Página 1 dos resultados de 991 itens digitais encontrados em 0.002 segundos

Phylogeny of South American Pogonieae (Orchidaceae, Vanilloideae) based on sequences of nuclear ribosomal (ITS) and chloroplast (psaB, rbcL, rps16, and trnL-F) DNA, with emphasis on Cleistes and discussion of biogeographic implications

PANSARIN, Emerson R.; SALATINO, Antonio; SALATINO, Maria L. F.
Fonte: ELSEVIER GMBH, URBAN & FISCHER VERLAG Publicador: ELSEVIER GMBH, URBAN & FISCHER VERLAG
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
37.02%
Tribe Pogonieae (Orchidaceae), as Currently known, comprises live genera distributed from South to North America and Eastern Asia. Phylogenetic inferences within Cleistes and among genera of tribe Pogonieae were made based oil nrDNA (ITS) and cpDNA (trnL-F, rps16, rbcL, and psaB) Sequence data and maximum parsimony. Eighteen species of Cleistes, members of all other genera of Pogonieae, and outgroups were sampled. Analyses based oil individual DNA regions provided similar topologies. All evidence indicates that Cleistes is paraphyletic. The North American C. divaricata and C bifaria are more closely related to the temperate genera Isotria and Pogonia than to their Central and South American congeners, the latter Constituting a monophyletic group characterized by the production of nectar as reward, tuberous roots, and their distribution in Central and South America. The Amazonian Duckeella is sister to the remainder of Pogonieae. Taxonomic and biogeographic implications are discussed, and morphological synapomorphies are given For clades obtained in the inferred molecular phylogeny. (C) 2008 Gesellschaft fur Biologische Systematik. Published by Elsevier GmbH. All rights reserved.

Phylogenetic relationships and infrageneric classification of Epidendrum subgenus Amphiglottium (Laeliinae, Orchidaceae)

PINHEIRO, Fabio; KOEHLER, Samantha; CORREA, Andrea Macedo; SALATINO, Maria Luiza Faria; SALATINO, Antonio; BARROS, Fabio de
Fonte: SPRINGER WIEN Publicador: SPRINGER WIEN
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
37.02%
Epidendrum L. is the largest genus of Orchidaceae in the Neotropical region; it has an impressive morphological diversification, which imposes difficulties in delimitation of both infrageneric and interspecific boundaries. In this study, we review infrageneric boundaries within the subgenus Amphiglottium and try to contribute to the understanding of morphological diversification and taxa delimitation within this group. We tested the monophyly of the subgenus Amphiglottium sect. Amphiglottium, expanding previous phylogenetic investigations and reevaluated previous infrageneric classifications proposed. Sequence data from the trnL-trnF region were analyzed with both parsimony and maximum likelihood criteria. AFLP markers were also obtained and analyzed with phylogenetic and principal coordinate analyses. Additionally, we obtained chromosome numbers for representative species within the group. The results strengthen the monophyly of the subgenus Amphiglottium but do not support the current classification system proposed by previous authors. Only section Tuberculata comprises a well-supported monophyletic group, with sections Carinata and Integra not supported. Instead of morphology, biogeographical and ecological patterns are reflected in the phylogenetic signal in this group. This study also confirms the large variability of chromosome numbers for the subgenus Amphiglottium (numbers ranging from 2n = 24 to 2n = 240)...

A New Species of Pelexia (Orchidaceae, Spiranthinae) from Sao Paulo, Brazil

Ferreira, Alessandro W. C.; Lima, Maria Ines S.; Pansarin, Emerson Ricardo
Fonte: MISSOURI BOTANICAL GARDEN; ST LOUIS Publicador: MISSOURI BOTANICAL GARDEN; ST LOUIS
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
37.02%
A new species of Pelexia Poit. ex Until. (Orchidaceae, Spiranthinae) occurring in central Sao Paulo, southeastern Brazil, is described and illustrated as P. vinosa A. W. C. Ferreira, M. I. S. Lima & Pansarin. Pelexia vinosa is recognized by its leaves that are present at flowering and its dark purple leaf blades with reddish margins. Inflorescences are sparsely pubescent and reddish. The red sepals contrast with the white hyaline petals and labellum. The species is notable for its spurlike nectary that is parallel and adnate to the ovary. The new species is morphologically similar to P. laxa (Poepp. & Endl.) Lindl. In addition, the need to preserve native areas of the interior of Sao Paulo State (habitat of P. vinosa) is discussed.; Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior (CAPES); Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior (CAPES)

