Página 1 dos resultados de 79 itens digitais encontrados em 0.002 segundos

A Performance Exportadora e os seus Antecedentes. O Papel da Orientação para o Mercado Externo, Empreendedorismo, Recursos e Inovação: Um estudo em Empresas Exportadoras do Sul do Brasil

Mugnol, Renato Pedro
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Tese de Doutorado
POR
Relevância na Pesquisa
46.91%
Nas últimas décadas, grandes transformações ocorreram no ambiente competitivo internacional, provocando mudanças significativas no mercado externo e acelerando o processo de internacionalização das empresas, para que possam se manter competitivas. Portanto, esta tese investiga como se articulam os vários antecedentes da internacionalização de empresas brasileiras e avalia a intensidade das relações existentes entre a orientação para o mercado externo, a orientação empreendedora internacional, os recursos e a inovação e o seu impacto na performance exportadora. Este estudo visa a aprofundar o conhecimento sobre a capacidade destes construtos influenciarem o resultado das empresas brasileiras que operam no mercado internacional e avaliarem as relações agregadas entre eles. Para isso, alguns passos foram fundamentais no desenvolvimento da pesquisa: a proposição de um modelo teórico hipotetizando as relações entre os temas; a validação de escalas confiáveis; o teste empírico das hipóteses. As empresas brasileiras exportadoras foram definidas como população-alvo, conforme cadastro oficial da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). A amostra foi composta de 406 empresas pesquisadas. Na análise dos dados aplicou-se a técnica multivariada dos dados...

O impacto da orientação empreendedora na performance das empresas brasileiras: evidências de um estudo híbrido

Oliveira Junior, Antônio Benedito de
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Dissertação
Relevância na Pesquisa
66.92%
The subject entrepreneurship has been gaining strength within the area of strategy, as the entrepreneurial activity represents one of the gears of economic growth and a political social and economic response of the entrepreneur¿s capital. Nevertheless, there are not many studies that investigated if entrepreneurial orientation influences firm performance in Brazil. The objective of the research is to understand and conclude on the relationship between entrepreneurial orientation and firm performance. To achieve this objective, qualitative research through in-depth interviews with 14 managers was followed by quantitative research through data collection involving 104 managers in a heterogeneous sample of 104 companies. The research used the model of Lumpkin; Dess (1996) for entrepreneurial orientation in five dimensions (autonomy, innovativeness, risk taking, proactiveness and competitive aggressiveness), to which two more dimensions were added: strategic alliances and market orientation ¿ that emerged during the qualitative phase of the study. As a result a generic model was obtained ¿ composed of one variable (proactiveness) which positively impacts the firm performance. Proactiveness was also the key factor that positively impacted the firm performance for the service sector and small businesses. For the commercial sector...

Uma análise dos principais fatores que contribuem para sobrevivência e êxito das unidades lotéricas em São Paulo (SR Ipiranga)

Pessoa, Marco Valério Levingstone Duarte
Fonte: Fundação Getúlio Vargas Publicador: Fundação Getúlio Vargas
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.98%
O conceito de Empreendedorismo não se restringe apenas ao processo de criação de novos negócios independentes, Covin e Slevin (1991), e tampouco ao estudo das características individuais do empreendedor, Gartner (1985), Lumpkin e Dess (1996). Miller (1983) concluiu que uma organização empreendedora desenvolve e foca três dimensões: Inovação; Capacidade de assumir riscos; e Proatividade. Tendo como contraponto que uma organização não empreendedora inova muito pouco, tem aversão a riscos, e não age proativamente perante seus competidores, é aquela que apenas imita os produtos e serviços existentes no mercado competidor. Os estudos de Miller (1983) e de Covin e Slevin (1989, 1990) serviram de base para que Lumpkin e Dess (1996) atribuíssem à concepção de espírito empreendedor a conceituação de Orientação Empreendedora, visando diferençá-la do conceito de Empreendedorismo, e incluíram as dimensões Autonomia e Competitividade agressiva às três dimensões atribuídas por Miller (1983). Estas dimensões podem ou não estar presentes quando uma empresa está em busca de um novo negócio, no entanto, novos negócios bem sucedidos também podem ser alcançados quando apenas alguns destes fatores ou dimensões estão presentes...

