Página 1 dos resultados de 307 itens digitais encontrados em 0.001 segundos

Medicalização de mulheres idosas e interação com consumo de calmantes; Medicalization of elderly females and interaction with consumption of tranquilizers

MENDONÇA, Reginaldo Teixeira; CARVALHO, Antônio Carlos Duarte de; VIEIRA, Elisabeth Meloni; ADORNO, Rubens de Camargo Ferreira
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
Investigamos neste estudo a interação entre gênero, envelhecimento e consumo particularizado de calmantes (benzodiazepínicos), procurando entender como, dentro do processo de medicalização da sociedade, essa interação interfere nos modos de utilizar e nas concepções sobre os calmantes e como são (re)significados pelas consumidoras. No estudo, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com 18 mulheres idosas, que a partir de uma análise qualitativa foram interpretadas, à luz dos enfoques teóricos de gênero, transição de idades e medicalização. Essas mulheres eram pertencentes a classes populares da cidade de Ribeirão Preto-SP, pacientes psiquiátricas do serviço público ambulatorial do Núcleo de Saúde Mental, vinculado ao Centro de Saúde Escola da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP). Observamos que o consumo de calmantes é intensificado entre as mulheres idosas, que passam a tratar conflitos e questões cotidianas por meio do uso de medicamentos. As mulheres idosas, com experiência de freqüência dos serviços de saúde, entre eles os psiquiátricos, durante vários anos, conseguem incorporar conhecimentos e experiências sobre o uso dos calmantes, promovendo a sua difusão no meio social.; In this study we researched into the interaction between gender...

Questões de sexualidade masculina na atenção primária à saúde: gênero e medicalização; Issues of male sexuality in primary health care: gender and medicalization; Cuestiones de la sexualidad masculina en la atención primaria de salud: género y medicalización

PINHEIRO, Thiago Félix; COUTO, Márcia Thereza; SILVA, Geórgia Sibele Nogueira da
Fonte: Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação Publicador: Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.46%
Este artigo apresenta pesquisa etnográfica a respeito da abordagem da sexualidade masculina em dois serviços de atenção primária à saúde em Natal/Rio Grande do Norte, Brasil. Seu objetivo é compreender como a sexualidade dos homens usuários dos serviços se apresenta no contexto da assistência, e como as demandas que se configuram nesse âmbito são abordadas. Em entrevistas com usuários e observações do cotidiano dos serviços, destacam-se, como principais problemas: as infecções sexualmente transmissíveis, a prevenção de câncer de próstata e os problemas relativos à ereção. Observa-se uma abordagem profissional superficial, abreviada e ancorada no parâmetro da medicalização. Embora alguns usuários incorporem o discurso médico e se sujeitem à medicalização, é possível identificar sinais de resistência. Discute-se como as insígnias de gênero podem, para além de marcar barreiras na assistência à saúde, provocar a construção de relações dialógicas entre profissionais e usuários homens.; Following the direction of masculinity studies, this paper presents an ethnographic investigation on the approach to male sexuality taken at two primary healthcare units in Natal, Rio Grande do Norte. The objective was to comprehend how the sexuality of male users of the facilities is presented within the care context and how the demands that arise within this context are addressed. In interviews with users and observations of day-to-day activities in the units...

Um relato de vida, um caminho institucional: juventude, medicalização e sofrimentos sociais; A life story and an institutional path: youth, medicalization and social distress; Un relato de vida, un camino institucional: juventud, medicalización y sufrimientos sociales

