Página 1 dos resultados de 8 itens digitais encontrados em 0.116 segundos

The effects of skin-to-skin contact during acute pain in preterm newborns

CASTRAL, Thaila C.; WARNOCK, Fay; LEITE, Adriana M.; HAAS, Vanderlei J.; SCOCHI, Carmen G. S.
Fonte: ELSEVIER SCI LTD Publicador: ELSEVIER SCI LTD
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
55.8%
Background and purpose: Several promising non-pharmacological interventions have been developed to reduce acute pain in preterm infants including skin-to-skin contact between a mother and her infant. However, variability in physiological outcomes of existing studies on skin-to-skin makes it difficult to determine treatment effects of this naturalistic approach for the preterm infant. The aim of this study was to test the efficacy of mother and infant skin-to-skin contact during heel prick in premature infants. Method: Fifty nine stable preterm infants (born at least 30 weeks gestational age) who were undergoing routine heel lance were randomly assigned to either 15 min of skin-to-skin contact before, during and following heel prick (n = 31, treatment group), or to regular care (n = 28, control group). Throughout the heel lance procedure, all infants were assessed for change in facial action (NFCS), behavioral state, crying, and heart rate. Results: Statistically significant differences were noted between the treatment and control groups during the puncture, heel squeeze and the post phases of heel prick. Infants who received skin-to-skin contact were more likely to show lower NFCS scores throughout the procedure. Both groups of infants cried and showed increased heart rate during puncture and heel squeeze although changes in these measures were less for the treated infants. Conclusions: Skin-to-skin contact promoted reduction in behavioral measures and less physiological increase during procedure. It is recommended that skin-to-skin contact be used as a non-pharmacologic intervention to relieve acute pain in stable premature infants born 30 weeks gestational age or older. (C) 2007 European Federation of Chapters of the International Association for the Study of Pain. Published by Elsevier Ltd. All rights reserved.

Práticas assistenciais neonatais no controle da dor pós-operatória; Neonatal care practices in the neonatal postoperative pain management

Oliveira, Angelica Arantes Silva de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 10/06/2010 PT
Relevância na Pesquisa
55.9%
Introdução: O tratamento da dor pós-operatória neonatal é um desafio aos profissionais de saúde. A dor pós-operatória é causada por trauma tissular do procedimento cirúrgico, pela manipulação de dispositivos invasivos instalados para monitorar os sinais vitais e auxiliar na recuperação do neonato, dentre outras causas. Objetivo: Descrever as práticas assistenciais de controle da dor pós-operatória neonatal implementadas em uma unidade de terapia intensiva neonatal de um hospital escola situado na cidade de São Paulo. Método: Estudo transversal retrospectivo realizado na Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais com 43 recém-nascidos no período pós-operatório, internados entre julho de 2008 a junho de 2009. Os dados das primeiras 72 horas pós-operatórias foram obtidos dos prontuários e do instrumento Controle da Dor Pós-Operatória Neonatal. No instrumento, a enfermeira registra a avaliação da dor, sua ocorrência, tratamento farmacológico e não-farmcológico; foi instituído visando a proporcionar controle sistematizado, alívio da dor e conforto. Resultados: Dos 43 neonatos inclusos no estudo, cinco foram submetidos a mais de uma cirurgia no período neonatal precoce, totalizando 50 intervenções cirúrgicas analisadas. A maioria dos neonatos...

Dimensionamento dos procedimentos dolorosos e interveções para alívio da dor aguda em prematuros; Identification of painful procedures and interventions to relieve acute pain in preterm infants

