Página 1 dos resultados de 754 itens digitais encontrados em 0.002 segundos

Qualidade da parentalidade e bem-estar da criança

Borges, Isabel Cristina Neves
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.53%
O principal objectivo do presente estudo foi explorar o papel mediador de três variáveis da qualidade da parentalidade durante o período pré-escolar dos filhos, nomeadamente, o nível de generatividade, o estilo de interacção familiar e o estrato socioeconómico dos pais. Deste modo, procurou-se avaliar até que ponto aquelas variáveis constituem factores de protecção e/ou de risco da parentalidade, com vista à conceptualização de medidas dirigidas à implementação do bem-estar e desenvolvimento das crianças e dos pais. A avaliação da qualidade do exercício da parentalidade realizou-se através da recolha de dados sociobiográficos e de dados sobre o grau de investimento parental e o nível de bem – estar subjectivo parental (Questionário sociobiográfico e de avaliação do investimento e do bem – estar parentais). O nível de bem – estar da criança foi avaliado a partir da percepção dos pais (ACF/PECC) e das educadoras de infância (ACA/TESC) sobre o nível de ajustamento psicológico da mesma, em contexto familiar e escolar. Procedeu-se, então, à verificação da relação entre a qualidade da parentalidade e o bem-estar da criança, bem como da relação entre a qualidade da parentalidade e o nível de generatividade (Escala de Generatividade)...

Parentalidade e Proteção à Infância: Um Guia para a Avaliação da Capacidade Parental

Pereira, Dora
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
37.43%
No contexto da proteção à infância, as avaliações das capacidades parentais são frequentemente o elemento decisivo relativamente à intervenção com a criança e a família e à definição do seu projeto de vida. Contudo não existem instrumentos validados para o contexto português, destinados especificamente a este tipo de avaliação, que permitam clarificar procedimentos e guiar o processo de juízo clínico e tomada de decisão, tornando-os menos subjetivos e menos dependentes da agenda pessoal e/ou institucional do avaliador. Esta investigação tem como objetivo contribuir para a validação do Guia de Avaliação das Capacidades Parentais (DeRancourt, Paquette, Paquette, & Rainville, 2006) no contexto do sistema de promoção e proteção português. O trabalho desenvolvido é de natureza iminentemente qualitativa e envolveu três fases que abordaram a validade ecológica (F1), a fiabilidade (ao nível do acordo inter-avaliadores) (F2) e a validade preditiva (F3) do instrumento. Desenvolveu-se através da participação de profissionais do sistema de promoção e proteção, em focus group (em F1), e da aplicação do Guia, por três avaliadores distintos, a 10 casos de pais de crianças com idades compreendidas entre os 0 e os 5 anos...

Coparentalidade, parentalidade e sintomas de externalização e internalização em crianças em idade pré-escolar

Ribeiro, Cidália Maria
Fonte: Repositório Científico Lusófona Publicador: Repositório Científico Lusófona
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.57%
A presente dissertação foi orientada por uma perspectiva da Psicopatologia do Desenvolvimento dos Sistemas Familiares e pelo Modelo Ecológico da Coparentalidade de Feinberg (2003). Objetivo: A presente dissertação de mestrado pretendeu responder a dois objetivos. (1) Identificar diferenças nas variáveis parentais e coparentais em função da severidade dos sintomas de externalização (problemas de comportamentos e hiperatividade) em crianças em idade pré-escolar e (2) testar diferenças nas variáveis parentais e coparentais em função da severidade dos sintomas de internalização (problemas emocionais e problemas com os pares). Método: Um design transversal foi implementado para a recolha de dados. A amostra total foi composta por 61 pais da comunidade, que foram avaliados ao nível das dimensões da coparentalidade, parentalidade positiva, parentalidade inconsistente e ajustamento psicológico dos filhos. O protocolo de avaliação foi preenchido em casa pelos participantes e entregue em envelope selado aos educadores da instituição de ensino onde foram recolhidos os dados. Resultados: No objetivo 1 foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os grupos de sintomas de externalização nas variáveis parentais e coparentais. Mais concretamente (a) nos problemas de comportamento...

