Página 1 dos resultados de 3476 itens digitais encontrados em 0.004 segundos

Isolamento e caracterização biológica e genotipica de Toxoplasma gondii de ovinos e caprinos; Isolation and biological and genotypic characterization of Toxoplasma gondii from sheep and goats

Ragozo, Alessandra Mara Alves
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 10/04/2007 PT
Relevância na Pesquisa
37.23%
O objetivo deste estudo foi o isolamento de Toxoplasma gondii de ovinos e caprinos e posterior caracterização genotípica desses isolados. Amostras de soros ovinos (495) de 36 Municípios do Estado de São Paulo e de caprinos (143) de seis Municípios dos Estados da Bahia (10), Paraíba (12), Rio Grande do Norte (7) e São Paulo (114) foram testadas, através do Teste de Aglutinação Modificado (MAT≥25) à presença de anticorpos anti-T. gondii. Dos animais amostrados, 24,2% e 32,2% dos ovinos e caprinos respectivamente, apresentaram-se positivos com títulos que variaram de 25 a 3200 em ambas espécies. Dentre os ovinos houve associação (p<0,001) entre sexo, idade e sistema de produção com a presença de anticorpos anti-T. gondii. Os caprinos apresentaram associação entre idade, sistema de produção, e raça com a soropositividade. Para o isolamento do agente o bioensaio em camundongos foi realizado utilizando-se pool de tecidos de ovinos (cérebro, coração e diafragma) e caprinos soropositivos (cérebro, coração e diafragma e masseter). Dos 82 bioensaios realizados com amostras de ovinos, 16 isolados (19,5%) foram obtidos. Houve associação entre o título de anticorpos anti-T. gondii e o isolamento do agente (p<0...

Intoxicação espontânea por larvas de Perreyia flavipes (pergidae) em ovinos e bovinos e intoxicação experimental em ovinos e coelhos.; Spontaneous poisoning by larvae of Perreyia Flavipes (PERGIDAE) in sheep and cattle and experimental poisoning in sheep and rabbits

Raymundo, Djeison Lutier
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
Entre os meses de junho e agosto 2006 dois surtos de intoxicação pelas larvas de P. flavipes ocorreram, um em ovinos (surto 1) e outro em bovinos (surto 2). O surto nos ovinos ocorreu nos meses de junho e julho no município de Encruzilhada do Sul RS e morreram 25 ovinos de um rebanho de 175 ovinos e 11 bovinos. Os ovinos eram mantidos em uma área de 40 hectares de pasto nativo. O surto nos bovinos ocorreu no mês de agosto no município de Sombrio SC e morreram 17 animais que estavam num lote de 77 bovinos, o rebanho total da propriedade era de 280 animais. O lote de bovinos estava em uma área de 90 hectares onde dois animais morreram devido à ingestão das larvas de P. flavipes. O lote foi transferido para outra área onde morreram mais 15 animais em um período de 5 dias. Seis ovinos do surto 1 e seis bovinos do surto 2 foram necropsiados. Grande quantidade de agrupamentos de larvas de P. flavipes foram encontradas no campo e no rúmen dos animais de ambos os surtos. Larvas de P. flavipes foram coletadas em ambos os surtos e foram armazenadas congeladas a -20º. Larvas frescas e larvas congeladas foram administradas para 6 ovinos, por meio de uma seringa com a ponta cortada. A menor dose letal foi de 7,5 g/kg em administração única. Animais que receberam doses sub-letais de 5 g/kg e posteriormente doses letais de 10 g/kg e 15 g/kg em intervalos de 15 e 30 dias...

Genotipagem de ovinos para a determinação da suscetibilidade a scrapie

Andrade, Caroline Pinto de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
Scrapie é uma doença neurodegenerativa infecciosa que afeta ovinos e caprinos, o qual está relacionada a uma alteração conformacional da proteína priônica, que leva a deposição e agregação da proteína no sistema nervoso central. A predisposição a infecção pelo agente príon está associado a polimorfismos de nucleotídeos únicos no gene da proteína priônica. Os principais polimorfismos relacionados à infecção estão presentes nos códons 136, 154 e 171, sendo o genótipo VRQ o mais suscetível e o ARR o genótipo mais resistente. O presente estudo teve como objetivo identificar os polimorfismos de nucleotídeos únicos em ovinos das raças Suffolk, Dorper e Santa Inês, provenientes de surtos de scrapie clássico e de rebanhos livre de scrapie, os quais os proprietários estavam dispostos a colaborar com o projeto. O primeiro trabalho analisou polimorfismos de nucleotídeos únicos em 15 códons do gene da proteína priônica em um rebanho Suffolk afetado com scrapie clássico no Brasil. Dos 15 códons analisados, 3 apresentaram polimorfismos (136, 143 e 171). O códon 171 apresentou o maior número de polimorfismos, os quais foram encontradas todas as formas alélicas. Quando avaliado os grupos de risco, cerca de 96% do rebanho pertenceu aos grupos 1 a 3 (risco muito baxi a moderado). O segundo trabalho relatou o desenvolvimento da técnica de PCR em tempo real...