MALFITANO, Ana Paula Serrata; ADORNO, Rubens de Camargo Ferreira; LOPES, Roseli Esquerdo
Fonte: Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação Publicador: Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.46%
Apresenta-se uma história de vida com o intuito de traçar uma análise das manifestações particulares de uma trajetória individual em diálogo com os elementos presentes na vida de jovens de grupos populares. Foca-se na discussão dos equipamentos sociais na produção de sentidos, lugares e sofrimentos em algumas vidas, ocasionando processos em que "doenças" e medicalização são geradas a partir de problemas sociais. Com base nos pressupostos da pesquisa etnográfica, acompanhou-se a trajetória de uma jovem, por quatro anos, em sua passagem por serviços sociais de atenção à infância e à juventude, assim como de saúde mental. Considera-se que as políticas sociais devem intervir com jovens sob uma compreensão ampliada dos problemas sociais, sendo que o campo da atenção em saúde mental, em conexão com a esfera social, deve cuidar das situações de sofrimento sem que haja a homogeneização das necessidades, traduzindo-se numa iatrogenia e na medicalização do social.; A life story is presented with the aim of analyzing the particular manifestations of an individual path, in dialogue with the elements present in the lives of young people in popular groups. It focuses on discussion of social equipment for production of meanings...

Capturados pelo sexo : a medicalização da sexualidade masculina em dois momentos; Accessed through sex : the medicalization of male sexuality at two different moments

Rohden, Fabiola
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
37.46%
O objetivo deste artigo é refletir sobre a medicalização da sexualidade masculina a partir do contraponto entre dois processos históricos distintos. O primeiro deles se refere ao grande movimento de intervenção na sexualidade masculina ocorrido no início do século XX no Brasil em torno da sífilis e do combate mais geral das doenças venéreas. O segundo diz respeito à medicalização da sexualidade via o foco na disfunção erétil e na chamada andropausa e a criação de uma nova farmacologia do sexo que se torna incontornável na passagem para o século XXI. Esse contraste permite perceber certas diferenças importantes. Destaca- se a nova ênfase na noção de saúde sexual baseada no aprimoramento individual e uso de medicamentos além da promoção do interesse masculino no desempenho sexual como porta de entrada para se chegar ao tratamento da saúde do homem.; The scope of this article is to reflect upon the medicalization of male sexuality based on the counterpoint between two distinct historical processes. The first of these is the major trend towards intervention in male sexuality which occurred in the early twentieth century in Brazil as a result of syphilis and the broader campaign against venereal disease. The second concerns the medicalization of sexuality through the focus on erectile dysfunction and the creation of a new pharmacology of sex which has become inevitable with the transition to the twenty-first century. This contrast enables us to see some important differences. The study highlights the new emphasis on the notion of sexual health based on individual improvement and use of medications. It also demonstrates that the promotion of male interest in sexual performance serves as a gateway to approach the treatment of male health.

ADHD and medicalization: consideration of the senses and meanings of symptoms presented by children diagnosed

Schicotti, Rosana Vera de Oliveira; Abrão, Jorge Luís Ferreira; Gouveia Júnior, Sérgio Augusto
Fonte: Universidade Estadual Paulista Publicador: Universidade Estadual Paulista
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 135-154
POR
Relevância na Pesquisa
37.46%
The present paper is a reflection on the diagnosis of Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD) and its relations to the process of medicalization as well as the meanings and perspectives apprehended through three case studies of children diagnosed with such disorder in a doctoral research in which the main purpose was to understand the meanings and peculiarities of ADHD symptomatology .We’ve utilized the model of qualitative research, grounded in psychoanalytic perspective, and conducted the psychodiagnosis for three children who were referred for psychological treatment. The survey found that those children had few experiences of both continence and frustration tolerance. It was evidenced how the school uses the logic of medicalization to try solving the problems with their children when it came to the school dimension. The variety of symptomatic manifestations and psychic dynamics presented by the cases that were studied revealed the weaknesses and inconsistencies of the referred diagnosis.; El presente trabajo es una reflexión sobre el diagnóstico de Trastorno por Déficit de Atención con Hiperactividad (ADHD), su relación con el proceso de medicalización y los significados presentados en tres casos de niños diagnosticados con este trastorno en una investigación doctoral cuyo objetivo principal fue comprender los significados y las peculiaridades de la sintomatología del ADHD. Trabajamos con el modelo de la investigación cualitativa...

