Página 1 dos resultados de 7106 itens digitais encontrados em 0.006 segundos

Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças do Nordeste Transmontano

Vasques, Catarina; Mota,Maria Paula; Correia, Teresa; Lopes, Vítor P.
Fonte: Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade Publicador: Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
POR
Relevância na Pesquisa
46.84%
Um estilo de vida fisicamente activo é factor de prevenção de uma série de doenças crónicas, tendo um efeito benéfico no controlo da sobrecarga ponderal. Objectivo: averiguar a prevalência de excesso de peso e obesidade em crianças e jovens de ambos os sexos com idades compreendidas entre os 6 e os 14 anos. Métodos: a amostra foi constituída por 203 crianças, sendo 89 do sexo feminino e 114 do sexo masculino, com a idade média de 9,85 anos. Foram efectuadas medições de altura e peso para obtenção do índice de massa corporal (IMC =kg/m2). Para definir sobrepeso e obesidade foram utilizados os valores de corte propostos por Cole (2000). Resultados: no total da amostra estudada 63,5% das crianças eram normo-ponderais, 24,1% apresentaram sobrepeso e 12,3% eram obesas. Relativamente ao excesso de peso os indivíduos do sexo masculino apresentaram uma percentagem de 22,8%, já nos indivíduos do sexo feminino foi de 25,8%, quanto aos valores de obesidade as meninas revelaram valores percentuais inferiores aos meninos 11,2% e 13,2% respectivamente. A maior percentagem de crianças a deslocar-se a pé para a escola são do sexo masculino, no entanto também são os meninos que passam mais horas a ver televisão e a jogar vídeo jogos. Conclusões: o presente estudo revelou que os valores percentuais de excesso de peso em crianças da região de Trás-os-Montes são muito semelhante à prevalência a nível nacional. Pode dizer-se que os altos valores encontrados alertam para a necessidade de se aumentar os cuidados com esta epidemia...

Um perfil das crianças/adolescentes com obesidade num estudo de intervenção

Correia, Teresa; Lopes, Vítor P.; Vasques, Catarina
Fonte: Endocrinologia Diabetes & Obesidade Publicador: Endocrinologia Diabetes & Obesidade
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
POR
Relevância na Pesquisa
46.84%
Identificar um perfil dos factores de risco coronário numa amostra de crianças/adolescentes observados num estudo de intervenção na cidade de Bragança. Métodos: Foram estudadas 19 crianças com sobrepeso e obesidade entre os 6 e os 14 anos de idade visando a detecção dos níveis séricos de colesterol (CT), lipoproteínas de baixa densidade (LDL-C), alta densidade (HDL-C) e trigliceridios (TG). O sobrepeso e a obesidade foram determinados de acordo com os valores de corte IOTF para o IMC. Os valores de referência para os parâmetros laboratoriais foram seguidos os do National Cholesterol Education Program (NCEP). Obtida a autorização dos pais, por escrito, para a realização dos exames laboratoriais, foram convidados a levar os seus filhos a um laboratório, com o qual havia um protocolo de colaboração, onde deveriam deslocar-se da parte da manhã após um jejum de doze horas. Resultados: Do total, foram identificadas 47,4% crianças/adolescentes com sobrepeso e 52,6% com obesidade sendo a prevalência maior no sexo feminino. Aproximadamente 6% destas crianças/adolescentes ingerem apenas três ou menos refeições por dia, sendo que 16,6% apresenta uma ingestão calórica total diária superior a 2000 calorias. A hipertensão arterial sistólica verificou-se em 10...