Bonutti, Deise Petean
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 29/08/2014 PT
Relevância na Pesquisa
106.07%
Com o desenvolvimento tecnológico, cada vez mais, os neonatos têm sido expostos a procedimentos dolorosos. Atualmente, existem várias intervenções farmacológicas e não farmacológicas para o alívio da dor. Há escassez de estudos sobre a a exposição à dor dos recém-nascidos e as práticas para o seu manejo nas unidades neonatais brasileiras. Este estudo descritivo exploratório teve como objetivo dimensionar a exposição a procedimentos dolorosos de recém-nascidos pré-termo e as intervenções farmacológicas e não farmacológicas utilizadas para o alívio da dor, durante os primeiros 14 dias de vida em unidades neonatais de um hospital universitário de Ribeirão Preto - SP. Participaram do estudo 89 prematuros, após obtenção do consentimento livre e esclarecido dos responsáveis. Foi adicionado um questionário no prontuário dos neonatos para registro dos procedimentos dolorosos, intervenção analgésica, número de tentativas e profissional que realizou o procedimento. A coleta de dados foi realizada no período de outubro de 2012 a outubro de 2013. Também foi realizada busca nos prontuários dos prematuros para minimizar falha de registro e completar questionários que se encontravam incompletos. Realizada dupla digitação dos dados no Excel e para análise estatística foi utilizado o SPSS. Na análise quantitativa dos dados utilizou-se a estatística descritiva e para comparação das médias de distribuição dos procedimentos dolorosos foi testada a normalidade por meio do teste Kolmogorov-Smirnov (?=0...

melhorar a qualidade dos cuidados prestados ao doente com dor no serviço de urgência.

Lobato, Sandra Isabel Ramos Contreiras
Fonte: Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Saúde Publicador: Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Saúde
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /12/2013 POR
Relevância na Pesquisa
115.89%
Relatório de Trabalho de Projeto apresentado para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Enfermagem Médico-Cirúrgica.; No âmbito do Mestrado em Enfermagem Médico-Cirúrgica da Escola Superior de Saúde de Setúbal, do Instituto Politécnico de Setúbal, foram realizados três estágios que decorreram no Serviço de Urgência de um Centro Hospitalar da Margem Sul do Tejo. Integrado nos mesmos foram equacionadas duas dimensões, uma direcionada para o desenvolvimento de um Projeto de Intervenção em Serviço (PIS) e outra para o desenvolvimento de um Projeto de Aprendizagem de Competências (PAC), com a finalidade de promover um espaço de aprendizagem que conduzisse ao desenvolvimento de Competências Comuns e Especializadas em Enfermagem Médico-Cirúrgica. O PIS incidiu na formação da equipa de enfermagem relativamente à importância da avaliação e registo da dor, nas escalas instituídas no Serviço de Urgência Geral, na construção de um protocolo de enfermagem de atuação para alívio da dor e na elaboração de um folheto para a equipa de enfermagem alusivo às Intervenções não farmacológicas no alívio da dor. O PAC surgiu, em paralelo com o PIS, como uma forma de organizar e planear os conhecimentos que nos propunha-mos adquirir/desenvolver com base no enquadramento concetual e enunciados descritivos dos Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem da Ordem dos Enfermeiros...

Arthritis and pain. Current approaches in the treatment of arthritic pain

Kidd, Bruce L; Langford, Richard M; Wodehouse, Theresa
Fonte: BioMed Central Publicador: BioMed Central
Tipo: Artigo de Revista Científica
EN
Relevância na Pesquisa
45.8%
Current evidence suggests that although persistent arthritic pain is initiated and maintained by articular pathology, it is also heavily influenced by a range of other factors. Strategies for treating arthritic pain are therefore different from those adopted for acute pain. Although published guidelines offer general assistance, the complexity of underlying mechanisms requires that measures designed to relieve pain must take into account individual biological, psychological and societal factors. It follows that a combination of both pharmacological and non-pharmacological approaches offers the best opportunity for therapeutic success, although determining the effectiveness of such complex interventions remains difficult. Pharmacological therapy is often prolonged, and safety and tolerability issues become as important as efficacy over time.