Orientação empreendedora : um estudo sobre as conseqüências do empreendedorismo nas organizações

Fernandes, Daniel Von der Heyde; Santos, Cristiane Pizzutti dos
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
57.04%
O objetivo deste trabalho é investigar o papel do empreendedorismo na construção da performance de negócios. Foi desenvolvido e testado um modelo teórico, retratando os inter-relacionamentos entre orientação e cultura organizacional – orientação empreendedora, orientação para o mercado e aprendizagem organizacional – e seu impacto no sucesso das inovações e na performance empresarial. A partir de uma amostra com 157 organizações, os resultados indicam que a orientação empreendedora exerce elevado impacto na performance empresarial. Os efeitos da orientação empreendedora na performance são maiores do que aqueles da orientação para o mercado, os quais influenciam mais fortemente o sucesso das inovações. Essas duas orientações são complementares e seu efeito conjunto fornece resultados consistentes às ações empresariais. O papel moderador do tamanho da organização na relação entre orientação empreendedora e performance não foi confirmado.; The purpose of this paper is to examine the role of entrepreneurship in business performance. A theoretical model has been developed and tested, focused on the inter-relationships that exist between orientation and organizational culture - entrepreneurial orientation...

O impacto das práticas de Gestão de Recursos Humanos e da Orientação Empreendedora no desempenho das empresas Portuguesas.

Palminha, Marina Alexandra de Sousa
Fonte: Faculdade de Economia da Universidade do Porto; FEP Publicador: Faculdade de Economia da Universidade do Porto; FEP
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.75%
This research aims to analyze the impact of Human Resource Management practices (HRM) and Corporate Entrepreneurship (CE) in the performance of Portuguese firms. This work aims to fill the gap for the Portuguese case. Data was collected through a survey to Portuguese companies that were selected from the SABI (Sistema de Análise de Balanços Ibérico) database. The results suggest: the HRM practices are positively related to return on sales and with return on investment; the HRM practices and CE are positively related. In what concerns to CE, data did not accurately assess its relationship with financial performance.; Economia e Gestão Internacional; Master in International Economics and Management; Este trabalho pretende analisar o impacto das práticas de Gestão de Recursos Humanos (GRH) e da Orientação Empreendedora (OE) no desempenho das empresas portuguesas. Adicionalmente, esta investigação pretende colmatar a lacuna existente relativamente ao caso português. Os dados foram recolhidos através de um inquérito às empresas portuguesas, seleccionadas a partir da base de dados SABI (Sistema de Análise de Balanços Ibérico). Os resultados sugerem que as práticas de GRH estão positivamente relacionadas com a rentabilidade das vendas e com a rentabilidade do investimento; as práticas de GRH e a OE estão positivamente relacionadas. Relativamente à OE...

As características sócio-profissionais e a motivação no trabalho como determinantes da orientação empreendedora: um estudo aplicado a uma organização hospitalar

Vieira, Maria Manuela Vaz
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
47.07%
Dissertação de Mestrado em Gestão dos Serviços de Saúde; O estudo da motivação em contexto organizacional tem, desde há vários anos, suscitado acrescido interesse entre investigadores, na perspectiva de compreenderem o comportamento e as atitudes dos indivíduos e o seu impacto em determinar resultados organizacionais. A literatura neste domínio tem reconhecido que a existência de motivação em contexto laboral, representa uma mais-valia e tem sido associada a importantes resultados organizacionais, tais como aumento da eficácia, elevado desempenho, produtividade, menor absentismo e envolvimento nos objectivos organizacionais. Comparativamente à motivação, os estudos sobre empreendedorismo são mais recentes, tendo nas últimas décadas havido um crescente e significativo interesse de investigação nesta área. A literatura neste domínio considera o empreendedorismo fundamental para o desenvolvimento da economia de um país. O empreendedorismo tem sido apontado como vector capaz de proporcionar a modificação nas condições correntes no mercado através da introdução de algo novo e diferente, em resposta às necessidades percebidas. A orientação empreendedora surge da aplicação do empreendedorismo em contexto organizacional. Refere-se aos processos...