Medicalização e o cuidado em saúde na estratégia de saúde da família; Medicalization and health care in the family health strategy

Raquel Vaz Cardoso
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 25/02/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.78%
A medicalização é um processo social surgido com o advento da medicina moderna e que hoje encontra-se profundamente arraigado nas concepções e práticas de saúdedoença em todo o mundo, bem como em todos os níveis de atenção à saúde. Ela é um fenômeno complexo e possui múltiplos sentidos, sendo exploradas, neste estudo, a sua característica polissêmica e a sua rede de coprodução no âmbito da atenção primária à saúde. Foi realizado estudo qualitativo por meio de revisão narrativa da literatura e de um estudo de caso, para o qual foi utilizada a estratégia de observação participante (agregando técnicas de entrevistas e grupos de discussão na coleta de dados). Objetivou-se, com esta pesquisa, encontrar elementos que deem visibilidade ao processo de Medicalização, às práticas na Estratégia de Saúde da Família consoantes com este processo e, portanto: verificar aspectos do processo de trabalho da equipe de saúde da família, do contexto local das práticas clínicas e de gestão, bem como das diretrizes da Estratégia de Saúde da Família, que possam ser considerados como fatores contribuintes, efeitos ou mesmo expressões de práticas de saúde medicalizantes; analisar as divergências e as aproximações entre o cuidado produtor de saúde e autonomia e as práticas geradoras de heteronomia e iatrogenia no âmbito da atenção primária. Os resultados deste estudo estão apresentados em quatro capítulos. No primeiro...

(Eu) somos lived experience of pregnancy and medicalization

Luca, Francesca de
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 ENG
Relevância na Pesquisa
37.28%
Mestrado em Antropologia; In the past fifty years, pregnancy has gained a lot of interest in social sciences in correspondence with the surge of the body as systematic category of analysis. The pregnant body seems to become a hyper-body on which simultaneously operate biopolitics, economic forces and social imaginaries, all engaged in the creation of a new, dynamic ethic of reproduction. This thesis is an in-depth exploration of the unfolding of my lived experience of pregnancy on the background of the biomedical landscape. Moreover, it analyses the sharing of this experience with three pregnant women that, like me, immigrated in Portugal. It is developed within a phenomenological and critical frame, and takes the form of a dialogue, a dialectical alternation between the autoethnography of my pregnancy and the reflections it triggered in terms of embodiment, medicalization and socialization. The pregnant embodiment that emerges is a liminal one: challenging postulates of subjectivity and individuality, it reflects the complexity of being at once an “I”, (eu) and an “us” (somos).; Nos últimos 50 anos a gravidez tem se revelado um assunto relevante na área das ciências sociais.

Medicalization of global health 4: the universal health coverage campaign and the medicalization of global health

Clark, Jocalyn
Fonte: Co-Action Publishing Publicador: Co-Action Publishing
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em 16/05/2014 EN
Relevância na Pesquisa
37.58%
Universal health coverage (UHC) has emerged as the leading and recommended overarching health goal on the post-2015 development agenda, and is promoted with fervour. UHC has the backing of major medical and health institutions, and is designed to provide patients with universal access to needed health services without financial hardship, but is also projected to have ‘a transformative effect on poverty, hunger, and disease’. Multiple reports and resolutions support UHC and few offer critical analyses; but among these are concerns with imprecise definitions and the ability to implement UHC at the country level. A medicalization lens enriches these early critiques and identifies concerns that the UHC campaign contributes to the medicalization of global health. UHC conflates health with health care, thus assigning undue importance to (biomedical) health services and downgrading the social and structural determinants of health. There is poor evidence that UHC or health care alone improves population health outcomes, and in fact health care may worsen inequities. UHC is reductionistic because it focuses on preventative and curative actions delivered at the individual level, and ignores the social and political determinants of health and right to health that have been supported by decades of international work and commitments. UHC risks commodifying health care...

Medicalization of global health 1: has the global health agenda become too medicalized?