Família, parentalidade e época: um "nós" que não existe; Family, parenting and age: an us that does not exist

Teperman, Daniela Waldman
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 15/06/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.65%
Parentalidade é um neologismo que vem ganhando consistência nos últimos anos e que tende a substituir o termo família. É possível localizar essa preocupação em diversos autores, de diferentes disciplinas, extraindo da possível substituição diferentes consequências. Haveria mesmo nesse novo termo e, nos discursos que lhe são subjacentes, essa pretensão? Sustentar-se-ia tal pretensão na leitura de que a família vive uma crise sem precedentes na atualidade? A parentalidade implicaria um risco para a transmissão familiar? Foi a partir desses interrogantes que iniciei esta pesquisa. O incômodo inicial foi provocado pelo entendimento de que o novo termo seria indissociável da intervenção do especialista no campo da família e pela desconfiança de que fincaria suas bases na indiferenciação e na assepsia na transmissão familiar. A investigação das origens desse neologismo, dos discursos que lhe são subjacentes e das práticas que autoriza permitiu identificar três vertentes por meio das quais ele comparece na atualidade: como modo de nomear o parent, como modo de dar conta das mudanças no campo da família e sob a forma de um discurso público, veiculado pelo especialista da família. Analisar separadamente cada uma dessas vertentes...

Adoção: vivências de parentalidade de adultos adotados; Adoption: parenthood experiences in adopted adults.

Camargo, Mario Lazaro
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 09/08/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.49%
No Brasil, assim como em vários países do mundo, a adoção é reconhecida histórica, social, jurídica e psicologicamente como um modo a partir do qual se pode dar a constituição familiar e uma forma de inserção da criança em família substituta, especialmente aquela criança que, por uma série de motivos, se encontra impossibilitada de conviver com sua família de origem. Muito se tem produzido cientificamente sobre a temática da adoção, sobretudo nas áreas da Psicologia, Psicanálise, Psiquiatria e Direito. Contudo, verificamos uma escassez de pesquisas que abordam o universo da adoção na perspectiva do adulto adotado. Com o objetivo de dar voz a este público e compreender como se dá o exercício de parentalidade daquele que no passado foi abandonado ou entregue em adoção, vinculamo-nos à pesquisa qualitativa fenomenológica enquanto metodologia e à psicanálise winnicottiana enquanto referencial teórico interpretativo. Os depoimentos de nossos colaboradores foram obtidos a partir da entrevista fenomenológica e, para serem incluídos em nosso processo de análise, os depoimentos colhidos tiveram que se apresentar como portadores dessas características: ser significante, pertinente, relevante, referente, provocante...

Casais de mesmo sexo, parentalidade e novas tecnologias reprodutivas; Same-sex couples, parenthood and new reproductive technologies

Souza, Camila Vitule Brito de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 29/08/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.43%
A configuração tradicional da família, composta pela família nuclear (pai/homem, mãe/mulher e filhos) vem sofrendo transmutações cada vez mais evidentes durante as últimas décadas. No Brasil, a luta pela normatização social e legislativa do casamento entre pessoas do mesmo sexo vem sendo travada e a vivência da parentalidade tem se tornado parte da luta de casais de mesmo sexo. Nesse sentido, um número crescente de famílias homoparentais passam a ser efetivamente formadas. As Novas Tecnologias Reprodutivas (NTR), assim como a adoção, fazem parte dos meios que esses casais têm utilizado para a concretização do sonho da parentalidade. As NTR são um produto médico de consumo que, ao desvincular sexo e reprodução, coloca esta última como questão de escolha, possibilitando diferentes arranjos parentais via compra de intervenção tecnológica. Dentro desse contexto, o estudo centrou-se nas concepções dos casais de mesmo sexo sobre o uso de NTR na efetivação do projeto de parentalidade. O estudo de natureza qualitativa foi realizado com casais de mesmo sexo, tanto de homens como de mulheres, que tinham o plano de terem filhos ou que já os tivessem tido. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com um grupo de 26 pessoas composto por 12 casais e dois sujeitos (um homem e uma mulher)...

