Página 1 dos resultados de 176 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Estudo de mutações causadoras de cardiomiopatia hipertrófica em um grupo de pacientes no Espírito Santo, Brasil; Study of mutations causing hypertrophic cardiomyopathy in a group of patients from Espirito Santo, Brazil; Estudio de mutaciones causadoras de cardiomiopatía hipertrófica en un grupo de pacientes en Espírito Santo, Brasil

MARSIGLIA, Júlia Daher Carneiro; BATITUCCI, Maria do Carmo Pimentel; PAULA, Flávia de; BARBIRATO, Clara; ARTEAGA, Edmundo; ARAÚJO, Aloir Queiroz de
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC Publicador: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
27.72%
FUNDAMENTO: A cardiomiopatia hipertrófica (CH) é a doença cardíaca hereditária mais frequente, causada por mutações nos genes codificadores para proteínas do sarcômero. Embora mais de 430 mutações tenham sido identificadas em vários continentes e países, não há relato de que isso tenha sido estudado no Brasil. OBJETIVO: Conduzir um estudo genético para identificar mutações genéticas que causam a CH em um grupo de pacientes no estado do Espírito Santo, Brasil. MÉTODOS: Usando a técnica SSCP, 12 exons dos três principais genes envolvidos com a CH foram estudados: exons 15, 20, 21, 22 e 23 do gene da cadeia pesada da β-miosina (MYH7), exons 7, 16, 18, 22 e 24 do gene da proteína C ligada à miosina (MYBPC3) e exons 8 e 9 do gene da troponina T (TNNT2). RESULTADOS: 16 alterações foram encontradas, incluindo duas mutações, uma delas possivelmente patogênica no gene MYBPC3 gene (p. Glu441Lys) e a outra patogênica já descrita no gene TNNT2 (p.Arg92Trp); 8 variações de seqüência raras e 6 variações de seqüência com frequência alélica maior do que 1% (polimorfismos). CONCLUSÃO: Com esses dados, é possível concluir que a genotipagem dos pacientes é factível em nosso meio. É possível que a variante p.Glu441Lys no exon 16 do gene MYBPC3 seja patogênica...

Estudo da Ligação de Cátions Divalentes em Sítios EF-hand Utilizando a Cadeia Leve Regulatória de Miosina de Músculo Liso; Study of divalent cations binding to EF-hand sites using smooth muscle myosin regulatory light chain

Almeida, Tharin Maria Blumenschein de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 24/03/2000 PT
Relevância na Pesquisa
37.41%
O objetivo deste trabalho é estudar a afinidade e especificidade de sítios EF-hand, e correlacionar estas propriedades com a estrutura primária do sítio, com as interações entre aminoácidos nas posições de coordenação, e com prováveis características da estrutura terciária da proteína. Os efeitos de três mutações no sítio EF-hand da cadeia leve regulatória de miosina (RLC) foram estudados: D5S, em que o aspartato presente na posição 5 do sítio foi substituído por uma serina; D9E, substituindo o aspartato da posição 9 por um glutamato, e D12E, substituindo o aspartato da posição 12 por um glutamato. Todas as combinações destas três mutações foram produzidas. Os mutantes simples D5S e D9E e o duplo mutante D5S/D9E têm baixa afinidade por cálcio. Todos os mutantes contendo a mutação D12E são específicos para cálcio, com afinidades maiores que RLC tipo selvagem. Todos os mutantes estudados possuem menor afinidade por magnésio que RLC tipo selvagem. As mudanças na energia livre de ligação e as energias de acoplamento sugerem que há interações inespecíficas entre todas as posições, e uma interação específica entre uma serina na posição 5 e um glutamato na posição 9. Esta interação ocorre somente na presença de magnésio...

Constrição celular apical durante a invaginação do placóide do cristalino em galinhas.; Apical cell constriction during chicken lens placode invagination.