Obesidade e sintomatologia depressiva em estudantes do ensino superior

Correia, Teresa; Afonso, Iolanda Lígia
Fonte: Sociedade Portuguesa para Estudo da Obesidade Publicador: Sociedade Portuguesa para Estudo da Obesidade
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
POR
Relevância na Pesquisa
46.7%
A obesidade e a depressão são dos problemas mais graves de Saúde Pública nos países ocidentais. Analisar a associação entre estado nutricional e apresentação de sintomatologia depressiva em jovens que frequentam o Ensino Superior. Material e métodos: Estudo transversal numa amostra de 394 alunos do ensino superior no ano letivo de 2010/2011. Foi aplicado um questionário de qualidade de vida e saúde, com a escala de CES-D e dados antropométricos auto-reportados. Da população estudada a maioria é do sexo feminino (87,8%), frequenta o 1.º ano de licenciatura (38,1%), tem uma média de idades de 20 anos. Relativamente ao estado nutricional, 14,7% dos estudantes apresentam sobrepeso, sendo que 3,1% são obesos. Quanto à sintomatologia depressiva a população estudada revelou um risco de depressão de 37,4%, sendo mais prevalente nas mulheres (40,6%) que nos homens (14,6%). A probabilidade das estudantes femininas apresentarem quadro clínico de depressão é 4 vezes superior comparativamente com a dos homens OR= 0,25 (IC95 0,109-0,573). A população com sobrepeso apresenta uma prevalência elevada de risco de depressão, representando mais de um terço destes indivíduos (35,1%) sendo superior à prevalência da população eutrófica (34...

Obesidade visceral como doença inflamatória e sua relação com o fígado gordo não alcoólico, cancro do cólon e doença de Chron

Fraga, Francisco Manuel Archer de Meneses Castro.
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.03%
Este trabalho, em forma de artigo de revisão, terá como finalidade fazer uma síntese sobre o papel da obesidade visceral na doença coronária e em doenças do foro gastroenterológico, nomeadamente o fígado gordo não alcoólico e o cancro cólo-rectal. Também se abordarão aspectos da obesidade visceral enquanto doença inflamatória e o papel da gordura mesentérica na doença de Crohn. Estudos apontam para que a obesidade seja uma doença inflamatória. O tecido adiposo deixou de ser considerado apenas como um tecido de armazenamento da gordura do organismo, sendo actualmente reconhecido como um órgão com funções endócrinas e imunitárias. Diversas adipocinas têm sido implicadas. A obesidade visceral refere-se à acumulação de gordura intra-abdominal, nomeadamente no bordo dorsal dos intestinos, peritoneu e superfície ventral dos rins. A obesidade visceral tem sido muito implicada no síndrome metabólico, com a insulinoresistência a ocupar um lugar de destaque Considerada como uma epidemia do mundo ocidental, a obesidade foi desde longa data considerada como factor de risco cardiovascular. A obesidade visceral é factor de risco para doença coronária uma vez que está associada a hipertensão arterial, diabetes e dislipidémia. Para além da obesidade na avaliação do risco cardiovascular...

Prevalência de sobrepeso e obesidade em nipo-brasileiros: comparação entre sexos e geração; Prevalence of overweight and obesity among Japanese-Brazilian: comparison across sex and generation

SIMONY, Rosana Farah; GIMENO, Suely Godoy Agostinho; FERREIRA, Sandra Roberta Gouvea; FRANCO, Laércio Joel
Fonte: Pontifícia Universidade Católica de Campinas Publicador: Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.03%
OBJETIVO: Descrever a prevalência de sobrepeso, obesidade e obesidade abdominal em nipo-brasileiros residentes na cidade de Bauru (SP), Brasil. MÉTODOS: Os dados foram obtidos a partir de um estudo transversal com 1 330 nipo-brasileiros de 1ª e 2ª geração, de ambos os sexos, com idade >30 anos. Os critérios para sobrepeso e obesidade foram índice de massa corporal entre 25-29,9kg/m² e >30kg/m², respectivamente. A obesidade abdominal foi classificada com valores de circunferência da cintura >90cm, para homens, e >80cm para mulheres. Foram calculadas as prevalências de sobrepeso, obesidade e obesidade abdominal por ponto e por intervalo, com 95% de confiança. RESULTADOS: Verificou-se que a prevalência de sobrepeso em nipo-brasileiros foi de 26,1% e 27,9% na primeira geração e de 44,8% e 32,5% na segunda geração, respectivamente, para homens e mulheres. Em relação à obesidade, a prevalência entre homens foi de 3,7% e 12%, e nas mulheres de 6,6% e 9,9% respectivamente na primeira e na segunda geração. Observou-se aumento na prevalência de sobrepeso e obesidade nos homens entre as gerações, apesar de as diferenças não serem estatisticamente significantes. A obesidade abdominal nos homens de primeira e segunda geração foi de 32...

