Página 1 dos resultados de 62 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

Estudo preliminar sobre a qualidade de vida de médicos e enfermeiros intensivistas pediátricos e neonatais; Preliminary study about qualify of life of physicians and nurses working in pediatric and neonatal intensive care units; Estudio preliminar sobre la calidad de vida de médicos y enfermeros intensivistas pediátricos y neonatales

FOGAÇA, Monalisa de Cássia; CARVALHO, Werther Brunow de; NOGUEIRA-MARTINS, Luiz Antonio
Fonte: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
37.21%
Comparar a Qualidade de Vida (QV) de médicos e enfermeiros que trabalham em UTI Pediátrica (PED) e Neonatal (NEO) e, também, avaliar se há diferença entre a QV na mesma categoria profissional, mas diferindo de acordo com a unidade de trabalho. Estudo descritivo com 37 médicos e 20 enfermeiros. O WHOQOL-100 foi utilizado. Médicos da PED diferiram estatisticamente no domínio VI (p=0,003), quando comparados com médicos da NEO. Médicos e enfermeiros da PED apresentaram diferença estatística significante no domínio V (p < 0,01), e médicos e enfermeiros da NEO apresentaram diferença estatística significante no domínio VI (p=0,05). A avaliação da QV de médicos e enfermeiros intensivistas pediátricos e neonatais mostrou-se abaixo dos escores encontrados na literatura científica, quando comparados com estudos que avaliaram pacientes com dores crônicas e com prejuízos na saúde mental, evidenciando a ocorrência de estresse ocupacional.; Compare the Quality of Life (QL) of doctors and nurses who work in Pediatric (PED) and Neonatal (NEO) Intensive Care Units, and to evaluate whether there are differences between the QL in the same job category, but differing according to the work unit. This descriptive study was performed with 37 physicians and 20 nurses. The WHOQOL100 was used. Physicians from the PED differ statistically in the field VI (p=0.003) compared with physicians from the NEO. Physicians and nurses from the PED showed a statistically significant difference in field V (p<0.01)...

Associações entre as características de médicos intensivistas e a variabilidade no cuidado ao fim de vida em UTI; Association between physicians characteristics and variability in end-oflife care in the ICU

Forte, Daniel Neves
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 30/09/2011 PT
Relevância na Pesquisa
36.64%
Objetivos: Este estudo investigou as associações entre características dos médicos e a variabilidade de condutas em fim de vida em UTI. Métodos: Um questionário foi aplicado aos médicos das 11 UTIs do HC-FMUSP, apresentando dois casos clínicos. O primeiro apresentava uma paciente em estado vegetativo persistente, sem familiares ou diretivas antecipadas de vontade, com um choque séptico. O segundo, uma paciente de 88 anos, com disfunção de múltiplos órgãos decorrente de uma pneumonia. Investigou-se através do questionário a associação entre condutas e características pessoais, profissionais e educacionais dos médicos. Resultados: Foram analisados 105 questionários (taxa de resposta 89%). A media de idade foi de 38±8 anos, com 14±7 anos de graduação em medicina. A maioria das decisões envolveu exclusivamente médicos (66%), 21% envolveram também enfermeiros. Na análise multivariada, especialistas em Medicina Intensiva (17/22 vs. 46/83, OR=0,205[0,058-0,716], P=0,013) e médicos mais jovens (38±7 vs. 40±8; OR=0,926[0,858-0,998], P=0,045) mais frequentemente envolveram enfermeiros no processo de decisão. Ordem de não reanimação (ONR) foi estabelecida por 89% dos participantes, sendo 44% exclusivamente verbais. Médicos que atribuíram a si mesmo notas mais altas em relação ao conhecimento sobre cuidados paliativos mais frequentemente estabeleceriam uma ONR na análise multivariada (6±2 vs. 3±2...