Parentalidade : um processo construído na interação

Martins, Cristina Araújo; Figueiredo, Maria do Céu Aguiar Barbieri de
Fonte: Secções Regionais da Região Autónoma dos Açores e da Região Autónoma da Madeira da Ordem dos Enfermeiros Publicador: Secções Regionais da Região Autónoma dos Açores e da Região Autónoma da Madeira da Ordem dos Enfermeiros
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.43%
Comunicação oral distinguida com o prémio “Melhor Comunicação Livre” no Congresso Insular de Enfermagem da Ordem dos Enfermeiros Açores-Madeira 2013 “Da Investigação à Ação”; Introdução: Criar um filho é um desafio de grande responsabilidade e exige profundas transformações e adaptações na vida dos Pais, suscetíveis de provocar desequilíbrio e vulnerabilidade nos próprios e ter implicações no sadio desenvolvimento das crianças. Neste estudo procurámos responder à questão de investigação “Como se desenvolve a transição para o exercício da parentalidade durante o primeiro ano de vida da criança?”. Pretendíamos compreender a natureza desta transição; identificar as condições pessoais, sociais e comunitárias em que ela ocorre e compreender a natureza da sua ação; e, ainda, compreender os padrões de resposta dos Pais; tendo por finalidade o desenvolvimento de uma teoria de médio alcance que contribuísse para melhorar a qualidade dos cuidados de enfermagem prestados à família nesta transição. Metodologia: Recorremos ao referencial metodológico da Grounded Theory, à entrevista semiestruturada (complementada com observação), ao método das comparações constantes e à amostragem teórica para a recolha e/ou análise dos dados. Estes foram colhidos em contexto domiciliário...

Parentalidade & Cidadania: discursos, imagens e contradições

Costa, Rosalina
Fonte: Escola de Ciências Sociais da Universidade de Évora Publicador: Escola de Ciências Sociais da Universidade de Évora
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.49%
Nas últimas décadas, o termo ‘parentalidade’ tem vindo progressivamente a afirmar-se pública e politicamente no léxico quotidiano. Tal fica a dever-se, por um lado, ao maior reconhecimento da sua expressão, possibilidades e constrangimentos, na sequência da alteração de papéis de género na família e na sociedade, motivados pelo acesso generalizado da mulher ao mercado de trabalho remunerado, a afirmação da igualdade de direitos entre homens e mulheres e o declínio do modelo familiar patriarcal; por outro, à recente mas contínua (re)construção legislativa em torno das questões da parentalidade. Apesar disso, existem em Portugal muitas evidências segundo as quais o exercício da parentalidade (deveres legais e responsabilidades sociais) continua bastante condicionado por assimetrias e estereótipos de género. Importa, por isso, compreender à malha mais fina quais são as representações sociais envolvidas nos papéis familiares de pai e mãe, e de que forma elas conduzem a práticas específicas no quotidiano de homens e mulheres. Este texto pretende contribuir para esse objectivo mais amplo. Das várias portas de entrada possíveis, centramo-nos sobre o lugar do género na construção da parentalidade através do consumo. Como base complementar de discussão...

Factores que influenciam as estratégias de coping dos pais no processo de transição para a parentalidade

