Página 1 dos resultados de 763 itens digitais encontrados em 0.004 segundos

Memória coletiva e insurgência contra o olvido: em favor da convivência na escola

Fischmann, Roseli
Fonte: Rio de Janeiro Publicador: Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
66.48%
O artigo busca analisar como o abandono amnésico a que o Estado e a sociedade brasileira têm relegado a memória coletiva pode impactar a convivência escolar, por meio de estudo comparativo, com base em levantamento bibliográfico e documental. Procura discutir o direito à memória como fonte de transformação social, em especial na escola. Pontua a reflexão de Habermas sobre o "Memorial às vítimas da Guerra e da dominação violenta", em Berlim. Analisa temas ligados à discriminação a indígenas e negros no Brasil, bem como dispositivos constitucionais que devem repercutir sobre o fazer escolar, a gestão, e sobre políticas públicas de educação. Tendo como objetivo propiciar alguns meios que auxiliem na definição de políticas públicas de educação, procura sugerir fontes de subsídios, na escola e na sociedade, para a reflexão sobre relevantes processos que têm sido marginalizados da consciência nacional e, contudo, resistem como conteúdos recalcados que retornam quando e onde menos se espera.

Entre a memória coletiva e a história de "cola e tesoura": as intrigas e os malogros nos relatos sobre a fábrica de ferro de São João de Ipanema; Between collective memory and the "scissors-and-paste" history: the intrigues and the failures in reports about the iron factory of São João de Ipanema

Tomasevicius Filho, Eduardo
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 08/10/2012 PT
Relevância na Pesquisa
66.4%
Essa dissertação analisa a construção da história e da memória da Fábrica de Ferro de São João de Ipanema, na região de Sorocaba, a partir do referencial teórico de R.G. Collingwood, o qual formulou a conhecida história de cola e tesoura, com o intuito de questionar escritas da história ou práticas historiográficas em que seus autores apenas trabalham de maneira acrítica com relatos já produzidos, recortados de fontes disponíveis ao pesquisador e selecionados a partir de operações de lógica formal: informações recorrentes no mesmo sentido são colados no texto e as informações discordantes são selecionadas, descartando-se a supostamente errada ou inexata. Além disso, também se usou a distinção entre memória, memória coletiva, história e esquecimento, presentes, sobretudo, nos trabalhos de Maurice Halbwachs Paul Ricoeur, bem como as noções de progresso e da historia magistra vitae, que aparecem sobretudo nos relatos produzidos no século XX. Esta Fábrica, que foi uma dos primeiros empreendimentos industriais do Brasil, cuja origem remonta ao século XVI, despertou o interesse de várias personalidades, como Pedro Taques, Martim Francisco, José Bonifácio, Vergueiro, Varnhagen e Calógeras, entre outros que escreveram sobre esse estabelecimento por diversas razões...

A memória coletiva e a construção da identidade em famílias da Sociedade Israelita de Ribeirão Preto; The collective memory and identity construction in families from Israeli Society of Ribeirão Preto.

Cosentino, Milena Callegari
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/06/2013 PT
Relevância na Pesquisa
66.53%
As mutações da sociedade atual e a aceleração do tempo histórico levam a um impulso de coesão com e no passado, de arraigo às origens, buscando pistas de identidade contidas nesse passado coletivo. Os fenômenos da globalização parecem conduzir a uma necessidade de enraizamento e de continuidade; necessidades preenchidas pela memória. Esta, na perspectiva de Maurice Halbwachs, possui ao mesmo tempo um caráter individual e um coletivo, sendo, em parte, modelada pela família e pelos grupos sociais. Revela tanto aspectos da identidade pessoal como social e aponta qual lugar os indivíduos e os grupos ocupam na sociedade. A tradição judaica é a tradição da memória por excelência e a história do povo judeu ilustra os mecanismos da memória e da lembrança. Nesta tradição os rituais e os relatos são canais que transmitem a memória através dos tempos. O objetivo desta pesquisa foi estudar como membros e familiares de uma comunidade judaica vivem a memória coletiva e o que isso significa em suas vidas cotidianas, visando apreender o processo de construção da identidade individual. Entrevistamos 13 pessoas, de cinco famílias diferentes, descendentes de judeus que imigraram para o Brasil. O contato foi proporcionado pela Sociedade Israelita de Ribeirão Preto. Para entrevistar...