Estrutura genética de zonas de hibridação natural entre Epidendrum fulgens e E. puniceoluteum (Orchidaceae); Genetic structure of natural hybrid zones between Epidendrum fulgens and E. puniceoluteum (Orchidaceae)

Pinheiro, Fabio
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 25/02/2010 PT
Relevância na Pesquisa
37.36%
Epidendrum L. é o maior gênero de Orchidaceae da região Neotropical com cerca de 1500 espécies, e os processos de diversificação no grupo são pouco conhecidos. Apesar de existirem muitos relatos sobre hibridação no gênero, não há trabalhos que tenham testado essa hipótese em populações naturais. Epidendrum fulgens Brongn. e E. puniceoluteum F. Pinheiro & F. Barros são espécies que ocorrem ao longo do litoral brasileiro, freqüentemente em simpatria. Para testar a eficiência de suas barreiras reprodutivas, foi examinada a distribuição da variação genética dentro e entre populações simpátricas e alopátricas dessas duas espécies. Nove loci de microsatélites nucleares, e cinco loci de microssatélites de cloroplasto foram utilizados para genotipar 463 indivíduos de oito populações, ao longo de toda distribuição geográfica das espécies. A utilização de métodos de atribuição Bayesianos (programas STRUCTURE e NEWHYBRIDS) detectou a existência de grande quantidade de híbridos nas populações simpátricas. As zonas de hibridação são constituídas por híbridos F1, F2 e retrocruzamentos. A introgressão foi assimétrica, ocorrendo preferencialmente de E. fulgens para E. puniceoluteum. Na população da Ilha do Cardoso...

Efeito de giberelina, óxido nítrico e etileno no estiolamento de Dendrobium "Second Love" (Orchidaceae); Effect of gibberellin, nitric oxide and ethylene in Dendrobium 'Second Love' (Orchidaceae) etiolation

Felix, Lucas Macedo
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 18/03/2013 PT
Relevância na Pesquisa
37.36%
A multiplicação de orquídeas in vitro vem sendo utilizada há algum tempo com objetivo de elevar a taxa de multiplicação, além de eliminar patógenos e reduzir gastos na produção. Esta ferramenta de trabalho vem sendo rotineiramente utilizada no nosso laboratório, ao longo de mais de duas décadas em nosso laboratório, em pesquisas básicas de fisiologia e de aprimoramento da técnica de clonagem, principalmente de orquídeas. Neste caso,o uso da técnica visa a obtenção de maior estabilidade genética dos regenerantes em cultivos de longa duração. Plantas do gênero Catasetum apresentam atividade indeterminada do meristema apical caulinar quando incubadas no escuro, originando em pouco tempo longos estolões com crescimento indeterminado, comportamento raro no reino vegetal. Cada nó do caule estiolado possui uma gema lateral que, quando isolada e incubada no claro, forma rapidamente uma planta completa, facilitando a micropropagação. Outras espécies de orquídeas valorizadas na floricultura não apresentam tal facilidade na multiplicação, mostrando-se recalcitrantes à micropropagação, como é o caso do gênero Dendrobium (Orchidaceae). O objetivo deste estudo foi obter uma melhor compreensão dos mecanismos fisiológicos envolvidos no estiolamento de plantas Dendrobium "Second Love"...

O gênero Stelis Sw. (Orchidaceae) no Rio Grande do Sul, Brasil

Colla, Frediny Bettin
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
(O gênero Stelis Sw. (Orchidaceae) no Rio Grande do Sul, Brasil). O gênero Stelis Sw. apresenta aproximadamente 700 espécies distribuídas em florestas úmidas da região neotropical. A maioria das espécies é epifítica, apresentando hábito cespitoso, inflorescência racemosa e flores pequenas de contorno triangular. O limite sul da distribuição geográfica encontra-se no Rio Grande do Sul. O objetivo deste trabalho foi realizar um estudo taxonômico das espécies de Stelis nativas no Rio Grande do Sul. Foram realizadas revisões de herbários regionais e de citações de táxons na bibliografia científica, além de saídas de campo. Com base nos caracteres morfológicos analisados foi elaborada uma chave de identificação, descrições botânicas e ilustrações diagnósticas das espécies nativas. Foram também compiladas informações sobre distribuição geográfica, ocorrência em diferentes tipos de florestas e períodos de floração e de frutificação. Sete espécies de Stelis foram confirmadas para o Estado, S. aprica Lindl., S. deregularis Barb.Rodr., S. fraterna Lindl., S. intermedia Poepp.&Endl., S. megantha Barb.Rodr., S. papaquerensis Rchb.f. e S. pauciflora Lindl. A espécie mais amplamente distribuída no Estado é S. papaquerensis...

