Página 1 dos resultados de 33 itens digitais encontrados em 0.004 segundos

João Canijo e a escola portuguesa

Ribas, Daniel
Fonte: Universidade Lusófona Publicador: Universidade Lusófona
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
46.28%
O conceito de Escola Portuguesa de cinema tem sido debatido por alguns investigadores (Bénard da Costa, 1991; Lemiére, 2006) como uma hipótese de visão de conjunto da história do cinema português desde o cinema novo até ao fim dos anos 80. Apesar de ser ainda um conceito pouco investigado e desenvolvido, ele pretende ocupar-se das características comuns dos filmes portugueses: desde a sua produção "artesanal" até uma certa unidade temática, bem condensada na expressão de Jorge Silva Melo (citada por Bénard da Costa, idem, pág. 169) dos "retratos de ausência". È também aceite "e, algumas vezes, criticado" que estes filmes se debruçam, obsessivamente, na questionação de Portugal, algo que Bénard da Costa (idem, pág. 184) definirá assim: "(...) a imagem espectral [do cinema português] (...) melhor do que nenhuma outra, reflectiu, nos seus fantasmas e frustrações, medos e culpas, a imagem da realidade portuguesa, ao menos desde Salazar até aos nossos dias". Numa primeira fase, será objectivo da comunicação esclarecer o conceito de Escola Portuguesa Será, pois, neste contexto teórico e histórico que se pretenderá abordar o trabalho contemporâneo de João Canijo. O realizador desenvolveu, nos últimos anos...

Último cinema português: experimentação formal e narrativa

Ribas, Daniel
Fonte: Eloy Domínguez Serén, Víctor Paz Morandeira Publicador: Eloy Domínguez Serén, Víctor Paz Morandeira
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
66.59%
Na primeira década deste século, o cinema português reinventou-se com o aparecimento de vários novos autores. Esta nova descoberta de um novo cinema, saldou-se por várias modificações tanto nos modos de produção como nas escolhas temáticas e cinematográficas. Visualmente, o cinema português foi, lentamente, transformando-se e o panorama actual é, em muitos aspectos, diferente daquilo que era conhecido como “cinema português”. Contudo, não deixa de ser necessário recuar à década anterior, já que foi aí que estas mudanças começaram a sentir-se de forma mais profunda e com impacto numa nova geração de autores. Antes de mais, estas alterações são resultado de um novo contexto político e económico que permitiu um novo fôlego financeiro e criativo. Nos anos 90 começou a sentir-se, como mais profundidade, o impacto da adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeu. Os fundos resultantes desta adesão, permitiram uma nova relação do poder político com as políticas culturais. E a marca mais séria dessa mudança foi a instituição de um Ministério de Cultura, em 1995, decorrente da chegada ao poder de uma partido de esquerda. Essa realidade juntou-se a um período económico muito favorável e a um consequente aumento e diversificação dos apoios concedidos ao cinema. Pormenor decisivo...

Escaping the future: o sangue

Ribas, Daniel
Fonte: RMIT University, School of Media and Communication Publicador: RMIT University, School of Media and Communication
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
36.29%
Texto de apresentação do filme "O Sangue", primeira obra do realizador português Pedro Costa. Argumenta-se que esta obra, muito diferente do resto da filmografia deste autor, obedece a uma narrativa específica, onde as personagens estão sempre presas ao passado. Internationally acclaimed for his more recent films, Portuguese filmmaker Pedro Costa has been making previously unheralded work since the late 1980s. After finishing his studies at Lisbon’s School of Cinema, Costa worked as an assistant director to a number of Portuguese filmmakers. His first film was a short – called Cartas a Júlia/Letters to Julia – made for a Portuguese National Television (RTP) series and released in 1988. Just a year later he finished his first feature film, O Sangue/The Blood. The 1980s were, in Portugal, a time when the regular production of films, supported by the Portuguese Cinema Institute (a governmental institution for the promotion of cinema), really began. These were times when João Bènard da Costa, a Portuguese cinema theorist (and director of the Portuguese Cinémathèque), begun to talk about a “Portuguese Cinema School”, a concept that relates to and describes a particular way of making films, either in relation to a specific view of production or in relation to specific themes. This group was related to the Portuguese nouvelle vague...