Cultura nacional e orientação empreendedora: Um estudo comparativo entre Brasil e Portugal

Silva, Marco Antonio Oliveira Monteiro da; Correia, Manuela Faia; Scholten, Marc; Gomes, Luiz Flavio Autran Monteiro
Fonte: Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2008 POR
Relevância na Pesquisa
66.88%
Este artigo descreve um estudo realizado com o propósito de comparar empreendedoresproprietários de empresas em incubadoras no Brasil e em Portugal. A comparação entre estes dois países justificou-se pelo passado histórico comum, notadamente pela influência portuguesa na formaçã cultural brasileira, espelhada no estudo transcultural de Hofstede (1980). O objetivo deste estudo é comparar a orientação empreendedora desses empreendedores-proprietários de ambos os países. A orientação empreendedora revelou-se mais elevada no Brasil do que em Portugal, destacando-se as dimensões de propensão para o risco e a acompetitividade agressiva. Os empreendedores brasileiros, curiosamente, revelam uma maior rejeição a incertezas futuras mas concomitantemente, demonstram ter uma maior propensão para assumir riscos e se expor a incertezas. O presente estudo levanta questões sobre diferentes drives para empreender, e ao despertar a curiosidade sobre o assunto deixa como sugestões futuras de pesquisas o aprofundamento da análise do empreendedorismo por oportunidade e por necessidade nos dois países.

A influência dos recursos e capacidade da empresa e da orientação empreendedora na fomação de alianças: uma perspectiva de empreendedorismo colaborativo

Manteigueiro, Patrícia Isabel do Carmo Pereira Costa
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
47%
O ambiente complexo, turbulento e em constante mudança, em que as empresas operam, intensificou-se consideravelmente. Assim, o empreendedorismo é visto como um processo no qual os empresários procuram oportunidades sem considerar os recursos que têm sob controlo. O reconhecimento de oportunidades inclui actividades, tais como, a exploração da envolvente externa para novos mercados, necessidades não satisfeitas, problemas existentes nos processos de trabalho, bem como novas ideias de produtos. Neste sentido, o empreendedorismo requer a cooperação e a colaboração entre várias partes. De facto, um número crescente de empresas depende da formação de alianças para aceder aos recursos necessários para atingir os seus objectivos estratégicos. Até ao momento, o papel do empreendedorismo na investigação dentro da área das alianças, ou vice-versa, tem recebido uma atenção muito limitada. Em particular, a influência da orientação empreendedora e dos recursos das empresas na decisão de entrar numa aliança é um campo de investigação pouco explorado. Consequentemente, o objectivo deste estudo é preencher esta advertência. Ao fazer-se isso, uma das contribuições deste estudo está no desenvolvimento de teoria e numa melhor compreensão de como usar alianças como uma abordagem de empreendedorismo colaborativo. No presente estudo considerou-se como população/universo todas as empresas portuguesas inseridas numa base de dados fornecida pelo AICEP – Porto. A recolha de dados foi feita através de um questionário aplicado durante o mês de Abril de 2011. Este questionário online foi administrado com links personalizados e códigos de controlo de resposta. Das 1.620 empresas contactadas (amostra inicial)...

A orientação empreendedora nas empresas familiares ao longo das gerações

Oliveira, Sandra Isabel Ferreira
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.75%
Nas últimas décadas, vários trabalhos têm surgido sobre avaliar a Orientação Empreendedora (OE) nas empresas, surgindo mais tarde o interesse em estudar a OE nas empresas familiares. No entanto os temas abordados e as conclusões dos estudos não são consensuais. O presente trabalho tem por base uma amostra de 85 empresas familiares da região do Minho. Procuram-se possíveis diferenças nas cinco dimensões da OE nas empresas familiares e a comparação de cada uma delas entre as gerações. Conclui-se existir uma maior correspondência entre a inovação, risco e proactividade não havendo correspondência em relação à autonomia e agressividade. Os resultados permitem também concluir que a inovação, risco e proactividade são mais elevadas na segunda geração e gerações subsequentes que na primeira geração.