Estudo comparativo das estratégias tróficas de caprinos e de ovinos em situações alimentares restritivas para a ingestão

Baptista, Maria Elvira Lourido de Sales
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
37.27%
"Sem resumo feito pelo autor": O objectivo deste trabalho foi o de estudar as estratégias tróficas dos caprinos e dos ovinos em situações alimentares restritivas para a ingestão, quer em termos qualitativos (mau valor nutritivo) como quantitativos (fraca disponibilidade). Efectuaram-se dois ensaios comparativos: um em estabulação, com condições alimentares controladas, e o outro em pastoreio. A situação alimentar, que se utilizou no primeiro ensaio, caracterizou-se pela ingestão de palha de .trigo (84,4% de NDF e 2,4% de PB na MS) em quantidades restringidas (35 g MS/kg0.75). A distribuição do alimento foi realizada de molde a que as espécies fossem sujeitas ao mesmo padrão de ingestão (seis refeições diárias, de três em três horas, alimento traçado e refugos introduzidos no rumen). No segundo ensaio, a situação alimentar baseou-se no pastoreio de restolho de trigo (82,8% de NDF e 2,6% de PB na MS). Os animais tiveram possibilidade de expressar os comportamentos de ingestão e puderam seleccionar a dieta. Pretendeu-se que a disponibilidade de alimento decrescesse, para o que se manteve um encabeçamento elevado durante 30 dias (30 animais/ha). No primeiro ensaio, compararam-se a eficiência digestiva e o metabolismo azotado dos caprinos e dos ovinos...

Intoxicação experimental por Ateleia glazioviana (Leg.Papilionoideae) em ovinos

Stigger,Adriana Lücke; Barros,Claudio S. L.; Langohr,Ingeborg Maria; Barros,Severo S.
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2001 PT
Relevância na Pesquisa
37.3%
Sete ovelhas receberam as folhas de Ateleia glazioviana em doses predeterminadas. Um outro ovino serviu de controle. As quantidades totais (g/kg/peso corporal) de planta consumidas pelos ovinos foram 75 por 60 dias (Ovino 6), 125 por 25 dias (Ovino 4), 130 por 13 dias (Ovino 7), 150 por 60 dias (Ovino 5), 180 por 18 dias (Ovino 3), 330 por 33 dias (Ovino 2) e 375 por 25 dias (Ovino 1). Seis ovinos receberam folhas verdes e o Ovino 7 recebeu folhas dessecadas. Cinco ovinos (Ovinos 1-4 e 7) desenvolveram sinais clínicos 8 a 16 dias após a primeira administração da planta. A evolução do quadro clínico foi de 6 a 50 dias e os sinais clínicos incluíram apatia, perda do apetite, taquicardia e taquipnéia. Os ovinos afetados apresentavam relutância em mover-se, cabeça baixa, instabilidade dos membros pélvicos e andar cambaleante. Alguns dos ovinos afetados apoiavam o corpo contra a parede da baia. Os Ovinos 1, 3 e 4 morreram espontaneamente; movimentos de pedalagem precederam a morte. Os Ovinos 2 e 7 foram submetidos à eutanásia com sinais clínicos avançados da toxicose. Os Ovinos 5 e 6 não adoeceram e foram sacrificados junto com o controle 103 dias após a primeira administração da planta. Todos os ovinos foram necropsiados e vários órgãos...

Intoxicação experimental por Tetrapterys multiglandulosa (Malpighiaceae) em ovinos

