Página 1 dos resultados de 132 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Atitude e motivação em relação ao desempenho acadêmico de alunos do curso de graduação em administração em disciplinas de estatística; Attitude and motivation in relation to the academic performance of undergraduate students in management courses in statistics

Viana, Gustavo Salomão
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 31/10/2012 PT
Relevância na Pesquisa
47.06%
Em uma sociedade que apresenta ênfase no conhecimento, torna-se importante analisar uma quantidade significativa de informações contidas nos bancos de dados, objetivando transformá-las em conhecimentos utilizáveis, tanto para fins comerciais, quanto científicos. A Administração surge como uma área em que uma grande multiplicidade de aplicações estatísticas é possível, indo ao encontro das próprias competências e habilidades focadas no processo decisório do administrador. Neste sentido, a Estatística torna-se importante ferramenta na área financeira, de marketing, de produção e de recursos humanos. Porém, uma questão de grande relevância reside na formação Estatística dos profissionais da Administração, considerando as problemáticas envolvidas com o ensino de tal conteúdo nos cursos de graduação. Observando, portanto, a problemática envolvida no ensino de Estatística para o curso de graduação em Administração e levando em consideração a existência de alternativas para mensuração da atitude perante a Estatística, bem como da motivação acadêmica, surgiu como possibilidade de pesquisa a investigação do modo como se dá a interação da atitude perante a Estatística e da motivação acadêmica com o desempenho acadêmico do aluno nas disciplinas de Estatística. Para a consecução do objetivo do presente trabalho...

Motivação de alunos dos cursos superiores de tecnologia; Students motivation in technological college courses

Mello, Margareth Benedito de Jesus Bressani de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 15/05/2015 PT
Relevância na Pesquisa
47.05%
A presente pesquisa se propôs a caracterizar a motivação para a aprendizagem de alunos que cursam o Ensino Superior Tecnológico, identificados como cursos de curta duração. Participaram da pesquisa 288 alunos de Instituições de nível superior, públicas e privadas. O questionário utilizado foi o instrumento Escala de Avaliação da Motivação para Aprender para Universitários EMA-U (Boruchovitch e Neves, 2005) já testado e validado nacionalmente, que avalia a orientação motivacional do aluno do ensino superior, considerando os níveis de motivação intrínseca e extrínseca para a aprendizagem. Foi aplicada também a adaptação brasileira da escala de desejabilidade social de Marlowe-Crowne, elaborada por Ribas Jr., Hutz e Moura (2004). O objetivo da pesquisa foi identificar se o fato de escolher um curso tecnológico, com foco na profissionalização, influencia a motivação, comparada aos demais alunos de cursos superiores regulares. As principais bases teóricas do estudo são as teorias sociocognitivas, da autorrealização e das metas de realização. O estudo apontou que os alunos que fizeram parte da amostra apresentam média de motivação intrínseca de (MI=45,23), indicando autonomia e interesse na aprendizagem e também média de motivação extrínseca de (ME= 28...

A (des) motivação extrínseca no contexto escolar: análise de um estudo de caso

Leão, Andreza Marques de Castro
Fonte: Universidade Estadual Paulista Publicador: Universidade Estadual Paulista
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 118-136
POR
Relevância na Pesquisa
56.99%
The motivation of the pupils has been pointed as one of the factors that have influenced directly about what and as they learn. The boardings social-cognitivists of the motivation point two orientations: the intrinsic, that it is seen as natural trend of the individual, in which it executes an activity for considering it attractive, and the extrinsical, with the purpose to take care of to requests or pressures of other people, or to demonstrate to aptitudes and abilities. This research investigates the extrinsical motivation and its consequences in the pertaining to school performance of a pupil considered for the professors as having learning difficulties. The results of the research indicate the influence of the pertaining to school and familiar environment in the motivation and, this in the pertaining to school performance of the pupil, pointing the relevance of studies on the thematic one.; A motivação dos alunos tem sido apontada como um dos fatores que tem influenciado diretamente o quê e como eles aprendem. As abordagens sócio-cognitivistas da motivação apontam duas orientações: a intrínseca, que é vista como tendência natural do indivíduo, no qual ele executa uma atividade por considerá-la atraente, e a extrínseca...

