teaching experiments aiming at the development of students’ algebraic thinking. They are qualitative and interpretative studies undertaken as teachers research their own professional practice. The teaching experiments, framed on an exploratory approach...

Pensamento algébrico no 2.º ano de escolaridade: Generalização de sequências

Ramos, Teresa; Boavida, Ana Maria; Oliveira, Hélia
Fonte: APM Publicador: APM
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.93%
É inquestionável a importância do desenvolvimento do pensamento algébrico nos primeiros anos de escolaridade. Neste âmbito, a exploração de sequências é um meio privilegiado de promover o pensamento funcional, permitindo a expressão de generalizações em linguagem natural. Neste texto analisa-se a actividade de alunos do 2.º ano numa tarefa de exploração de uma sequência crescente. Os resultados indiciam que a maior parte resolve com facilidade questões de generalização próxima usando estratégias de representação e contagem. Nas de generalização distante sentem mais dificuldades e recorrem a outras estratégias resultantes da forma como visualizam as figuras da sequência.

A exploração de tarefas matemáticas para o desenvolvimento do pensamento algébrico de alunos do 4.º ano de escolaridade

Mestre, Célia; Oliveira, Hélia
Fonte: Sociedade Portuguesa de Investigação em Educação Matemática Publicador: Sociedade Portuguesa de Investigação em Educação Matemática
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.9%
Este texto apresenta a exploração de uma tarefa em aula, enquadrada numa prática de ensino-aprendizagem exploratório. Insere-se num estudo de implementação de uma experiência de ensino com o objetivo de promover o desenvolvimento do pensamento algébrico com alunos do 4.º ano. Em particular, este texto analisa a forma como a professora/investigadora conduziu os momentos de discussão da tarefa e de sistematização das aprendizagens, tendo em conta os objetivos matemáticos para esta aula, numa perspetiva dialógica de desenvolvimento do conhecimento matemático. A professora/investigadora assume o papel de orientadora da discussão favorecendo um papel ativo por parte dos alunos tanto na explicação das suas formas de pensamento como na compreensão das explicações dos colegas. Observa-se a existência de uma reconstrução coletiva das ideias matemáticas trabalhadas pelos grupos e a sua sistematização promovendo um consenso social na sua forma de representação.

O desenvolvimento do pensamento algébrico com recurso à folha de cálculo: um estudo com alunos de 9.º ano

Mariano, Elisabete Moita Dinis
Fonte: Faculdade de Ciências e Tecnologia Publicador: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
67.26%
Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Educação Matemática do 3.º Ciclo do Ensino Básico e Secundário; Este estudo tem como objetivo investigar os processos utilizados pelos alunos na resolução de problemas e dar conta dos aspetos do pensamento algébrico quando utilizam a folha de cálculo. Compreender o modo como esta ferramenta tecnológica influencia a apreensão das representações matemáticas mais convencionais, é outro dos aspetos que se procura estudar neste trabalho. O foco desta investigação centra-se na utilização da folha de cálculo como forma de desenvolvimento do pensamento algébrico. O pensamento algébrico, as representações e a folha de cálculo constituem os domínios do quadro teórico da investigação. A resolução de problemas com a folha de cálculo apela ao envolvimento do aluno no seu processo de aprendizagem, fazendo com que sobressaia um raciocínio mais abstrato e estruturado. O desenvolvimento deste tipo de pensamento, visto como um processo de generalização de casos particulares, é uma preocupação das orientações curriculares atuais. As características dinâmicas e interativas da folha de cálculo dão significado às abordagens de alguns conceitos algébricos e facilitam a articulação entre as diferentes representações. Este estudo...