Clark, Jocalyn
Fonte: Co-Action Publishing Publicador: Co-Action Publishing
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em 16/05/2014 EN
Relevância na Pesquisa
37.66%
Medicalization analyses have roots in sociology and have critical usefulness for understanding contemporary health issues including the ‘post-2015 global health agenda’. Medicalization is more complex than just ‘disease mongering’ – it is a process and not only an outcome; has both positive and negative elements; can be partial rather than complete; and is often sought or challenged by patients or others in the health field. It is understood to be expanding rather than contracting, plays out at the level of interaction or of definitions and agenda-setting, and is said to be largely harmful and costly to individuals and societies. Medicalization of global health issues would overemphasise the role of health care to health; define and frame issues in relation to disease, treatment strategies, and individual behaviour; promote the role of medical professionals and models of care; find support in industry or other advocates of technologies and pharmaceuticals; and discount social contexts, causes, and solutions. In subsequent articles, three case studies are explored, which critically examine predominant issues on the global health agenda: global mental health, non-communicable disease, and universal health coverage. A medicalization lens helps uncover areas where the global health agenda and its framing of problems are shifted toward medical and technical solutions...

O médico higienista na escola: as origens históricas da medicalização do fracasso escolar; The higienist doctor in the school: historical origins of the medicalization of school failure

Zucoloto, Patrícia Carla Silva do Vale
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/04/2007 POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
A presente pesquisa teve como objetivo investigar a história das explicações das dificuldades de escolarização das crianças das classes populares, em especial a versão que patologiza o fenômeno, através da análise de conteúdo do discurso médico sobre as concepções de higiene pública e de higiene escolar e do papel do médico na escola nas teses inaugurais da Faculdade de Medicina da Bahia na segunda metade do século XIX. Foram submetidas a análise de conteúdo cinco teses que traziam a questão da higiene das escolas em seus títulos e compreendiam o período histórico de 1869 a 1898, ou seja, o período correspondente à passagem do Império para a República. Os resultados dessa análise foram objeto de uma análise contextual, ou seja, foi realizada a sua inserção no momento histórico em que foram produzidos, tendo em vista a interpretação do conteúdo levantado. Verificou-se que as origens históricas da patologização dos problemas de escolarização das crianças das classes populares estão na defesa da importância da medicina para a escola, importância da presença médica nesta instituição e na concepção preconceituosa de povo brasileiro, central nas teorias adotadas pelos médicos. Concluiu-se que nas primeiras teses médicas sobre instituições escolares estão presentes prescrições que vão se concretizar pouco mais tarde na história da educação brasileira...

A fabricação da loucura na infância: psiquiatrização do discurso e medicalização da criança; La fabricación de la locura en la infancia: psiquiatrización del discurso y medicalización del niño; The madness fabrication in childhood: psychiatrization of discourse and children medicalization

Kamers, Michele
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/04/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
A partir de la experiencia clínica en diversos campos de actuación, la autora reflexiona sobre la psiquiatrización del discurso y la medicalización de la infancia. Indaga de qué forma el saber psiquiátrico fue respondiendo a las demandas sociales que se le dirigieron, cuya respuesta, actualmente, se limitó al diagnóstico de la desviación del comportamiento y el intento de normalización, por medio de la medicación. Para esto, retoma la historia de la psiquiatría infantil y de la clínica médica con niños y niñas, discutiendo de qué manera el discurso médico-psiquiátrico, a través de sus dispositivos disciplinarios, ha sido convocado a responder sobre el malestar que la infancia introduce en el proyecto social en la actualidad.; Based on her clinical experience in several fields, the author proposes to reflect about psychiatrization of discourse and children medicalization. She questions how the psychiatric knowledge has been responding to social demands; the current response is merely a diagnosis of behavioral deviations and an attempt of standardization by medication. This article presents children psychiatry and medical clinic with children history, discussing how the psychiatric medical discourse, through its disciplinary mechanisms...