Motivação no contexto escolar e desempenho academico; Motivation in school context and academic achievement

Carla Helena Manzini Genari
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 27/11/2006 PT
Relevância na Pesquisa
47.04%
A presente pesquisa teve como objetivo investigar a existência de possíveis relações entre as orientações motivacionais e o desempenho acadêmico de alunos do ensino fundamental, bem como verificar se diferentes níveis de desempenho acadêmico apresentam diferentes padrões motivacionais. Participaram do estudo 150 alunos entre 9 e 12 anos de idade de uma escola pública do interior do Estado de São Paulo, que cursavam a 3ª e 4ª séries do ensino fundamental. As orientações motivacionais intrínsecas e extrínsecas foram avaliadas mediante uma escala de motivação escolar, contendo 31 questões, 15 referentes a motivação intrínseca e 16 abarcando a motivação extrínseca. O desempenho escolar foi obtido por meio de uma prova elaborada pelo Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP/2004). Os resultados mostraram que as orientações motivacionais e o desempenho acadêmico se relacionaram em alguns casos, mas que nem sempre essa relação foi clara e constante. Em relação à motivação intrínseca e o desempenho acadêmico, na quarta série os resultados apresentaram correlação significativa e positiva, revelando que quanto maior a motivação intrínseca, melhor o desempenho acadêmico apresentado pelos alunos. Na terceira série...

A relação entre motivação para aprender, percepção do clima de sala de aula para criatividade e desempenho escolar de alunos do 5 ano do ensino fundamental

Cavalcanti, Maria Mônica Pinheiro
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
47.17%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Programa de Pós-Graduação Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde, 2009.; Diversos estudos ressaltam a importância da motivação, do conhecimento e das condições ambientais para o desenvolvimento do potencial criativo dos alunos. Neste sentido, a motivação para aprender e o clima de sala de aula são fatores essenciais que contribuem para o desenvolvimento da criatividade e também para o processo de construção e aquisição de conhecimentos. No Brasil, existem poucos estudos que investigam a inter-relação entre o desenvolvimento do potencial criativo e da motivação para aprender, considerando seus possíveis reflexos no desempenho escolar dos alunos. Portanto, este estudo buscou investigar a relação entre motivação para aprender, percepção do clima de sala de aula para criatividade e desempenho escolar de alunos do 5º ano do Ensino Fundamental, com vistas a refletir sobre o planejamento e implementação de ações escolares que privilegiem a motivação para aprender, incentivem o potencial criativo e contribuam para o progresso escolar de todos os alunos. Participaram da pesquisa 222 alunos, 109 do gênero masculino e 113 do feminino...

Motivação e satisfação na Força Aérea Portuguesa

Costa, Marta Martins da Silva Berhan da
Fonte: Instituto Superior de Economia e Gestão Publicador: Instituto Superior de Economia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2012 POR
Relevância na Pesquisa
47.1%
A motivação e a satisfação são duas questões que assumem especial interesse para as organizações, uma vez que potenciam o desempenho dos seus colaboradores. Este estudo analisa fatores de motivação e de satisfação no contexto específico da Força Aérea Portuguesa (FA), incluindo a análise dos níveis de satisfação dos militares da FA e a identificação os aspetos que os mesmos consideram como mais motivadores no seu contexto atual. O estudo tem ainda como objetivo contribuir para um maior conhecimento da relação entre os dois conceitos, através da identificação das relações entre fatores de motivação e fatores de satisfação. A amostra em estudo foi constituída por 504 militares da FA, contactados através do GroupWise da instituição, num e-mail em que se dava conhecimento dos objetivos do estudo e se fornecia um link para o questionário na plataforma SurveyMonkey. Os resultados revelaram a existência de quatro fatores de motivação (“Motivação Extrínseca”, “Motivação Institucional”, “Motivação Intrínseca” e “Motivação pela Conveniência”), três fatores de satisfação cognitiva (“Satisfação Intrínseca”, “Satisfação com as Chefias” e “Satisfação Extrínseca”) e um fator de “Satisfação afetiva”. Os militares inquiridos revelam elevados níveis de “Satisfação Afetiva”...