Riet-Correa,Gabriela; Terra,Fabiano F.; Schild,Ana Lucia; Riet-Correa,Franklin; Barros,Severo Sales de
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
37.23%
Em uma propriedade no município de Roseira Velha, São Paulo, com histórico de doença cardíaca, abortos e sinais nervosos em bovinos, associados à ingestão de Tetrapterys multiglandulosa, foi observada fibrose cardíaca em um bezerro de uma semana de idade que apresentava apatia, fraqueza e insuficiência respiratória. Os objetivos desse trabalho foram determinar se a espécie ovina é sensível à intoxicação por T. multiglandulosa, descrever as alterações clínicas e patológicas da intoxicação e avaliar a utilização dessa espécie como modelo experimental para a intoxicação. Para determinar a toxicidade de T. multiglandulosa a ser utilizada em ovinos, foi realizado um experimento prévio em um bovino, sendo administrado 22g por kg de peso vivo (g/kg/pv) da planta verde durante 9 dias. Após 9 dias de ingestão o animal apresentou sinais nervosos e no 12º dia foi eutanasiado. Na necropsia não foram observadas lesões. No estudo histológico observou-se vacuolização (status spongiosus, espongiose) da camada profunda da substância cinzenta do córtex cerebral e da substância branca subcortical. Para a reprodução da enfermidade em ovinos foram utilizados 6 ovinos, machos, divididos em 3 grupos de 2 animais cada. Os Ovinos 1 e 2 do Grupo 1 receberam doses diárias de 6 g/kg/pv da planta seca por um período de 30 dias; os Ovinos 3 e 4 do Grupo 2 receberam doses diárias de 3 g/kg/pv por um período de 60 dias; e os Ovinos 5 e 6 do Grupo 3 serviram como controle. O Ovino 1 foi sacrificado aos 30 dias de administração da planta. Apresentou somente arritmia cardíaca e não foram observadas lesões significativas na necropsia. Os Ovinos 2...

Avaliações clínico-patológicas e laboratoriais da intoxicação experimental por monofluoroacetato de sódio em ovinos

Peixoto,Tiago C.; Nogueira,Vivian A.; Coelho,Cleide D.; Veiga,Cristiano C.P.; Peixoto,Paulo V.; Brito,Marilene F.
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.15%
O objetivo deste trabalho foi verificar se a administração de doses únicas e de frações diárias da dose letal de monofluoroacetato de sódio (MF) a ovinos induzem a clássica degeneração hidrópico-vacuolar (DHV) dos túbulos uriníferos contornados distais observada no rim de bovinos intoxicados por plantas brasileiras que causam "morte súbita" (PBCMS). MF foi administrado, por via oral, em doses únicas de 0,5 e 1,0mg/kg, cada dose para dois ovinos, e em doses subletais repetidas diariamente de 0,1mg/kg/dia, por quatro dias, e 0,2mg/kg/dia por seis dias, cada dose para um ovino. Todos os ovinos que receberam MF morreram, exceto um que recebeu 0,5mg/kg e não mostrou sintomas. A evolução da intoxicação variou de 3min a 33h5min. Clinicamente os animais apresentaram taquicardia, respiração abdominal, tremores musculares, ligeira perda de equilíbrio, por vezes cambaleavam, deitavam e apoiavam a cabeça no flanco. Na fase final, os ovinos caíam em decúbito lateral, esticavam os membros, faziam movimentos de pedalagem, apresentavam opistótono e morriam. O exame ecocardiográfico evidenciou dilatação cardíaca e redução da fração de encurtamento sistólico. A análise dos níveis séricos de uréia e creatinina revelou moderada a acentuada azotemia. MF provocou "morte súbita" em todos os ovinos que mostraram sintomas. À necropsia verificaram-se aurículas e veias jugulares...

Aspectos clinicopatológicos e laboratoriais do envenenamento experimental por Bothrops moojeni e Bothropoides neuwiedi em ovinos

Diefenbach,Aline; Anjos,Bruno L.; Caldas,Saulo A.; Peixoto,Tiago C.; Brito,Marilene F.; Yamasaki,Elise M.; Santa Rita,Paula Helena; Tokarnia,Carlos H.
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
O envenenamento ofídico espontâneo, ou acidente ofídico, é descrito como causa de morte em animais domésticos. No entanto, dados concretos relativos ao gênero e espécie de serpente envolvida, à evolução do quadro clínico, e às alterações clinicopatológicas desenvolvidas, são escassos. Assim sendo, este trabalho teve como objetivo determinar as alterações clinicopatológicas e laboratoriais provocadas pelo veneno de Bothrops moojeni e Bothropoides neuwiedi em ovinos no intuito de fornecer informações adicionais referentes a acidentes ofídicos em animais de produção, auxiliando o estabelecimento do diagnóstico dessa condição. Os venenos liofilizados foram diluídos em 1 ml de solução fisiológica e administrados a quatro ovinos por via subcutânea na face direita, nas doses de 0,41mg/kg e 0,82mg/kg do veneno de B. moojeni em dois ovinos, e de 1,0mg/kg do veneno de B. neuwiedi em dois ovinos. Apenas o ovino que recebeu a menor dose (0,41mg/kg) sobreviveu, apesar de ter desenvolvido quadro clínico muito severo e semelhante aos demais. Os sinais clínicos iniciaram nos primeiros 10 minutos após a inoculação em todos os ovinos. O período de evolução variou de dois a quatro dias. O quadro clínico dos quatro ovinos caracterizou-se por apatia...