Borges, Ricardo Moraes
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/11/2008 PT
Relevância na Pesquisa
27.59%
O cristalino de vertebrados se origina a partir da invaginação do ectoderme que recobre a vesícula óptica. A invaginação epitelial em diversos modelos é causada pela constrição celular apical, mediada pela contração apical de actina e miosina II e regulada pela GTPase RhoA. Neste trabalho nós investigamos se a invaginação do cristalino em embriões de galinha ocorre devido à constrição celular apical e se este evento é controlado por RhoA. Actina filamentosa e miosina II são expressas na porção apical do cristalino durante a invaginação. Quando a polimerização de actina é inibida por Citocalasina D, o cristalino não invagina, sugerindo que a constrição celular apical poderia contribuir para a invaginação do cristalino. RhoA também é expressa durante o desenvolvimento do cristalino, mas a inibição de RhoA, por eletroporação da forma dominante-negativo, não impediu a invaginação do placóide do cristalino, não alterou a distribuição de miosina II na porção apical do cristalino nem sua ativação, indicando que a invaginação do cristalino independe de RhoA.; Vertebrate lens derives from invagination of the ectoderm that overlies optic vesicles. Epithelial invagination in many model systems is driven by apical cell constriction...

Caracterização da variação do calibre das fibras musculares, densidade capilar e expressão de miosina neonatal nos músculos masseter e temporal; Characterization of the variety on cross sectional area, capillary density and neonatal myosin expression in the masseter and temporalis muscle

Ferreira, Mariana Brandão
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 21/10/2009 PT
Relevância na Pesquisa
37.88%
A Disfunção temporomandibular (DTM) é um termo coletivo que abrange um largo espectro de problemas clínicos da articulação e dos músculos na área orofacial; estas disfunções são caracterizadas principalmente por dor, sons na articulação, e função irregular ou limitada da mandíbula. Os músculos da mastigação podem estar envolvidos na DTM de origem muscular, e por definição são os músculos que promovem o toque dental, portanto os elevadores da mandíbula: masseter, temporal, pterigóideos medial e lateral. A origem muscular da DTM é a mais prevalente, sendo portanto,o entendimento funcional e estrutural da composição dos músculos da mastigação essencial para a compreensão desta DTM. Este estudo tem como objetivo analisar a estrutura dos músculos da mastigação quanto a variação do calibre das fibras lentas e rápidas, densidade capilar e da expressão da miosina neonatal com a variação da idade. Foram estudadas 37 amostras dos músculos temporal e masseter (20 amostras do sexo masculino e 17 do sexo feminino) de autópsias do Serviço de Verificação de Óbitos de São Paulo com intervalo pós-mortem de até 18 horas, de ambos os gêneros e com idades divididas por décadas (1a a 9a décadas). Foram realizadas reações imunoistoquímicas com os anticorpos Ulex europaeus biotinilada aglutinina...

Expressão de um fragmento da Miosina Va inibe o crescimento de tumores de melanoma induzidos em modelo animal; Expression of a proapoptotic myosin Va fragment inhibits melanoma tumor growth in animal model

Borges, Antônio Carlos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 27/01/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.88%
A miosina Va é uma proteína motora envolvida no transporte e posicionamento de vesículas, organelas e mRNA. Além disso, postulou-se que a miosina-Va atua no seqüestro do fator pró-apoptótico, Bmf, no citoesqueleto de actina. Pesquisas realizadas em nosso laboratório demonstraram que um fragmento da miosina Va (MVaf), que corresponde ao sítio ligante de DLC2-Bmf, é capaz de induzir intensa apoptose em células de melanoma e de carcinoma in vitro. O presente trabalho teve por objetivo principal avaliar o potencial do MVaf como agente antitumoral, através de abordagens de terapia gênica em modelo animal. Foram geradas linhagens estabilizadas e com expressão controlada pelo sistema Tet-ON onde a expressão de EGFP ou EGFP-MVaf é induzida com a adição de doxiciclina. Essas linhagens foram testadas quanto à porcentagem de morte por apoptose e ativação de caspases. Tumores foram induzidos em camundongos C57BL/6 por inoculação subcutânea de células tumorigênicas positivas ou não para a expressão de EGFP-MVaf. Também foram utilizadas linhagens de fibroblasto embrionário murino selvagem (MEFs WT) e nocautes para os fatores Bim/Bmf e Bax/Bak (MEFsBim-/-,Bmf-/-; MEFsBax-/-,Bak-/-) para estudos do mecanismo de ação do fragmento da miosina Va. Observou-se que a adição de butirato de sódio potencializa a expressão de EGFP-MVaf e...