A percepção dos individuos quanto à transparência, justiça e controlo no processo de atribuição de remuneração variável e a sua influência na motivação

Morais, Eloisa da Silva
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
47.03%
Mestrado em Gestão de Recursos Humanos/ JEL Classification System: J330, M520; Um dos fatores mais importantes que influencia o comportamento organizacional é a estrutura interna de incentivos que inclui a gestão de recursos humanos e o sistema de remunerações (Baker, Jensen, e Murphy, 1988). Porém, apesar da crescente tendência da preocupação com os Recursos Humanos de uma organização para o seu desenvolvimento, são poucos os estudos que têm analisado os efeitos dos sistemas de remunerações pela perspetiva dos trabalhadores (Gerhart, Parks, e Rynes, 2005). Devido a este facto, o objetivo principal deste trabalho é estudar o papel que as práticas de remuneração variável exercem na motivação dos trabalhadores, tendo como variáveis mediadoras a perceção dos indivíduos quanto à transparência, justiça e controlo do processo de atribuição de remuneração variável. Adicionalmente, verificamos também se a motivação extrínseca influência o engagement e a intenção de saída da organização. A recolha de dados foi efetuada através do preenchimento on-line de um questionário onde se obteve uma amostra de 172 indivíduos, todos eles a exercerem uma determinada profissão. Os resultados demonstraram que quanto maior a perceção de justiça...

Escala de motivação: Adaptação e validação da Motivation Scale (M.S.) de Rempel, Holmes e Zanna

Afonso, José de Abreu; Leal, Isabel Pereira
Fonte: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde Publicador: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
57.05%
O objectivo deste estudo é a adaptação e a validação para a população portuguesa da Motivation Scale, de Rempel, Holmes e Zanna (1985). Enquadra-se e define-se o conceito de motivação, considerando-se a motivação intrínseca, a motivação extrínseca e a motivação instrumental, que viso integrar a construção da escala, bem como o seu impacto nas relações conjugais. Os participantes foram 436 sujeitos, 218 casais, 152 casados, 66 em união de facto. Para a nossa amostra, a sensibilidade dos itens demonstrou ter características discriminativas. Quanto à validade, a análise factorial pelo método KMO foi de 0,95 para a sub escala de motivos pessoais e 0,95 para a escala de motivos do parceiro, permitindo o recurso a análises factoriais confirmatórias de componentes principais com rotação obliqua, que não confirmaram uma estrutura tripartida. No que respeita à fidelidade, recorreu-se ao Alpha de Cronbach que nos 2 factores e nos totais das escalas foram superiores aos encontrados pelos autores na sua estrutura tripartida. Obtivemos assim uma escala final constituída por duas sub escalas: sub-escala de motivação intrínseca e sub-escala de motivação extrínseca. ------ ABSTRACT ------ The aim of this study is to validate theMotivation Scale (Rempel...