Reis, Paula Fernanda
Fonte: Repositório Comum de Portugal Publicador: Repositório Comum de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.72%
O processo de transição para a parentalidade é um evento marcante na vida dos pais. Implica mudanças e reestruturação na sua vida, em toda a dinâmica familiar. Esta alteração exige uma resposta adequada dos pais de forma a fazer efectivamente a sua transição para a parentalidade. Neste processo, os pais utilizam as estratégias de coping adequadas naquela situação específica, como forma de adaptação e até mesmo de remover os agentes causadores de stresse, adquirindo competências para cuidar do seu filho. Com este estudo pretendemos compreender quais os factores que influenciam as estratégias de coping dos pais no processo de transição para a parentalidade. Foram definidos os seguintes objectivos: - Identificar as estratégias de coping dos pais no seu processo de transição para a parentalidade; - Identificar os factores que influenciam as estratégias de coping dos pais no seu processo de transição para a parentalidade; - Propor um modelo de intervenção dos enfermeiros facilitador do processo de adaptação para a transição para a parentalidade. Deste modo foi desenvolvido um estudo qualitativo, com a finalidade de perceber quais os factores responsáveis por desencadearem situações potencialmente causadoras de stresse que actuam nas estratégias de coping adoptadas pelos pais na transição para a parentalidade. Após a identificação das estratégias de coping averiguamos que os factores: idade da mãe...

Transição para a parentalidade : necessidade de cuidados de enfermagem no pós-parto eutócico

Silva, Catarina
Fonte: Repositório Comum de Portugal Publicador: Repositório Comum de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.43%
O nascimento do primeiro filho é um acontecimento que altera definitivamente a vida dos progenitores. Pais e mães reestruturam e integram novos papéis, num processo que, habitualmente, é facilitado por ajudas externas, nas quais se inclui o enfermeiro de saúde materna e obstetrícia, cujas intervenções “relativamente à promoção de saúde podem afectar, durante muitos anos, o bem-estar da mulher, da criança que vai nascer e da restante família” (Lowdermilk e Perry, 2008, p.246). Com este estudo pretendemos compreender as necessidades de cuidados de Enfermagem, sentidas pelas mães e pelos pais, durante a transição para a parentalidade, no internamento após o nascimento do primeiro filho, por parto eutócico, quando a díade mãe-filho não apresenta problemas de saúde nem factores de risco associados. A investigação desenvolvida enquadra-se no paradigma qualitativo, na qual participaram 26 progenitores – treze pais e treze mães. Como estratégia de colheita de dados recorreu-se à entrevista semi-estruturada, cujas respostas foram dissecadas à luz da análise de conteúdo, categorizando as unidades de registo. A análise dos dados permitiu identificar três dimensões - experiência da parentalidade nas primeiras 48 horas pós-parto...

A parentalidade em contexto de recomposição familiar:o caso do padrasto

Ferreira, Susana Atalaia, 1978-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.49%
Tese de doutoramento, Ciências Sociais (Sociologia Geral), Universidade de Lisboa, Instituto de Ciências Sociais, 2012; Em contexto de modernidade, o crescimento do número de famílias recompostas precedidas por divórcio/ separação, bem como a pluralização dos lugares parentais impõem a necessidade de repensar a família e a forma como se constroem os lugares familiares, nomeadamente o lugar de padrasto. Trata-se de um lugar novo e distinto daquele que caracterizou os padrastos substitutos de outrora, uma vez que a implementação de medidas como a co-parentalidade têm conduzido à continuidade do casal parental após o fim da conjugalidade. Partindo de uma abordagem teórica que privilegia a perspectiva interaccionista com base na negociação familiar, a investigação aqui apresentada procurou perceber o modo como a parentalidade é construída e vivida em contexto de recomposição familiar. Para o efeito, adoptou-se uma perspectiva que toma o padrasto enquanto agente e produto da realidade envolvente. Os resultados apurados com base na realização de 30 entrevistas em profundidade a padrastos coresidentes evidenciam, por um lado, o facto de o lugar de padrasto ser um lugar parental, embora a parentalidade recomposta apresente características próprias...