Papel da Miosina Va na neuritogênese de neurônios TrkA-positivos do glânglio da raiz dorsal.; The role of Myosin Va in the neuritogenesis of dorsal root ganglia TrkA-positive neurons.

Kanno, Tatiane Yumi Nakamura
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 14/10/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.41%
Os gânglios da raiz dorsal (GRD) armazenam neurônios TrkA-positivos. A percepção e transmissão de estímulos por estes neurônios dependem de uma neuritogênese adequada. Miosina (MioVa) é expressa no tecido nervoso e está presente em neuritos, corpo celular e cone de crescimento. Caracterizamos o padrão de expressão de MioVa na neuritogênese de células TrkA-positivas do GRD de galinha in vivo e in vitro. In vivo, MioVa é expressa em células que não começaram a emitir neuritos em HH25, e sua expressão persiste por toda neuritogênese. In vitro, é recrutada para o processo de re-emissão de neuritos de neurônios TrkA positivos na presença de NGF, sendo expressa em neuritos em diferentes estádios de neo-neuritogênese. Nos ensaios funcionais, observamos que a superexpressão do domínio globular de MioVa em culturas de GRD com 10 ou 100ng/ml de NGF reduz a população de células com neuritos longos e aumenta a população de células com neuritos curtos ou sem neuritos. Em conjunto, estes dados sugerem que a MioVa é importante para o estabelecimento de neuritos nociceptores.; The dorsal root ganglia (DRG) harbor the TrkA-positive neurons. The stimuli perception and transmission by these neurons depend on a proper neuritogenesis. Myosin (MyoVa) is widely expressed in nervous tissue and is present in neurites...

Sistemas de criação e linhagens de frangos de corte: desempenho, rendimento, qualidade de carne e perfil de miosinas de cadeia pesada no músculo esquelético

Madeira, Luciene Aparecida
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Tese de Doutorado Formato: viii, 82 f.: il. color., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
27.72%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Zootecnia - FMVZ; Um fator atualmente relevante no estudo da qualidade da carne é o estudo da miosina, que é a proteína mais abundante no músculo, envolvida no crescimento muscular, desenvolvimento do animal, geração de força (contração muscular) e maciez da carne. Com este trabalho objetivou-se avaliar a qualidade de carne e aspectos morfológicos das fibras musculares esqueléticas e perfil de miosina de cadeia pesada do músculo flexor longo do hálux, de quatro linhagens de frangos de corte, criados nos sistemas confinado e semi-confinado. O delineamento foi conduzido em fatorial 4x2, quatro linhagens (Ross 308, Máster Gris, Label Rouge e Vermelhão Pesado), dois sistemas de criação (confinamento e semi-confinamento), com quatro repetições por tratamento. Aos 28 e 84 dias de idade, foram abatidas quatro aves por tratamento, totalizando 64 aves. A técnica eletroforética separou somente duas isoformas de miosinas, tipo MyHC-I e MyHC-II, no músculo flexor longo do hálux dos frangos de corte. Com aumento da idade, aumentou a isoforma da miosina de cadeia pesada MyHC II e diminuiu a MyHC I. A expressão das isoformas de miosina de cadeia pesada não foram influenciadas pela linhagem e sistema de criação. Não se encontrou influencia do sistema de criação para pH...