Morfo-anatomia caulinear de nove espécies de Orchidaceae

Oliveira, Virginia del Carmen; Sajo, Maria das Graças
Fonte: Sociedade Botânica do Brasil Publicador: Sociedade Botânica do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 177-188
POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Foram analisados sob o ponto de vista morfo-anatômico os sistemas caulinares (caule aéreo, rizoma e pseudobulbo) de nove espécies de Orchidaceae (Catasetum fimbriatum, Dichaea bryophila, Encyclia calamara, Epidendrum campestre, Epidendrum secundum, Miltonia flavescens, Pleurothallis smithiana, Stanhopea lietzei e Vanda tricolor). Comparando-se as espécies foi possível reconhecer uma certa uniformidade na organização interna dessas estruturas. Os rizomas e caules aéreos são revestidos por epiderme unisseriada, apresentam córtex parenquimático e feixes vasculares colaterais distribuídos em dois ou mais anéis no cilindro central. Os pseudobulbos possuem epiderme unisseriada recoberta por espessa cutícula e feixes vasculares colaterais distribuídos irregularmente no tecido parenquimático fundamental, que é formado por células grandes e pequenas com grande quantidade de espaços intercelulares.; Stem morphology and anatomy of nine species of Orchidaceae (Catasetum fimbriatum, Dichaea bryophila, Encyclia calamara, Epidendrum campestre, Epidendrum secundum, Miltonia flavescens, Pleurothallis smithiana...

Citotaxonia e aspectos evolutivos de especies de Hoffmannsegella H.G.Jones (Orchidaceae)

Julia Yamagishi Costa
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 09/06/2006 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
Dentro da família Orchidaceae, composta por cerca de 25.000 espécies, o gênero Hoffmannseggella (antiga seção Parviflorae do gênero Laelia Lindl.) é composto por espécies rupícolas, endêmicas da Cadeia do Espinhaço/MG. Estudos sugerem uma evolução rápida para o gênero, com a transição do hábito epifítico para o rupícola, mudança de polinizadores e eventos de hibridização e poliploidia como os principais mecanismos evolutivos envolvidos na origem das espécies de Hoffmannseggella. Estudos cromossômicos prévios haviam sugerido o número básico de x=20 para o gênero, com alta incidência de poliplóides. No presente trabalho, foram obtidas contagens cromossômicas para dez espécies: H. angereri n=20/2n=40, H. bradei n=20-21/2n=40, H. briegeri 2n=80, H. caulescens 2n=80, H. cinnabarina 2n=40, H. crispata n=20, H. fournieri n=20/2n=40, H. liliputana 2n=40/60, H. rupestris n=40/2n=80 e 2n=40 e H. viridiflora 2n=44. Foi observada aneussomatia em células de meristema radicular em H. briegeri (2n=80) e H. rupestris (2n=80), ocorrência de citótipos em H. rupestris (2n=40/80) e anormalidades meióticas em várias espécies, com presença de monovalentes, disjunção adiantada de bivalentes e possíveis tetravalentes nas espécies poliplóides. Por ocorrerem em sincronopatria...

Biologia floral, reprodução e filogenia do genêro Cirrhaea Lindl. (Orchidaceae) e evolução dos sistemas de polinização em Stanhopeinae; Floral biology, reproduction and phylogeny of genus Cirrhaea Lindl. (Orchidaceae) and the evolution of pollination sytems in Stanhopeinae

