Página 1 dos resultados de 135 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Chemical Composition and Nutritional Value of Unripe Banana Flour (Musa acuminata, var. Nanico)

MENEZES, Elizabete Wenzel; TADINI, Carmen Cecilia; TRIBESS, Tatiana Beatris; ZULETA, Angela; BINAGHI, Julieta; PAK, Nelly; VERA, Gloria; DAN, Milana Cara Tanasov; BERTOLINI, Andrea C.; Cordenunsi, Beatriz Rosana; LAJOLO, Franco M.
Fonte: SPRINGER Publicador: SPRINGER
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
46.75%
Banana flour obtained from unripe banana (Musa acuminata, var. Nanico) under specific drying conditions was evaluated regarding its chemical composition and nutritional value. Results are expressed in dry weight (dw). The unripe banana flour (UBF) presented a high amount of total dietary fiber (DF) (56.24 g/100 g), which consisted of resistant starch (RS) (48.99 g/100 g), fructans (0.05 g/100 g) and DF without RS or fructans (7.2 g/100 g). The contents of available starch (AS) (27.78 g/100 g) and soluble sugars (1.81 g/100 g) were low. The main phytosterols found were campesterol (4.1 mg/100 g), stigmasterol (2.5 mg/100 g) and beta-sitosterol (6.2 mg/100 g). The total polyphenol content was 50.65 mg GAE/100 g. Antioxidant activity, by the FRAP and ORAC methods, was moderated, being 358.67 and 261.00 mu mol of Trolox equivalent/100 g, respectively. The content of Zn, Ca and Fe and mineral dialyzability were low. The procedure used to obtain UBF resulted in the recovery of undamaged starch granules and in a low-energy product (597 kJ/100 g).; CNPq

EIN3-like gene expression during fruit ripening of Cavendish banana (Musa acuminata cv. Grande naine)

MBEGUIE-A-MBEGUIE, Didier; HUBERT, Olivier; FILS-LYCAON, Bernard; CHILLET, Marc; BAURENS, Franc-Christophe
Fonte: WILEY-BLACKWELL Publicador: WILEY-BLACKWELL
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
46.75%
Ethylene signal transduction initiates with ethylene binding at receptor proteins and terminates in a transcription cascade involving the EIN3/EIL transcription factors. Here, we have isolated four cDNAs homologs of the Arabidopsis EIN3/EIN3-like gene, MA-EILs (Musa acuminata ethylene insensitive 3-like) from banana fruit. Sequence comparison with other banana EIL gene already registered in the database led us to conclude that, at this day, at least five different genes namely MA-EIL1, MA-EIL2/AB266318, MA-EIL3/AB266319, MA-EIL4/AB266320 and AB266321 exist in banana. Phylogenetic analyses included all banana EIL genes within a same cluster consisting of rice OsEILs, a monocotyledonous plant as banana. However, MA-EIL1, MA-EIL2/AB266318, MA-EIL4/AB266320 and AB266321 on one side, and MA-EIL3/AB266319 on the other side, belong to two distant subclusters. MA-EIL mRNAs were detected in all examined banana tissues but at lower level in peel than in pulp. According to tissues, MA-EIL genes were differentially regulated by ripening and ethylene in mature green fruit and wounding in old and young leaves. MA-EIL2/AB266318 was the unique ripening- and ethylene-induced gene; MA-EIL1, MA-EIL4/Ab266320 and AB266321 genes were downregulated, while MA-EIL3/AB266319 presented an unusual pattern of expression. Interestingly...

Phenolics and Antioxidant Properties of Fruit Pulp and Cell Wall Fractions of Postharvest Banana (Musa acuminata Juss.) Cultivars