Expressão dos fatores de regulação miogenica e de cadeia pesada da miosina no musculo estriado esquelitico da tilapia do Nilo (Oreochromis niloticus) durante o crecimento; Miogenic regulatory factors and myosin heavy chain expression in the striated skeletal muscle of the Nile tilapia (Oreochromis niloticus) during growth

Danilo Henrique Aguiar
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 07/03/2008 PT
Relevância na Pesquisa
38.04%
Nos peixes, o conhecimento dos fatores que controlam o crescimento muscular e a análise das proteínas miofibrilares, é importante para entender a dinâmica do crescimento, a plasticidade e as adaptações musculares, principalmente, em espécies com grande valor comercial como a tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). No presente estudo, utilizou-se a tilápia do Nilo em quatro estágios: alevinos de 35 dias (0.65g ± 0.08); juvenis de 60 dias (13.67g ± 1.35); adultos de 90 dias (73.18g ± 4.70) e adultos de 190 dias (349.76g ± 34.62). Em cada estágio, fragmentos musculares foram coletados e submetidos às seguintes análises: morfométrica, para caracterizar o crescimento muscular hiperplásico e hipertrófico no músculo branco; imunohistoquímica, para analisar a expressão dos fatores de regulação miogênica MyoD e miogenina e a expressão da proteína PCNA no músculo branco; histoquímica da ATPase miofibrilar (mATPase) e à eletroforese em gel de poliacrilamida ? duodecil sulfato de sódio (SDS-PAGE) para observar as características da mATPase e da cadeia pesada da miosina nos músculos branco e vermelho, respectivamente. Os resultados indicaram que a expressão de MyoD e miogenina foi similar em alevinos, juvenis e adultos de 90 dias...

Avaliação funcional e estrutural da interação entre a quinase de adesão focal e a miosina sarcomérica; Structural and functional assessment of the interaction between focal adhesion kinase and sarcomeric myosin

Aline Mara dos Santos
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 15/02/2011 PT
Relevância na Pesquisa
38.06%
A tirosino-quinase de adesão focal (FAK) tem papel crítico na mediação da migração, sobrevivência e proliferação celular. Estudos anteriores de nosso laboratório demonstraram que a FAK é ativada pelo estresse mecânico em miócitos cardíacos e que ela se coimunoprecipita com a miosina sarcomérica. No presente trabalho foi demonstrado que o domínio FERM da FAK medeia à interação com a miosina sarcomérica, sendo que esta interação leva a inibição da autofosforilação da FAK, enquanto que a ativação prévia da FAK reduz sua interação com a miosina in vitro. Ensaios de cross linking acoplado a espectrometria de massas e espalhamento de raios X a baixos ângulos demonstraram que a miosina interage em uma fenda localizada entre os subdomínios do domínio FERM. Experimentos de microscopia confocal demonstraram que estas proteínas estão colocalizadas em miócitos cardíacos de ratos neonatos e adultos. Ensaios de imunoprecipitação revelaram que aproximadamente 40% da FAK está basalmente associada à miosina sarcomérica enquanto que, após o estiramento celular esta associação reduziu paralelamente à ativação da FAK. A porcentagem de FAK associada à miosina não se alterou com a ativação da FAK após tratamento com fenilefrina...

Caracterização molecular de domínios funcionais de miosinas de drosophila melanogaster; Molecular characterization of drosophia melanogaster myosins functional domains

Carla Cristina Polo
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 08/04/2012 PT
Relevância na Pesquisa
27.97%
As miosinas pertencem a uma família de proteínas motoras que através da hidrólise de ATP são capazes de se movimentarem pelas fibras de actina. Sua estrutura é dividida em três domínios principais: motor, responsável pela hidrólise do ATP; regulador, envolvido na ligação de cadeias leves de calmodulina e a cauda, que tem papel essencial na mediação de interações com cargas celulares, como organelas, ácidos nucleicos e outras proteínas. O organismo modelo para insetos, Drosophila melanogaster, possui 11 miosinas pertencentes a 8 classes sendo que informações funcionais e bioquímicas são escassas, e estruturais, inexistentes. Apesar dos grandes avanços obtidos nos estudos de miosinas humanas, as miosinas de inseto ainda são pouco caracterizadas não havendo estudos comparativos, como por exemplo, para a determinação de conservação de parceiros moleculares entre os diferentes filos da classificação de Lineu. Neste contexto, foram selecionados os seguintes domínios de inseto para caracterização molecular: quinase da miosina III, cauda globular da miosina V e FERM da miosina XV. A partir do cDNA da pupa e adulto do inseto foram amplificados os fragmentos de genes de interesse e clonados em vetor de clonagem...