A medicalização do sofrimento psíquico: considerações sobre o discurso psiquiátrico e seus efeitos na Educação; The medicalization of the psychic suffering: considerations about the psychiatric discourse and its effects on Education

Guarido, Renata
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/04/2007 POR
Relevância na Pesquisa
37.46%
Este estudo analisa criticamente as mudanças observadas no tratamento do sofrimento psíquico na história recente, apontando a contribuição de fatores como: a padronização de sintomas trazida pelas sucessivas edições da série DSM (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), os resultados de pesquisas na neurociência - que tentam fundamentar o funcionamento psíquico em bases orgânicas - e o grande desenvolvimento dos psico-fármacos, fruto de maciços investimentos financeiros. A ação desse conjunto de fatores teve por efeito a perda da noção de sentido/significado dos sintomas e dos sofrimentos subjetivos, própria da psiquiatria clássica, e a crescente medicalização dos indivíduos na sociedade contemporânea. O texto busca alinhavar como aconteceu a produção de uma nova verdade acerca dos sofrimentos psíquicos e amplia essa análise, evidenciando que os procedimentos de medicalização surgidos no cuidado da população adulta foram estendidos também para as crianças. Revê a evolução do tratamento da criança, marcando a interação da pedagogia e da medicina na constituição da psiquiatria infantil. Além disso, busca evidenciar os efeitos dessa verdade sobre os sujeitos, identificando a forma como o discurso técnico (especialmente influenciado pelo discurso médico-psicológico) tem tido lugar no mundo contemporâneo e como este tem influenciado a Educação. Trata de ressaltar...

Medicalization as a Rising Rational Myth: Population Health Implications, Reproduction, and Public Response

Zheng, Hui
Fonte: Universidade Duke Publicador: Universidade Duke
Tipo: Dissertação
Publicado em //2011
Relevância na Pesquisa
38.01%

In this dissertation, I study medicalization, a wide spread phenomenon in this world but understudied in the current literature. The main theoretical focus of this dissertation is on expanding the medicalization theories. Questioning the breadth of conceptualization, the feasibility of measurement, and the depth of empirical implications in the extant medicalization theories, this dissertation proposes a new conceptual model of medicalization and further develops a quantitative measure of medicalization by disaggregating it into empirically valid dimensions that could be used to examine how degree of medicalization is related to social outcomes. Specifically, I conceptualize medicalization as an institutionalization process whereby the medical model becomes increasingly dominant in the explanation of health, illness, and other human problems and behavior. Medicalization is multidimensional and is represented by expansions in the three major components of the health care system: increasing medical investment, medical professionalization/specialization, and the relative size of the pharmaceutical industry.

Based on this new conceptual model and measurement, I probe three research questions: (1) how medicalization may impact population health in the context of recent epidemiologic transitions and how this impact may differ by the stages of epidemiologic transition and socioeconomic development; (2) what are the mechanisms that reproduce medicalization; and (3) how the lay public may respond to medicalization...

Moms, Midwives, and MDs: a Mixed-Methods Study of the Medicalization and Demedicalization of Childbirth

Dalton, Alexandra
Fonte: Universidade Duke Publicador: Universidade Duke
Tipo: Dissertação Formato: 1484902 bytes; application/pdf
Publicado em //2009 EN_US
Relevância na Pesquisa
37.28%

This dissertation explores the simultaneous trends towards increasing and decreasing medical intervention in childbirth. Using the medicalization literature as a theoretical framework, I use a mixed-methods approach to explore how both the medical community and laypeople think about and plan for childbirth.

First, the midwifery and obstetrics literatures from the past 35 years are reviewed to provide a medical and scientific context for the trends seen in childbirth over this time period. Second, descriptive and logistic regression analyses of the Center for Disease Control's Natality dataset, a census of U.S. birth certificate data, provide a picture childbirth trends and an understanding of the relationship between maternal characteristics and medicalized and natural births. Third, 35 qualitative interviews were conducted with pregnant women, focusing on their plans for their children's birth. The interviews also address the factors that influence women's plans and choices for childbirth, thus providing a better understanding of the social factors that affect birth plans.

The key finding of this research is that most women would prefer to be able to have the "best of both worlds" - the ability to experience childbirth as a natural process for as long as is safe and comfortable...

