Página 1 dos resultados de 5 itens digitais encontrados em 0.008 segundos

A visão de si dos reclusos anti-sociais : esquemas mal-adaptativos precoces dos reclusos e a sensibilidade à mudança da paranóia

Carvalho, Beatriz Estrela Fazenda Ferreira
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
16.06%
2008) A visão de si dos reclusos anti-sociais: Esquemas Mal- Adaptativos Precoces dos reclusos e a sensibilidade à mudança da paranóiaTITULO Resumo A importância da intervenção terapêutica na população reclusa com vista à sua reabilitação e intervenção social é uma realidade global e incontornável dos nossos dias, constituindo-se pelas múltiplas dimensões um especial desafio para um vasto leque de profissionais. As diversas dificuldades de adaptação ao sistema prisional, assim como a elevada prevalência de psicopatologia observada nesta população, constituem fatores que podem comprometer o sucesso das intervenções reabilitativas em ambiente prisional. Pretendeu-se com esta dissertação conhecer a relação entre os EMP e a Perturbação Anti-Social de Personalidade como fatores discriminativos dessa Perturbação e ainda avaliar se a ideação paranóide é sensível à mudança com a aplicação do programa GPS. A amostra global compreendeu 156 reclusos de 9 estabelecimentos prisionais, tendo sido posteriormente, decomposta em duas sub-amostras diferentes por cada estudo, de forma a garantir uma maior fiabilidade dos dados e um controlo estatístico mais preciso. Os resultados do primeiro estudo revelaram a capacidade dos EMP discriminarem entre sujeitos com e sem Perturbação Anti-Social de Personalidade de uma forma significativa. Estes resultados são expectáveis e vão de encontro a três dos Esquemas Mal-Adaptativos Precoces (Abandono...

A influência da família e da escola na formação de esquemas iniciais desadaptativos em crianças da educação infantil

Lira, Nara Neide Teixeira Soares de
Fonte: Repositório Científico Lusófona Publicador: Repositório Científico Lusófona
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
26.22%
Este estudo investigou a influência da família e da escola na formação de Esquemas Iniciais Desadaptativos, em crianças da 2ª. etapa da Educação Infantil, matriculadas em escolas de Jaboatão dos Guararapes (PE). Com a escolha de uma abordagem qualiquantitativa utilizou-se questionários, entrevistas e observação sistemática. O programa Statistical Package for Social Sciences (SPSS) permitiu tabular e analisar os dados quantitativos obtidos em 21 questionários respondidos pelas famílias, e 14 questionários respondidos pelas professoras. A Análise de Discurso possibilitou organizar os dados qualitativos obtidos nos depoimentos das professoras em três formações discursivas: o papel da família, o papel da escola e as estratégias utilizadas em sala de aula. Com a observação sistemática, realizada em dois momentos, no primeiro e no segundo semestre do ano, foi possível esquematizar os comportamentos apresentados pelas crianças de acordo com os domínios da teoria dos esquemas de Young. Comprovou-se que práticas parentais negativas podem possibilitar a formação de esquemas desadaptativos nas crianças a partir de 4 anos de idade; há esquemas predominantes conforme o gênero da criança; a escolaridade e a renda familiar podem influenciar a formação de esquemas específicos e a atuação das professoras pode reduzir ou até mesmo extinguir os esquemas que estão se formando.; This thesis presents the research’s results on the family and school influences in the formation of Early Maladaptive Schemas in prescholars...