Interacção de oligómeros de vanadato com miosina de músculo esquelético

Tiago, Teresa
Fonte: Universidade do Algarve Publicador: Universidade do Algarve
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2000 POR
Relevância na Pesquisa
37.88%
Relatório de estágio de licenciatura, Bioquímica, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve, 2000; Grande parte da importância biológica que se atribui ao vanádio, está associada à sua forma pentavalente (vanadato), que por virtude de ser um análogo estrutural do ortofosfato, tem efeitos inibitórios, estimulatórios e regulatórios em processos bioquímicos que, em muitos casos se devem à formação de complexos enzima-vanadato via substrato. Um exemplo disso, é o da inibição da actividade ATPásica da miosina pelo vanadato, a qual se deve à formação de um complexo ternário estável M-ADP-Vi no sítio activo da proteína. Contudo, nas soluções de vanádio (+5), Vi pode coexistir em equilíbrio com diferentes espécies oligoméricas (i =1 - 10), tais como a monomérica (V1), dimérica (V2), tetramérica (V4) e decamérica (V10). Por este motivo, a contribuição de diferentes espécies oligoméricas de vanadato na inibição da actividade ATPásica da miosina foi estudada, combinando-se estudos de cinética enzimática com espectroscopia de 51V-RMN. Os estudos cinéticos indicaram que a solução de “decavanadato” contendo essencialmente duas espécies de vanadato, V1 e V10, tem um poder inibitório muito superior à solução de “metavanadato” contendo uma mistura de pelo menos quatro espécies de vanadato diferentes (V1...

Nitração de tirosinas na miosina: consequências funcionais

Palma, Pedro; Aureliano, M.
Fonte: Universidade do Algarve Publicador: Universidade do Algarve
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2008 POR
Relevância na Pesquisa
37.41%
Relatório de estágio de licenciatura, Bioquímica, Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade do Algarve, 2000; Tem sido demonstrado que o biomarcador 3-nitrotirosina (3-NT), frequentemente utilizado na reactividade do peroxinitrito (ONOO-) com as proteínas, aumenta na miosina após fibrilação atrial [Mihm et al, 2001b, 2003; Kooy et al, 1997] e durante o envelhecimento [Kansky et al, 2005a, 2005b; Hong et al, 2007].; The frequently used 3-nitrotyrosine (3-NT) biomarker of peroxynitrite (ONOO-)-reactivity to proteins has been shown to increase on myosin after atrial fibrillation [Mihm et al, 2001b, 2003; Kooy et al, 1997] and during aging [Kansky et al, 2005a, 2005b; Hong et al, 2007].

Susceptibilidade do subfragmento-1 de miosina de músculo esquelético de coelho ao peroxinitrito