Idosos em Unidades de Terapia Intensiva na perspectiva de médicos em hospital brasileiro; Old people in Intensive Care Units

Dias, Maria Angélica Ferreira
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 14/04/2014 PT
Relevância na Pesquisa
36.52%
O ritmo intenso do envelhecimento populacional no Brasil tem levado a questionamentos sobre o impacto das mudanças demográficas em diferentes âmbitos da Seguridade Social, dentre os quais destacamos a área da saúde e, mais especificamente, as Unidades de Terapia Intensiva. Os avanços representados pelos princípios do Sistema Único de Saúde, a criação do Estatuto do Idoso e a preocupação com os direitos humanos tornam urgentes reflexões sobre o que se coloca como desafio no atendimento médico à população idosa em UTI. Médicos intensivistas têm sua atuação marcada, dentre outros fatores, pelos sentidos que atribuem à fase da vida e a visão que têm de seus pacientes idosos. Esta pesquisa teve por objetivo compreender quais os sentidos que médicos que atuam em UTI atribuem a velho/velhice/envelhecimento e suas relações com as práticas de assistência prestada aos pacientes idosos. Trata-se de pesquisa qualitativa, realizada por meio de observação participante de reuniões de equipes que atuam em UTI de um hospital escola na cidade de São Paulo, e de entrevistas com médicos que compõem estas equipes. Os dados foram analisados sob a ótica Construcionista. Os resultados apontam para a existência de uma polissemia relacionada à velhice...

Ecocardiografia em terapia intensiva: avaliação de treinamento voltado para intensivistas e emergencistas pediátricos; Focused cardiac ultrasound: a training course for pediatric intensivists and emergency physicians

Gonçalves, Heloisa Amaral Gaspar
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 08/08/2014 PT
Relevância na Pesquisa
47.04%
Introdução: O exame ecocardiográfico direcionado realizado por médicos intensivistas e emergencistas pode ser uma ferramenta valiosa para a avaliação e manejo do estado hemodinâmico de crianças gravemente doentes. O objetivo do presente estudo foi avaliar o aprendizado de médicos pediatras de setores de emergência submetidos a um programa de treinamento teórico e prático supervisionado em ecocardiografia de emergência. Método: Treinamento com componente teórico e prático foi realizado por dois ecocardiografistas experientes e teve como alvo 16 médicos intensivistas/emergencistas pediátricos. O programa incluiu análises qualitativas de função do ventrículo esquerdo (VE) e ventrículo direito (VD), avaliação de derrame pericárdio/tamponamento cardíaco, regurgitação valvar e avaliação de variação respiratória de veia cava inferior através do índice de distensibilidade da veia cava inferior (dVCI), além de medidas objetivas de fração de ejeção (FE) e índice cardíaco (IC). As aulas práticas foram realizadas na unidade de terapia intensiva pediátrica do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas e cada aluno realizou 24 exames direcionados de ecocardiograma durante o treinamento. Os alunos foram avaliados de forma prática...

Avaliação do conhecimento dos intensivistas de Porto Alegre sobre morte encefálica

Schein, Alaor Ernst
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
36.91%
Introdução: A falha ou atraso no diagnóstico de morte encefálica resulta na ocupação desnecessária de um leito, em perdas emocionais e financeiras, e na indisponibilidade de captação de órgãos. O médico intensivista tem fundamental papel nesse diagnóstico, pois quase todos os pacientes encontram-se em unidades de cuidados intensivos no momento do diagnóstico de morte encefálica. Objetivo: Avaliar o conhecimento sobre morte encefálica entre os médicos que atuam em unidades de cuidados intensivos no município de Porto Alegre. Método: Estudo transversal descritivo, com aplicação de um questionário em 246 médicos que trabalham em unidades de cuidados intensivos, em uma amostra consecutiva entre abril e dezembro de 2005. Utilizamos testes estatísticos bilaterais, com um nível de significância alfa de 0,05. Resultados: Encontramos uma prevalência de desconhecimento do conceito de morte encefálica de 17%. Vinte por cento dos entrevistados desconheciam a necessidade legal de exame complementar para o diagnóstico. Quarenta e sete por cento se consideraram no nível máximo de segurança para explicar o conceito para a família de um paciente. Vinte e nove por cento desconehciam a hora do óbito legal para os pacientes em morte encefálica. Os intensivistas pediátricos tiveram um menor conhecimento do conceito em relação aos intensivistas de adultos. Conclusões: O atual conhecimento sobre morte encefálica é insuficiente entre os profissionais que mais freqüentemente se deparam com pacientes nessa situação. Há necessidade de educação sobre o tema a fim de evitar gastos desnecessários...