Ludmila Mickeliunas Pansarin
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 14/02/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.36%
O gênero Cirrhaea Lindl. (Orchidaceae) inclui sete espécies distribuídas principalmente pela região Sudeste do Brasil. Neste trabalho foram estudadas a fenologia, a biologia floral e reprodutiva das espécies de Cirrhaea, bem como a morfologia e a anatomia de suas estruturas secretoras. Para isso, observações de campo foram realizadas para investigar os polinizadores e os mecanismos de polinização. Flores frescas foram coletadas e fixadas para os estudos morfo-anatômicos e tratamentos de polinização manual foram feitos para verificar o sistema reprodutivo. Também foi determinada a quantidade de sementes potencialmente viáveis obtidas em cada tratamento e analisadas as fragrâncias. Os estudos de filogenia de Cirrhaea e de evolução dos sistemas de polinização de Stanhopeinae foram realizados a partir do seqüenciamento das regiões trnL-F e matK do DNA de cloroplasto e ITS do DNA nuclear. Os dados obtidos para as espécies de Cirrhaea foram acrescidos aos publicados para os demais gêneros de Stanhopeinae para a elaboração de um estudo sobre a evolução dos sistemas de polinização da subtribo. A filogenia das Stanhopeinae foi comparada com uma hipótese filogenética de abelhas da tribo Euglossini (Apidae) a fim de obter informações sobre a evolução dos sitemas de polinização para a subtribo. Cirrhaea...

Biologia da polinização e reprodução de Elleanthus C. Presl. (Orchidaceae) na Mata Atlântica do Parque Estadual da Serra do Mar, São Paulo; Pollination and reproduction biology of C. Elleanthus Presl. (Orchidaceae) in the Atlantic Forest of the Serra do Mar State Park, São Paulo

Carlos Eduardo Pereira Nunes
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 16/05/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.36%
Neste trabalho foi estudada a biologia da polinização e da reprodução de duas espécies de orquídeas do gênero Elleanthus. A fenologia reprodutiva de Elleanthus brasiliensis e E. crinipes é anual. As flores de E. brasiliensis apresentam sépalas de coloração rosada, pétalas e labelo brancos com duas manchas lilases no labelo, ao passo que as de E. crinipes possuem pétalas e labelo de coloração creme e a antera operculada lilás - ambas abrem seqüencialmente e duram de dois a quatro dias. O néctar destas espécies é produzido nos calos do labelo em volumes que variam de 1 a 6 ?L, a concentração de açúcares é de ca. de 20% e a análise do néctar mostrou a presença de sacarose, glicose e frutose, com predominância de sacarose. Estas espécies apresentam protandria caracterizada pela mudança de posição dos elementos reprodutivos, são autocompatíveis, mas dependem de polinizadores para reprodução. Os principais polinizadores são os beija-flores Ramphodon naevius e Thalurania glaucopis. Vários dos atributos florais destas espécies são característicos para polinização por beija-flores. Em E. brasiliensis, estudos histológicos evidenciaram a natureza secretora dos calos apresentando uma epiderme papilosa secretora com uma cutícula fina e um parênquima também secretor. Os estudos histoquímicos mostraram a presença de pré-néctar nas células da epiderme e do parênquima dos calos. É interessante ressaltar que a histologia desses nectários não é conhecida para a tribo Sobralieae e se distingue da de nectários de orquídeas polinizadas por aves. É sugerido que demais espécies ornitófilas desta tribo apresentem glândulas nectaríferas com histologia semelhante. Além disso...

Phylogeny of South American Pogonieae (Orchidaceae, Vanilloideae) based on sequences of nuclear ribosomal (ITS) and chloroplast (psaB, rbcL, rps16, and trnL-F) DNA, with emphasis on Cleistes and discussion of biogeographic implications

PANSARIN, Emerson R.; SALATINO, Antonio; SALATINO, Maria L. F.
Fonte: ELSEVIER GMBH, URBAN & FISCHER VERLAG Publicador: ELSEVIER GMBH, URBAN & FISCHER VERLAG
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
37.02%
Tribe Pogonieae (Orchidaceae), as Currently known, comprises live genera distributed from South to North America and Eastern Asia. Phylogenetic inferences within Cleistes and among genera of tribe Pogonieae were made based oil nrDNA (ITS) and cpDNA (trnL-F, rps16, rbcL, and psaB) Sequence data and maximum parsimony. Eighteen species of Cleistes, members of all other genera of Pogonieae, and outgroups were sampled. Analyses based oil individual DNA regions provided similar topologies. All evidence indicates that Cleistes is paraphyletic. The North American C. divaricata and C bifaria are more closely related to the temperate genera Isotria and Pogonia than to their Central and South American congeners, the latter Constituting a monophyletic group characterized by the production of nectar as reward, tuberous roots, and their distribution in Central and South America. The Amazonian Duckeella is sister to the remainder of Pogonieae. Taxonomic and biogeographic implications are discussed, and morphological synapomorphies are given For clades obtained in the inferred molecular phylogeny. (C) 2008 Gesellschaft fur Biologische Systematik. Published by Elsevier GmbH. All rights reserved.