BENNETT, Richard N.; SHIGA, Tania M.; HASSIMOTTO, Neuza M. A.; ROSA, Eduardo A. S.; LAJOLO, Franco M.; Cordenunsi, Beatriz Rosana
Fonte: AMER CHEMICAL SOC Publicador: AMER CHEMICAL SOC
Tipo: Artigo de Revista Científica
ENG
Relevância na Pesquisa
46.75%
Banana fruits are important foods, but there have been very few studies evaluating the phenolics associated with their cell walls. In the present study, (+) catechin, gallocatechin, and (-) epicatechin, as well as condensed tannins, were detected in the soluble extract of the fruit pulp; neither soluble anthocyanidins nor anthocyanins were present. In the soluble cell wall fraction, two hydroxycinnamic acid derivatives were predominant, whereas in the insoluble cell wall fraction, the anthocyanidin delphinidin, which is reported in banana cell walls for the first time, was predominant. Cell wall fractions showed remarkable antioxidant capacity, especially after acid and enzymatic hydrolysis, which was correlated with the total phenolic content released after the hydrolysis of the water-insoluble polymer, but not for the posthydrolysis water-soluble polymer. The acid hydrolysis released various monosaccharides, whereas enzymatic hydrolysis released one peak of oligosaccharides. These results indicate that banana cell walls could be a suitable source of natural antioxidants and that they could be bioaccessible in the human gut.; Portuguese national funding; FAPESP

Efeito do ácido giberélico no metabolismo amido-sacarose durante o amadurecimento da banana (Musa acuminata var. Nanicão); Effects of gibberellic acid on metabolism starch-sucrose during banana ripening (Musa acuminta var. Nanicão)

Rossetto, Maria Rosecler Miranda
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2001 PT
Relevância na Pesquisa
47.07%
O amadurecimento é uma etapa exclusiva do estágio de desenvolvimento dos frutos, que envolve uma série de transformações metabólicas a partir de diferentes fontes de energia. Ele é mediado por um dinâmico complexo enzimático, resultando em síntese/degradação e conversão de compostos que tornarão o fruto aceitável para o consumo. Dependendo do tipo de fruto, essa fonte de energia pode ser na forma de ácidos orgânicos, sacarose vinda da própria planta e na forma de amido. A banana (Musa acuminata) é uma fruta de comportamento climatérico que utiliza como principal fonte de carbono o amido, que é reduzido durante o climatério de teores que variam de 12 a 20% a menos de 1 %. Concomitante à esta degradação, o teor de sacarose pode atingir até 15%, dependendo da cultivar. O ácido giberélico (GA3) é um fitohormônio da família das giberelinas que tem sido muito estudado em cereais por aumentar a transcrição gênica das α-amilase. Em frutos, ele é responsável por manter a textura firme e o teor de sólidos solúveis, e atrasar o amadurecimento. Ao estudar a influência do GA3 no metabolismo amido-sacarose em fatias de banana, observou-se neste trabalho que o fitohormônio não alterou o pico respiratório nem a síntese de etileno. Entretanto...

Efeito da radiação gama e de tratamentos hidrotérmicos sobre as características físico-quimicas, funcionais e nutricionais da farinha e do amido de banana verde (Musa acuminata cv. Nanica); Effect of gamma radiation and hydrothermal treatments on the physicochemical, functional and nutritional characteristics of flour and starch from green bananas (Musa acuminata cv. Nanica)

Modenese, Daniel
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 04/10/2011 PT
Relevância na Pesquisa
47.15%
O objetivo do estudo foi avaliar o efeito da radiação gama e da irradiação seguida de tratamentos hidrotérmicos sobre as características físico-químicas, funcionais e nutricionais (digestibilidade) de farinha e amido de banana verde. Bananas verdes Musa acuminata (AAA Cavendish) foram processadas visando a obtenção de farinha e a extração do amido. A farinha foi submetida às doses de radiação gama de 0 (controle); 1,0; 2,0; 5,0 e 10,0 kGy e o amido à 0 (controle); 0,5; 1,0; 1,5 e 2,0 kGy. Parte da farinha e do amido seguiu para os tratamentos hidrotérmicos, que constaram de umidificação na a proporção 1:20 p/v (farinha ou amido : água destilada), banho térmico (80 °C por 1 hora), armazenamento refrigerado (5 °C por 24 horas) e desidratação em estufa (45 °C por 24 horas). A avaliação da farinha somente irradiada demonstrou que, com o aumento da dose de radiação aplicada, houve aumento dos teores de açúcares redutores e de redutores totais, índice de solubilidade em água (ISA), croma (C), índice de escurecimento (IE) e dos teores de amido rapidamente digerível (ARD) e lentamente digerível (ALD). Houve também redução dos teores de amido resistente (AR) e das viscosidades de pasta (máxima, final e de quebra)...