Identidad y violencia en el cine de João Canijo

Ribas, Daniel
Fonte: Shangrila Textos Aparte Publicador: Shangrila Textos Aparte
Tipo: Parte de Livro
SPA
Relevância na Pesquisa
36.02%
O cineasta português João Canijo tem, desde "Sapatos Pretos", de 1998, cartografado o território português, através de filmes que pesquisam a vida interior das famílias em contextos diversificados. Com uma estrutura narrativa que segue o mesmo padrão, o realizador explora a violência como resultado de um trauma familiar, em que a posição da mulher é constantemente desafiada. Este texto pretende analisar esta problemática, em confronto com a discussão sobre uma representação cultural da identidade nacional e a confirmação de um discurso sobre Portugal, no interior destas narrativas, que remonta a uma ideologia salazarista. Para além disso, argumenta-se sobre a alteração gradual do paradigma estilístico da obra do realizador, culminando numa análise de "Sangue do Meu Sangue" e a sua eminente estética realista.

Por um teatro novo em Portugal: a contribuição de Luiz Francisco Rebello

Tscherne, Milca da Silva
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 145 f.
POR
Relevância na Pesquisa
36.02%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Estudos Literários - FCLAR; Este trabalho analisa a dramaturgia de Luiz Francisco Rebello (1924), a partir da conexão com alguns fatores que desencadearam a crise dramática no final do século XIX, como a dissonância entre as unidades de diálogos (relação intersubjetiva), de ação (fato) e de tempo (presente contínuo). Para Rebelo, houve também uma crise no teatro português, uma vez que o país ainda não tinha experimentado plenamente a fase de transformação, pela qual o teatro europeu passara nas primeiras décadas do século XX, e ainda se comportava, na sua percepção, como um país não integrado artisticamente à Europa. Rebello aproximou seus dramas do moderno, isto é, daquele drama que não seria mais condensado numa relação de contigüidade, em que um elemento levaria ao outro, mas constituído por descontinuidades que, afinal, lhe dariam uma unidade, tal como ocorre no cinema. Seu teatro, ao longo das encenações que recebeu, acentuou as amplas possibilidades, já previstas no texto, de se distender por meio do elemento épico, pois se organiza dentro de outras instâncias enunciativas, que não somente a dramática. Diversificou-se em formatos curiosos como polimonodrama...

O "Alquimista de sínteses" : António Fero e o cinema português

Ribeiro, Carla Patrício Silva
Fonte: Porto : [Edição do Autor] Publicador: Porto : [Edição do Autor]
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
56.35%
Na Europa, a primeira metade do século XX foi marcada pela ascensão de regnnes autoritários que utilizaram o cinema como arma de propaganda para o exercício e consolidação do poder político. Com efuito, o cinema veiculava imagens, símbolos, mitos, com uma furça e amplitude que nenhum outro meio de comunicação possuía. Em Portuga~ as décadas de 1930 e 1940 representam uma das etapas mais significativas, quer pela introdução/afIrmação tecnológica do cinema sonoro, quer pela acção do Secretariado da Propaganda NacionaVSecretariado Nacional de Informação, aparelho propagandístico do Estado Novo. Dentre a multitude de meios de que este organismo se serviu para a difusão da mensagem política do regime, o cinema desperta em particular a atenção do seu director, António Ferro, como meio privilegiado de comunicação com as massas. Desta forma, esta dissertação procura averiguar o papel desempenhado por António Ferro no panorama cinematográfico nacionaL Pretende-se determinar a natureza e orientação do seu pensamento cinematográfico, isto é, os seus pressupostos éticos e estéticos, por um lado e, por outro, a sua acção política sobre o cinema português, enquanto director do SPN/SNI, sob a tutela de Oliveira Salazar.

História de sombras : como ver de modo diferente o escuridão dentro do cinema

Azevedo, Koji Adelino Ogino de
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 18/11/2013 POR
Relevância na Pesquisa
56.31%
A sombra, vulgarmente, é descrita, na literatura, como um elemento básico enraizado na sociedade e no nosso quotidiano. No entanto, o seu significado difere de cultura para cultura. No contexto português, a sombra está muitas vezes associada a aspetos obscuros como por exemplo o “mundo dos mortos”. Parece-nos importante distinguir o conceito de sombra do de escuridão. A Sombra, segundo uma nova perspetiva que a distingue como algo não generalizado e rico em conteúdo com uma conotação totalmente distinta das habituais. Ao analisarmos a sombra nesta perspetiva existe a possibilidade de ganharmos uma nova habilidade de transformar a sombra num conceito mais dinâmico e criativo. O objetivo deste estudo é apresentar uma visão da sombra segundo aspetos menos estereotipados, geralmente associados ao obscuro e contribuir para a definição de um conceito que possa contemplar algo de positivo dando destaque a cenas que se pretendem filmar, conferindo-lhe uma visão estética diferente e uma carga emocional que possa ser sentida pelo observador. O estudo não tem como objetivo alterar a linha do tempo, nem o significado que a sombra foi tendo e que se refletiu nas obras audiovisuais portuguesas, desde a década de 30 até hoje. Tem...