Intervenciones no farmacológicas para el manejo del dolor agudo en pediatría

Abeleira Pérez, Ana Isabel
Fonte: Universidade da Corunha Publicador: Universidade da Corunha
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
SPA
Relevância na Pesquisa
65.97%
Traballo fin de grao (UDC.ENFC). Enfermaría. Curso 2013/2014; Introducción. El alivio y el control del dolor en el niño son el principal reto del personal de enfermería en las unidades de cuidados infantiles. Varias intervenciones no farmacológicas pueden ser usadas para aliviar el dolor, el miedo y la ansiedad. Una de las intervenciones con mayor peso y tradicionalmente ignorada, es la presencia de los padres durante la realización de técnicas y/o procedimientos. Objetivo. Definir que intervenciones no farmacológicas para el manejo del dolor agudo son efectivas para cada periodo de la infancia, abarcando toda la edad pediátrica. Método. Se realizaron búsquedas bibliográficas en diferentes bases de datos relacionadas con las ciencias de la salud; y se utilizaron también otras fuentes primarias. Desarrollo y discusión. La intervención más estudiada en neonatos es la administración de sacarosa por vía oral; para otros períodos de la infancia, lo son las técnicas de distracción. Se excluyeron, de esta revisión, la hipnosis, la acupuntura, y la estimulación nerviosa con electricidad transcutánea (T.E.N.S.) por no formar parte rutinaria de los cuidados de enfermería en nuestro país. Conclusiones. El manejo del dolor en el neonato es el más investigado. Sería bueno ampliar investigaciones en las otras etapas infantiles...

Intervenciones no farmacológicas para el manejo del dolor agudo en neonatología

Ares Vázquez, Antía
Fonte: Universidade da Corunha Publicador: Universidade da Corunha
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
SPA
Relevância na Pesquisa
45.96%
Traballo fin de grao (UDC.FEP). Enfermaría. Curso 2014/2015; [Resumen] Introducción: El dolor en neonatología debe ser tratado de manera adecuada para favorecer una correcta evolución clínica y prevenir sus repercusiones negativas. Existen numerosas intervenciones no farmacológicas que pueden emplearse para la prevención o alivio del dolor en el recién nacido. Objetivo: Valorar la posible eficacia de determinadas intervenciones no farmacológicas en el manejo del dolor agudo en neonatología; centrándonos en neonatos ingresados en la UCI. Metodología: Se ha elaborado una revisión sistemática; para lo cual se llevó a cabo una búsqueda bibliográfica en las principales bases de datos de ciencias de la salud, de ámbito nacional e internacional. Se seleccionaron aquellos estudios realizados con neonatos ingresados en la UCIN, todos ensayos clínicos. Se llevó a cabo una lectura crítica de los mismos, analizando una serie de variables: escalas de valoración, llanto, expresión facial, FC y saturación de O2. Resultados: Hemos localizado un total de 14 ECA que cumplían los criterios de inclusión para nuestro trabajo. La muestra total estudiada ha sido de 720 neonatos. A pesar de que no hemos podido analizar todas las variables con la exhaustividad deseada; de forma general hemos observado una reducción en las puntuaciones en las escalas del dolor...

Knowledge, attitudes and practices of neonatal staff concerning neonatal pain management

Khoza,Sizakele L.T.; Tjale,A.A.
Fonte: Curationis Publicador: Curationis
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 EN
Relevância na Pesquisa
55.85%
BACKGROUND: Neonatal pain management has received increasing attention over the past four decades. Research into the effects of neonatal pain emphasises the professional, ethical and moral obligations of staff to manage pain for positive patient outcomes. However, evaluation studies continuously report evidence of inadequate neonate pain management and a gap between theory and practice. OBJECTIVE: This study reviewed current practice in neonatal pain management to describe the knowledge, attitudes and practices of nurses and doctors regarding pain management for neonates in two academic hospitals. METHOD: A non-experimental, prospective quantitative survey, the modified Infant Pain Questionnaire, was used to collect data from 150 nurses and doctors working in the neonatal wards of two academic hospitals in central Gauteng. RESULTS: The response rate was 35.33% (n = 53), most respondents being professional nurses (88.68%; n = 47) working in neonatal intensive care units (80.77%; n = 42); 24 (45.28%) had less than 5 years' and 29 respondents 6 or more years' working experience in neonatal care. A review of pain management in the study setting indicated a preference for pharmacological interventions to relieve moderate to severe pain. An association (p < 0.05) was found between pain ratings on 5 procedures and frequency of administration of pharmacological pain management. Two-thirds of respondents (64%) reported that there were no pain management guidelines in the neonatal wards in which they worked. CONCLUSION: The interventions to manage moderate neonatal pain are in line with international guidelines. However...