Decisões éticas na terminalidade da vida : conhecimentos e condutas de médicos intensivistas de Goiás e Distrito Federal

Batista, Kátia Tôrres
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
POR
Relevância na Pesquisa
46.96%
Dissertação (mestrado)-Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2010.; Nos dias atuais, a morte ocorre principalmente em hospitais, nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI). O atendimento a pessoas na terminalidade da vida pode representar situação de extrema dificuldade para os médicos, sobretudo, os intensivistas. Na tentativa de dirimir esses dilemas, o Conselho Federal de Medicina emitiu a Resolução 1.805/2006, que dispõe sobre a legalização da ortotanásia; no entanto, essa resolução tem gerado dúvidas e foi suspensa por decisão liminar pelo Ministério Público. Esse estudo teve por objetivos: (1) descrever conhecimentos e condutas e médicos intensivistas em situações de limitação de suporte vital de acientes no final da vida; (2) analisar, à luz da bioética, os conhecimentos e as condutas concernentes à morte encefálica e à prática da ortotanásia. Realizou-se estudo descritivo, exploratório, com aplicação de questionário anônimo durante evento sobre terapia intensiva realizado na região Centro-Oeste. Técnicas quantitativas e qualitativas foram usadas na coleta e na análise de dados. Participaram quinze médicos que trabalhavam em UTI, dez homens e cinco mulheres, com idade entre 20 e 40 anos. Os participantes relataram conceitos diferentes para ortotanásia...

Entendimento dos médicos intensivistas sobre o processo de doação de córneas

Rodrigues,Adriana Maria; Sato,Elcio
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2003 PT
Relevância na Pesquisa
46.99%
OBJETIVO: Avaliar o conhecimento e atitudes dos médicos intensivistas sobre o transplante de córnea. MÉTODOS: Questionário a 100 médicos intensivistas. RESULTADOS: Todos os médicos conheciam e incentivavam a doação de córneas, porém somente 57% deles haviam feito alguma solicitação para doação. Quarenta e quatro médicos (44%) não se acharam aptos a responder a dúvidas de possíveis doadores e todos estavam interessados em se atualizar a este respeito. CONCLUSÃO: Parece haver falta de informação e divulgação nas escolas médicas sobre transplante de córneas. Um melhor conhecimento dos profissionais da saúde poderia trazer melhoria na situação atual dos transplantes no Brasil.

Estudo preliminar sobre a qualidade de vida de médicos e enfermeiros intensivistas pediátricos e neonatais

Fogaça,Monalisa de Cássia; Carvalho,Werther Brunow de; Nogueira-Martins,Luiz Antonio
Fonte: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2010 PT
Relevância na Pesquisa
36.92%
Comparar a Qualidade de Vida (QV) de médicos e enfermeiros que trabalham em UTI Pediátrica (PED) e Neonatal (NEO) e, também, avaliar se há diferença entre a QV na mesma categoria profissional, mas diferindo de acordo com a unidade de trabalho. Estudo descritivo com 37 médicos e 20 enfermeiros. O WHOQOL-100 foi utilizado. Médicos da PED diferiram estatisticamente no domínio VI (p=0,003), quando comparados com médicos da NEO. Médicos e enfermeiros da PED apresentaram diferença estatística significante no domínio V (p < 0,01), e médicos e enfermeiros da NEO apresentaram diferença estatística significante no domínio VI (p=0,05). A avaliação da QV de médicos e enfermeiros intensivistas pediátricos e neonatais mostrou-se abaixo dos escores encontrados na literatura científica, quando comparados com estudos que avaliaram pacientes com dores crônicas e com prejuízos na saúde mental, evidenciando a ocorrência de estresse ocupacional.