A imagem socialmente dominante da mulher no período do estado novo

Ramalho, Pedro Nuno Coelho Magalhães
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
46.27%
O presente trabalho propõe-se a analisar o Estado Novo e a imagem da mulher no cinema português durante este regime, atendendo sobretudo à ideologia e valores predominantes no plano social, nesta época. O trabalho é desenvolvido, conjugando uma análise bibliográfica sobre o contexto social, político e cultural e uma análise empírica em dois filmes produzidos neste período. Desta análise ressalta a importância da evolução observada nos estilos cinematográficos no que respeita a imagem da mulher, ao ser verificado no primeiro filme em análise, uma função em termos de veiculação dos ideais do regime, sendo feita de forma subtil ao utilizar o entretenimento. No segundo filme, saliente-se a prioridade em termos de enfoque cinematográfico, ao incidir a sua atenção em problemáticas associadas à condição feminina de uma forma real e direta, sem o habitual fim feliz que tanto marcou as comédias dos anos trinta e quarenta.; The aim of the present work is to analyze the female image presented in the Portuguese cinema during the “Estado Novo” (literally the “new state”, which was the name of the political regime implemented by Salazar in 1933 and eventually overthrown in 1974), particularly in the context of the most important ideals and values of that time. This dissertation essentially gathers together a bibliographical analysis of the social...

Pedro Borges (Midas Filmes): "Vamos estrear o novo Godard só para chatear"

Pereira, Carlos; Dias, Vanessa Sousa
Fonte: Escola Superior de Teatro e Cinema / CIAC Publicador: Escola Superior de Teatro e Cinema / CIAC
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /11/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.4%
O projecto “Principais tendências no cinema português contemporâneo” nasceu no Departamento de Cinema da ESTC, com o objectivo de desenvolver investigação especializada a partir de um núcleo formado por alunos da Licenciatura em Cinema e do Mestrado em Desenvolvimento de Projecto Cinematográfico, a que se juntaram professores-investigadores membros do CIAC e convidados. O que agora se divulga corresponde a dois anos e meio de trabalho desenvolvido pela equipa de investigação, entre Abril de 2009 e Novembro de 2011. Dada a forma que ele foi adquirindo, preferimos renomeá-lo, para efeitos de divulgação, “Novas & velhas tendências no cinema português contemporâneo”.; QUAIS SÃO, hoje, as principais características do desenvolvimento de projectos para cinema em Portugal? O que pensam realizadores cinematográficos, produtores, distribuidores e exibidores sobre o cinema português? Que conclusões tirar das suas opiniões, relatos de experiências e análises da situação contemporânea? Que novas tendências surgiram no cinema português, nos primeiros anos do séc. XXI?

Nem velho nem novo: outro documentário abordagem das tendências do documentarismo português no início do século XXI

Soares, Ana Isabel
Fonte: Escola Superior de Teatro e Cinema / CIAC Publicador: Escola Superior de Teatro e Cinema / CIAC
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /11/2011 POR
Relevância na Pesquisa
66.41%
O projecto “Principais tendências no cinema português contemporâneo” nasceu no Departamento de Cinema da ESTC, com o objectivo de desenvolver investigação especializada a partir de um núcleo formado por alunos da Licenciatura em Cinema e do Mestrado em Desenvolvimento de Projecto Cinematográfico, a que se juntaram professores-investigadores membros do CIAC e convidados. O que agora se divulga corresponde a dois anos e meio de trabalho desenvolvido pela equipa de investigação, entre Abril de 2009 e Novembro de 2011. Dada a forma que ele foi adquirindo, preferimos renomeá-lo, para efeitos de divulgação, “Novas & velhas tendências no cinema português contemporâneo”.; QUAIS SÃO, hoje, as principais características do desenvolvimento de projectos para cinema em Portugal? O que pensam realizadores cinematográficos, produtores, distribuidores e exibidores sobre o cinema português? Que conclusões tirar das suas opiniões, relatos de experiências e análises da situação contemporânea? Que novas tendências surgiram no cinema português, nos primeiros anos do séc. XXI?

