Página 1 dos resultados de 64 itens digitais encontrados em 0.000 segundos

Aspectos morfossintaticos da Lingua Panara (Je)

Luciana Gonçalves Dourado
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 30/03/2001 PT
Relevância na Pesquisa
27.63%
Nesta tese são analisados aspectos da morfossintaxe da língua Panará (família lingüística Jê), falada por cerca de 210 índios que vivem atualmente na aldeia Nãsepotiti, às margens do rio Iriri Novo, na bacia fluvial do rio Xingu, no norte do estado de Mato Grosso. Os dados em que se baseou o estudo foram obtidos em traballio de campo, realizado junto a falantes nativos, em diversos períodos de 1988 a 2000. São focalizados, dentro de uma perspectiva tipológico-funcional os sistemas de marcação de caso e de concordância com suas implicações para os processos gramaticais, as classes de palavras, os tipos de sintagmas, as orações simples, os tipos de predicado, as sentenças complexas, as construções seriais, o sistema de classificadores e os fenômenos de incorporação nominal e posposicional; This dissertation presents the analysis of some aspects of the morphosyntax of the Panara language. This language is spoken by approximately 210 people living at Nãsepotiti village, on the banks of the lriri Novo river, in Xingu fluvial basin in northem Mato Grosso. The data on which this analysis is based were gathered among the native speakers in several periods of field work ftom 1988 to 2000. Under a typological-functional perspective the following issues were presented and discussed: case marking and agreement systems and their implication for the grammatical processes...

Atos de fala nas línguas Jê : distinções sintáticas no imperativo e no proibitivo

Ferreira, Marcus Vinicius de Lira
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
17.3%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Lingüística Aplicada, 2011.; As distinções sintáticas entre orações imperativas e proibitivas de nove línguas Jê serão analisadas aqui através de uma perspectiva tipológico-funcional. As línguas são, de acordo com as regiões em que são faladas, as Línguas Jê Setentrionais Apinajé, Canela Apãniekrá, Mebengokré, Panará e Suyá; as Línguas Jê Centrais Xavante e Xerente; e as Línguas Jê Meridionais Kaingang e Xokleng. Começando por um levantamento .bibliográfico sobre os estudos dos atos de fala desde a sua concepção na filosofia até a sua adoção pelos lingüistas tipológico- funcionais e seguindo para uma descrição dos sistemas de alinhamento encontrados nas orações declarativas, serão identificados os padrões encontrados em cada língua e será feita uma comparação não só com outras estratégias encontradas na mesma língua como também as estruturas encontradas na família e na literatura como um todo. Com isso, espera-se mostrar as distinções sintáticas entre as orações relevantes, a origem dessas distinções no sistema lingüístico como um todo e a falta de dados e/ou pesquisas sobre estruturas relacionadas pragmática e sintaticamente com as orações estudadas aqui...

Uma crítica da (des)razão indigenista

Ramos, Alcida Rita
Fonte: Departamento de Antropologia - Universidade de Brasília Publicador: Departamento de Antropologia - Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
17.63%
O artigo trata de um aspecto pouco abordado nas análises de Estado e poder: o voluntarismo de agentes de Estado e sua influência no estabelecimento de normas e resoluções que podem afetar povos inteiros. O caso empírico escolhido para demonstrá-lo é o dos Panará e sua saga pelo Parque Xingu sob o comando de Orlando Villas-Bôas nos anos 70. Como estratégia de demonstração, utiliza-se a proposta de Edward Said sobre a importância que o início de uma narrativa tem para o seu desfecho. Portanto, dependendo de onde comecemos a analisar um evento, este pode revelar ou mesmo ocultar contornos relevantes para a sua conclusão. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT; This article deals with a somewhat neglected aspect in State and power analyses, viz., the individual whims of State agents and how these influence decision-making processes that may affect entire peoples. To demonstrate this the article focuses on the case of the Panará Indians and their ordeal as uncomfortable “guests” of Orlando Villas-Bôas in the Xingu Park in the 1970s. Edward Said’s Beginnings has been the analytical inspiration to unravel the Panará situation. Depending on where we begin to tell a story...