O efeito da proximidade do fragmento florestal de Mata Atlântica sobre a área de cultivo no amadurecimento de bananas (Musa acuminata AAA cv. Nanicão) e nos compostos fenólicos das folhas de bananeiras; The effect of the proximity of the Atlantic Rainforest fragment over the crop area in the ripening of bananas (Musa acuminata AAA cv. Nanicão) and the phenolic compounds of banana leaves.

Castro-Alves, Victor Costa
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 17/01/2014 PT
Relevância na Pesquisa
47.15%
Considerando (1) a importância da bananicultura no Vale do Ribeira, (2) o destaque da Mata Atlântica no contexto da conservação da fauna e flora mundial, (3) a necessidade da adoção de práticas agrícolas alternativas mais eficientes do ponto de vista ambiental e econômico, (4) o papel dos hormônios etileno, acido indol-3-acético (AIA) e ácido abscísico (ABA) no contexto das respostas dos vegetais a diferentes condições ambientais e nos atributos de qualidade da banana, (5) a falta de metodologias otimizadas para a extração de compostos fenólicos solúveis totais (CFST) em bananeiras e (6) a importância do estudo da relação entre os CFST e fatores de estresse, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a influência da proximidade do fragmento florestal de Mata Atlântica com a área de cultivo da banana (Musa acuminata AAA cv. Nanicão) sobre o amadurecimento da fruta e os CFST em folhas de bananeiras, além de otimizar uma técnica para a extração destes últimos. Foi observado que bananas colhidas próxima ao fragmento florestal apresentam vida-verde (período compreendido entre a colheita do fruto e o início do seu amadurecimento) maior quando comparados a frutos com a mesma idade fisiológica, porém colhidos em áreas sem a influência da floresta nativa. Este fato pode ser explicado...

Caracterização fisiológica e bioquímica da dominância apical em bananeira (Musa acuminata colla)

Debiasi, Clayton-
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Tese de Doutorado Formato: xxvii, 154 f. : il., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
57.07%
Pós-graduação em Agronomia (Horticultura) - FCA; A dominância apical, conceituada como o controle exercido pelo ápice da parte aérea sobre o crescimento das gemas laterais, ramos e folhas, é influenciada em diferentes graus, por fatores ambientais, genéticos e fisiológicos. Vários aspectos relacionados ao controle do desenvolvimento de gemas laterais vêm sendo amplamente estudados e relatados nos últimos anos, tratando-se de um tema fundamental da fisiologia vegetal, sobre os quais se devem disponibilizar pesquisas constantes para um total entendimento do processo. Dentre as atribuições, no que diz respeito aos mecanismos envolvidos neste controle, pode-se citar os efeitos dos hormônios vegetais, incluindo as poliaminas, dos nutrientes minerais, dos carboidratos, da atividade de enzimas, dos compostos fenólicos, das proteínas, da luz, da vascularização dos tecidos e da expressão de genes específicos. O presente trabalho parte do interesse sobre questões pouco compreendidas a respeito dos possíveis fàtores e mecanismos fisiológicos envolvidos no processo de desenvolvimento de gemas laterais e raízes de bananeiras (Musa acuminata Colla) em seu rizoma complexo. Tem-se como objetivo caracterizar a dominância apical...

Caracterização de unigenes na interação Musa acuminata-Mycosphaerella musicola : desenvolvimento de marcadores microssatélites e análise de expressão gênica

Cruz, Viviane de Oliveira
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
47.45%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Departamento de Biologia Celular, Programa de Pós-Graduação em Biologia Molecular, 2013.; Musa acuminata (AA), espécie selvagem, cujo cruzamento com Musa balbisiana (BB) deu origem as bananas comestíveis atuais, é uma potencial doadora de genes de resistência a estresses bióticos, como a Sigatoka amarela causada pelo fungo Mycosphaerella musicola. O objetivo deste estudo foi identificar locos microssatélites (SSR) identificados em genes envolvidos com resposta de defesa a doenças em bananeira, caracterizar os SSRs quanto ao polimorfismo e analisar os genes quanto a expressão diferencial durante a interação com o patógeno M. musicola. Foram construídas quatro bibliotecas de cDNA a partir do RNA total de 36 amostras de folha de M. acuminata Calcutta 4 e M. acuminata subgrupo Cavendish Grande Naine inoculadas e não inoculadas com M. musicola. As bibliotecas foram submetidas a sequenciamento 454 e aproximadamente 36.000 unigenes para cada genótipo foram identificados e anotados por BLASTX e KOG. A partir desses dados foi realizada uma busca de SSRs gênicos e foram desenhados pares de primers flanqueando os SSR utilizando o software Primer3 plus. Um total de 4.068 locos SSR foram identificados em Calcutta 4 e 4.095 em Cavendish Grande Naine. Destes...