Fatores dietéticos associados à obesidade abdominal: estudo transversal de base populacional em nipo-brasileiros de Bauru; Dietary factors associated with abdominal obesity: cross-sectional population based study among Japanese-Brazilian from Bauru, SP

Cristofoletti, Maria Fernanda
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 12/03/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.06%
Introdução: A obesidade abdominal associa-se ao risco para diabetes mellitus tipo 2 (DM) e doença cardiovascular (DCV). Entre os fatores associados à obesidade abdominal, destaca-se o importante papel da dieta. Objetivo: O presente estudo investigou a associação entre fatores dietéticos e adiposidade em nipo-brasileiros de Bauru, Estado de São Paulo. Métodos: Para o presente estudo, 772 participantes (329 homens e 443 mulheres) com idade entre 30-92 anos foram analisados em inquérito transversal de base populacional. Um questionário quantitativo de freqüência alimentar validado para essa população foi empregado para avaliar a dieta habitual. Índice de massa corporal (IMC, em kg/m2) e circunferência de cintura (CC, em cm) foram classificados de acordo com critérios da Organização Mundial de Saúde para a população asiática (obesidade geral IMC >= 25kg/m2; obesidade abdominal CC >= 90 cm para homens e >= 80 cm para mulheres). Modelos de regressão logística múltiplos foram utilizados na comparação entre o menor e o maior tercil de consumo alimentar em relação ao risco associado para obesidade abdominal, obesidade geral ou obesidade geral com obesidade abdominal, após ajuste para co-variáveis sócio-demográficas...

Epidemiologia da atividade física e sua associação com obesidade em amostra representativa da população adulta de Porto Alegre

Gustavo, Andréia da Silva
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.03%
Introdução: Inatividade física é fator de risco para doenças não transmissíveis (DNTs). Dentre essas, destaca-se que a obesidade (central e adiposidade na região da cintura) é fator de risco independente para mortalidade. O International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) tem sido utilizado para investigar a epidemiologia da atividade física, com o objetivo de padronizar a investigação. Objetivos: Verificar a prevalência de atividade física segundo diferentes critérios e a associação com obesidade na população adulta de Porto Alegre/RS. Método: Este é um estudo transversal de base populacional, representativo da população adulta (18 a 90 anos) de Porto Alegre. É parte do estudo de Síndrome de Obesidade e Fatores de risco para doença cardiovascular (SOFT Study). Atividade física foi avaliada utilizando o IPAQ versão curta. Características demográficas e socioeconômicas foram investigadas. Obesidade foi determinada por índice de massa corporal P30 kg/m2 e adiposidade central pela circunferência da cintura. Características demográficas (cor da pele - auto-referida e categorizada em branca ou não-branca; idade - calculada a partir das datas de nascimento e entrevista), socioeconômicas (escolaridade - avaliada pelo número de anos completados na escola; ter trabalhado no mês precedente à entrevista...

Incidência e fatores associados ao sobrepeso/obesidade em crianças assistidas por unidades de educação infantil de Florianópolis/SC