(Re)encontros com o passado: Memórias autobiográficas na depressão e ansiedade generalizada e sua associação com vinculação e esquemas precoces desadaptativos

Pereira, Cátia Filipa dos Santos
Fonte: ISPA - Instituto Universitário Publicador: ISPA - Instituto Universitário
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
26.06%
Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica apresentada ao ISPA - Instituto Universitário; A área das memórias autobiográficas, associadas a casos clínicos, é bastante recente na literatura científica, sendo quase inexistente em Portugal. A sua associação a escalas clínicas também se mostra pouco explorada. O objectivo desta investigação foi estudar as características das memórias autobiográficas e as suas associações e relações com as escalas clínicas utilizadas. A amostra foi constituída por 30 utentes do Serviço de Psiquiatria de um hospital (18 com perturbação depressiva e 12 com perturbação de ansiedade generalizada) que preencheram o Inventário de Sintomas Psicopatológicos, o Inventário de Depressão de Beck, a Escala de Vinculação do Adulto, o Questionário de Esquemas de Young e o Inventário de Ansiedade Estado e Traço, e realizaram a Tarefa de Memórias Autobiográficas. Observou-se que as memórias autobiográficas no grupo clínico com perturbação depressiva são mais negativas do que no grupo clínico com perturbação de ansiedade generalizada. No entanto, não se verificam diferenças entre os dois grupos clínicos quanto à especificidade das memórias autobiográficas. Existe uma congruência entre a valência emocional do estímulo e a valência emocional das memórias autobiográficas. Relativamente à vinculação verificou-se a existência de correlações intragrupais...

A centralidade dos eventos traumáticos em ex-combatentes de guerra

Ribeiro, Sandra Cristina Monteiro
Fonte: ISPA - Instituto Universitário Publicador: ISPA - Instituto Universitário
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
26.33%
Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica, apresentada ao ISPA - Instituto Universitário; Estudos recentes sugerem que a memória de eventos traumáticos tem um impacto significativo na organização dos eventos de vida. Posto isto, investigámos a centralidade dos eventos traumáticos em ex-combatentes de guerra e procurámos analisar a influência dos esquemas precoces na vivência desses eventos. A amostra é constituída por 36 excombatentes de guerra com idades entre os 60 e 82 anos. Administrou-se uma bateria de instrumentos clínicos, questionário sócio-demográfico, inventário de depressão de Beck (BDII), posttraumatic stress disorder (PCL-M), questionário de esquemas e a centrality of events scale (CES). À exceção da CES, todos os instrumentos estão adaptados e validados para a população Portuguesa. Aplicámos a versão Portuguesa dos instrumentos e adaptamos a CES. Os resultados indicam esquemas precoces desadaptativos são preditores da integração central do evento de guerra na memória autobiográfica, destacando-se o esquema “medo de perder o controlo”. Os esquemas desadaptativos são preditores de depressão e stress pós-traumático, havendo comorbilidade de sintomas na amostra. Assim, a CES têm impacto na história de vida...

Influência dos estilos de vinculação e dos esquemas precoces não-adaptativos nas relações interpessoais

Pinheiro, Sofia
Fonte: Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida Publicador: Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2015 POR
Relevância na Pesquisa
66.44%
Dissertação de Mestrado apresentada ao ISPA - Instituto Universitário; As relações interpessoais são as interacções que ocorrem com os outros, determinando aquilo que somos e como nos comportamos. Estas relações interpessoais são influenciadas pelas características pessoais do sujeito, como os esquemas precoces mal-adaptativos que apresenta e o estilo de vinculação que possui. Assim, este estudo tem como primeiro objectivo compreender de que forma os estilos de vinculação e os esquemas precoces mal-adaptativos influenciam o estilo relacional do indivíduo e as suas relações interpessoais. Além disso, é também nosso objectivo perceber estas influências na dinâmica do casal. A amostra foi constituída por 100 casais heterossexuais com uma média de idades de 39 anos. Os instrumentos utilizados foram: o Questionário de Caracterização da Amostra, o Inventário de Sintomas Psicopatológicos (BSI), a Nova Escala Multidimensional de Depressão (Versão 2) - (NMDAS), o Inventário de Ansiedade Estado e Traço – Forma Y (STAI-Y), o Inventário de Depressão de Beck (BDI),a Escala de Vinculação do Adulto (EVA), o Questionário de Esquemas de Young (YSQ) e o Inventário de Problemas Interpessoais (IIP-64). Nos resultados foram encontradas relações entre os estilos de vinculação...