A transição no exercício da parentalidade durante o primeiro ano de vida da criança:uma teoria explicativa de enfermagem

Martins, Cristina Araújo, 1973-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.43%
Tese de doutoramento, Enfermagem, Universidade de Lisboa, com a participação da Escola Superior de Enfermagem, 2013; Criar um filho é um desafio de grande responsabilidade e exige profundas transformações e adaptações na vida dos Pais, suscetíveis de provocar desequilíbrio e vulnerabilidade nos próprios e ter implicações no sadio desenvolvimento das crianças.Neste estudo procurámos responder à questão de investigação “Como se desenvolve a transição para o exercício da parentalidade durante o primeiro ano de vida da criança?”. Pretendíamos compreender a natureza desta transição; identificar as condições pessoais, sociais e comunitárias em que ela ocorre e compreender a natureza da sua ação; e, ainda, compreender os padrões de resposta dos Pais; tendo por finalidade o desenvolvimento de uma teoria de médio alcance que contribuísse para melhorar a qualidade dos cuidados de enfermagem prestados à família nesta transição.Recorremos ao referencial metodológico da Grounded Theory; à entrevista semiestruturada (complementada com observação), ao método das comparações constantes e à amostragem teórica para a recolha e/ou análise dos dados. Estes foram colhidos em contexto domiciliário, em cinco momentos distintos...

Parentalidade e a sua avaliação: contributo para a validação do Inventário sobre Parentalidade de Adultos e Adolescentes (versão 2), para a população portuguesa.

Almeida, Bárbara Lobo de
Fonte: Universidade Técnica de Lisboa Publicador: Universidade Técnica de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2015 POR
Relevância na Pesquisa
37.65%
Mestrado em Reabilitação Psicomotora; Artigo 1: Parentalidade positiva e parentalidade de risco: Das crenças às práticas parentais - A parentalidade tem sido alvo de inúmeras investigações, pelo papel determinante que tem no desenvolvimento infantil e nas consequências, individuais, familiares e sociais, que podem advir de inadequação dos processos de acompanhamento, formação e envolvimento com a criança. Embora essencial para o bem-estar infantil, nem sempre os cuidadores sentem a responsabilidade da parentalidade e detêm os recursos necessários para um adequado desempenho da mesma. Atualmente, ainda se verificam números alarmantes de crianças vítimas de maus-tratos, cujo futuro é marcado pela vivência diária com estes modelos de parentalidade. Uma intervenção atempada junto às famílias pode determinar uma mudança no rumo educativo e, por consequência, na vida da criança e da família. Esta intervenção deve ter como base uma avaliação das crenças, expetativas, atitudes e prioridades da família, particularmente as figuras parentais. Diversos estudos têm evidenciado o impacto positivo deste tipo de intervenções, sendo indicação de muitos deles a importância do seu estudo continuado, bem como da validação de instrumentos de avaliação que permitam intervir precocemente nas problemáticas ligadas à negligência...

Projeto: Preparação para a Parentalidade

Guedes, Q; Pereira, M
Fonte: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. Publicador: Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E.
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.49%
1. PROPOSTA: Em parceria, os Serviços de Urgência Ginecológica e Obstétrica, Internamento de Obstetrícia e Medicina Física e Reabilitação, pretendem o alargamento do Curso “Preparação Para o Nascimento”, actualmente destinado aos colaboradores da Instituição, com a Implementação no Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca, EPE dos cursos abaixo mencionados, destinados à mulher/casal/família da área de influência do Hospital: • Curso de Preparação para o Nascimento (CPN) • Curso de Recuperação Pós-parto (CRP) • Curso de Técnicas de Massagem Infantil (TMI) 2. JUSTIFICAÇÃO: Em Portugal, tem-se verificado ao longo dos últimos anos uma diminuição da taxa de natalidade, facto que se reflecte no decréscimo do número de partos a nível nacional e, concomitantemente, no Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca, EPE (HFF). A par desta situação e tendo em conta, que a transição para a Parentalidade é uma complexa fase de desenvolvimento, que obriga à preparação e adaptação da mulher/casal, a um vasto conjunto de mudanças, muitos têm sido os projectos concretizados pelos departamentos e serviços de saúde materna e obstetrícia do Serviço Nacional de Saúde, tais como: cursos de preparação para o parto...