A motivação intrínseca e extrínseca na disciplina de educação física : as diferenças de género em alunos do ensino básico

Rosa, António José Pinto
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
57.32%
A Teoria da Autodeterminação, proposta por Deci & Ryan (1985) explica as ações menos e mais autodeterminadas (i.e. controladas versus autónomas), da motivação numa perspetiva multidimensional. Neste estudo procuramos conhecer os motivos mais e menos importantes que influenciam a motivação intrínseca e extrínseca entre os rapazes e as raparigas na disciplina de Educação Física e comparar a motivação intrínseca e extrínseca entre género. A amostra do estudo, de conveniência, foi constituída por 478 alunos do Agrupamento de Escolas João Roiz, de Castelo Branco, sendo 256 indivíduos do sexo masculino e 222 alunos do sexo feminino. A recolha de dados foi feita através do questionário elaborado e validado por Kobal (1996), constituído na sua totalidade por 3 dimensões de questões, (i.e. participação, o gosto e não gosto pelas aulas de Educação Física). Os dados foram tratados através da metodologia quantitativa pelo que recorremos à estatística descritiva inferencial. Os resultados obtidos evidenciam, na análise descritiva, que tanto os rapazes como as raparigas estão intrinsecamente e extrinsecamente motivados para as aulas de Educação Física. Deste modo, na motivação intrínseca revelam resultados elevados de concordância com os itens que se enquadram com o gosto...

A motivação para a aula de educação física : estudo realizado em alunos do 2º e 3º ciclo do ensino básico do concelho de Tomar

Nunes, Pedro Miguel Mendes Pereira
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
47.26%
Entende-se por motivação intrínseca, o interesse do indivíduo pelos aspetos inerentes à atividade e por motivação extrínseca, a execução da tarefa visando recompensas externas a ela. O objetivo deste estudo foi verificar a existência de diferenças no tipo de motivação intrínseca e extrínseca, para as aulas de Educação Física, entre o sexo masculino e feminino e entre os alunos do 2º e 3º ciclo. A população selecionada para este estudo é o conjunto dos 2119 alunos e alunas do segundo e terceiro ciclos do ensino básico do Concelho de Tomar (três escolas EB2/3 – Santa Iria, Gualdim Pais, Nuno Álvares Pereira e duas ES c/3.º Ciclo – Jácome Ratton e Santa Maria do Olival). A amostra para este estudo foi constituída por 606 alunos, distribuídos pelos diferentes ciclos de ensino e divididos entre sexos e anos de escolaridade. A recolha de dados foi realizada através do questionário referente à identificação de motivos intrínsecos e extrínsecos em aulas de Educação Física (Kobal, 1996), constituído por três questões com 32 afirmações no total, sendo 16 referentes a motivação intrínseca e 16 referentes a motivação extrínseca. A análise das informações foi realizada sob a forma de estatística descritiva e inferencial...

Escala de avaliação da motivação para aprender de alunos do ensino fundamental (EMA)

Neves,Edna Rosa Correia; Boruchovitch,Evely
Fonte: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2007 PT
Relevância na Pesquisa
56.87%
Este estudo descreve os passos relativos à construção de uma escala para avaliar a motivação para aprender de alunos brasileiros do ensino fundamental e apresenta a análise preliminar de suas propriedades psicométricas. Participaram das duas etapas, 771 estudantes de 2ª a 8ª séries do ensino fundamental de escolas públicas de Campinas, SP. O alpha de Cronbach foi de 0,80, indicando uma boa consistência interna do instrumento. Pela análise fatorial exploratória, obteve-se uma escala de dois fatores: motivação intrínseca (MI) e motivação extrínseca (ME) que explicaram, respectivamente, 17,68% e 12,71% da variância total. Discute-se a necessidade de se aprofundar estudos sobre a viabilidade de utilização da escala para diagnóstico, intervenção e prevenção de problemas motivacionais no contexto escolar.