Elementos para guiar ações visando à orientação empreendedora em organizações de software

Freitas,Henrique; Martens,Cristina Dai Prá; Boissin,Jean-Pierre; Behr,Ariel
Fonte: Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 PT
Relevância na Pesquisa
67.18%
Neste artigo, aborda-se a orientação empreendedora (OE) em organizações de software. Tem-se por objetivo propor um conjunto consolidado de elementos que possibilitem guiar ações visando à orientação empreendedora em organizações de software. Para tanto, realizou-se pesquisa de natureza exploratória, com o uso de dados qualitativos. A coleta de dados foi feita por meio de entrevistas em profundidade com executivos de 13 organizações com o intuito de realizar um levantamento de práticas efetivas de orientação empreendedora, para compreensão desse comportamento nas organizações e confirmação dos elementos da base conceitual de orientação empreendedora adotada no estudo. Como resultado, apresenta-se um conjunto de elementos da orientação empreendedora, consolidado a partir da literatura e da prática efetiva das organizações, que constitui importante referência para guiar ações visando à orientação empreendedora em organizações de software. O estudo conclui com o enriquecimento e o detalhamento da base conceitual de orientação empreendedora, com a proposição de categorias, agregação de novos elementos decorrentes da prática organizacional e a consolidação do conjunto de elementos, oferecendo subsídios às organizações de software que desejem desenvolver esse comportamento.

Desenvolvimento da orientação empreendedora em empresas de software: proposições preliminares

Martens,Cristina Dai Prá; Freitas,Henrique Mello Rodrigues de; Andres,Rafael
Fonte: Escola de Administração da UFRGS Publicador: Escola de Administração da UFRGS
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2011 PT
Relevância na Pesquisa
66.75%
Este artigo apresenta proposições preliminares sobre ações para o desenvolvimento da Orientação Empreendedora OE em empresas de software. Para isso, apresenta, após uma retomada conceitual, um breve panorama da OE no setor de Tecnologia de Informação TI , a partir da visão de especialistas. Num segundo momento, explora como se dá esse comportamento em 2 empresas de software; e finalmente apresenta proposições preliminares para o desenvolvimento desse comportamento em empresas do setor. O método de pesquisa consistiu em estudo exploratório e qualitativo, realizado em 2 etapas: a primeira envolveu entrevista em profundidade com 3 especialistas do setor de TI do estado do Rio Grande do Sul, na busca de uma percepção sobre a OE no setor; a segunda contou com entrevistas em profundidade com 2 empresários do setor de software, buscando melhor compreender como ocorre a OE nessas empresas. Os resultados apontam proposições iniciais sobre o desenvolvimento da OE em empresas do setor, contribuindo, assim, para o debate sobre ações de estímulo ao empreendedorismo no contexto de empresas de software.

O papel da orientação empreendedora no relacionamento entre orientação para o mercado e desempenho empresarial: evidências das pequenas empresas do comércio

Reis Neto,José Francisco dos; Gallego,Pablo Antonio Muñoz; Souza,Celso Correia de; Rodrigues,Wesley Osvaldo Pradella
Fonte: Escola de Administração da UFRGS Publicador: Escola de Administração da UFRGS
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2013 PT
Relevância na Pesquisa
66.98%
A literatura acadêmica de marketing e gestão oferece vários modelos de relacionamento entre as orientações para o mercado, empreendedorismo e os seus reflexos no desempenho empresarial. Neste estudo foram examinados e testados três conjuntos de hipóteses para avaliar as evidências empíricas da importância da Orientação para o Mercado sobre o Desempenho Empresarial, quando moderado pela Orientação Empreendedora, no segmento do comércio e serviço das micro e pequena empresas de Mato Grosso do Sul. Os dados foram obtidos da aplicação de um questionário em uma amostra de 274 empresas sul-matogrossenses e as hipóteses foram avaliadas empregando a regressão linear múltipla. Os principais achados dão forte evidência empírica que quanto maior a Orientação para o Mercado melhor é o Desempenho Empresarial. As moderações das dimensões da propensão em Assumir Riscos e Proatividade da Orientação Empreendedora são positivas, mas a dimensão do processo de inovação não produz efeito moderador entre os constructos. São discutidas as implicações gerenciais e oferecidas sugestões para trabalhos futuros.