Intoxicação experimental aguda por Senecio brasiliensis em ovinos e indução de resistência à intoxicação

Grecco,Fabiane B.; Estima-Silva,Pablo; Marcolongo-Pereira,Clairton; Soares,Mauro P.; Raffi,Margarida B.; Sallis,Eliza S.V.; Schild,Ana Lucia
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.24%
Ovinos são mais resistentes à intoxicação por Senecio spp. que bovinos e equinos. Para determinar se essa resistência é induzida pela ingestão de pequenas e repetidas doses da planta e se essa resistência é duradoura, foram realizados três experimentos com folhas e talos verdes de Senecio brasilienses. Para determinar a dose mínima que causa intoxicação aguda (experimento 1), foram administradas doses únicas de 60, 80, 90, 100 e 100g/kg de peso corporal (pc) a cinco ovinos, respectivamente. Os animais que receberam 60 e 80 g/kg de pc de S. brasiliensis não adoeceram, porém o ovino que recebeu 80g/kg de pc apresentava fibrose e megalocitose discretas nas biópsias realizadas aos 90, 120 e 150 dias do término da administração da planta. Os ovinos que receberam 90 e 100g/kg de pc apresentaram anorexia, prostração, movimentos de pedalagem, dor abdominal e morte 12-48 horas após o aparecimento dos sinais clínicos. Na necropsia havia ascite, petéquias disseminadas e acentuação do padrão lobular hepático. Histologicamente havia necrose hemorrágica centro-lobular. No Experimento 2 a dose capaz de causar a intoxicação aguda foi fracionada e administrada em duas, cinco e 10 doses diárias para 3 ovinos, respectivamente. A dose tóxica fracionada não provocou sinais clínicos de intoxicação em nenhum dos ovinos...

Scrapie e seu diagnóstico diferencial em ovinos no Mato Grosso do Sul

Martins,Héllen M.; Carvalho,Nilton M.; Ribas,Nickolly L.K.S.; Driemeier,David; Lemos,Ricardo A.A.; Guimarães,Eurípedes B.
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.19%
Scrapie é uma doença infecciosa, neurodegenerativa fatal, causada pelo príon scrapie (PrPsc). Apresenta-se tanto na forma clássica em ovinos e caprinos geneticamente susceptíveis quanto na forma atípica em ovinos. A primeira notificação oficial do Brasil à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), um caso da forma clássica diagnosticado no Rio Grande do Sul ocorreu em 1985, mas a doença já havia sido diagnosticada no mesmo Estado em 1978. Este trabalho objetivou descrever dois surtos de Scrapie em ovinos em Mato Grosso do Sul (MS), Brasil e investigar, por meio de imuno-histoquímica (IHQ) a presença de PrPsc no Sistema Nervoso Central (SNC) de ovinos examinados entre 2003 e 2010. Na primeira parte observaram-se dois ovinos com sinais clínicos típicos de scrapie, detalhando-se os sinais neurológicos, dados epidemiológicos, histopatológicos e amostras teciduais em duplicata desses ovinos foram encaminhadas para realização de diagnóstico de Raiva e para diagnóstico IHQ para príon. Na segunda parte realizou-se levantamento de laudos de necropsia e diagnósticos histopatológicos de ovinos, no período de maio de 2003 a março de 2010. Amostras de sistema nervoso central de 51 casos foram selecionados, incluindo os dois já com diagnóstico de Scrapie mencionados acima; os tecido de todos esses ovinos foram submetidos à IHQ para detecção de proteína priônica. Os 49 ovinos avaliados apresentaram resultado negativo na IHQ para príon.

Intoxicação experimental por Simarouba versicolor (Simaroubaceae) em ovinos e indução de resistência ao consumo da planta