Fazendo pessoas e fazendo roças entre os Panará do Brasil Central

Ewart,Elizabeth
Fonte: Departamento de Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo - FFLCH/USP Publicador: Departamento de Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo - FFLCH/USP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
37.97%
Neste artigo, o valor panará de disposição e sociabilidade (suakiin) é contrastado com seu oposto, falta de disposição e retraimento social (suangka), para mostrar como a vida codiana panará é constituída. Caracterizadas como condições físicas, sociais e morais, a disponibilidade intersubjetiva ou a falta de vigor são centrais à criação da socialidade cotidiana entre os Panará. O papel dessas relações afetivas é, então, analisado com base na criação dos filhos e no cultivo de roças, processos que, em determinados aspectos, podem ser tidos como relacionados entre si. Em particular, demonstra-se que certas práticas pré e pós-natais têm correspondência com práticas que cercam o plantio, o cultivo e a colheita do amendoim.

Saúde e doença em índios Panará (Kreen-Akarôre) após vinte e cinco anos de contato com o nosso mundo, com ênfase na ocorrência de tuberculose (Brasil Central)

Baruzzi,Roberto Geraldo; Barros,Vera Lucia de; Rodrigues,Douglas; Souza,Ana Lucia Medeiros de; Pagliaro,Heloisa
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2001 PT
Relevância na Pesquisa
37.84%
Em 1973, houve a quebra do estado de isolamento dos Panará (Kren-Akarore) no interior da floresta amazônica. Dois anos após estavam reduzidos a 82 indivíduos, de uma população estimada em 400 a 500 em meados dos anos 60. Em 1998, o exame dos Panará, nas cabeceiras do rio Iriri, sul do Pará, levou ao diagnóstico presuntivo de tuberculose em 15 indivíduos, dos quais 10 foram confirmados na cidade de Colider com base em dados clínicos e radiológicos. Desses 10 casos, 6 eram menores de 10 anos de idade e 4 tinham de 40 a 50 anos. Todos da tribo apresentavam cicatriz vacinal do BCG. Em crianças, a prevalência de desnutrição crônica e de anemia ferropriva foi menor do que a relatada em outros grupos indígenas da região amazônica. As medidas de controle da Tb, a nível local, incluíram: a) continuidade do tratamento dos pacientes, na aldeia, sob supervisão do Auxiliar de Enfermagem e do Agente Indígena de Saúde; b) observância dos critérios de cura; c) acompanhamento clínico de comunicantes e não-comunicantes dada a elevada prevalência da doença; d) implantação de sistema de referência e contra-referência com serviços de saúde de Colider.

Construções aplicativas em Panará

Dourado,Luciana
Fonte: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP Publicador: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2002 PT
Relevância na Pesquisa
37.63%
O objetivo desse artigo é analisar a incorporação de posposições (Baker 1988) no verbo da língua Panará (família Jê, tronco Macro-Jê) para formar construções aplicativas (Nakamura 1997). O foco da análise são as construções com posposições incorporadas, que mantêm uma cópia foneticamente realizada. Esta análise é baseada na proposta de Nunes (1999, 2001), de acordo com a qual a realização fonética do vestígio da posposição incorporada não compromete a linearização da estrutura, porque a posposição e o verbo hospedeiro podem ser analisados como uma palavra no componente fonológico.

Suya : a lingua da gente "um estudo fonologico e gramatical"

Marymarcia Guedes
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 17/05/1993 PT
Relevância na Pesquisa
17.63%
A Língua Suyá é falada por cerca de 160 índios que habitam a aldeia Ricô, no Parque Indígena do Xingu, Mato Grosso. Este trabalho tem como objetivo principal o estudo de aspectos da fonologia, da morfologia e da sintaxe do Suyá. Na fonologia, observou-se a existência de alofonia em relação aos fonemas consonantais, característica comum às línguas da Família Jê. A análise morfológica revela que o Suyá apresenta uma série de marcadores de caso, diferenciando-a de outras línguas da mesma família. Quanto à sintaxe, observou-se que o padrão mais recorrente dos constituintes oracionais é SOV. O Suyá apresenta estruturalmente características pertinentes a línguas aglutinantes, sendo, aparentemente, uma língua "split". Este trabalho se constitui, também, de um panorama das classificações das Línguas da Família Jê, de estudos realizados com outras línguas da mesma família, mais especificamente, o Xavante, o Xerente, o Canela-Krahô, o Kayapó, o Tapayuna, o Apinayé e o Panará e de um panorama dos estudos realizados até o presente momento com a Língua Suyá. Somando-se, ainda, uma breve discussão sobre a questão língual dialeto; The Suyá consist of an estimated 160 native speakers, living at Ricô village within the Xingu Indigenous Park...