Simão, Sónia Daniel Glória
Fonte: Universidade do Algarve Publicador: Universidade do Algarve
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2004 POR
Relevância na Pesquisa
37.59%
Relatório de Estágio de Licenciatura em Bioquímica,Universidade do Algarve,Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2004; Foi já demonstrado que, em disfunções cardíacas, o compartimento miofibrilar é um local de formação de peroxinitrito (ONOO-) e consequente nitrosilação das proteínas miofibrilares. Existe muito pouca informação, in vitro, acerca dos mecanismos pelos quais as proteínas miofibrilares são afectadas por esta espécie. Por este motivo, neste trabalho determinou-se a susceptibilidade do subfragmento-1 (S1) de miosina de músculo esquelético de coelho a uma exposição aguda e crónica, in vitro, à espécie ONOO-, produzida sinteticamente ou por decomposição de SIN-1, um composto que liberta simultaneamente as espécies .O e NO., que ao reagirem entre si formam o ONOO-. Os efeitos no S1 foram determinados medindo a actividade Mg2+-ATPase estimulada por F-actina, as actividades não-fisiológicas, Ca2+- e K+/EDTA-ATPase bem como a oxidação de cisteínas e nitrosilação de tirosinas. Testou-se ainda o ascorbato, GSH e NADH na protecção contra o ONOO-. Observou-se que a exposição crónica é mais eficiente que a exposição aguda e origina uma inibição da Mg2+-ATPase estimulada por F-actina na ordem dos 50% com 31...

Interacção do vanádio com a miosina de músculo esquelético de coelho

Pereira, Joana
Fonte: Universidade do Algarve Publicador: Universidade do Algarve
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
37.72%
Relatório de projecto de licenciatura, Bioquímica, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, 2009; A exposição a vanádio conduz a uma diminuição na actividade ATPásica da miosina e provoca a oxidação dos grupos sulfidrilo desta proteína. No entanto, não está integralmente esclarecido quais os efeitos específicos que ocorrem na miosina quando exposta ao vanádio. Nesse sentido, interessou determinar in vitro quais as alterações estruturais, funcionais e moleculares ocorridas no Subfragmento-1 de miosina de músculo esquelético de coelho após a exposição crónica a soluções de metavanadato, decavanadato e vanadilo. Verificou-se que a exposição de S1 (0,05 mg/mL) a decavanadato inibe a sua actividade Mg2+-ATPásica, sendo o valor de IC50 para esta inibição de 26,6 ± 0,7 µM decavanadato. Na presença de actina, o valor de IC50 é de 28 ± 1 µM decavanadato. A perda de funcionalidade proteica poderá dever-se à oxidação de 2 resíduos de Cys de S1 não expostos ao solvente, após exposição a 1000 µM de decavanadato. Verificou-se que as espécies oligoméricas de vanádio com maior afinidade para o S1 são o decavanadato e o tetravanadato. Revelaram-se os possíveis ligandos do vanádio no S1...

Pesquisa de marcadores para os genes da cadeia pesada da beta-miosina cardíaca e da proteína C de ligação à miosina em familiares de pacientes com cardiomiopatia hipertrófica

Tirone,Adriana Paula; Arteaga,Edmundo; Pereira,Alexandre da Costa; Krieger,José Eduardo; Buck,Paula de Cássia; Ianni,Barbara Maria; Mady,Charles
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC Publicador: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
38.06%
OBJETIVO: Estudar os marcadores moleculares para os genes da cadeia pesada da beta-miosina cardíaca e da proteína-C de ligação à miosina em familiares de portadores de cardiomiopatia hipertrófica. MÉTODOS: Foram estudadas 12 famílias que realizaram anamnese, exame físico, eletrocardiograma, ecocardiograma e coleta de sangue para o estudo genético através da reação em cadeia da polimerasse. RESULTADOS: Dos 227 familiares 25% eram acometidos, sendo 51% do sexo masculino com idade média de 35±19 (2 a 95) anos. A análise genética mostrou ligação com o gene da b-miosina cardíaca em uma família e, em outra, ligação com o gene da proteína C de ligação à miosina. Em cinco famílias foram excluídas ligações com os dois genes; em duas, a ligação com o gene da proteína C de ligação à miosina, porém para o gene da b-miosina os resultados foram inconclusivos; em duas famílias os resultados foram inconclusivos para os dois genes e em uma foi excluída ligação para o gene da b-miosina mas ficou inconclusivo para o gene da proteína C de ligação à miosina. CONCLUSÃO: Em nosso meio, talvez predominem outros genes que não aqueles descritos na literatura, ou que existam outras diferenças genéticas relacionadas com a origem de nossa população e/ou fatores ambientais.