O hipertexto como potencializador da memória coletiva : um estudo dos links na web 2.0

Aquino, Maria Clara Jobst de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
66.46%
A comunicação mediada por computador (CMC) no final da década de 90 reconfigura os padrões comunicacionais ao possibilitar a emergência de um modelo de comunicação todos-todos. Mesmo que a parcela de indivíduos com acesso à Internet hoje ainda seja reduzida, a CMC elevou exponencialmente o número de indivíduos capazes de assumir o papel de emissor em processos comunicacionais (FRAGOSO, 2007). Com a criação do termo web 2.0 em 2003, a web vive uma nova fase, cuja principal característica é a cooperação. As práticas hipertextuais têm seus padrões reconfigurados na web 2.0 e os internautas passam a não somente emitir informações como também representá-las e recuperá-las através de ferramentas específicas. A partir de um resgate histórico do hipertexto, este trabalho busca relacionar a prática hipertextual com a memória coletiva e partindo da teoria da inteligência coletiva de Pierre Lévy (1993, 1997) esta pesquisa busca demonstrar como se dá a potencialização da memória coletiva na web 2.0 através de processos hipertextuais de representação e recuperação de informações.; The computer mediated communication (CMC) in the end of the 90’s reconfigures the communications standards when making possible the emergence of a communication model many-to-may. Even if the number of individuals with Internet access today is still reduced...

A memória como reinvenção do vivido: um estudo de caso sobre memória coletiva e representações sociais na comunidade Serrinha, Florianópolis (SC).

Assunção, Andréia Carvalho
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: 95 f.
PT_BR
Relevância na Pesquisa
66.45%
TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Curso de Ciências Sociais.; Este trabalho acadêmico, realizado para fins de conclusão do Curso de Ciências Sociais da UFSC, resulta da investigação sobre as percepções e memórias dos moradores da comunidade da Serrinha, situada no Maciço do Morro da Cruz, Florianópolis/SC. A partir das lembranças dos “antigos” da comunidade, a pesquisa apresenta o cotidiano e trajetórias desses habitantes que vivem em um lugar que passa por um processo de Revitalização, obra da Prefeitura Municipal de Florianópolis/SC relacionada com o Programa de Aceleração do Crescimento – PAC, do Governo Federal. No arcabouço teórico utilizaram-se teorias relacionadas com as representações sociais, memória coletiva e alguns conceitos da Antropologia Urbana. Ao final do trabalho, refletem-se as representações sociais apresentadas na narração desses interlocutores aliadas às lembranças que constroem a memória coletiva que estes moradores carregam em suas trajetórias individuais.

Entre o passado e o presente, a afirmação da memória como direito fundamental

Maia Filho, Mamede Said
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
56.55%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Direito, Programa de Pós-Graduação, 2013.; Passados mais de vinte anos do fim das ditaduras que varreram a América Latina nas últimas décadas do século passado, o continente, e o Brasil em particular, defronta-se com uma memória coletiva fragmentária e incompleta, cujo enfrentamento ainda não se deu de forma pública e transparente. Os embates ocorridos nesses países, tendo como protagonistas, de um lado, opositores que agiam à margem da lei tacanha então vigente, e, de outro, regimes autoritários, degeneraram em cruéis e sistemáticas violações dos direitos humanos. Tão logo se deu a redemocratização nesses países, foram postos em prática diversos mecanismos e políticas que visavam estabelecer o esquecimento e a reconciliação nacional , numa estratégia de manipulação e de anulação da memória que ainda não foi plenamente superada. A presente pesquisa pretende investigar em que medida a memória do passado torna possível a concretização do direito à verdade e se constitui num pressuposto da democracia, da busca pela realização da justiça e de legitimação da identidade coletiva. Analisando a memória sob diferentes perspectivas...