Lista atualizada das Orchidaceae do Distrito Federal

Batista,João Aguiar Nogueira; Bianchetti,Luciano de Bem
Fonte: Sociedade Botânica do Brasil Publicador: Sociedade Botânica do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2003 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
É apresentada a relação atualizada de Orchidaceae para o Distrito Federal (DF), a unidade da federação onde se situa a capital brasileira, localizada no centro do país. São reconhecidos 72 gêneros e 254 táxons (246 espécies e oito táxons subespecíficos), dos quais 17 (6,7%) são conhecidos apenas localmente. Os gêneros mais significativos no DF são Habenaria (74 espécies e três táxons subespecíficos), Cyrtopodium (17 espécies), Cleistes (13 espécies) e a subtribo Spiranthinae (11 gêneros com 34 espécies e dois táxons subespecíficos). Gêneros como Epidendrum (oito espécies), Pleurothallis (sete espécies), Oncidium (seis espécies) e Maxillaria (três espécies) são abundantes na Mata Atlântica no sudeste brasileiro, mas pouco representados na região. Cerca de 73% das Orchidaceae do DF apresentam hábito terrestre, o que contrasta marcadamente com a Mata Atlântica e a região Amazônica, onde predominam espécies epifíticas. Dentro do Cerrado, o DF representa o local mais bem amostrado e com o maior número de espécies conhecidas, compreendendo cerca de 51% das orquídeas listadas para todo o bioma. Esta relação tem como objetivo subsidiar a monografia desta família para a flora do Distrito Federal.

Orchidaceae da Reserva Ecológica do Guará, DF, Brasil

Batista,João Aguiar Nogueira; Bianchetti,Luciano de Bem; Pellizzaro,Keiko Fueta
Fonte: Sociedade Botânica do Brasil Publicador: Sociedade Botânica do Brasil
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
É apresentada uma relação de Orchidaceae para a Reserva Ecológica do Guará, pequena unidade de conservação com 194 ha, localizada no Distrito Federal, na região central do Brasil. São registrados 44 gêneros, 100 espécies e cinco táxons subespecíficos. Os grupos mais bem representados são o gênero Habenaria (32 táxons), a subtribo Spiranthinae (seis gêneros e 14 táxons) e o gênero Cyrtopodium (sete espécies). Do total de táxons da Reserva, 80 (76%) são terrestres e 22 (21%) são epifíticos. Nas fitofisionomias florestais ocorrem 42 táxons, distribuídos segundo um gradiente vertical de umidade e luminosidade. Nas fitofisionomias campestres ocorrem 63 táxons, distribuídos segundo um gradiente horizontal de umidade que vai do campo limpo inundável ao campo sujo seco e cerrado. O campo limpo inundável e o campo limpo estacionalmente úmido, com 42 táxons, são as fitofisionomias com o maior número de táxons. Para todo o bioma cerrado, a Reserva Ecológica do Guará, embora com área pequena, representa a localidade conhecida com maior número de táxons de Orchidaceae. Considerando o conhecimento atual, a Reserva Ecológica do Guará rivaliza ou mesmo sobrepuja, em número de táxons, outras áreas consideradas ricas em diversidade para a família e pertencentes a outros biomas.

Evaluación del estado de conocimiento y conservación de la familia orchidaceae, a través de colecciones ex situ en el departamento de Cundinamarca, Colombia.

Gíl Amaya, Karen Sofía
Fonte: Pontifícia Universidade Javeriana Publicador: Pontifícia Universidade Javeriana
Formato: PDF
Relevância na Pesquisa
37.49%
Colombia es uno de los países con mayor diversidad de orquídeas y se estima que posee más de 4000 especies distribuídas ampliamente por todo el territorio. Las orquídeas colombianas se concentran principalmente en la región Andina; y Cundinamarca es el departamento con mayor densidad poblacional además de los más deforestados del país. Por esta razón es importante conocer cuales son las estrategias de conservación de orquídeas que se llevan a cabo en el departamento. El éxito de una estrategia de conservación ex situ puede ser facilitada por comunicación y cooperación de productores locales, jardines botánicos y asociaciones científicas. Esta investigación realiza una evaluación preliminar de la situación actual de la familia Orchidaceae en Cundinamarca, a través de los actores vinculados en el manejo de las colecciones ex situ del departamento. Se identificó una red de actores compuesta por el Jardín Botánico José Celestino Mutis, la Corporación Capitalina de Orquideología, la Fundación Orquídeas de Colombia y la Asociación Bogotana de Orquideolgía. Se determinaron los flujos y el tipo de información que comparten. Además se evaluó la representatividad de la familia Orchidaceae en Cundinamarca, a través de las colecciones ex situ identificadas. Se concluye que la representatividad de la familia Orchidaceae en el departamento de Cundinamarca está determinada por los géneros de orquídeas más llamativos...