Perfil de imunoglobulinas e correlação de autoanticorpos com a ocorrência de diversas formas clínicas em pacientes chagásicos crônicos

Nunes, Daniela Ferreira
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde; Ciências da Saúde Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde; Ciências da Saúde
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
27.72%
Introdução: O dano miocárdico na doença de Chagas resulta tanto da ação parasitária quanto da resposta imune do hospedeiro humano. O mimetismo molecular entre proteínas do Trypanosoma cruzi e vários antígenos do hospedeiro tem sido amplamente descrito gerando células T CD8+ e anticorpos autorreativos. Entretanto, a geração dos autoanticorpos e seu papel na imunopatogenia da doença de Chagas ainda não têm sido elucidados, o que nos levou, neste trabalho, a avaliar a produção de imunoglobulina G total (IgGt) e seus isotipos anti-T. cruzi, proteínas cardíacas e sua possível associação com as diferentes formas clínicas da doença de Chagas. Métodos: A produção de IgGt e isotipos foi mensurada pelo método de ELISA no soro de pacientes com as formas clínicas indeterminada (IND, n=72), cardíaca (CARD, n=47) e digestiva/cardio-digestiva (DIG/CARD-DIG, n=12) da doença de Chagas, usando como antígenos as formas epimastigota e tripomastigota do T. cruzi e proteínas cardíacas humana (miosina e troponina T). As amostras de indivíduos não infectados saudáveis (CONT, n= 30) e pacientes com cardiomiopatia isquêmica (ISCH, n=15) foram usadas como controle. Os títulos de autoanticorpos foram correlacionados com parâmetros da função cardíaca obtidos por exames eletrocardiográficos...

Imunodetecção em frações protéicas de cérebro de abelha Apis mellifera de proteínas associadas a vesículas sinápticas, miosina-V e CA2+/ calmodulina quinase II (CaMKII)

Moraes, Viviane Rodrigues Alves de
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
37.41%
A neuroplasticidade e a capacidade de aprendizagem estão diretamente relacionadas a neurotransmissão, envolvendo eventos pré e pós sinápticos. Estudos neurobiológicos em abelhas A. mellifera revelam, uma plasticidade neural simples e eficiente envolvida em processos de aprendizado e memória. No presente estudo, por meio de immnublottings, proteínas SNAREs , um motor molecular , a miosina-V, e , CaMKII são identificadas em frações protéicas de cérebro desta abelha, incluindo para sintaxina e CaMKII as castas, zangão e rainha. Com o objetivo de estabelecer comparações entre a imunoreatividade relativa de cada anticorpo, foram feitas preparações semelhantes para cérebro de coelho, rato, e pintainho. Além das frações H,S1,P1,S2,P2, fez-se a fração enriquecida em membrana de vesículas P2TX, para abelha, coelho, rato e pintainho, nas quais o anticorpo antimiosina- V foi sondado. Em adição, frações protéicas de regiões do cérebro da abelha foram testadas, com os anticorpos anti-clatrina e anti-CaMKII. Assim, a imunoreatividade aos anticorpos gerados em vertebrados, mostra que em himenóptero, existe uma identificação de regiões conservadas. Essa ortologia sugere um compartilhamento dos princípios básicos comuns com outros organismos...