Médicos de UTI: prevalência da Síndrome de Burnout, características sociodemográficas e condições de trabalho

Nascimento Sobrinho,Carlito Lopes; Barros,Dalton de Souza; Tironi,Márcia Oliveira Staffa; Marques Filho,Edson Silva
Fonte: Associação Brasileira de Educação Médica Publicador: Associação Brasileira de Educação Médica
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2010 PT
Relevância na Pesquisa
36.52%
A Síndrome da Estafa Profissional constitui um quadro bem definido, caracterizado por exaustão emocional, despersonalização e ineficácia. Este trabalho descreve a prevalência da Síndrome de Burnout, características sociodemográficas e condições de trabalho dos médicos intensivistas de Salvador (BA). Realizou-se um estudo de corte transversal, que avalia os médicos que trabalham em UTI adulto nessa cidade. Foram avaliados 297 plantonistas, sendo 70% homens. A média de idade e de tempo de formado foi de 34,2 e 9,0 anos, respectivamente. Foram encontrados níveis elevados de exaustão emocional (47,5%), despersonalização (24,6%) e ineficácia (28,3%). A prevalência da Síndrome de Burnout, considerada como nível elevado em pelo menos uma dimensão, foi de 63,3% e de 7,4% nas três dimensões. A prevalência da Síndrome de Burnout foi elevada entre os médicos avaliados.

Mensuração da pressão intra-abdominal nas unidades de tratamento intensivo: a opinião dos médicos intensivistas

Japiassú,André M.; Falcão,Haroldo; Freitas,Fernando; Freitas,Sandra; Souza,Paulo César P.; Lannes,Roberto; Sato,Ricardo I.; Dias,Analucia M.; Almeida,Gustavo F.; Soares,Márcio; Salluh,Jorge I.
Fonte: Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB Publicador: Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2007 PT
Relevância na Pesquisa
36.6%
JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Os efeitos adversos da hipertensão intra-abdominal (PIA) são conhecidos há muitos anos, mas apenas recentemente deu-se importância à sua monitorização. Há evidências que cerca de um quarto dos centros de tratamento intensivo (CTI) não medem a PIA por falta de conhecimento da sua importância ou dificuldade na interpretação dos resultados. O objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento dos médicos sobre a síndrome de compartimento abdominal (SCA) e as características do seu manuseio. MÉTODO: Para a realização deste estudo foi enviado um questionário, contendo 12 perguntas sobre o assunto, para médicos que trabalham em CTI. RESULTADOS: O conhecimento das definições internacionais de SCA não parece estar influenciado pelo tempo de exercício da Medicina, mas sim pelo tempo de atividade dedicada à Medicina Intensiva. Embora a maioria esteja ciente da existência da SCA, menos da metade dos médicos que responderam ao questionário conhece as definições internacionais de 2004. A medida da PIA é realizada em pacientes com predisposição para SCA, por via intravesical, com injeção de 25 a 100 mL de líquido, com intervalos de 4 a 8 horas. Não parece existir valor de PIA (associado ou não a disfunções orgânicas) de consenso entre médicos desta pesquisa em relação ao tratamento clínico ou cirúrgico. CONCLUSÕES: O conhecimento sobre SCA é satisfatório quando considerados apenas os médicos que atuam majoritariamente em Medicina Intensiva. Contudo...

Fatores que tornam estressante o trabalho de médicos e enfermeiros em terapia intensiva pediátrica e neonatal: estudo de revisão bibliográfica