Representações dos decisores de adopção sobre a parentalidade biológica e a parentalidade socioafectiva

Oliveira, Clara
Fonte: CIES Publicador: CIES
Tipo: Trabalho em Andamento
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.43%
A adopção em Portugal é um campo de debate e controvérsia, atravessado por críticas à morosidade da justiça e das equipas dos serviços que são responsáveis por associar crianças em estado de adoptabilidade com candidatos aptos para adoptar. O presente paper versa sobre aspectos parcelares da investigação realizada para tese de mestrado, e cuja temática se continua a analisar agora em doutoramento, sobre a problemática da adopção. Aí se procurou compreender quem são os decisores de adopção em Portugal, quais as suas opiniões sobre uma diversidade de temáticas relacionadas com a família e a infância e, em última análise, aferir a presença ou não do pensamento biologista nas suas decisões. Neste trabalho, pretendemos analisar os discursos dos nossos entrevistados acerca da parentalidade socioafectiva e dos novos tipos de parentalidade. Concluímos que cerca de um terço dos decisores entrevistados olha com desconfiança para novas formas familiares e que baseia conscientemente as suas decisões em modelos tradicionais de família, heterossexual e biológica, considerando que esse é o superior interesse da criança, sendo que nos restantes dois terços estes aspectos surgem mais esbatidos.; Adoption is, in Portugal...

“Parentalidade minimamente adequada” : Contributos para a operacionalização do conceito

Pereira, Dora Isabel Fialho; Alarcão, Madalena
Fonte: ISPA - Instituto Universitário Publicador: ISPA - Instituto Universitário
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.49%
Apontado na literatura como um conceito de referência nas avaliações da parentalidade, a “parentalidade minimamente adequada” está, contudo, insuficientemente refletida e operacionalizada. Este artigo procura abrir essa discussão, a partir da apresentação e discussão dos resultados de três focus group (FG) de profissionais, das áreas social, judicial e académica, aos quais foi diretamente colocada a seguinte questão: o que é e quais são os indicadores de “parentalidade minimamente adequada”? O conteúdo das discussões foi analisado utilizando o software QSRnVivo 8. As categorias de conteúdo apontam para indicadores qualitativos de parentalidade mínima, distribuídos por diferentes níveis ecológicos (indivíduo, microssistema e contexto social). É também referida a impossibilidade de se alcançar uma formulação universal do que constitui uma “parentalidade minimamente adequada” e de se utilizar apenas um tipo de indicadores para a caracterizar. Com base nos contributos deste estudo é proposta uma matriz tridimensional de operacionalização do conceito.; ABSTRACT: Minimally adequate parenting is still not enough discussed and translated in indicators for parenting assessments, in despite being a concept far reported in the literature. This article enlarges that discussion from the presentation and analysis of three focus groups (FG) results...

“Parentalidade Minimamente Adequada”: Contributos paraaoperacionalização do conceito

Pereira, Dora Isabel; FPCEUC - Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra; Alarcão, Madalena; FPCEUC - Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educaçãoda Universidade de Coimbra
Fonte: ISPA - Instituto Universitário Publicador: ISPA - Instituto Universitário
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em 26/05/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.49%
Apontado na literatura como um conceito de referência nas avaliações da parentalidade, a “parentalidade minimamente adequada” está, contudo, insuficientemente refletida e operacionalizada. Este artigo procura abrir essa discussão, a partir da apresentação e discussão dos resultados de três focus group (FG) de profissionais, das áreas social, judicial e académica, aos quais foi directamente colocada a seguinte questão: o que é e quais são os indicadores de “parentalidade minimamente adequada”? O conteúdo das discussões foi analisado utilizando o software QSRnVivo 8. As categorias de conteúdo apontam para indicadores qualitativos de parentalidade mínima, distribuídos por diferentes níveis ecológicos (indivíduo, microssistema e contexto social). É também referida a impossibilidade de se alcançar uma formulação universal do que constitui uma “parentalidade minimamente adequada” e de se utilizar apenas um tipo de indicadores para a caracterizar. Com base nos contributos deste estudo é proposta uma matriz tridimensional de operacionalização do conceito.