Cultura e orientação empreendedora: uma pesquisa comparativa entre empreendedores em incubadoras no Brasil e em Portugal

Silva,Marco Antonio Oliveira Monteiro da; Gomes,Luiz Flavio Autran Monteiro; Correia,Manuela Faia
Fonte: Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração Publicador: Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2009 PT
Relevância na Pesquisa
66.88%
O presente artigo descreve pesquisa que teve como objetivo identificar semelhanças e diferenças de características entre empreendedores em incubadoras de empresas no Brasil e em Portugal. Os fundamentos analíticos utilizados para as comparações foram os modelos de dimensões culturais de Hofstede e de orientação empreendedora de Lumpkim e Dess (1996). No emprego destes dois modelos se fez uso de um questionário, que foi aplicado aos empreendedores desses dois países e que se constituiu em um expressivo trabalho de campo, imprescindível para se alcançar os objetivos propostos. Os resultados da pesquisa mostraram que existem diferenças especialmente nas dimensões de distância do poder e aversão à incerteza, ambas superiores no Brasil. A orientação empreendedora também se revelou mais elevada no Brasil do que em Portugal, destacando-se as dimensões de propensão para o risco e a para a competitividade agressiva. Os empreendedores brasileiros, curiosamente, revelam maior rejeição a incertezas futuras; mas, concomitantemente, demonstram maior propensão para assumir riscos e se expor a incertezas, desde que remunerados como forma de compensação por essa exposição.

Orientação empreendedora: um estudo sobre as conseqüências do empreendedorismo nas organizações

Fernandes,Daniel Von Der Heyde; Santos,Cristiane Pizzuti Dos
Fonte: Fundação Getulio Vargas/Escola de Administração de Empresas de São Paulo Publicador: Fundação Getulio Vargas/Escola de Administração de Empresas de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2008 PT
Relevância na Pesquisa
67.09%
O objetivo deste trabalho é investigar o papel do empreendedorismo na construção da performance de negócios. Foi desenvolvido e testado um modelo teórico, retratando os inter-relacionamentos entre orientação e cultura organizacional - orientação empreendedora, orientação para o mercado e aprendizagem organizacional - e seu impacto no sucesso das inovações e na performance empresarial. A partir de uma amostra com 157 organizações, os resultados indicam que a orientação empreendedora exerce elevado impacto na performance empresarial. Os efeitos da orientação empreendedora na performance são maiores do que aqueles da orientação para o mercado, os quais influenciam mais fortemente o sucesso das inovações. Essas duas orientações são complementares e seu efeito conjunto fornece resultados consistentes às ações empresariais. O papel moderador do tamanho da organização na relação entre orientação empreendedora e performance não foi confirmado.

As conexões entre orientação empreendedora, capacidade de marketing e a percepção do desempenho empresarial: evidências empíricas das micro e pequenas empresas varejistas