Fogaça,Monalisa de Cássia; Carvalho,Werther Brunow de; Cítero,Vanessa de Albuquerque; Nogueira-Martins,Luiz Antonio
Fonte: Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB Publicador: Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2008 PT
Relevância na Pesquisa
36.58%
OBJETIVOS: Revisão de literatura sobre estresse ocupacional e síndrome de burnout em médicos e enfermeiros que trabalham em unidade de terapia intensiva pediátrica e neonatal. MÉTODOS: Os artigos foram identificados a partir das bases de dados MedLine, LILACS e SciElo, usando as palavras-chave estresse, burnout, médicos, enfermagem, unidade de terapia intensiva, unidade de cuidados intensivos pediátricos e unidades de cuidados intensivos neonatais. O período pesquisado foi de 1990 a 2007. RESULTADOS: Médicos e enfermeiros que trabalham em unidade de terapia intensiva pediátrica e neonatal são candidatos a apresentarem estresse, alterações psicológicas e síndrome de Burnout. Pesquisas sobre o tema identificaram alterações importantes que acometem médicos e enfermeiros intensivistas: sobrecarga de trabalho, burnout, desejo de abandonar o trabalho e níveis elevados de cortisol entre outros fatores. CONCLUSÕES: Os profissionais que trabalham em unidade de terapia intensiva pediátrica e neonatal , pela especificidade do seu trabalho, estão expostos ao risco do estresse ocupacional e, conseqüentemente ao Burnout. Estes dados sugerem a necessidade de serem feitas pesquisas, com o objetivo de desenvolver medidas preventivas e modelos de intervenção.

Atitutes e percepções em terapia nutricional entre médicos intensivistas: um inquérito via internet

Cunha,Haroldo Falcão Ramos da; Salluh,Jorge Ibrain Figueira
Fonte: Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB Publicador: Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2010 PT
Relevância na Pesquisa
47.06%
OBJETIVO: Terapia nutricional é elemento importante no cuidado ao paciente grave. Mesmo reconhecida enquanto especialidade, a existência de equipes multidisciplinares ainda é escassa nas unidades terapia intensiva. Possivelmente a aplicação de cuidados em terapia nutricional seja variada entre intensivistas. O objetivo do estudo foi descrever percepções destes especialistas sobre atitudes e práticas em terapia nutricional enteral. MÉTODOS: Elaboramos questionário em plataforma on-line. Após fase de pré-validação, o instrumento foi distribuído via eletrônica. Após 30 dias as respostas foram computadas, considerando-se apenas os formulários completos. RESULTADOS: Cento e quatorze formulários foram devolvidos, 112 foram analisados. Os respondedores concentraram-se predominantemente na região sudeste do país. Sobre a instituição do suporte enteral, a maioria das respostas reflete percepções coadunadas às orientações de sociedades de especialistas. Os respondedores percebem frequentemente a aplicação de protocolos assistenciais relativos aos cuidados nutricionais. Após o início dos cuidados nutricionais, a percepção dos respondedores sobre a participação em modificações no plano terapêutico nutricional aparenta ser menor. O auto-conhecimento sobre o tema "terapia enteral" entre os respondedores foi quantificado em 6...

Trabalho e síndrome da estafa profissional (Síndrome de Burnout) em médicos intensivistas de Salvador

Tironi,Márcia Oliveira Staffa; Nascimento Sobrinho,Carlito Lopes; Barros,Dalton de Souza; Reis,Eduardo José Farias Borges; Marques Filho,Edson Silva; Almeida,Alessandro; Bitencourt,Almir; Feitosa,Ana Isabela Ramos; Neves,Flávia Serra; Mota,Igor Carlos
Fonte: Associação Médica Brasileira Publicador: Associação Médica Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2009 PT
Relevância na Pesquisa
67.2%
OBJETIVO: Descrever a prevalência da Síndrome de Burnout em médicos intensivistas de Salvador, associando-a a dados demográficos e aspectos da situação de trabalho (demanda) psicológica e controle sobre o trabalho. MÉTODOS: Um estudo de corte transversal investigou a associação entre aspectos psicossocias do trabalho e a síndrome da estafa profissional em uma população de 297 médicos intensivistas de Salvador, Bahia. Um questionário individual autoaplicável avaliou aspectos psicossociais do trabalho, utilizando o modelo demanda-controle (Job Content Questionnaire) e a saúde mental dos médicos, usando Inventário de Burnout de Maslach (MBI). RESULTADOS: Constatou-se elevada sobrecarga de trabalho e de trabalho em regime de plantão. A prevalência da Síndrome da Estafa Profissional (Burnout) foi de 7,4% e estava mais fortemente associada com aspectos da demanda psicológica do trabalho do que com o controle deste por parte dos médicos intensivistas. CONCLUSÃO: Médicos com trabalho de alta exigência (alta demanda e baixo controle) apresentaram 10,2 vezes mais burnout que aqueles com trabalho de baixa exigência (baixa demanda e alto controle).