Earliest orchid macrofossils: Early Miocene Dendrobium and Earina (Orchidaceae: Epidendroideae) from New Zealand

Conran, J.; Bannister, J.; Lee, D.
Fonte: Botanical Soc Amer Inc Publicador: Botanical Soc Amer Inc
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2009 EN
Relevância na Pesquisa
37.28%
Fossil leaves of two Early Miocene orchids (Dendrobium and Earina) are reported from New Zealand. The distinctive, raised tetra- to cyclocytic stomatal subsidiary cells of Earina and characteristic papilla-like absorbing glands and "ringed" guard cells of Dendrobium support the placement of the fossils into these genera. These therefore represent the first Orchidaceae macrofossils with cuticular preservation, the oldest records for subfamily Epidendroideae, as well as the first New Zealand and southern hemisphere fossil records for Orchidaceae. These taxa belong in basal clades to the Vandeae/Cymbideae or Epidendreae (Earina) and the Australasian clade of Dendrobium sensu lato. This phylogenetic placement demonstrates expansion of epiphytic orchids into Zealandia by the mid-Cenozoic and an important role for southern continents in the diversification of Orchidaceae.; John G. Conran, Jennifer M. Bannister, and Daphne E. Lee

Anatomia dos nectarios, do coleter e do estigma de Rodriguezia venusta (Lindl.) Rchb. f. (Orchidaceae); Anatomy of the nectaries, colleter, and stgma of Rodriguezia venusta (Lindl.) Rchb. f. (Orchidaceae)

Carlos Andre Espolador Leitão
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 31/07/2007 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
Rodriguezia venusta é uma orquídea com potencial ornamental nativa do Brasil e do Peru. Pertence à subtribo Oncidiinae que se encontra na subfamília Epidendroideae que. é, de longe, a maior subfamília de Orchidaceae. Apesar desta família ser amplamente estudada quanto à morfologia e taxonomia, são raros os trabalhos de anatomia, principalmente em se tratando de estruturas secretoras, como se levou a cabo no presente trabalho. Amostras de botões florais, brácteas e folhas em expansão foram processadas para a microscopia e analisadas. Na face abaxial da bráctea que subtende cada flor, em especial na região de sua inserção, encontram-se tricomas que secretam material que reage positivamente a testes para detecção de carboidratos e mucilagem. Como, provavelmente, esta secreção atua como lubrificante durante o crescimento do botão floral sobre a bráctea, concluiu se que a denominação "coléteres" é a mais adequada neste caso. Em se tratando das flores, os tecidos estigmático e transmissor são constituídos por tipos celulares semelhantes, que se caracterizam pela presença de células alongadas que se mantêm unidas por suas paredes terminais, formando assim uma estrutura reticulada. Nos espaços intercelulares ocorre copiosa secreção predominantemente mucilaginosa. Na superfície do estigma e uma porção apical do canal delimitado pelo tecido transmissor...

Speciation in the Orchidaceae: confronting the challenges

Peakall, Rodney
Fonte: Blackwell Publishing Ltd Publicador: Blackwell Publishing Ltd
Tipo: Artigo de Revista Científica
Relevância na Pesquisa
37.28%
The Orchidaceae is renowned for its large number of species (19 500) and its many diverse, even bizarre, specialized pollination systems. One unusual feature of orchids is the high frequency of food deception whereby animal pollination is achieved without

Phylogeography of pollinator-specific sexually deceptive Chiloglottis taxa (Orchidaceae): evidence for sympatric divergence?