Triunfos e contradições da vontade: para uma leitura de Lopes Ribeiro e Leitão de Barros no contexto do cinema de propaganda

Sá, Sérgio Miguel Lobo da Conceição Bordalo e, 1976-
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
36.48%
Tese de doutoramento, Estudos Artísticos (Estudos do Cinema e Audiovisual), Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, 2013; O objectivo desta dissertação é tentar, através de uma análise fílmica pormenorizada, verificar em que grau é que a mise-en-scène em regimes totalitários pode ser um modo de expressão autoral ou apenas um meio de propaganda ideológica. Partindo de Leni Riefenstahl e Sergei M. Eisenstein (mas também atendendo à importância do cinema histórico mussoliniano), tentámos estabelecer uma hipótese de tipologia que pudesse aplicar-se aos dois cineastas mais representativos do caso português, onde o regime, por causa da sua matriz católica, amiúde negava a designação de “totalitário”, não tendo tido, pelo menos de uma forma óbvia, uma intervenção tão directa sobre a produção cinematográfica como os soviético e nacional-socialista. A escolha de António Lopes Ribeiro e José Leitão de Barros para ilustrar o caso português justifica-se pela maneira como eram vistos pelo Estado Novo de Salazar: Lopes Ribeiro foi considerado o cineasta oficial, depois de ter feito A Revolução de Maio (1937) que, como ele próprio referiu, se destinava a “servir a política de Salazar”; Leitão de Barros estabeleceu...

Filmes falados: cinema em português, V jornadas

Lopes, Frederico; Pereira, Ana Catarina
Fonte: Universidade da Beira Interior, Labcom Publicador: Universidade da Beira Interior, Labcom
Tipo: Livro
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
56.47%
As V Jornadas de Cinema em Português dão continuidade a um projeto desenvolvido pelo LabCom – Laboratório de Comunicação On-Line, na linha de investigação dedicada ao cinema, promovendo o encontro regular de estudiosos e investigadores do cinema que é feito em Portugal e no vasto universo de países que partilham a língua portuguesa. Esta publicação, que intitulamos de Filmes Falados, é a versão impressa em papel2 das comunicações apresentadas durante as V Jornadas Cinema em Português, realizadas na Covilhã, na Faculdade de Artes e Letras da Universidade da Beira Interior, de 22 a 25 de Outubro de 2012. A quinta edição das Jornadas começou onde tinha terminado a edição anterior: no cinema experimental português. Desta feita, pondo em evidência o pioneirismo de Jorge Brum do Canto no seu primeiro filme, A Dança dos Paroxismos. Seguiu-se uma reflexão sobre o facto espectatorial, sendo apresentada a noção de espectador de cinema em Souriau, Schefer e Morin. A partir do filme Nha Fala, do cineasta guineense Flora Gomes, fomos convidados a olhar para a inventividade como necessidade no cinema africano. No âmbito dos estudos sobre o texto fílmico de Manoel de Oliveira e os resultados da legendagem italiana dos diálogos originais...

É hasteada a bandeira do novo cinema português : Ernesto de Sousa e Dom Roberto

Almeida, Teresa Oliveira
Fonte: Universidade Católica Portuguesa Publicador: Universidade Católica Portuguesa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em 07/11/2014 POR
Relevância na Pesquisa
96.7%
“É Hasteada a Bandeira do Novo Cinema Português” dá título à presente dissertação que aborda o cinema produzido em Portugal durante o Estado Novo. Trata-se de uma viagem empreendida desde os anos 30 e 40, designada como a época de ouro do cinema português, passando pelo Movimento Cineclubista e pelo Neorrealismo nos anos 50, terminando na década de 60, com o Novo Cinema Português. Dom Roberto (1962), realizado por Ernesto de Sousa, é o filme que dá início a este último movimento. É também ele, enquanto objecto cinematográfico, que constitui o centro deste trabalho. Dom Roberto é um filme originalmente controverso, devido à sua componente multifacetada. Sendo influenciado por diferentes áreas e correntes, questiona-se se será digno de representar o movimento vanguardista designado por Novo Cinema Português. Tendo em vista esse apuramento, conduziu-se uma investigação pelo espólio de Ernesto de Sousa, bem como por artigos de jornais e de revistas, no período de 1959 a 1962. No mesmo sentido de esclarecimento daquela problemática vão as entrevistas realizadas com o cineasta Lauro António, com o historiador Luís Reis Torgal e com o jornalista Paulo Filipe Monteiro. Pelo modo de produção...