Violações de direitos humanos, lei e memória coletiva

Savelsberg,Joachim J.
Fonte: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2007 PT
Relevância na Pesquisa
66.58%
Respostas institucionais a violações maciças dos direitos humanos e do direito humanitário podem afetar os registros de direitos humanos futuros, pois, entre outras implicações, contribuem para aviventar a memória coletiva referente aos capítulos sombrios da história de uma nação. Este artigo explora, primeiramente, as idéias teóricas concernentes ao impacto que respostas legais podem ter sobre a memória coletiva e o trauma cultural. Em seguida, procede a um exame das formas de mensuração empírica dos efeitos de processos jurídicos sobre a memória coletiva, discriminando sistematicamente os passos seguidos em estudos recentes acerca da memória coletiva de atrocidades, tomando como exemplos as guerras do Vietnã e dos Bálcãs enquanto reportadas pelo New York Times e em livros de história dos Estados Unidos. Alguns dos resultados desses estudos são relatados, indicando os efeitos condicionais e seletivos de processos criminais incidentes sobre a memória coletiva. Por fim, são elaboradas conclusões visando a pesquisas futuras na América Latina e alhures.

Memória coletiva e insurgência contra o olvido: em favor da convivência na escola

Fischmann,Roseli
Fonte: Fundação CESGRANRIO Publicador: Fundação CESGRANRIO
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 PT
Relevância na Pesquisa
66.4%
O artigo busca analisar como o abandono amnésico a que o Estado e a sociedade brasileira têm relegado a memória coletiva pode impactar a convivência escolar, por meio de estudo comparativo, com base em levantamento bibliográfico e documental. Procura discutir o direito à memória como fonte de transformação social, em especial na escola. Pontua a reflexão de Habermas sobre o "Memorial às vítimas da Guerra e da dominação violenta", em Berlim. Analisa temas ligados à discriminação a indígenas e negros no Brasil, bem como dispositivos constitucionais que devem repercutir sobre o fazer escolar, a gestão, e sobre políticas públicas de educação. Tendo como objetivo propiciar alguns meios que auxiliem na definição de políticas públicas de educação, procura sugerir fontes de subsídios, na escola e na sociedade, para a reflexão sobre relevantes processos que têm sido marginalizados da consciência nacional e, contudo, resistem como conteúdos recalcados que retornam quando e onde menos se espera.

Uma história de vida e uma vida de histórias: memória e oralidade no Romanceiro de Dona Militana

Santos, Edilberto Cleuton dos
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem; Linguística Aplicada; Literatura Comparada Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; BR; UFRN; Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem; Linguística Aplicada; Literatura Comparada
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
56.56%
Este estudio trata de establecer relaciones sobre la importancia del fenómeno sociocultural que emerge de Doña Militana para la cultura potiguar. Para tanto tomamos sus recuerdos de los romances como parte de un contexto social, relacionados con el tiempo y el espacio, que afecten a la vida material y moral de su grupo social. Resaltamos, por lo tanto, el fenómeno de la memoria individual en su relación con la memoria colectiva. Proponemos, en este sentido, suponer que el mantenimiento y permanencia de estos romances en la memoria de la romancera revelan una dinámica de su grupo social para la formación de su identidad. En este sentido, nos servimos como referencial teórico de los estudios de Maurice Halbwachs, en lo que respecta a los debates sobre la memoria colectiva, en paralelo a los estudios de Paul Zunthor cuando se trata de las funciones de la oralidad para la formación de la identidad. Para llevar a cabo los trabajos es de fundamental importancia, por supuesto, el relato de vida de la propia Doña Militana en confronto con los simbolismo culturales contenidos en los romances, con el objetivo que flagremos las (co)incidencias que demarquen la identidad de sus vínculos de identidad con el universo cultural en que está insertado. Como resultado...