Menezes, Caroline Franz Broering de
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 95 p.| grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
37.07%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Nutrição, Florianópolis, 2011; Introdução: O desenvolvimento do sobrepeso e obesidade é considerado um importante problema de saúde pública. Estudos internacionais e nacionais confirmam que o sobrepeso/obesidade tem se tornando um dos principais problemas de nutrição também em crianças menores de seis anos. No entanto, poucos são os estudos que avaliam mudanças longitudinais no estado nutricional de crianças em idade pré-escolar. Objetivo: Avaliar a incidência de sobrepeso/obesidade e fatores associados em crianças com até seis anos de idade em dois anos de acompanhamento. Métodos: Estudo longitudinal com uma coorte de pré-escolares (n = 242), de sete Unidades de Educação Infantil públicas de Florianópolis (SC), acompanhados entre abril de 2008 e abril de 2010. O desfecho foi o sobrepeso/obesidade (escore-z >+2) avaliado pelo índice de massa corporal para idade e sexo, comparado às novas curvas da Organização Mundial de Saúde de 2006 e 2007, e mensurado por meio da incidência acumulada. As variáveis independentes analisadas foram: sexo (feminino e masculino), faixa etária (? a 2 anos ou > 2 anos)...

A obesidade como expressão de questão social : nutrição e estigma

Mortoza, Andréa Sugai
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
37.08%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Serviço Social, Programa de Pós-Graduação em Política Social, 2011.; Este trabalho trata do problema da obesidade enquanto uma construção sócio-cultural e ideológica, considerando os modelos da arena pública e suas implicações. Examina-se a obesidade por três abordagens: (a) obesidade como uma concepção moral; (b) obesidade como uma concepção de doença ou medicalização da obesidade e (c) obesidade como uma concepção politicamente aceitável ou de não-medicalização da obesidade. Utilizase o método qualitativo, construtivista social e a teoria por modelos conhecida como “framing”, baseando-se em documentos públicos. Considera-se inicialmente um panorama da obesidade a partir de uma perspectiva internacional, na qual a situação nacional é analisada. Verifica-se então como a discussão atual sobre a obesidade no país está condicionada pelo debate da fome. Outro resultado diz respeito à demanda por uma análise da obesidade mais ampla, contemplando a cultura da alimentação e o gerenciamento da interface humana com o ambiente físico, econômico e sociocultural. Devido a estreita relação com a comida...

Obesidade na adolescência: um olhar sobre os conhecimentos e opiniões dos alunos do 2º e 3º ciclos

Pereira, Helena Cristina Figueiredo Lopes
Fonte: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Publicador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.03%
Dissertação de Mestrado em Enfermagem Comunitária; A obesidade é uma doença crónica, multifatorial e multisistémica. Emergiu como a nova doença crónica ao longo das últimas duas décadas, constituindo um grave problema de saúde pública. Na idade pediátrica, a prevalência da obesidade tem também vindo a aumentar em termos globais, sendo atualmente considerada a doença crónica mais comum nesta idade. Atualmente, mais de 300 milhões de indivíduos são considerados obesos e 1,2 biliões, ou seja, 34% da população mundial, é considerada como tendo excesso de peso (OMS, 2006). A Organização Mundial de Saúde (2006), colocou a obesidade entre os dez principais fatores de risco para a saúde nos dias de hoje, considerando a prevenção da epidemia como um desafio prioritário da saúde pública. A prevalência da obesidade em muitos países está acima do limiar crítico de 15% estabelecido pela OMS para situações epidémicas e a necessitar de intervenção. Durante a adolescência, o excesso de peso e a obesidade constituem frequentemente uma sobrecarga ao processo de desenvolvimento, podendo resultar em problemas psicossociais graves. Com este estudo pretendeu-se identificar os conhecimentos e opiniões dos alunos do 2º e 3º ciclos acerca da obesidade. Metodologicamente...