Mant, J; Bower, Colin; Weston, Peter; Peakall, Rodney
Fonte: Blackwell Publishing Ltd Publicador: Blackwell Publishing Ltd
Tipo: Artigo de Revista Científica
Relevância na Pesquisa
37.17%
Divergence in sexually deceptive orchids is thought to occur through shifts in the attraction of specific pollinators, a process that is mediated by changes in the floral odours that lure sexually excited male insects. We investigated the origin of reproductive isolation in a sexually deceptive species complex of Chiloglottis R.Br.Orchidaceae: Diurideae). Two geographically separated montane regions in eastern Australia were sampled, each containing sympatric pairs of orchid taxa presently found under the name, Chiloglottis pluricallata. Behavioural tests confirmed at least three distinct orchid taxa that specifically attract different pollinators. An artificial crossing experiment among two taxa from one region demonstrated their interfertility, and confirmed isolation to be a function of pollinator attraction. A phylogeographic analysis using amplified fragment length polymorphisms (AFLPs) indicated that samples from each geographical region are most closely related, a pattern consistent with in situ or sympatric divergence. However, an extensive population genetic study on two taxa from one region failed to entirely reject the possibility of intertaxon gene flow. Although clear genetic differentiation of the taxa is evident in two out of three sites where both grow in direct sympatry...

Diversidad de inclusiones minerales en la subtribu Oncidiinae (Orchidaceae)

Sandoval-Zapotitla,Estela; Terrazas,Teresa; Villaseñor,José Luís
Fonte: Revista de Biología Tropical Publicador: Revista de Biología Tropical
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 ES
Relevância na Pesquisa
37.17%
Las inclusiones minerales en las plantas, han sido utilizadas como herramientas de diagnóstico en la identificación taxonómica. Se analizaron y compararon las inclusiones minerales en las hojas de 140 especies de Oncidiinae (Epidendroideae: Orchidaceae). Las secciones transversales de hojas se observaron para describir las inclusiones minerales con el apoyo de la microscopía de luz en campo claro, contraste de fases y polarización. Los cristales generalmente están presentes en las células del mesófilo, y sólo dos especies los presentan en las células epidérmicas. Se encontraron cristales de oxalato de calcio de diferentes formas y depósitos de dióxido de sílice en forma de estégmatos. Las formas cristalinas más comunes son rafidios, prismas y drusas. Sin embargo, algunas especies tienen cristales en arena, concéntricos o en placas radiales. En esta investigación se reportan las dos últimas por primera vez para Oncidiinae y también para Orchidaceae. Los estégmatos son cónicos con superficie rugosa, generalmente formando hileras a lo largo de las fibras. Comúnmente se presentan en los haces vasculares y en los haces de fibras abaxiales. Sin embargo, existen especies cuyos haces de fibras no tienen estégmatos, así como especies sin haces de fibras ni estégmatos. Se discute la importancia taxonómica de estas inclusiones minerales para los diferentes clados...

Nuevos reportes de la familia Orchidaceae para la región nororiental de Venezuela, con énfasis en el estado Sucre

Leopardi,Carlos L; Cumana,Luis J
Fonte: Universidad Central de Venezuela Publicador: Universidad Central de Venezuela
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 ES
Relevância na Pesquisa
37.28%
La familia Orchidaceae está compuesta por más de 19000 especies, lo que la hace una de las familias de plantas vasculares más diversa. En Venezuela, esta familia está representada por ca.1612 especies, la mayoría de éstas en la Cordillera Andina y Guayana. En la región Nororiental del país (estados Anzoátegui, Monagas y Sucre), hasta el momento, no se conoce un estimado del número de especies de Orchidaceae existentes; sin embargo, se están realizando exploraciones que permitan conocer cuál es la realidad de esta familia. Este trabajo presenta nuevos registros de Orchidaceae para el Nororiente de Venezuela, con énfasis en el estado Sucre. Entre los años 2006 y 2007 se revisaron los herbarios UOJ, IRBR y VEN, también se realizaron exploraciones en 12 localidades. Se considera nuevo registro a aquellas especies de las que no existan muestras depositadas en VEN y no sean mencionadas en la literatura consultada para el estado Sucre o el resto de los estados del nororiente. Se encontraron 11 especies nuevas para el estado Sucre, de las que seis son nuevas para el Nororiente: Beloglottis costaricensis (Rchb. f.) Schltr., Habenaria alata Hook, Ornithocephalus bonplandii Rchb. f., Pleurothallis velaticaulis Rchb. f., Sauvetrea alpestris (Lindl.) Szlach....