Por uma sociologia da memória: análise e interpretação da teoria da memória coletiva de Maurice Halbwachs; For a sociology of memory: analysis and interpretation of Halbwachs' theory of collective memory

Cordeiro, Veridiana Domingos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 17/09/2015 PT
Relevância na Pesquisa
66.66%
O presente trabalho busca realizar uma reconstrução teórica e sistemática da teoria da memória coletiva do sociólogo francês Maurice Halbwachs, dispersamente contida em seus três livros sobre o tema: Les Cadres Sociaux de la Mémoire (1925), La Topographie Léngendaire des Évangiles en Terre Sainte (1941) e póstumo La Mémoire Collective (1950). Para isso, rastreamos e reconstruímos o cenário intelectual da época que versava sobre o tema da memória nas Ciências Humanas, Psicologia e Filosofia, e também as principais influências intelectuais de Halbwachs, a saber, Durkheim e Bergson, a fim de demonstrar quais problemas a teoria da memória coletiva de Halbwachs procurou responder. O núcleo da dissertação está contido na reconstrução da teoria da memória coletiva a partir do rastreamento e reconstrução dos conceitos de memória coletiva e memória individual e também a noção de grupo das obras supracitadas. Após a reconstrução nuclear da teoria, colocam-na à prova em uma demonstração histórica a partir do caso da formação da memória coletiva cristã (a qual também é trabalhada por Halbwachs em seus escritos. Uma vez reconstruída e demostrada teoria, nos dedicamos a definir a memória coletiva contrapondo-a com outros termos: memória social...

Lampiões acesos : a Associação Folclorica e Comunitaria dos "Cangaceiros de Paulo Afonso" - BA e os processos de constituição da Memoria coletiva do cangaço (1956-1988)

Marcos Edilson de Araujo Clemente
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 27/05/2003 PT
Relevância na Pesquisa
56.53%
o autor procura compreender os processos de constituição da memória coletiva do cangaço. Constata que existe em diferentes localidades do sertão nordestino um compromisso com a recuperação da memória de Virgulino Ferreira da Silva, o cangaceiro conhecido por Lampião. O foco da análise é um grupo folclórico denominado cangaceiros de Lampião, localizado na cidade de Paulo Afonso, sertão da Bahia. O autor inscreve a pesquisa em uma perspectiva polissêmica no sentido de desvendar a luta simbólica em tomo da memória do cangaço e de Lampião e os diferentes sentidos em jogo. Duas noções foram particularmente úteis: a de representação, significando os processos de construção espontânea das memórias individual e coletiva; e a noção de Lugares de memória como sendo os lugares em que uma sociedade registra voluntariamente as suas recordações ou as reencontra como uma parte necessária da sua personalidade. O trabalho inicia com uma análise sobre a o surgimento de alguns lugares de memória do cangaço e de memoriais de Lampião em Serra Talhada e Triunfo, no Estado de Pemambuco; Mossoró, Rio Grande do Norte; Poço Redondo, Sergipe e Piranhas, em Alagoas. Aqui se trata de um movimento mais geral de disputas da memória de Lampião. Em seguida analisa os cangaceiros de Paulo Afonso. O autor tenta apreender a sincronia do grupo a partir das memórias individuais e coletivas de alguns fundadores. Da mesma forma...

Texto e dialogismo no estudo da memória coletiva

Wertsch,James V.
Fonte: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2010 PT
Relevância na Pesquisa
56.56%
As ideias bakhtinianas sobre texto e dialogismo oferecem ferramentas importantes para trazer ordem ao caótico e fragmentado campo dos estudos da memória coletiva. Embora a definição de memória coletiva neste momento ainda esteja por ser resolvida, é possível obter alguma compreensão do espectro de opções, situando-se as discussões em termos do contraste entre versões fortes e distribuídas da memória coletiva. Tendo por base a noção de mediação semiótica e as afirmações a ela relacionadas sobre uma versão distribuída da memória coletiva, invoca-se a noção bakhtiniana de texto dialogicamente organizado. O fato de que o 'sistema da linguagem' concebido por Bakhtin inclui as orientações dialógicas do diálogo coletivo, generalizado assim como os elementos gramaticais padrão, significa que ele introduz um elemento essencial de dinamismo na memória coletiva.