Custos socioeconómicos da obesidade : estudo de caso

Correia, Paula Cristina
Fonte: Universidade Nova de Lisboa Publicador: Universidade Nova de Lisboa
Tipo: Outros
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.03%
RESUMO - A prevalência da obesidade tem vindo a aumentar em alguns países, registando-se um aumento mais acentuado na última década. Os fatores socioeconómicos podem influenciar a obesidade, e alguns estudos apontam para uma maior prevalência de obesidade entre os indivíduos com um nível socioeconómico mais baixo. Com o aumento de peso, aumenta também o risco das doenças associadas à obesidade, como a hipertensão arterial, a diabetes, e diversos tipos de cancro, aumentando também o risco de morte prematura. A obesidade tornou-se assim num problema de saúde pública implicando grandes consequências económicas, para a sociedade em geral e para os indivíduos. A implementação de estratégias de prevenção e redução da incidência e prevalência de obesidade poderiam trazer ganhos de saúde à população e reduzir os custos económicos com tratamentos e medicamentos, que representam uma grande fatia dos custos com estes doentes. Objetivo: Estimar os custos diretos e indiretos da obesidade, na perspetiva da sociedade, numa amostra de doentes inscritos no Programa de Tratamento Cirúrgico de Obesidade, no ano 2012. Metodologia: Foi aplicado um instrumento de colheita de dados, desenvolvido especificamente para este trabalho...

Obesidade e papel da leptina e grelina na sua patogénese :

Ferreira, Ana Catarina Moutinho
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /08/2008 POR
Relevância na Pesquisa
37.05%
A prevalência da obesidade tem aumentado progressivamente por muitos países do Mundo. O seu tratamento é imprescindível, pois ela está associada ao aparecimento de diversas patologias. Entre as várias opções terapêuticas para a obesidade, o tratamento clínico é fundamental, sendo mesmo uma parte integrante do tratamento cirúrgico; tem como objectivo mudar o estilo de vida do indivíduo obeso, melhorando o seu padrão alimentar e também estimulando a práctica de actividade física. Para isso, é necessário identificar as falhas no comportamento alimentar do paciente, bem como outros erros nos seus hábitos de vida. Não existem evidências que indiquem qual a composição mais adequada da dieta, no âmbito de promover uma maior perda de peso; porém, uma alimentação equilibrada parece promover mais saúde e bem-estar do que dietas altamente restritivas em algum tipo de nutriente, e ser igualmente eficaz em promover perda de peso. Apesar de ser uma das doenças metabólicas mais antigas da humanidade, as opções farmacológicas para o tratamento da obesidade são limitadas e apresentam diversos efeitos colaterais. As descobertas relativamente recentes das hormonas leptina e grelina têm estimulado a investigação e a descoberta de várias novas hormonas e outras substâncias relacionadas com a saciedade...

Obesidade : revisão bibliográfica

Esteves, Pedro Filipe Correia da Silva de Sá
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.03%
Introdução: A obesidade é um assunto que nos dias de hoje merece especial destaque pela sua crescente prevalência entre a população mundial, incluindo as crianças, que desde cedo são afectadas por esta patologia correndo graves riscos de desenvolverem futuras comorbilidades. Esta é considerada a “Síndrome do Novo Mundo”, a epidemia do século XXI. Embora haja uma predisposição genética, esta é uma doença multifactorial que resulta da interacção complexa entre factores genéticos, metabólicos, hormonais, ambientais comportamentais e culturais. Hiperfagia, consumo excessivo de lípidos e hidratos de carbono e sedentarismo são factores implicados na sua fisiopatologia. O excesso de peso (definido como um índice de massa corporal [IMC] de 25 kg/m2 ou mais) e a obesidade (IMC maior que 30 kg/m2) são a 5ª principal causa de morte a nível mundial e indiscutivelmente a maior causa de mortalidade evitável a seguir ao consumo tabágico, pelo que é fulcral unir esforços no sentido de travar esta tendência. A obesidade está associada a um risco aumentado de várias doenças: doença arterial coronária, doença cerebrovascular, hipertensão arterial, dislipidemia, diabetes mellitus tipo 2, litíase biliar, embolia pulmonar...