Desenvolvimento de marcadores microssatélites e análise de expressão de genes envolvidos em resposta ao estresse biótico em genótipos de musa acuminata; Development of microsatellite markers and expression analysis of genes involved in biotic stress response in musa acuminata genotype

Emediato, Flávia Leonel
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
47.46%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Biologia Celular, Programa de Pós-Graduação em Biologia Molecular, 2014.; Cultivares comerciais de bananeira (Musa spp) são cultivados em muitos países de ambientes tropicais e subtropicais. A reprodução assexuada da espécie resultou em uma base genética restrita, sem resistência a pragas e doenças, tornando as estratégias de melhoramento convencional muito limitadas devido a esterilidade de muitos cultivares comerciais. As estratégias de melhoramento não-convencionais, como a transformação e seleção assistida por marcadores, oferecem uma abordagem alternativa para a introgressão de genes de resistência em cultivares comerciais. Genes de resistência (R) em plantas codificam receptores de proteínas que reconhecem assinaturas moleculares de efetores de patógenos de plantas, desencadeando mecanismos de defesa como a imunidade disparada por efetores (ETI). Essa resistência pode ser perdida durante a co-evolução do hospedeiro e patógeno, favorecendo a evolução das novas raças patogênicas. Neste contexto, o desenvolvimento contínuo de cultivares de plantas resistentes é necessária, a fim de acompanhar a evolução de patógenos. O objetivo geral deste estudo foi identificar genes potencialmente envolvidos em respostas a estresses bióticos...

Análise transcritômica e proteômica da interação Musa acuminata x Mycosphaerella musicola; Transcriptomics and proteomics analysis of the interaction M. acuminata x M. musicola

Passos, Marco Aurélio Ninômia
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
57.42%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas,Departamento de Biologia Celular, Programa de Pós-Graduação em Biologia Molecular, 2014.; A Sigatoka Amarela em banana (Musa spp.), causada pelo fungo Mycosphaerellamusicola, provoca desordem significativa de área foliar e amadurecimento prematuro do fruto. O desenvolvimento de genótipos resistentes a fungos patogênicos é de fundamental importância. A fim de desenvolver um recurso de genômica funcional para essa cultura oferencendo compreensão sobre os mecanismos moleculares das respostas de Musa a estresses bióticos, foi realizado um estudo de pirosequenciamento do transcritoma de Musa acuminata utilizando genótipos contrastantes em resistência ao patógeno M. musicola. Amostras de RNA total foram preparadas a partir do material foliar dos genótipos Calcutta 4 (resistente) e Cavendish Grande Naine (suscetível), ambos não infectados (controles não inoculados) e artificialmente desafiados com o patógeno. O estudo gerou 978.133 seqüências de alta qualidade, com um comprimento médio de 334pb e totalizando 466Mb, das quatro bibliotecas de cDNAseqüenciadas usando o 454 GS-FLX Titanium. A montagem de novo gerou 36.384 e 35.269 seqüênciasunigenes de M. acuminataCalcutta 4 e Cavendish Grande Naine...

Poliploidização em ápices caulinares de bananeira e seus efeitos morfofisiológicos in vitro