Texto e dialogismo no estudo da memória coletiva; Text and dialogism in the study of collective memory

Wertsch, James V.
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/04/2010 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
56.56%
Bakhtinian ideas about text and dialogism provide important tools for bringing order to the otherwise chaotic and fragmented field of collective memory studies. While the definition of collective remembering may remain unsettled at this point, some appreciation of the range of options can be derived by situating discussions in terms of the contrast between strong and distributed versions of collective remembering. Building on the notion of semiotic mediation and associated claims about a distributed version of collective remembering, Bakhtin's notion of dialogically organized text is invoked. The fact that the "language system" envisioned by Bakhtin includes the dialogical orientations of generalized collective dialogue as well as standard grammatical elements means that it introduces an essential element of dynamism into collective remembering.; As ideias bakhtinianas sobre texto e dialogismo oferecem ferramentas importantes para trazer ordem ao caótico e fragmentado campo dos estudos da memória coletiva. Embora a definição de memória coletiva neste momento ainda esteja por ser resolvida, é possível obter alguma compreensão do espectro de opções, situando-se as discussões em termos do contraste entre versões fortes e distribuídas da memória coletiva. Tendo por base a noção de mediação semiótica e as afirmações a ela relacionadas sobre uma versão distribuída da memória coletiva...

“A Aids mudou de cara”: memória coletiva e novas oportunidades para o ativismo da Aids no Brasil

Landau, Caroline
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; "Originais" Formato: application/pdf
Publicado em 10/12/2010 POR
Relevância na Pesquisa
66.42%
Este artigo trata da análise da construção da memória coletiva do ativismo contra o HIV/Aids no Brasil, desenvolvido a partir de entrevistas com quinze ativistas de São Paulo. Neste artigo, examina-se a percepção de um “enfraquecimento” da luta contra a Aids desde os anos 1980/90, os chamados “anos heroicos”, quando se estabeleceu um ativismo poderoso e público que conseguiu angariar conquistas importantíssimas no tratamento de pessoas que vivem com HIV/Aids. Mostra-se que o chamado atual “enfraquecimento” do movimento não considera a emergência de novos caminhos menos visíveis para enfrentar a Aids, que já não requer o mesmo tipo de ativismo dos “anos heroicos”. Conclui-se que esses novos caminhos – o tratamento universal de pessoas que vivem com HIV/Aids, a incorporação da prevenção do HIV/Aids em sistemas de atendimento básico de saúde e o surgimento de novas redes de ativistas – nem sempre são considerados “ativismo”, justamente em razão da memória coletiva do ativismo contra a Aids, que ainda enfatiza as glórias, os métodos e as conquistas dos “anos heroicos”.

Influências de Émile Durkheim e Henri Bergson nas tensões teóricas da teoria da memória coletiva de Maurice Halbwachs

Cordeiro, Veridiana Domingos
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Avaliado pelos pares Formato: application/pdf
Publicado em 19/06/2013 POR
Relevância na Pesquisa
66.42%
O presente trabalho, dado o caráter fragmentado e pouco explorado da obra deMaurice Halbwachs, dá grande atenção a uma pesquisa teórica, que rastreia asprincipais influências de Halbwachs, a fim de demonstrar as possíveis consequênciasem sua teoria social da memória coletiva. Para isso, lançou-se mão da leitura de doislivros de Halbwachs referentes à memória, identificando-se, assim, a influência dopensamento durkheiminiano e bergsoniano ao longo de suas formulações. Em seguida,realizou-se uma leitura interpretativa tanto de Durkhehim, quanto de Bergson, a fim deapontar os possíveis afastamentos e aproximações que Halbwachs mantém com ambos,o que permitiu uma melhor compreensão da tensão teórica presente na teoria damemória coletiva e melhor clarificar os problemas oriundos desta tensão.