Investigando a hipótese Cayapó do Sul-Panará; Investigating the South-Cayapó-Panará hypothesis

Eduardo Alves Vasconcelos
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 16/02/2013 PT
Relevância na Pesquisa
28.48%
As análises comparativas existentes entre os registros das línguas Cayapó do sul e Panará (família Jê) foram realizadas por Heelas (1979), Schwartzman (1988), Rodrigues & Dourado (1993), Giraldin (1997, 2000) e Dourado (2004), com o intuito de avaliar a hipótese levantada por Heelas (1979) de que os Cayapó do Sul, povo indígena brasileiro que manteve contato intermitente e conflituoso com as frentes de colonização do Brasil Central entre os séculos XVIII e XIX, considerados extintos nas primeiras décadas do século XX, são os antepassados dos Panará, povo indígena contatado na década de 1960, no norte do Mato Grosso, divisa com o Pará. Em comum, estas comparações não tratam de forma sistemática os itens Cayapó do Sul, julgando a priori a semelhança com os registros do Panará, delegando as discrepâncias encontradas à qualidade dos registros disponíveis. Uma das consequências dessa atribuição de identidade a priori entre os registros do Cayapó do Sul e o Panará é a ausência de comparações com outras línguas da família Jê. Assim, a proposta desta análise é refazer a comparação entre os registros do Cayapó do Sul e registros recentes do Panará, seguindo a seguinte metodologia: análise e sistematização das listas e vocabulários Cayapó do Sul e subsequente interpretação fonológica; revisão da análise fonêmica de Dourado (1990...

Depois do Ovo, a Guerra; Prîara Jõ. Depois do ovo, a guerra. Direção: Komoi Panará.

Dias, Diego Madi
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 30/03/2009 POR
Relevância na Pesquisa
27.3%
Prîara Jõ. Depois do Ovo, a Guerra. Direção: Komoi Panará. Produção: Vídeo nas Aldeias. Olinda: VNA, 2008. 1 DVD (15 min.). digital, son., color.O projeto Vídeo nas Aldeias (VNA) é um su-cesso. Há mais de 20 anos, as oficinas de capaci-tação possibilitam a construção e o intercâmbiode imagens etnográficas, privilegiando o olhardos povos indígenas sobre o mundo e sobre simesmos1. Refletindo questões tão pertinentesa uma antropologia pós–colonialista quanto aum momento recente da produção do cinemadocumentário, a noção de auto–representa-ção se expressa nesses filmes como um modolegítimo de elaboração de uma auto–imagem,fazendo jus a um contexto de verdadeira criseno modo de representação que, em sua formaunívoca e monológica, já pretendeu ser espelhoda realidade. Antropólogos e documentaristas,etnografias e documentários, enfrentam agoranovos paradigmas (éticos, estéticos, epistemoló-gicos) que, por sua vez, questionam o lugar tra-dicionalmente oferecido ao ‘sujeito’ e ao ‘objeto’nos discursos que se estabelecem sobre o outroe evidenciam, ao possibilitar a representaçãoda vida social em seus aspectos de polissemia emultivocalidade, uma disputa pelo controle dosmecanismos de representação2;

Cineastas de aldeia: manutenção das memórias e identidades Panará

Sanchez, Laís Alves
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 12/09/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.63%
O objetivo deste artigo é discutir o conjunto de vídeos realizados pelo grupo dos Cineastas Indígenas da tribo dos Panará, da aldeia Nasepotiti, orientado pelo trabalho do grupo Vídeo Nas Aldeias, e realizar a análise fílmica de uma de suas produções observando a importância deste registro como mantenedor da memória e identidade e como instrumento de luta.