Costa,Frederico Henrique da Silva; Pasqual,Moacir; Silva,Sebastião de Oliveira e; Silva Neto,Honorato Pereira da; Amorim,Edson Perito; Santos-Serejo,Janay Almeida dos
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2011 PT
Relevância na Pesquisa
46.75%
O objetivo deste trabalho foi avaliar as respostas morfofisiológicas de ápices caulinares de diploides de Musa acuminata submetidos à poliploidização in vitro. Foram avaliados os antimitóticos colchicina (0, 1,25, 2,5, 3,75 e 5 mmol L-1) e orizalina (0, 15, 22,5 e 30 µmol L-1), e dois tempos de poliploidização: 24 e 48 horas para colchicina, e 3 e 7 dias para orizalina. A aplicação de colchicina reduziu significativamente a sobrevivência e o número médio de brotos dos ápices. A orizalina teve um leve efeito negativo na sobrevivência dos ápices caulinares e influenciou positivamente o número médio de brotos por explante. Observou-se alta mortalidade e níveis acentuados de oxidação dos explantes primários tratados e regenerados, com ambos os antimitóticos. No entanto, a capacidade morfogenética dos explantes foi restabelecida após sucessivos subcultivos em meio fresco, e as brotações produzidas foram alongadas/enraizadas e aclimatizadas com sucesso. O uso de colchicina, nas concentrações de 1,25 e 3,75 mmol L-1, e de orizalina representam abordagens viáveis e práticas para programas de melhoramento da bananeira. Os efeitos morfofisiológicos observados in vitro são importantes para definir estratégias de indução de poliploidia em bananeira.

Correlação entre a capacidade proliferativa in vitro e a dominância apical in vivo da bananeira cvs. Grand naine e Nanicão

Debiasi,Clayton; Zaffari,Gilmar Roberto; Salerno,Airton Rodrigues; Guerra,Miguel Pedro
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2002 PT
Relevância na Pesquisa
46.75%
No presente trabalho, buscou-se correlacionar diferentes graus de dominância apical in vivo com a capacidade proliferativa in vitro da bananeira, através da relação existente entre a fonte de explante e o seu posterior comportamento in vitro. Brotos laterais de Musa acuminata Colla: Nanicão (AAA) e Grand Naine (AAA), oriundos de plantas-matrizes mostrando diferentes graus de dominância apical in vivo (elevada, média e baixa) foram cultivados in vitro, no Laboratório de Cultura de Tecidos Vegetais da EEI/ EPAGRI-SC, por cinco subcultivos, em intervalos de 30 dias, em meio MS suplementado com BAP (11,1 mmol/l), sacarose (30 g/l), ágar (7 g/l), vitaminas MS e pH 5,8. O grau de dominância apical in vivo influenciou diretamente o comportamento in vitro dos explantes, no que diz respeito à capacidade proliferativa. Brotos laterais oriundos de plantas-matrizes, com grau de dominância apical in vivo baixa, proporcionaram a maior taxa média proliferativa (7,5 brotos/explante) para a cv. Grand Naine, enquanto brotos laterais oriundos de plantas-matrizes com grau de dominância apical média proporcionaram a maior taxa média proliferativa (10,96 brotos/explante) para a cv. Nanicão.

Atividade antiviral de Musa acuminata Colla, Musaceae

Martins,Fernanda Otaviano; Fingolo,Catharina Eccard; Kuster,Ricardo Machado; Kaplan,Maria Auxiliadora Coelho; Romanos,Maria Teresa Villela
Fonte: Sociedade Brasileira de Farmacognosia Publicador: Sociedade Brasileira de Farmacognosia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2009 PT
Relevância na Pesquisa
67.14%
O presente trabalho avalia a atividade antiviral de extratos e frações de Musa acuminata Colla, Musaceae, coletada em duas regiões do Estado do Rio de Janeiro (Petrópolis e Santo Antônio de Pádua). As inflorescências de M. acuminata apresentaram excelente atividade para os dois vírus avaliados: herpesvírus simples humano tipo 1 e herpesvírus simples humano tipo 2, ambos resistentes ao Aciclovir. Os resultados indicam que os extratos de M. acuminata testados podem constituir alvo potencial para uso em terapias antivirais.

Genomic analysis of NAC transcription factors in banana (Musa acuminata) and definition of NAC orthologous groups for monocots and dicots