Medicalização de mulheres idosas e interação com consumo de calmantes; Medicalization of elderly females and interaction with consumption of tranquilizers

Mendonça, Reginaldo Teixeira; Carvalho, Antônio Carlos Duarte de; Vieira, Elisabeth Meloni; Adorno, Rubens de Camargo Ferreira
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2008 POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
Investigamos neste estudo a interação entre gênero, envelhecimento e consumo particularizado de calmantes (benzodiazepínicos), procurando entender como, dentro do processo de medicalização da sociedade, essa interação interfere nos modos de utilizar e nas concepções sobre os calmantes e como são (re)significados pelas consumidoras. No estudo, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com 18 mulheres idosas, que a partir de uma análise qualitativa foram interpretadas, à luz dos enfoques teóricos de gênero, transição de idades e medicalização. Essas mulheres eram pertencentes a classes populares da cidade de Ribeirão Preto-SP, pacientes psiquiátricas do serviço público ambulatorial do Núcleo de Saúde Mental, vinculado ao Centro de Saúde Escola da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP). Observamos que o consumo de calmantes é intensificado entre as mulheres idosas, que passam a tratar conflitos e questões cotidianas por meio do uso de medicamentos. As mulheres idosas, com experiência de freqüência dos serviços de saúde, entre eles os psiquiátricos, durante vários anos, conseguem incorporar conhecimentos e experiências sobre o uso dos calmantes, promovendo a sua difusão no meio social.; In this study we researched into the interaction between gender...

Sociedade de tarja preta: uma crítica à medicalização de crianças e adolescentes; Black label society: a critique regarding the medicalization of children and adolescents

Toassa, Gisele; Universidade Federal de Goiás
Fonte: Eduff Publicador: Eduff
Tipo: ; ; ; Artigo Não Avaliado por Pares; resenha Formato: application/pdf
Publicado em 31/08/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
Esta resenha debate o livro “Medicalização de Crianças e Adolescentes: Conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos” ([CRP/SP]; GRUPO INTERINSTITUCIONAL QUEIXA ESCOLAR, 2010), coletânea pioneira em seu rigor e interdisciplinaridade. Qualifica-se como robusta iniciativa em defesa do direito à saúde e educação de crianças e adolescentes, fazendo-se essencial para profissionais, familiares e outros interessados na temática.; This text is a book´s review towards the first edition of “Medicalization of children and adolescents: conflicts silenced by the reduction of social issues to diseases of individuals”, which discusses the publication´s relevance as a criticism of (psycho)pathologies and their treatments. The book succeeds in rigorously deconstructing the “science” that legitimates the attention deficit hyperactivity disorder (ADHD), exposing how the pharmaceutical industry has been systematically concealing the profound collateral effects of the methylphenidate, the drug which treats it. The publication also presents papers by health and education practitioners, representing a remarkable effort directed to change the child/adolescent health care and education.

Tecnificação da vida: uma discussão sobre o discurso da medicalização da sociedade; Technicity of the life: a discussion about the discourse of medicalization in society

Dantas, Jurema Barros; universidade estadual do rio de janeiro
Fonte: Eduff Publicador: Eduff
Tipo: ; ; ; Avaliado por pares; revisão de literatura Formato: application/pdf
Publicado em 30/12/2009 PT
Relevância na Pesquisa
37.28%
Neste artigo pensaremos a noção de medicalização da sociedade e da existência cotidiana como um discurso de “tecnificação” da vida. Numa época onde o homem encontra-se dominado pelo instrumental e pelo funcional, parece fácil creditar a solução de suas inquietações existenciais nas promessas do aparato tecnológico. Nossa contemporaneidade, aderida a uma crença quase absoluta no discurso técnico, parece se anestesiar com as descobertas, cada vez mais recentes, de substâncias que prometem solução para quase todos os nossos problemas. O medicamento, enquanto produto da indústria farmacêutica se apresenta como um possível exemplo desse aparato que, baseado em alta tecnologia, promete o alcance de um bem-estar pessoal e social. Acreditamos que este discurso “tecnificante” da vida se apresenta quase como discurso mítico, onde a apreensão da realidade se dá através de uma narrativa fabulosa cuja eficácia é determinada por uma potência misteriosa e oculta nas mais diversas substâncias.; In this article, we intend to address the notion of medicalization in society as well as the everyday existence as the speech of "technicity" of life. Contemporaneity, subscribed to an absolute belief in technical discourse...