No cinema português - continuidades e rupturas em Pedro Costa

Barroso, Bárbara; Ribas, Daniel
Fonte: Universidade Federal de Minas Gerais Publicador: Universidade Federal de Minas Gerais
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
56.36%
O cânone do cinema português, que se constrói a partir do Cinema Novo, nos anos 1960, assenta sobre uma diversidade notável de olhares. Pedro Costa, que se estreou no início da década de 1990, continua em muitos aspectos, seja em termos produtivos, estéticos ou éticos, a construção desse cânone. Este artigo pretende, por isso, fazer um historial cronológico da “Escola Portuguesa” e contrastá-lo com a obra decisiva de Pedro Costa. A canon of Portuguese cinema is built from the New Cinema onwards, since de the 196os, ove r a remarkable diversity of positions. Pedro Costa, who started h is career in the 1990s, continues in many aspects to build on this canon, whether it's in productive, aesthetic o r ethical terms. This paper aims to develop a chronological history of the "Portuguese School" and compare it do the fundamental work of Pedro Costa. Le canon du cinéma portugais se construi! à partir du Cinéma Nouveau, pendant les années 6o, qui est surtout basé sur une diversité remarquable de regards. Pedro Costa, qui a fait ses premiers pas au début des années 90, continue sur beaucoup d'aspects, qu'ils soient esthétiques ou éthiques à enrichir le modele existant. Cet article vise, donc, à faire un historique chronologique de I' "École Portugaise" et à contraste r l'avec l'oeuvre décisive de Pedro Costa.

O ‘heróico cinema português’: 1930-1950

Ribeiro, Carla
Fonte: Faculdade de Letras da Universidade do Porto Publicador: Faculdade de Letras da Universidade do Porto
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
36.25%
As décadas de trinta e quarenta do século XX português constituem, dentro da trajectória bastante irregular do cinema nacional, a época de maior regularidade. Com efeito, foi neste período que se verificou um considerável desenvolvimento do meio cinematográfico nacional. Este revelou-se um tempo dinâmico, quer a nível da produção, com o aparecimento dos filmes sonoros e das produtoras nacionais e respectivos estúdios, quer no que ao consumo diz respeito, com a multiplicação de salas de cinema; traduziu-se ainda no advento de revistas da especialidade, como a Kino, a Imagem ou o Cinéfilo, e no aparecimento de importantes realizadores portugueses – António Lopes Ribeiro, Leitão de Barros, Jorge Brum do Canto, Chianca Garcia –, produzindo-se relevantes trabalhos cinematográficos. Desta forma, neste artigo pretende-se apresentar o projecto cinematográfico nacional da época em estudo, possibilitando uma compreensão mais clara da evolução cinematográfica portuguesa no período de edificação do Estado Novo.

O cinema do SPN/SNI – o ideal de Ferro, a realidade de chumbo

Ribeiro, Carla
Fonte: Universidade Federal da Bahia. Núcleo de Produção e Pesquisas da Relação Imagem-História. Oficina Cinema-História Publicador: Universidade Federal da Bahia. Núcleo de Produção e Pesquisas da Relação Imagem-História. Oficina Cinema-História
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
56.23%
Em Portugal, as décadas de 1930 e 1940 constituem um período importante, quer pela introdução/consolidação tecnológica do cinema sonoro, quer pela acção do Secretariado da Propaganda Nacional. Dentre a multitude de meios de que este organismo se serviu para a difusão da mensagem política do regime do Estado Novo, o cinema desperta em particular a atenção do seu director, António Ferro, como meio privilegiado de comunicação com as massas. Neste artigo procura-se averiguar o papel desempenhado por António Ferro no panorama cinematográfico nacional, a nível da sua acção política sobre o cinema português.