Violações de direitos humanos, lei e memória coletiva; Human rights violations, law and collective memory

Savelsberg, Joachim J.
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/11/2007 POR
Relevância na Pesquisa
66.58%
Respostas institucionais a violações maciças dos direitos humanos e do direito humanitário podem afetar os registros de direitos humanos futuros, pois, entre outras implicações, contribuem para aviventar a memória coletiva referente aos capítulos sombrios da história de uma nação. Este artigo explora, primeiramente, as idéias teóricas concernentes ao impacto que respostas legais podem ter sobre a memória coletiva e o trauma cultural. Em seguida, procede a um exame das formas de mensuração empírica dos efeitos de processos jurídicos sobre a memória coletiva, discriminando sistematicamente os passos seguidos em estudos recentes acerca da memória coletiva de atrocidades, tomando como exemplos as guerras do Vietnã e dos Bálcãs enquanto reportadas pelo New York Times e em livros de história dos Estados Unidos. Alguns dos resultados desses estudos são relatados, indicando os efeitos condicionais e seletivos de processos criminais incidentes sobre a memória coletiva. Por fim, são elaboradas conclusões visando a pesquisas futuras na América Latina e alhures.; Institutional responses to gross violations of human rights and humanitarian law may affect future human rights records, partly by contributing to the collective memory of the dark chapters in a nation's history. This article begins with an exploration of various theoretical ideas concerning the impact of legal responses on collective memory and cultural trauma. It examines ways of empirically measuring the effects of law trials on collective memory...

MITOS DE ORIGEM E MEMÓRIA COLETIVA: UM ESTUDO DE GRUPOS QUE MIGRARAM A PARTIR DE POLÍTICAS OFICIAIS DE COLONIZAÇÃO PARA UMA CIDADE DA AMAZÔNIA LEGAL BRASILEIRA

Oliveira (UFRGS), Natália Araújo de; UFRGS
Fonte: Pós - Revista Brasiliense de Pós-Graduação em Ciências Sociais Publicador: Pós - Revista Brasiliense de Pós-Graduação em Ciências Sociais
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 11/06/2014 POR
Relevância na Pesquisa
66.32%
O objetivo do presente artigo é mostrar os mitos coletivos de origem dos Pioneiros e Gaúchos, grupos que migraram para a Amazônia Legal brasileira a partir de políticas de colonização oficiais e também dos indígenas da etnia Xavante, primeiros habitantes da região, revelando, por conseguinte, o relacionamento entre eles. Para tanto, foi realizada uma pesquisa etnográfica na cidade de Nova Xavantina/MT. Como resultado, a pesquisa revela que as ideologias apresentadas pelo governo nas políticas de colonização foram incorporadas à memória coletiva de cada grupo e, portanto, eles divergem quanto ao pioneirismo na região.

A disseminação da tradição e a preservação da memória coletiva na era digital │ The dissemination of tradition and the preservation of collective memory in the digital age

Luvizotto, Caroline Kraus; Docente do Programa de Pós-graduação em Comunicação e do Departamento de Ciências Humanas da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da UNESP – Universidade Estadual Paulista, Campus de Bauru. Pesquisadora do Gru
Fonte: Ibict Publicador: Ibict
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Pesquisa Histórica; Pesquisa Qualitativa; Estudo de Caso Formato: application/pdf
Publicado em 28/05/2015 POR
Relevância na Pesquisa
66.49%
RESUMO Este artigo situa a disseminação de tradições e a preservação da memória coletiva diante do contexto teórico mais amplo trazido pelos estudos da cibercultura e das novas tecnologias de informação e comunicação, à luz da modernidade tardia. Nesse contexto, a internet e, em especial, as ferramentas da web 2.0, considerando as suas especificidades e limitações, podem aproximar atores sociais com a mesma vinculação identitária; proporcionar um ambiente para a disseminação e ensino de uma tradição e preservar a memória coletiva de um povo.Palavras-chave: Tradição; Memória Coletiva; Cibercultura; Era Digital; Modernidade Tardia. ABSTRACT This article addresses the dissemination of traditions and the preservation of collective memory in the broader theoretical context brought by cyberculture studies and new information and communication technologies in the light of late modernity. In this context, the internet and especially web 2.0 tools , considering their specificities and limitations, can approximate social actors with the same binding identity, provide an environment for dissemination and teaching of tradition and preserve the collective memory of a people.Keywords: Tradition; Collective Memory; Cyberculture; Digital Age; Late Modernity.