Cenci, Albero; Guignon, Valentin; Roux, Nicolas; Rouard, Mathieu
Fonte: Springer Netherlands Publicador: Springer Netherlands
Tipo: Artigo de Revista Científica
EN
Relevância na Pesquisa
46.88%
Identifying the molecular mechanisms underlying tolerance to abiotic stresses is important in crop breeding. A comprehensive understanding of the gene families associated with drought tolerance is therefore highly relevant. NAC transcription factors form a large plant-specific gene family involved in the regulation of tissue development and responses to biotic and abiotic stresses. The main goal of this study was to set up a framework of orthologous groups determined by an expert sequence comparison of NAC genes from both monocots and dicots. In order to clarify the orthologous relationships among NAC genes of different species, we performed an in-depth comparative study of four divergent taxa, in dicots and monocots, whose genomes have already been completely sequenced: Arabidopsis thaliana, Vitis vinifera, Musa acuminata and Oryza sativa. Due to independent evolution, NAC copy number is highly variable in these plant genomes. Based on an expert NAC sequence comparison, we propose forty orthologous groups of NAC sequences that were probably derived from an ancestor gene present in the most recent common ancestor of dicots and monocots. These orthologous groups provide a curated resource for large-scale protein sequence annotation of NAC transcription factors. The established orthology relationships also provide a useful reference for NAC function studies in newly sequenced genomes such as M. acuminata and other plant species.

Genome-wide BAC-end sequencing of Musa acuminata DH pahang reveals further insights into the genome organization of banana.

ARANGO, R. E.; TOGAWA, R. C.; CARPENTIER, S. C; ROUX, N.; HEKKERT, B. L.; KEMA, G. H. J.; SOUZA JUNIOR, M. T.
Fonte: Tree Genetics & Genomes, apr. 2011. Publicador: Tree Genetics & Genomes, apr. 2011.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
EN
Relevância na Pesquisa
56.86%
2011

Development of expressed sequence tag and expressed sequence tag-simple sequence repeat marker resources for Musa acuminata.

PASSOS, M. A. N.; CRUZ, V. de O.; EMEDIATO, F. L.; TEIXEIRA, C. de C.; SOUZA JUNIOR, M. T.; MATSUMOTO, T.; AZEVEDO, V. C. R.; FERREIRA, C. F.; AMORIM, E. P.; FIGUEIREDO, L. F. de A.; MARTINS, N. F.; CAVALCANTE, M. de J. B.; BAURENS, F. C.; SILVA JUNIOR, O
Fonte: AoB Plants, 2012. Publicador: AoB Plants, 2012.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
EN
Relevância na Pesquisa
67%
Banana (Musa acuminata) is a crop contributing to global food security. Many varieties lack resistance to biotic stresses, due to sterility and narrow genetic background. The objective of this study was to develop an expressed sequence tag (EST) database of transcripts expressed during compatible and incompatible banana?Mycosphaerella fijiensis (Mf) interactions. Black leaf streak disease (BLSD), caused by Mf, is a destructive disease of banana. Microsatellite markers were developed as a resource for crop improvement.; 2012

O plantio associado entre banana (Musa acuminata Cultivar Cavendish "Grande Naine") e feij?o-de-porco (Canavalia ensiformis (L.) D. C.): uma avalia??o agron?mica dos efeitos da competi??o por ?gua, nitrog?nio e energia luminosa

SILVA, Luis Mauro Santos
Fonte: Universidade Federal do Pará Publicador: Universidade Federal do Pará
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
56.86%
Nas regi?es de clima tropical, o monocultivo da banana vem causando conseq??ncias ambientais desastrosas e, muitas vezes, impedindo uma explora??o continuada de uma mesma ?rea. A redu??o do rendimento ? devido principalmente as limita??es f?sico-qu?micas do solo e a r?pida degrada??o do sistema radicular, agravada pela a??o de parasitas do solo (nemat?ides, fungos, etc.). Em virtude destas limita??es, v?rias iniciativas vem sendo buscadas para a minimiza??o das perdas agron?micas e ambientais, destacando-se o melhoramento e a modifica??o gen?tica, e a associa??o deste cultivo com esp?cies leguminosas. Por?m uma das grandes dificuldades de avaliarmos os novos sistemas de cultivo alternativos concentra-se na falta de referenciais agron?micos relacionados principalmente com o funcionamento de sistemas de cultivos associados, especialmente relacionados aos fatores e condi??es que interferem diretamente na defini??o do rendimento da esp?cie principal. O presente estudo testou , em campo experimental, o uso de plantas de servi?o associada a bananeira e seus efeitos na produ??o de biomassa durante seu o ciclo vegetativo. Isto porque ? durante esta fase que a bananeira constr?i sua capacidade de reservas de fotoassimilados e, consequentemente...