A psiquiatria e a medicalização dos anormais: o papel da noção de transtorno de personalidade antissocial; Psychiatry and the medicalization of abnormals: the role of the notion of antisocial personality disorder; La psiquiatria y la medicalización de los anormales: el papel de la noción de trastorno de personalidad antisocial

Mitjavila, Myriam Raquel; Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis, SC; Gomes Mathes, Priscilla; Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis, SC
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 12/12/2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
http://dx.doi.org/10.5007/1807-1384.2012v9n2p84O artigo analisa a trajetória recente do conceito de transtorno de personalidade antissocial (TPA) no campo da psiquiatria enquanto categoria nosológica que revela algumas das principais tendências contemporâneas dos processos de medicalização da vida social. Examina-se, em particular, seu desenvolvimento como resultado do protagonismo que alcançou a noção de transtorno nos processos de expansão do campo de objetos da psiquiatria, e apresentam-se quatro hipóteses sobre o desenvolvimento do TPA como categoria diagnóstica, as quais se referem aos seguintes aspectos: transferência para o campo da medicina psiquiátrica de funções de controle social de certos comportamentos; perfil dos modelos etiológicos em torno da constituição da personalidade antissocial; definição da família, especialmente da família em contextos de pobreza urbana, como agente patogênico, e caráter moral dos critérios consagrados nos manuais e instrumentos utilizados para o diagnóstico de TPA.; This article analyses the recent trajectory of the concept antisocial personality disorder in the field of psychiatry.  This is a relatively new concept, a nosological category which discloses some of the principal contemporary tendencies of the process of medicalization of social life.  We scrutinize in particular the development of the mentioned concept as the result of the protagonist character achieved by the notion of disorder in the processes of expansion of the field of psychiatry.  We also present four hypothesis related to the antisocial personality disorder...

A abordagem imunitária de Roberto Esposito: biopolítica e medicalização; The approach of Roberto Esposito's immunity paradigm: biopolitics and medicalization; El enfoque inmunitario de Roberto Esposito: la biopolítica y la medicalización

Nalli, Marcos Alexandre Gomes; Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 12/12/2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.28%
http://dx.doi.org/10.5007/1807-1384.2012v9n2p39O objeto do presente artigo é fornecer uma breve apresentação da filosofia de Esposito acerca da biopolítica à luz de suas considerações sobre a pertinência hermenêutica do “paradigma da imunização”, para seu entendimento bem com suas implicações na medicalização da vida. Terminamos por apresentar de modo sumário como o filósofo italiano crê ser possível conceber a biopolítica numa outra estrutura semântica, que tem a vida não mais como objeto de política e sim como realização da potência inovadora da vida.; The purpose of this article is to provide a brief presentation of the philosophy of Esposito on biopolitics in light of his considerations on the relevance of hermeneutics "paradigm of immunization", for their understanding and their implications in the medicalization of life. We end by presenting a summary of how the Italian philosopher believes it is possible to conceive biopolitics in another semantic structure, which has life not as an object of politics but as realization of the innovative power of life.; El objetivo de este artículo es ofrecer una breve presentación de la filosofía de Esposito sobre biopolítica en vista de su examen de la pertinencia de la hermenéutica "paradigma de la inmunización"...

Gender differences and the medicalization of sexuality in the creation of sexual dysfunctions diagnosis

Rohden,Fabíola
Fonte: Estudos Feministas Publicador: Estudos Feministas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2010 EN
Relevância na Pesquisa
37.28%
The article aims to analyze critically the most important and updated contributions focused on the recent stage of the medicalization of sexuality. Most works center on the production of the category and the diagnosis of "sexual dysfunction," considering either the masculine case (more largely studied via "erectile dysfunction"), or the feminine case (in many cases translated into the idea of a supposed complexity of women's sexuality). The perspective I utilize has as a reference the social studies of science and, in particular, the contributions of anthropology and history of medicine. In addition, it incorporates the matrix of the gender and science studies that have produced a powerful critical view of the scientific production of the two last centuries, revealing how the gender conditioners have crossed the relation between knowledge production and social context.