Estudo de validação de uma medida de avaliação da motivação para alunos do ensino fundamental

Rufini,Sueli Edi; Bzuneck,José Aloyseo; Oliveira,Katya Luciane de
Fonte: Universidade de São Francisco, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia Publicador: Universidade de São Francisco, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2011 PT
Relevância na Pesquisa
56.85%
O objetivo deste estudo foi elaborar e validar um instrumento de avaliação da qualidade motivacional de estudantes do ensino fundamental, tendo por referência a Teoria da Autodeterminação. Inicialmente, com o propósito de obter dados para a elaboração de itens, foram entrevistadas 20 crianças acerca dos motivos alegados para irem à escola. Com base nessas informações e em itens disponíveis na literatura, chegou-se a uma versão preliminar da escala, composta de 30 itens e aplicada para um grupo de 30 crianças. Após os ajustes, responderam à versão final da escala 1.381 estudantes do ensino fundamental do estado do Paraná. A análise fatorial exploratória resultou na exclusão de 4 itens do instrumento, ficando um total de 25. Foram aceitáveis os índices de consistência interna para as dimensões avaliadas (desmotivação α=0,85, motivação extrínseca por regulação externa α=0,67, por regulação introjetada α=0,76, por regulação identificada α=0,88 e motivação intrínseca α=0,81). Novas investigações estão em andamento.

Motivação intrinseca e extrinseca nas aulas de educação fisica

Marilia Correa Kobal
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 22/03/1996 PT
Relevância na Pesquisa
47.17%
Este trabalho foi realizado com a finalidade de verificar as tendências motivacionais (intrínseca e extrínseca) dos alunos em aulas de Educação Física, entendendo-se por motivação intrínseca, o interesse do indivíduo pelos aspectos inerentes à atividade e por motivação extrínseca, executar a tarefa visando recompensas externas a ela. Pretende-se também verificar a relação do motivo de realização destes alunos com a tendência motivacional (intrínseca ou extrínseca) dos mesmos. O motivo de realização é considerado importante nas aulas de Educação Física devido aos tipos de tarefas propostas, onde há oportunidade de vencer desafios e de auto-superação, implicando em resultados adequados à avaliação. As tendências deste motivo são a expectativa de sucesso, o medo do fracasso 1 (noção de incompetência que o indivíduo tem de si mesmo) e o medo do fracasso 2 (medo das conseqüências sociais do fracasso). O referencial teórico deste trabalho fundamenta a pesquisa realizada com 96 alunos de 7a e 8a séries de uma escola particular de Campinas/SP, onde são aplicados dois instrumentos de coleta de dados: um questionário (contendo questões fechadas e abertas), e um gride de avaliação do motivo de realização. Pelas características destes instrumentos...

A motivação intrínseca e extrínseca na disciplina de educação física : as diferenças de género em alunos do ensino básico

Rosa, António José Pinto
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
57.32%
A Teoria da Autodeterminação, proposta por Deci & Ryan (1985) explica as ações menos e mais autodeterminadas (i.e. controladas versus autónomas), da motivação numa perspetiva multidimensional. Neste estudo procuramos conhecer os motivos mais e menos importantes que influenciam a motivação intrínseca e extrínseca entre os rapazes e as raparigas na disciplina de Educação Física e comparar a motivação intrínseca e extrínseca entre género. A amostra do estudo, de conveniência, foi constituída por 478 alunos do Agrupamento de Escolas João Roiz, de Castelo Branco, sendo 256 indivíduos do sexo masculino e 222 alunos do sexo feminino. A recolha de dados foi feita através do questionário elaborado e validado por Kobal (1996), constituído na sua totalidade por 3 dimensões de questões, (i.e. participação, o gosto e não gosto pelas aulas de Educação Física). Os dados foram tratados através da metodologia quantitativa pelo que recorremos à estatística descritiva inferencial. Os resultados obtidos evidenciam, na análise descritiva, que tanto os rapazes como as raparigas estão intrinsecamente e extrinsecamente motivados para as aulas de Educação Física. Deste modo, na motivação intrínseca revelam resultados elevados de concordância com os itens que se enquadram com o gosto...