Prevalência de obesidade e fatores associados em idosos usuários do Sistema Único de Saúde de Goiânia-GO; Prevalence of obesity and associated factors in elderly users of the Unified Health System in Goiânia-GO

VIEIRA, Liana Lima
Fonte: Universidade Federal de Goiás; BR; UFG; Mestrado em Ciências da Saúde; Ciências da Saúde - Medicina Publicador: Universidade Federal de Goiás; BR; UFG; Mestrado em Ciências da Saúde; Ciências da Saúde - Medicina
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.05%
Obesity is a chronic disease and epidemic, and the elderly, little is known about its prevalence and associated factors. The aim of this study was to estimate the prevalence of obesity and abdominal obesity and associated factors in elderly verify. It is cross-sectional study with multistage sampling, with the elderly (≥ 60 years) who attended the 12 months preceding the research network of primary health / SUS, Goiânia-GO. After training, standardization of interviewers and evaluators and pilot study was initiated to collect data. We applied a questionnaire containing demographic, socioeconomic, lifestyle, food consumption and health. Was collected anthropometric measurements: weight, height and waist circumference. Obesity was defined by body mass index (BMI> 27 kg/m²) and abdominal obesity by WC ≥ 102 cm for men and ≥ 88cm for women. We conducted hierarchical multiple Poisson regression with a significance level of 5%. The prevalence of obesity as measured by BMI, was 49.0% and 51.1% in women and 45.1% in men (p= 0.254). Obesity was associated with age at ages 60 and 69 (PR= 1.87) and 70 to 79 (PR= 1.87), diabetes (PR= 1.40), myocardial infarction (AMI) (PR= 1.60) and musculoskeletal disorders (PR= 1.25), inadequate consumption of whole grains (PR = 1.70) and adequate fruit (PR= 1.28). The prevalence of abdominal obesity was 65.5% in women and 34.8% in men (p<0.001). The association analysis was performed separately by sex. Among men was associated with: age 70 to 74 years (PR= 2.00)...

Excesso de peso e obesidade central em população adulta urbana - fatores associados e doenças relacionadas ao risco cardiovascular

Gaban, Sandra Cristina Nicodemo
Fonte: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Publicador: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
37.05%
O século XXI vivencia uma epidemia de obesidade e sobrepeso, que afeta praticamente todas as faixas etárias em quase todos os países. O grande determinante dessa situação, além da predisposição genética, é o estilo de vida moderno, onde as pessoas fazem uma grande ingesta calórica e praticam pouca atividade física. Objetivos: Estimar a prevalência de excesso de peso e obesidade central na população urbana de 30 a 69 anos do município de Campo Grande-MS, e identificar fatores associados. Verificar a ocorrência de doenças relacionadas ao risco cardiovascular nos obesos. Métodos: estudo transversal de base populacional realizado entre 10/2009 e 02/2011. A amostra foi composta por 1429 adultos (57,9% sexo feminino e 42,1% sexo masculino). O exame físico, a glicemia capilar e a entrevista sobre os hábitos de vida, antecedentes pessoais e familiares foram realizados no domicílio. Para a avaliação dos dados antropométricos foi utilizado o Índice de Massa Corporal (IMC), e foram considerados obesos os indivíduos com IMC ≥ 30 Kg/m2 e com sobrepeso IMC entre 25-29,9 Kg/m2. A obesidade central foi determinada pela circunferência de cintura ≥ 88 cm para mulheres e ≥ 102 cm para homens. Resultados: As prevalências gerais ajustadas por sexo e faixa etária foram: para sobrepeso...

Determinantes da obesidade na adolescência

Cruzeiro, Clarinda Maria P. Ferreira Silva da Rocha
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Outros
Publicado em 03/09/2014 SPA
Relevância na Pesquisa
37.08%
ANTECEDENTES/OBJECTIVOS- A prevalência da obesidade, a nível mundial é tão elevada que a OMS considerou esta doença como a epidemia global do século XXI. A obesidade é um dos problemas nutricionais mais frequentes nas crianças e adolescentes . Tem vindo a aumentar desde o século passado, apresentando taxas de morbilidade e mortalidade elevadas, sendo considerada a doença nutricional com maior prevalência entre crianças e adolescentes, principalmente nos países mais desenvolvidos do mundo. Em Portugal a "obesidade afeta 35% da população entre os 18 e os 65 anos. Nas crianças 30% entre os 7 e os 11 anos são consideradas obesas" . Estima-se que 50% da população mundial será obesa em 2025, sendo crucial adotar medidas, de forma a prevenir e tratar a obesidade (PNCO, 2005) Objectivos: Identificar os determinantes da pré-obesidade/obesidade na adolescência; Analisar a sua relação com a pré-obesidade/ obesidade na adolescência METODOS: Revisão integrativa da literatura esta pesquisa foi realizada nas seguintes bases de dados eletrónicas/motores de busca: EBSCO, CINAHL plus, MEDLINE, Biblioteca do Conhecimento Online (B-on) e Scielo, utilizando os idiomas português e inglês com adolescentes dos 10 aos 19 anos a frequentarem a escolaridade obrigatória e com texto completo...