Reis Neto,José Francisco dos; Muñoz-Gallego,Pablo Antonio; Souza,Celso Correia de; Rodrigues,Wesley Osvaldo Pradella
Fonte: Universidade Presbiteriana Mackenzie Publicador: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2013 PT
Relevância na Pesquisa
67.07%
A literatura acadêmica atual apresenta progresso no entendimento do desenvolvimento de estratégias das empresas, quanto ao aprimoramento das competências e recursos, para enfrentar a concorrência e a turbulência do ambiente competitivo. Neste trabalho são examinados os relacionamentos dos construtos orientação empreendedora (NAMAN; SLEVIN, 1993) e capacidade de marketing (VORHIES; HARKER, 2000) no desempenho empresarial (GONZÁLES-BENITO; GONZÁLES-BENITO; MUÑOZ-GALLEGO, 2009) percebido pelos gestores, focando as pequenas empresas varejistas. Foram avaliadas as evidências empíricas de modelos propostos na literatura para orientação empreendedora, capacidade de marketing, desempenho empresarial e o papel dos seus relacionamentos sob os efeitos moderadores do tipo da empresa, local da sua instalação e a idade desde a sua fundação. Os dados foram coletados em uma amostra transversal não probabilística de 262 empresas do comércio e de serviço, localizadas no Estado de Mato Grosso do Sul. As hipóteses foram testadas por meio das abordagens estatísticas da análise fatorial exploratória e da modelagem das equações estruturais, empregando-se a estimação da máxima verossimilhança e índices de ajuste do modelo conceitual. A verificação dos dados empíricos proporciona evidências para a confirmação dos modelos teóricos adotados...

Orientação empreendedora das PME angolanas; evidênncia empírica do Município de Cazengo - Kwanza Norte (Angola)

António, Manuel Miguel Lourenço
Fonte: Instituto Politécnico do Porto Publicador: Instituto Politécnico do Porto
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2015 POR
Relevância na Pesquisa
66.88%
O objetivo fundamental deste estudo é analisar a orientação empreendedora das micro, pequenas e médias empresas (MPME) no município de Cazengo, província do Kwanza Norte, em Angola. Para o desenvolvimento deste estudo utilizamos a abordagem quantitativa, combinando a análise documental com a estatística, tendo os dados sido recolhidos através um inquérito por questionário aplicado às MPME sediadas no município referido. O estudo revelou que as empresas possuem razoável orientação empreendedora, apresentando resultados positivos ao nível da inovação, onde a valorização da I&D, liderança tecnológica e inovação é moderada, e da proatividade, em que as empresas iniciam na mesma proporção ações por elas levadas a cabo e ações iniciadas pela concorrência, e negativos ao nível da assunção do risco, em que as empresas têm uma preferência por projetos de baixo risco, com rendibilidades normais e certas.; The main goal of this study is to analyze entrepreneurial orientation of small and medium enterprises (SME) in the municipality of Cazengo, Kwanza Norte’s province, in Angola. For its development we used a quantitative approach, combining document analysis with statistics, were data was collected through a questionnaire applied to the SME based on the indicated municipality. The study reveals that companies are have reasonable entrepreneurial orientation...

A influência dos recursos e capacidade da empresa e da orientação empreendedora na fomação de alianças: uma perspectiva de empreendedorismo colaborativo

Manteigueiro, Patrícia Isabel do Carmo Pereira Costa
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
47%
O ambiente complexo, turbulento e em constante mudança, em que as empresas operam, intensificou-se consideravelmente. Assim, o empreendedorismo é visto como um processo no qual os empresários procuram oportunidades sem considerar os recursos que têm sob controlo. O reconhecimento de oportunidades inclui actividades, tais como, a exploração da envolvente externa para novos mercados, necessidades não satisfeitas, problemas existentes nos processos de trabalho, bem como novas ideias de produtos. Neste sentido, o empreendedorismo requer a cooperação e a colaboração entre várias partes. De facto, um número crescente de empresas depende da formação de alianças para aceder aos recursos necessários para atingir os seus objectivos estratégicos. Até ao momento, o papel do empreendedorismo na investigação dentro da área das alianças, ou vice-versa, tem recebido uma atenção muito limitada. Em particular, a influência da orientação empreendedora e dos recursos das empresas na decisão de entrar numa aliança é um campo de investigação pouco explorado. Consequentemente, o objectivo deste estudo é preencher esta advertência. Ao fazer-se isso, uma das contribuições deste estudo está no desenvolvimento de teoria e numa melhor compreensão de como usar alianças como uma abordagem de empreendedorismo colaborativo. No presente estudo considerou-se como população/universo todas as empresas portuguesas inseridas numa base de dados fornecida pelo AICEP – Porto. A recolha de dados foi feita através de um questionário aplicado durante o mês de Abril de 2011. Este questionário online foi administrado com links personalizados e códigos de controlo de resposta. Das 1.620 empresas contactadas (amostra inicial)...