Santos,Ariany C.; Faccin,Tatiane C.; Carvalho,Nilton M.; Leal,Paula V.; Pott,Arnildo; Lemos,Ricardo A. A.
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.15%
Simarouba versicolor é uma árvore semidecídua pertencente à família Simaroubaceae. Um surto de intoxicação por S. versicolor em bovinos por brotos da planta presente no pasto em Mato Grosso do Sul e sua reprodução experimental foram descritos. Esse estudo teve por objetivos verificar experimentalmente se os ovinos podem ser utilizados como modelo clínico-patológico no estudo da intoxicação por Simarouba versicolor St. Hil. (fam. Simaroubaceae), determinar se há indução de resistência pela ingestão de pequenas e repetidas doses e, se a planta mantém sua toxicidade quando dessecada. Foram realizados dois experimentos, sendo o primeiro com folhas verdes ou folhas dessecadas e trituradas de S. versicolor em doses únicas de 5g/kg, 5g/kg e 3g/kg a três ovinos (Ovino 1, 2 e 3 respectivamente). O experimento 2, foi realizado com diferentes doses diárias de folhas dessecadas e trituradas de S. versicolor em quatro ovinos que receberam 1,5g/kg, 0,75g/kg, 0,6g/kg e 0,3g/kg e, com um ovino que recebeu 3g/kg como controle positivo (Ovino 4). A administração foi suspensa quando os ovinos apresentaram sinais clínicos da intoxicação. Após doze dias de recuperação, os animais sobreviventes foram desafiados com a mesma dose diária da planta ingerida anteriormente para avaliar o desenvolvimento de resistência. Os sinais clínicos observados nos dois experimentos caracterizaram-se por anorexia...

Administração repetida de doses não tóxicas de monofluoroacetato de sódio não protege contra a intoxicação por este composto em ovinos

Santos,Ariany C.; Riet-Correa,Franklin; Heckler,Rubiane F.; Lima,Stephanie C.; Silva,Mariana L.; Rezende,Renato; Carvalho,Nilton M.; Lemos,Ricardo A.A.
Fonte: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Publicador: Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA)
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.15%
Com o objetivo de avaliar se repetidas doses não tóxicas de monofluoroacetato de sódio (MFA) induzem resistência à intoxicação por essa substância, 18 ovinos foram distribuídos aleatoriamente em dois grupos experimentais de nove animais cada. Os ovinos do Grupo 1 ingeriram doses crescentes não letais de MFA por seis períodos: 0,05mg/kg por 5 dias; 0,08mg/kg por 4 dias; 0,08mg/kg por 4 dias; 0,1mg/kg por 3 dias; 0,1mg/kg por 3 dias e 0,25mg/kg por 3 dias. Entre o primeiro e o segundo período de administração e entre o segundo e o terceiro período os animais não receberam o MFA por 10 dias consecutivos; entre o terceiro e o quarto período e dentre os demais períodos de administração, os ovinos permaneceram 15 dias sem ingerir o MFA. Quinze dias após o último período de administração os ovinos foram desafiados com a dose única de 1mg/kg de MFA. O Grupo 2 não foi adaptado a ingestão de MFA, estes ovinos receberam dose única de 1mg/kg de MFA no mesmo período em que o G1 foi desafiado. No desafio sete ovinos do Grupo 1 apresentaram sinais clínicos da intoxicação e um ovino se recuperou. No Grupo 2 todos os animais manifestaram quadro clínico da intoxicação por MFA, no entanto, dois ovinos se recuperaram. Os coeficientes de mortalidade foram de 66...

Intoxicação em ovinos por Nierembergia veitchii: observações em quatro surtos

Rissi,Daniel Ricardo; Rech,Raquel Rubia; Pierezan,Felipe; Kommers,Glaucia Denise; Barros,Claudio Severo Lombardo de
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2007 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
Foram observados casos de morte súbita e doença crônica e caquetizante em ovinos provenientes de quatro rebanhos localizados em três municípios do Rio Grande do Sul, Brasil, entre junho de 2001 e maio de 2006. De uma população total sob risco de 460 ovinos, 43 foram afetados, 29 morreram espontaneamente e 10 foram eutanasiados. Treze ovinos, provenientes dos Surtos 1 e 4, apresentaram morte súbita e grande quantidade de espuma branca na cavidade nasal e oral e 30 ovinos, provenientes dos Surtos 2 e 3, apresentaram doença crônica com perda de peso, relutância em se movimentar, andar rígido, abdômen retraído e cifose. Doze ovinos foram necropsiados. Lesões de necropsia incluíam má condição da carcaça, com depleção dos depósitos de gordura, e mineralização de vários tecidos. Havia evidente rigidez das grandes artérias, que apresentavam superfície intimal irregular e dura, com múltiplas placas irregulares brancas e opacas. Áreas semelhantes de mineralização também eram observadas no endocárdio valvar ou mural, nas serosas uterina, omasal, ruminal e reticular e no parênquima renal. Em seis ovinos havia moderado a acentuado edema pulmonar e em sete ovinos havia áreas multifocais ou coalescentes, brancas e duras...