Cultural arts among deaf people

Panara, Robert
Fonte: Gallaudet Today Publicador: Gallaudet Today
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 4068796 bytes; application/pdf
EN_US
Relevância na Pesquisa
27.3%

Deaf studies on the english curriculum

Panara, Robert
Fonte: Council of the American Instructors of the Deaf (CAID) Publicador: Council of the American Instructors of the Deaf (CAID)
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência Formato: 8003335 bytes; application/pdf
EN_US
Relevância na Pesquisa
27.3%
Council of American Instructors of the Deaf (CAID) Presentation 1985.

"Deaf People in Literature" suggested activities for teacher/students

Panara, Robert
Fonte: Council of the American Instructors of the Deaf (CAID) Publicador: Council of the American Instructors of the Deaf (CAID)
Tipo: Objeto de Aprendizagem Formato: 419077 bytes; 614254 bytes; application/pdf; application/pdf
EN_US
Relevância na Pesquisa
27.3%
Council of the American Instructors of the Deaf (CAID) Short Course

The Deaf writer in America from colonial times to 1970

Panara, Robert
Fonte: American Annals of the Deaf Publicador: American Annals of the Deaf
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 4592482 bytes; 3479506 bytes; application/pdf; application/pdf
EN_US
Relevância na Pesquisa
27.3%
The experience of the deaf writer in America from Colonial Times to the present has closely parelleled that of countless others who have followed the American dream of fulfillment through opportunity. The study of this representative pioneer is the story of his struggle with the realities of deafness, with the ever-changing milieu, and with his attempt to contribute to the cultural growth of America. And the struggle for recognition is increasing with the tempo of the times.; Published in two parts; the first in July 1970 and the second in nNovember 1970.

Biography of RIT/NTID professor emeritus Robert F. Panara available

NTID
Fonte: Rochester Institute of Technology Publicador: Rochester Institute of Technology
Tipo: Artigo de Revista Científica
EN_US
Relevância na Pesquisa
27.63%
Capturing the life of master teacher and poet Robert F. Panara was a "labor of love" for Rochester Institute of Technology/National Technical Institute for the Deaf professor and author Harry Lang, whose new book, "Teaching from the Heart and Soul: The Robert F. Panara Story" is now available.; NTID news press release

Fazendo pessoas e fazendo roças entre os Panará do Brasil Central

Ewart, Elizabeth
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2005 POR
Relevância na Pesquisa
38.25%
Neste artigo, o valor panará de disposição e sociabilidade (suakiin) é contrastado com seu oposto, falta de disposição e retraimento social (suangka), para mostrar como a vida codiana panará é constituída. Caracterizadas como condições físicas, sociais e morais, a disponibilidade intersubjetiva ou a falta de vigor são centrais à criação da socialidade cotidiana entre os Panará. O papel dessas relações afetivas é, então, analisado com base na criação dos filhos e no cultivo de roças, processos que, em determinados aspectos, podem ser tidos como relacionados entre si. Em particular, demonstra-se que certas práticas pré e pós-natais têm correspondência com práticas que cercam o plantio, o cultivo e a colheita do amendoim.; In this paper the Panará value of energy and sociability (suakiin) is contrasted with its opposite, lack of energy, social withdrawal (suangka), in order to show how Panará daily life is constituted. Characterised as physical, social and moral conditions, intersubjective availability or lack thereof are central to the creation of everyday sociality among Panará people. The role of such affective relations is then analysed with regard to child rearing and gardening, processes, which in certain respects can be seen to be related to one another. In particular it is argued that certain pre- and post-natal practices find their parallel in practices surrounding the planting...

Coisas com as quais os antropólogos se preocupam: grupos de descendência espacial entre os Panará; Things Anthropologists Worry About: Spatial Descent Groups Among the Panará

Ewart, Elizabeth
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 12/08/2015 POR
Relevância na Pesquisa
38.07%
Em 2010, os Panará construíram uma nova aldeia, situada rio acima em relação à aldeia em que viviam desde 1997. Essa foi a primeira vez desde o começo dos anos 70 que eles ocuparam múltiplas aldeias. Neste artigo, faço uma reflexão sobre alguns dos pontos que levaram à construção da nova aldeia e sobre o uso do novo espaço. Em particular, retomo a ideia de “grupos de descendência espacial” e a noção de que clãs se identificam com locais específicos na aldeia circular. Usando relatos do fim do século XIX e começo do XX, bem como etnografias mais recentes, indago se as conexões entre espaço e identidade entre os grupos falante de línguas jê seriam, afinal, “coisas com as quais antropólogos se preocupam”. ; In 2010 Panará people built a new village upstream of the village where they have lived since 1997. This is the first time since the early 1970s that they have lived in multiple villages. In this paper I reflect on some of the issues that prompted the building of the new village, and the use of space therein. In particular I revisit the idea of ‘spatial descent groups’ and the notion that clans identify with specific locations in the village circle. Drawing on accounts dating back to the late 19th/early 20th century...