Filmes falados: cinema em português, V jornadas

Lopes, Frederico; Pereira, Ana Catarina
Fonte: Universidade da Beira Interior, Labcom Publicador: Universidade da Beira Interior, Labcom
Tipo: Livro
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
56.47%
As V Jornadas de Cinema em Português dão continuidade a um projeto desenvolvido pelo LabCom – Laboratório de Comunicação On-Line, na linha de investigação dedicada ao cinema, promovendo o encontro regular de estudiosos e investigadores do cinema que é feito em Portugal e no vasto universo de países que partilham a língua portuguesa. Esta publicação, que intitulamos de Filmes Falados, é a versão impressa em papel2 das comunicações apresentadas durante as V Jornadas Cinema em Português, realizadas na Covilhã, na Faculdade de Artes e Letras da Universidade da Beira Interior, de 22 a 25 de Outubro de 2012. A quinta edição das Jornadas começou onde tinha terminado a edição anterior: no cinema experimental português. Desta feita, pondo em evidência o pioneirismo de Jorge Brum do Canto no seu primeiro filme, A Dança dos Paroxismos. Seguiu-se uma reflexão sobre o facto espectatorial, sendo apresentada a noção de espectador de cinema em Souriau, Schefer e Morin. A partir do filme Nha Fala, do cineasta guineense Flora Gomes, fomos convidados a olhar para a inventividade como necessidade no cinema africano. No âmbito dos estudos sobre o texto fílmico de Manoel de Oliveira e os resultados da legendagem italiana dos diálogos originais...

"O lado solar do tempo do fascismo" : Lisboa sob o olhar do novo cinema português

Correia, Tânia Sofia Neves
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
86.47%
Depois da Segunda Guerra Mundial, era tempo de pensar nos danos causados nas populações e nas cidades. Alguns artistas, arquitectos e pensadores, ao levarem para as suas mesas de trabalho o tema social, contribuíram para a revolução cultural, que acontecera em toda a Europa. Esta dissertação explora o discurso que a arquitectura e o cinema partilham sobre as cidades, sua relação simbiótica e suas consequências. A contextualização histórica e factual divide o trabalho em duas partes, sendo que, a primeira lança as bases para o debate que a segunda sugere: a forma como a cidade foi sendo representada ao longo do tempo, o discurso arquitectónico de Alison e Peter Smithson que se relaciona com o cinema e os habitantes da urbe e, introduzindo os casos de estudo, o contexto português na nova corrente cinematográfica que surgiria, nos anos 60, fruto de um longo período de saturação da censura. Os filmes do Novo Cinema português, tal como noutras correntes cinematográficas europeias dos anos 50 e 60, mostraram as ruas, as suas gentes, num registo quase documental e etnográfico. A cidade de Lisboa foi a mais usada para mostrar Portugal de 1962 até 1974, destacando-se um conjunto de três capítulos, cada um referente a uma zona da cidade. Dom Roberto...

THE “NEW MAN” AND THE SPELL OF THE EMPIRE: THE POLITICS OF THE TWENTIETH CENTURY PORTUGUESE COLONIAL LITERATURE; O HOMEM NOVO E O FEITIÇO DO IMPÉRIO - A POLÍTICA DA LITERATURA COLONIAL PORTUGUESA DO SÉCULO XX

Lugarinho, Mário César; Universidade de São Paulo
Fonte: NEPA/UFF Publicador: NEPA/UFF
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Peer-reviewed Article; Artigo avaliado por pares Formato: application/pdf
Publicado em 15/04/2015 POR
Relevância na Pesquisa
36.04%
The concept of “new man” of the Estado Novo fomented much of Portu­guese Colonial Literature, promoted by the contests of the General Agency of the Colonies (1926-1974). The narrative The spell of the Empire, in its dual form (film and novel), did not escape the rule, however, has proposed various forms of paradigms of masculinity in order to serve the Portuguese Colonial Empire.; O conceito de “homem novo” no Estado Novo fomentou boa parte da Literatura Colonial, promovida pelos concursos da Agência Geral das Colônias (1926-1974). A narrativa O feitiço do Império, em sua dupla forma (cinema e romance), não fugiu a regra, entretanto, propôs formas diversas de paradigmas de masculinidade a fim de servirem ao Império Colonial Português.

A emissão de cinema português na televisão pública (1957-1974)

Cunha,Paulo
Fonte: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Publicador: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2011 PT
Relevância na Pesquisa
56.2%
Este artigo analisa a emissão de cinema português na televisão pública portuguesa desde o início das suas emissões regulares em 1957 até à Revolução de 1974. Se, como defendo, a televisão foi progressivamente ocupando o lugar do cinema na estratégia de propaganda ideológica do regime, interessa-me apurar quais foram os filmes portugueses emitidos pela televisão pública durante esse período e quais terão sido as razões dessa selecção.