Aversão alimentar condicionada a Ipomoea carnea var. fistulosa em ovinos

Adrien,Maria de Lourdes; Gardner,Dale; Pfister,James; Pereira,Clairton Marcolongo; Correa,Franklin Riet; Schild,Ana Lucia
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.23%
Quinze ovinos foram adaptados ao consumo de Ipomoea carnea por 36 dias. Posteriormente, foram divididos ao acaso em três grupos de cinco ovinos cada e avertidos com cloreto de lítio (LiCl) (Grupo 1) e Baccharis coridifolia (Grupo 2). O Grupo 3 permaneceu como controle. Os ovinos foram desafiados ao consumo da planta na pastagem e em baias individuais até o 74° dia após o primeiro dia da aversão. Nos dias 14 e 19, o número de ovinos que consumiu I. carnea no Grupo 3 foi significativamente maior que o número de ovinos que consumiu a planta nos Grupos 1 e 2 (P=0,004 e P=0,0004, respectivamente). No dia 24, o número de ovinos que consumiu I. carnea foi significativamente maior no Grupo 3 do que no Grupo 1 (P=0,004). A partir do desafio do dia 29, não houve diferença significativa (P>0,05) no consumo da planta entre os três grupos. A quantidade de I. carnea consumida pelos ovinos do Grupo 3 durante o período do experimento no dia 7 após o primeiro dia da aversão foi significativamente maior do que o consumo das ovelhas dos Grupos 1 e 2 (P=0,0002 e P=0,01, respectivamente). Nos desafios seguintes, não houve diferença na quantidade de I. carnea ingerida pelos ovinos. Na avaliação do comportamento dos ovinos na pastagem infestada por I. carnea...

Resposta de ovinos das raças ½ sangue Santa Inês e ½sangue Dorper frente às infecções por nematódeos gastrintestinais.

NAVARRO, A. M. do C.; ZAROS, L. G.; NEVES, M. R. M. das; BENVENUTI, C. L.; SOUSA, S. M. de; CAVALCANTE, A. C. R.; VIEIRA, L. da S.
Fonte: In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE CAPRINOS E OVINOS DE CORTE, 4.; FEIRA NACIONAL DO AGRONEGÓCIO DA CAPRINO-OVINOCULTURA DE CORTE, 3., 2009, João Pessoa. Anais... João Pessoa: EMEPA-PB, 2009. 3 f. 1 CD-ROM. Publicador: In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE CAPRINOS E OVINOS DE CORTE, 4.; FEIRA NACIONAL DO AGRONEGÓCIO DA CAPRINO-OVINOCULTURA DE CORTE, 3., 2009, João Pessoa. Anais... João Pessoa: EMEPA-PB, 2009. 3 f. 1 CD-ROM.
Tipo: Artigo em anais de congresso (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.15%
Esse estudo tem como objetivo comparar a resposta de ovinos ½ sangue Dorper com ovinos ½ sangue Santa Inês frente às infecções por nematódeos gastrintestinais através dos parâmetros hematológicos (volume globular, eosinófilos sanguíneos, proteína plasmática total) e parasitológicos (contagem de OPG ). Inicialmente foram utilizados 25 ovinos mestiços da raça Santa Inês (½ Santa Inês x ½ Sem Raça Definida) e 17 ovinos da raça Dorper (½ Dorper x ½ Sem Raça Definida), com idade entre quatro e cinco meses. A cada sete dias foi coletado sangue da veia jugular para determinar os níveis de eosinófilos sanguíneos, volume globular, proteína plasmática total, e fezes coletadas diretamente da ampola retal, utilizadas para a contagem de ovos por grama de fezes (OPG). No mesmo dia da coleta, os animais foram pesados, submetidos à avaliação do escore corporal e ao método Famacha de controle da verminose. Os ovinos resistentes mestiços Santa Inês tiveram um melhor desempenho que os mestiços Dorper apresentando uma menor contagem de OPG, maior porcentagem de volume globular, uma elevada quantidade de eosinófilos, maior quantidade de proteína, e um menor grau Famacha, observando-se apenas um melhor desempenho dos Dorper quanto ao escore corporal...

Nematódeos gastrintestinais em ovinos ½ sangue Somalis com diferentes níveis de resistência.