A motivação para a aula de educação física : estudo realizado em alunos do 2º e 3º ciclo do ensino básico do concelho de Tomar

Nunes, Pedro Miguel Mendes Pereira
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2012 POR
Relevância na Pesquisa
47.26%
Entende-se por motivação intrínseca, o interesse do indivíduo pelos aspetos inerentes à atividade e por motivação extrínseca, a execução da tarefa visando recompensas externas a ela. O objetivo deste estudo foi verificar a existência de diferenças no tipo de motivação intrínseca e extrínseca, para as aulas de Educação Física, entre o sexo masculino e feminino e entre os alunos do 2º e 3º ciclo. A população selecionada para este estudo é o conjunto dos 2119 alunos e alunas do segundo e terceiro ciclos do ensino básico do Concelho de Tomar (três escolas EB2/3 – Santa Iria, Gualdim Pais, Nuno Álvares Pereira e duas ES c/3.º Ciclo – Jácome Ratton e Santa Maria do Olival). A amostra para este estudo foi constituída por 606 alunos, distribuídos pelos diferentes ciclos de ensino e divididos entre sexos e anos de escolaridade. A recolha de dados foi realizada através do questionário referente à identificação de motivos intrínsecos e extrínsecos em aulas de Educação Física (Kobal, 1996), constituído por três questões com 32 afirmações no total, sendo 16 referentes a motivação intrínseca e 16 referentes a motivação extrínseca. A análise das informações foi realizada sob a forma de estatística descritiva e inferencial...

Relação Entre Motivação e Desempenho Escolar em Alunos do 1º Ciclo

Pereira, António José Fernandes
Fonte: ISMT Publicador: ISMT
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
POR
Relevância na Pesquisa
57.14%
O presente estudo teve como objectivo analisar a existência de uma possível relação entre motivação (intrínseca ou extrínseca) e o desempenho escolar em alunos do 1º ciclo que frequentam o 4º ano. A amostra foi constituída por 62 alunos, com idades compreendidas entre os 9 e 10 anos, 15 que frequentavam a Escola Básica do 1º Ciclo de Brancas e 47 a Escola Básica da Batalha (24 alunos da Turma A e 23 da Turma B). Considerando a possível existência de variáveis sociodemográficas associadas ao desempenho, no processo de recolha de dados foi aplicado um questionário sóciodemográfico, que pela sua potencial natureza descritiva, interpretativa e reflexiva, constituiu uma importante ferramenta na análise e avaliação dos resultados obtidos. Com o objectivo de avaliar a motivação (intrínseca e extrínseca) foi administrada uma escala de motivação escolar, aferida para a população portuguesa contendo 18 questões. Cada uma destas questões contém 4 possibilidades de resposta (duas referentes à motivação intrínseca e outras duas referentes à motivação extrínseca). Quanto ao desempenho escolar, este foi avaliado através das notas que os alunos obtiveram no final do ano lectivo e que foram facultadas pelas professoras dos mesmos. A análise dos resultados evidenciou que existe uma relação entre a motivação e o desempenho escolar...

A motivação nas aulas de educação física em alunos do 3º ano do ensino médio

Silva Júnior, Iremar Izaias da
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
47.05%
Esse trabalho teve como objetivo identificar o nível de motivação dos alunos do 3º ano do ensino médio. Verificando se os alunos que participam das aulas de educação física fazem por prazer (motivação intrínseca) ou por obrigação para obtenção de notas (motivação extrínseca). O questionário utilizado foi feito por Kobal (1996) que tem perguntas com relação à motivação extrínseca e intrínseca entregue a alunos do Centro de Ensino Médio 02 (CEM 02) e Centro de Ensino Médio 04 (CEM 04) da cidade de Ceilândia do Distrito Federal. Foram feitos por alunos do gênero masculino e feminino. De acordo com cálculos feitos pelo pesquisador através dos questionários, os alunos do CEM 02 têm média de idade de 17 anos e os alunos do CEM 04 tem média de idade de 16 anos. Como o 3º ano é o último ano escolar as aulas e os esportes praticados são os mesmos há algum tempo isso pode tornar as aulas cansativas e repetitivas, com isso a motivação dos alunos em fazer as mesmas aulas com os mesmos fundamentos começa a ficar baixa, e isso afeta o desempenho nas aulas. Os motivos do desinteresse são muitos, desde a falta de preparo do professor até o desinteresse do aluno, motivos esses que se interligam. Os alunos do CEM 02 e do CEM 04 tiveram as mesmas respostas para o questionário...