Uma experiência de ensino com alunos do 9.º ano para promover o desenvolvimento do pensamento algébrico

Nobre, Sandra; Amado, Nélia; Ponte, João Pedro da
Fonte: AFIRSE Publicador: AFIRSE
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em /02/2012 POR
Relevância na Pesquisa
67.08%
As orientações curriculares atuais enfatizam que o ensino da Matemática deve decorrer de forma coere nte, incidir numa Matemática relevante e ser bem articulado nos diferentes anos de escolaridade. Para a Álgebra, um tema matemático onde a maioria dos alunos demonstra bastantes dificuldades de aprendizagem, o actual programa propõe um alargamento do seu e studo aos três ciclos de ensino, de forma articulada. É logo a partir dos primeiros anos que deve ser feito um trabalho de suporte para os ciclos seguintes. O 9.º ano de escolaridade antecede a transição do ensino básico para o secundário. Os alunos que p retendem prosseguir estudos necessitam de um conhecimento mais profundo de Álgebra, mas a compreensão de conceitos algébricos que requer maior abstracção torna -­‐ se difícil para a maioria. Muitos alunos não desenvolvem uma compreensão adequada do simbolismo algébrico e revelam dificuldade no recurso a este tipo de representação em diversos contextos. Frequentemente, os alunos ao usarem métodos formais algébricos...

O pensamento algébrico e a descoberta de padrões na formação de professores

Vale, Isabel; Pimentel, Teresa
Fonte: CIED – Centro Interdisciplinar de Estudos Educacionais/Escola Superior de Educação de Lisboa Publicador: CIED – Centro Interdisciplinar de Estudos Educacionais/Escola Superior de Educação de Lisboa
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /09/2013 POR
Relevância na Pesquisa
67.15%
Este texto incide sobre o tema do pensamento algébrico nos primeiros anos de escolaridade ao nível da formação contínua de professores. Na abordagem apresentada o tema dos padrões surge como contexto estruturante para o desenvolvimento do pensamento algébrico. Começa-se por fazer um enquadramento dos referenciais teóricos que fundamentam a adoção de uma proposta didática desenvolvida nesse âmbito, recorrendo em seguida a um estudo empírico que foi desenvolvido, do qual se relata aqui uma parte centrada nas práticas de sala de aula de uma professora do primeiro ciclo em formação, de modo a poder confirmar a eficácia da proposta no ensino e desenvolvimento do pensamento algébrico dos alunos. Os resultados permitem concluir que a professora interiorizou e projetou na sua prática os aspetos essenciais que conduziram ao desenvolvimento do pensamento algébrico nos alunos. O texto termina com algumas conclusões e implicações para a formação de professores.; Abstract: This article deals with the subject of algebraic thinking in early years of schooling and at the level of continuous teacher education. In the presented approach, the subject of patterns serves as a structuring context for the development of algebraic thinking. It begins by creating a theoretical frame of reference which substantiates the adoption of a didactic proposal developed in this field. It then uses an empirical study that was carried out...

Desenvolvimento do pensamento algébrico de uma aluna do 10.º ano

Viseu, Floriano Augusto Veiga; Universidade do Minho; Nogueira, Daniela; Escola Secundária D. Sancho I
Fonte: MTM/PPGECT/CFM/UFSC Publicador: MTM/PPGECT/CFM/UFSC
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 20/12/2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.98%
http://dx.doi.org/10.5007/1981-1322.2014v9n2p23No início do ensino secundário, muitos alunos manifestam preferência por trabalhar com situações numéricas do que algébricas devido à prevalência das suas atividades com números até ao final do 3.º ciclo[1]. Com a importância que o pensamento algébrico adquiriu no currículo atual da disciplina de Matemática, procuramos averiguar como se desenvolve o pensamento algébrico de uma aluna do 10.º ano no estudo das funções, seguindo uma metodologia qualitativa e interpretativa. Recolhemos os dados através da atividade da aluna na resolução de tarefas propostas na sala de aula e de uma entrevista. A informação proveniente dos dados recolhidos é interpretada segundo as três fases que decorreram antes, durante e após o estudo das funções. Os resultados revelam que a aluna desenvolveu a capacidade de manipular expressões com letras, embora em algumas situações não perceba totalmente o seu significado. Antes do estudo das funções a aluna tendia a concretizar alguns valores particulares das expressões algébricas. Com o estudo deste tema estabeleceu relações através da manipulação de expressões algébricas, o que fez com que reconhecesse a importância da generalização de relações que estabeleceu.[1] O 3.º ciclo contempla os anos de escolaridade de alunos com idade compreendida entre os 10 e os 14 anos...