Controle de infecção oral em pacientes internados: uma abordagem direcionada aos médicos intensivistas e cardiologistas

Kahn,Sérgio; Mangialardo,Elen de Saboya; Garcia,Carlos Henrique; Namen,Fátima Maria; Galan Júnior,João; Machado,Walter Augusto Soares
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 PT
Relevância na Pesquisa
36.75%
O objetivo do presente estudo foi verificar o grau de conhecimento médico sobre medicina periodontal e verificar a existência de algum protocolo de controle de infecção da cavidade oral em pacientes internados em hospitais. Para tal, 110 médicos cardiologistas e intensivistas lotados em cinco hospitais no município do Rio de Janeiro foram entrevistados. Dentre os indivíduos, 75,4% afirmaram ter conhecimento sobre o termo medicina periodontal; entretanto, apenas 30% declararam já ter lido algo a respeito. Apenas 2,7% dos médicos possuem o hábito de coletar informações sobre a história odontológica de seus pacientes e 58,2% afirmaram que essa conduta é condicional ao quadro apresentado pelo paciente. Com base nos dados obtidos, pode-se concluir que o conhecimento sobre medicina periodontal e, consequentemente, sobre a importância do controle do biofilme oral na manutenção da saúde sistêmica, apresenta-se pouco difundido entre a classe médica. Verificou-se não haver setor ou pessoa responsável pelo controle de infecção oral dentro dos hospitais avaliados e, consequentemente, a não existência de qualquer protocolo, eficaz ou não, de controle de infecção oral nessas unidades.

Estudo preliminar sobre a qualidade de vida de médicos e enfermeiros intensivistas pediátricos e neonatais; Estudio preliminar sobre la calidad de vida de médicos y enfermeros intensivistas pediátricos y neonatales; Preliminary study about qualify of life of physicians and nurses working in pediatric and neonatal intensive care units

Fogaça, Monalisa de Cássia; Carvalho, Werther Brunow de; Nogueira-Martins, Luiz Antonio
Fonte: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/09/2010 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
37.11%
Compare the Quality of Life (QL) of doctors and nurses who work in Pediatric (PED) and Neonatal (NEO) Intensive Care Units, and to evaluate whether there are differences between the QL in the same job category, but differing according to the work unit. This descriptive study was performed with 37 physicians and 20 nurses. The WHOQOL100 was used. Physicians from the PED differ statistically in the field VI (p=0.003) compared with physicians from the NEO. Physicians and nurses from the PED showed a statistically significant difference in field V (p; Comparar a Qualidade de Vida (QV) de médicos e enfermeiros que trabalham em UTI Pediátrica (PED) e Neonatal (NEO) e, também, avaliar se há diferença entre a QV na mesma categoria profissional, mas diferindo de acordo com a unidade de trabalho. Estudo descritivo com 37 médicos e 20 enfermeiros. O WHOQOL-100 foi utilizado. Médicos da PED diferiram estatisticamente no domínio VI (p=0,003), quando comparados com médicos da NEO. Médicos e enfermeiros da PED apresentaram diferença estatística significante no domínio V (p < 0,01), e médicos e enfermeiros da NEO apresentaram diferença estatística significante no domínio VI (p=0,05). A avaliação da QV de médicos e enfermeiros intensivistas pediátricos e neonatais mostrou-se abaixo dos escores encontrados na literatura científica...