DETERMINANTES DA OBESIDADE NA ADOLESCÊNCIA

Cruzeiro, Clarinda Maria P. Ferreira Silva da Rocha; Dias, Joana Soraia Santos; Coelho, Vanessa Mendes Fook; Figueiredo, Sara Margarida de Deus
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 04/09/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.08%
ANTECEDENTES/OBJECTIVOS- A prevalência da obesidade, a nível mundial é tão elevada que a OMS considerou esta doença como a epidemia global do século XXI. A obesidade é um dos problemas nutricionais mais frequentes nas crianças e adolescentes . Tem vindo a aumentar desde o século passado, apresentando taxas de morbilidade e mortalidade elevadas, sendo considerada a doença nutricional com maior prevalência entre crianças e adolescentes, principalmente nos países mais desenvolvidos do mundo. Em Portugal a "obesidade afeta 35% da população entre os 18 e os 65 anos. Nas crianças 30% entre os 7 e os 11 anos são consideradas obesas" . Estima-se que 50% da população mundial será obesa em 2025, sendo crucial adotar medidas, de forma a prevenir e tratar a obesidade (PNCO, 2005) Objectivos: Identificar os determinantes da pré-obesidade/obesidade na adolescência; Analisar a sua relação com a pré-obesidade/ obesidade na adolescência METODOS: Revisão integrativa da literatura esta pesquisa foi realizada nas seguintes bases de dados eletrónicas/motores de busca: EBSCO, CINAHL plus, MEDLINE, Biblioteca do Conhecimento Online (B-on) e Scielo, utilizando os idiomas português e inglês com adolescentes dos 10 aos 19 anos a frequentarem a escolaridade obrigatória e com texto completo...

Excesso de peso, hipertensão e obesidade abdominal nas consultas de enfermagem de Saude Infantil e Juvenil numa Unidade de Saúde de Coimbra

Vaquinhas, Marina Montezuma Carvalho Mendes; Mancelos, Maria Ceu; Roque, Andreia; Graça, Carolina
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 21/07/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.07%
Excesso de peso, hipertensão e obesidade abdominal nas consultas de enfermagem de saúde infantil e juvenil numa unidade de saúde de Coimbra Autores Marina Montezuma Carvalho Mendes Vaquinhas*, Maria do Céu Mancelos**, Andreia Roque***, Carolina Graça Apresentadores Marina Montezuma Carvalho Mendes Vaquinhas* Introdução: A crescente prevalência da obesidade infantil e juvenil, com as consequências metabólicas que potenciam o risco cardiovascular, constitui um dos mais sérios problemas de saúde pública para as crianças e jovens. Evidência científica tem mostrado que Portugal apresenta uma das taxas mais elevadas de obesidade infantil da União Europeia. Estudos têm igualmente demonstrado um aumento da prevalência da hipertensão arterial nos mais jovens e um aumento da obesidade abdominal, factores preditores de doenças cardiovasculares. Objectivos: Caracterizar o Índice de massa corporal (IMC), a pressão arterial e o perímetro da cintura na consulta de enfermagem de saúde infantil e juvenil de uma unidade de saúde de Coimbra. Metodologia: Estudo descritivo e observacional realizado durante o período de Outubro de 2012 a Novembro de 2013 nas consultas de enfermagem de saúde infantil e juvenil numa unidade de saúde de Coimbra. Foram avaliados 101 crianças e jovens. O IMC foi classificado segundo as curvas de percentis adotadas pela Direção Geral da Saúde (Boletim de Saúde Infantil e Juvenil). Considerou-se pré-hipertensão a pressão arterial sistólica e/ou diastólica entre os percentis 90 e 95 para a idade e estatura e HTA a pressão arterial igual ou superior ao percentil 95. Resultados: Foram avaliados 101 crianças e jovens (50...