A orientação empreendedora nas empresas familiares ao longo das gerações

Oliveira, Sandra Isabel Ferreira
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.75%
Nas últimas décadas, vários trabalhos têm surgido sobre avaliar a Orientação Empreendedora (OE) nas empresas, surgindo mais tarde o interesse em estudar a OE nas empresas familiares. No entanto os temas abordados e as conclusões dos estudos não são consensuais. O presente trabalho tem por base uma amostra de 85 empresas familiares da região do Minho. Procuram-se possíveis diferenças nas cinco dimensões da OE nas empresas familiares e a comparação de cada uma delas entre as gerações. Conclui-se existir uma maior correspondência entre a inovação, risco e proactividade não havendo correspondência em relação à autonomia e agressividade. Os resultados permitem também concluir que a inovação, risco e proactividade são mais elevadas na segunda geração e gerações subsequentes que na primeira geração.

Elementos para guiar ações visando à orientação empreendedora em organizações de software; Elementos para conducir acciones hacia la orientación emprendedora en empresas de software; Guidance elements for the entrepreneurial orientation of software firms

Freitas, Henrique; Martens, Cristina Dai Prá; Boissin, Jean-Pierre; Behr, Ariel
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
67.18%
Neste artigo, aborda-se a orientação empreendedora (OE) em organizações de software. Tem-se por objetivo propor um conjunto consolidado de elementos que possibilitem guiar ações visando à orientação empreendedora em organizações de software. Para tanto, realizou-se pesquisa de natureza exploratória, com o uso de dados qualitativos. A coleta de dados foi feita por meio de entrevistas em profundidade com executivos de 13 organizações com o intuito de realizar um levantamento de práticas efetivas de orientação empreendedora, para compreensão desse comportamento nas organizações e confirmação dos elementos da base conceitual de orientação empreendedora adotada no estudo. Como resultado, apresenta-se um conjunto de elementos da orientação empreendedora, consolidado a partir da literatura e da prática efetiva das organizações, que constitui importante referência para guiar ações visando à orientação empreendedora em organizações de software. O estudo conclui com o enriquecimento e o detalhamento da base conceitual de orientação empreendedora, com a proposição de categorias, agregação de novos elementos decorrentes da prática organizacional e a consolidação do conjunto de elementos, oferecendo subsídios às organizações de software que desejem desenvolver esse comportamento.; En este artículo se analiza la orientación emprendedora (EO) en organizaciones de software. El objetivo es proponer un conjunto consolidado de elementos que permitan conducir acciones hacia la orientación emprendedora en empresas de software. Para ello...

Cultura nacional e orientação empreendedora: Um estudo comparativo entre Brasil e Portugal

Silva,Marco Antonio Oliveira Monteiro da; Correia,Manuela Faia; Scholten,Marc; Gomes,Luiz Flavio Autran Monteiro
Fonte: ISPA - Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: ISPA - Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2008 PT
Relevância na Pesquisa
66.88%
Este artigo descreve um estudo realizado com o propósito de comparar empreendedoresproprietários de empresas em incubadoras no Brasil e em Portugal. A comparação entre estes dois países justificou-se pelo passado histórico comum, notadamente pela influência portuguesa na formação cultural brasileira, espelhada no estudo transcultural de Hofstede (1980). O objetivo deste estudo é comparar a orientação empreendedora desses empreendedores-proprietários de ambos os países. A orientação empreendedora revelou-se mais elevada no Brasil do que em Portugal, destacando-se as dimensões de propensão para o risco e a acompetitividade agressiva. Os empreendedores brasileiros, curiosamente, revelam uma maior rejeição a incertezas futuras mas concomitantemente, demonstram ter uma maior propensão para assumir riscos e se expor a incertezas. O presente estudo levanta questões sobre diferentes drives para empreender, e ao despertar a curiosidade sobre o assunto deixa como sugestões futuras de pesquisas o aprofundamento da análise do empreendedorismo por oportunidade e por necessidade nos dois países.