Precipitação de actomiosina de vertebrados por congelamento de fração solúvel

Dias, Decivaldo dos Santos
Fonte: Universidade Federal de Uberlândia Publicador: Universidade Federal de Uberlândia
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
28.1%
RESUMO GERAL - Miosinas são proteínas motoras que translocam sobre filamentos de actina e atualmente constituem uma superfamília com 20 classes. Algumas são conhecidas apenas a estrutura primária através de seqüência gênica, outras já estão bem caracterizadas bioquimicamente, como as miosinas I, II e V. São amplamente distribuídas em todas as células eucarióticas. Apresentam como características bioquímicas: alta atividade ATPase na presença de EDTA e alta concentração de potássio (atividade K/EDTA-ATPase) e uma baixa atividade Mg2+-ATPase, que é estimulada por F-actina. Preparação de actomiosina é obtida a partir da precipitação de fração solúvel de cérebro tanto em baixa quanto em alta força iônica e esse processo de precipitação constitui um passo importante para purificar e caracterizar miosina II e V a partir de fração solúvel de cérebro. Miosina II é precipitada quando a fração solúvel de cérebro é dializada contra tampão de baixa força iônica, enquanto que, miosina V é precipitada seletivamente em relação à miossina II, quando a fração solúvel de cérebro é tratada com alta força iônica, sendo postulado que essa precipitação de miosina (II e V) seja resultado de sua interação com actina e vesículas. Recentemente temos obtido a precipitação de actomiosina a partir do congelamento de fração solúvel de cérebro ou testículo de rato. Neste trabalho mostramos a purificação de miosina II de testículo de rato e a obtenção de actomiosina de cérebro de suino...

Caracterización de la estructura del subfragmento SI de la miosina.

García de la Torre, José; Mellado Jiménez, Pelayo; López Martínez, María del Carmen
Fonte: Murcia, Secretariado de Publicaciones e Intercambio científico, Universidad de Murcia Publicador: Murcia, Secretariado de Publicaciones e Intercambio científico, Universidad de Murcia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
SPA
Relevância na Pesquisa
37.97%
Es bien conocido que la miosina es el agente esencial en un proceso tan importante para la vida como es la contracción muscular. El fundamento de la actual investigación sobre la base molecular de la contracción muscular es el modelo del filamento deslizante de Huxiey (I). De los dos filamentos que aparecen en el músculo, el grueso contiene miosina, y el delgado está formado por actina. Mediante estudios de degradación enzimática se ha demostrado que la miosina está compuesta por cuatro fragmentos. Por microscopía electrónica se observa que la miosina contiene una porción fibrosa, denominada varilla («rod»), existiendo en un extremo de la misma dos porciones globulares denominadas «cabezas» o subfragmentos SI. La varilla es susceptible de ataque proteolítico, dando lugar a los otros dos subfragmentos denominados meromiosina ligera, LMM, y subfragmento S2. La estructura de la miosina se indica esquemáticamente en la figura I. La base del mecanismo de Huxiey consistió en suponer que las dos zonas que conectan los cuatro subfragmentos se comportan como articulaciones parcialmente flexibles. Así, la varilla se puede doblar, entrando en contacto las cabezas de miosina con el filamento delgado. Además...

El mecanismo molecular de la regulación de la contracción muscular

Padrón,Raúl
Fonte: Sociedad Venezolana de Farmacológia y Farmacológia Clínica y Terapéutica. Escuela de Medicina; José Maria Vargas. Cátedra de Farmacológia, piso 3, esquina san jacinto, San José Caracas Publicador: Sociedad Venezolana de Farmacológia y Farmacológia Clínica y Terapéutica. Escuela de Medicina; José Maria Vargas. Cátedra de Farmacológia, piso 3, esquina san jacinto, San José Caracas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2008 ES
Relevância na Pesquisa
27.81%
La estructura de los filamentos gruesos de músculo estriado en el estado relajado ha sido finalmente comprendida a nivel molecular. La estructura revela interacciones intra- e intermoleculares que mantienen las cabezas de miosina unidas formando hélices adosadas a la superficie del filamento grueso. La fosforilación de las cadenas ligeras reguladoras de la miosina induce el debilitamiento de estas interacciones permitiendo la activación de los filamentos gruesos, produciendo el desorden y la liberación de las cabezas de miosina, y permitiendo su interacción con los filamentos delgados. Estos resultados abren las puertas para la comprensión del mecanismo molecular de la regulación ligada a miosina de la contracción muscular, de relevancia ya que las mutaciones asociadas a la cardiomiopatía hipertrófica medioventricular están ubicadas cercanas al sitio de fosforilación en las cadenas ligeras reguladoras de miosina.