ZAROS, L. G.; NEVES, M. R. M. das; NAVARRO, A. M. do C.; BENVENUTI, C. L.; VIEIRA, L. da S.
Fonte: In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE CAPRINOS E OVINOS DE CORTE, 4.; FEIRA NACIONAL DO AGRONEGÓCIO DA CAPRINO-OVINOCULTURA DE CORTE, 3., 2009, João Pessoa. Anais... João Pessoa: EMEPA-PB, 2009. 3 f. 1 CD-ROM. Publicador: In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE CAPRINOS E OVINOS DE CORTE, 4.; FEIRA NACIONAL DO AGRONEGÓCIO DA CAPRINO-OVINOCULTURA DE CORTE, 3., 2009, João Pessoa. Anais... João Pessoa: EMEPA-PB, 2009. 3 f. 1 CD-ROM.
Tipo: Artigo em anais de congresso (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
47.03%
O presente trabalho teve como objetivo estudar a epidemiologia das endoparasitoses gastrintestinais em ovinos ½ sangue Somalis com diferentes graus de resistência à essas infecções. À partir de uma rebanho de 75 ovinos jovens ½ sangue Somalis, com idade variando entre três a quatro meses, foram classificados, com base na contagem média de ovos por grama - OPG - de fezes, oito animais resistentes e oito animais susceptíveis. Estes foram sacrificados para a recuperação, enumeração e identificação dos gêneros e espécies presentes no abomaso, intestino delgado e intestino grosso, baseado no comprimento dos espículos e ganchos espiculares dos machos e tipo e comprimento do ovojetor das fêmeas. Haemonchus contortus, Trichostrongylus colubriformis e Oesophagostomum columbianum foram as espécies identificadas nos grupos resistente e susceptível. Além dessas espécies, foram encontrados 31 e 47 exemplares de Trichuris spp. e 1 e 2 exemplares de Skarjabinemia spp. no intestino grosso dos animais dos grupos resistente e susceptível, respectivamente. Animais do grupo resistente apresentaram menor número de parasitas quando comparados aos animais do grupo susceptível (P<0,05). Pode-se concluir que a infecção por nematódeos gastrintestinais em ovinos ½ sangue Somalis com diferentes graus de resistência foi mista...

Intoxica??o experimental por Tetrapterys multiglandulosa (Malpighiaceae) em ovinos

CORREA, Gabriela Riet; TERRA, Fabiano Fonseca; SCHILD, Ana Lucia; RIET-CORREA, Franklin; BARROS, Severo Sales de
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.23%
Em uma propriedade no munic?pio de Roseira Velha, S?o Paulo, com hist?rico de doen?a card?aca, abortos e sinais nervosos em bovinos, associados ? ingest?o de Tetrapterys multiglandulosa, foi observada fibrose card?aca em um bezerro de uma semana de idade que apresentava apatia, fraqueza e insufici?ncia respirat?ria. Os objetivos desse trabalho foram determinar se a esp?cie ovina ? sens?vel ? intoxica??o por T. multiglandulosa, descrever as altera??es cl?nicas e patol?gicas da intoxica??o e avaliar a utiliza??o dessa esp?cie como modelo experimental para a intoxica??o. Para determinar a toxicidade de T. multiglandulosa a ser utilizada em ovinos, foi realizado um experimento pr?vio em um bovino, sendo administrado 22g por kg de peso vivo (g/kg/pv) da planta verde durante 9 dias. Ap?s 9 dias de ingest?o o animal apresentou sinais nervosos e no 12? dia foi eutanasiado. Na necropsia n?o foram observadas les?es. No estudo histol?gico observou-se vacuoliza??o (status spongiosus, espongiose) da camada profunda da subst?ncia cinzenta do c?rtex cerebral e da subst?ncia branca subcortical. Para a reprodu??o da enfermidade em ovinos foram utilizados 6 ovinos, machos, divididos em 3 grupos de 2 animais cada. Os Ovinos 1 e 2 do Grupo 1 receberam doses di?rias de 6 g/kg/pv da planta seca por um per?odo de 30 dias; os Ovinos 3 e 4 do Grupo 2 receberam doses di?rias de 3 g/kg/pv por um per?odo de 60 dias; e os Ovinos 5 e 6 do Grupo 3 serviram como controle. O Ovino 1 foi sacrificado aos 30 dias de administra??o da planta. Apresentou somente arritmia card?aca e n?o foram observadas les?es significativas na necropsia. Os Ovinos 2...

Intoxica????o por Senecio spp. : padr??es morfol??gicos hep??ti-cos em bovinos e resist??ncia adquirida em ovinos; Intoxication by Senecio spp.: hepatic morphologic patterns in cattle and aquired resistance in sheep