Actitudes y conocimientos de intensivistas colombianos sobre donación y trasplantes: retos actuales para el país

Castañeda-Millán,David Andrés; López-García,Luis Felipe; García-Giraldo,Ana María; Segura-Vásquez,Adriana; Pérez-Gutiérrez,Norton; Lozano-Márquez,Eyner
Fonte: Revista de la Facultad de Medicina Publicador: Revista de la Facultad de Medicina
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2015 ES
Relevância na Pesquisa
36.65%
Antecedentes. Las tasas de donación y trasplantes en Colombia han descendido. Actualmente, se implementa una norma que exige capacitación al personal médico de cuidado intensivo en gestión de la donación. Objetivo. Identificar actitudes y conocimientos frente a la donación en médicos intensivistas de Colombia. Materiales y métodos. Estudio transversal descriptivo realizado a través de un formulario enviado por correo electrónico a los miembros de la Asociación Colombiana de Medicina Crítica y Cuidado Intensivo. Resultados. 93.75% donaría sus órganos, 97.91%, los órganos de un familiar fallecido, 95.83% donaría en vida uno de sus órganos, 83.33% ha manifestado su intención de donar, 41.66% conoce campañas de promoción a la donación, 12.5% tiene carné de donante y 22.92% ha donado sangre en el último año. 66.66% cree que se debe fortalecer la comunicación sobre donación en la unidad de críticos, 60.42% no aborda la donación con familias de potenciales donantes. 54.17% no conoce la legislación sobre donación 43.75% tiene un concepto desfavorable sobre el modelo de trasplantes colombiano, y 18.75% califica como regular/mala la interacción laboral con los coordinadores de trasplantes. Conclusiones. Los participantes tienen buena actitud ante la donación; sin embargo...

Uso de Internet y recursos electrónicos entre médicos intensivistas españoles: Primera encuesta nacional

Gómez-Tello,V.; Latour-Pérez,J.; Añón Elizalde,J. M.; Palencia-Herrejón,E.; Díaz-Alersi,R.; Lucas-García,N. de
Fonte: Medicina Intensiva Publicador: Medicina Intensiva
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; journal article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: text/html; application/pdf
Publicado em 01/09/2006 SPA
Relevância na Pesquisa
36.81%
Objetivo: Estimar en una muestra de intensivistas españoles el conocimiento y los hábitos de utilización de diferentes recursos electrónicos: Internet, correo electrónico, listas de distribución y uso de dispositivos electrónicos portátiles. Diseño: Cuestionario autocumplimentado. Métodos: Se distribuyó un cuestionario de 50 preguntas entre intensivistas españoles a través de los delegados comerciales hospitalarios de una empresa farmacéutica y de foros electrónicos. Resultados: Se analizaron 682 cuestionarios (participación: 74 %). El 96% de los encuestados usaban autónomamente Internet; el 67% reconoció lagunas en su formación. Internet constituyó la segunda fuente de consulta clínica más utilizada (61%), ligeramente por detrás de la consulta a colegas (65%). Las páginas más consultadas fueron las bases de datos bibliográficas (65%) y las revistas profesionales en formato electrónico (63%), con un escaso uso de páginas sobre medicina basada en la evidencia (19%). El 90% de los encuestados usaban correo electrónico de manera habitual en el ejercicio de su profesión, aunque el 25% reconoció que desconocían sus posibilidades. El uso del correo disminuyó significativamente con el incremento de la edad. El 62% de los intensivistas usaban listas de distribución. Del resto...

Nivel de formación en nutrición de médicos intensivistas: Encuesta en hospitales públicos de Asunción

Goiburu-Bianco,M.ª E.; Jure-Goiburu,M. M.; Bianco-Cáceres,H. F.; Lawes,C.; Ortiz,C.; Waitzberg,D. L.
Fonte: Nutrición Hospitalaria Publicador: Nutrición Hospitalaria
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; journal article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: text/html; application/pdf
Publicado em 01/10/2005 SPA
Relevância na Pesquisa
67.2%
El soporte nutricional del paciente crítico constituye un pilar importante dentro de la especialidad de medici-na intensiva. Los pacientes en la Unidad de Cuidados Intensivos (UCI) son frecuentemente hipercatabólicos y requieren de un soporte nutricional adecuado. La prescripción del tipo de nutrición, la cantidad y el seguimiento de los pacientes suele ser indicada generalmente por el médico intensivista, no obstante, no se conoce la calificación de estos médicos en relación a nutrición clínica. Objetivo: Investigar el grado de conocimiento sobre nutrición artificial y el interés por la nutrición en médicos intensivistas. Metodología: La encuesta prospectiva fue realizada a 60 médicos intensivistas de tres hospitales públicos de Asunción (22 especialistas y 38 residentes), con una edad media de 34 ± 6 años y con una experiencia media profesional de 5,8 ± 6 años. La encuesta constaba de 10 preguntas y respuestas de selección múltiple para determinar el grado de conocimiento según la calificación obtenida y 5 preguntas sobre formación propia y actitud frente al soporte nutricional en UCI. Resultados: El 98,3% de los encuestados consideraron que el tratamiento nutricional del paciente internado en la UCI incide sobre la morbimortalidad de los pacientes. A pesar de ello el 88...