Nível de motivação intrínseca e extrínseca dos alunos nas aulas de educação física em um colégio confessional e não confessional

Lessa, Altierres; Melo, Delvinei; Pires, Raphael
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
47.01%
Este trabalho objetivou analisar a diferença nos níveis de motivação dos alunos de uma escola confessional e não confessional nas aulas de Educação Física. Fizeram parte da população pesquisada, alunos do ensino fundamental II de uma escola da rede privada de ensino confessional e alunos de uma escola da rede pública não confessional do Distrito Federal. A coleta de dados foi realizada através do questionário de KOBAL (1996). Os dados foram analisados baseando-se na porcentagem (%) das respostas escolhidas pelos alunos das escolas confessionais e não confessionais e concluiu que quanto à motivação intrínseca não houve diferenças significativas entre as instituições em nenhum dos 16 itens correspondentes ao questionário de motivação intrínseca. Quanto à motivação extrínseca houve diferenças, porém não foram significativas.; Educação Física

O nível de motivação extrínseca nas aulas de educação física do 6° ao 9° ano do ensino fundamental

Viana, Dayane de Oliveira
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
67%
O objetivo deste estudo foi analisar as variareis de motivação extrínseca entre os alunos das escolas da rede publica de ensino nas series do 6° ao 9° ano para pratica das aulas de educação física. Compreende-se motivação extrínseca a resposta dos alunos baseadas em estímulos e/ou recompensas externos (as). A amostra foi composta por 162 alunos de ambos os sexos, e realizou-se em alunos do ensino fundamental nas Escolas Municipais Benedito Camelo que dispunha de uma infraestrutura melhor para as aulas praticas e tinha professor formado na área em sua devida atuação e na Escola Municipal Laura Ribeiro, onde não havia espaço físico para pratica das aulas de educação física. As duas escolas localizam-se no município de Padre Bernardo – GO. O instrumento utilizado para a coleta de dados foi o questionário de Kobal (1996) com adaptações já que o questionário avalia aspectos motivacionais tanto extrínsecos quando intrínsecos.; Educação Física

Escala de motivação: adaptação e validação da Motivation Scale (M.S.) de Rempel, Holmes & Zanna

Afonso,José de Abreu; Leal,Isabel P.
Fonte: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde Publicador: Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2009 PT
Relevância na Pesquisa
57.05%
O objectivo deste estudo é a adaptação e a validação para a população portuguesa da Motivation Scale, de Rempel, Holmes e Zanna (1985). Enquadra-se e define-se o conceito de motivação, considerando-se a motivação intrínseca, a motivação extrínseca e a motivação instrumental, que viso integrar a construção da escala, bem como o seu impacto nas relações conjugais. Os participantes foram 436 sujeitos, 218 casais, 152 casados, 66 em união de facto. Para a nossa amostra, a sensibilidade dos itens demonstrou ter características discriminativas. Quanto à validade, a análise factorial pelo método KMO foi de 0,95 para a sub escala de motivos pessoais e 0,95 para a escala de motivos do parceiro, permitindo o recurso a análises factoriais confirmatórias de componentes principais com rotação obliqua, que não confirmaram uma estrutura tripartida. No que respeita à fidelidade, recorreu-se ao Alpha de Cronbach que nos 2 factores e nos totais das escalas foram superiores aos encontrados pelos autores na sua estrutura tripartida. Obtivemos assim uma escala final constituída por duas sub escalas: sub-escala de motivação intrínseca e sub-escala de motivação extrínseca.