GRECCO, Fabiane Borelli
Fonte: Universidade Federal de Pelotas; Veterin??ria; Programa de P??s-Gradua????o em Veterin??ria; UFPel; BR Publicador: Universidade Federal de Pelotas; Veterin??ria; Programa de P??s-Gradua????o em Veterin??ria; UFPel; BR
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.19%
This study him to characterize liver morphological patterns of the intoxication by Senecio spp. observed in cattle in Southern Rio Grande do Sul State, Brazil between 2000-2008 and to text the acquireal resistance in sheep to Senecio brasiliensis poisoning. The patterns observed were correlated with climate changes occurred in the period. Two outbreaks Senecio spp. In sheep were described. It was tested if repeated doses of S. brasiliensis induce resistance to the intoxication in sheep. The macroscopic and histological lesions of cattle dead by Senecio spp. toxicosis submitled to Regional Diagnostic Laboratory of Pelotas University were analyzed. The lesions were classified in seven different patterns. The outbreaks prevalence and climate changes concerning accumulated rain and temperature mean in different seasons of year were analyzed. To determine if repeated doses of S. brasiliensis induce resistance to the intoxication in sheep, doses that cause acute intoxication was determined. The green plant was administered by gavage to 3 sheep in doses of 60, 80, 90 and 100 g/kg of body weight (bw). The doses (100gkg of bw) that caused acute poisoning were divided in 2, 5 and 10 doses and administered daily in 2, 5 and 10 days to observe if chronic lesion would develop. Sheep that received 10g/kg of bw was challenged with 100g/kg of bw after 45 days the last doses of 10g. Doses of 15 g/kg of bw were administered by gavage for 30 days and 10 g/kg of bw for 10 days to three sheep. Two of them were challenged 24 hours after the last doses of 30g/kg of bw. One sheep was challenged 15 days after the last doses of 30g/kg of bw. The results of macroscopic and histological analyze of liver showed that the diffuse liver fibrosis and nodular regeneration were the most common lesions induced by Senecio spp. intoxication in cattle. Although between 2007 and 2008 the pattern with little fibrosis and histological subacute lesion had been observed. In outbreaks of spontaneous Senecio spp. poisoning in sheep jaundice...

Pastores, rebanhos de ovinos e pastoreio. Que futuro para o sistema tradicional de exploração?

Barbosa, José Carlos
Fonte: UTAD Publicador: UTAD
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.26%
Neste trabalho procura-se estudar a exploração de ovinos, de uma forma global, através de uma análise do sistema tradicional de exploração. O trabalho desenrolou-se na área geográfica do concelho de Bragança, no Nordeste Transmontano, desde meados de 1990 até ao início de 1993. Partindo de uma análise comparativa dos efectivos ovinos nos diferentes distritos, faz-se uma apreciação da importância dos efectivos da região. Verificámos que o Nordeste Transmontano ocupa, no contexto nacional, um lugar entre as regiões do país com maior número de ovinos. Por sua vez, Bragança é o concelho desta região que possui efectivos mais elevados. A exploração de ovinos em Bragança, e na região, tem grande tradição e existem condições propícias para essa actividade. Para o concelho de Bragança, analisaram-se os factores de enquadramento da exploração de ovinos. São estes factores que permitem ou dificultam a actividade e influenciam a sua evolução, isto é, concorrem para as condições existentes para a exploração de ovinos. Entre os factores que contribuem para essas condições sobressaem a existência de baldios e de áreas afectas à cultura cerealífera. Estas últimas servem para o pastoreio dos rebanhos...

Valor Alimentar de Três Pastagens Anuais para Ovinos

Abreu, Manuel d'orey Cancela d'
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
37.21%
"Sem resumo feito pelo autor" - 0 principal objectivo deste trabalho foi determinar o valor alimentar de três pastagens anuais, para ovinos, em função da sua qualidade, nível de ingestão e estação do ano. As três pastagens que se estudaram, todas elas sobre montado disperso, foram: pastagem à base de trevo subterrâneo (Tr. Subt.), semea-da com uma mistura de 4 cultivares de trevo (Nungarin, Seaton Parle, Woogene11up e Trikkala), na quantidade de 20 kg/ha, e azevém anual, cultivar Wimeria, na quantidade de 5 kg/ha; pasta-gem natural fertilizada (P. Nat.); pastagem à base de serradela (Ser.), resultante da sementeira de 20 kg/ha de serradela cultivar Pitman, e de 5 kg/ha de azevém anual. 0 ensaio foi instalado na Herdade da Mitra, ocupando o Tr. Subt., a P. Nat. e a Ser., respectivamente, 2,4 ha, 2,2 ha e 1,8 ha. Foram pastoreadas, permanentemente, por ovinos machos castrados. As colheitas de dados realizaram-se durante três anos, no período de Março de 1987 a Fevereiro de 1990. A disponibilidade de pastagem foi determinada por cortes realizados regularmente e a composição química foi determinada, quer em sub-amostras dos cortes, quer em amostras da dieta ingerida, colhidas através de fístula esofágica. Estas últimas amostras foram colhidas em cinco épocas diferentes do ano-Outono...