Visitação Domiciliária no Pós-Parto: Expectativas e necessidades de ambos os pais na transição para a parentalidade

Neves, Ângela Maria Fernandes Marques da Cunha
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 12/02/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.49%
Enquadramento: a transição para a parentalidade é reconhecidamente um momento que implica um conjunto de transições individuais, conjugais e sociais para os novos pais. Ambos os pais, vivenciam uma adaptação/ajustamento a uma nova identidade e a novos papéis, exigindo a aquisição de competências pessoais, familiares e sociais; das várias intervenções do papel do enfermeiro ESMO, nas Unidades de Saúde, destaca-se a Visita Domiciliária no período pós-parto, com vista a promover a capacitação e autonomia parental, no seu contexto familiar. Objetivos: Descrever as experiências vivenciadas por ambos os pais no período pós-parto no âmbito da visitação domiciliária pelo enfermeiro ESMO atendendo à recuperação pós-parto, transição para o papel parental e cuidados ao recém-nascido; Conhecer os contributos proporcionados pelo enfermeiro na promoção da transição para a parentalidade no pós-parto, a partir da perspetiva das experiências vivenciadas por ambos os pais; Descrever como os casais enquanto díade parental fazem a transição para a parentalidade no período pós-parto. Métodos: Para a compreensão deste fenómeno, foi desenvolvido um estudo exploratório descritivo, de natureza qualitativa, recorrendo-se a uma amostra intencional...

Satisfação dos pais sobre a promoção da parentalidade realizada pelo enfermeiro de família

Costa, Anabela Lopes Rodrigues; Silva, Ernestina Maria Veríssimo Batoca, orient.; Costa, Maria Isabel Bica Carvalho, co-orient.
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.74%
Enquadramento: O conceito de parentalidade ou função "parental", que designa uma atitude de co-responsabilização e partilha nas tarefas do cuidar dos filhos atendendo para a necessidade de participação de ambos os progenitores. A parentalidade positiva integra o conjunto de funções atribuidas aos pais para cuidarem e educarem os seus filhos. Pode ser descrita como promoção do desenvolvimento de relacionamento positivo e optimização do potencial desenvolvimento das crianças. Com o objectivo de promover a autonomia do sistema familiar, a intervenção de enfermagem deve basear-se na parceria com a família visando capacitá-la a nível de competências e independência Objectivos: Avaliar a satisfação dos pais sobre a promoção da parentalidade, realizada pelo enfermeiro de família; Determinar a influência das variáveis sociodemográficas e familiares dos pais; Determinar se a influência da vigilância de saúde dos recém-nascidos influencia a satisfação dos pais relativamente à promoção da parentalidade. Métodos: Estudo transversal, de natureza descritiva, realizado numa amostra não probabilística por conveniência, constituída por 62 pais de crianças até aos 6 meses de idade vigiados...

“Parentalidade Minimamente Adequada”: Contributos para a operacionalização do conceito

Pereira,Dora Isabel Fialho; Alarcão,Madalena
Fonte: Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.49%
Apontado na literatura como um conceito de referência nas avaliações da parentalidade, a “parentalidade minimamente adequada” está, contudo, insuficientemente refletida e operacionalizada. Este artigo procura abrir essa discussão, a partir da apresentação e discussão dos resultados de três focus group (FG) de profissionais, das áreas social, judicial e académica, aos quais foi diretamente colocada a seguinte questão: o que é e quais são os indicadores de “parentalidade minimamente adequada”? O conteúdo das discussões foi analisado utilizando o software QSRnVivo 8. As categorias de conteúdo apontam para indicadores qualitativos de parentalidade mínima, distribuídos por diferentes níveis ecológicos (indivíduo, microssistema e contexto social). É também referida a impossibilidade de se alcançar uma formulação universal do que constitui uma “parentalidade minimamente adequada” e de se utilizar apenas um tipo de indicadores para a caracterizar. Com base nos contributos deste estudo é proposta uma matriz tridimensional de operacionalização do conceito.