A folksonomia como hipertexto potencializador de memória coletiva: um estudo dos links e das tags no de.licio.us e no Flickr | Folksonomy as hipertext for potentializing collective memory: a study of links and tags in de.licio.us and Flickr

Aquino, Maria Clara; Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Fonte: Ibict Publicador: Ibict
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 22/09/2008 POR
Relevância na Pesquisa
66.42%
Resumo A comunicação mediada por computador no final dos anos 1990 reconfigura os padrões comunicacionais possibilitando a emergência de um modelo de comunicação todos-todos. Atualmente, a web vive uma nova fase, edificada sob a cooperação. O hipertexto tem seus padrões reconfigurados e os internautas passam a não somente emitir informações como também representá-las e recuperá-las através de ferramentas específicas. Oriundo de uma dissertação de mestrado defendida em 2008, este trabalho apresenta a folksonomia como um tipo de hipertexto e analisa como os processos hipertextuais de representação e recuperação de informação no del.icio.us e no Flickr potencializam a memória coletiva na web. Palavras-chave hipertexto; folksonomia; memória coletiva; web; tags.Abstract Computer mediated communication at the end of the 1990s reconfigures the communications standards making possible the emergence of a many-to-many communication model. Today, the web is different, it is based on a cooperative process. Hypertext is reconfigured and web-users may not only publicize information, but also represent and retrieve it through specific tools. Drawing from a master’s dissertation concluded in 2008, this paper argues that folksonomy is a new type of hypertext and analyses how hypertextual processes of representation and information retrieval in del.icio.us and Flickr can potencialize collective memory in the web.Keywords hypertext; folksonomy; collective memory; web; tags.

A COMPANHIA DE JESUS E OS USOS DA MEMÓRIA: FÉ, ENSINO E DOMINAÇÃO NO BRASIL COLONIAL

Casimiro, Ana Palmira B. S.; Silveira, Camila Nunes Duarte; Almeida, Maria Cleidiana Oliveira de; Mendes, Luciana Canário
Fonte: Revista HISTEDBR On-line Publicador: Revista HISTEDBR On-line
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 28/06/2014 POR
Relevância na Pesquisa
56.5%
A fim de melhor estabelecer uma relação entre a memória coletiva das comunidades ameríndias, essencialmente oralizadas, e a memória dos europeus que, além de possuírem o domínio da escrita, exerciam a dominação dos nativos, tomamos como foco de análise neste artigo distintos elementos da memória. A base teórica que contribuiu com a compreensão desses elementos adveio das considerações feitas por Jacques Le Goff (2012), que trata da memória étnica/coletiva, memória escrita, memória apagada e as relações de poder nelas imbricadas; e dos estudos de Frances Yates (2007) que apresentam um importante estudo da arte da memória.Enfocamos, mais especificamente: sua abordagem no contexto medieval e renascentista quando esta é fortemente incluída no pensamento cristão europeu. Na análise, fizemos uso das cartas elaboradas pelos jesuítas, documentos de importante valor que, embora apresentem uma visão europeia, transmitem informações sobre a memória histórica dos ameríndios sobre aspectos sui generis dos dominantes e dos dominados. Além destes importantes escritos, não desfavorecemos outras imagens as quais contribuíram para um melhor esclarecimento sobre a temática.