O efeito da biodiversidade nativa da Mata Atlântica sobre o metabolismo de amadurecimento da banana (Musa acuminata AAA, Cavendish, cv. Nanicão); The effect of the Atlantic Coastal Forest´s native biodiversity on the metabolism of banana ripening (Musa acuminata AAA, Cavendish, cv. Nanicão).

Nascimento, Talita Pimenta do
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 15/04/2015 PT
Relevância na Pesquisa
47.15%
A produção de banana no Vale do Ribeira, em São Paulo, está inserida numa região que abriga um fragmento remanescente da Mata Atlântica, considerada um dos principais repositórios de biodiversidade e a floresta mais devastada entre os biomas brasileiros. Medidas sustentáveis, como a adoção de práticas agrícolas alternativas, tem sido o caminho para a conservação da fauna e flora, como também para a redução do uso inapropriado de terras que consequentemente pode aumentar o índice de doenças que atacam as plantas. Apesar, do razoável conhecimento científico sobre a fisiologia pós-colheita da banana, ainda não foram elucidadas quais são as respostas fisiológicas do fruto diante das alterações do meio ambiente decorrentes das práticas agroecológicas. Principalmente quais são os mecanismos de ação de compostos específicos, relacionados com a resistência da planta contra os estresses bióticos e abióticos. Também, não há uma abordagem analítica integrada que identifique os reguladores das vias metabólicas e possibilite um estudo holístico a nível molecular. Neste trabalho, foi avaliado o efeito da proximidade da biodiversidade nativa da Mata Atlântica sobre o perfil de metabólitos da banana (Musa acuminata AAA...

The natural impact of banana inflorescences (Musa acuminata) on human nutrition

Fingolo,Catharina E.; Braga,João M.A.; Vieira,Ana C.M.; Moura,Mirian R.L.; Kaplan,Maria Auxiliadora C.
Fonte: Academia Brasileira de Ciências Publicador: Academia Brasileira de Ciências
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 EN
Relevância na Pesquisa
67.15%
Banana inflorescences are popularly known as 'navels,' and they are used in Brazil as nutritional complements. However, the nutritional value of banana inflorescences (male flowers and bracts) has never been studied. Therefore, plant material of Musa acuminata, cultivar "ouro", was collected in Rio de Janeiro state, Brazil, and then submitted to chemical procedures to determine its nutritional composition. The experiment was arranged a completely randomized design and performed in triplicate. The sample composition analysis showed percentual average value for moisture, protein, fat and ash as 8.21, 14.50, 4.04 and 14.43, respectively. The dehydrated inflorescences were found to contain a significant nutritive complement based on their high content of potassium (5008.26 mg / 100 g) and fiber 49.83% (lignin, cellulose and hemicelluloses) revealing important functional and nutritional properties. In a parallel evaluation, the anatomical study revealed key elements for the recognition of Musa acuminata when reduced to fragments.

Characterization of novel microsatellite markers in Musa acuminata subsp. burmannicoides, var. Calcutta 4.

MILLER, R. N. G.; PASSOS, M. A. N.; MENEZES, N. N. P.; SOUZA JUNIOR, M. T.; COSTA, M. M. do C.; AZEVEDO, V. C. R.; AMORIM, E. P.; PAPPAS JUNIOR, G. J.; CIAMPI, A. Y.
Fonte: BMC Research Notes, v.3, n.148, 2010. Publicador: BMC Research Notes, v.3, n.148, 2010.
Tipo: Artigo em periódico indexado (ALICE)
EN
Relevância na Pesquisa
57.07%
Banana is a nutritionally important crop across tropical and sub-tropical countries in sub-Saharan Africa, Central and South America and Asia. Although cultivars have evolved from diploid, triploid and tetraploid wild Asian species of Musa acuminata (A genome) and Musa balbisiana (B genome), many of today's commercial cultivars are sterile triploids or diploids, with fruit developing via parthenocarpy. As a result of restricted genetic variation, improvement has been limited, resulting in a crop frequently lacking resistance to pests and disease. Considering the importance of molecular tools to facilitate development of disease resistant genotypes, the objectives of this study were to develop polymorphic microsatellite markers from BAC clone sequences for M. acuminata subsp. burmannicoides, var. Calcutta 4. This wild diploid species is used as a donor cultivar in breeding programs as a source of resistance to diverse biotic stresses.; 2010; Disponível em:.Acesso em: 16 ago. 2010.