Book review: space and society in central Brazil: a Panará Ethnography by Elizabeth Ewart

de Souza Santos, Andreza
Fonte: Blog post from London School of Economics & Political Science Publicador: Blog post from London School of Economics & Political Science
Tipo: Website; NonPeerReviewed Formato: application/pdf
Publicado em 09/04/2014 EN; EN
Relevância na Pesquisa
27.84%
Hailed once as ‘giants of the Amazon’, Panará people emerged onto a world stage in the early 1970s. What followed is a story of socio-demographic collapse, loss of territory, and subsequent recovery. Reduced to just 79 survivors in 1976, Panará people have gone on to recover and reclaim a part of their original lands in an extraordinary process of cultural and social revival. Space and Society in Central Brazil is an ethnographic account in which analytical approaches to social organisation are brought into dialogue with Panará social categories and values as told in their own terms. Andreza de Souza Santos finds that this book will appeal to students, scholars and anyone interested in the complex lives and histories of indigenous Amazonian societies.

Saúde e doença em índios Panará (Kreen-Akarôre) após vinte e cinco anos de contato com o nosso mundo, com ênfase na ocorrência de tuberculose (Brasil Central)

Baruzzi,Roberto Geraldo; Barros,Vera Lucia de; Rodrigues,Douglas; Souza,Ana Lucia Medeiros de; Pagliaro,Heloisa
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2001 PT
Relevância na Pesquisa
37.84%
Em 1973, houve a quebra do estado de isolamento dos Panará (Kren-Akarore) no interior da floresta amazônica. Dois anos após estavam reduzidos a 82 indivíduos, de uma população estimada em 400 a 500 em meados dos anos 60. Em 1998, o exame dos Panará, nas cabeceiras do rio Iriri, sul do Pará, levou ao diagnóstico presuntivo de tuberculose em 15 indivíduos, dos quais 10 foram confirmados na cidade de Colider com base em dados clínicos e radiológicos. Desses 10 casos, 6 eram menores de 10 anos de idade e 4 tinham de 40 a 50 anos. Todos da tribo apresentavam cicatriz vacinal do BCG. Em crianças, a prevalência de desnutrição crônica e de anemia ferropriva foi menor do que a relatada em outros grupos indígenas da região amazônica. As medidas de controle da Tb, a nível local, incluíram: a) continuidade do tratamento dos pacientes, na aldeia, sob supervisão do Auxiliar de Enfermagem e do Agente Indígena de Saúde; b) observância dos critérios de cura; c) acompanhamento clínico de comunicantes e não-comunicantes dada a elevada prevalência da doença; d) implantação de sistema de referência e contra-referência com serviços de saúde de Colider.

O avanço de Oblíquos em Panará

Dourado, Luciana
Fonte: LIAMES: Línguas Indígenas Americanas Publicador: LIAMES: Línguas Indígenas Americanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 14/03/2012 POR
Relevância na Pesquisa
27.3%
O objetivo desta comunicação é mostrar que, em Panará, certas posposições, ao se incorporarem ao núcleoverbal para formar construções aplicativas, não provocam, aparentemente, qualquer mudança nas relaçõesgramaticais entre o verbo e os seus argumentos. Estratégias de relativização (Keenan & Comrie 1977), noentanto, demonstram que o objeto da posposição incorporada é promovido a objeto direto (Perlmutter &Postal 1974).Tais termos compõem uma série distinta dos termos básicos de referência e vocativos. Demonstram umrequinte lógico, preenchendo uma lacuna semântica que falta em línguas como inglês ou português.Manifestam noções de geometria (ou etno-matemática), demonstrando, no caso Me)bengôkre, a sofisticação de