Obesidade e papel da leptina e grelina na sua patogénese :; possíveis implicações futuras na terapêutica

Ferreira, Ana Catarina Moutinho
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /08/2008 POR
Relevância na Pesquisa
37.05%
A prevalência da obesidade tem aumentado progressivamente por muitos países do Mundo. O seu tratamento é imprescindível, pois ela está associada ao aparecimento de diversas patologias. Entre as várias opções terapêuticas para a obesidade, o tratamento clínico é fundamental, sendo mesmo uma parte integrante do tratamento cirúrgico; tem como objectivo mudar o estilo de vida do indivíduo obeso, melhorando o seu padrão alimentar e também estimulando a práctica de actividade física. Para isso, é necessário identificar as falhas no comportamento alimentar do paciente, bem como outros erros nos seus hábitos de vida. Não existem evidências que indiquem qual a composição mais adequada da dieta, no âmbito de promover uma maior perda de peso; porém, uma alimentação equilibrada parece promover mais saúde e bem-estar do que dietas altamente restritivas em algum tipo de nutriente, e ser igualmente eficaz em promover perda de peso. Apesar de ser uma das doenças metabólicas mais antigas da humanidade, as opções farmacológicas para o tratamento da obesidade são limitadas e apresentam diversos efeitos colaterais. As descobertas relativamente recentes das hormonas leptina e grelina têm estimulado a investigação e a descoberta de várias novas hormonas e outras substâncias relacionadas com a saciedade...

Prevalência de excesso de peso e obesidade em estudantes adolescentes do distrito de Castelo Branco: um estudo centrado no índice de massa corporal, perímetro da cintura e percentagem de massa gorda

Ferreira,Filipe; Mota,Jorge Augusto; Duarte,José
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.06%
Este estudo transversal pretende caracterizar as prevalências de pré-obesidade e obesidade entre jovens estudantes do distrito de Castelo Branco - Portugal. Foram avaliados 1084 adolescentes dos 12 aos 17 anos de idade. Para a determinação da pré-obesidade e obesidade foram utilizados o índice de massa corporal (IMC), o perímetro da cintura (PC) e a percentagem de massa gorda, obtida por bioimpedância (%MG), todos eles ajustados para os respetivos pontos de corte internacionais, de acordo com a idade e o sexo. Para o total da amostra, as prevalências totais de pré-obesidade e obesidade foram de 17,3 e 3,7%, de acordo com o IMC; 22,2 e 33% de acordo com o PC; e 10,9 e 11,7% de acordo com a %MG, respetivamente. De acordo com o IMC, a prevalência de pré-obesidade e obesidade foi de 17,3 e 2,5% nas raparigas e 17,2 e 4,9% nos rapazes, respetivamente. De acordo com o PC, a prevalência de pré-obesidade e obesidade foi de 22,7 e 37,9% nas raparigas e 21,7 e 28% nos rapazes, respetivamente. Relativamente à %MG a prevalência de pré-obesidade e obesidade é de 13,4 e 12,2% nas raparigas e 8,3 e 11,2% nos rapazes, respetivamente. Concluiu-se que existe uma elevada prevalência de jovens estudantes pré-obesos e obesos no distrito de Castelo Branco e que esta pode variar de acordo com as técnicas e os pontos de corte utilizados para o seu diagnóstico. Este estudo também alerta para a urgência de promover estratégias que regulem o aumento da pré-obesidade e obesidade entre adolescentes através da utilização de várias técnicas de diagnóstico...