Controle de infecção oral em pacientes internados: uma abordagem direcionada aos médicos intensivistas e cardiologistas

Kahn,Sérgio; Mangialardo,Elen de Saboya; Garcia,Carlos Henrique; Namen,Fátima Maria; Galan Júnior,João; Machado,Walter Augusto Soares
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 PT
Relevância na Pesquisa
36.75%
O objetivo do presente estudo foi verificar o grau de conhecimento médico sobre medicina periodontal e verificar a existência de algum protocolo de controle de infecção da cavidade oral em pacientes internados em hospitais. Para tal, 110 médicos cardiologistas e intensivistas lotados em cinco hospitais no município do Rio de Janeiro foram entrevistados. Dentre os indivíduos, 75,4% afirmaram ter conhecimento sobre o termo medicina periodontal; entretanto, apenas 30% declararam já ter lido algo a respeito. Apenas 2,7% dos médicos possuem o hábito de coletar informações sobre a história odontológica de seus pacientes e 58,2% afirmaram que essa conduta é condicional ao quadro apresentado pelo paciente. Com base nos dados obtidos, pode-se concluir que o conhecimento sobre medicina periodontal e, consequentemente, sobre a importância do controle do biofilme oral na manutenção da saúde sistêmica, apresenta-se pouco difundido entre a classe médica. Verificou-se não haver setor ou pessoa responsável pelo controle de infecção oral dentro dos hospitais avaliados e, consequentemente, a não existência de qualquer protocolo, eficaz ou não, de controle de infecção oral nessas unidades.

Encuesta sobre el nivel de formación en nutrición de médicos intensivistas en hospitales públicos de Asunción

Goiburu-Bianco,M. E; Jure-Goiburu,M. M.; Bianco-Cáceres,H.F.; Filártiga,A; Lawes,C; Ortiz,C
Fonte: EFACIM. Editorial de la Facultad de Ciencias Médicas - Universidad Nacional de Asunción Publicador: EFACIM. Editorial de la Facultad de Ciencias Médicas - Universidad Nacional de Asunción
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2005 ES
Relevância na Pesquisa
47.11%
La nutrición del paciente crítico constituye un pilar importante dentro de la especialidad de medicina intensiva. Los pacientes en la Unidad de Cuidados Intensivos (UCI) son frecuentemente hipercatabólicos y requieren de un soporte nutricional adecuado. La prescripción del tipo de nutrición, la cantidad y el seguimiento de los pacientes suelen ser indicados generalmente por el médico intensivista; no obstante, es necesario conocer la calificación de estos médicos en relación a nutrición clínica. Objetivo: Investigar el grado de conocimiento sobre nutrición artificial y el interés por la nutrición en médicos intensivistas. Metodología: La encuesta prospectiva fue realizada a 60 médicos intensivistas de tres hospitales públicos de Asunción (22 especialistas y 38 residentes), con una edad media de 34 ± 6 años y con una experiencia media profesional de 5,8 ± 6 años. La encuesta constaba de 10 preguntas con respuestas de selección múltiple para determinar el grado de conocimiento según la calificación obtenida y 5 preguntas sobre formación propia y actitud frente al soporte nutricional en UCI. Resultados: El 98,3% de los encuestados consideró que el tratamiento nutricional del paciente internado en la UCI incide en la morbimortalidad de los pacientes. A pesar de ello el 88...